Você está na página 1de 6

A comunidade microbiana desenvolvida nos Bioflocos: Vibrio, Bacillus e Lactobacillus.

(Bacillus
sp. e Lactobacillus sp., indica que os bioflocos podem ser considerados como uma fonte
potencial de probióticos.)

Nitrato (método da coluna redutora de Cd), alcalinidade total (titulação com solução-padrão
de H2SO4), dureza total (titulação com solução-padrão de EDTA), fósforo reativo (método do
azul de molibdênio)

Efeitos do Sódio, Potássio, Cálcio e Magnésio na digestão anaeróbia.

Concentrações mg/l

CATION ESTIMULANTE MODERADAMENTE INIBITÓRIO FORTEMENTE INIBITÓRIO

SÓDIO (Na) 100-200 3500 - 5500 8000

POTÁSSIO (K) 200-300 2500 - 4500 12000

CÁLCIO (Ca) 100-200 2500 - 4500 8000

MAGNÉSIO (Mg) 75-150 1000 - 1500 3000

Efeito do Nitrogênio Amonical na Digestão Anaeróbia

Concentração N-amonical (mg/l) Efeito da digestão Anaeróbia

50 - 200 Benéfico

200 - 1000 Sem efeitos adversos

1500 - 3000 Inibitórios a altos valores de pH

>3000 Tóxico em qualquer pH

Efeitos dos Sulfetos Solúveis na Digestão Anaeróbia

Concentração de Sulfetos Solúveis (mg/l) Efeito na Digestão Anaeróbia

50 a 100 Tolerável com pouca ou nenhuma aclimatação

Até 200 Tolerável com aclimatação

Acima de 200 Bastante tóxico

A ciclagem bioquímica e geológica do Nitrogênio (N) e do Fosfato (PO43−) em ambiente de


produção aquícola é tarefa complexa porque envolvem as fases orgânicas e inorgânicas de
oxirredução desses elementos químicos, nas quais o Amônio NH4+, Amônia NH3 (forma
gasosa) Nitrato NO3− e Nitrito NO2− necessitam ser removidos do sistema. Em sistema
bioflocos pode ocorrer de quatro modos diferentes, desde que hajam no sistema, bactérias
nitrificantes, quais sejam esses quatro modos, o Amônio precisa ser transformado em Amônia
gasosa (provavelmente por bactérias Nitrossomonas) visto que essa bactéria é
quimiossintetizantes e nitrificantes, ou seja, as bactérias Nitrossomonas realizam duas fases (a
nitrificação e volatização do Amônio em Amônia gasosa) no início do processo é a nitrificação
do Amônio em Amônia que será volatilizada e liberada ao sistema, na sequencia outro grupo
de bactérias precisa entra em ação, as Nitrobacter (bactérias desnitrificantes), que vão realizar
dois processos de desnitrificação fazendo a Amônia gasosa ser convertida em Nitrato NO3− e
posteriormente o Nitrito NO2−. Assim, as bactérias do gênero Nitrossomonas utilizam Amônio
e Amônia como fontes de energia oxidando-a a Nitrito, e as bactérias do gênero Nitrobacter
oxida o Nitrito a Nitrato, esse Nitrato tornar-se novamente o Nitrogênio (N²) que não afeta o
sistema aquícola.

Como sabemos, o nitrogênio é um nutriente essencial para crescimento dos organismos, pois é
parte da estrutura de proteínas e base do DNA, porém, quando liberado no meio aquático,
este elemento químico pode causar diversos problemas, o principal a eutrofização,
intoxicação dos organismos aquáticos, pois o nitrogênio em suas formas oxidadas podem
causar a meta-hemoglobinemia.

O Fosfato (PO43−) em sistema de bioflocos deve ser evitado, uma vez que não existem meios
(claro que existem os físicos , retidos por partículas argilosas – químicos absolvição através dos
íons de ferro Fe3+ e cálcio Ca+2 - e biológicos, quando bactérias, vibrios etc., anaeróbios seja
dissolvidos e incorporados em ambientes anóxicos, ou seja, ambientes com ausência de
oxigênio e presença de Nitrato), sendo o Fosfato classificado como macroelemento
(ortofosfato P – PO43)

Cloreto de Amônia (NH4Cl) 0,859 g de NH4Cl para que se obtivesse concentração nominal de
1,5 mg/L, ou 3,0 mg/L de NH4Cl para inicio do BFT e sua parte nitrificante.+ As Nitrossonomas
são o grupo de bactérias responsável pela oxidação da Amônio a Nitrito, enquanto as
Nitrobacter oxidam o Nitrito a Nitrato, adição de 1,5 mg/L de NH4Cl a cada três dias

sem elas o risco é enorme, tenho muita agua com salinidade alta

A última do dia

Amônia não-ionizada (NH3) altamente tóxica para os camarões, (Amônia Total 39,54 mg/L e
Amônia não-ionizada 1,60 mg/L

