Você está na página 1de 30

MANUAL DE INSTALAÇÃO

Condicionador de Ar Split Hi-Wall


Linha Silent SHF/Q 30.000

O
C ER TI FIC
A A
I

DO
LE

DE

GARANTIA

TIMER 18 RUN
ÍNDICE
I N T R O D U Ç Ã O . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
NOTASANTESDAINSTALAÇÃO....................................................
PEÇASEACESSÓRIOS.............................................................
PREENCHIMENTODOCTI(CONTROLETÉCNICODEINSTALAÇÃO).................
INSTALAÇÃO-PRELIMINARES....................................................
COMORETIRAROSUPORTEDEFIXAÇÃODAUNIDADEINTERNA.....................
COMOESCOLHEROLOCALDEINSTALAÇÃODOAPARELHO.........................
COMOINSTALARAPLACADEFIXAÇÃODAUNIDADEINTERNA.......................
INSTALAÇÃODOTUBODEDRENAGEMDAUNIDADEINTERNA.......................
COMOINSTALARECONECTARATUBULAÇÃOÀSUNIDADES.........................
COMOFIXARAUNIDADEEXTERNA.................................................
COMOPURGARAUNIDADEINTERNA...............................................
COMOALONGARATUBULAÇÃO....................................................
TRABALHOSELÉTRICOS..........................................................
COMOCONECTAROSCABOSDELIGAÇÃO..........................................
COMOVERIFICARACONEXÃODOATERRAMENTO..................................
COMOEXECUTAROTESTEDEVAZAMENTONOSISTEMA............................
EVACUAÇÃOEDESIDRATAÇÃODOSISTEMA.......................................
QUANDOECOMOCOMPLETARACARGADEFLUÍDOREFRIGERANTE.................
COMOLIBERAROFLUÍDOREFRIGERANTEPARAOSISTEMA........................
TESTESDEFUNCIONAMENTO.....................................................
SUPERAQUECIMENTO(CÁLCULOPARAAJUSTEDECARGA).......................
TABELADEPRESSÃO/TEMPERATURA(R-22).....................................
CORRENTEELÉTRICA.............................................................
TEMPERATURADEINSUFLAMENTOEDERETORNO.................................
QUANDOECOMOADICIONARÓLEONOCOMPRESSOR/SISTEMA....................
FINALIZAÇÃODAINSTALAÇÃO....................................................
CONDIÇÕESDEAPLICAÇÃO/OPERAÇÃO..........................................
DEFEITOS,CAUSASESOLUÇÕES..................................................
AUTODIAGNÓSTICO..............................................................
MANUTENÇÃOPREVENTIVA......................................................
TABELADECARACTERÍSTICASTÉCNICAS........................................
CERTIFICADODEGARANTIA......................................................

1
INTRODUÇÃO
Este manual destina-se à rede de autorizadas/instaladores credenciados. Elgin com o propósito de fornecer os elementos
básicos para a instalação e manutenção do produto.
Ressaltamos que somente empresas qualificadas e treinadas pela Elgin poderão instalar o equipamento e prestar qualquer
tipo de manutenção ao mesmo.
Caso persistam dúvidas sobre o produto, sua instalação ou manutenção, não exite em contactar-nos.

NOTAS ANTES DA INSTALAÇÃO


CUIDADOS COM A GARANTIA
A preservação da garantia está condicionada à qualidade da instalação e manutenção do equipamento.
Antes da execução destes serviços, leia atentamente o Certificado de Garantia no manual do proprietário, do qual destaca-
mos os dois itens que se seguem:
• Para que esta garantia seja válida na sua totalidade, o equipamento deverá ser instalado necessariamente por empresa
qualificada / credenciada pela Elgin, com o devido preenchimento do CTI (Controle Técnico de Instalação) que acompa-
nha o produto.
• Por se tratar de uma garantia complementar à legal, informamos que, caso esta instalação seja feita por empresa não
qualidicada / credenciada, a garantia contra defeitos de fabricação deste equipamento ficará limitada ao prazo legal de 90
(noventa) dias.

CTI CONTROLE TÉCNICO DE INSTALAÇÃO


• É imprescindível o preenchimento do Controle Técnico de Instalação (CTI), durante o processo de instalação dos condicio-
nadores de ar Split Elgin.
• O preenchimento correto do CTI, auxiliará o instalador e a Elgin a detectar possíveis defeitos de fabricação e instalação,
bem como falhas de processo.
• A garantia do produto está vinculada ao CTI. Portanto, acompanhe atentamente as instruções, que seguem parar o seu
preenchimento.
• o CTI deverá ser enviado após o preenchimento, ao suporte técnico da Elgin através de fax ou correio.

2
1. PEÇAS E ACESSÓRIOS
PEÇAS E ACESSÓRIOS INCLUÍDOS NA EMBALAGEM PEÇAS E ACESSÓRIOS INCLUÍDOS NA EMBALAGEM
DA UNIDADE INTERNA DA UNIDADE EXTERNA
(As quantidades estão indicadas entre parênteses) (As quantidades estão indicadas entre parênteses)

Placa de instalação Controle remoto (1) Manual de instalação CTI (1) Folheto Postos
(1) (1) Autorizados (1)

Postos
Autorizados

Pilhas para o Manual de instruções


controle remoto (2) (1)

Adaptador para
interligação

somente mod. Q/F

3
2. PREENCHIMENTO DO CTI (CONTROLE TÉCNICO DE INSTALAÇÃO)
1. Dados do Posto Autorizado/Instalador, Revendedor e Cliente
2. Dados do Produto
Preencha neste item, o modelo e o número de série da unidade interna e externa.
3. Condições do Equipamento
1. Antes de iniciar a instalação, verifique se a unidade externa contém fluido refrigerante no sistema.
2. Retire o tampão da válvula de 3 vias e instale o manifold (unidade externa).
3. Com chave própria, abra a válvula 1/4 de volta e registre no CTI a pressão indicada no manômetro.
Obs.: Se a pressão indicada for menor que 100 PSI, não execute a instalação.
Entre em contato imediatamente com o Suporte Técnico de Condicionadores de Ar - Demaser pelo telefone (11) 3225-5881.
4. Instalação Elétrica
1. Verifique com um multímetro qual a tensão (voltagem) de alimentação.
2. Compare a tensão especificada na etiqueta de identificação do produto. Existe tolerância de 10% do valor especificado. Caso
essa tolerância seja maior ou menor de 10%, oriente o cliente a solucionar o problema junto à concessionária de energia
elétrica.
3. Verifique se os disjuntores estão adequados conforme especificação técnica.
4. Oriente o cliente da real necessidade de um bom aterramento.
A falta de aterramento compromete a garantia do produto e a responsabilidade passa a ser do instalador.
pós constatar que a alimentação elétrica e o aterramento estão corretos, inicie a instalação dando continuidade ao preenchi-
mento do CTI.
5. Instalação Física do produto
Anote de que forma a unidade externa foi instalada (com suporte, diretamente no solo, etc.), a distância entre as unidades e os
procedimentos com a tubulação e vácuo no sistema.
6. Start-Up (partida do equipamento)
Após 30 minutos de funcionamento do equipamento, anote as temperaturas e pressão, como descritos neste tópico. Utilize
tabelas de pressão x temperatura para conversão.
7. Comentários e sugestões
Anote os comentários e sugestões que considerar importantes.

