Você está na página 1de 36

1

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA

MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA

O TUBO DE RUBENS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE ONDAS

ROSIMAR SEBASTIANA BARBOSA SILVA

BARRA DO GARÇAS-MT

2016

2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA

MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA

O TUBO DE RUBENS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE ONDAS

ROSIMAR SEBASTIANA BARBOSA SILVA

ORIENTADOR: DR. ADELLANE ARAUJO SOUSA

Produto educacional desenvolvido no programa de pós-graduação do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física como um dos requisitos necessários para a obtenção do título de Mestre em Ensino de Física.

BARRA DO GARÇAS-MT

2016

3

SUMÁRIO

1.

APRESENTAÇÃO

4

2

INTRODUÇÃO

5

3.

TUBO DE RUBENS

6

3.1. FÍSICA DO TUBO DE RUBENS

6

3.2. CONDIÇÃO DE RESSONÂNCIA

8

3.3. MATERIAIS UTILIZADOS NA CONSTRUÇÃO DO TUBO DE RUBENS

14

3.4. MONTAGEM DO TUBO DE RUBENS

15

4.

COMO USAR O TUBO DE RUBENS EM SALA DE AULA

19

4.1

ROTEIRO PARA CALCULAR A VELOCIDADE DO SOM NO GÁS CLP USANDO O TUBO DE

RUBENS

23

5. MANUAL DE SEGURANÇA PARA USAR O TUBO DE RUBENS

24

6. CONTEÚDOS QUE DEVEM SER TRABALHADOS ANTES DE SE UTILIZAR O TUBO DE RUBENS

25

6.1. ONDAS

25

6.2. PROPRIEDADES DAS ONDAS

26

6.3. INTERFERÊNCIA DE ONDAS

27

6.4. ONDAS SONORAS

27

6.5. ONDAS ESTACIONÁRIAS

28

6.6. ONDAS ESTACIONÁRIAS EM INSTRUMENTOS DE CORDA

29

6.7. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM

30

6.8. TUBOS SONOROS

31

6.8.1 TUBOS ABERTOS

32

6.8.2 TUBOS FECHADOS

33

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

34

4

1.

APRESENTAÇÃO

O grande desafio para os professores da disciplina de Física é o de tornar o seu ensino

prazeroso e instigante sendo capaz de desenvolver no aluno a educação científica fazendo-o

alcançar o conhecimento e permitindo que este tenha sentido e possa ser utilizado na compreensão da realidade que o cerca

O experimento Tubo de Rubens foi concebido como um recurso didático para apoio ao

ensino contextualizado da ondulatória, no ensino médio. Para realizar esta atividade com seus

alunos você deve agir como mediador, ou seja, aquele que auxiliará os participantes a compreender o experimento e a seguir as etapas para recolhimento dos dados e fazer corretamente as medições. O seu papel é o de um mediador ativo e participativo, sendo sua ação imprescindível antes, durante e após a utilização do experimento.

Nossa proposta com esse produto foi de contribuir para o ensino de Física de uma forma criativa, trabalhando com material concreto que têm por finalidade proporcionar aos alunos através da sua riqueza visual, a compreensão dos fenômenos físicos e isso acontecendo de uma maneira interessante e lúdica. Sugerimos que realize esta atividade com as turmas do segundo ano do Ensino Médio em 03 horas-aula. Caso o professor queira trabalhar com alguns conceitos sobre ondas mecânicas e ondas sonoras antes do experimento, ao final deste texto sugerimos alguns conceitos que devem ser trabalhados em cerca de 06 horas-aula. Caso você trabalhe em escola onde o número de aulas é reduzido, pode adaptar o roteiro à sua realidade.

5

2.

INTRODUÇÃO

Enfrentamos no ensino de Física em nosso país, várias dificuldades de aprendizagem e pouco interesse por essa ciência por boa parte de nossos jovens alunos. Nas últimas décadas, artigos publicados acerca do Ensino de Física, apontam para uma insatisfação entre os alunos, classificando o ensino de física como desinteressante e desmotivadora e, principalmente, centrada na resolução de problemas e memorização de fórmulas.

O estudo da Física Ondulatória se mostra cada vez mais necessário em nossa

sociedade, tendo em vista a quantidade de fenômenos e equipamentos presentes em nosso

cotidiano que funcionam com a utilização de ondas, principalmente as eletromagnéticas, como os telefones celulares, a internet, os aparelhos de TV, as estações de rádio, etc. Somente sua aplicabilidade já justificaria a extrema importância do seu ensino para alunos do ensino fundamental e médio. No entanto, apesar da importância do tema, seu ensino em sala de aula, carece de uma maior fundamentação experimental.

No intuito de contribuir para reverter esta situação apontada acima e motivar os alunos

nas aulas de física sobre ondas mecânicas e ondas sonoras, propomos a construção de um aparelho experimental chamado de Tubo de Rubens para a demonstração da existência das chamadas ondas estacionárias em sala de aula. Este tubo foi desenvolvido pela primeira vez pelo Físico alemão Heinrich Rubens (1865-1922) no início do século XX. Desde então tem sido utilizado no ensino do comportamento ressonante acústico, principalmente em feira de ciências e demonstrações em sala de aula. Este tubo constitui-se de um tubo fechado, com um alto-falante em uma das suas extremidades e gás GLP em seu interior. Por meio de pequenos furos, o gás é liberado e entra

em combustão, e devido à diferença de pressão do gás, dentro do tubo, produzida pela frequência de oscilação do alto-falante, as chamas produzem um padrão de ondas estacionárias. Este padrão é representado através das diferentes alturas das chamas oriundas da queima do gás em furos contidos ao longo do tubo. Este experimento demonstra então claramente a ocorrência do fenômeno das ondas estacionárias que são formadas a partir de superposição de ondas em tubos fechados. Espera-se assim, com este experimento, introduzir aos alunos do ensino médio, de maneira mais lúdica e contextualizada, os conceitos de ondas mecânicas, tais como frequência, comprimento de onda, velocidade do som, ondas estacionárias e ressonância. Em

6

particular, os alunos podem, observando as alturas das chamas, medir o comprimento de onda das ondas estacionárias no tubo e calcular a velocidade das ondas sonoras no gás GLP. O estudo da parte da física denominado de ondas é importante, pois esta é a base para o entendimento de ondas sísmicas que provocam fenômenos como terremotos, ondas sonoras, ondas eletromagnéticas como a luz, os raios x, as ondas de rádio e as microondas que são a base do funcionamento de nossa tecnologia. Serve também para entender sobre as vibrações dos corpos e o fenômeno de ressonância. Esses estudos também servem como base no entendimento de alguns aspectos envolvendo o fenômeno ressonância em outras áreas da física como eletromagnetismo, óptica e física moderna.

