Você está na página 1de 25

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Departamento de Arquitetura e Urbanismo - CTC


Disciplina: Tecnologia de Edificações I
Professor: Anderson Claro
Alunas: Gabriela Silva Goedert
Larissa Dal Bello Morasco
Julia Nuernberg Zanette
Data: 09 de julho de 2009

Argamassa
ÍNDICE

Introdução....................................................................................................................... 3

Histórico........................................................................................................................... 4

Funções............................................................................................................................ 5

Classificações................................................................................................................... 6

Argamassas Especiais..................................................................................................... 9

Componentes.................................................................................................................. 14

Execução em Obras....................................................................................................... 15

Fotos Argamassa........................................................................................................... 17

Fotos na Arquitetura..................................................................................................... 20

Bibliografia..................................................................................................................... 24

Links............................................................................................................................... 25
Introdução
Chama-se argamassa a mistura feita com pelo menos um aglomerante, agregados
miúdos e água. O aglomerante pode ser a cal, o cimento ou o gesso. O agregado mais
comum é a areia, embora possa ser utilizado o pó de pedra.
As argamassas mais comuns são constituídas por cimento, areia e água. Em alguns
casos, costuma-se adicionar outro material como cal, saibro, barro, caulim, e outros para
a obtenção de propriedades especiais. Chama-se traço a proporção em volume entre os
componentes das argamassas (cimento, cal e areia), que varia de acordo com a finalidade
da argamassa.
Assim como o concreto, as argamassas também se apresentam em estado plástico
nas primeiras horas de confecção, e endurecem com o tempo, ganhando elevada
resistência e durabilidade. Quanto maior a plasticidade das argamassas na hora do uso,
maior será a sua aderência, o que é uma grande vantagem em certas aplicações.

Para a obtenção de uma argamassa de boa qualidade, deve-se levar em conta:


• O cimento, um pó fino que, em contato com a água, tem a propriedade de
unir firmemente, como uma cola, diversos tipos de materiais de construção.
• A areia, que deve apresentar grãos duros e limpeza, livre de torrões de
barro, galhos, folhas e raízes antes de ser usada (areia lavada).
• A água, que também deve ser limpa, livre de barro, óleo, galhos, folhas e
raíz.
Não se deve comparar o concreto com a argamassa. Mesmo sendo os dois
produzidos com o mesmo material, suas funções e utilização são completamente
diferentes. Enquanto o concreto é um elemento estrutural (fundações, colunas, lajes, etc),
a argamassa é utilizada para unir elementos leves (tijolos, blocos, acabamento, etc).
Histórico
Há cerca de 10000 anos, os primeiros fornos produziam a Cal por ustulação de
pedra calcária. Ela era obtida através do método de regar o CaO com água (apagar a cal)
resultando em um pó branco fino, que foi o primeiro Aglomerante Não Hidráulico: Cal
Hidratada ou Apagada.
Os Romanos utilizaram as pozolanas (material de origem vulcânica) na preparação
de Argamassas, devido às suas propriedades hidráulicas. Os componentes ativos das
pozolanas são: 3 à 10 % de compostos de cálcio, 15 a 20% de compostos de alumínio,
40 a 60% de compostos de sílica.

As Argamassas utilizadas pelos Romanos eram constituídas essencialmente por:


 Cinzas vulcânicas ou pozolanas
 Pó de Tijolo ou de Telha
 Cal Hidratada
 Areias
 Matérias orgânicas (gorduras)

A construção em zonas marítimas e fluviais levou o homem a procurar


Aglomerantes Hidráulicos.
O estudo das Argamassas foi desenvolvido com êxito pelo engenheiro inglês
John Smeaton (1724-1792), a quem foi confiada a edificação do 4º farol de Eddystone
(Plymouth, Inglaterra).
Em 1824 o inglês Joseph Aspdin patenteou o fabrico do Cimento, que designou
por Portland (semelhança com a pedra de construção da Ilha de Portland). O método de
fabricação consiste em cozinhar argila e calcário em forno giratório, a aproximadamente
1450 ºC; para formação de silicatos de cálcio hidratados. O produto deve ser então
moído, junto com um terceiro componente, a gipsita, que tem a função principal de
impedir que o cimento endureça instantaneamente com a água.
O resultado da mistura de cimento, areia e água a argamassa e os concretos
(quando à argamassa é incorporada pedra britada) passaram por uma revolução com a
descoberta dos aditivos plastificantes e superplastificantes. A produção dessas
argamassas e concretos compactos se deu a partir das décadas de 70 e 80.

