Você está na página 1de 5

DICAS

BÁSICAS
PARA
PRODUÇÃO
DE
MÚSICA
ELETRÔNICA
(depoimento do engenheiro Eduardo
Poyart à Luciana Pereira)
DICAS BÁSICAS PARA PRODUÇÃO DE MÚSICA ELETRÔNICA

Depoimento de Eduardo Poyart à Luciana Pereira

Para começar, existem pessoas que têm mais ou menos experiência com música. O enfoque
em termos de sofware é diferente para estes casos. Quem tem mais experiência, faz
composição, conhece teoria e compõe, deve usar softwares profissionais que são mais
complicados de mexer, mas por outro lado, oferecem várias possibilidades e mais liberdade
de criação. Os que não têm conhecimento em música devem começar com os programas
mais simples, que apesar de serem menos flexíveis, são mais fáceis de serem utilizados.

Programas mais usados

Um dos programas mais usados é o "Cakewalk" que é um programa para gravação de


música e composição midi. Composição midi é aquela em que se usa instrumentos do
próprio computador, como sons de bateria ou piano. São sons que vêm acoplados ao
computador. Além das composições midi, o "Cakewalk" faz gravação de áudio, inclusive
de voz, através de um microfone. Ele trabalha em multipista, isto é, com várias pistas de
áudio separadas, como se fossem vários gravadores que estão sempre sincronizados
tocando ao mesmo tempo. A gravação fica na memória do computador e há a possibilidade
de ela ser editada, copiada e de adicionar refrões ou efeitos. O "Cakewalk" permite que
uma série de softwares, de plug-ins, de efeitos - usados para fazer variações do som -
sejam acoplados a ele. Dessa forma, é possível deixar a música do jeito que a pessoa que
está compondo quiser.

Essa é a maneira pela qual os músicos profissionais gravam nos estúdios. Toda a música é
gravada no computador através de um software. Então, o músico, junto com um técnico que
saiba operar o programa, vai editando-a na tela do jeito que ele quer.

Existem outros softwares mais simples, que são, por exemplo, específicos para techno e hip
hop. Um exemplo é o "E-jay". Ele apresenta variações: tem o "E-jay hip hop", tem o "E-jay
reggae" e etc. São específicos para cada estilo e podem ser encontrados em lojas de
programas de computador, ou de instrumentos musicais. Nesse caso, o compositor "monta"
a música, utilizando trechos pré-programados, que podem ser mixados, combinados e
alterados. É por isso que, mesmo sem ter conhecimentos técnicos, uma pessoa pode compor
músicas eletrônicas e até gravá-las para ouvir outras vezes.

Começando a fazer música eletrônica

Não precisa ser expert nem em música nem em computador para usar esses programas, mas
é imprescindível aprender a usá-los. Isso acontece com o tempo. O ideal é você ficar
brincando com os programas até descobrir como usá-los e o que eles oferecem. E, tendo
sensibilidade musical, é possível construir ritmos interessantes dentro destes programas,
mesmo aquelas pessoas que nunca tiveram nenhum contato com composição.

Quem está começando, deve comprar um programa tipo o "E-jay", onde a música é
montada com bloquinhos de trechos musicais que o próprio programa fornece. Existem
compassos de bateria, guitarra, teclado, baixo e de vários outros instrumentos. Para compor
a música, o usuário deve ir colocando um bloquinho ao lado do outro ou por cima do outro
e clicar em "play" para ouvir como ficou. Se achar que está ruim, basta modificar a
seqüência, escolher outros blocos e sons até encontrar uma harmonia ou ritmo que agrade.
É uma maneira simples e fácil de compor. É claro que, com um programa que não oferece
muita liberdade de manipulação musical, a música pode ficar meio repetitiva e sem muita
flexibilidade, mas esta é a melhor opção para quem está começando. É uma forma de
compor sem precisar gravar nenhum instrumento ou nota.

