Você está na página 1de 18
cy CCarnaps, texemos que der, 4 parte casos especiais (omo aquele da nogio «clésiear de uma partiula flementar), que isso parece impossfvel. Mas por {que raxto deveria ser possvel? E que moral filosé- fea se deve extrair desta impossblidade? — Talvex apenas esta: que podemos ter um vorabulério teé eo to rico como temos porque, felizmente, munca festivemos na situacio de ter apenas 0 vorabulirio fobservacional de Carnap & nossa disposcto. Donald Davidson UMA TEORIA COERENCIAL DA VERDADE E DO CONHECIMENTO (*) (©) Publicado em Truth and Interpretation, Perspectives fn the Philosophy of Dona Dison, 9. F {erore, Blackwl (© by Dold Daidson. Defendo neste artigo © que se pode chamar uma teorla coerencial da. verdade © do. conhec- mento, A teoria que defendo nio esti em compet- ‘0 com uma teorla eorrespondencial, mas depeade para sua defesa de um argumento que se proponha mostrar que a coerénciaproduz correspondéac ‘A lmportincla do tema ¢ ébvia. Se a coerénca 6 um teste da verdad, existe uma conexo directa fom a eplstemolopla, pois temos razso para acre- ditar que multas das nossas erengas slo coerentes ‘com mutas outra, © neste caso temos rao para fsereditar que multas das nossas crengas so verda- deiras. Quando as crengas sio verdadeias, entio as condigdes primriss para o conhecimento pare- ‘com estar satefeias, Podese tentar defender uma teria coerencial da verdade sem defender uma teoria coerenclal do Conhecimento,talver com o fundamento de que o ‘etentor de wim conjunto coerente de crencas pode carecer de uma razio pars acreditar que as suas freagas slo coerentes Isto nfo & provével, mas pode darse 0 caso de que alguém, apessr de ter crencas verdadsiras ¢ boas renee para as sustenta ‘fo aprocie a relevincia da raxio pare acreditan, Pode considerarse que tal pessoa tem tim conhec= ‘mento que nfo sabe que tem! ponsa que é um ‘éptico. Numa palavra, € um Bilésoto. Pondo de parte casos aberrantes, © que une a verdad e 0 conhecimento € 0 rent, Se oF sea: ‘dos so. dados por condicoes objectives de ver dade, poese a questto de como saber que a condigdes estio satisfeitas, porgwe isto parooerin requerer uma coafrontagio enue agulle' em. que screditamos e a realidade; ea ideia de tal confvon- {acho é absurda, Mas se a coeréncia € um teste da verdade, entto # coeréaca & um teste para admitie Aue as condligées objectivas de verdade esto satls- Felts, e ja no precisamos de explicar 0 sentido ‘om base numa possivelconfrontagso. O meu lema & correspondéncin sem confrontagto. Dada una epistemologia correcta, podemos ser relists em todos os departamentos, Podomos accltar as con: digoes objectivas de verdade como chave para o sentido, uma Visto realista da verdade, © podemos insstr que © conhecimento ¢ acerea de um mundo objectvo Independente do nosso pensamento ou Tinguagem. ‘Uma ver que nfo exist, tanto quanto eu saibs, uma teorla que mereca ser chamada et» tcoria coe. rencal, deitemme caracteriaaro tipo de perspectiva ‘que quero defender, B obvio que nem todo 0 com junto conslstente de frases interpretadas contémn spenas frases verdadelras, visto que um tal con Junto pode conter apenas» frase consstente Se ‘outro apenas a negagio de S. E acrescentando mat Frases, mantendo consisténcia, no ajuda. Pode- ‘mos Imaginarlnfinitas descrigdes de estado — des: crigdes maximamente consistntes—que nso des- ‘crevem @ nosso mundo ‘A minha taona eoerencial diz respeita ts cren- ‘sas frases tas como verdadeiras por alguém ‘qe as compreende. Nao quero dizer, quanto a este onto, que todo 0 possvel conjunto cocrente de crongas 6 verdadelto. (ou contém maloritariamente ‘rencas verdadelras). Eu evito Isto por ser #0 pouco claro o que seja um pessvel conjunto. No Imite, pode defenderse que ¢ dominio de posevels conjuntos miximos de crencas 6 Wo extenso como © dominio de possvels conjuntos maximos de fr. S55, €entio no fard sentido insistir que uma teoria cocrencial defenstvel diz respeto a erengas e no & roposies ou frases, Mas hi outros modos de con cher aquilo em que é possivel acreditar, © ve jue lifiearia dizer nfo s6 que todos os actuals sistemas coorentes de erencas sio em grande parte corretos, mas que todos os possivels © 880 também. A die. renga entre as duas nog6es daquilo em que é pos sivel acreditar depende do que presimimos ser a natureza da erenta, a sua Interpretao, a8 sss causes, os sous detentores ¢ of seus padses, Para mim as crengas sto estados das pessoas com inten- es, desejos, érgor dos sentidas; sto estados que io causados por, e causa de, acontecimentos den- tro © fora dos corpos dos seus hospedetros. Mas mesmo dados todos estes constrangimentos, uitas coisas em que. as pessoas screditam