Você está na página 1de 5

5()(',7$/'(&21&85623Ò%/,&21ž


 
 $7(1d­2


• Você está recebendo do fiscal um caderno de questões com 30 (trinta) questões


que compõem a prova escrita objetiva numeradas seqüencialmente e também uma
Folha de Respostas personalizada para transcrever as respostas da prova


objetiva.

 ,16758d®(6





Observe no quadro acima se o caderno de questões é o correspondente ao cargo
no qual você fez a inscrição. Caso não esteja correto, solicite a substituição para o


 fiscal de sala, o qual deverá lhe fornecer o caderno de questões correto.
Verifique se esse caderno está completo e se a numeração das questões está

  correta.


Confira seu nome completo, o número de seu documento e a sua data de
nascimento na Folha de Respostas, e caso encontre alguma irregularidade,


  solicite a um dos fiscais que faça a correção.
O candidato deverá transcrever as respostas das provas objetivas para a folha de


respostas, que será o único documento válido para a correção das provas. O


  preenchimento da folha de respostas é de inteira responsabilidade do candidato.
A Folha de Respostas não pode ser dobrada, amassada, rasurada ou conter


 qualquer marcação fora dos campos destinados às respostas.
Na correção do cartão resposta, será atribuída nota 0 (zero) às questões não


assinaladas, que contiverem mais de uma alternativa marcada, emenda ou rasura,


 ainda que legível. 


Você dispõe de para fazer a prova, incluindo a marcação da Folha


 de Respostas, conforme disposto no item 6.16 do edital de abertura.


O candidato somente poderá se retirar do local de realização "! #das
$ %'provas
&()+depois
*,! 
de -.decorrido
  ()/60
0(sessenta)
)21"3 )#4minutos do
seu
)5&%5 #62 7início. 
"30
 "+ #2)$//! # 89! (: ! 0


&( ;   
, conforme disposto no item 6.16 e 6.17 do edital de abertura.


<
Será eliminado do concurso, dentre outras situações, o candidato que: deixar o


local de realização da prova sem a devida autorização, tratar com falta de
urbanidade examinadores, auxiliares, fiscais ou autoridades presentes, proceder


de forma a tumultuar a realização das provas, estabelecer comunicação com
outros candidatos ou com pessoas estranhas, por qualquer meio, e utilizar-se de


=6  material não autorizado, conforme disposto no item 6.14 do edital de abertura.


Os três últimos candidatos de cada sala de prova somente poderão retirar-se da
## sala simultaneamente, conforme disposto no item 6.14.7do edital de abertura.


O candidato, ao encerrar a prova objetiva, entregará ao fiscal de sua sala, a folha
de resposta devidamente assinada e o caderno de provas, conforme o caso.


= 
As provas aplicadas estarão disponibilizadas no site www.aocp.com.br no primeiro
=  dia útil subseqüente à aplicação das provas.
Qualquer tentativa de fraude, se descoberta, implicará em imediata denúncia à
polícia federal, que tomará as medidas cabíveis, inclusive com prisão em flagrante


dos envolvidos.

 >@?(ACBD E(AGFIH

J J J5VW J 6  XZx@- _-s) ‰&)Š )‹()dp! !  - Œ
? DNO? ? ? D  &+Ž
LK5M KQPRTS S2U TS )#+)-Z!  _#`(Žo(## ) )#*/! 
+)[ ! q= _#` ƒ).3-„&(=\)#+"X2x-‘ _#-s)ƒ).3-
6#XZY'&(+) !  2&([ )]\C^3(+ _#`a(2&(b\)#a) -c(#,# &(\+)u()=;)ip! d+#q)’i)o"3!  +)#m"tb\+)#/! ;f
(3 ed # )#(X ,!   f();)  ) (
) )g)-h)#+[
)# ?w ?
J
 U ))i(j&+(3# XOkI) d/! (! l((m
-Z&" P
! (3-  Z )) -n)-Z&(+) o Z)f p3q  -l a) definir o custo de execução de cada atividade ou serviço.
-Z& ) +)#rh&\+)#fs)+t) [ ) )$3-u&([   c) b) constituir-se em documentação contratual, servindo de
 "(X &([ )v\ - )e& )-Z! ) f?w J  ? base para o faturamento da empresa executora do
  P projeto.
a) definir a organização para executar a obra. c) servir como referência na análise dos rendimentos obtidos
b) tomar decisões. dor recursos empregados na execução do projeto.
c) alocar recursos d) fornecer, como instrumento de controle da execução do
d) visão de curto prazo do gerente. projeto, informações para o desenvolvimento de
e) caracterizar a autoridade do gerente. coeficientes técnicos confiáveis.
6 XZx@-y&(=\)'&((),)  +)/! q= ('&"Cd )#$1"3)Q ) e) materiais e equipamentos incorporados à obra.
"t()&4() -r) 1"3)s`, -z [ -s)+)Z! ))&)())f 6  XZ>I)[  ! " )“ [ #(! d/! _#4()#s 3#"ˆ
()dp! ! ( -     