IMPORTANTE:
Manuseio do Produto
1. Oriente o cliente quanto ao funcionamento do equipamento e utilização do controle remoto.
2. Oriente-o ainda, quanto à importância da manutenção preventiva do condicionador de ar. Esta prática melhora o rendimento
e prolonga a vida útil do aparelho, além de preservar a garantia do equipamento.

NOTA:
Um cliente satisfeito é o resultado de uma instalação bem feita, podendo gerar outros serviços e lucros para a
empresa instaladora.

O formulário CTI acompanha o produto. Caso não o encontre ou necessite de cópia, entre em contato conosco para recebê-
lo rapidamente via fax ou e-mail.

A ELGIN AGRADECE A SUA COLABORAÇÃO.

4
3. INSTALAÇÃO - PRELIMINARES
ATENÇÃO
Antes de iniciar o trabalho de instalação do condicionador de ar, certifique-se de que o aparelho seja compatível com as
necessidades do ambiente. Preferencialmente, faça um cálculo de carga térmica conforme normas da ABNT - NBR 5858.
Se identificar irregularidades quanto à capacidade térmica do aparelho, solicite as proprietário providências para a substi-
tuição do produto.
Só instale o produto depois de solucionado o problema.

PRECAUÇÕES
Os condicionadores de ar ELGIN foram desenvolvidos para oferecer segurança confiável nas instalações e no uso, quando
executados os procedimentos corretos de acordo com as especificações de fábrica contidas nos Manuais de Operação e
Instalação que acompanham o produto. Todavia, cuidados especiais devem ser observados rigorosamente. Siga as reco-
mendações abaixo descritas:
• Utilize equipamentos de solda, mantenha um extintor de incêndio próximo ao local de trabalho.
• Cheque periodicamente a carga e o funcionamento do extintor.
• Durante o processo de soldagem, é necessário circular nitrogênio pela tubulação, para evitar a formação de fuligem prove-
niente da queima óxida, evitando assim entupimentos futuros no filtro e no tubo capilar. Se durante o processo de soldagem
não for aplicado nitrogênio, será necessária uma limpeza interna na tubulação.
• A não utilização dos métodos descritos compromete a vida útil do compressor, ficando a garantia do mesmo sob responsa-
bilidade do instalador.
• Mantenha o produto na embalagem até o momento da instalação.
Ao iniciar a instalação, inicie também o preenchimento do “CTI” (Controle Técnico de Instalação) verificando primeiramente
as condições das unidades interna e externa. (Preencha o CTI simultaneamente à instalação).
• Evite instalação de drenagem com mangueiras flexíveis por mais de 1 metro. Bolsas de ar/água impedem o escoamento
causando vazamento da bandeja para o ambiente.
• Não instale a unidade interna perto de passagens e portas.
• Escolha um local com espaço suficiente para a remoção do filtro de ar.
• Escolha uma superfície que consiga suportar o peso das unidades. Considere sempre que, durante uma manutenção po-
derá ocorrer, eventualmente, a necessidade de suportar o triplo deste peso.
• A unidade externa deve estar presa ao suporte e com amortecedores de ruídos, (coxins de borracha).
• Escolha um local onde o ruído acústico de operação e da descarga de ar da unidade externa não incomode as pessoas.
• Não utilize extensões com plug e tomada para alimentação elétrica do aparelho.
• Utilize sempre materiais de primeira qualidade (tubos de cobre, isolantes, cabos elétricos, etc.).
• O ponto de alimentação elétrica e aterramento deve ser executado por um Profissional Eletricista capacitado de acordo com
as normas da ABNT.
• A unidade externa nunca deve ser transportada com inclinação superior a 30 graus.
• O comprimento padrão da tubulações é de 5 metros. Para instalar acima do comprimento padrão, siga Tabela de Carac-
terísticas, na página 26.
• O fluído refrigerante e o óleo complementar deverão ser adicionados conforme o comprimento dos tubos (página 21).

5
4. COMO RETIRAR O SUPORTE DE FIXAÇÃO DA UNIDADE INTERNA

• Remova o suporte de fixação da unidade, localizado na


parte traseira do aparelho.

5. COMO ESCOLHER O LOCAL DE INSTALAÇÃO DO APARELHO


Ao instalar o condicionador de ar, observe as seguintes fig. 1
restrições:
P
L
RESTRIÇÕES DE ORDEM GERAL

Não instale o condicionador de ar em locais expostos a:


• Gases combustíveis. A
• Ar marítimo.
• Óleo de máquinas.
• Gás sulforoso.
• Condições ambientais especiais.
Se for absolutamente necessário instalar a unidade nes- • Escolha um local com espaço suficiente para a remoção
sas condições, consulte primeiramente seu revendedor. do filtro para baixo.
• Escolha um local que tenha os espaços ao redor da uni-
UNIDADE INTERNA dade interna de acordo com as dimensões da unidade e

• Escolha um local onde não haja obstáculos que impeçam


a entrada ou saída de ar do aparelho.
DIMENSÕES DA UNIDADE INTERNA
• Escolha uma superfície que consiga suportar o peso da
MODELOS A (mm) L (mm) P (mm)
unidade interna.
SHFI/QI 30.000 325 1250 220
• Escolha um local que permita a fácil instalação das tubu-
lações para a unidade externa e que não exceda o com-
primento máximo conforme Tabela de Características Téc- • Escolha um local que permita que a água da mangueira
nicas na página 26. de drenagem corra livremente sem provocar danos.

6
COMO ESCOLHER O LOCAL DE INSTALAÇÃO DO APARELHO (CONT.)

• A unidade externa nunca deve ser instalada verticalmente


fig. 1
ou invertida para evitar a entrada do óleo de compressor no
L
circuito de refrigeração, danificado a unidade.
• Escolha um local seco e aberto. Se o local estiver exposto
à luz direta do sol, projeta-o usando um tolo.
• Escolha um local onde o aparelho não bloqueie a passa-
gem.
• Escolha um local o ruído acústico de operação e da
descarga de ar não incomode as pessoas. A
• Escolha um local que permita a fácil instalação das tubu-
lações da unidade interna, que não exceda a distância “L”
(conforme figura na página seguinte) entre as unidades.
P
• Escolha uma superficie que consiga suportar o peso da
unidade externa e que não permita o aumento da vibra-
ção e do ruído acústico. • No caso de instalação em local alto, certifique-se que a
base seja fixada na posição correta e a uma altura máxima
• Instale a unidade externa de forma que o fluxo de saída do conforme figura na página seguinte onde altura = “H”.
ar seja dirigido para fora. • Escolha um local onde a drenagem, da água não cause
nenhum problema.
• Escolha um local que tenha os espaços ao redor da uni- • O comprimento máximo permitido para a tabulação de
dade externa de acordo com a figura 1 e informações da refrigeração é a distância “L” indicada na página seguinte.
página seguinte. Quando a tubulação exceder o comprimento padrão de
7,5 metros, adicione 60 g de refrigerante (R-22) para
cada metro adicional.

