Você está na página 1de 24

1

Tópicos laboratoriais e/ou exercícios (11.o Parte)

Hélio Marcos Fernandes Viana

Tema:

Defeitos de superfície (continuação da introdução ao


gerenciamento de pavimentos)

Conteúdo da aula
1 Introdução

2 Causas dos defeitos de forma geral, e importância do diagnóstico correto dos defeitos
(ou importância da descrição correta dos defeitos)

3 Terminologia (ou nomenclatura) dos defeitos

4 Indicação individual de cada defeito no pavimento e determinação de sua provável


causa

5 Atividades de manutenção e reabilitação do pavimento


2

1 Introdução

Segundo a norma DNIT 005-TER-2003, os defeitos de superfície são os


danos (ou deteriorações) na superfície dos pavimentos asfálticos que podem ser
identificados a olho nu e classificados segundo uma terminologia normatizada.

OBS. Olho nu é uma expressão que indica a não utilização de lupas, ou lentes de
aumento, ou a observação com equipamentos especiais.

O levantamento dos defeitos de superfície tem por finalidade avaliar o


estado de conservação dos pavimentos asfálticos.

O levantamento dos defeitos da superfície do pavimento embasa ou dá


subsídios para:

a) Diagnosticar (ou descrever) a situação funcional do pavimento; e


b) Definir a solução mais adequada para restaurar o pavimento.

2 Causas dos defeitos, de forma geral, e importância do diagnóstico correto


dos defeitos (ou importância da descrição correta dos defeitos)

2.1 Surgimento dos defeitos no pavimento

Os defeitos no pavimento podem surgir precocemente, ou mais cedo,


devido:
- A erros de projeto do pavimento;
- A erros de execução do pavimento;
- A erros na dosagem dos materiais utilizados na camada asfáltica;
- A erros na seleção de materiais adequados para produzir a camada asfáltica; e
- Ao tráfego de caminhões excessivamente carregados.

OBS. É difícil controlar o tráfego de caminhões excessivamente carregados, pois


muitas rodovias não possuem balança de fiscalização.

Os defeitos no pavimento podem surgir no pavimento a médio e a longo


prazo devido:
- Ao tráfego de veículos sobre o pavimento;
- Ao efeito das intempéries (efeito devido ao clima), tais como: chuvas, altas
temperaturas, baixas temperaturas; e
- À oxidação (ou envelhecimento) do cimento asfático de petróleo (CAP), que reage
com o oxigênio do ar e oxida (ou envelhece).

OBS. Em pavimentos de concreto de cimento Portland costuma-se utilizar juntas de


dilatação térmica para combater os efeitos danosos causados pelas altas
temperaturas.
3

2.1.1 Erros de projeto de pavimentos

Como exemplo de erros no projeto de pavimentos, os quais podem causar


defeitos precoce, ou mais cedo, no pavimento pode-se citar:
- Subdimensionamento das camadas do pavimento inclusive da camada asfáltica;
- Mau dimensionamento do sistema de drenagem, o que possibilita a penetração de
água no pavimento;
- Subdimensionamento do tráfego que atuará sobre o pavimento; e
- Etc.

2.1.2 Erros de execução de pavimentos

Como exemplo de erros de execução de pavimentos, os quais podem


causar defeitos precoce, ou mais cedo, no pavimento pode-se citar:
- Compactação inadequada das camadas de solo do pavimento, o que pode causar
recalques ou afundamentos da pista, ou causar ruptura da pista;
- Compactação deficiente da mistura asfáltica, o que pode gerar trincas de couro de
jacaré na pista;
- Falha na execução da pintura de ligação entre a base e a camada asfáltica, o que
facilita o despelamento ou soltura da camada asfáltica e formação de buracos na
pista; e
- Etc.

2.2 Importância do diagnóstico correto (ou descrição correta do defeito) do


defeito no pavimento

O diagnóstico (ou descrição) do defeito no pavimento deve ser correta para


que a alternativa de restauração do pavimento seja a mais adequada para o
problema diagnosticado (ou descrito).

