Você está na página 1de 68

Antiguidade Clássica

• O que é ser clássico?


• O que é ser clássico?
• O que é ser clássico?
• O que é ser clássico?
• O que é ser clássico?
• O que é ser clássico?

1. relativo à literatura, às artes ou à cultura da Antiguidade


greco-latina.
2.que é fiel à tradição da Antiguidade greco-latina ou a
seus autores.
3.que serve como modelo ou referência; exemplar.
4.que segue ou está de acordo com os cânones ou usos
estabelecidos ou que é conforme com um ideal; tradicional.
5.que se caracteriza pela sobriedade; simples, sóbrio,
despojado.
6. que obedece às regras; correto, puro, apurado.
7. costumeiro, habitual, inveterado.
"depois do almoço, acendeu o c. charuto"
• O que é ser clássico em arquitetura?
SUMMERSON, John. A linguagem clássica da arquitetura. São Paulo:
Martins Fontes, 1997.

• Harmonia estrutural - possível através do uso


de proporções e de simetria.

• O “Uniforme” usado pelos edifícios, como: os


cinco tipos padronizados de colunas, os
vãos, os frontões e até mesmo os
ornamentos.

• Renascimento; Neoclassicismo...
Aule Metele (Lárringatore), 100 a.C., Kouros de Anavysos, 525
bronze, 180cm, Museu de Florença. a.C., mármore, 1,96m,
Museu Nacional de Atenas.
Busto-Retrato , de Delos, Retrato de um Romano, 80
bronze, Museu Nacional de a.C., bronze, Palazzo
Atenas. Torlonia, Roma.
A Coluna de Trajano 106-113 a. C., Parthenon, em Atenas, 450 a. C.
mármore, 38m, Roma.
Antecedentes
Localização
• Influências:
Egípcios e Povos
da Mesopotâmia
Civilizações Pré-Clássicas
• Cretense e Micênicos
Cretenses ou Minóicos
• Proveniente de “culturas menores” do período
Paleolítico.
• Trânsito Cultural: ponto de parada de rotas
comerciais provenientes do Egito, Fenícia e Ásia
Menor.
• Nome do Rei Minos
• A organização política da ilha estava baseada na
criação de cidades estado.
• Palácio de Cnossos (Rei Minos e a lenda do
labirinto, Minotauro – homem e touro devorador).
Reconstituição de uma sala de
banhos do Palácio de Cnossos.
Creta, 2º milênio a.C.

Palácio de Cnossos, Creta.


2º milênio a.C.
Micênicos
• Proveniente das Ilhas Cicládes
• Apogeu: 1400 a.C.
• Ênfase na proteção – muralhas, fortificações
• Reis guerreiros
• O Mégaron: Principal compartimento do palácio,
era o local onde eram recebidos os hóspedes e
oferecidos os banquetes. : ancestral do templo
grego.
• O Tholos: sepulturas monumentais das famílias
reais, presença das cúpulas.
Grécia
Introdução
• Após sucessivas guerras, a civilização micênica
entrou em decadência. O primitivo parcelamento
político de cidades Estado foi mantido. Neste
cenário, duas cidades se destacam: Atenas, na
Ática, formada por povos Jônios e Esparta, no
Peloponeso, formada por povos Dórios.
• Marco histórico: as primeiras olimpíadas (776
a.c.).
• Apogeu: a vitória contra os persas, no século V
a.C.
Introdução
• Grandes nomes:
O líder político: Péricles
Os arquitetos: Ictino e Calícrates
Os escultores: Fídias, Policleto e Praxíteles
Os historiadores: Heródoto e Xenofonte
Os filósofos: Sócrates e Platão
Os teatrólogos: Esquilo, Sófocles e Eurípedes