Existe uma outra categoria de programas, que harmonizam a música que você toca. Eles já
trazem ritmos e batidas prontos. Uma vez que você define os acordes que vai utilizar, ele
cria um acompanhamento automático dentro desses acordes, e em cima disso a música vai
sendo construída. O mais utilizado é o "Band in a box". Basta escolher os ritmos que o
próprio programa harmoniza a música, mas também permite solos e improvisações que
mudem a harmonia já feita. Desse modo, é possível construir a música de uma maneira
muito mais fácil do que se fosse gravar peça por peça do instrumento. É muito utilizado até
por músicos e compositores profissionais, com a finalidade de se gravar um "rascunho" da
música que se está compondo. Só depois que estão satisfeitos com os arranjos, eles
regravam a música de maneira mais tradicional, ou seja, com instrumentos tocados ao vivo.
Isto poupa tempo de estúdio, e consequentemente, dinheiro.

Editando músicas externas

Para editar uma música externa, ou seja, fazer uma mixagem, é necessário um outro tipo de
programa, um editor de áudio. O mais usado é o "Sound Forge". Ele não trabalha em
multipista. O "Sound Forge" grava uma música de cada vez, em estéreo. Entretanto, ele
permite cortes, mixagens e repetições, além de efeitos como colocar a música de trás para
frente, adicionar reverberação, distorção e outros. Esse programa é usado pelos DJs para
fazer remix de músicas que já estão prontas. Com ele, não é necessário construir a música,
basta pegar uma que já exista e fazer um remix.

Gravando o som externo

Para gravar um som externo, por exemplo, uma guitarra, é necessário um programa que
trabalhe em multipista, como o "Cake Walk". Com ele, pode-se fazer uma base com a
música já gravada em uma das pistas e então gravar a guitarra em uma outra pista e até
mesmo, um vocal em uma terceira. Assim, as três coisas vão estar separadas e podem ser
mixadas. Depois, é só ajustar o volume e aplicar os efeitos individualmente. Às vezes é
preciso dar tratamentos separados a cada instrumento que você gravou. O som externo pode
ser gravado através de um microfone ou de uma entrada de linha da placa de som, mas para
se ter um resultado mais profissional, deve-se usar um mixer antes da entrada de áudio do
computador, bem como um ambiente acusticamente tratado para se fazer a gravação. Faixas
de outros CDs podem ser importadas para a música que você está gravando, através dos
programas de edição de áudio como o “Sound Forge" ou o próprio Cakewalk.
Preparando o computador

A maioria desses programas funciona em qualquer placa de som simples. Agora, se você
for fazer uma música com a intenção de gravar um CD, é necessário uma placa de som de
melhor qualidade, que custa entre 500 e 1000 dólares.
Os programas também não são muito caros, principalmente os feitos para amadores, como
o “E-jay” e o “Band in a box”. Já o "Cakewalk", que é usado profissionalmente, custa em
torno de 700 dólares.

Direitos Autorais

Ao produzir música eletrônica, deve-se ter cuidado com os direitos autorais. A utilização de
uma música já pronta de outra pessoa para a construção de uma segunda música não é
permitido, é violação dos direitos autorais. Nesse caso, quem estiver usando a música
pronta terá que pagar direitos autorais. Há também a possibilidade de acordo com o autor.
Se ele concordar em ceder a música dele, não há problemas. Do contrário, é proibido, pois
isto configura a apropriação de uma composição de outra pessoa.

Música Eletrônica invade as boites

Muitos DJs já estão usando o computador para fazer edição, mixagem e até usando-o na
pista de dança. Existem programas que fazem mixagem em tempo real. As músicas ficam
na memória do computador e o DJ escolhe uma de uma lista e vai mixando e colocando
efeitos na hora. A qualidade é igual a um CD, e quando você ouve, não percebe que é um
computador que está “tocando”. Portanto, fique atento: da próxima vez que você for a uma
boate, a música pode estar sendo gerada por um computador!