Para corrigir um defeito em um pavimento, deve-se conhecer as prováveis


causas do surgimento do defeito; Portanto, recomenda-se uma verificação in situ
(ou no campo) dos problemas ou defeitos na superfície do pavimento.

Deve-se atentar para as seguintes situações quando for realizar a


restauração ou manutenção de pavimentos:

a) Evitar colocar camada asfáltica de restauração delgada (ou fina) de elevada


rigidez (ou elevado módulo de resiliência) sobre pavimento trincado, pois as trincas
tendem a se propagar (ou refletir) de baixo para cima, ou da camada antiga para a
nova camada de restauração.
b) Evitar colocar camada asfáltica de restauração permeável sobre camada asfáltica
muito trincada, pois a água pode atravessar a nova camada de restauração e
penetrar nas trincas da camada antiga; o que pode facilitar o surgimento de trincas
até mesmo buracos na nova camada de restauração.
4

3 Terminologia (ou nomenclatura) dos defeitos

Para classificação dos defeitos do pavimento utiliza-se a norma DNIT 005-


TER-2003.

Os tipos de defeitos catalogados pela norma brasileira e que são


considerados como o indicador da qualidade do pavimento, ou seja, os defeitos
considerados no cálculo do Índice de Gravidade (ou severidade) Global (IGG) são:

- Fendas (F);
- Afundamentos (A);
- Corrugações ou ondulações transversais (O);
- Exudação (Ex);
- Desgaste ou desagregação (D);
- Panela ou buraco (P); e
- Remendos (R).

O IGG ou o Índice de Gravidade (ou severidade) Global é um indicativo da


qualidade da pista; Para obter o IGG, os defeitos da pista são transformados em
números, os quais resultam em um valor do IGG para um trecho de pista.

A Tabela 3.1 ilustra como se determina a condição de um trecho de pista


com base no IGG.

Tabela 3.1 - Determinação da condição de um trecho de pista com base no IGG


(DNIT 06/2003)

Conceito para o trecho


IGG
de pista
Ótimo 0 < IGG  20
Bom 20 < IGG  40
Regular 40 < IGG  80
Ruim 80 < IGG  160
Péssimo IGG > 160

OBS. Maiores detalhes para o cálculo do IGG de pavimentos consulte Bernucci et al.
(2008) e as normas: DNIT 003/2003; DNIT 006/2003 e DNIT 007/2003.

A seguir, descrevem-se as características dos defeitos do pavimento citados


anteriormente.

i) As fendas (F)

As fendas são aberturas na superfície asfática. As fendas são classificadas


como fissuras, quando a abertura no asfalto é perceptível a olho nu a uma distância
menor que 1,5 m. As fendas são classificadas como trincas, quando a abertura no
asfalto é perceptível a olho nu a uma distância superior que 1,5 m.
5

As fendas são subdivididas, quanto à gravidade em 3 (três) classes, as quais


são:
- Fendas classe 1, são fendas com abertura não superior a 1 mm;
- Fendas classe 2, são fendas com abertura superior a 1 mm; e
- Fendas classe 3, são fendas com abertura superior a 1 mm e com desagregação
ou erosão junto às bordas.

Quanto ao tipo, as trincas isoladas podem ser:


- Trincas transversais curtas (TTC);
- Trincas transversais longas (TTL);
- Trincas longitudinais curtas (TLC);
- Trincas longitudinais longas (TLL);
- Trincas de retração (TRR);
- Trincas de bloco (TB), quando as trincas tendem a apresentar uma regularidade
geométrica;
- Trincas de bloco com erosão (TBE), quando as trincas tendem a apresentar uma
regularidade geométrica, e também apresentam erosão junto às bordas das trincas
causadas pelo bombeamento;
- Trincas tipo couro de jacaré (J), são trincas que tem aparência do couro do jacaré;
e
- Trincas tipo couro de jacaré com erosão (JE), são trincas que tem aparência do
couro do jacaré e apresentam erosão junto às bordas.