3. TUBO DE RUBENS

Em 1858, John Le Conte descobriu que as chamas em um tubo cheio de gás eram sensíveis ao som. Em 1862 Rudolph Koenig demonstrou que a altura de uma chama poderia ser afectada pela transmissão do som no gás, e as alterações ao longo do tempo poderia ser mostrado com espelhos rotativos. Kundt, em 1866, demonstrou a existência de ondas acústicas estacionárias colocando sementes ou pó de cortiça em um tubo. Em 1904, baseado nessas descobertas importantes, Heinrich Rubens (cujo nome leva este experimento) usou um tubo de 4 metros de comprimento com 200 perfurados pequenos buracos, com intervalos de 2 cm, com um gás inflamável (propano ) em seu interior. Ele observou que o som produzido em uma extremidade do tubo pode criar uma onda estacionária, cujo comprimento de onda é igual ao do som que a produziu. Esse tubo passou a ser conhecido como tubo de chamas de ondas estacionárias, ou simplesmente tubo de chamas. Através deste tubo é possível visualizar as ondas sonoras de pressão no gás, como um osciloscópio primitivo.

3.1. FÍSICA DO TUBO DE RUBENS

O tubo é perfurado ao longo da parte superior e selado em ambas as extremidades - um selo está ligado a um pequeno alto-falante ou gerador de frequências, e o outro a um fornecimento de um gás inflamável ( GLP ). O tubo é preenchido com o gás, e o gás que escapa a partir das perfurações pode ser inflamado através de um palito de fósforo ou isqueiro. Se uma frequência constante adequada é utilizada, uma onda estacionária pode formar-se no interior do tubo pelo princípio da superposição de ondas incidentes e refletidas numa das extremidades do tubo que explicaremos mais adiante. Quando o alto-falante é

7

ligado, a onda estacionária irá criar pontos com oscilação de pressão (antinodos de pressão) e pontos com pressão constante (nodos de pressão) ao longo do tubo. Quando há uma pressão oscila devido às ondas sonoras, menos gás irá escapar das perfurações no tubo, e as chamas terão uma altura menor nesses pontos (fluxo de gás menor saindo pelo buraco). Nos nodos de pressão, as chamas são mais elevados (fluxo de gás maior saindo pelo buraco). No final do tubo de gás, a velocidade das moléculas é zero e a pressão oscilante é máxima , assim são observados chamas baixas. O tubo de Rubens ilustra uma onda estacionária formado pelas ondas sonoras da fonte que está produzindo o som (música ou um gerador de frequências). Quando o gás fluindo pelos buracos entra em ignição, as chamas terão aproximadamente a mesma altura, devido à pressão constante. Entretanto, uma vez que o som é transmitido através do tubo, as chamas começam a variar em altura porque há mudança de pressão (ANDERSON et. al., 2015). A figura 4 ilustra o fenômeno. Mais adiante demonstraremos como estas ondas estacionarias de pressão podem ser modeladas no tubo.

ondas estacionarias de pressão podem ser modeladas no tubo. Figura 1: Esquema da formação de onda

Figura 1: Esquema da formação de onda estacionária no tubo de Rubens. Disponível em:

18/01/2016

Em resumo, podemos descrever qualitativamente o que ocorre da seguinte maneira:

1-

Onda sonora criada pelo alto-falante no início.

2-

Agora há duas ondas viajando em direcções opostas desde que a primeira onda atingiu

a extremidade do tubo e foi refletida de volta. 3- a combinação das duas ondas cria uma onda estacionária com as áreas adicionais de pressão oscilante ( antinodos ou ventres ) e pressão constante ( nodos ) . 4- Chamas curtas são produzidas pelas áreas de pressão oscilante e chamas longas produzidos por áreas de pressão constante. As ondas estacionárias de pressão no tubo formam zonas de compressão e rarefação do gás. Na figura 5, pode ser visto que nos antinodos da onda estacionária há uma rarefação de gás produzindo os vales da onda de chama, enquanto que nos nodos da onda estacionária

8

ocorre uma condensação de gás formando os picos da onda de chama (Kirchner, 2006). O diagrama sinuoso das chamas é a variaçao na pressão média ao longo do tubo.

chamas é a variaçao na pressão média ao longo do tubo. Figura 2: Esquema mostrando as

Figura 2: Esquema mostrando as ondas de chama no tubo de Rubens. Figura adaptada oriunda do site:

RF1.pdf. Acesso 15/01/16

3.2. CONDIÇÃO DE RESSONÂNCIA

Passemos agora a determinar a condição de ressonância e assim explicar quantitativamente a distribuição de máximos e mínimos das chamas no tubo. Antes, é preciso estabelecer a condições para a existência de ondas estacionárias no tubo de Rubens. O alto- falante cria na extremidade esquerda do tubo (em x = 0), uma perturbação periódica longitudinal, de amplitude B pequena, e frequência ω. (BARATTO, 1998). Chamamos de X o deslocamento de uma infinitesimal camada de gás, na direção x, a partir de sua posição de equilíbrio x. A perturbação iniciada pelo alto-falante se propaga pelo tubo, devendo obedecer à equação de movimento:

X

1

2

X

x

2

v

2

t

2

1

A equação 1 é a equação diferencial geral que governa a propagação de ondas de todos os tipos, onde v é a velocidade do som no gás, e pode ser dada em termos do módulo volumétrico de elasticidade adiabático B e da densidade ρ do gás pela equação II:

K

v  

ad

1

2

2

9

No tubo, a onda estacionária é formada quando duas ondas de mesma amplitude e mesmo comprimento de onda se propagam em sentidos opostos produzindo interferência mútua. Essas as duas ondas, incidente e refletida são representadas pelas equações III e IV:

x senkx

x x tt

X

1

2

,

,

m

x senkx

m

tt

3

4

, respectivamente. Na equação acima,

k

2

v

é o número de onda angular,

é

a

frequência angular e é comprimento de onda. De acordo com o princípio de superposição,

a onda resultante é dada por

Xx,tX x,t+ X x,t

1

2

Xx,t x senkx t X x ,

m

coscos

kxsen

t

2

t

+ x senkx

senkx coscos

m

t

t

t

Aplicando a relação trigonométrica: sensencoscossentemos:

X x ,

t

t

x

m

kxsen

t

x senkx

m

x senkx

m

cos

5

6

7

8

Esta é a equação a onda estacionária para os deslocamentos X da camada de fluido. Podemos

ainda reescrever essa equação como

Xx,tAsenkx cost

ondeé uma constante a ser determinada

k

2

v

e

A 2x

condição de contorno em x = 0 é escrita como:

9

m é a amplitude. Assim a

X0,tAsen0cost X0,tAsencost

X  0, t   Asen  0    cos  t X

10

11

Chamando AsenB , temos:

10

X0,tBcost

12

A outra condição de contorno é XL,t0, pois, o deslocamento do gás em x= L

(extremidade oposta ao alto-falante) é nulo. Temos, pois:

Como :

X

L t

,

L

0

v L

sen

 0

n n 1,2,3,

v

 

 

n

L

 

v

L

n n 1,2,3,

v

13

14

15

16

X 0,tB cost Asencost

Temos:

e assim

X

X

x t

,

B Asen

A

B

sen

A

B

sen n

L

v

B

sen kx

n

x t

,

sen

n

L

v

sen kx

B

sen

n

L

v

n

L cos

v

L cos

v

t

t

17

18

19

A função nos permite ver que, a amplitude das perturbações se tornará virtualmente infinita quando L/v n, não obstante a amplitude da perturbação inicial B ser pequena. Isso caracteriza um comportamento ressonante. Essa divergência só não se manifesta na prática devido à existência de forças dissipativas não consideradas nesse tratamento. As condições de ressonância são, portanto:

11

kL

n

2

L

n

2 L

n

20

A descrição das ondas sonoras em termos de ondas de pressão é mais adequada em muitas situações, pois o ouvido humano é sensível à variação de pressão do ar e pouco sensível ao deslocamento das suas camadas de fluido. No ensino médio e, muitas vezes, no ensino superior, não é dado ênfase para a descrição das ondas em termos de ondas de pressão (SOUZA e AGUIAR, 2011). Por exemplo, um balão esvaziando lentamente é um processo silencioso para o nosso ouvido, mas o processo de estourar o balão é ruidoso.

Em termos da pressão, a onda estacionária é escrita como

P(x,t)

P coskx cost

0

21

é a amplitude da onda de pressão.

Como se trata de uma onda estacionária, a amplitude de pressão da onda estacionaria é variável e passa por máximos e mínimos de pressão como no caso da onda estacionária de deslocamento. Essa onda é defasada de 90 graus em relação à onda de deslocamento. Assim, temos nodos de deslocamento (antinodos de pressão) em x = L e (aproximadamente) em x = 0. Para pequenas intensidades ou volumes de som, o comprimento da onda estacionária dada pela expressão 20, não segue a fórmula para o comprimento de onda em tubos fechados que é:

onde P(x, t) é pressão em qualquer ponto no tubo e

P

0

4L

n

onde temos apenas harmônicos ímpares. Como explicar isso então? É importante notar que no tubo de Rubens conforme podemos ver nas extremidades do tubo (figura 4), existem nós de deslocamento nulo (ou aproximadamente nulo na extremidade onde está o alto-falante, pois a amplitude de vibração é muito pequena). Assim o comportamento do tubo se assemelha ao das cordas de um violão (figura 6) que apresenta todos os harmônicos pares e ímpares (Universidade de São Paulo, 2016; Universidad Complutense Madrid, 2016).

12

12 Figura 3 Modos de formação da onda estacionária nas cordas de um violão. Disponível em

Figura 3 Modos de formação da onda estacionária nas cordas de um violão. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/fisica/a-fisica-os-intrumentos-musicais.htm. Acesso 10/01/2016

Sendo assim, como entre dois nós (pontos sem vibração), teremos sempre um ventre ou

antinodo, poderemos generalizar e escrever que

n

2 L

n

, onde n é o número de modos.

Temos que a sobrepressão total (descontada a pressão atmosférica) dentro do tubo devido a presença do gás e das ondas estacionárias de pressão é

P

(

x t

,

)

P

man

P

0

cos

kx

t

cos

22

Onde

manométrica.

Essa expressão mostra que em pontos de ressonância, onde temos nodos de deslocamento

é a sobrepressão dentro do tubo chamada também de pressão relativa ou

P mam

(antinodos de pressão)

e assim

coskx 1 kx n

23

e.

x n

2

24

Quando coskx 1 , de acordo com o efeito Bernoulli (admitindo sua validade), a velocidade de saída do gás, nesses pontos dados pela Equação 24, será menor do que aqueles pontos onde coskx 0 , ou seja, nos antinodos de deslocamento (nodos de pressão). E assim as chamas serão mais baixas. Nesses pontos de nodos de pressão, a equação da pressão indica que pressão do gás será a pressão manométrica (constante) e a velocidade do gás e portanto, as chamas serão mais altas. Isso explica a distribuição de chamas no tubo de Rubens na chamada “operação normal” onde a pressão média do gás é mantida constante ao longo do tubo e as amplitudes de ondas de pressão são baixas (FICKEN AND STEPHENSON, 1979).

13

Essa distribuição também pode ser explicada em termos do fluxo médio temporal do gás, como veremos a seguir. Aplicando-se a equação de Bernoulli para pontos dentro (com sobrepressão mais a pressão atmosférica) e fora (pressão atmosférica) do orifício no tubo, temos que a velocidade

média temporal v(x) do gás pelos furos ao longo do tubo é dada por (BARATTO, 1998)

1/2    2  2 P 1  P  v ( x
1/2
2 
2 P
1 
P 
v
( x
)  
man
 1 
0
cos (
2
kx 
)
16
P
man
 

25

e o fluxo temporal médio de gás, em cada furo de área A, em função da posição x, é

(

x

)

(

Av x

)

1/2   2 2 P   1  P  A  man
1/2
2
2 P
1 
P 
A 
man
 1 
0
cos (
2
kx 
)
16
P
man

26

Essa expressão mostra que a velocidade de saída e fluxo do gás pelos furos é constante nos nodos de pressão (antinodo de deslocamento) da onda,localizada nos pontos onde

2

cos (

kx

)

=0,

27

conforme podemos ver na equação da onda estacionária de pressão. Nesses nodos de pressão,

a pressão permanece igual a pressão manométrica do gás conforme podemos ver na equação

da pressão no interior do tubo e as chamas serão maiores nesses pontos. A velocidade média temporal de saída do gás e o fluxo médio temporal do gás pelos furos são menores em pontos

de antinodos de pressão cos ( ) 1

2

kx

28

e, portanto, as chamas mais baixas. A figura 7 ilustra essa distribuição de chamas.

baixas. A figura 7 ilustra essa distribuição de chamas. Figura 4 : modos de formação da

