Você está na página 1de 16

16/02/2017

Calendário de aulas

Data Assunto Professor


16/fev Introdução: concreto armado como material estrutural Leila
Concreto no estado fresco
02/mar Comportamento mecânico do concreto estrutural. Leila
Durabilidade, vida útil e especificações das estruturas de
concreto.

09/mar Comportamento do concreto ao longo do tempo. Leila

GES 002 – Tecnologia de 16/mar


Materiais constituintes (Cimento, adições, aditivos e
agregados)

Controle da qualidade do concreto. Leila


Controle de execução de estruturas.

Materiais e Durabilidade 23/mar Aço para concreto armado e protendido (comportamento


e especificações)
Concretos especiais
Leila

30/mar Patologia das estruturas de concreto Leila


06/abr Aço estrutural: materiais disponíveis, soldagem, controle Fabio

Profª Leila Cristina Meneghetti 13/abr


de qualidade
Aço estrutural: proteção contra corrosão e contra Valdir
incêndio
20/abr Concreto em situação de incêndio Fabio

27/abr Aço estrutural: fabricação, tipos e propriedades Fabio


mecânicas

Tópicos do Curso (Concreto Armado) Bibliografia

• Aço para concreto armado MEHTA, P. K. & MONTEIRO, P. J.


• Estrutura e propriedades do concreto Concreto: microestrutura, propriedades e
• Durabilidade e vida útil materiais. IBRACON, 2014
• Materiais constituintes
• Dosagem e controle
• Concretos especiais ISAIA, G. C. (editor) Concreto: ciência e
• Processos de degradação tecnologia. IBRACON, 2011

1
16/02/2017

Importância do concreto Porque do uso intenso?

• excelente
• Material estrutural de maior uso na atualidade resistência á
• Apenas a água consumida em maior proporção
• 5 até 10 vezes mais consumido do que o aço
água
• Consumo mundial atual: 11 bilhões ton/ano –1as.
aplicações 
romanos

Razões do uso intenso

• versatilidade de formas e dimensões;


• baixo custo (mundial, US$ 20 a 80 / ton);
• facilmente produzido no canteiro de obras;
• adequado à pré-fabricação.

2
16/02/2017

Delta do Rio Colorado

–Maior estrutura pré-fabricada para


transporte de água:
– Central Arizona: US$ 1,2 bilhões;
– Levar água do Rio Colorado p/
agricultura, indústria e consumo público
no Arizona;
– 1560 seções de tubos com externo 7,5 m
~ edifício de 2 andares; interno ~ 6,5 m
e massa até 225 toneladas.

• resistência à água
• Itaipu:
– US$ 18,5 bilhões; Museu nacional de Brasília –
– altura máxima 196m Oscar Niemeyer - 2004
– 180 m de extensão;
– 20 tipos de concreto
– 12, 5 milhões de m3
Palácio dos Esportes –
– http://www.itaipu.gov.br
Píer Luigi Nervi - 1960

3
16/02/2017

Problemas do uso intenso

Produção de cimento crescente: geração de CO2


200
Construbusiness
PNM 2030
160 SNIC

Cimento (M t)
PNE 2030 surf
PNE 2030 Naufrago
120

80
Ponte Zuoz – Maillart - 1901 Ponte Salginatobel – Maillart
- 1930
40
2005 2015 2025

Problemas do uso intenso Problemas do uso intenso

• Grande demanda de materiais


• Extração dos agregados (mais de 300 • Grande impacto ambiental
milhões de toneladas por ano)
• Dificuldade para deposição ao final da
• Custo de manutenção de obras antigas. vida útil
• Deposição do material ao final de sua
vida útil.