OBS(s).
a) Bombeamento é o processo de expulsão pelas trincas de finos misturado com
água da base do pavimento; O bombeamento ocorre devido à pressão do tráfego
sobre a base saturada de água, e a existência de trincas no pavimento; e
b) No tópico 4 desta apresentação serão mostradas fotos, que ilustram os diversos
tipos de trincas descritas.

ii) Os afundamentos (A)

Os afundamentos é um tipo de defeito da superfície asfáltica derivado (ou


oriundo) de deformações permanentes; Seja causado por deformações permanentes
do revestimento asfáltico, seja causado por deformações permanentes das camadas
subjacentes ou do subleito.

Os afundamentos são classificados como:


- Afundamento por consolidação (AC)  O afundamento por consolidação ocorre
por densificação, ou compactação, em diferentes regiões do material do pavimento;
- Afundamento por consolidação localizado (ALC)  Ocorre quando o
afundamento por consolidação devido à densificação, ou compactação, do material
do pavimento é menor que 6 m;
- Afundamento por consolidação longitudinal nas trilhas de roda (ATC) 
Ocorre quando o afundamento por consolidação devido à densificação, ou
compactação, do material do pavimento é maior que 6 m;
- Afundamentos plásticos (AP)  Os afundamentos plásticos ocorrem
principalmente devido à fluência (ou fluidez) do material asfáltico; e
- Afundamento plástico longitudinal de trilha de roda (ATP)  Ocorre no sentido
longitudinal da pista devido à fluência (ou fluidez) do material asfáltico, e ocorre
formação de trilhas de rodas e levantamento do asfalto na borda da trilha de roda.
6

OBS. O excesso de ligante asfáltico mistura asfáltica associado a altas temperaturas


na pista facilita a fluidez (ou movimentação) da massa asfáltica.

iii) As corrugações (O)

As corrugações (O) são deformações transversais ao longo do eixo da pista,


geralmente, têm formas de ondas com cristas e depressões.

Nas corrugações a distância entre duas cristas das ondas varia da ordem de
centímetros a dezenas de centímetros.

As corrugações são provavelmente causadas pela aceleração e


desaceleração dos veículos pesados lentos em locais de rampa.

iv) As ondulações (O)

As ondulações (O) são, também, deformações transversais ao longo do eixo


da pista, geralmente, têm formas de ondas com cristas e depressões.

As ondulações são causadas por consolidação diferencial do subleito.

Nas ondulações a distância entre duas cristas das ondas varia da ordem de
1 (um) metro ou mais.

v) A exudação (Ex)

A exudação é um defeito caracterizado pelo surgimento de ligante asfáltico


em abundância na superfície da pista, o que causa manchas escurecidas na pista.

A exudação é causada pelo excesso de ligante asfáltico na massa asfáltica.

v) O desgaste ou desagregação (D)

Desgaste ou desagregação é o desprendimento de agregados da massa


asfáltica.

vi) A panela ou buraco (P)

Panela ou buraco é uma cavidade no revestimento asfáltico, podendo ou


não atingir as camadas subjacentes (ou inferiores) do pavimento.

vii) O remendo (R)

O remendo é um tipo de defeito, apesar de estar relacionado com a


conservação da superfície asfáltica.

O remendo caracteriza-se pelo preenchimento de panelas, ou buracos, ou


de qualquer outro orifício ou depressão na pista, que é realizado com massa
asfáltica.
7

viii) Outros defeitos na pista

Além dos defeitos apresentados, anteriormente, também são considerados


defeitos na pista, os quais merecem restauração os seguintes defeitos:
- Escorregamento do revestimento asfáltico;
- Bombeamento de finos;
- Polimento dos agregados ou exposição dos agregados graúdos;
- Trincas próximo ao acostamento;
- Falhas do bico do espagidor de ligante asfáltico;
- Desnível acentuado entre pista e acostamento;
- Etc.

4 Indicação individual de cada defeito no pavimento e determinação de sua


provável causa

A seguir, serão apresentadas algumas fotos de defeitos na pista e a provável


causa dos defeitos.

