Você está na página 1de 3

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DR.

(A) JUIZ(A) DA VARA DO


TRABALHO DA COMARCA DE LAGES - SC

CARLOS AUGUSTO DA SILVA, brasileiro, solteiro, pedreiro, CI 990.009 e CPF


988009967-70, CTPS 00998-9 e PIS 00955833-00, residente e domiciliado na Rua 7
de setembro, nº 990, bairro Copacabana, na cidade de Lages SC comparece perante
Vossa Excelência ., através de sua advogada e procuradora adiante assinada, vem, com
fulcro nos arts. 477, 478, 483 e 791 da Consolidação das Leis do Trabalho, para propor
a presente:

RECLAMATÓRIA TRABALHISTA contra CONSTRUÇÃO E COMÉRCIO LTDA,


pessoa jurídica de direito privado, CNPJ 9908899999009-89 E INC. ESTADUAL,
9903344889, sita na Rua Presidente Vargas nº 990, Bairro Coral, CEP 88500520 -
Lages SC pelos motivos que passa a expor:

ADMISSÃO/DEMISSÃO

O reclamante foi admitido aos serviços da reclamada, na função de pedreiro, em


01/01/08, porém a sua CTPS não foi anotada até a data de 27 de outubro de 2009,
sendo que a reclamada também não depositou também o FGTS devido.
Seu contrato foi rescindido, pela forma indireta, em 27/10/09, conforme carta remetida à
reclamada nesta data (AR e cópia da carta em anexo).
O salário combinado entre as partes foi de R$ 500,00, porém a partir de 01/02/09 o
empregador atrasava o pagamento pelo menos em 15 dias todos os meses, e a partir do
mês de agosto do corrente ano passou a receber somente R$ 300,00 mensais.
Tendo o empregador argumentado que a empresa passa por uma crise econômica, não
possuindo condições de continuar cumprindo com o pagamento do salário antes
combinado. Afrontando o princípio constitucional da irredutibilidade salarial, previsto
no artigo 7º, inciso VI da Carta Magna, ilegalmente reduziu seu salário para R$ 300,00
(trezentos reias), o consoante se vislumbra nos inclusos comprovantes de pagamento.

Não tendo outra saída o reclamante, a não ser pedir a rescisão indireta e propor a
presente reclamatória.
Vejamos então, como os tribunais estão julgando casos semelhantes:

ATRASO NO PAGAMENTO DOS SALÁRIOS. A incontrovérsia sobre o habitual


atraso no pagamento dos salários, configura hipótese autorizadora da rescisão indireta
do contrato de trabalho. (TRT-PR-RO 6.960-98 - Ac.3ª T 8.208-99 - Rel. Juíza Wanda
Santi Cardoso da Silva)

RESCISÃO INDIRETA CONFIGURADA. SALÁRIOS NÃO PAGOS. O não-


adimplemento da obrigação essencial da empregadora no contrato de trabalho -
pagamento dos salários - constitui falta suficientemente grave a ensejar a
incompatibilidade na manutenção do vínculo empregatício, justificando a rescisão por
iniciativa da empregada. (TRT-PR-RO 2.586-98 - Ac. 1ª T 16.920-98 - Rel. Juiz Tobias
de Macedo Filho)

RESCISÃO INDIRETA DO CONTRATO DE TRABALHO, RECONHECIMENTO.


O atraso reiterado no pagamento dos salários, a falta de antecipação do pagamento das
férias e o não recolhimento do FGTS constituem descumprimento das obrigações
contratuais e legais capaz de ensejar a denúncia cheia do contrato de trabalho por parte
do empregado. (Acórdão do Processo nº 01187.701/97-1 (RO) - TRT 4ª R, data de
publicação: 05.06.2000, Juiz Relator: Ione Salin Gonçalves)

RESCISÃO INDIRETA DO CONTRATO DE TRABALHO. A infração contratual


consubstanciada em atraso e falta de pagamento de salários, relativamente a vários
meses do período de vinculação empregatícia, reveste-se de gravidade capaz de ensejar
a rescisão indireta do contrato de trabalho. (...) (Acórdão do Processo nº 00891.023/97-6
(RO) - TRT 4ª R, data de publicação: 11.10.1999, Juiz Relator: Nires Maciel de
Oliveira)

DA JUSTIÇA GRATUITA:

O autor não tem condições financeiras que lhe permitam arcar com as custas
processuais e honorários advocatícios , sem prejuízo do sustento próprio e de sua
família, necessitando para tanto os benefícios da justiça gratuita consoante na Lei
1060/50.

DIANTE DO EXPOSTO:

1) Requer seja a reclamada notificada para que, querendo, conteste a presente


reclamatória, sob pena de confissão e revelia.
2) O reconhecimento da rescisão indireta do contrato de trabalho, por estarem presentes
os requisitos do art. 483, "d" da CLT, fixando como data do término do contrato a data
do envio da comunicação da rescisão (27 de outubro de 2009).
3) Requer a aplicação do Art. 467 da CLT no tocante das verbas incontroversas;
4) As anotações na CTPS do reclamante deverão ser retroativas desde a data de
admissão 01.01.08
5) Requer os pagamentos de férias e de 13º salário, que não foram pagos, em face do
período do contrato de trabalho, com as devidas correções monetárias.
6) Requer que sejam juntados pela reclamada os comprovantes de depósitos do FGTS,
mês a mês, durante todo o tempo do contrato, sob pena de execução direta, bem como
seja a reclamada intimada a juntar a folhas de pagamentos devidamente assinadas,
referente ao contrato de trabalho
7) Caso não tenha efetuado o depósito do FGTS 8%, referente os meses trabalhados,
requer o comprovante do depósito valor total correspondente ao tempo trabalhado sem
registro, com mais a multa de 40% a apurar.
8) Verbas rescisórias, face à rescisão indireta, com a projeção do aviso prévio no tempo
de serviço.
9) Saldo da diferença dos salários pagos, referente aos meses de agosto, setembro e
outubro, a apurar.
10) Requer também pela notificação a Delegacia Regional do Trabalho e ao INSS.
11) Requer os benefícios das leis 1060/50, 5584/70 e 7510/86 no que se refere à
gratuidade da justiça.
12) Protesta pela produção de todas as provas admitidas em direito, sem exceção,
especialmente pelo depoimento pessoal do representante legal da reclamada, ouvida de
testemunhas e juntada de documentos.
13) As verbas ilíquidas deverão ser apuradas em liquidação de sentença mediante
simples cálculos.
14) Finalmente, espera que seja a presente ação julgada procedente, com a condenação
da reclamada no pedido, acrescido de juros e correção monetária, na forma da lei, mais
custas processuais e honorários advocatícios (CPC art. 20 e seus §§ c/c art. 133 da CF).

Dá-se a presente o valor de R$ 18.000,00, apenas para efeitos de alçada e fiscais.

Nestes termos,

Pede deferimento.

Lages, 28 de outubro de 2009.

Rita de Oliveira
OAB/SC 23.125