27.000.000 m3 de concreto

4
16/02/2017

Desempenho dos componentes


produzidos com concretos

• Fatores
O concreto possui • Fatores
intrínsecos: extrínsecos:
limitações/desvantagens –Natureza, e –Projeto,
para sua utilização? –Teor dos –Execução e
materiais –Manutenção
constituintes das
estruturas

O que é necessário para


especificar bem um concreto?

estrutura

Controle de Conhecimento!
Você conhece o concreto?
produção e
Projeto

controle de
recebimento

5
16/02/2017

Concreto de cimento Portland Produção de Cimento Portland (via seca)

• Cimento Portland (100 – 500 kg/m3) ~0,8 ~0,2


Calcário Argila
• agregado(s) Cimento
– miúdo(s) < 4,75 mm (mas maior que 75m)
– graúdo(s) > 4,75 mm
Portland
Adições
• água moagem
• opcionais ~0,05
– Aditivos, adições, fibras, pigmentos, etc. pré-aquecedor Gipsita moagem
final
Forno ~0,95
>1450 oC clínquer

Tipos de cimento Matérias primas

• Calcinação (clínquer) • Após calcinação


CP II-F
– Calcário (~80%) – Gipsita
Filer • CaO C
• CaO - C
Clínquer – Argila (~20%) • SO4 Š
– Adições
+ + CP II-E ou CP III • Si O2 - S
• pozolanas
• Al2O3 - A
Escória – cinzas volantes
• Fe2O3 - F – argila calcinada
• escória granulada
CP II-Z ou CPIV de alto-forno
• pó calcário
Gipsita Pozolana
CP I ou CP V

6
16/02/2017

Fases do clínquer Fases do Clínquer

• C3S - 3CaO.SiO2 Silicato tricálcico • MgO • Na2O e K2O


– cristalino (periclásio) – álcalis
• C2S - 2CaO.SiO2 Silicato dicálcico – expansão lenta – 0,3 a 1,5%
• C3A - 3CaO.Al2O3 Aluminato de cálcio – reação álcali agregado
• CaO – eflorescências
• C4AF - 4CaO.Al2O3.Fe2O3 Ferro aluminato de
– falha na formulação • Sulfatos (SO3)
cálcio – expansivo – combustível
• Estimativa dos teores pelas formulas de BOGUE

Hidratação do cimento Hidratação do cimento

• Reação imediata Rápida


– C3A + xH  C3AH6, C3AH6 ou C2AH8 2C3S + 6H  C3S2H3 + 3CH C-S-H e cal hidratada
Libera
– uso muito difícil (exceto concreto projetado) Libera Lenta
Calor
Calor 2C2S + 4H  C3S2H3 + CH C-S-H e cal hidratada
• C-S-H
• Retardada pela adição de Gipsita
– silicato de cálcio hidratado
– C3A + 3C ŠH2 + 26H  C6A Š3H32 (etringita)
– principal produto
– C3A + C ŠH2 + 16H  C4A ŠH18 (monosulfato) – estequiometria variável
– C6A Š3H32 + 2 C3A + 22H 3C4A ŠH18 (monosulfato)

7
16/02/2017

Velocidade de hidratação cimentos portland brasileiros

• Composição química • Temperatura


– + C3S + rápido • Umidade
– matérias primas
• Finura (m2/g)
– grau de moagem
– área superficial para
reação de hidratação
– condições de mistura

Classificação Tipos de cimento

CP XXX RR Tipo Sigla Escória Pozolana Filler


CP I
Comum
CP I-S 5
Cimento Resistência
Portland
Composição
(Mpa)
CP II E 6-34 <10
Composto CP II Z 6-14 <10
CP II F <10
Adições 25 32 40 Alto Forno CP III 35 - 70 5
Pozolânico CP IV 15-50 5
ex: CP II E 32 Alta Resist. Inicial CP V ARI 5

8
16/02/2017

Desempenho dos tipos de cimento Adições Minerais


55
50
• Material pozolânico: pozolanas naturais e artificiais
Resistência à compressão (MPa)

45
40
(cinza volante, sílica ativa, cinza da casca de arroz)
35 • Material cimentante: escória granulada de alto forno
30
• Fíler: sem atividade química – efeito físico de
25
20 empacotamento granulométrico
15 CP I-S CP II CP III CP IV CP V

10
5
0 3 6 9 12 15 18 21 24 27 30
Idade (dias)

Efeitos das Adições Minerais Escória de alto forno

• Alto forno • Composição similar ao


cimento
• Afetam produtos • Benefícios ambientais – minério
– menos CaO
de hidratação – redução da emissão de
• FeO ferro gusa
• Produção brasileira ~8
• Si, Al, escória
– durabilidade CO2 M t/ano
– cal virgem
– < permeabilidade • Região sudeste
– evita deposição de • CaO escória
resíduos em aterros – coque
• Resistência • C CO2
– Reduz inicial
– Aumenta a final