A Figura 4.1 mostra a foto de uma trinca isolada longitudinal curta (TLC) na
camada asfáltica, a qual é indicada pela seta.

As trincas isoladas longitudinais curtas (TLC) são causadas por:

- Temperatura de dosagem da mistura asfáltica, ou temperatura de compactação da


mistura asfáltica fora das especificações normativas; e/ou
- Envelhecimento (ou oxidação) do ligante asfáltico.

Figura 4.1 - Trinca isolada longitudinal curta (TLC) na camada asfáltica, a qual
é indicada pela seta
8

A Figura 4.2 ilustra trincas longitudinais longas (TLL) na camada asfáltica,


que é um defeito no pavimento, provavelmente, causado por:

- Recalques diferenciais na pista; e/ou


- Falha na compactação da pista, um lado da pista foi mais compactado que o outro;
e/ou
- Envelhecimento (ou oxidação) do ligante asfáltico.

Figura 4.2 - Trincas longitudinais longas (TLL) na camada asfáltica

A Figura 4.3 mostra trincas de reflexão (TRR) na camada asfáltica, que é um


defeito causado pela propagação (ou reflexão) de trincas oriundas da camada
inferior.

A Figura 4.4 ilustra trincas de bloco (TB) na camada asfáltica, que é um


defeito no pavimento causado pela propagação (ou reflexão) das trincas da base ou
camada inferior.
9

Figura 4.3 - Trincas de reflexão (TRR) na camada asfáltica

Figura 4.4 - Trincas de bloco (TB) na camada asfáltica


10

A Figura 4.5 mostra as trincas tipo couro de jacaré (J) na camada asfáltica,
que é um defeito, provavelmente, causado por:

- Fadiga causada por repetição de carga; e/ou


- Envelhecimento (ou oxidação) do ligante asfáltico e perda da flexibilidade da
massa asfáltica; e/ou
- Excesso de temperatura na usinagem da mistura asfáltica; e/ou
- Baixo teor de ligante asfáltico na mistura asfáltica; e/ou
- Etc.

Figura 4.5 - Trincas tipo couro de jacaré (J) na camada asfáltica

A Figura 4.6 ilustra um conjunto de trincas longitudinais longas (TLL) na


camada asfáltica, que é um defeito no pavimento causado pelo umedecimento da
base por infiltração da água pelo acostamento, e também pela ação do tráfego.

A Figura 4.7 mostra uma trinca de retração térmica na camada asfáltica, que
é um defeito causado pela atuação de baixas temperaturas sobre a pista. Pode-se
observar na parte superior da Figura 4.7, que o talude da rodovia, ainda, se encontra
coberto neve.
11

Figura 4.6 - Conjunto de trincas longitudinais longas (TLL) na camada asfáltica

Figura 4.7 - Trinca de retração térmica na camada asfáltica


12

A Figura 4.8 ilustra um afundamento por consolidação em trilha de roda


(ATC) na camada asfáltica, que é um defeito no pavimento causado pela
compactação, ou aumento da densidade, das camadas subjacentes à camada
asfáltica. Pode-se observar, na Figura 4.8, que, após uma chuva há concentração de
água na trilha de roda formada pelo afundamento por consolidação.

OBS. No afundamento por consolidação em trilha de roda, geralmente,


desenvolvem-se trincas dentro da trilha de roda.

Figura 4.8 - Afundamento por consolidação em trilha de roda (ATC) na camada


asfáltica

A Figura 4.9 mostra um afundamento por consolidação localizada (ALC) na


camada asfáltica, que é um defeito, provavelmente, causado:

- Pela baixa compactação do solo da base; e/ou


- Pela infiltração de água na base, e aumento da deormabilidade (ou diminuição do
módulo de resiliência) do material da base.

Pode-se observar, na Figura 4.9, que na região do afundamento por


consolidação a camada asfáltica apresenta trincas.