DIMENSÕES DA UNIDADE EXTERNA


ATENÇÃO
MODELOS A (mm) L (mm) P (mm) • Este equipamento deverá ser instalado ser instalado neces-
sariamente por empresa qualificada e credenciada pela
SHFE/QE 30.000 840 900 330 Elgin.
• A instalação deverá estar de acordo com as normas da
ABNT.
• Certifique-se de que o aparelho a ser instalado seja
compatível com a carga térmica do ambiente.
• Não instale o condicionador de ar se for subdimen-
sionado em relação à carga térmica do ambiente.

7
COMO ESCOLHER O LOCAL DE INSTALAÇÃO DO APARELHO
Ao instalar o condicionador de ar, respeite os espaços livres e os comprimentos máximos indicados no diagrama seguinte.

100 mm
ou mais
150 mm
ou mais

150 mm
ou mais

200 mm
Distância mínima do piso

(desnível máximo entre as unidades)


“L” = 30 metros (9/12.000)
(Comprimento máximo da tubulação)

“H” = 10 metros max.


200 mm 500
mínimo

1000 mm
mínimo

ATENÇÃO
Obedeça as elevações e comprimentos máximos
permitidos para não perder à garantia.

8
6. COMO INSTALAR A PLACA DE FIXAÇÃO DA UNIDADE INTERNA

C:@

I/EEE:
C:@

F/EEE:
C:@

C:@

C:@

Parafusos Parafusos

C:@

9
6. COMO INSTALAR A PLACA DA UNIDADE INTERNA
A instalação do tubo de drenagem da unidade interna deve ser feita com muito cuidado para garantir que toda a água
resultante da condensação seja drenada corretamente para o exterior. Ao passar o tubo de drenagem pelo furo aberto na
parede, certifique-se de que:

mínimo
5 cm
Cavi-
dade

A inclinação do tubo A extremidade do O tubo não deve Não coloque a Haja pelo menos 5
não seja tubo não deve ficar ser dobrado em extremidade do tubo centímetros de
ascendente imersa em água direções diferentes dentro de qualquer distância entre o
cavidade tubo e o chão

PARA INSTALAR O TUBO DE DRENAGEM, PROCEDA


DA SEGUINTE FORMA:
1 .Se necessário, conecte uma extensão ao tubo de drena-
gem.
2 .Toda extensão da mangueira de drenagem deve ser isola-
da termicamente.
3 .Prenda cuidadosamente o tubo de drenagem sob a tubu-
lação do circuito de refrigeração, o mais reto possível.
4 .Passe o tubo de drenagem através do furo na parede, cer-
tificando-se de que ele esteja inclinado para baixo, confor- Se houver necessidade de drenagem para cima, adquira
e instale uma minibomba de remoção de condensados
me ilustrações na figura acima. Elgin.

• O tubo de drenagem somente deverá ser isolado e fixado


de modo definitivo depois de efetuado o teste de vaza-
mento em toda a instalação.

• O tubo de drenagem deverá ser isolado termicamente para


instalações embutidas diretamente na parede (alvenaria).

Tubo de PVC
0,6 cm

10
8. COMO INSTALAR E CONECTAR A TUBULAÇÃO NAS UNIDADES

8.1 UNIDADE INTERNA Se for necessário alongar a tubulação, isole-a separada-


Existem duas tubulações de refrigeração com diâmetros mente.
diferentes: Para orientar-se como alongar a tubulação, consulte a pági-
A mais fina para o líquido de refrigeração (entrada da uni- na 13.
dade interna). Corte o excesso de espuma isolante.
A mais grossa para o gás refrigerante (saída da unidade Se necessário, curve o tubo, estenda-o ao longo da parte
interna). inferior da unidade interna e passe-o para fora da unidade
O aparelho já vem equipado com uma tubulação curta. Se por um dos orifícios apropriados, certificando-se de que:
for necessário aumentá-la, use tubulações de ligação adi- A tubulação não fique saliente em relação à parte de trás
cional. da unidade interna.
O procedimento de ligação da tubulação de refrigeração O raio do ângulo da curva meça 100 mm ou mais.
varia de acordo com o lado de saída da unidade interna, Certifique-se de que não tenha havido estrangulamento
olhando o aparelho de frente quando ele já estiver instala- do tubo.
do na parede: Passe a tubulação através do furo aberto na parede.
• Direito (B) • Esquerdo (A) • Inferior (C) • Traseiro Para obter mais informações sobre como ligar a unidade
externa e purgar o circuito, consulte a página 12 e 13.
A tubulação somente deverá ser totalmente isolada e
fixada de modo definitivo depois de efetuado o teste
de vazamento de gás; consulte a página 19 para obter
mais informações.

OBSERVAÇÃO:
Com uma faca, destaque a tampa removível existente na
parte de trás da unidade interna (exceto se você pretende Quando a unidade externa tiver sido instalada a 1m
fazer a ligação diretamente por trás. ou mais acima da unidade interna, instale um sifão
Lime as bordas cortadas para eliminar as rebarbas. próximo à unidade interna e outros a cada 3m,
obedecendo o desnível e o comprimento máximo
Retire as tampas de proteção das tubulações e conecte as
conforme características técnicas de cada modelo
tubulações de ligação a cada tubo do circuito refrigerante,
apertando as porcas manualmente e, depois, com uma cha- (pág. 26).
ve apropriada.

ISOLANTE TÉRMICO A
UNIDADE
EXTERNA

A 3m
B
TUBO DE COBRE

UNIDADE 3m
IMPORTANTE: É importante que as tubulações sejam INTERNA

isoladas separadamente

11
COMO INSTALAR E CONECTAR A TUBULAÇÃO NAS UNIDADES
8.2 UNIDADE EXTERNA
:
do danos às conexões.
1. Alinhe as conexões nas válvulas de serviços e aperte pri- 2. Finalmente aperte as conexões utilizando duas chaves,
meiramente usando os dedos. Não inicie o aperto usando estando uma delas apoiada no tampão da válvula de ser-
ferramentas. Se a rosca estiver desalinhada, você não per- viço. Tenha o cuidado de não permitir a torção dos tubos.
ceberá se utilizar a ferramenta em vez das mãos, causan-

ATENÇÃO:
Recomendamos a preparação de um looping nas tubulações , conectando-as nas válvulas de serviço, evitando
vibrações e consequentes trincas e vazamentos nesta região (veja fig. acima).