9
16/02/2017

Pozolanas Pozolanas

• Pozolana natural Após hidratação: C-S-H


• Material contendo SiO2 (predominante) – cinzas de vulcões
– outros compostos – Pozzuoli - Nápoles
• Al2O3 – Cimento Romano
• CaO • cal + cinza
• Fe2O3 …. • Argilas calcinadas
• Microestrutura vítrea – meta-caolinita
– energia de cristalização • Resíduos industriais
– Solúvel em pH elevado – cinzas volantes
– resíduos cerâmicas
• Cinzas vegetais

Reação pozolânica Pozolanas naturais e artificiais

• Hidratação do cimento
2C3S + 6H  C3S2H3 + 3CH
2C2S + 4H  C3S2H3 + CH
– pH do meio aquoso > 12.5
Cinza volante Sílica ativa Metacaulim
• Hidratação da pozolana
3CH + 2S  2C3S2H3
– Redução do teor de CH
– < solubilidade do cimento

Cinza da casca de arroz Cinza da casca de arroz

10
16/02/2017

Agregados

• Agregados têm baixo valor agregado.


• Material granular
(com dimensões pré-definidas • Custo do frete pode representar boa
em faixas granulométricas) parte do custo do material.
• Dimensionalmente estáveis
– Mais baratos quando obtidos na região
• Resistência mecânica adequada
próxima da obra.
– Teores restritos de materiais
fracos • São Paulo: problema.
(torrões de argilas, materiais
carbonosos dentro de limites)

http://www.langendorf.com.br/cacamba_sobre_chassi.html

Agregados - importância Variação das propriedades das rochas

Rocha Resistência à Absorção E


• Econômica: compressão (MPa) (%) (GPa)
• Custo agregado << custo cimento Mínima Máxima
• Ocupam 60-80 % do volume do Granito 100 240 0,1 a 0,8 40/70
concreto Basalto compacto 180 280 0,1 a 0,6 60/100
Gnaisse 100 240 0,2 a 0,8 40/70
Material Proporção Consumo Volume % volume Calcário 90 200 0,2 a 4,5 30/50
Cimento 1 360 116 12 Xisto 100 180 1,2 a 4,5 25/40
Areia 2 720 267 27 Quartzito 130 400 0,1 a 0,8 50/100
Brita 3 1080 400 40 Arenito 50 150 1,2 a 8,5 20/40
Água 0,6 216 216 22

11
16/02/2017

Propriedades afetadas pelos agregados Aditivos para concreto

• Incorporares de ar
• Resistência mecânica • Controlar pega
– Permeabilidade
• Módulo de elasticidade – Retardar
– Ação do gelo
• Resistência à abrasão >> Pasta de cimento; – Acelerar
• Plastificantes • Expansores
• Estabilidade dimensional: módulo de
• << Água (5 a 10 • Combinação de efeitos
elasticidade e retração e fluência
%)
– Superplastificante-
• >> Fluidez
retardador
• Superplastificantes
ou plastificantes de alta – Superplastificante-
eficiência acelerador
• <<<< Água (até
25%)
• >>> Fluidez

Incorporadores de ar Incorporadores de ar

• Tensoativos • Função • Compostos químicos


Cadeia não polar – Resistir a gelo-degelo – Derivados de óleos
+ + + – < Capilaridade vegetais
- + +
Grupo polar aniônico + - -
– > Trabalhabilidade • Colofômio
+ - - ar - + +-
• Hidrofugam o cimento + + - - • Concretos magros • Aplicações no brasil
+ +
– Ar pode aderir ao • Efeito colateral – Argamassas
cimento
- -
- - ar - – Cimento hidrófugo
• <<Tensão ar-agua - - – Pode retardar
– Formam bolhas - + +
+ +-
+ +

12
16/02/2017

Plastificantes
Controladores de retração
• Tensoativos
• Compensam a Cadeia polar sem aditivo
EXPANSÃO

- +
retração inevitável +
-
partículas
aglomeradas
do concreto: Grupo polar aniônico +
• < Tensão superficial da
– Incorporando ar  água
agente espumante • Hidrófilo (OH-)
– Gerando gases – Aderem às particulas
RETRAÇÃO

