Você está na página 1de 2

Resumo do texto “Arte de Persuasão”, de José Luiz Fiorin1

Heveline Damasceno de Freitas

No texto “Arte de Persuasão”, o autor José Luiz Fiorin(2009) aborda a


questão da retórica, ou seja, a “arte de convencer”, conceituando-a e
reconhecendo sua importância da Antiguidade aos dias atuais.
Primeiramente, para explicar o significado da retórica, o autor recorre à
teoria de Aristóteles, dividindo raciocínios entre "necessários" e preferíveis. Os
primeiros definem verdades que pertencem ao domínio da lógica, posto que
permitem conclusões indubitáveis decorrentes de premissas prévias já
comprovadas por meio de um silogismo perfeito. Os segundos estão no
domínio da Retórica e são úteis para persuadir alguém a aceitar dada tese
como a mais benéfica e apropriada, uma vez que propõem conclusões
plausíveis e possíveis, assentadas em premissas relacionadas a crenças e
valores, trata-se de um silogismo retórico que, apesar de lógico, não é imune
a questionamentos.
Em seguida, Fiorin (2009) alude às explicações de Cìcero sobre as
duas formas de persuasão: o convencimento, em que argumentos racionais
são mobilizados para comprovar tese; e a comoção, em que o discurso
procura abalar o estado de espírito do interlocutor a fim de garantir sua
adesão à tese.
Para o estudioso, a persuasão está no campo dos raciocínios
preferíveis e da Retórica, sendo responsável pela aquisição de alguns
recursos valiosos à humanidade: o princípio da antifonia, o paradoxo e a
noção do provável.
O princípio da antifonia é definido nas palavas de Fiorin (2009, p.3):
“Toda "verdade" construída por um discurso pode ser desconstruída por um
contradiscurso”. Já o paradoxo, para o autor, é estabelecido na possível
contradição entre a linguagem e a realidade. Cìcero apud Fiorin (2009)
exemplifica o paradoxo do mentiroso: “Na linguagem se pode mentir enquanto
se fala a verdade, e falar a verdade enquanto se mente”. Quanto ao provável,

1
Trabalho que cumpre exigência da disciplina Introdução à pesquisa, ministrada pela Profs. Laura
Botelho, durante a 7ª Quinzena do Curso de Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública
da Universidade Federal de Juíz de Fora. 02/12/2018.
o texto informa que relaciona-se aos estereótipos, isto é, reflexões produzidas
a partir da observação dos comportamentos humanos diante de uma situação
e que interferem inclusive na expectativas do povo em relação ao Governo.
Por fim, Fiorin (2009) conclui que a democracia é que produz a
Retórica, uma vez que só ela permite a contradição e o respeito ao dissenso
próprias de uma sociedade heterogênea, sendo a Retórica, por meio da
antifonia, essencial a essa sociedade como meio para resolver conflitos
alternativo ao uso da força física.

Referência Bibliográfica

FIORIN, José Luiz. A Arte da Persuasão. São Paulo: Revista Língua


Portuguesa, Editora Segmento, 2009. Disponível em:
<http://ppgp4.caedufjf.net/mod/resource/view.php?id=2690> Acesso em
01/12/2018.