Você está na página 1de 12

Ano II - Nº 4 EXCLUSIVO

Agosto/94 O MAR VIRA SERTÃO


O
B
e
r
r
a
n
A luta
t continua!
e ESPECIAL
(Edição fechada
enquanto a raposa
foi tomar conta do O guia do maratonista
galinheiro)
2 - O Berrante

A BRONCA DO ANO - Venho


Cartas
sonhada da Associação. Mas que terceira edição d’O Berrante. Achei
por meio desta expressar a minha pena que tudo não passou de um o máximo. Os maratonistas devem
insatisfação diante dessa “redação” sonho. continuar sempre unidos, pois o
e também d’A Associação de Cilene Xavier Silva (Jundiaí) - espírito euclidiano consiste em
Estudos Euclidianos”. (...) Recebi Nota: ver coluna do Proudhon, o agregar em torno de si mentalidades
o exemplar de O Berrante referente ombudsman, pág, 3, e Notícias variadas, porém com um só
ao mês Jan./Fev. 94, no qual das Cavernas, pág. 12). objetivo: a conscientização acerca
constava uma ficha de inscrição. RECUERDACIONES - Foi com dos problemas sociais do país e a
Acreditando na validade da mesma, imenso prazer que recebi em minha atuação dinâmica, participativa na
enviei duas fotos e o pedido dos casa um exemplar de O Berrante e, resolução destes.
cânticos e camiseta. Não obtive através dele, recordei alguns Queria dizer que concordo em
resposta, preço da camiseta, momentos da Semana Euclidiana gênero, número e grau com todas
qualquer justificativa ou devolução da qual participei em 1990. as palavras do Editorial. E quanto
das fotos enviadas. Cláudia Lopes de Paula (São ao artigo “Encontro de paralelos”,
Como posso acreditar numa Paulo, from Franca) talvez seja a mais lúcida exposição
associação que faz isso, sendo a EDIÇÃO INTERNACIONAL - dos novos ideais desta nova fase da
mesma que redige em seus textos Mandei O Berrante para o SE. “Ou progredimos ou
pedidos e elaborações de projetos Fernando (Kubitza, from Jundiaí) desaparecemos”, Euclides disse à
para uma melhor Semana em Auburn (Texas, onde mora sociedade brasileira, mas poderia
Euclidiana? Quando se quer mudar atualmente) e ele gostou muito. tê-lo dito aos maratonistas num
o mundo precisa-se ter em si mesmo Débora Gonçalves (São Carlos) grito de ânimo nessa difícil tarefa
condições de mudar. UM JORNAL VIBRANTE - Aos de edificar novas idéias na SE,
Vocês podem até ler esta carta e prezados maratonistas de O mesmo lutando contra o
ignorá-la, mas eu lhes digo que Berrante muito agradeço a remessa conservadorismo de alguns.
quando eu recebi O Berrante fiquei do exemplar que me mandaram. Paulo Herculano (São José do
muito alegre por ter informações Gostei muito: é noticioso, rico em Rio Pardo)
dos colegas distantes, e fiquei senso de humor e de um
imaginando todos em São José do euclidianismo vibrante, moderno. P.S.: Por motivos de
Rio Pardo gritando “Volta Osvaldo Galotti (São Paulo)
Euclides!”, despidos do eu e MARATONISTAS UNIDOS -
espaço as cartas foram
vestidos com a camiseta tão Acabo de receber um exemplar da editadas

Datas
A seguir, os aniversariantes de Abílio Manoel (S.J. da Boa Vista); Paulo) e Simone (Franca); dia 13,
agosto, setembro e outubro. dia 9, Solange (Pederneiras); dia Mário, o secretário-geral
Agosto: dia 7, Fábia Mara 20, Joselita (Cantagalo); dia 22, (Botucatu); dia 15, Laís (São
(Tambaú); dia 22, Flávia Augusta Élson (Franca); dia 26, André, o Paulo); dia 16, Raquel, a
(Franca); dia 25, Elizabeth de presidente (São Paulo); dia 28, secretária-adjunta, e Raquel
Souza (Sta. Cruz das Palmeiras); Alex Vieitas (Cantagalo). Garcia (ambas de Sanzé); dia 25,
dia 29, Júlio César, o Menudo Outubro: dia 5, Irene (São Paulo); Guilherme (também de Sanzé).
(Santos); dia 31, Ramón Moreira dia 10, Andréa Semensato Se você ficou de fora, escreva e
(Caconde). Setembro: dia 8, (Guaxupé); dia 11, Bete (São cadastre o seu aniversário.
O Berrante - 3
EDITORIAL
Proudhon,
Prorrogação! o ombudsman
Nsta edição estréia Proudhon,
o ombudsman, defensor do
Escrito nos raros intervalos de folga de uma carreira euclidianismo, do maratonista e
fatigante, este editorial, remorada que foi sua publicação, do leitor d’O Berrante.
não perdeu, infelizmente, a sua fatídica atualidade. E, Ao ler a carta da Cilene (V.
assim, mais uma Semana Euclidiana começará dentro Cartas), Proudhon sentiu ali o
em breve sem que velhos problemas tenham encontrado sintoma de um grande problema:
suas novas soluções... o imobilismo, não só d’A AEE,
Muitas negociações foram levadas a cabo no decorrer mas dos maratonistas em geral.
dos doze meses que passaram por baixo da ponte Justa foi a bronca da colega lá de
euclidiana desde agosto do ano Jundiaí. A Associação não
passado, e muitas intenções, funciona a contento. Nada
muitas reuniões, muitos impulsos justifica as falhas, mas também
depois nada foi efetivamente "Venceremos nem é lícito apontar o porquê dessas
celebrado para tornar a nossa que seja nos deficiências.
Semana mais impulsiva, mais Infelizmente, pouquíssimos
científica, mais útil. Não cremos pênaltis" maratonistas trabalham no
em culpados, mesmo porque funcionamento, ainda que
aventar culpas a essa altura dos precário, d’A AEE, que não
acontecimentos é como conspirar para o naufrágio de possui recursos próprios (eis o
um navio em que estamos todos: pura tolice! grande problema). Tudo é feito
Mas, mesmo assim, algumas considerações merecem com equipamentos de terceiros
(que ousadia!) ser tecidas com relação à organização da e dinheiro do próprio bolso dos
Semana Euclidiana de 1994: a programação foi feita diretores. Uma edição d’O
nos extertores do prazo (como conseguir a participação Berrante custa em torno de R$
de convidados renomados - e de agenda cheia! - dessa 100,00. Se nosso jornal não é
maneira?); os palestrantes ficaram restritos, até como mais freqüente e melhor é porque
conseqüência da observação anterior, aos mesmos nomes nem sempre há tempo e dinheiro
que vêm literalmente carregando o euclidianismo nas disponível para tanto. Mesmo
costas há décadas (Como conseguir renovar? Novas assim, heroicamente eu diria, A
idéias criam um movimento e a cultura deve ser sempre Associação caminha com seus
dinâmica!); a forma mudou pouquíssimo (palestras, ideais.
exposições, blá blá blá, blá blá blá, blá blá blá!). Todos desejam a união dos
Citando um velho amigo: “deveria ser a morada da maratonistas, mas tanbém é
cultura, mas a cultura não se sente lá muito à vontade.” necessário colaborar de forma
É exatamente essa proverbial frase que consegue resumir prática com esse objetivo. No
o sentimento de vazio que a Semana Euclidiana tem caso deste jornal, é preciso mais
deixado em nossas retinas, mas acreditamos que, como pessoas que cooperem com
a Seleção, aos trancos e barrancos, de zeros em zeros, material e recursos financeiros.
venceremos. Nem que seja (valha-me Deus!) nos pênaltis! Cresceríamos muito, sem
André L.L. Daibes dúvida. Quem se habilita?
Presidente d’A AEE
4 - O Berrante
EUCLIDES RETURNS

Sanzé emudece, A AEE se cala


"O que pode fazer o homem senão rir", diria Euclides
ano de 94 trazia a Euclidiana cresceria e transcenderia
O
S
esperança de que suas fronteiras. Perfeito, era esse o
progressos ocorreriam na espírito de nosso projeto.
Semana Euclidiana. Logo após o Mas daí em diante, não se sabe o
fim da SE do ano passado A AEE porquê, a coisa desandou, com um
começou a negociar com a festival de falhas de comunicação
administração municipal de Sanzé entre Sanzé e A AEE. A Casa
a sua participação no planejamento Euclidiana quis marcar outra reunião
e execução do evento. A Associação conosco. Tentamos por inúmeras

E
elaborou um projeto (publicado na vezes acertar uma data por telefone,
íntegra n’O Berrante nº 3) e o mas nem o diretor da CE, Álvaro
entregou em Rio Pardo em reunião Ribeiro Neto, nem Lúcia Vito foram
realizada no dia 26 de fevereiro. localizados. Lúcia também não deu
Nessa ocasião a diretoria d’A AEE a resposta ao projeto, e o tempo
deveria ser recebida por Lúcia Vito, passou. Em meados de junho A
diretora municipal de cultura, mas AEE foi procurada por Marco
ela não compareceu e fomos Aurélio Mendonça, presidente do

*
atendidos por seu assessor, Ângelo Decet (Departamento de Cultura,
Missura Neto, que ficou de lhe Esportes e Turismo). Ele queria
passar todas as informações. Lúcia discutir nossa participação na SE/
se comprometeu em dar um retorno 94. André, o nosso presidente, foi a
à nossa proposta o quanto antes, Sanzé e descobriu que Marco
para que os prováveis palestrantes Aurélio nem tomara conhecimento
fossem convidados. da proposta entregue havia mais de
Nessa reunião se trocaram três meses. Tentou-se, ainda mais

9
opiniões sobre como deveria ser uma vez, marcar nova reunião;
uma SE. O clima era de otimismo, esperamos a confirmação da data e
pois observávamos haver, então, ela não veio. E ficou o dito pelo não
um desejo razoavelmente firme da dito (ou o contrário?).
prefeitura de Rio Pardo em nos ter O fato é que A AEE considerou
como colaboradores na organização que não havia mais tempo hábil
da Semana. Havia, também, para se organizar algo decente, e
convergência de idéias entre as decidiu não se comprometer com

4
partes. O plano da administração esta Semana Euclidiana.
riopardense era criar um maior
envolvimento da comunidade nos
festejos euclidianos, trazendo a obra "What shall
de Euclides (e todas as suas
do a man but to
repercussões) para perto de nossa
realidade atual. A Semana merry..."
O Berrante - 5
EUCLIDES RETURNS

Ciclo de Estudos não muda


As palestras continu- palestras e semelhantes. No mais, não deveremos ter
Analisando-se o temário já refresco. Existe a possibilidade até
am as mesmas. Casa definido, se vê que a discussão da da CE restringir o acesso às
obra euclidiana deve continuar palestras somente aos maratonistas
Euclidiana quer A fechada com um fim em si mesma. inscritos, barrando a presença de
Associação à mar- A AEE defende um euclidianismo ex-maratonistas, principalmente os
que ultrapasse essas fronteiras (que diretores d’A AEE (apesar da SE
gem da história. Mas mais parecem barreiras), se ser um evento público e financiado
o maratonista é transformando em ponto de partida com dinheiro público). Numa outra
para a reflexão das grandes medida autoritária (esta sim, já
antes de tudo um questões nacionais, sincronizando tomada), a Casa Euclidiana excluiu
forte, e resiste os debates com coisas que soem da SE/94 os colégios de alunos que
próximas do nosso cotidiano. em 93 optaram por assistir o
expectativa d’A AEE As propostas de mudança seminário “paralelo” por nós
A para 94 é a de que não
o c o r r e r ã o
apresentadas pel’A AEE não foram
consideradas. Adelino Brandão,
promovido. Apesar de tudo, vários
ex-maratonistas já confirmaram
transformações profundas na professor efetivo do Ciclo, e Álvaro presença em Sanzé. Quem estiver
Semana Euclidiana, Ribeiro, diretor da Casa Euclidiana, com vontade de ir à SE não deve ter
particularmente no Ciclo de são totalmente contra nossa medo de cara feia, porque todo ano
Estudos. É certo que o evento foi participação. Brandão apelou para é assim e sempre estamos lá. Nesta
direcionado para aumentar de um “ou eles ou eu”. Ribeiro acabou edição você encontra o Guia do
tamanho. Este ano deverão ganhando a parada, beneficiado Maratonista (V. pág. 11), com
participar cerca de 150 pela crise de comunicação que todas as informações necessárias
maratonistas, sem incluir a Área assolou as relações entre a de sobrevivência e primeiros-
III, que consistirá de mini-cursos administração riopardense e A socorros ao maratonista fudega.
voltados para o público Associação (V. pág. 4). Não perca!
universitário. Está sendo grande Curiosamente, a Casa Euclidiana A AEE estará presente a partir
também a preocupação da Casa adotou uma das idéias contidas no do dia 8, à noite, ou dia 9, à tarde,
Euclidiana em dar melhor texto de nosso projeto: enviar, para através de seu diretor Marcelo,
infraestrutura à SE (alimentação, as escolas participantes, apostilas também editor d’O Berrante. Os
alojamento, recepção, premiação - com informações básicas do maratonistas que necessitarem de
este ano serão distribuídos US$ euclidianismo, para que os alunos alguma informação poderão
1.000,00 aos vencedores - etc). não mais cheguem “verdes” a São procurá-lo no Hotel Brasil, onde
Por outro lado, não abriram mão José. Menos mau. ficará hospedado.
da filosofia usual em relação às

83ª Semana Euclidiana


9 a 15 de agosto de
1994
São José do Rio Pardo
6 - O Berrante
HISTÓRIA

'Ou progredimos
a metade da década de ou desaparecemos'
N 80 transbordou a
insatisfação dos Há oito anos que A Associação luta contra
maratonistas com os rumos da
Semana Euclidiana. O calor muitos chapéus e poucas cabeças
humano e o sentimento de amizade se esgotar em si mesma. Quantas Apesar da contrariedade de
que sempre uniu os maratonistas, vezes não se assistiu à mesma alguns, os maratonistas
que contagiava a todos - daí o palestra, e sem um único dado conquistaram algum espaço. Para
“vírus euclidiano” -, e que fazia (e novo? E quantos maratonistas não 1987 colaboramos com dois eventos
ainda faz) com que muitos voltem se perderam no desânimo de aulas preparatórios à SE, as
a Sanzé ano após ano, esse clima que soavam distantes, vítimas de “Semaninhas” de Franca (V.
passava por um auge, uma época preciosismos literários ilustração) e Lorena. A preocupação
de ouro, em que surgiram biobibliográficos? já era, além de difundir o
maratonistas (já) históricos como Erguia-se a bandeira da euclidianismo, fazer com que o
Rildo, Nirtão, Elvis, Mário, André, renovação. Os maratonistas, se aluno chegasse a Rio Pardo
Marcelo, “tia” Raquel, Marcão, podiam criar um sentimento de união dispondo das informações básicas.
Humberto e tantos outros. Mas por tão contagiante durante a Semana A partir daí se podería pensar no
outro lado essa turma via os tempos Euclidiana, porque não poderiam aprofundamento dos debates do
passarem e a Semana Euclidiana também se unir para tentar melhorá- Ciclo de Estudos da Maratona
la? Assim surgiu a idéia da Euclidiana. Ainda com esse objetivo
Associação dos Ex-Maratonistas, foi criada a Área II, então
em 1986, embrião da atual A coordenada pelo próprio Elvis, e
Associação de Estudos Euclidianos. aberta a universitários e ex-
Começou também a história do maratonistas. A iniciativa foi
confronto com aqueles que avaliada como positiva pelos
entendiam(em) que tudo estava participantes e, não por acaso, a SE/
bem na SE, e que nada havia para 87 é considerada a melhor de todos
mudar, posição que ficou os tempos. Mesmo assim muito
personificada na figura do havia para se melhorar,
professor Antônio Adelino principalmente na infra-estrutura,
Brandão. Mas os maratonistas muito criticada pelos maratonistas.
contra-atacaram, com um discurso Aí a Casa Euclidiana tomou a
do hoje jornalista Elvis Bonassa, contra-mão e extingüiu a Área II
um dos fundadores d’A com o formato que tinha. As
Associação. No encerramento da Semaninhas de 88 também foram
SE/86 Elvis pregou abertamente canceladas.
as mudanças, citando a frase de Os maratonistas não se
Euclides que marcou aquele ano: conformaram com o retrocesso e,
“Ou progredimos ou mesmo sem o espaço oficial, não
desaparecemos”. esvaziaram a sua luta.
O Berrante - 7

novos nomes que pudessem manter


o movimento. O fato é que, ainda
hoje, A Associação é levada pelos
O Conselheiro, mesmos que há oito anos a fundaram
símbolo da luta (e muitos são mais antigos no
dos sertanejos, euclidianismo do que a entidade.
acabou virando Elvis é da SE/81, André de 83,
o logotipo d'A Mário de 84 - este ano comemorando
AEE “dez anos de carreira” -, Humberto
é de 85, Marcelo de 86).
Após a SE/92, A AEE decidiu
voltar à carga. Lançou O Berrante
em outubro daquele ano e
conseguiu realizar um seminário
durante a SE/93, mesmo sem o
apoio da Casa Euclidiana, que
considerou essa uma tentativa de
esvaziar o evento oficial. A AEE
entrou em negociações para atuar
na SE/94 (V. págs. 4 e
5), mas não foi feliz ainda
dessa vez. Às vésperas
de mais uma Semana
Euclidiana começam a
ser programados os
próximos capítulos do
“confronto”. A
Compareceram, extra- â m b i t o Associação lá estará, e
oficialmente, na SE/88 e estritamente os velhos maratonistas de
questionaram, inclusive durante as regional, e só guerra também. Quem
palestras, aqueles que se sentiam voltou ao irá rir por último?
donos do euclidianismo, ficando antigo padrão Esperamos que todos,
famoso o episódio em que Adelino aos poucos. Em 90 e 92 a presença sem vencidos e
Brandão ameaçou se retirar da sala de maratonistas foi razoável. Em vencedores, por um euclidianismo
porque Elvis discordava de suas 91 não contou com mais de meia melhor. Puxemos o fli.
idéias e lhe fazia muitas perguntas. dúzia de gatos pingados. A
O período que se seguiu foi mais desmobilização causada por esse A ASSOCIAÇÃO
negro. Em 1989, sob uma nova período foi inevitável e A AEE se
administração municipal, a Semana ressentiu muito disso, pois durante
DE ESTUDOS
Euclidiana ocorreu somente no quatro anos quase não surgiram EUCLIDIANOS
8 - O Berrante
PESQUISA

Euclides: escritor ou jornalista?


Tese contraria muitos euclidianos e afirma: o jornalismo foi a
grande profissão de Euclides
comum que a obra de modernos. Ele se preocupava com interpretação das grandes
É Euclides da Cunha seja
analisada a partir do seu
o ritmo jornalístico, a linguagem
adequada, a precisão das palavras,
questões nacionais. O autor se
destacava também no jornalismo
trabalho como escritor, a atualidade dos fatos e as científico, procurando passar ao
historiador, geógrafo, engenheiro especificidades de seus leitores. leitor comum, através de
etc. Pouco se fala, entretanto, a Euclides observava, pesquisava, linguagem acessível, as últimas
partir daquela que talvez tenha entrevistava, checava fontes, novidades das ciências.
sido a grande profissão da vida de procurava sempre um ângulo novo, Mas o grande tema de Euclides
Euclides: o jornalismo. Euclides indo muito além das versões era a discussão da nacionalidade,
jornalista é o título da tese de oficiais dos fatos. Recriava, com da raça, do povo brasileiro, numa
doutorado de Carlos Marcos época difícil em que os conceitos
Avighi, professor de jornalismo "Euclides era a respeito eram muito dúbios.
da Escola de Comunicações e consciente da sua Euclides transitou por diversas
Artes da USP. Na tese, Avighi vertentes de pensamento. Provou
mostra que, ao contrário do dito atividade do positivismo, passou pelo
por muitos euclidianos, o darwinismo social, pelo
jornalismo não foi um simples
jornalística" evolucionismo spenceriano, pela
atalho na carreira do escritor. Ao extrema precisão, cenários e antropogeografia, e até por
contrário, a obra de Euclides é ambientes, dava vida e traços de algumas idéias socialistas, sem
que derivou de seu trabalho como humanismo a seus personagens, nunca, contudo, se prender
jornalista. elementos esses todos presentes definitivamente à qualquer teoria.
Várias vezes Euclides na reportagem moderna. Euclides, como bom jornalista,
considerou a engenharia apenas Euclides estreou no jornalismo buscava o pluralismo científico,
um meio estável de sobrevivência, aos 18 anos, no jornal O e mudava a sua opinião sempre
e em algumas cartas endereçadas Democrata, uma publicação de que novos fatos o exigiam. É
aos amigos (reunidas depois na estudantes. Após ser expulso da dentro dessa perspectiva que se
obra de Francisco Venâncio Filho) Escola Militar, por causa do famoso encaixa a obra euclidiana, como
ele manifestou a sua preferência episódio de insubordinação ao notou o próprio autor numa carta
pela atividade jornalística. Ocorre Ministro da Guerra do Império, ele à Araripe Júnior: “O meu esboço
que, naquela época, não era foi recebido como herói na redação fez-se desenho. No apagado das
possível alguém sobreviver do de A Província de S. Paulo (atual linhas vacilantes que tracei, e
jornalismo, o que prendia Euclides Estadão). Aí estreou na grande propositalmente eu tracei de leve
à “agitação estéril” de sua imprensa como articulista. Apesar para facilitar a correção...”
necessária vida de engenheiro. de seu trabalho mais famoso ser
Mas Euclides foi um jornalista fruto da reportagem (Os Sertões), Marcelo Lopes
que exerceu essa profissão com foi no gênero opinativo do artigo
plena consciência dela e dentro de que Euclides escreveu a maior parte
Editor ih-responsável
critérios hoje considerados de sua obra, sempre se dedicando à d'O Berrante
O Berrante - 9
CINEMA

Os Sacramentos

O
7 s Sete Sacramentos de
Canudos é um grande filme
nacional estrangeiro. Sim,
porque, apesar dos atores e
de Canudos

diretores serem todos brasileiros, a


produção é alemã, francesa e
Um filme com referências, cenas e textos
fortes. Canudos e seus sacramentos, eis a
realidade do Brasil
Cumpre-se, assim, a segunda parte
da profecia de Antonio
Conselheiro: “o mar vai virar
sertão”. O Batismo mostra que “a
luta” do sertanejo pela
sobrevivência e pela terra continua
A AEE exibe o
filme na SE/95
Os Sete Sacramentos de
portuguesa. O produtor alemão Uli a mesma. “Nós vamos morrer na Canudos custou US$ 330 mil e
Mueller esteve no Brasil no mês de bala, mas não vamos morrer de foi produzido em sociedade com
abril e exibiu o copião do filme no fome”, diz um deles. “Quem tiver TVs da Alemanha e da França,
Rio e em São Paulo. A AEE esteve medo de morrer que se enterre onde estreará primeiro. O filme
presente. vivo”, diz outro. “Como que Deus se encontra em fase final de
Os Sete Sacramentos é um filme pode dizer que todos têm que ser montagem e só deve chegar ao
forte, denso. São sete episódios felizes? Nessa hora é que eu fico Brasil no começo do ano que
independentes, dirigidos por sete com o diabo”, diz um terceiro. vem. A AEE já entrou em contato
distintos cineastas. No copião, O episódio mais aplaudido (e com o Instituto Goethe, que
algumas histórias estavam em marcante) foi o da cineasta Sandra organizou a mostra do copião
forma mais acabada, outras nem Werneck (A comunhão). Sandra em São Paulo, e praticamente
tanto. Mesmo assim foi aplaudido filmou numa favela do Rio, num contratou o direito de exibir o
de pé. barracão de escola de samba, filme em São José durante a
Os episódios não são exatamente fazendo uma analogia da união Semana Euclidiana de 1995.
sobre Canudos, mas inspirados daquela comunidade com a união
naquela cidade. Num deles (O do povo de Canudos. No filme, a sonho coletivo. Não se trata de
Batismo) o cenário é a Canudos favela prepara para o Carnaval um uma defesa dos criminosos que
atual, às margens do açude de enredo em homenagem a “um tal dominam as favelas. Simplesmente
Cocorobó. E, surpresa: o seu nível de Conselheiro que um dia se faz um retrato da atualidade. E
está dez metros abaixo do normal! defendeu o povo oprimido”. Os Os Sete Sacramentos de Canudos
Em alguns pontos o “solo sagrado” jagunços de hoje são traficantes. é um filme que nos faz refletir
da velha cidade veio à tona, o que No fim a polícia invade o morro, seriamente sobre ela.
pode revelar muitos segredos. destrói o barracão e acaba com um Marcelo Lopes
10 - O Berrante
MARATONA

O texto vencedor de 93
O riopardense Fausto Salvadori Filho levou a nota dez e o título.
A seguir, na íntegra, uma das suas duas redações premiadas

Canudos na visão euclidiana e na dos


historiadores atuais
(O caráter revolucionário da rebelião sertaneja)
Em 1897, com a derrota da expedição Moreira prejudicava os interesses dos coronéis da região
César, a opinião pública tomou conhecimento da que viam a imensa mão-de-obra de que dispunham
rebelião de Canudos, que foi identificada diminuir, atraída pelo carisma do Conselheiro.
inicialmente como um movimento para restaurar a Outras vão mais longe, acreditando que, ao destruir
monarquia. Agindo como “mercenários Canudos, a classe dominante pretendia eliminar
inconscientes”, a população do litoral (que jamais um projeto civilizatório diferente, que poderia ser
tomara conhecimento da existência dos habitantes um exemplo muito perigoso. Para estes
do interior) exigiu o pronto extermínio dos historiadores Canudos atraía a população não só
“monarquistas”. Essa foi a primeira visão que se pelas promessas de uma vida melhor, mas pela
teve a respeito de Canudos, da qual o próprio realidade de um local onde a propriedade da terra
Euclides a princípio compartilhava. era comum, todos tinham onde trabalhar e não
A opinião de Euclides mudou depois de ter visto passavam fome. Alguns chegam a afirmar que seria
de perto a real situação dos canudenses. Concluiu uma sociedade igualitária, idéia que já foi
que se tratava de um movimento messiânico causado desmentida por vários indícios que temos por
pelas péssimas condições de seca (sic), miséria e escusado apontar. Há ainda, quem afirme ser
ignorância em que viviam os sertanejos, aliadas ao Canudos um exemplo de luta de classes. Essa
problema da mestiçagem. Em “Os Sertões”, revelou interpretação marxista tende a distorcer a realidade
que a campanha fora um crime praticado contra canudense para adaptá-la aos conceitos socialistas.
uma população atrasada três séculos em relação É possível que a rebelião sertaneja tivesse, ainda
ao litoral, e que, na verdade, nada sabia sobre que inconscientemente, um certo caráter
formas de governo, e apenas identificava a revolucionário, que prejudicasse os interesses da
República como o governo do Anti-Cristo. Euclides Igreja e dos coronéis. Canudos conseguiu muitos
acreditava que Canudos era um problema, porém avanços (como, por exemplo, a alfabetização de
um problema a ser eliminado não pela força, mas adultos), de modo que teve de ser destruída, os
pela educação. prisioneiros delegados (sic) e sues escombros
Passados noventa anos da publicação de “Os submersos sob (sic) as águas.
Sertões” surgiram outras visões sobre Canudos. Tudo isso, porém, é muito problemático já que,
Os historiadores atuais tendem a interpretar como disse Renato Ferraz, cerca de apenas 10%
Canudos como um espaço social incômodo, que foi dos milhares de documentos sobre Canudos foram
destruído, não pela incapacidade do governo em examinados. Muitas informações ainda estão por
reconhecer a real natureza da rebelião, mas porque ser retiradas sob (sic) as águas do esquecimento.
O Berrante - 11

GUIA DO MARATONISTA
A seguir O Berrante reúne oferecer). O frio lá em cima é responda que são cinco mil.
algumas informações úteis para o intenso. É imprescindível estar PREÇOS, ENDEREÇOS E
maratonista que deseja voltar a preparado. TELEFONES ÚTEIS
Sanzé para reviver a magia, bem 2. Quem tiver instrumentos I. A camiseta d’A AEE estará sendo
como para aquele que lá estará musicais deve levá-los, para que negociada a R$ 8,00.
pela primeira vez para ser batizado possamos tocá-los e cantar pelas II. Atenção para o preço das
e inoculado com o “vírus ruas, praças e bares de Rio Pardo. passagens rodoviárias para
euclidiano”. A propósito, se alguém tiver um Sanzé: partindo de São Paulo,
1. O maratonista não deve se berrante, leve-o também. entre R$ 6,60 e R$ 9,20. De
esquecer de ir bem agasalhado. Os 3. Quem tiver baralho não deve Campinas, R$ 6,10. De Ribeirão,
dias em Sanzé são quentes, mas as esquecê-lo em casa. O truco é o R$ 7,30.
noites são bastante frias. jogo oficial dos maratonistas. III. O Hotel Brasil é o hotel oficial
Acrescente-se que a meteorologia Marreco! d’A AEE e dos maratonistas. A
prevê um inverno mais rigoroso 4. Os maratonistas costumam dizer diária custa entre R$ 4,00 e R$
neste ano. Muitas blusas e qua a vida tem duas partes bem 7,30. Possui restaurante próprio,
cobertores serão necessários, distintas: antes e depois da SE. Se com sistema de self-service por
principalmente na escalada do você é calouro, prepare-se. Esqueça kilo (100 gramas = R$ 0,50). Rua
Cristo Redentor. É tradição na SE tudo o que já viu. Você jamais será Ananias Barbosa, 97. Tel.: (0196)
os maratonistas subirem ao Cristo o mesmo... 61-2419.
de Sanzé de madrugada para ver o 5. Por último, se você é calouro, e IV. Endereço da Casa Euclidiana:
nascer do sol (um dos espetáculos um veterano lhe perguntar quantos Rua Marechal Floriano, 105. Tel.:
mais belos que a cidade pode parafusos tem a ponte do Euclides, (0196) 61-2232.

