Você está na página 1de 8

O Evangelho

O que é o Evangelho?

A palavra Evangelho vem do grego Euaggelion que significa boas notícias, boa mensagem. Essa
boa notícia consiste na obra de Deus em salvar pecadores através da morte de Seu Filho Jesus
Cristo, na cruz do calvário.

O tema central do Evangelho é a vida, morte, sepultamento e ressurreição de Cristo:

1. Irmãos, lembro-vos do Evangelho que vos preguei, o qual também recebestes e no qual
estais firmes.

2. Por meio dele também sois salvos, desde que vos apegueis com convicção à Palavra que vos
anunciei; caso contrário, tendes crido em vão.

3. Porquanto, o que primeiramente vos transmiti foi o que também recebi: que Cristo morreu
pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,

4. foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, conforme as Escrituras,

(1 Coríntios, 15)

Essa é a essência do Evangelho. Nisso consiste a mensagem do Evangelho. Dizer o que Deus fez
pelo homem, através da morte de Cristo na cruz do calvário. Para que através dessa obra na
cruz, o homem seja perdoado dos seus pecados e receba salvação ( vida eterna).

Mas, porque Cristo teve que morrer na cruz?

Resposta: Para a nossa JUSTIFICAÇÃO

A Doutrina da Justificação

Santo
Pecador
Justo
Caído

Corrupto

O Carácter de Deus O Carácter do Homem

As Escrituras sagradas nos ensinam que Deus é um Deus é justo.Sendo justo, Ele não pode ser
moralmente neutro (nem é a favor, e nem é contra ) ou apático ( indiferente). Ele ama a justiça
e odeia o mal:
25. Longe de ti cometeres tal atrocidade: fazer morrer o justo com o pecador, de modo que o
justo seja tratado como o pecador! Longe de ti! Não fará justiça o Juiz de toda a terra?”

(Gênesis, 18)

4. Porque tu, ó Deus, não tens prazer na injustiça, e contigo não pode habitar o mal.

5. Os arrogantes não são aceitos na tua presença; odeias todos os que agem com maldade.

(Salmos, 5)

A justiça de Deus Ele condene o Pecador

Ordena que:
Corrupto

Carácter de Deus. Carácter do Homem

Essa condenação é aplicada, enviando o pecador ao “inferno”. A justiça de Deus, demanda que
aplique a punição ao pecador. Essa punição, vem na forma de condenação “ETERNA.”

Como então um pecador pode ser salvo?

Como um pecador pode ser perdoado dos seus pecados?

Como ele pode escapar do inferno e ir ao céu?

O salmista fez essa mesma pergunta no salmo 24:

3. Quem pode subir ao monte do SENHOR? Quem pode ficar de pé no seu santo lugar?

(Salmos, 24)

Ele mesmo dá a resposta no salmo 24:4-5:

4. Aquele que tem as mãos limpas e o coração puro, e não se entrega à mentira, nem age com
falsidade.

5. Este receberá do SENHOR a bênção, e Deus, o seu Salvador, lhe fará justiça.

(Salmos, 24)

Aquele que é “Justo”. Só um justo pode ir ao céu, só um justo pode escapar da condenação. O
pecador, para ser salvo necessita da “justificação”, ele necessita ser “justificado”.

16. Por isso, não se pode comparar a graça de Deus com a consequência do pecado de um só
homem; porquanto, o julgamento derivou de uma só ofensa que resultou em condenação,
mas o dom gratuito veio de muitas transgressões e trouxe a justificação.

(Romanos, 5)
16. estamos plenamente conscientes, entretanto, que o ser humano não pode ser justificado
pela prática da Lei, mas somente por meio da fé em Jesus Cristo. Sendo assim, nós também
viemos a crer em Cristo Jesus a fim de sermos justificados pela fé em Cristo, e de forma alguma
pela prática da Lei, porquanto é certo que por praticar a Lei ninguém será capaz de ser
justificado.

(Gálatas, 2)

7. Ele assim procedeu para que, justificados mediante sua graça, nos transformássemos em
seus herdeiros, tendo a esperança da vida eterna.