TABELA 1 -TORQUE RECOMENDADO

Diâmetro externo
Torque de aperto Torque máximo
do tubo de cobre
Ø 9,52 (3/8") 300kgf x cm (118Kgf x pol) 350kgf x cm (138kgf x pol)
Ø 15,88 (5/8") 750kgf x cm (295Kfg x pol) 800kgf x cm (315kgf x pol)

12
9. COMO FIXAR A UNIDADE EXTERNA
A unidade externa deve ser instalada sobre uma base rígi-
da e estável para evitar o aumento do ruído e da vibração
do aparelho, especialmente quando é colocada perto de
outras residências.

No caso de ficar instalada em um local exposto a ventos


fortes ou em local elevado, a unidade deve ficar presa a Saída de Ar
um suporte apropriado (parede ou chão).
1. Coloque a unidade externa de modo que o fluxo de saída
do ar esteja dirigido para fora, conforme indicado na figu-
ra ao lado.
2. Fixe a unidade externa na parede ou no solo por meio de
parafusos e suportes apropriados (figuras ao lado).
3. Se a unidade externa ficar exposta a ventos fortes, instale
placas protetoras à sua volta, para que o ventilador possa
funcionar sem problemas.
Encaixe os pés de borracha de forma correta para evitar
vibrações e barulho.

ATENÇÃO
Observe sempre as distâncias mínimas especificadas
na página 8.

10. COMO PURGAR A UNIDADE INTERNA


Para o transporte, a unidade interna foi carregada com
gás
inerte. o qual deverá ser totalmente retirado antes de
conectar a tubulação do circuito refrigerante.
Para retirar o gás inerte, proceda da seguinte maneira:

Retire os dois tampões de cada tubo, desatarrachando-


os.

Resultado: O gás inerte escapará totalmente da unidade


interna.

NOTA:
• Para evitar que, durante a instalação, sujeira ou objetos es-
Caso a unidade se apresente sem pressão interna,
tranhos entrem nos tubos, deixe para retirar totalmente os será necessário executar o teste de vazamento an-
tampões somente no momento da colocação dos tubos. tes da instalação;.

13
11. COMO ALONGAR A TUBULAÇÃO

Se houver necessidade, você pode:


• Alongar a tubulação até a distância “L” máx. (pag. 8).
• Se for necessário aumentar a tubulação em mais de cinco
metros de comprimento, será preciso adicionar fluido de
refrigeração ao circular ao circuto.
1. Certifique-se de ter à mão seguintes ferramentas: cor-
ta-tubos, lima, alargador e uma morsa.
2. As tubulações devem ser cortadas com um corta-tubos,
tendo o cuidado de fazê-lo absolutamente na perpendicu-
lar (90°). Consulte as figuras abaixo para ver o que são
cortes corretos e cortes incorretos.

3. Para impedir vazamentos de gás, retire todas as rebarbas


do local cortado, utilizando uma lima ou o alagador.
4. Coloque uma porca afunilada no tubo e alargue a ponta
do tubo (flange).
Diâmetro
Tubulação Profundidade (A)
externo (D)
Líquido de refrigeração 6,35 mm 1,3 mm
Gás refrigerante 12,70 mm 2,0 mm
5. Verifique se a ponta to tubo foi alargada corretamente,
observando as figuras abaixo onde são mostrados alarga-
mentos incorretos.

6. Alinhe as tubulações que serão conectadas e aperte a


porca, primeiro à mão e depois com uma chave apropri-
ada.
7. Para obter mais informações sobre como fazer as ligações
à unidade externa (pág. 17) e evacuar o ar do circuito.
• Cuidado para não torcer/estrangular o tubo. Somente a TORQUE
porca deve girar, mantendo a conexão firme.

14
:

COMO CONECTAR OS CABOS DE LIGAÇÃO


13.2 UNIDADE EXTERNA fixadores.
ATENÇÃO: O aterramento é obrigatório. A instalação Conforme o diagrama elétrico, identifique os cabos com
deverá ser feita por um profissional especializado se- anilhas numéricas e interligue-os nos terminais da
guindo as normas da ABNT. unidade.
A ligação do fio terra é de inteira responsabilidade do Obs: Só conecte o cabo de alimentação ao quadro elétrico
instalador. A falta de um aterramento ou adequado ou a após ter concluído todo o serviço de instalação com o equi-
não instalação do fio terra, poderá causar danos ao pamento pronto para o start up (funcionamento inicial).
equipamento e provocar acidentes. LIGAÇÃO DOS CABOS NA UNIDADE INTERNA
Remova a tampa de proteção dos terminais. Retire a tampa.
Prenda os cabos de alimentação e interligação nos Identifique os cabos e fixe-os nos terminais conforme.

OBS.: A unidade externa Quente/Frio possui um conector no qual deve ser ligado um cabo
(chicote) que acompanha o produto. Providencie uma interligação segura deste chicote com o
cabo existente na unidade interna, seguindo o diagrama de ligação acima (SHQ-30.000-2).

15
14.COMO VERIFICAR A CONEXÃO DO ATERRAMENTO
Se o circuito de distribuição de energia não possuir cone- • Se o eletrodo de aterramento um em ficar em um local de passa-
xão de aterramento, ou se essa conexão não estiver de gem, o fio deverá estar muito bem preso.
acordo com as especificações, será necessário instalar um 5 . Verifique cuidadosamente a instalação, medindo a resis-
eletrodo de aterramento. Esses acessórios não são forne- tência de aterramento com um aparelho apropriado. Se a
cidos com o aparelho. resistência for superior à requerida, enterre mais fundo o
1. eletrodo de aterramento ou adicione mais eletrodos.
Escolha um eletrodo de aterramento que respeite as
especificações e normas vigentes.
2.
Escolha um local apropriado para a colação do eletro-
• do de aterramento:
Em solo duro e úmido, e não em areia ou cascalho (cuja
• resistência de aterramento é alta).
Longe de fundações ou instalações subterrâneas como,
por exemplo, dutos de gás e de água, linhas telefônicas e
• cabos enterrados.
Distante, pelo menos, dois metros de um eletrodo de
aterramento ao qual esteja ligado um pára-raios e do res-
pectivo cabo.
O fio de aterramento da linha telefônica não pode ser usado
3.
para conectar o aterramento do condicionador de ar.
Cave um buraco com as dimensões indicadas na figura
4.
ao lado, coloque o eletrodo no fundo e cubra-o com terra.
• Instale um fio de aterramento com isolamento verde/ama-
relo (Ø 1,6 mm, seção 2,5 mm² ou superior).
Se o fio de aterramento for curto, solde em sua extremida-
• de outro fio e envolva o local soldado com fita isolante
(não enterre o local da soldagem).
Com grampos apropriados, prenda o fio de aterramento.