A Figura 4.10 ilustra uma rodeira ou afundamento plástico nas trilhas de roda
(ATP) na camada asfáltica, que é um defeito no pavimento, provavelmente,
causado:

- Pelo excesso de ligante asfáltico na mistura asfáltica; e/ou


- Pelo excesso de finos (ou material de preenchimento) na mistura asfáltica; e/ou
- Pelas altas temperaturas que causam a fluidez (ou movimentação) da massa
asfáltica.
13

Figura 4.9 - Afundamento por consolidação localizado (ALC) na camada


asfáltica

Figura 4.10 - Afundamento plástico nas trilhas de roda (ATP) na camada


asfáltica
14

A Figura 4.11 mostra um escorregamento de massa asfáltica (E) da camada


asfáltica, que é um defeito causado pelo excesso de ligante na massa asfáltica e
pela ação do tráfego.

Figura 4.11 - Escorregamento de massa asfáltica (E) da camada asfáltica

A Figura 4.12 ilustra um outro tipo de escorregamento da massa asfáltica,


que é um defeito causado pela falta de pintura de ligação entre a base e acamada
asfáltica.

Figura 4.13 mostra a corrugação (O) na camada asfáltica, a qual são ondas
com espaçamento pequeno entre as cristas das ondas (espaçamento de
centímetros a dezenas de centímetros); Provavelmente, a corrugação (O) é um
defeito no pavimento causado pela aceleração e desaceleração de veículos lentos e
pesados em locais de rampa.
15

Figura 4.12 - Escorregamento da massa asfáltica (E) causado pela falta de


pintura de ligação entre a base e acamada asfáltica

Figura 4.13 - Corrugação (O) na camada asfáltica, a qual são ondas com
espaçamento pequeno entre as cristas das ondas
(espaçamento de centímetros a dezenas de centímetros)
16

A Figura 4.14 ilustra uma exudação (Ex) na camada asfáltica, a qual é


causada pelo excesso de ligante na massa asfáltica. A exudação é um defeito
caracterizado pelo surgimento de ligante asfáltico em abundância na superfície da
pista, o que causa manchas escurecidas na pista.

Figura 4.14 - Exudação (Ex) na camada asfáltica

Figura 4.15 mostra a desagregação ou desgaste (D) dos agregados na pista,


que é um defeito, provavelmente, causado:

- Pela má adesividade ligante-agregado e ação do tráfego; e/ou


- Pelo pouco teor de ligante na massa asfáltica.

OBS. Desgaste ou desagregação é o desprendimento de agregados da massa


asfáltica.

A Figura 4.16 ilustra o polimento da pista ou exposição dos agregados


graúdos da pista; O polimento é um defeito do pavimento causado pela má
adesividade entre os agregados miúdos e o ligante asfáltico; Pois, os agregados
miúdos se soltam devido à ação do tráfego.
17

Figura 4.15 - Desagregação ou desgaste (D) dos agregados na pista

Figura 4.16 - Polimento da pista ou exposição dos agregados graúdos da pista


18

A Figura 4.17 mostra uma panela ou buraco (P) no pavimento na fase inicial,
quando ainda se concentra na camada asfáltica. A panela é um defeito no
pavimento causado por:

- Trincas no pavimento e ação do tráfego; e/ou


- Má compactação da massa asfáltica; e/ou
- Penetração de água na camada de base do pavimento; e/ou
- Ausência de pintura de ligação entre a base e a massa asfáltica.

Figura 4.17 - Panela ou buraco (P) no pavimento na fase inicial, quando ainda
se concentra na camada asfáltica

A Figura 4.18 mostra uma panela ou buraco (P) no pavimento em fase


avançada, quando o buraco penetra na camada de base do pavimento. A panela é
um defeito no pavimento causado por:

- Trincas no pavimento e ação do tráfego; e/ou


- Má compactação da massa asfáltica; e/ou
- Penetração de água na camada de base do pavimento; e/ou
- Ausência de pintura de ligação entre a base e a massa asfáltica.