10000 anos atrás – Primeiras argamassas conhecidas (Aztecas e Galileia)


Séc I – Roma : uso de pozolanas
!759 – farol de Eddystone: ligantes hidráulicos
1824 – Patente do Cimento Portland (Aspdin)
1826 – 1ª fábrica de Cal Hidráulica (Franca)
1857 – 1ª fábrica de Cimento (Inglaterra)
1891 – 1ª fábrica de Cal Hidráulica em Portugal
1892 – 1ª fábrica de Cimento em Portugal (Alhandra)
1989 – Diretiva Européia dos Produtos de Construção
2002 – Marcação CE do cimento Portland
2004 e seguintes – Marcação CE das Argamassas de Construção
Funções
São empregadas com as seguintes finalidades:
• assentar tijolos e blocos, azulejos, ladrilhos, cerâmicas e tacos de madeira;
• impermeabilizar superfícies;
• regularizar (tapar buracos, eliminar ondulações, nivelar e aprumar) paredes, pisos
e tetos;
• dar acabamento às superfícies (liso, áspero, rugoso, texturizado, etc.).

Desempenho:
• Capacidade de absorver deformações (movimento térmico, higroscópico e
diferencial entre os componentes)
• Aderência à base – f (capacidade de absorver deformações, rugosidade da base,
cuidados com a preparação)
• Resistência ao impacto e desgaste superficial
• Baixa permeabilidade ou impermeabilidade à água
• Permeabilidade ao vapor de água

Emboço
Assentamento de azulejos

Regularização Impermeabilização de superfície


Classificações

As argamassas são classificadas segundo a sua finalidade:

Argamassa de assentamento:

Usadas para unir blocos e tijolos de concreto ou cerâmico. Servem também para assentar
pisos, revestimentos, tacos e ladrilhos. Sua finalidade é dar maior resistência e proteção
contra a propagação do calor, frio ou som, vedação à penetração de água e vento.

Argamassa de revestimento:

Normalmente são feitas com areias mais finas e servem para dar um acabamento, onde o
mais comum é fazer três camadas:

• Chapisco: aplicada na parede ou teto, formando uma fina camada cuja função é
produzir uma rugosidade para poder fixar a próxima camada;
• Emboço: prepara o revestimento para receber a terceira camada;
• Reboco: deve formar uma superfície perfeitamente plana, pronta para receber a
decoraçãofinal

As três primeiras fiadas de uma parede de blocos ou tijolos devem ser revestidas
inicialmente com uma camada de argamassa de impermeabilização, que protege a parede
contra a penetração da umidade.
Todas as paredes e tetos devem receber uma camada de chapisco, qualquer que
seja o acabamento. Sem o chapisco, que é a base do revestimento, as outras camadas
podem descolar e até cair. Em alguns casos, como em muros, esse pode ser o único
revestimento.
O chapisco, o reboco e o emboço não são usados em pisos. O cimentado é o piso
de argamassa mais econômico. Se a superfície for muito irregular, convém aplicar
inicialmente uma camada de argamassa de regularização ou nivelamento.
Os revestimentos de fachada com argamassa são aqueles aplicados sobre a face
externa das edificações de alvenaria de vedação e estrutura de concreto armado. O
revestimento tem que cumprir as seguintes funções: tornar a fachada estanque em
relação à água de chuva; melhorar o conforto térmico e regularizar a base para a
aplicação de revestimento complementar.
O revestimento de argamassa pode ser dividido nas seguintes partes:
revestimento básico; almofadas (partes em alto relevo) e molduras (adornos feitos com
argamassa). Quanto mais simples a superfície do revestimento, mais fácil será a
execução.

O Sistema de Revestimento é composto por todas as camadas que se completam em um


piso ou uma parede.
No caso da parede, o Sistema de Revestimento é composto da seguinte maneira:

• Alvenaria
• Emboço
• Argamassa colante
• Cerâmica
• Argamassa de rejuntamento

Já para o piso, o sistema de revestimento é composto por:

• Laje
• Contrapiso
• Argamassa Colante
• Cerâmica
• Argamassa de rejuntamento
Argamassas Especiais
Argamassas Decorativas:

São argamassas coloridas do tipo mono-camada, funcionando ao mesmo tempo como


chapisco, reboco e revestimento final de superfícies de concreto ou alvenaria. Podem ser
aplicadas mecanicamente ou manualmente, apresentando diversas texturas, em função
da composição granulométrica, da habilidade do aplicador e do ferramental.
Argamassa para recuperação de rejuntamentos:
São rejuntes coloridos especiais, de elevada aderência, fluidez, flexibilidade e tixotropia,
indicados para a aplicação sobre rejuntamentos envelhecidos ou que apresentem
problemas de manchas, trincas e fissuras, favorecendo a infiltração de umidade Utiliza-
se também para a troca de cor do rejunte.
Argamassa Autonivelante:
Argamassa anidra, autoadensável, de pega normal, com aderência e resistência mecânica
elevadas,pigmentada ou não, desenvolvida para regularização de contrapisos, correções
de imperfeições em cimentados ou como piso cimentício.