16
14. COMO EXECUTAR O TESTE DE VAZAMENTO NO SISTEMA
1. Para realizar o teste de vazamento, não abra as válvulas
fig. 1 MANIFOLD
de serviço da unidade externa.
2. Retire o tampão da válvula scharader (válvula de 3 vias) e
instale um manifold com manômetro de alta pressão.
3. Instale a mangueira de serviço do manifold no regulador
N2
de pressão de um cilindro de nitrogênio (fig. 1). CILINDRO DE
NITROGÊNIO
4. Pressurize o sistema com nitrogênio até atingir 8,5 kg/cm²
ou 120 psi. VAPOR

5. Procure vazamento em pontos suspeitos, como soldas e


conexões (fig. 2). CONDENSADOR EVAPORADOR
COMP
6. Se houver vazamentos, elimine-os e repita a operação.
7. Deixe o equipamento pressurizado por, no mínimo, 3 ho-
LÍQUIDO
ras ou, se possível, por 24 horas. Após o tempo de teste,
UNIDADE EXTERNA UNIDADE INTERNA
certifique-se de que a pressão permaneceu a mesma. Caso
haja irregularidade na pressão, existe micro vazamento e
precisará ser identificado.
8. Na hipótese de não conseguir identificar o vazamento com fig. 2
nitrogênio, remova-o e aplique fluído refrigerante R-22. Use
um detector eletrônico para identificar o vazamento.
9. Solucionado o vazamento, recolha o fluído refrigerante.
Não libere o fluído refrigerante na atmosfera. As molécu-
las de cloro destroem o ozônio que impede a infiltração
de raios ultravioleta emitido pelo sol.

Obs.: Não utilize o fluído refrigerante contido na unida-


fig. 3
de condensadora para teste de vazamento.

NOTAS:
Jamais introduza oxigênio, acetileno ou outros gases in- sem válvulas reguladoras de pressão em perfeito estado
1. flamáveis para teste de vazamento. Isto poderá ser letal. de funcionamento. O uso inadequado destes equipamen-
Não trabalhe ou instale mangueiras ou manômetros em tos poderá causar danos irreparáveis ao equipamento, e
2. cilindros (nitrogênio, oxigênio, acetileno ou outros gases) principalmente à vida.

17
15. EVACUAÇÃO E DESIDRATAÇÃO DO SISTEMA
O vácuo deve ser realizado após o teste de vazamento e
antes da liberação do fluído refrigerante, sendo ne- VACUÔMETRO
MANIFOLD ELETRÔNICO
cessária uma bomba de alto vácuo e um vacuômetro
eletrônico
Bomba de alto vácuo
Trata-se de uma bomba rotativa, com capacidade de atin- BOMBA
DE VÁCUO
gir até 50 mícrons. Não adianta utilizar uma bomba de pis-
tão, pois sua capacidade de evacuação (cerca de 50.000 VAPOR
mícrons = 28 in Hg, polegadas de mercúrio) não é com-
patível com o nível exigido de vácuo.
COMP CONDENSADOR EVAPORADOR
Antes de se iniciar, a bomba deve ser testada,
devendo atingir, no mínimo, 200 mícrons, caso contrário,
deve-se trocar o seu óleo, que provavelmente está conta- LÍQUIDO

UNIDADE EXTERNA UNIDADE INTERNA


minado.
Para isso, consulte o fabricante da bomba.
caso persistir o problema, a bomba necessita de manu-
tenção, não devendo ser utilizada para o vácuo. que um compressor comum não pode ser usado como
bomba de vácuo, pois não há evaporação da água.
Vacuômetro eletrônico: 2. Para ter-se certeza de que a água evapore em todo o siste-
É um dispositivo indispensável, pois tem a capacidade de ma, há necessidade de chegar no mínimo a 250 mícrons,
ler os baixos nivéis de vácuo exigidos. Um manova- correspondendo a uma temperatura de evaporação de
cuômetro não substitui o vacuômetro, pois este não per- -31°C, sendo necessário para isto empresar-se uma bom-
mite uma leitura adequada, devido a sua escala ser impre- ba de alto vácuo.
cisa e grosseira. 3. Há necessidade de efetuar-se o vácuo tanto na linha de
TEMPERATURA líquido como na de vapor; como as medições não são fei-
UNIDADES DE VÁCUO DE EVAPORAÇÃO tas nos pontos mais afastados, há necessidade de um alto
DA ÁGUA vácuo para garantir que em todo o sistema se alcançou
Poleg. Hg mm Lb Torr Mícrons 0°C 0°F
um vácuo satisfatório.
0 0 14,7 760 100 212
15 380 74 380 82 179 4. Para uma perfeita evacuação do sistema, há necessidade
26 660 19 100 52 125 de se quebrar o vácuo no mínimo 3 vezes, com nitrogênio,
27 684 14 76 46 114
0,95
permitindo assim que haja arraste da umidade das partes
28 711 50,800 50.800 38 100
29 735 0,49 25,400 25.400 26 79 mais afastadas.
29,2 740 0,40 20,800 20.800 22 72 5. O tempo de duração de uma evacuação depende tão so-
29,8 755 0,09 4,579 4.579 0 32
mente do tamanho da instalação e do tamanho da bomba
29,904 0,005 0,250 250 -31 -25
29,918 0,002 0,097 97 -40 -40 de vácuo.
29,92 0,0005 0,025 25 -51 -60 6. Todavia, não tendo um vacuômetro eletrônico, execute o vá-
cuo com um manovacuômetro até que atinja 29,9” Hg (29,9
OBTENÇÃO DE VÁCUO
1. Pela tabela entre pressão e temperatura de evaporação pol. de mercúrio). Quebre o vácuo com nitrogênio até
da água, nota-se que, com um vácuo de 28” Hg, a tempe- 2 PSI, por duas vezes, para auxiliar o deslocamento e a re-
ratura de evaporação é de 38 °C. Como todo compressor moção da umidade das tubulações. Finalização, execute um
comum alcança no máximo 28” Hg de vácuo, conclui-se novo vácuo por 45 minutos após ter atingido 29,9 “Hg.

18
16.QUANDO E COMO COMPLETAR A CARGA DE FLUÍDO REFRIGERANTE
1. As unidades externas são fornecidas com fluído refrige-
rante para atender instalações a uma distância padrão de MANIFOLD

5 metros da unidade interna. Verfique a carga de fluído


GARRAFA
refrigerante R-22 na etiqueta do produto ou consulte a Ta- GRADUADA
bela de Características Técnicas (pág. 28).
2. Quando as unidades (interna e externa) forem insta-
ladas com distância superior à padrão (7,5 metros), é
necessário adicionar 60 gramas de fluído refrigerante VAPOR

por metro adicional.

COMP CONDENSADOR EVAPORADOR

Quando for necessário completar a carga, com o sistema


LÍQUIDO
ainda em vácuo, adicione fluído refrigerante com o manifold
UNIDADE EXTERNA UNIDADE INTERNA
instalado na linha de líquido. Utilize uma balança eletrônica
ou um cilindro graduado para executar a carga correta.

ATENÇÃO:
Jamais adicione fluído refrigerante no estado líquido
pela linha de sucção ou diretamente no compressor.