A Figura 4.19 ilustra um remendo (R) na camada asfáltica, o qual se


distingue da pista. Apesar de ser uma atividade de conservação da pista os
remendos são considerados um defeito no pavimento.
19

Figura 4.18 - Uma panela ou buraco (P) no pavimento em fase avançada,


quando o buraco penetra na camada de base do pavimento

Figura 4.19 - Um remendo (R) na camada asfáltica

A Figura 4.20 mostra a foto de uma pista com segregação (ou separação) de
material. Observa-se, na Figura 4.20, que uma parte da pista que é brilhosa, há
concentração de ligante, enquanto a outra parte da pista parece ocorrer
desagregação (ou soltura) de material ou agregado.
20

As prováveis causas do defeito tipo segregação (ou separação) do material


da camada asfáltica são:

- Excesso de ligante em alguns pontos da massa asfáltica, e falta de ligante em


outros pontos da massa asfáltica; e/ou
- Má usinagem da massa asfáltica; e/ou
- Variações de temperatura na massa asfáltica, quando a massa asfáltica é
distribuída na pista.

Figura 4.20 - Pista com segregação (ou separação) de material

Figura 4.21 ilustra o bombeamento de finos na pista, ou seja, a subida de


material fino da base misturado com água para pista.

A causa do defeito bombeamento na pista associa-se:

- A existência de trincas na pista;


- A uma base saturada de água; e
- Ao tráfego que aumenta a pressão da água na base e faz a água e os finos
subirem para a superfície pelas trincas no pavimento.

A Figura 4.22 mostra um defeito denominado falha de bico de espargidor (ou


espalhador), que ocorre em camadas tipo tratamento superficial.

As setas, na Figura 4.22, indicam os pontos em que ocorre a falha no bico


do espargidor do ligante asfáltico, o que causa uma má aderência do agregado ao
ligante asfáltico, resultando no desprendimento do agregado da massa asfáltica
devido ao tráfego.
21

Figura 4.21 - Bombeamento de finos na pista, ou seja, a subida de material fino


da base misturado com água para pista

Figura 4.22 - Falha de bico de espargidor (ou espalhador), que ocorre em


camadas tipo tratamento superficial
22

Figura 4.23 ilustra um recalque diferencial na pista, que é um defeito no


pavimento, provavelmente, causado:

- Pela má compactação das camadas subjacentes do pavimento; e/ou


- Pela má compactação do subleito do pavimento; e/ou
- Pelo recalque por adensamento do subleito.

Figura 4.23 - Recalque diferencial na pista

5 Atividades de manutenção e reabilitação do pavimento

A Tabela 5.1 mostra uma série de defeitos que ocorrem nos pavimentos de
asfalto ou flexíveis, e indica algumas atividades de manutenção e reabilitação
recomendadas para o pavimento.

 As atividades de manutenção têm por objetivo preservar ou manter o período


para o qual o pavimento foi projetado, ou seja, evitar a deterioração precoce (ou
antes do tempo) do pavimento.

 As atividades de reabilitação têm por objetivo aumentar o período para o qual o


pavimento foi projetado, ou seja, aumentar a vida de projeto do pavimento.
23

Tabela 5.1 - Algumas atividades de manutenção e reabilitação dos defeitos

Tipo de defeito Atividade de manutenção e reabilitação


Manutenção: Remendo do pavimento (em caso localizado);
Trinca por fadiga do revestimento (ou Aplicação de lama asfáltica; ou aplicação de tratamento
trica couro de jacaré) superficial.
Reabilitação: Recapeamento do trecho.

Manutenção: Aplicação de selante, ou aplicação de tratamento


Trincas em bloco superficial, ou aplicação lama asfáltica, ou recapeamento fino.

Reabilitação: Recapeamento do trecho.


Manutenção: Tricas com abertura de 3 a 20 mm devem ser
limpas e receber selante.
Trinca longitudinal
Reabilitação: Trincas com abertura superior a 20 mm devem ser
reparadas com remendo.