Figura 4 : modos de formação da onda estacionária no tubo de Rubens. Disponível em http://www.feiradeciencias.com.br/sala10/10_18.asp. Acesso em 28 de janeiro de 2016

14

Isso caracteriza, segundo Baratto (1998), um comportamento ressonante. Essa divergência só não se manifesta na prática devido à existência de forças dissipativas não considerando nesse tratamento simples. As condições de ressonância são, portanto:

kL

n

2

L

n

2 L

n

A

separação

(antinodos de pressão) é calculada como

x

2

entre

os

nodos

de

deslocamento

29

e assim meio comprimento de onda corresponde à distância entre duas zonas sucessivas de antinodos de pressão (chamas mínimas) da onda sonora. A partir da medição da distância entre os antinodos no tubo, e tendo a frequência de ressonância f conhecida, podemos

determinar a velocidade do som no gás dentro do tubo através da fórmula V . f .A

frequência de ressonância é dada como

onda sonora no tubo.

f

n

nV

2 L

, sendo V a velocidade de propagação da

3.3. MATERIAIS UTILIZADOS NA CONSTRUÇÃO DO TUBO DE RUBENS

Fizemos a construção do Tubo de Rubens seguindo o vídeo “Aprenda a construir o Tubo de Rubensdisponível em https://www.youtube.com/watch?v=8f0FcDPUqRk. Para sua construção foram utilizando os seguintes materiais

sua construção foram utilizando os seguintes materiais Figura 5: materiais utilizados na construção do tubo de

Figura 5: materiais utilizados na construção do tubo de Rubens.

Um tubo de alumínio de 75 mm com 1,5m de comprimento;

Um suporte de madeira para o tubo com 1,8m x 30cm;

Uma luva cirúrgica látex tamanho g;

Uma fita crepe

Duas braçadeiras;

15

Dois parafusos para as braçadeiras;

Um adaptador de PVC para caixa de água rosqueável de 0,5 polegadas

Uma mangueira para gás com rosca de 0,5polegadas;

Um registro completo para gás com biqueira e torneira para duas saídas;

Um botijão de gás de 8 kg cheio de GLP.

Uma chave de fenda;

Uma régua;

Um alicate;

Um martelo;

Uma tesoura;

Um cortador de fórmica;

Um lápis;

Uma caneta para cortar cd;

Uma furadeira;

Uma tampa cega para PVC de 75 mm;

Uma caixa de som amplificada de 15W

Um notebook;

Brocas de aço rápido de 2 mm de 5mm.

Uma lixa de 150.

3.4. MONTAGEM DO TUBO DE RUBENS

O tubo de Rubens foi construído através de três etapas: A primeira foi à construção do suporte de madeira. Essa tarefa foi realizada por um marceneiro. Além de construir o suporte de madeira o marceneiro também fixou as braçadeiras e a tampa cega para cano PVC. A segunda etapa foi perfurar o tubo de alumínio. Devido à dureza do material e a grossura da broca essa atividade teve que ser realizada por um especialista em concerto de armas de fogo. A última etapa, que foi fazer o encaixe de cada peça e colocar a luva foi realizada pela autora. Segue abaixo cada etapa da construção:

Foi fixado o tubo de alumínio no suporte de madeira parafusando as duas braçadeiras;

16

16 Figura 6: tubo de alumínio fixado na base de madeira. Fonte: arquivo pessoal  Usando

Figura 6: tubo de alumínio fixado na base de madeira. Fonte: arquivo pessoal

Usando a régua foi traçada uma linha reta no meio do tubo e com a furadeira foram feitos furos de 2 mm de diâmetros com espaçamento de 1cm. Nas extremidades foram deixados uma distância de 8 cm sem furos;

Foi feito uma marca na tampa cega do tamanho do adaptador de PVC para caixa de água rosqueável;

Usando a furadeira e a broca de 5 mm foram feitos um furo na tampa cega seguindo a marca feita com adaptador de PVC para caixa de água rosqueável;

Foi feito o acabamento no furo da tampa cega usando a lixa de 150;

Usando a lixa, foi feito um polimento na tampa cega e no tubo de alumínio para facilitar o encaixe;

O adaptador para caixa de água de 0,5 pol foi encaixado na tampa cega e esta encaixada no tubo;

Para finalizar o encaixe da tampa cega no tubo de alumínio foi usado um martelo;

17

17 Figura 7: Encaixe da tampa cega. Fonte: arquivo pessoal  A outra extremidade do tubo

Figura 7: Encaixe da tampa cega. Fonte: arquivo pessoal

A outra extremidade do tubo foi coberta com uma luva de látex. Esta foi presa com o uso de fita crepe;

uma luva de látex. Esta foi presa com o uso de fita crepe; Figura 8: Encaixe

Figura 8: Encaixe da luva de látex Fonte: arquivo pessoal

Em uma das pontas de mangueira de gás foi colocado o registro e adaptador para botija e na outra ponta foi colocada um adaptador rosqueavel para cano de 0,5 pol;

18

18 Figura 9: Encaixe da mangueira para botija.Fonte: arquivo pessoal  Depois foi encaixada a mangueira

Figura 9: Encaixe da mangueira para botija.Fonte: arquivo pessoal

Depois foi encaixada a mangueira no adaptador de PVC para caixa de água apertando com alicate;

Depois de todas essas etapas a mangueira foi encaixada no botijão de gás com a certificação que não havia vazamento.

de gás com a certificação que não havia vazamento. Figura 10: Tubo de Rubens pronto e

Figura 10: Tubo de Rubens pronto e com a caixa de som próxima a uma extremidade. Fonte:

Arquivo pessoal

19

4. COMO USAR O TUBO DE RUBENS EM SALA DE AULA

Após o tubo de Rubens montado, propomos o seu uso pelo professor em sala de aula em 03 horas-aula, conforme o seguinte roteiro:

1) Com a válvula de gás desligada, aproxime a caixa de som amplificada (ou um alto- falante ligado à um amplificador) à extremidade do tubo contendo a membrana. Ligue a caixa de som à um gerador de frequências ou à saída de um computador com um cabo apropriado. Ao usar o computador, é necessário que este contenha o programa Audio SweepGen (gratuito) ou outro similar e um programa para executar músicas. Mantenha a caixa de som desligada.

para executar músicas. Mantenha a caixa de som desligada. Figura 11: Tubo de Rubens montado. Fonte:

Figura 11: Tubo de Rubens montado. Fonte: Arquivo pessoal

2) Abra a válvula do gás GLP e após 1minuto, acenda o gás saindo nos furos com um isqueiro ou palito de fósforo e observe se as chamas aparecem. Acenda começando da região próxima da entrada de gás na extremidade do tubo. Certifique-se que todos os furos estão acesos, com as chamas visíveis, antes de começar o experimento. Nesse momento, as chamas terão alturas constantes e distribuídas uniformemente ao longo do tubo.

