Você está na página 1de 4

IMPLANTAÇAO DA LEI NO BRASIL

A Lei 11.705, aprovada em 2008, ficou mais conhecida


como Lei Seca por reduzir a tolerância no nível de álcool no
sangue de quem dirige

O trânsito de qualquer natureza, no Brasil, tem grande


parte de suas normas compiladas no código de trânsito
brasileiro.

O Código é de 1997 e, desde sua origem, já previa o crime de


embriaguez ao volante, punindo motoristas que dirigiam sob a
influência de álcool ou de substâncias análogas.

Com a implantação da chamada Lei Seca em 2008, a legislação


ganhou um reforço muito grande na prevenção de acidentes.

O texto era uma medida provisória que foi convertida em lei,


trazendo efeitos para o mundo do trânsito e, também, afetando
o comércio e as propagandas de bebidas alcoólicas.

A finalidade dessa lei era disseminar uma mudança na


cultura social: que não se visse mais como corriqueiro e normal
o ato de beber e depois conduzir um veículo.

Logo que essa lei foi implantada, motoristas que


apresentassem limite de 0,2 gramas de álcool por litro de sangue
eram condenados a pagar multa de R$957, além das demais
penalidades, como pontuação na carteira.

Essas 0,2 gramas de álcool se referiam à margem de erro do


bafômetro, o que implicava que, de fato, a tolerância era zero
desde a promulgação da Lei Seca no Brasil.
Ocorre que a comprovação da embriaguez se mostrava
complexa, e muitos motoristas, que se recusavam a passar por
qualquer tipo de exame, acabavam por sair impunes.

Entrou em vigor, então, uma legislação de 2012, endurecendo


os parâmetros e evitando as controvérsias que davam brechas
para a impunidade na legislação anterior.

A Nova Lei do Trânsito, a Lei 13.281 de 2016, tornou ainda


mais acirrado o combate à impunidade dos motoristas
embriagados.

Essa Lei entrou em vigor no dia 1º de Novembro de 2016,


aumentando significativamente os valores das multas aplicadas
aos motoristas infratores.

Além disso, estabeleceu uma multa exclusiva para quem se


recusa a passar pelo teste do bafômetro.

O nome lei seca pode remeter à


famosa prohibition americana, que vigorou no início do Século
XX e vedava, por completo, a venda e o consumo de álcool nos
EUA.

Redes sociais no século XIX


A Terceira Revolução Industrial foi um grande fator que
contribuiu para o desenvolvimento dos meios de comunicação
e da tecnologia, dentre outros, desde 1900 e até os dias atuais.
Com a globalização e o ativismo social, trouxeram a internet
como um meio de comunicação mais eficaz e na maioria das
vezes acessível a grande parte da população brasileira. Com o
intuito de inteirar os indivíduos as notícias do mundo, e as
questões políticas, culturais e socioeconômicas. Mas, em
algumas regiões ainda não tem acesso a essa rede de
comunicação.

Todavia, como Facebook, Twitter, Youtuber, Whatsapp entre


outros, são usados como um mecanismo de comunicação
entre as pessoas em certa distância, a se comunicarem e se
relacionarem e tornando possível a união de países e povos.
Contudo as redes digitais, idem, podem persuadir
determinados grupos de pessoas usando uma das redes
citadas acima, alienando-os a lutarem por uma causa que
acreditem ser justa e corretas, como aconteceu na Primavera
Árabe.

Portanto, mediante as abordagens acima citadas, o uso da


internet é essencial para todos, porém em alguns interiores das
regiões brasileiras não possuem acesso a tal meio, logo, faz
necessário por partes dos governos levar a internet para todos
os desfavorecidos, com o objetivo de intera-los as notícias do
brasil e do mundo.

OBJETIVO
O objetivo das redes sociais é ligar pessoas
conhecidas ou não, com ideais semelhantes. O uso da
internet facilitou muito o desenvolvimento dessas
ferramentas, pelo fato de ultrapassar os limites
geográficos. As redes sociais sempre estiveram
presentes na vida do homem se levarmos em
consideração que ele é um ser social e que sempre
viveu em grupos de conhecidos.

A primeira rede social informatizada foi criada no


ano de 1997, mas a SixDegrees, não foi bem sucedida
financeiramente. Em 2000, novas apostas foram
inseridas no mercado, mas não obtiveram sucesso. A
que mais se assemelhava ao conceito de rede social
usada pela sociedade atual foi a Friendster, criada no
ano de 2002, uma das pioneiras no segmento, que
obteve inúmeros usuários devido ao fato de ter
funcionalidades inovadoras para a época. Entretanto, a
rede cresceu tanto que acabou não atendendo a toda a
demanda. Mesmo com todos os problemas que se
tinha com as redes sociais da época, as pessoas e
organizações continuaram acreditando no futuro das
mídias de relacionamento, iniciando um processo de
estudos e investimentos significativos para o
desenvolvimento de novas ferramentas.