• Democracia: Sorteio entre eleitores para


preencher as funções de magistrados e
senadores.
Introdução
• Zeus : Deus Supremo
• Hera (mulher de Zeus): simbolizava a pureza do céu
• Atenas (filha de Zeus): representa a inteligência
• Apolo: O Sol
• Ártemis: A Lua
• Afrodite: Deusa do amor e da beleza
• Posseidon: Deus do Mar
• Hermes: A Chuva, que é também um mensageiro.
• Ares: Simboliza a guerra.
• Perséfone: é a rainha do inferno
• Dionísio: é o deus das vinhas e das festas.
Introdução
• Na cultura grega, religião, política e vida cotidiana
estão intimamente ligadas.
• Diminuir, a distância entre o humano e o divino.
Os semi-deuses: muitas vezes materializados nas
figuras dos heróis.
• Semi-deuses: Hércules, que venceu grandes
obstáculos; Perseu, que venceu a Medusa e era
dono de Pégasus; Édipo, que deu resposta à
esfinge de Tebas; Teseu, que matou o Minotauro.
Arquitetura – Características
• Ordem, beleza e simetria
• Equipe multidisciplinar: arquitetos, os projetistas,
os pintores, escultores e outros artesãos.
• Construção em madeira e tijolo cru, pedra
(mármore)
• Sistema trílitico
• Arche + Tectura
• Decisão dos cidadãos
• Principais partes: “Frontão”, Entablamento,
Coluna, “base”.
• Ordens: Dórica, Jônica e Coríntia
Reconstituição de cabanas
primitivas
Reconstituição dos primitivos templos em
madeira
Arquitetura – Características
Arquitetura – Características
• Ordens: Dórica, Jônica e Coríntia
• As ordens definem as proporções ideais para
todos os componentes da arquitetura, de acordo
com proporções matemáticas preestabelecidas. A
ordem era baseada no diâmetro de uma coluna,
com outros elementos derivando dessa medida.
Arquitetura – Características
Cores nos templos gregos - Parthenon
Ordens - Dórica
• Parthenon, em Atenas, 450 a. C.
Escultura – Período Arcaíco

Korous Jovem, 600 a.C., Kouros de Anavysos, 525


marmóre, 1,86m, Museu a.C., mármore, 1,96m,
Metropolitano de Arte, NY. Museu Nacional de Atenas.
Escultura – Período Arcaico

Moscophoro, 570 a.C., Kouros de Piombino, 520 a. C.


mármore, 1,65m, Museu
Metropolitano da Acrópole,
Atenas.
Escultura – Período Arcaico
Escultura – Período Arcaíco

Koré de Auxerre, 650 a.C., Koré de Xitton, 530 a.C.,


marmóre, 65cm, Museu do mármore, 1,22m, Museu da
Louvre, Paris Acrópole, Atenas.
Escultura – Período Arcaíco

Koré de Quios, --- a.C., Hera de Samus, 570 a.C.,


mármore, Museu da mármore, 1,93m, Museu do
Acrópole, Atenas Louvre, Paris.
Escultura – Período Clássico
(Severo- séc. V)

Poseídon, 460 a.C., bronze, Auriga de Delfos, 470 a.C.,


206cm, Museu Nacional de bronze, 180cm, Museu de
Atenas. Delfos,.
Escultura – Período Clássico
(Severo-
POLICLETO
séc. V)

Dorífero, 450 a.C., cópia em mármore,


198cm, Museu de Nápoles.
Escultura – Período Clássico
(Severo- séc. V)
MIRON

Discóbolo, 450 a.C., cópia em mármore,


tamanho natural, Museu delle Terme,
Roma.
Escultura – Período Clássico
(Severo- séc. V)
FÍDIAS

Zeus. Deusa Atenéia


Escultura – Período Clássico
(Severo- séc. V)
FÍDIAS

Frisos do Parthenon.
Escultura – Período Clássico
(Severo- séc. V)
Niobe Moribunda

450 a. C., 1,50m, mármore. Museu delle Terme, Roma.


Escultura – Período Clássico
(Decadente- séc. IV)
PRAXITELES

.
Escultura – Período Clássico
(Decadente- séc. IV)
LÍSICO

.
Escultura – Período Clássico
(Decadente- séc. IV)
ESCOPAS

.
Escultura – Período Helenístico

Vitória de Samotrácia,
. 200 a. C., 2,41m, mármore. Museu do Louvre, Paris
Escultura – Período Helenístico

Vênus de Millos,
. 220 a. C., 2,10m, mármore. Museu do Louvre, Paris
Escultura – Período Helenístico

Menino com. espinho, bronze. Galeria Ufizzi. Florença.


Escultura – Período Helenístico

Eros e Psique,
. 1,80m, mármore. Museu do Louvre, Paris
Escultura – Período Helenístico

Torço de Belvedere,
. 2,24m, mármore. Museu do Vaticano.
Escultura – Período Helenístico

Grupo de Laocoonte,
. Séc. 100, d. C. , 2,10m, mármore. Museu do Vaticano.
Escultura – Período Helenístico

A Galata Suicida,
. 2,10m, mármore. Museu do Louvre, Paris
Pintura – Cerâmicas

.
Pintura – Cerâmicas – Primeiro
Período (1000 a.C. – 750 a.C)

.
Pintura – Cerâmicas – Primeiro
Período (1000 a.C. – 750 a.C)

.
Pintura – Cerâmicas – Segundo
Período (750 a.C – 500 a.C.)

.
Pintura – Cerâmicas – Segundo
Período (750 a.C – 500 a.C.)

.
Pintura – Cerâmicas – Terceiro
Período (500 a.C. – 300 a. C.)