20

20 Figura 12 : Tubo de Rubens ligado. As chamas têm altura constante distribuídas uniformemente ao

Figura 12: Tubo de Rubens ligado. As chamas têm altura constante distribuídas uniformemente ao longo do tubo. Fonte: Arquivo pessoal

3)

Escolha uma música do gênero clássica no reprodutor de som. Execute o reprodutor de som e ligue a caixa amplificadora de som. Peça aos alunos para observarem o comportamento da distribuição de chamas.

4)

Questões propostas aos alunos

a) A distribuição das chamas observada é a mesma daquela antes de ligar a caixa? O

que está diferente?

b) Em algum momento, a distribuição de chamas segue o padrão de ondas

5)

estacionárias? Escolha agora uma música do gênero rock and roll e repita o procedimento anterior. Questões propostas aos alunos

a) A distribuição das chamas segue em algum momento, o padrão de ondas

estacionárias?

b) Existe alguma relação entre certas notas ou frequências da música com a altura das chamas?

6)

Abra o programa Audio SweepGen e escolha uma onda senoidal. A seguir escolha no menu a opção de varrer automaticamente as frequências entre 20 e 20000 Hz (faixa audível para o ouvido humano). Execute o comando de varredura de frequências.

21

21 Figura 13 : Programa Audio SweepGen com frequências entre 20 e 20000 Hz. Fonte: Arquivo
21 Figura 13 : Programa Audio SweepGen com frequências entre 20 e 20000 Hz. Fonte: Arquivo

Figura 13: Programa Audio SweepGen com frequências entre 20 e 20000 Hz. Fonte: Arquivo pessoal

Questão proposta aos alunos:

a) Qual a relação entre os valores das frequências e o número de antinodos (ventres) ou chamas altas?

b) Quando as frequências se aproxima de 20 Hz ou 20000 Hz o que acontece com a distribuição de chamas?

c) Existe alguma dificuldade ou desconforto em ouvir as frequências desse intervalo?

7)

Abra o programa Audio SweepGen e escolha uma onda senoidal e por exemplo, uma frequência inicial de 300 Hz. Peça aos alunos para observarem o comportamento da distribuição de chamas.

para observarem o comportamento da distribuição de chamas. Figura 14 : Formação de ondas estacionárias com

Figura 14: Formação de ondas estacionárias com frequência de 300 Hz. Fonte: Arquivo pessoal

Questões propostas aos alunos

a) A distribuição das chamas segue o padrão de ondas estacionárias?

22

b) Quantos máximos e mínimos (altura das chamas) podem ser observados na

distribuição? 8) Varra as frequências com o programa Audio SweepGen até encontrara próxima frequência que tenha um padrão definido de máximos e mínimos das chamas. 9) Uma vez que se encontre uma frequência em que a distribuição das chamas apresente os máximos e mínimos, peça aos alunos para contarem o número de furos entre um ponto de máximo da chama e outro ponto de máximo.

entre um ponto de máximo da chama e outro ponto de máximo. Figura 15: Aluno contando

Figura 15: Aluno contando os furos para saber o comprimento de onda da onda estacionária. Fonte: Arquivo pessoal

Questões propostas aos alunos

a) Determine a distância entre os nodos de pressão (chamas altas)

b) Determine a distância entre os antinodos de pressão (chamas baixas)

10) Se for usada apenas uma frequência para determinar a velocidade do som, repita o

procedimento 03 vezes com a mesma frequência e peça ao grupo para distância entre os nodos de pressão.

11) Percorra outras frequências possíveis através do programa Audio SweepGene encontre outros modos de ressonância no tubo.Para cada frequência de ressonância ou modo de oscilação, peça aos alunos para anotarem o número de harmônicos contando o número de nodos ou antinodos (ventres) de pressão. Peça aos alunos para contarem o número de furos entre os nodos de pressão (chamas altas) e determinarem as distâncias entre esses nodos. As medidas precisam ser rápidas, pois o tubo aquece muito e isso pode prejudicar as medidas ou mesmo danificar o experimento. Questões propostas aos alunos:

a) Existe uma relação entre a distribuição de chamas e os nodos ou antinodos das ondas estacionárias?

23

b) Qual a relação entre a altura das chamas e pressão do gás?

12) Peça aos alunos para construírem uma tabela contendo os números de harmônicos e o comprimento de onda medido.

Questões propostas aos alunos:

a) Determine a velocidade do som para cada frequência ressonante.

b) Calcule a média das velocidades do som no gás GLP e compare com a literatura.

c) Quais são as fontes de erros envolvidos nesse experimento?

4.1 ROTEIRO PARA CALCULAR A VELOCIDADE DO SOM NO GÁS CLP USANDO O TUBO DE RUBENS

O tubo de Rubens ou áudio osciloscópio de chamas constitui-se de um tubo fechado, com um alto-falante em uma das suas extremidades e gás GLP em seu interior, por meio de pequenos furos o gás é liberado e entra em combustão, e devido à diferença de pressão do gás, dentro do tubo, produzida pela frequência de oscilação do alto-falante, as chamas produzem um padrão de onda estacionaria. O tubo de Rubens ilustra uma onda estacionária (comprimento de onda ) que representa o som que está sendo tocado. Objetivo: Determinar a velocidade do som no gás GLP.

Primeiro passo: Identificar 5 frequências de ressonância e anotar na tabela abaixo;

Segundo passo: Medir com a régua a distância entre os nodos ou antinodos para cada frequência, como mostra a foto. Determinar o valor do comprimento de onda ;

a foto. Determinar o valor do comprimento de onda  ; Figura 16: Exemplo de como

Figura 16: Exemplo de como contar os furos para medir o comprimento de onda da onda estacionária. Fonte: Arquivo pessoal

Terceiro passo: Com base no valor do comprimento de onda e na frequência mostrada no computador, calcular a velocidade do som no gás GLP;

Quarto passo: Fazer a média das velocidades;

24

Frequência ( f )

Distância entre os nodos (ventre) ou

Comprimento de onda

v .f

( )

antinodo (

)

2

f

1

=

     

f

2

     

f

3

     

f

4

     

f

5

     

Média das velocidades

   

Quinto passo: Contar os nós ou ventres de acordo com cada frequência registrada. Verificar

qual harmônico corresponde a cada frequência.