a) Viabilidade Técnico-Econômica; Implementação; Pré- D X„”C##yd+)!  -„! 3(-  - €-s` ) "t(+ f
operação; Operação ou Utilização. -s)p! ! “)“) 1" 3(! & -s)(X 
b) Área física; item principal; Sistema; Pacote de trabalho. DDX -s#%p! l)•+(nno -m)[ ) -s)
S (=\p3#; +)#l) ) */! n– "/+ )#+r)[ t"+ _#` 
c) Projeto conceitual; Projeto básico; Projeto detalhado; (e&("3#"X  
/compras.
d) Arquitetura e arranjo; Civil; Terraplanagem; Prédios; DDDX `•913 )—&(+#/!  -s)+)— `9;/! -˜&+—3(-s
S 8d! ‚z)8;"[ 3 -s)“) &((3_` "X
Materiais.
e) Preparação do terreno; Concreto; estruturas metálicas; D ™gX `Zs1"3 )…;)p! -}f()…d"-z &(& ! " [)z! )+
S) -d/3_` O91"3 p! ()93—(9"! -z) `O(
Edificações.
&(3# &("3q ! ((X
6 XZx@-sl"o(! q_#`{&(()n )( ! )+  - {3(- ™gX `š " #p! p3: (.&)[ #.& )[ ‡() 3 #
(! #) -s -Z&|) o/3(&}() zp+t [
f+) [ _#4)}() ; S /! *;)[)“ ) 3sdp! ‚"X  
3"!  ) 2)  +)/! q= _#` 9)0)(&" t! [ !  ) f~() 
- (13 )  € 3-(.)3 ! +) o"+#).! t
)‚#+-s) +) 13 [ƒ„(3„)=dXN…()/ -s)+)f
! /! o3 ) -  )†"! ‡o"+)#‡o"/3&‡)†)#//3/3+# a) I - Custo indireto; II – Custo direto; III – Custos fixos; IV –
o(! q= ! "! X `})[ )#"ˆ Custos variáveis; V - Custos totais.
 S b) I - Custo indireto; II – Custo direto; III – Custos variáveis;
a) Estruturas tradicionais: caracterizada por alto nível de IV – Custos fixos; V - Custos totais.
formalização, unidade de comando, alta especialização; c) I - Custo direto; II – Custo indireto; III – Custos fixos; IV –
comunicação vertical; departamentalização. Estruturas Custos variáveis; V - Custos totais.
inovativas ou modernas: são do grupo comportamentista, d) I - Custo direto; II – Custo indireto; III – Custos fixos; IV –
considerando na sua formação não só mudanças no Custos variáveis; V - Custos semivariáveis.
comportamento de seus integrantes, como também a e) I - Custos fixos; II – Custo indireto; III – Custo direto; IV –
velocidade dessas mudanças. Custos variáveis; V - Custos semivariáveis.
b) Estrutura Analítica operacional: é definida no Plano
mestre e retrata a organização da equipe que irá 6#XZ?-›3-œ&([  )]\ -s))ž"t(fŸ1"3)` 
implementar, em nível operacional. Estruturas inovativas ! )+ (…)7;(! _#( &(+)[ ! -Z!  +)# 

ou modernas: são do grupo comportamentista, a) Movimento de terra, Esgotamento, Remoção das
considerando na sua formação não só mudanças no escavações.
comportamento de seus integrantes, como também a b) Limpeza do terreno, Canteiro de obra, Locação de obra.
velocidade dessas mudanças. c) Canteiro de obra, Movimento de terra, Esgotamento.
c) Estrutura Analítica operacional: é definida no Plano d) Esgotamento, Remoção das escavações, Locação de
mestre e retrata a organização da equipe que irá obra.
implementar, em nível operacional. Estruturas inovativas e) Limpeza do terreno, Canteiro de obra, Movimento de
ou modernas: são do grupo comportamentista, terra.
considerando na sua formação não só mudanças no
comportamento de seus integrantes, como também a 6 X“A¡(! [ )ž‹[ )p p! ; ‹13 )Ž&(+))
)‹¢d/)
J
velocidade dessas mudanças. /+)#+-s))X #=(L1"3 )09)/)—&(+)#)+
+)#! # ! ' ()1"3(a\+*')-ƒ3 5(3(& )7d/: ! ) f“& ++)   )
d) Estruturas inovativas ou modernas: Caracterizada por:
Alto nível de formalização, unidade de comando, alta & +… (( _`}) 3-s…"[ 3_#`})sX X X X X X X X X X X X X X X X  X X X X X X X X X X X X X X X X X X X
especialização; comunicação vertical; a) Estacas pré-moldadas.
departamentalização. Estruturas tradicionais: são do b) