Você está na página 1de 1

A importância de Caxias no preparo das tropas brasileiras na Guerra da

Tríplice Aliança

Em meados dos anos de 1866-1867 o período prolongado da guerra e as diversas


circunstâncias de ordem interna dos países aliados (Brasil, Argentina e Uruguai) ameaçavam as
intensões do imperador brasileiro de dar um fim definitivo à guerra com a total deposição de
Solano López do poder, no Paraguai.
Em 1868, Caxias, foi nomeado pelo imperador D. Pedro II para o cargo de comandante-
em-chefe do Exército Brasileiro no Paraguai. Caxias ao tomar conhecimento da situação
calamitosa em que se encontravam as tropas acampadas, tomou várias atitudes com vistas a
melhorar tanto o aspecto material quanto o apoio aos recursos humanos envolvidos, já que
epidemias de cólera e outras doenças relacionadas com a falta de saneamento e infraestrutura
básicas estavam trazendo excessivas baixas ao contingente aliado, nessa época, já constituído
em sua maioria pelo Exército Brasileiro.
No ímpeto de (re)organizar o exército que encontrara, comprava cavalos e mulas,
vitais para as operações militares, e melhorava a alimentação destes. Realizara obras
adicionais de defesa, que transformaram o acampamento de Tuiuti (posição já conquistada em
território paraguaio) em uma forte posição defensiva. Caxias tentava organizar melhor as
tropas, ao treiná-las, já que percebeu que muitos ali não haviam recebido o mínimo de
preparo para o combate. Também buscou mapear a região em volta de Tuiuti e identificar as
posições inimigas. Na missão de reconhecimento, tomou a iniciativa pioneira, antes só
promovida durante a Guerra de Secessão norte-americana, de utilizar-se de balões de
observação.
Depois de preparar a tropa com treinamento e com meios melhores para combater o
inimigo, realizou grandes conquistas no terreno paraguaio, ultrapassando a fortificação de
Humaitá em coordenação com a Marinha do Brasil, e empreendendo o período conhecido
como Dezembrada, na conquista das posições de Itororó, Avaí, Lomas Valentinas e Angustura.
Afastou-se da guerra do Paraguai após a tomada da capital Paraguaia, Assunção.
Conforme a Ordem do dia 25 de agosto – Dia do soldado: “Caxias comandou as tropas
aliadas na Guerra da Tríplice Aliança, organizando o caos, cuidando do moral da tropa e da
logística, criando estratégias e táticas de combate para pôr fim ao maior conflito da América
do Sul. Na ocasião, a guerra apanhou o Brasil despreparado para a defesa, pois a identificação
das ameaças era despercebida para os brasileiros, e o preço que o País pagou foi muito alto
em vidas e recursos materiais.”