Para cada 1,0 g de Nitrogênio Amoniacal Total (NAT), deve-se acrescentar 10g de melaço.

concentração de Nitrito (NO2-N) afeta negativamente o crescimento dos camarões

a fotossíntese, o consumo do CO2 reduz a quantidade de H+

cal hidratada (Hidróxido de Cálcio (Ca(OH)2)

veja que o Cálcio não fica disponivel é aquele branco tradicional

A alcalinidade total é a capacidade de tamponamento do pH da água, ou seja, a capacidade da


água manter o equilíbrio ácido-base, como segue na equação:

CO2 + H2O ↔ H2CO3 ↔ H+ + HCO3-↔2H+ + CO3-2


A manutenção adequada da alcalinidade no ambiente de cultivo contribui para a moderação
nas alterações de pH decorrentes de processos fotossintéticos e respiratórios.

Alcalinidade entre 75 até 150 - mg CaCO3/L (100mg/L ideal)

longos períodos de alcalinidade abaixo de 100 mg CaCO3/L e o pH abaixo de 7, afetando


negativamente o desempenho de crescimento e produtividade em BFT

Como sabemos a biomassa viva (camarões + bioflocos) respirando no tanque de cultivo e


principalmente pela não renovação da água aumenta o teor de CO2, níveis inferiores a 5 mg/L
são considerados ideais para camarões, já 20 mg/L CO2 na água são considerados aceitáveis
para peneídeos, enquanto concentrações entre 20 e 60 mg/L CO2 não são letais mas causam
interferências na troca de CO2 nas brânquias e em concentrações superiores a 60 mg/L podem
ser fatais.

Altas densidades (100 – 500 cam/m3). Alta aeração (20 – 80Hp/ha), 24h.

Índices Berçário Primário Raceway

Densidade 5-25 pls/L 1-5 Pls/L

Dias de cultivo 15 – 25 30 -50

Peso de despesca 0,025g - 0,10g 1,00 - 3,00 g

Sobrevivência 90% - 100% 80% - 95%

Volume 10 - 100 m3 100 - 2000 m3

Bactérias heterotróficas; Bactérias quimioautotróficas (nitrificantes); Microalgas (autotróficas)

Principais Parâmetros

PARÂMETRO FREQUÊNCIA VALORES IDEAIS

Oxigênio Dissolvido (mg/L) 2x por dia >4,00 mg/L

Temperatura (°C) 2x por dia 28°C - 32°C

pH 2x por dia 7,5 - 8,5

Transparência (cm) Diária 20 – 40 cm

Salinidade (ppm) Semanal 2-35ppm

Alcalinidade (mg/L) 2x semana > 100 mg/L

Dureza (CaCO3)2x semana 150 – 300 ppm

Sólidos Sedimentados (ml/L) Diário 1,0 - 10,0 ml/L

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT Diário < 2,00 mg/L

Nitrito – NO2- (mg/L) Diário < 0,5 mg/L

Nitrato – NO3- (mg/L) Semanal < 100 mg/L


PARÂMETRO FREQUÊNCIA 1º FREQUÊNCIA 2º

Oxigênio Dissolvido (mg/L)

Temperatura (°C)

pH

PARÂMETRO FREQUÊNCIA 1º FREQUÊNCIA 2º

Alcalinidade (mg/L)

Dureza (CaCO3)

Principais Parâmetros Diários

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT

Nitrito – NO2- (mg/L)

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT

Nitrito – NO2- (mg/L)

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT

Nitrito – NO2- (mg/L)

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT

Nitrito – NO2- (mg/L)

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT


Nitrito – NO2- (mg/L)

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT

Nitrito – NO2- (mg/L)

Data

Sólidos Sedimentados (ml/L)

Amônio Total –NH4+ (mg/L) NAT

Nitrito – NO2- (mg/L)

Peso Corporal (g) Consumo Alimentar (g) Taxa Alimentar (%)

2,0 0,143 7,15

3,0 0,184 6,13

4,0 0,220 5,50

5,0 0,253 5,05

6,0 0,283 4,71

7,0 0,311 4,44

8,0 0,338 4,22

9,0 0,364 4,04

10,0 0,388 3,88

11,0 0,412 3,74

12,0 0,435 3,62

13,0 0,457 3,51

14,0 0,478 3,42

15,0 0,499 3,33

16,0 0,519 3,25

17,0 0,539 3,17

18,0 0,559 3,10

19,0 0,578 3,04

20,0 0,596 2,98