Argamassa Colante Piso sobre Piso:

Argamassa colante de alta performance, rica em polímeros, ideal para o assentamento de


cerâmicas ou pedras naturais, sobre revestimentos de cerâmicas ou pedras naturais.
Argamassa Estrutural:
Argamassa polimérica, indicada para recuperação de estruturas de concreto.
Propriedades: Elevadas resistências mecânicas, proteção anti-corrosiva. Facilidade de
aplicação,plasticidade, tixotropia.
Argamassa Para Encunhamento:
Argamassa desidratada pronta para uso, com baixo módulo de deformação, levemente
expansiva, constituída de cimento, cal hidratada, polímeros, poliestireno expandido e
aditivos especiais convenientemente dosados, indicada para o aperto de alvenarias de
vedação. Essa argamassa facilitará o total preenchimento dos espaços.

Argamassa de Proteção Radiológica:

Argamassa de proteção radiológica, à base de barita, cimento Portland comum e aditivos


especiais. Especialmente desenvolvida com a finalidade de atenuar a radiação ionizante
em clínicas de radiologia e consultórios odontológicos.
Grout Concremassa:

Usada na recuperação e nos reforços de estruturas de concreto, reforço de fundação,


ancoragem de chumbadores, grauteamento de máquinas pesadas (geradores, turbinas e
motores estacionários), preenchimento de pilaretes em blocos de cimento vazados em
alvenaria estrutural, fixação de placas e portões e regularização de pisos.
Componentes
Aglomerante: cal hidratada
Cal virgem
Cimentos portland
Cimento portland branco

Agregados: agregado miúdo


Agregado miúdo leve

Adições: filito cerâmico


Material pozolânico
pó calcário
saibro
solo fino

Aditivos: redutores de permeabilidade


Retetonter de água
Incorporadores de ar
Hidrofugantes

Água: água de amassamento

Argamassa mais comum: 3 camadas- chapisco, emboço, reboco (figura 2)

Aditivos

Propriedades melhoradas com maior teor relativo de cimento:


Maior resistência à compressão
Maior resistência à tração
Maior capacidade de aderência
Maior durabilidade
Maior permeabilidade
Maior resistência inicial

Propriedades melhoradas com maior teor relativo de cal:


Maior resistência à alta temperatura
Menor retração por secagem inicial
Maior retenção de água
Menor movimentação higroscópica
Maior trabalhidade
Maior plasticidade
Maior elasticidade
Execução em Obra

Normalização Brasileira

• NBR 7200/1998 - Execução de revestimentos de paredes e tetos de argamassas


inorgânicas – Procedimento.
• NBR 13281/2001 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e
tetos – Requisitos.
• NBR 13530/1995 – Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas.
• NBR 13749/1996 – Revestimentos de paredes e tetos de argamassas inorgânicas
– Especificação.

Equipamentos e ferramentas

• Colher de pedreiro
• Prumo de face
• Linha de náilon
• Broxa
• Régua de alumínio (sarrafo)
• Desempenadeira (madeira, PVC, poliestireno de alto impacto, aço)
• Padiolas
• Masseiras
• Gabarito de junta
• Frisador
• Andaimes
• Balancim
• Outros
Colher de pedreiro Desempenadeira

Andaime Padiola Betoneira

Broxa
Fotos Argamassa

Chapisco
Chapisco
Talisca
Fotos de Argamassa na Arquitetura
Bibliografia

• http://www.youtube.com/browse?ytsession=cn-
0d6x0sLpz64sQW_AtlU1YD6AUHjFcoVYnxPZ-
521EqS5AR_jMbkrvzhlasITjIYmgAPrxi38dasw8TxbX7rrfMWPv5r4wVgpxSL
qXbad6yQWAWzdfUYGNgOnZZpT1MemDNm1RR-
LaYoGXYABy7UFjFdpdymOuR9YVn6zOr9Vll1NUQB2vSFYEqMCDMwZtv
oysFUthxyErzlcDqIBmKacZ6jGGQvOmkicPyRt3Nsa6TUynM9aHt6j5DgjUzP
3eljAKmg45cEAN6G5tZDhM6tzDDrR35nJJq5mFWa297xI

• http://pt.wikipedia.org/wiki/Argamassa

• http://www.fazfacil.com.br/materiais/argamassas.html

• http://www.engetop.ufba.br/ARGAMASSA/Apresentacao/PALESTRA%20SOB
RE%20ARGAMASSAS%20ESPECIAIS.pdf

• http://www.portalconstruir.com/construcao_argamassa.html

• http://www.pavmix.com.br/
Links

• http://www.youtube.com/watch?v=w2YX0VLkAhE

• http://www.youtube.com/watch?v=NqMSgkr0Ul0