(Tito, 3)

Justificação

Significa: “Vindicar, inocentar, pronunciar e tratar como justo”.

Este é um termo ( grego “ dikaiosis” ) que se refere ao julgamento judicial. Não significa tornar
alguém completamente reto ou santo ( sem pecado ), mas anunciar um veredito favorável,
declarar o pecador legalmente justo diante de Deus.

Justificado ( grago “dikaióo” ) significa: “reconhecer ou declarar alguém como justo”.

Mas, a justificação do pecador por parte de Deus, nos leva a um grande “dilema” contido nas
Escrituras:

15. Há duas injustiças que o SENHOR abomina: que o inocente seja condenado e que o culpado
seja colocado em plena liberdade como justo.

(Provérbios, 17)

“Eis o dilema”: Como Deus justifica o ímpio ( que é merecedor do inferno ) sem se tornar uma
abominação?

Resposta: “Através da morte de Cristo na cruz do calvário”

Para entendermos de que maneira fomos justificados pela morte de Cristo na cruz, primeiro
necessitamos de conhecer uma doutrina chamada:

“Doutrina da Imputação”

Imputação ( do verbo imputar ) significa atribuir a alguém alguma coisa, creditar, colocar na
conta.

6. Considerai, pois, o exemplo de Abraão: “Ele creu em Deus, e isso lhe foi creditado como
justiça”.

(Gálatas, 3)

4. Porá a mão sobre a cabeça do animal do holocausto para que seja aceito como propiciação
em seu lugar.

5. Em seguida imolará o novilho diante do SENHOR, e os filhos de Arão, os sacerdotes,


oferecerão o sangue. Eles o derramarão ao redor, sobre o altar que se encontra na entrada da
Tenda do Encontro.

(Levítico, 1)
21. Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode e confessará sobre ele todas as
iniquidades e rebeliões dos israelitas, todos os seus pecados, e os porá sobre a cabeça do
bode. Em seguida enviará o bode para o deserto aos cuidados de um homem designado para
isso.

22. O bode carregará consigo todas as iniquidades do povo para um lugar solitário. E o homem
soltará o bode no deserto.

(Levítico, 16)

Porque o sacerdote fazia isso?

R: Ele estava transferindo (imputando) simbolicamente os pecados do povo de Israel ao


animal.

Jesus é visto como o cordeiro que tira (remove) o pecado do mundo:

29. No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha caminhando em sua direção, e disse: “Eis o
Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

(João, 1)

Como ele fez isso?

R: Através da CRUZ.

Homem. Jesus

Vvvv.

Pecador Justiça

Na cruz, nossos pecados são imputados (transferidos) a Cristo.


Pecador

Pecador

21. Deus fez daquele que não tinha pecado algum a oferta por todos os nossos pecados, a fim
de que nele nos tornássemos justiça de Deus.

(2 Coríntios, 5)

24. Ele levou pessoalmente todos os nossos pecados em seu próprio corpo sobre o madeiro, a
fim de que morrêssemos para os pecados e, então, pudéssemos viver para a justiça; por
intermédio das suas feridas fostes curados.

(1 Pedro, 2)

Agora quando Deus olhar para o seu filho na cruz, o que ele vê? Santidade, justiça? Não! Um
monte de pecado. Eles foram imputados a Jesus.

O que ocorre na cruz? A ira de Deus que era para cair sobre nós é despejada sobre Cristo, por
nossos pecados terem sido imputados nEle.
4. E no entanto, suas dores eram as nossas próprias enfermidades que ele carregava em seu
ser. Sobre seu corpo levou todas as nossas doenças; contudo nós o julgamos culpado e
castigado por Deus. Pela mão de Deus ferido e torturado.

5. Mas, de fato, ele foi transpassado por causa das nossas próprias culpas e transgressões, foi
esmagado por conta das nossas iniquidades; o castigo que nos propiciou a paz caiu todo sobre
ele, e mediante suas feridas fomos curados.