Aos marinheiros de primeira viagem


(e também àqueles que vivem no alto-mar)
"S anzé" do Rio Pardo (45
mil habitantes em 1986)
praça (cocoricó, e os de
Cantagalo sofrem com as piadas).
fluvial de São Pedro, onde temos
um zoológico e muitas pedras à
margem do Pardo, onde os
fica no leste do estado de O Rio Pardo, afluente do
São Paulo, a 256 km da capital, Grande, corta a cidade e maratonistas se sentem muito
155 km de Campinas e 125 km de empresta-lhe o nome. Unindo o bem tocando e cantando.
Ribeirão. A região é montanhosa centro aos bairros próximos do Na História Sanzé teve
(altitude de 676 metros), a cidade Cristo temos a Ponte Euclides da momentos de glória. Acolheu
fica na encosta da Mantiqueira. Cunha, que ele construiu entre Euclides na gestação de seu
De clima tropical de altitude, o 1898 e 1901. Junto a ela está a grande livro (grande mesmo,
inverno é frio, gostoso e seco. A Herma, conjunto que inclui quinhentas e poucas páginas,
economia é diversificada: também a cabana onde Euclides você já o leu?), e proclamou a
cultiva-se, principalmente, café escreveu Os Sertões e o túmulo República ainda antes de
e cebola. O gado leiteiro é outro para onde o ele foi transladado Deodoro, em 11 de agosto de
ponto forte. Na indústria, se do Rio em 82. Ali os maratonistas 1889. A revolução durou poucos
destaca a Nestlé, que na SE solta gostam de se reunir e chamar por dias, mas Sanzé ficou conhecida
a Galinha Azul em desfile na Euclides. Próxima dali está a ilha como Cidade Livre do Rio Pardo.
12 - O Berrante

Notícias pelos murais da escola.


***
até 31/8 perderão o direito de
receber as edições vindouras d’O
Aviso aos navegantes: a camiseta Berrante. Envie o quanto antes o
das d’A Associação não é de graça.
Após receber um número razoável
seu pedido de filiação para a
Central de Informações d’A
de pedidos, A AEE fez um AEE.
Cavernas orçamento e fixou o preço dela em
R$ 8,00 mais despesas de envio.
***
O euclidianismo corre o mundo.
Entre março e julho A AEE Quem fizer o pedido daqui para Os radioamadores riopardenses
recebeu a adesão de cinco novos frente deve já mandá-lo junto com estão divulgando a Euclides e sua
sócios: Cilene Xavier Silva o dinheiro para a Central de obra por todos os hemisférios. O
(Jundiaí), Adriana Rios Fernandes Informações d’A AEE (endereço retorno tem sido na forma de
(Guaxupé), Cláudia Lopes de Paula no expediente). cartões postais internacionais,
(São Paulo, from Franca), Alex *** felicitando Sanzé pelos festejos
Vieitas (Cantagalo) e Giovana Um problema de editoração euclidianos nos mais diversos
Patrícia Gentile (Várzea Paulista). eletrônica emperrou a edição de idiomas. Os cartões estarão
Bem-vindos ao reino dos céus! Ah, Cânticos Euclidianos. Já está expostos durante a SE.
e as carteirinhas já estão a caminho. sendo tudo resolvido e os primeiros
*** exemplares serão distribuídos na ***
O Berrante faz sucesso no SE/94. Colaborou Luciana Martinez
colégio Miguel de Cervantes, em *** Ceccato, de São Paulo, e João
São Paulo. O pessoal de lá tirou Atenção maratonistas de 93: Batista Destro Filho, de São José
cópias do jornal para distribuir aqueles que não se filiarem À AEE do Rio Pardo.
A ASSOCIAÇÃO DE ESTUDOS EUCLIDIANOS
Ficha de inscrição de associado
Foto
Nome:
(Mande foto extra se
Endereço: desejar que lhe seja
Cidade: UF: enviada a Carteirinha
CEP: Tel.: ( ) d'A Associação.
Data de nasc.: R.G.: Remeta tudo à nossa
Profissão: Participou da SE ( )S N( ) Central de Informa-
Ano(s): Função: ções)
Assinatura:

Expediente
Central de Informações d’A AEE: Rua Antonio Abdo, 99, V. das Mercês, CEP 04164-060, São Paulo,
SP, tel.: (011) 946-5573. O Berrante - Editor ih-responsável: Marcelo Lopes. Editora ad-junta: Andréa
Pasqüini. Diretoria d’A AEE - Presidente: André (São Paulo), 1º-2º-3º vice-presidente: Humberto (São
Paulo/Franca), Secretário Geral: Mário (Botucatu), Secretária Adjunta: Raquel (São Paulo/São José do
Rio Pardo), 1º tesoureiro: Newton (Brasília), 2º tesoureiro: Newber (São Paulo/Botucatu), Diretores:
Marcelo (São Paulo), Danilo (Franca), Rildo (São Paulo), Elvis (Brasília). Números atrasados e
correspondência em geral: contatar a Central de Informações. Cartas e artigos enviados para
publicação poderão ser editados em função do espaço disponível. Os artigos assinados não refletem
necessariamente a opinião do jornal. Tiragem: 200 exemplares.

Interesses relacionados