Manutenção: Tricas com abertura de 3 a 20 mm devem ser


limpas e receber selante, ou receber aplicação de tratamento
Trinca por reflexão, trincas por superficial ou lama asfáltica.
retração (devido a baixas
temperaturas) Reabilitação: Recapeamento. Tricas maiores que 20 mm devem
receber remendo de tratamento superficial ou CAUQ de
granulometria fina.

Manutenção: Utilizar selante para evitar entrada de água, que


Trincas transversais
causa enfraquecimento estrutural do pavimento.

Manutenção: Selagem da tricas com selante para evitar que a


Trincas nos bordos da pista
água penetre no pavimento e cause enfraquecimento estrutural.

Manutenção: Execução de remendos.


Corrugação
Reabilitação: Retirada da capa asfáltica por fresagem,
nivelamento da pista e execução de nova capa asfáltica.

Manutenção: Execução de remendos (ou tapa buracos).


Panelas ou buracos
Reabilitação: Recapeamento da pista (ou reforço estrutural) após
a execução dos remendos.

Manutenção: Aplicação de lama asfáltica ou realização de um


tratamento superficial.
Agregados polidos
Reabilitação: Construção de uma camada fina sobre a camada
com polimento.
Manutenção: Realização de um tratamento superficial, ou
aplicação e compactação de areia quente a qual deve ser varrida
Exudação após a aplicação.
Reabilitação: Fesagem da capa asfáltica e reconstrução da capa
asfáltica com material de melhor qualidade
24

Tabela 5.1 - Algumas atividades de manutenção e reabilitação dos defeitos


(Continuação)

Tipo de defeito Atividade de manutenção e reabilitação

Manutenção: Aplicação de selante, ou aplicação de lama


asfáltica.
Desgaste ou desagregação
Reabilitação: Recapeamento com uma camada fina de asfalto
sobre a camada com o problema.
Manutenção: Realização de drenagem profunda no pavimento, e
Bombeamento fresagem e reconstrução do trecho com problema de
bombeamento.
Manutenção: Preenchimento das depressões: Recapeamento
Deformação permanente fino (nas fases iniciais), ou recapeamento espesso quando a
(Afundamento por Consolidação em deformação for profunda.
Trilha de Roda ATC; e Afundamento
Plástico nas Trilhas de Roda ATP) Reabilitação: Fresagem e reconstrução da base e/ou da capa
asfáltica.
Remendo Reabilitação: Fresagem e reconstrução da capa asfáltica.

Referências Bibliográficas

A GUIDE TO THE VISUAL ASSESSMET OF PAVEMENT CONDITION -


Austroroads Publication N. AP-8/87. Sydney, Australia,1987. 76p.

BERNUCCI, L. B.; MOTTA, L. M. G.; CERATTI, J. A. P.; SOARES, J. B.


Pavimentação asfáltica. Rio de Janeiro - RJ: Gráfica Imprinta, 2008. 501p.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. DNIT


005-TER: Defeitos nos pavimentos flexíveis e semi-rígidos: terminologia. Rio de
Janeiro, 2003.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. DNIT


006-PRO: Avaliação objetiva da superfície de pavimentos flexíveis e
semirígidos. Rio de Janeiro - RJ. 2003.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. DNIT


007-PRO: Levantamento para avaliação da condição de superfície de subtrecho
homogênio de rodovias de pavimentos flexíveis e semirígidos para gerência de
pavimentos e estudos de projetos. Rio de Janeiro - RJ. 2003.

FERNANDES JÚNIOR, J. L.; ODA, S.; ZERBINI, L. F. Defeitos e atividades de


manutenção e reabilitação em pavimentos asfálticos. São Carlos - SP:
Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo, 1999. 101p.

MEDINA, J. Mecânica dos pavimentos. Rio de Janeiro - RJ: Universidade Federal


do Rio de Janeiro, 1997. 380p.

NOGAMI, J. S.; VILLIBOR, D. F. Pavimentação de baixo custo com solos


lateríticos. São Paulo - SP: Editora Vilibor, 1995. 213p.