17.COMO LIBERAR O FLUÍDO REFRIGERANTE PARA O SISTEMA


Após ter executado todos os procedimentos de instalação
e instalado o conjunto manifold nas válvulas de serviço, HASTE DA VÁLVULA
execute as operações abaixo utilizando chaves apropria-
das. BATENTE

1. Abra a haste da válvula até que ela encoste no batente.


Não é necessário tentar abrir mais do que isso.
HASTE DA
2. Depois de ter liberado o fluído refrigerante, aperte firme- VÁLVULA
mente a tampa da haste da válvula usando uma ferra-
menta adequada.
3. Inicie o funcionamento do equipamento conforme expli- OBSERVAÇÃO
cação no Manual de Operações. Jamais deixe de apertar todos os tampões caso contrário
Faça os testes de funcionamento preenchendo o CTI (Item poderão ocorrer microvazamentos pelas gaxetas e provo-
6 - Start-up). car danos ao equipamento.

19
18.TESTE DE FUNCIONAMENTO
1. Acione o disjuntor de alimentação do equipamento. haver falhas na troca de calor no condensador, excesso
2. Selecione, no controle remoto, a operação para refrigera- de fluído refrigerante ou outra irregularidade a ser iden-
ção do equipamento. tificada.
TEMPERATURA DE ENTRADA E SAÍDA DO CONDENSADOR 4 .Recomendamos a utilização de medidores de
1. Meça a temperatura externa próximo à unidade condensa- temperatura digital com mais de três sensores.
dora sem interferência da descarga de ar quente.
2. Meça a temperatura do ar de entrada na unidade conden-
sadora e compare com a temperatura externa. A diferença
não deve ultrapassar 2 ºC. Se a diferença for maior, identi-
fique o motivo do retorno de ar de descarga para o
condensador ou outra fonte de calor. Solucione o proble-
ma para não afetar o funcionemento do equipamento.
3. Meça a temperatura de descarga de ar do condensador e
compare com a temperatura de entrada. A diferença não
deverá ser superior a 25 °C. Se a diferença for superior, pode

19.SUPERAQUECIMENTO (CÁLCULO PARA AJUSTE DE CARGA)


Superaquecimento (SA) é o acréscimo de temperatura que
MANIFOLD
o fluído refrigerante ganha ao promover a evaporação.
21ºC
É a diferença entre a temperatura na linha de sucção
1 2 3
(t suc) e a temperatura de evaporação (t ev). Observe a 4

fórmula abaixo: VÁLVULA DE SERVIÇO


DE SUCÇÃ O

SA = t suc - t ev VAPOR

t suc = temperatura de sucção. É lida diretamente na linha COMP CONDENSADOR EVAPORADOR

de sucção devidamente isolada para não incidir com


t ev = a temperatura externa. LÍQUIDO

UNIDADE EXTERNA UNIDADE INTERNA


temperatura de evaporação. É obtida através da lei-
tura de pressão de evaporação, lida com o
manômetro instalado na linha de sucção e consul-
O superaquecimento deve estar compreendido entre as
tando posteriormente uma tabela de propriedades
faixas da tabela abaixo:
termodinâmicas do R-22 (pressão X temperatura).
Preferencialmente, superaquecimento deve estar na fai-
Para esta medição utilize os seguintes equipamentos:
xa recomendada. Se estiver fora da faixa aceitável, é sinal
Termômetro digital com sensores, manifold e tabela de
que a carga refrigeração está incorreta.
pressão x temperatura (R-22), (fornecida neste manual)
SIGA OS PASSOS ABAIXO:
1. Instale um termômetro digital devidamente isolado, na
Ajuste a carga de refrigerante conforme a necessidade.
parte superior do tubo da linha de sucção (a 20 cm da
válvula de serviço), e meça a temperatura (t suc).
SUPERAQUECIMENTO
2. Com o manômetro instalado na linha de sucção, meça a
FAIXA ACEITÁVEL FAIXA RECOMENDADA
pressão. Com a tabela de saturação identifique a tempe-
ratura de evacuação (t ev). De 5 a 17°C De 7 a 11°C
3. Aplique a fórmula e aponte o valor de o superaquecimento.
EXEMPLO DE CÁLCULO
• Pressão da tubulação de sucção (monômetro) 65,1 psig SUPERAQUECIMENTO
• Temperatura de evaporação saturada (tabela) 2,8°C MENOR QUE 5°C MAIOR QUE 15°C
• Temperatura da tubulação de sucção (termômetro) 10,8°C Há excesso de refrigerante. Há falta de refrigerante.
• Superaquecimento = 10,8 - 2,8 = 8°C Retire refrigerante Acrescente refrigerante
(Carga correta = de 7 a 11°C) do sistema. do sistema.

20
20. TABELA DE PRESSÃO/TEMPERATURA (R-22)
TABELA TERMODINÂMICA DO FLUÍDO REFRIGERANTE R-22
PSIG °C °F PSIG °C °F PSIG °C °F
-6 -45,6 -50 41,2 -6,5 18 153,2 28,9 84
-3,5 -43,9 -47 43,9 -6,1 21 160,8 30,6 87
-2,2 -42,2 -44 47,9 -4,4 24 170,1 32,2 90
-0,8 -4,6 -41 51,2 -2,8 27 176,5 33,9 93
1,4 -38,9 -38 55,2 -1,1 30 185 35,6 96
2,7 -37,2 -35 58,4 0 32 193,1 37,2 99
3,8 -35,6 -32 61 1,1 34 202,1 38,9 102
5,6 -33,9 -29 65,1 2,8 37 213,5 40,6 105
7,1 -32,2 -26 69,3 4,4 40 219,9 42,2 108
8,8 -30,6 -23 73,1 6,1 43 229,8 43,9 111
10,6 -28,9 -20 76,2 7,2 45 239,8 45,6 114
12,4 -27,2 -17 79,1 8,3 47 250 47,2 117
14,1 -25,6 -14 85,9 10,6 51 262,8 48,9 120
16,3 -23,9 -11 91,1 12,2 54 271,6 50,6 123
18,5 -22,2 -8 95,9 13,8 57 280,3 52,2 126
20,1 -20,6 -5 102,7 15,6 60 300 54,4 130
22,3 -18,9 -2 107,4 17,2 63 304,5 55,6 132
24 -17,8 0 113,2 18,9 66 319,7 57,2 135
26,5 -16,1 3 119,5 20,6 69 329,4 58,9 138
29 -14,4 6 125,7 22,2 72 342,2 60,6 141
32,7 -12,8 9 133,9 23,9 75 354,3 62,2 144
35,5 -11,1 12 139,5 25,6 78 368,6 63,9 147
38,1 -9,4 15 145,9 27,2 81 382,3 65,6 150

Pressão manométrica abaixo Temperatura de °C Temperatura de °F


de zero/unidade em “Hg” abaixo de zero abaixo de zero
(polegada de mercúrio)

21. CORRENTE ELÉTRICA


1. Verifique a corrente elétrica na etiqueta do produto.
ATENÇÃO: Não efetue correções da corrente elétrica
2. Com um alicate amperímetro, meça a corrente nominal de adicionando ou removendo fluído refrigerante.
funcionamento e compare com a da etiqueta.
Caso o valor apresentado for maior que o da etiqueta, iden-
tifique uma possível irregularidade.

