Você está na página 1de 8

PROGRAMA FORMAÇÃO PELA ESCOLA

Benigno Andrade Vieira


Eliezia dos Santos Campos
Katiucia Freitas de Sousa Moura
Nilza Martins Tavares
Nucya Tavares Queiroz
Raimunda Cirqueira Araújo

A EXECUÇÃO DO PNLD EM PEDRO AFONSO-TO

Marilda da Cruz Sales

Pedro Afonso-TO
2019
PROGRAMA FORMAÇÃO PELA ESCOLA
Benigno Andrade Vieira
Eliezia dos Santos Campos
Katiucia Freitas de Sousa Moura
Nilza Martins Tavares
Nucya Tavares Queiroz
Raimunda Cirqueira Araújo

A EXECUÇÃO DO PNLD EM PEDRO AFONSO-TO

Trabalho final de conclusão do Curso PNLD no


âmbito do Programa Formação pela Escola.

Marilda da Cruz Sales

Pedro Afonso-TO
2019
RESUMO

O Programa Nacional do Livro Didático possui a finalidade de orientar o processo


de produção, distribuição e avaliação dos livros e materiais didáticos destinados
aos estudantes da educação básica em todo o território nacional. As primeiras
iniciativas de fomentar um programa de governo com essa finalidade remontam a
1938, com a criação da Comissão Nacional do Livro. As coleções de livros
didáticos podem ser duráveis ou consumíveis. Os duráveis possuíam ciclos de
duração de três anos e eram reutilizados. Os livros destinados às séries iniciais
do ensino fundamental são consumíveis, ou seja, anualmente, devem ser
repostos pelo Governo. Como fatores positivos dessa alteração, destacamos a
inclusão de livros didáticos de Educação Física para toda a educação básica e a
oferta de livros para os educandos da primeira fase da educação básica. Essa é
uma demanda antiga dos professores de Educação Física, assim como dos
professores que trabalham com crianças ainda não alfabetizadas, que precisam
de materiais específicos para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem.

Palavras-Chaves: PNLD. Distribuição. Ciclo de uso.


1. INTRODUÇÃO

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia


vinculada ao Ministério da Educação, é responsável pela captação de recursos
financeiros para o desenvolvimento de uma gama de programas que visam à
melhoria da qualidade da educação brasileira.
Criado pela Lei nº5.537, de 21 de novembro de 1968, modificada pelo
Decreto- Lei 872, de 15 de setembro de 1969, com missão, de “Prover recursos
e executar ações para o desenvolvimento da educação”.
Em 1992, foi criado o Instituto Nacional do Livro (INL), com a função de
legitimar o livro didático nacional e incrementar a sua produção. Quase uma
década depois, criou-se a Comissão Nacional do Livro didático (CNLD), que
passou a estabelecer, no país, uma política de legislação, regulamentando a
produção, a circulação e o controle político, bem como a qualidade do que seria
distribuído.
Depois de várias mudanças e outros programas criados pelo Governo
Federal, visando melhorias na qualidade da educação foi criado o Programa
Nacional do Livro Didático (PNLD), cujo objetivo é promover as escolas públicas
de ensino fundamental e médio com livros didáticos, dicionários e obras
complementares. Esse programa distribui obras didáticas, escolhidas pelos
professores, para todas as escolas públicas constantes do Censo Escolar,
atendendo mais de 40 milhões de alunos.
Para promover as escolas públicas de ensino fundamental e médio com
livros didáticos, dicionários e obras complementares de qualidade, o governo
federal executa o Programa Nacional do Livro Didático.
Cada escola escolhe democraticamente, os livros que constam no Guia
do PNLD, aquele que deseja utilizar, levando em consideração seu
planejamento pedagógico. Cabe à escola, em particular ao professor, a
condução do processo de ensino e aprendizagem, assim como o
acompanhamento do desenvolvimento dos alunos. O livro didático participa
desse processo como um recurso auxiliar na condução do trabalho didático. Ele
é mais um interlocutor que passa a dialogar com o professor e com o aluno.
Nesse diálogo, tal texto é portador e uma perspectiva sobre o saber a ser
estudado e sobre o modo de se conseguir compreende-lo mais eficazmente.
2. ANÁLISE DE DADOS