Frequência ( f )

Número de nodos (ventres)

Harmônico

f

1

=

   

f

2

   

f

3

   

f

4

   

f

5

   

5. MANUAL DE SEGURANÇA PARA USAR O TUBO DE RUBENS

O tubo de Rubens é um experimento que requer alguns cuidados ao ser utilizado,

principalmente na presença de alunos, por funciona com gás butano e propano que são

altamente inflamáveis. Alguns cuidados devem ser tomados ao usar esse aparelho para

amenizar os perigos de um possível vazamento de gás e uma possível explosão. Algumas

precauções podem ser tomadas para garantir a segurança na utilização do tubo de Rubens

como:

Montar o equipamento em local com ventilação, para dispersar um eventual

vazamento de gás;

Realizar testes de vazamento de gás, em todas as juntas do equipamento, com a

utilização de espuma ou de água;

Abrir primeiramente a válvula de gás do botijão e em seguida abrir lentamente a

válvula do osciloscópio e acender as chamas depois de alguns minutos. É necessário

esperar encher o tubo de gás;

25

Ao ligar o sinal de áudio regular o registro do osciloscópio até a altura da chama desejada, não aumentar a chama ou o volume do som demasiadamente, pois a chama

se

apaga e ocorre vazamento de gás;

Utilizar fósforo de tamanho grande para ascender às chamas. Não utilizar isqueiros, pois corre o risco de se queimar;

A

esse modelo de tubo deve ser usado cola Super Bonder para colar a tampa cega, pois

quando usado por um longo período, com o aquecimento do tubo a tampa cega começa a se soltar oferecendo grande risco de vazamento de gás. Com o uso da cola esse problema é resolvido.

Utilizar a tampa cega da marca Tigre, pois foram testadas outras marcas e estas não aguentaram a alta temperatura quebrando-se e se soltando do tubo;

Utilize a válvula Corta Fogo cuja função é impedir o retrocesso de chama e o refluxo de gases provenientes das mangueiras e/ou retrocessos repetidos. Não fizemos uso dessa válvula quando trabalhamos com o tubo, mas achamos uma boa sugestão. Essa

válvula é um Filtro de aço inox sintetizado que absorve calor e extingue a chama.

6. CONTEÚDOS QUE DEVEM SER TRABALHADOS ANTES DE SE UTILIZAR O TUBO DE RUBENS

A seguir, faremos de forma detalhada a apresentação dos conceitos físicos que devem

ser trabalhados antes de se usar o tubo de Rubens. Estes conteúdos são requisitos necessários

para que os alunos possam compreender como é formada a onda estacionária no tubo. Todos esses conceitos foram tirados dos livros Física II: Termodinâmica e Ondas de Hugh D. Young (2003), Fundamentos de Física de Halliday e Resnick (2012) e Os Alicerces da Física:

Termologia, Óptica e Ondulatória de Fuke, Carlos e Kazuhito (2007). Sugerimos que estes conceitos sejam trabalhados em 06 horas-aula. Todas as imagens foram retiradas da internet e legendadas com os respectivos endereços eletrônicos, seguidos da data de acesso.

6.1. ONDAS

Segundo Young (2003) uma onda é qualquer perturbação de uma condição de equilíbrio que se propaga de uma região para outra. Uma onda mecânica sempre se propaga no interior de um material denominado meio. Segundo Halliday e Resnick (2012) de acordo com a sua natureza, as ondas podem ser classificadas em três tipos:

26

Ondas mecânicas: As principais características de todas as ondas mecânicas são que, além de governadas pelas Leis de Newton necessitam de um meio físico como o ar, a água para existir. Temos como exemplo as ondas do mar, as ondas sonoras e as ondas sísmicas Ondas eletromagnéticas: São resultados da combinação de campo elétrico com campo magnético. Sua principal característica é que não precisam de um meio físico para existir. A luz das estrelas, por exemplo, propaga em nossa direção através do quase vácuo do espaço profundo. Todas as ondas eletromagnéticas se propagam através do vácuo com velocidade c,

dada por c 299.792.458m/ s

A mais familiar das ondas eletromagnéticas é a luz visível, mas quase tão familiar temos os raios X, as micro-ondas e as ondas de rádio. Ondas da matéria: Essas ondas são mais usadas nos laboratórios. Estão associadas a elétrons, prótons e outras partículas elementares e mesmo a átomos e moléculas. São chamadas ondas da matéria porque normalmente pensamos nas partículas como elementares da matéria.

6.2 PROPRIEDADES DAS ONDAS

Aparte elevada da onda denomina-se crista da onda e a cavidade entre duas cristas chama-se vale. Período: O período T é definido como o espaço de tempo necessário para uma onda caminhar um comprimento de onda. Frequencia: Chama-se freqüência f o número de cristas consecutivas que passam por um mesmo ponto, em cada unidade de tempo. O número de oscilações por segundo. A frequência

1

é medida em Hertz e é o inverso do período. f = T

=

1

s

Comprimento de onda: é o tamanho de uma onda, que pode ser medida em três pontos diferentes: de crista a crista, do início ao final de um período ou de vale a vale. Crista é a parte alta da onda, vale, a parte baixa. É representada no SI pela letra grega lambda (λ)

baixa. É representada no SI pela letra grega lambda (λ) Figura 17 : Elementos de uma

Figura 17: Elementos de uma onda. Figura disponível em http://ww2.unime.it/weblab/awardarchivio/ondulatoria/ondas.htm. Acesso 20/01/2016

27

Amplitude: é a "altura" da onda, é a distância entre o eixo da onda até a crista. Quanto maior for a amplitude, maior será a quantidade de energia transportada. Velocidade: todas as ondas possuem uma velocidade, que sempre é determinada pela distância percorrida, sobre o tempo gasto. Nas ondas, essa equação fica: s = vt. Fazendo s = λ, temos t = T. Logo:

S

vT

v

. . .

vt

1

f

.

 

v

f

6.3. INTERFERÊNCIA DE ONDAS

A interferência de ondas acontece devido ao cruzamento delas, quando se movimentarem no mesmo meio. A interferência pode ser construtiva ou destrutiva.

a) Na interferência construtiva, os pulsos se encontram em concordância de fases (crista com crista ou vale com vale).

concordância de fases (crista com crista ou vale com vale). Figura 18: Interferência construtiva . Disponível

Figura 18: Interferência construtiva. Disponível em http://pt.slideshare.net/JeffersonCardoso2/2ondas. Acesso 20/01/2016

b) Na interferência destrutiva, os pulsos se encontram com fases invertidas (crista com vale).

pulsos se encontram com fases invertidas (crista com vale). Figura 19: Interferência destrutiva . Disponível em

Figura 19: Interferência destrutiva. Disponível em http://pt.slideshare.net/JeffersonCardoso2/2ondas. Acesso 20/01/2016

6.4 ONDAS SONORAS

As ondas sonoras são ondas mecânicas, isto é, precisam de um meio para se propagar e longitudinais (são aquelas que a direção do movimento vibratório coincide com a de

28

propagação); no ar, conforme o som se propaga, as moléculas formam regiões de compressão e rarefação.

as moléculas formam regiões de compressão e rarefação. Figura 20 : Onda sonora . Disponível em

Figura 20: Onda sonora. Disponível em

m. Acesso em 19/01/2016.