21
22.TEMPERATURA DE INSUFLAMENTO E DE RETORNO
1. Para fazer uma avaliação parcial de rendimento de refrige-
ração do equipamento meça as temperaturas de entrada
e de insuflamento na unidade interna.
2. Use um termômetro digital de pelo menos 4 sensores ti-
rando a média de temperatura.
3. Em condições normais de funcionamento na velocidade
média, o diferencial de temperatura entre o retorno e o
insuflamento deve estar comprendido entre 10°C e 15°C.

23.QUANDO E COMO COMPLETAR A CARGA DE FLUÍDO REFRIGERANTE


1. O compressor é fornecido com óleo lubrificante para aten-
MANIFOLD
der as instalações com distância padrão entre as unida-
des interna e externa. 200

150
2. Em instalações com distância superior à padrão, é ne- 100

cessário adicionar 100 ml de óleo mineral a cada 10 50

metros. ÓLEO MINERAL


3. Recomendamos que se adicione óleo ao compressor VAPOR

após 24 horas de funcionamento do equipamento.


4. Para adicionar óleo ao sistema, é necessário o recolhi- COMP CONDENSADOR EVAPORADOR

mento do fluído refrigerante pela unidade condensadora.


5. Após o recolhimento, faça um vácuo na linha de sucção LÍQUIDO

6. Com a utilização de um recipiente medidor (com escala UNIDADE EXTERNA UNIDADE INTERNA

em mililitros), para cada 10 metros de distância entre as


unidades interna e externa, adicione 100 ml de óleo mi- ATENÇÃO: Durante a adição de óleo no compressor,
neral com a mangueira do manifold instalada na válvula deve-se ter o cuidado para não permitir a entrada de
ar, umidade ou impurezas. Depois de adicionar óleo,
de serviço de sucção. Estando a linha em vácuo, ao abrir execute um novo vácuo antes de liberar o fluído refri-
o registro do manifold, o óleo será succionado. gerante para o sistema.

24. FINALIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO


que esta manutenção deve ser executada preferencia-
1. Limpe o equipamento e o local de trabalho. mente pelo posto autorizado.
2. Limpe e guarde bem as suas ferramentas para uma próxi-
ma instalação.
3. Oriente o cliente quanto à utilização do condicionador de
ar e operação do controle remoto. OBSERVAÇÃO:
4. Oriente o cliente quanto à limpeza dos filtro de ar, confor- A manutenção preventiva é obrigatória sob pena da
perda da Garantia e suas despesas correm por conta
me informações contidas neste manual.
do Sr. Consumidor.
5. Oriente o cliente quanto à necessidade de executar manu-
As avarias causadas durante a instalação ou manu-
tenção preventiva mensal, semestral e anual e tenção, são de inteira responsabilidade dos contrata-
dos para a execução destes serviços.

22
25. CONDIÇÕES DE APLICAÇÃO / OPERAÇÃO
Os equipamentos foram projetados para aplicação e operação, conforme a tabela abaixo:

SITUAÇÃO VALORES ADMISSÍVEIS


TENSÃO (V) ± 10% EM RELAÇÃO AO VALOR DE PLACA
REFRIGERAÇÃO: MÁXIMA 43°C
TEMPERATURA DO AMBIENTE EXTERNO
AQUECIMENTO: MÍNIMO 7°C
COMPRIMENTO E ELEVAÇÃO
VIDE ÍTEM 5
DAS TUBULAÇÕES (ENTRE AS UNIDADES)

26. DEFEITOS, CAUSAS E SOLUÇÕES


OCORRÊNCIAS POSSÍVEIS CAUSAS AÇÕES
Compressor para de funcionar após 10
Congelamento Ajuste o controle remoto para
minutos e o motor ventilador da
na serpentina operar em ventilação baixa
unidade interna funciona
(evaporador) até completar o degelo.
na velocidade baixa.
Problema Verifique o funcionamento
Aparelho para de funcionar após 20 minutos
com funcionamento da unidade externa e
e ambiente com temperatura superior
da unidade execute reparos que se
a 25°C - led do temporizador pisca
externa. fizer necessário.
O ventilador da unidade é Sistema de proteção Verifique o funcionamento da válvula de rever-
interrompido durante o funcionamento contra insuflamento são e do compressor aguarde reiniciar o
em aquecimento e o led de operação de ar frio para o funcionamento, observe se o fluído refrigerante
fica piscando ambiente. aquece as serpentinas (evaporador).
Compressor e válvula reversora Temperatura na Verifique se há retorno de ar
interrompe o funcionamento e sem serpentina interna de descarga do condensador
período determinado volta a funcionar. acima de 60°C. ou de outra máquina.
Verifique o circuito de alimentação (disjun-
Sem energia
tores, fusíveis, cabos elétricos interrompidos).
Baixa tensão Restabeleça ou use um estabilizador de tensão
Condicionador não funciona
Erros na interligação Verifique as ligações com o diagrama
elétrica elétrico
Motor ventilador queimado Substitua o motor ventilador
Operação irregular do Ajuste o funcionamento através
controle remoto do controle remoto
Verifique a carga térmica do ambiente comparando
Aparelho insuficiente com a capacidade térmica do aparelho.
Substitua ou acrescente outro(s) aparelho(s).
Excesso ou falta de fluído Ajuste a carga de fluído refrigerante através
refrigerante da medição do superaquecimento.
Evaporador e/ou condensador Desligue o aparelho para descongelamento
Ventilador funciona mas não refrigera ou
bloqueado por gelo ou sujeira ou efetue limpeza nas serpentinas
aquece o ambiente ou baixo rendimento
Compressor ou Motor ventilador Ajuste ou substitua o compressor
da unidade externa queimado ou motor ventilador do condensador
Válvula reversora não atua Substitua a válvula reversora ou
(travada ou bobina queimada) a bobina solenoide
Relé do compressor ou ventilador Substitua a válvula reversora ou
não alimenta a unidade externa a bobina solenoide
Temperatura externa muito Aguarde normalizar as condições
alta ou muito baixa de temperatura

23
DEFEITOS, CAUSAS E SOLUÇÕES
SITUAÇÃO POSSÍVEIS CAUSAS AÇÕES
Operação irregular do Ajuste o funcionamento através
controle remoto. do controle remoto.
Execute limpeza dos filtros de a, aletas do
O aparelho funciona, porém insuflando Falta de manutenção preventiva.
evaporador e do blower (turbina).
pouco ar no ambiente.
Execute limpeza dos filtros de a, aletas do
Obstrução por obstáculos.
evaporador e do blower (turbina).

Bateria descarregada (pilha). Substitua as pilhas.