Caracterizado como o maior programa do gênero, o Programa Nacional


do Livro Didático (PNLD), é de responsabilidade do Ministério da Educação,
gerenciado pelo FNDE, e baseia-se nos princípios da livre participação das
editoras privadas e da livre escolha por parte dos professores. O Programa
Nacional do Livro Didático (PNLD) tem como principal objetivo subsidiar o
trabalho pedagógico dos professores por meio da distribuição de coleções de
livros didáticos aos alunos da educação básica. Após a avaliação das obras, o
Ministério da Educação (MEC) publica o Guia de Livros Didáticos com resenhas
das coleções consideradas aprovadas. O guia é encaminhado às escolas, que
escolhem, entre os títulos disponíveis, aqueles que melhor atendem ao seu
projeto político pedagógico.
O programa PNLD é de suma importância para garantir a qualidade da
educação em todo o país, só para se tiver uma ideia em 2001, o PNLD passou a
atender também alunos portadores de deficiência visual que cursam o ensino
fundamental em escolas públicas de ensino regular e escolas especializadas
sem fins lucrativos.
Mas, ao se vivenciar a realidade cotidiana de algumas Unidades
Escolares da rede pública municipal do município de Pedro Afonso-TO, é
possível identificar problemas sérios relacionados ao Programa Nacional de
Livro Didático.
Em algumas escolas da rede pública municipal de ensino, o livro didático
chegou a número insuficiente, ou seja, não foi possível a distribuição de livros
em todas as turmas de todas as disciplinas. Em algumas destas Escolas os
alunos destas turmas, por não terem entrado no senso do ano anterior, não
receberam todos os livros didáticos das disciplinas em curso o que dificulta o
trabalho do professor, sem contar que os alunos sentem a falta do livro, o que
provoca certa revolta e reclamações por parte deles e dos pais.
Entretanto, pensando na nossa realidade há de se encontrar escolas que
tem livros sobrando, pois houve uma redução no número de alunos de um ano
para o outro devido a remanejamento de turmas, contudo não é possível
remanejar visto que veio livros diferentes para cada escola.
3. PROPOSTAS DE SOLUÇÃO:

Diante do problema exposto as propostas de soluções viáveis e possíveis de


serem realizadas dentro da própria escola seriam:
1ª É a de envio de um número maior de livros como reserva para atender os
alunos que as escolas receberem depois de realizado o censo escolar;
2ª A possibilidade de receber livros após comprovação por parte das
Unidades Escolares, da existência das turmas ao MEC:
3ª Remanejamento de livros entre Unidades Escolares que estiverem com
excedente de livros;
Mesmo porque, levando-se em conta o papel da escola e de seu projeto
pedagógico, a busca de novos sentidos e de novas realidades irá implicar
compromisso com a polivalência dos conteúdos, a pluralidade dos enfoques, o
compartilhar dos parentescos que todos os campos de conhecimento possuem entre
si e, ainda, uma troca de experiência entre todos os sujeitos da ambiência escolar.
Acreditamos que tais propostas são de fáceis realizações e assim
colaborando pelo menos para uma redução do problema, tornando o programa
verdadeiramente eficaz.
4. CONCLUSÃO:

A uma grande necessidade de continuidade e ampliação de pesquisas na


busca de explicitar ainda mais os processos de organização que ocorrem no interior
das escolas de Igarapé do Meio, no que diz respeito às escolhas do livro didático,
tanto pelo professor, como pelo aluno, visto a importância que tem no cenário das
pesquisas em educação, tanto a Política Pública do Livro didático, quanto
efetivamente à escolha e o uso de material por professores e alunos de nossas
escolas. Nota-se que o livro didático e as políticas referentes a ele ainda são objeto
de muitos estudos e reflexões, mas ainda não resolvemos todas as questões
relativas a ele.
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Org.). Programas:


PNLD. 2018 a. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019.
______. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Org.). Programas:
PNLD. 2018b. Disponível em: Acesso em: 10 ago. 2019.