Você está na página 1de 4

ENGENHEIROS DO HAWAII

al�m dos outdoors


(Humberto Gessinger)

Introdu��o: (Dm C)

Dm C Bb A

No ar da nossa aldeia

G Bb A

H� r�dio, cinema & televis�o

Dm C Bb A

Mas o sangue s� corre nas veias

G Bb A

Por pura falta de op��o

Dm C Bb A

As aranhas n�o tecem suas teias

G Bb A

Por loucura ou por paix�o

Dm C Bb A

Se o sangue ainda corre nas veias

G Bb A

� por pura falta de op��o

F C

Voc� sabe, o que eu quero dizer

Gm Bb

N�o t� escrito nos outdoors

F C

Por mais que a gente grite

Gm Bb
O sil�ncio � sempre maior

Dm C Bb A

No c�u, al�m de nuvens

G Bb A

H� sexo, drogas & palavr�es

Dm C Bb A

As coisas mudam de nome

G Bb A

Mas continuam sendo religi�es

Dm C Bb A

No dia-�-dia da nossa aldeia

G Bb A

H� infelizes enfartados de informa��o

Dm C Bb A

As coisas mudam de nome

G Bb A

Mas continuam sendo o que sempre ser�o

F C

Voc� sabe o que eu quero dizer

Gm Bb

N�o t� escrito nos outdoors

F C

Por mais que a gente grite

Gm Bb

O sil�ncio � sempre maior

Dm C Bb A

No ar da nossa aldeia
G Bb A

H� mais do que polui��o

Dm C Bb A

H� poucos que j� foram

G Bb A

E muitos que nunca ser�o

Dm C Bb A

As aranhas n�o tecem suas teias

G Bb A

Por loucura ou por paix�o

Dm C Bb A

Se o sangue ainda corre nas veias

G Bb A

� por pura falta de op��o

F C

Voc� sabe o que eu quero dizer

Gm Bb

N�o vale uma can��o

F C

Por mais que a gente cante

Gm Bb

O sil�ncio � sempre maior

F C

Voc� sabe o que eu quero dizer

Gm Bb

N�o cabe na can��o

F C
Por pura falta de op��o

Gm Bb

P�rpura � a cor do cora��o

solo: (G D Am C)