Você está na página 1de 3

Química Moderna: período a partir do século XVIII

Século XVIII – Revolução ou Evolução?

Na busca para desvendar o mistério da vida, entre eles compreender a estrutura da matéria e
explicar as transformações da natureza, este século caracteriza-se por;
• Busca por uma teoria geral , unidade, numa ciência tão diversificada e heterogênea
como a Química as dificuldades como “as falsas experiências”, muito questionada e
criticada;
◦ Exemplo: Fogo = Combustão, Luz e Calor (energia), fenômenos primários, a
ligação do fogo com a química é tão consolidada que o símbolo usado na
alquimia para esse elemento, o triângulo, ainda é usado na indicação de reações
químicas.

• Como uma Ciência do Iluminismo, fundamenta-se na razão e no empirismo


◦ Iluminismo – movimento cultural de características racionalistas e empíricas que
visava construir uma sociedade mais justa com o desenvolvimento de um novo
direito e uma nova lei, uma nova moral, um novo Estado e um anova visão dos
homens e da natureza
• investigações quantitativas prevalecem sobre as qualitativas
• substituição dos experimentos realizados por via seca por via úmida
• herança de uma longa tradição científica
• substituição da teoria do flogístico com a descoberta do oxigênio
• matematização da química, química analítica,: calorimetria e estequiometria
• surgimento da tecnologia em bases científicas como discplina na universidades

Entre os vários marcos, tem-se ...

TEORIA DO FLOGÍSTICO

A busca por uma generalização teórica, herdeira dos princípios alquímicos, culmina com a
teoria desenvolvida por Georg Ernest Sthal (1660-1734), alemão, médico que acreditava na união
entre a medicina e a química.

No que consiste a teoria


O flogístico (do grego phlogiston = inflamar-se) existe em todos os metais e substância
combustíveis (nas quais é responsável pela combustibilidade) sendo liberado na combustão e
calcinação

metal -----calx (o óxido do metal) + flogistico

calx + flogístico -----metal

Crítica ao pensamento invertido


Crítica feita ao flogístico ele inverte o que realmente acontece na combustão ou calcinação,
pois combustão/calcinação é uma combinação com o oxigênio, e na teoria de Sthal é uma perda ou
liberação de flogistico, e a conversão do óxido ou calx em metal, na realidade é uma decomposição
e na teoria de Sthal é uma combinação com flogístico.
Enunciado para a teoria do flogístico
“O flogístico é encontrado disseminado como um elemento em todos os corpos naturais, pelo
menos na Terra, com a diferença de que como regra ele preferentemente existe em notável
abundância naquele corpos que são chamados usualmente de orgânico. Nos fósseis (minerais), a
maioria dos quais é conhecida como sendo mais parcimoniosa em flogístico, mas nunca tendo tão
pouco que algum possa ser considerado desprovido dele, ou o flogístico está secretamente
ocultado, de acordo com todos os critérios, e o flogístico é facilmente percebido nas cores com que
se revestem, e que sem dúvida indicam a fonte flogística.
Este elemento extremamente sutil, que exibe tal transparência que só ele escapa de todos os
nossos sentidos, não pode ser confinado por algum aparelho ou instrumento, e portanto furtado de
qualquer investigação química, a não ser que esteja ligado por uma forte atração a algum outro
material, mas de modo desigual e seletivamente, para que possa ser transferido de u componente
para outro.” (Faber, 1966 apud Maar, 1999)

Outros cientistas

Etienne François Geofrey (afinidade química)


Antoiné Baumé (escala de graduação alcoólica)
Johann Joachim Becher

TEORIA DO OXIGÊNIO

Teoria elaborada por Lavoisier (1743-1794), francês, advogado por formação, mas químico
por vivência, ao longo do seu trabalho demonstrou que o oxigênio do ar é responsável pelas
combustões. Isso foi possível graças aos estudos sobre combustão, trocando ou recebendo
informações de Priestley, Cavendish e Scheele, porém ele teve a percepção da importância do gás
“oxigênio” envolvido nas reações de combustão.

A teoria do oxigênio caracteriza-se por:


1. na combustão ocorre liberação de 'matéria do fogo' ou luz;
2. um corpo só pode queimar ar puro
3. na combustão ocorre 'destruição ou decomposição do ar puro' e o aumento do peso
do corpo que queimou é exatamente igual ao peso do ar 'destruído ou decomposto';

Base científica para:


. Lei das proporções definidas de Proust, 1754-1826;
. Lei da Conservação das Massas: na natureza nada se cria, tudo se
transforma ( resumo do livro I do poema “ De Rerum natura” (“Sobre a
natureza das coisa”) do filósofo e poeta latino Lucrécio (96 -55 a.C), o qual
se baseou nas idéias de um filósofo grego, Epicuro (341-270 a.C)

4. a substância que aumenta o peso dos corpos os converte em ácidos;


5. o ar puro é composto da matéria do fogo ou da luz combinada com uma base na
combustão, o corpo que queima remove a base, atraindo-a mais fortemente do que a
matéria do calor que aparece, como chama, calor e luz.
Uma interpretação para Flogistico x Oxigênio
Numa análise filosófica feita por Oldroy (Oldroyd,??? apud Maar, 1990) ele conclui que o
problema da combustão, ponto central entre o confronto Stahl-Lavoisier, é secundário. Pois, o ponto
central seria o conjunto de ideias sobre a estrutura da matéria.

Outras contribuições de Lavoisier

Realizou estudos que contribuíram para o fortalecimento da definição de elemento (Boyle), teoria
dos ácidos, nomenclatura química, estudos da química orgânica, da termoquímica e para o ensino
de química, entre outros feitos.

Ensino de Química: nunca foi professor, mas influenciou a comunidade científica, pois sua obra
“Reflexões sobre a Instrução Pública” (1793) apresenta suas idéias sobre ensino público, gratuito
e obrigatório, o Sistema de Ensino com quatro níveis (primário, elementar, secundário e o Lycées
(universidades e escolas profissionalizantes), sugestão de temas para estudos, etc.. Vale destacar
um estudo de Attico Inácio Chassot, 1995.

OUTROS DESTAQUES DO Séc. XVIII

DESCOBERTA DE OUTROS ELEMENTOS

Destaque para:
. o isolamento de gases como nitrogênio, cloro, hidrogênio e oxigênio;
. descoberta e caracterização do cobalto, platina, zinco, níquel, bismuto, manganês,
molibdênio, telúrio, tungstênio e cobre.

Observação Importante:

Estudos realizados por Michail Vasilievitch Lomonossov, físico teórico russo.

Enfim...e não fim

Resumindo a Química atinge a maioridade não só porque associou o racionalismo e o empirismo,


mas porque os dados empíricos permitiram aos químicos montar um esquema envolvendo
reações interligadas num corpus de conhecimentos

Evolução ou Revolução Química?

Essa questão ultrapassa os limites da Química e da própria Ciência, pois tem merecido
estudos de revisão por parte de filósofos, sociólogos, linguistas, historiadores e políticos, além
de químicos e outros profissionais. E, no contexto atual de estudos é mais adequado falar em
evolução química, pois é mais do que percebido a contribuição de diferente cientistas e
químicos ao longo dos tempos, nas diferentes etapas de construção e reconstrução do
conhecimento químico nas bases científicas.