(Isaías, 53)

Agora se isso foi tudo o que ocorreu na cruz a imputação dos nossos pecados em Cristo isso
não é o suficiente para nós justificar. Isso apenas nos deixa inocente do pecado, no máximo
nos livraria do inferno, isso não nos torna justo, não nos dá méritos para ir ao céu. Não é
inocência que nos leva para o céu, e sim justiça.

20. Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo
nenhum entrareis no Reino dos Céus.

(Mateus, 5)

Não há justiça no Homem para ele ser salvo, não há justiça nele para ele ser considerado justo
diante de Deus. Para isso ocorrer a justiça de Cristo deve ser imputada ao Homem.

Por isso é que Cristo obedeceu todos os mandamentos, cumpriu toda a justiça de Deus, foi
obediente a toda a lei de Moisés. Ele foi o único homem justo na terra.

14. Mas João se recusava, justificando: “Sou eu quem precisa ser batizado por ti, e vens tu a
mim?”

15. Jesus, entretanto, declarou: “Deixe assim, por enquanto; pois assim convém que façamos,
para cumprir toda a justiça”. E João concordou.

(Mateus, 3)

17. Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Eu não vim para anular, mas para
cumprir.

(Mateus, 5)

- Jesus cumpriu toda a lei de Deus

-Jesus cumpriu toda a justiça de Deus

-Ele foi considerado totalmente justo sem pecado e possui a todos os méritos da lei.

Mas, o que ocorreu naquela Cruz?

R: Houve uma dupla transferência, uma dupla imputação, no momento em que o pecador crê,
ele não somente tem os seus pecados imputados a Cristo, mas a justiça de Cristo é imputada
sobre ele!
11. Logo depois do sofrimento ele contemplará o resultado da sua obra, o empenho de sua
alma, e ficará satisfeito; mediante a sua sabedoria, o meu Servo, o Justo, justificará a muitos e
tomará sobre si mesmo as más obras dos seres humanos.

(Isaías, 53)

21. Deus fez daquele que não tinha pecado algum a oferta por todos os nossos pecados, a fim
de que nele nos tornássemos justiça de Deus.

(2 Coríntios, 5)

Não significa que o homem se torne totalmente santo, ou que nunca mais peque, mas os
méritos de Cristo por ter cumprido toda a lei, os méritos da obediência de Cristo, a justiça de
Cristo é imputada ao homem.

E quando é que isso ocorre?

R: No momento que o pecador crê. Pela Fé!

24. sendo justificados gratuitamente por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo
Jesus.

25. Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação por meio da fé, pelo seu sangue,
proclamando a evidência da sua justiça. Por sua misericórdia, havia deixado impunes os
pecados anteriormente cometidos;

26. mas, no presente, demonstrou a sua justiça, a fim de ser justo e justificador daquele que
deposita toda a sua fé em Jesus.

(Romanos, 3)

1. Portanto, havendo sido justificados pela fé, temos paz com Deus, por meio do nosso Senhor
Jesus Cristo,

(Romanos, 5)

A justificação de um pecador (a imputação dos seus pecados a Cristo e a imputação da justiça


de Cristo ao pecador) ocorre pela fé. E como a fé acontece?

R: Através da exposição do Evangelho

16. Porquanto não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação
de todo aquele que nele crê; primeiro do judeu, assim como do grego;

17. visto que a justiça de Deus se revela no Evangelho, uma justiça que do princípio ao fim é
pela fé, como está escrito: “O justo viverá pela fé”.
(Romanos, 1)

8. Porém, Deus comprova seu amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido em nosso
benefício quando ainda andávamos no pecado.

(Romanos, 5)

1. Portanto, agora não há nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus.

(Romanos, 8)

17. Como consequência, a fé vem pelo ouvir as boas novas, e as boas novas vêm pela Palavra
de Cristo.

(Romanos, 10)

Fontes bibliográficas
YouTube. Canal Defesa do Evangelho,
Série Evangelismo Parte 7 “A Doutrina da Imputação”-
Pr. Paulo Júnior
Versão Bíblica Utilizada: Bíblia King James Atualizada( KJA)

Emanuel Pedro