Interferência de sinais Afaste os equipamentos eletrônicos ou
eletrônico, (televisores etc). reinstale o aparelho em outro local.
Luz intensa incidindo Teste o equipamentos com menor intensidade
Controle remoto não funciona.
no receptor de sinais. de iluminação - solucione o problema apresentado
Problema do controle remoto. Substitua o controle remoto.
Possível teste com outro controle remoto ou
Receptor de sinais defeituoso.
substitua a placa eletrônica do receptor de sinais.
Problema mecânico ou elétrico
Substitua o compressor.
no compressor.
Compressor para após iniciar
Protetor térmico ou Substitua o componente
o funcionamento.
Capacitor defeituoso. defeituoso.
Receptor de sinais defeituoso. Verifique a tabela de auto diagnóstico do aparelho.
Bobina queimada ou
Contatora não abre/fecha os contatos. Substitua a contatora.
contato colado.
Folga nos mancais do ventilador. Substitua o componente defeituoso.
Blower desbalanceado (turbina). Substitua o blower.
Execute a limpeza do blower (cuidado para
Sujeira no blower (turbina).
não remover o balanceamento.
Instalação incorreta ou Ajuste a instalação
parede/suporte irregular. e o suporte.
Amortecedores de vibração
Vibração excessiva na unidade interna. Substitua os amortecedores.
danificados (coxim de borracha).
Compressor ou ventilado danificado. Substitua o componente defeituoso.
Parafusos com pouco aperto. Ajuste os parafusos de forma adequada.
Tubulações incidido no gabinete Ajuste as tubulações e componentes
ou outras partes da unidade. irregulares na unidade.
Bloqueio na circulação de ar No caso de obstrução por
Unidade condensadora ciclando nas serpentinas do condensador obstáculos, remova-os ou efetue
(liga/desliga), somente para ou evaporador. limpeza das serpentinas.
unidade com pressostato. Filtro de gás e/ou tubo Recolha o fluído refrigerante, substitua o
capilar obstruído. conjunto filtro e capilar, reprocesse o sistema.
Nivelamento da unidade. Nivele corretamente a unidade.
Vedação do dreno incorreto. Utilize produto apropriado para vedação.
Vazamento de água pela unidade interna.
Tubo de drenagem obstruído, inclusive Execute a desobstrução do dreno
por falta de manutenção preventiva. e a devida manutenção preventiva.

24
27. MANUTENÇÃO PREVENTIVA

Atenção: consulte também a portaria do Ministério da Saúde GM/MS 3523/98 de 28/08/98 e resolução 09 de 16/01/03.

25
28. TABELA DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

UNIDADE INT. SHFI-30000-2 SHQI-30000-2


ITEM
UNIDADE EXT. SHFE-30000-2 SHQE-30000-2

REFRIGERAÇÃO 30000 30000


CAPACIDADE BTU/h
AQUECIMENTO - 30000
TENSÃO V 220 220

FREQÜÊNCIA Hz 60 60

REFRIGERAÇÃO 17,0 16,3


CORRENTE A
AQUECIMENTO - 15,3

REFRIGERAÇÃO 3390 3390


CONSUMO W
AQUECIMENTO - 3250

TIPO DE REFRIGERANTE TIPO R22 R22

CARGA DE REFRIGERANTE g 2000 2050

DISJUNTOR A 32 32

CABO DE INTERLIGAÇÃO mm² 5x1,5mm² 3x1,5mm²+5x1,5mm²

CABO DE ALIMENTAÇÃO mm² 3x4mm² até 10m 3x4mm² até 10m

COMPRIMENTO PADRÃO 7,5 7,5


m
DOS TUBOS MÁXIMO 30 30

DESNÍVEL MÁXIMO m 10 10

LÍQUIDO 3/8 3/8


TUBULAÇÕES Pol.
SUCÇÃO 5/8 5/8

PESO (Sem embalagem) EVAP./COND. kg 19/65 19/65

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SUJEITAS A ALTERAÇÕES SEM PRÉVIO AVISO

26
29. CERTIFICADO DE GARANTIA
CONDICIONADOR DE AR SPLIT - HI-WALL

A ELGIN, através deste Certificado, oferece ao usuário de seu Condicionador de Ar a seguinte garantia:
03 (três) anos contra defeitos de fabricação e corrosão natural do gabinete e base recipiente (exclui-se a corrosão provocada
por riscos, amassados e uso de produtos químicos), contados a partir da data de entrega do produto ao Sr. Consumidor,
conforme expresso na necessária Nota Fiscal de Compra do primeiro proprietáro.

IMPORTANTE:
A. Para que esta garantia seja válida na sua totalidade, o equipamento deverá ser instalado necessariamente por empresa
qualificada e credenciada pela ELGIN com o devido preenchimento do CTI (Controle Técnico de Instalação) e execução
periódica de um plano de manutenção preventiva.

B. Por se tratar de uma garantia complementar à legal, informamos que:


Caso esta instalação seja feita por empresa não qualificada e credenciada, a garantia contra defeitos de fabricação deste
equipamento ficará limitada à garantia legal de 90 (noventa) dias.

A validade desta garantia está condicionada ao uso do equipamento em condições normais, de acordo com as informa-
ções contidas no “Manual de Operação” deste produto, inclusive quanto a manutenção preventiva anual.

Estão excluídos desta garantia (complementar à legal), os eventuais defeitos decorrentes do desgaste natural ou
descumprimento das instruções do manual do produto, tais como peças peças plásticas, pintura, filtro de ar, filtro secador, fusí-
veis, correias, fluído refrigerante e acessórios incorporados à instalação que gozam da garantia legal de 90 (noventa) dias.

Ao necessitar de assistência técnica, o Sr. Consumidor deverá solicitar os serviços da empresa credenciada ELGIN que
executou a instalação, apresentando obrigatoriamente a Nota Fiscal de Compra.

Fica convencionado que esta garantia perderá totalmente a validade se ocorrer uma das hipóteses abaixo:

a) Se o produto for ligado em tensão elétrica diferente da especificada no produto.


b) Ter sofrido danos causados por acidentes ou agentes da natureza ou por descumprimento das instruções constantes no
manual do produto, quanto ao uso, instalação e manutenção.
c) Se o produto for examinado/reparado por pessoa não autorizada pelo fabricante ou ainda, se tiverem sido utilizadas peças
de reposição não originais.
d) Se for constatado qualquer defeito ocasionado por falta de manutenção preventiva.

Também não se incluem nesta garantia, as despesas pertinentes à instalação e manutenção preventiva do produto.

A ELGIN obriga-se a prestar serviços de garantia somente no perímetro urbano das localidades onde mantém empresas
credenciadas. Fora destes locais, as despesas de locomoção e/ou transporte ocorrem por conta e risco do Sr. Consumidor.

CASO VOCÊ VENHA A PRECISAR DOS SERVIÇOS DE


INSTALAÇÃO E ASSITÊNCIA TÉCNICA, POR FAVOR,
CONSULTE-NOS PELO TELEFONE:

27
ANOTAÇÕES

28
4161.00
Rev. 01 - (05/07)

0800 70 (35446(
GRANDE SÃO PAULO: 3383-5555
www.elgin.com.br - sac@elginsp.com.br