(alumínio) – Cimento hidrófilo com aditivo -+ -


-
– Produzindo partículas - +
-++ -
etringita (sulfato) dispersas -
-+ +- -
- -
-+ + - - +-
- +-
- + +-
-
2Al + 3Ca(OH)2 + 6H2O  3CaO . Al2O3 . 6H2O + 3H2(gás)

Plastificantes Função do plastificante

• Composição • Efeitos colateriais •  A fluidez


– Ácido lignossulfônico – Lignosulfonatos – a/c constante •  Resistência ou
– Ácido carboxílicos • Incorporam ar – Resist. constante  água
hidroxilados •  Resistência •  Cimento –  a/c de 5 a 10%
– Compostos – Retardo da pega – a/c constante –  Resist
polihidroxilados • Dosagem elevada – Resist. constante – Fluidez constante
– Sais e modificações – Fluidez constante
destes compostos

13
16/02/2017

Perda de eficiência do plastificante


Aplicação dos Plastificantes
• Produtos de hidratação
– Incorporam o
plastificante Concreto Cimento a/c Slump Rc (MPa)
– Reduzem seu efeito
• Velocidade de perda de
(kg/m3) (mm) 7 dias 28 dias
trabalhabilidade Ref 300 0,62 50 25 37
– Finura
– Temperatura >> fluido 300 0,62 100 26 38
– Composição >> Rc 300 0,56 50 34 46
– Teor do aditivo
<< cim 270 0,62 50 25,5 37,5

Superplastificantes Aplicação Dos Superplastificantes

• Plastificantes • Teor (massa do cimento) Aditivo Cimento a/c Slump Rc (MPa)


– Cadeias longas – Até < 3% (kg/m 3) (mm) 1 dias 28 dias
– Massa molecular • Fluidez 0 360 0,60 225 10 45
elevada
– Até 25cm de 2% 360 0,45 225 20 55
– Grupos polares
abatimento 0 360 0,45 30 16 52
• Grande dispersão de
partículas – Sem segregação
–  Área de reação – Sem exsudação • Trabalhabilidade constante = 25% de redução na água
química • Água constante = aumento de 7,5x na trabalhabilidade
–  Resistência inicial

14
16/02/2017

Superplastificantes Modificadores De Pega

• Problemas
– Compabilidade com o
• Composição básica • Interferem no mecanismo
– Naftaleno sulfonado
cimento
– Melamina formaldeído
– Dissolução
– Perda de eficiência
• Maior que dos • Preço? – Precipitação
plastificantes – Cátions Ca…
• Função
– Ânions Si, Al …
– Composição do
aditivo • Efeito depende do teor
– Temperatura
– Finura do cimento – Acelerador pode se tornar retardador,
– Teor de aditivo e vice-versa

Modificadores De Pega Cloreto de Cálcio

• Mais utilizado • Outros efeitos


Aceleradores • Muito barato –  Retração e fluência
 Cloreto de Cálcio Retardadores • Risco de corrosão –  Resist
(CaCl2.2H2O)  Fosfatos – Aumenta • 3 dias até 100%
– > 0,4% cl-/cimento – Calor e hidratação
 formiato de cálcio  Açúcares é muito significativo • 30% em 24h
 treitalonamina • Concreto armado – Durabilidade
 Silicato de sódio • Cura térmica • Piora
• + Cimento, – Álcali agregado
 aluminato de
• Superplastificantes – Sulfatos
potássio
– Corrosão
 Carbonato de
Sódio

15
16/02/2017

Efeito na Resistência
Tempo de pega

100 4

CaCl2.2H2O
80

Início de Pega (h)


0% 3
2%
fc (MPa)

60
2
40

1
20

0 0
1 3 7 28 0 0,5 1 1,5 2
idade (dias) Cloreto de Cálcio (%)

Exigências da NBR 11768

• Estado plástico • Estado


– Redução na água endurecido
• Plastificantes: > 6% – Resist. Compressão
• Superplastificantes • 12 a 90 dias
> 12%
– Resit. Tração
– Pega (ensaio brasileiro)
• Depende – Retração e
• Típico ± 1h expansão
– Exsudação
• Incorporador de ar <
• Uniformidade
2% – Variação entre lotes

16