6.5 ONDAS ESTACIONÁRIAS

De acordo com Halliday e Resnick, no livro Fundamentos de Física, volume 2, se duas ondas senoidais de mesma amplitude e mesmo comprimento de onda se propagarem em sentidos opostos a interferência mútua produz uma onda estacionária. Evidentemente, não se trata de uma onda, na acepção normal do termo, mas de um particular padrão de interferência.

do termo, mas de um particular padrão de interferência. Figura 21 : Onda estacionária . Disponível

Figura 21: Onda estacionária. Disponível em http://trabalhoondasestacionarias.blogspot.com.br. Acesso em 19/01/2016.

Uma onda estacionária resulta da combinação dos fenômenos de reflexão e interferência. Podem ocorrer em cordas, tubos sonoros (como flauta), antenas, etc.

O caso mais simples desse tipo de interferência é o que ocorre em uma corda esticada, na qual

as ondas produzidas em uma das extremidades superpõem-se às ondas refletidas na extremidade oposta. Os pontos do meio no qual ela é estabelecida oscilam em MH (Movimento Harmônico Simples), com amplitudes que dependem da posição do ponto considerado. Nos pontos de interferência construtiva (V), denominados ventres ou pontos ventrais,

a amplitude de oscilação é máxima, correspondendo ao dobro da amplitude de cada onda constituinte.

29

Aos pontos de interferência totalmente destrutiva (N) damos o nome de nós ou pontos nodais, que não oscilam, permanecendo, portanto, em equilíbrio. A distância entre dois ventres consecutivos, ou entre dois nós consecutivos, é igual à metade do comprimento de onda da onda estacionária.

à metade do comprimento de onda da onda estacionária. Figura 22 : Formação de nós e

Figura 22: Formação de nós e ventres numa onda estacionária. Disponível em http://slideplayer.com.br/slide/1240712. Acesso em 19/01/2016

Como os nós estão em repouso, não pode haver passagem de energia por eles, não havendo, então, em uma corda estacionária o transporte de energia. Algumas observações sobre as medidas envolvendo o comprimento de onda:

a) A distância entre dois nós consecutivos vale

.

2

b) A distância entre dois ventres consecutivos vale

.

2

c) A distância entre um nó e um ventre consecutivo vale

4

6.6 ONDAS ESTACIONÁRIAS EM INSTRUMENTOS DE CORDA

Os instrumentos de corda, como o violão, produzem sons a partir da vibração de suas cordas. Quando vibra, a corda desses instrumentos faz com que o cavalete também oscile, fazendo com que seu tampo vibre, produzindo o som audível. Como a área do tampo é grande, ele, ao vibrar, pode produzir ondas sonoras com volume mais alto do que as produzidas unicamente pela vibração da corda, funcionando como uma caixa de ressonância. Cada corda de um violão pode vibrar produzindo ondas estacionárias, tendo sempre um nó nas extremidades onde a corda está fixa. Nesses instrumentos, o som é produzido a partir de cordas, que quando acionadas provocam compressões e rarefações no ar, chamadas ondas sonoras. Também chamada de cordas vibrantes, as cordas dos instrumentos musicais, quando vibram produzem ondas transversais que, superpondo-se às refletidas nas extremidades, originam uma onda estacionária.

30

O modo mais simples de vibração da corda caracteriza sua freqüência fundamental, correspondente à vibração entre as extremidades de fixação da corda (nós) e um ponto médio. O segundo modo de vibração corresponde aos nós das extremidades e a um nó no ponto central. O terceiro modo corresponde a mais um nó entre os nós extremos, e assim, cada novo modo de vibração corresponde a mais um nó intermediário.

modo de vibração corresponde a mais um nó intermediário. Figura 23: Onda estacionária nas cordas de

Figura 23: Onda estacionária nas cordas de um violão

Temos

y

n

2 L

n

que

,(

n

o

comprimento

de

onda

da

onda

estacionária

formada

1,2,3,4

)

onde n representa o número do harmônico gerado.

A frequência pode ser obtida da equação

f

v

f

n

v

2 L

n

f

n

nv

2 L

na

corda

será:

6.7 VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM

De acordo com Halliday e Resnick a velocidade de uma onda mecânica, seja ela transversal ou longitudinal, depende tanto das propriedades inerciais do meio ( para armazenar energia cinética) como das propriedades inerciais do meio(para armazenar energia potencial) generalizar que a velocidade de uma onda transversal em uma corda é:

 
T 
T

  T   propriedade  elática

propriedade

elática

v

propriedade

inercial

Por ser uma onda mecânica longitudinal, o som se propaga por meio de pequenas variações do meio material, ou seja, microscópicas contrações e expansões dos materiais que

31

provocam esse tipo de onda. Dessa forma, conclui-se que o meio em que o som se propaga afeta a sua velocidade, da mesma forma que a temperatura e a pressão. Quando uma onda sonora se propaga no ar, a energia potencial está associada à compressão e expansão de pequenos elementos de volume do ar. A propriedade que determina quanto um elemento do meio muda de volume quando é submetido a uma pressão (força por unidade de área) é o módulo de elasticidade volumétrico B. A equação da velocidade fica:

v

B 
B

Onde: v = velocidade de propagação do som, B= módulo de elasticidade volumar do meio ρ = densidade do ar. Quanto mais denso o meio, maior a energia para perturbar suas partículas. Como a velocidade depende da densidade, essa é maior nos sólidos, em seguida nos líquidos e possui menor velocidade nos gases. Na tabela apresentada abaixo, estão indicadas as diferentes velocidades de propagação do som consoante o meio material em que este se propaga.

Tabela 1: Velocidade do ar em diferentes meios. Disponível em http://www.colegioweb.com.br/nocoes- gerais-de-ondas/velocidade-do-som.html. Acesso em 19/01/2016

gerais-de-ondas/velocidade-do-som.html. Acesso em 19/01/2016 6.8 TUBOS SONOROS De acordo com Kazuhito (2007) da mesma

6.8 TUBOS SONOROS

De acordo com Kazuhito (2007) da mesma forma que existem cordas vibrantes o ar (ou gás) contido em um tubo pode vibrar de modo estacionário, com determinada frequência, produzindo ondas sonoras. Instrumentos musicais de sopro, como flauta, pistão, corneta, tuba,

32

etc., são essencialmente constituídos por tubos sonoros, nos quais uma coluna de ar é posta a vibrar, soprando-se a extremidade chamada de embocadura, que possui dispositivos vibrantes apropriados. Os tubos sonoros mais simples, podem ser abertos ou fechados. No caso do tubo aberto, as duas extremidades são abertas, e, no caso tubo fechado, uma das extremidades é fechada e a outra é aberta. Se uma fonte sonora for colocada na extremidade aberta de um tubo, as ondas sonoras emitidas irão superpor-se às que se refletirem na outra extremidade, produzindo ondas estacionárias com determinadas frequências. Nessas condições, a coluna de ar no tubo entra em ressonância com a frequência emitida pela fonte. Uma extremidade aberta sempre corresponde a um ventre (interferência construtiva), e a fechada, a um nó (interferência destrutiva). Nas figuras a seguir, têm-se tubos sonoros de comprimento L, cujas ondas propagam- se com velocidade v.

6.8.1 TUBOS ABERTOS

As três primeiras possíveis configurações de ondas estacionárias são:

33

33 Figura 2: Três primeiros harmônicos de um tubo aberto . Disponivel em:

Figura

2:

Três

primeiros

harmônicos

de

um

tubo

aberto.

Disponivel

em:

O enésimo modo de vibrar será:

n

.

n

2

L

n

2 L

n

, onde n= 1, 2, 3,

A frequência dos harmônicos será:

f

n

f

n

v

n

n. f

1

v

2 L

n

f

n

n .

v

2 L

, onde n= 1, 2, 3,

No tubo aberto, obtêm-se frequências naturais de todos os harmônicos ( Como nas cordas vibrantes).

6.8.2 TUBOS FECHADOS

As três possíveis configurações de ondas estacionárias são:

34

34 Figura 3: Três primeiros harmônicos de um tubo fechado: Disponível em

Figura 3: Três primeiros harmônicos de um tubo fechado: Disponível em http://www.sofisica.com.br/conteudos/Ondulatoria/Acustica/tubos2.php. Acesso em 30/03/2016

O iésimo modo de vibrar será:

i

i

4

L

i

4 L

i

, onde i = 1, 3, 5,

A frequência dos harmônicos será:

f

i

f

i

v

v

i

4 L

i

i. f

i

f

i

i

v

4 L

, onde i = 1, 3, 5,

No tubo fechado, obtêm-se frequências naturais dos harmônicos ímpares.

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAÚJO, M. S; ABIB, M. L. Atividades experimentais no ensino da Física: Diferentes enfoques, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 25, Nº 2, p. 176 194. Junho, 2003.

BARATTO, A. C. Ondas estacionárias longitudinais no tubo de chamas. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 20, n. 1, p. 6-10, 1998.

35

BERLONI, A. A. P. Uma nova abordagem de conceitos de física e astronomia a partir do diagrama HR.Universidade Federal do Mato Grosso. MT 2015.

CARVALHO, A. M. P.(coord) et.al. As práticas experimentais no ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

CERBARO, B. de Q. Experimentos Para Ensino Médio de Física: compilando e testando experimentos didáticos no contexto curricular. In:X Salão de Iniciação Científica PUCRS, 2009.

FICKEN, G. W. ; STEPHENSON, F.C. Rubens Flame-Tube demonstration. The Physics Teacher, 17, 306, 1979. Disponível em: <http://scitation.aip.org/tpt/>. Acesso em: 22 de janeiro de 2016.

FIOLHAIS, C.; TRINDADE, J. Física no Computador: o Computador como uma Ferramenta no Ensino e na Aprendizagem das Ciências Físicas. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 25, n. 3, Setembro, 2003.

FUKE, L. F; KAZUHITU, Y; SHIGEKYO,C.T. Os alicerces da Física 2: Termologia, óptica e ondulatória. 15. ed. - São Paulo: Saraiva, 2007.

GALIAZZI, M. C. et al. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência & Educação, v.7, n.2, p.249-263, 2001.

HALLIDAY, D; RESNOCL, R.; WALKER, J.Fundamentos de Física, volume 2:

Gravitação, Ondas e Termodinâmica; Rio de Janeiro:LTC,2012.

OSCAR, Física Visual a um click

ondas; ondas estacionarias e nodos y valles. Universidade Complutense de Madri. 2013.

Disponível em: <https://www.ucm.es/data/cont/docs/76-2013-07-11-09_Rubens_tube.pdf>. Acesso em 22 de janeiro.

Tubo de Rubens: Ondas mecânicas; superposición de

REIS, E. M. SILVA, Otto H M. Atividades experimentais: uma estratégia para o ensino da física. Cadernos Intersaberes, vol. 1, n.2, p.38-56, 2013.

RODRIGUES C. R. et. al. Incluindo experiências de docência em cursos de graduação em engenharia: entre a atribuição e a competência. Anais da 25a Jornada Acadêmica da UFSM. Disponivel em: <http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2010/artigos/509.pdf>. Acesso em 27 de junho de 2016

SANTOS, E.I; PIASSI, L. P. C.; FERREIRA, N. C. Atividades Experimentais de baixo custo como estratégia de construção da autonomia de professores de Física: uma experiência em formação continuada. In: IX Encontro Nacional de Pesquisa de Física. Belo Horizonte, 2004.

SECO, V. L. V. Estudo de ondas estacionárias em tubos fechados por meio do software de osciloscopia. Universidade Estadual de Campinas. São Paulo 2010. Disponível em

<http://www.ifi.unicamp.br/~lunazzi/F530_F590_F690_F809_F895/F809/F809_sem1_2010/

VicenteV-Eliermes_RF2.pdf> acesso em 1 de janeiro de 2016.

36

SOUZA, A. R; AGUIAR, E. A pressão e deslocamento nas ondas sonoras. Instituto de Física/UFRJ e Colégio Pedro II. XIX Simpósio Nacional de Ensino de Física (SNEF) . 2011, Manaus, AM.

TIMSTAR, for service to science education. Benchmark, Rubens´Tube. Disponível em

http://www.timstar.com/so116140-benchmark-rubens-tube.html Acesso em 27 de junho de

2016.

UFES, Show de Física: Aprenda a construir o tubo de Rubens. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=8f0FcDPUqRk.Acesso em 12 de agosto de 2015.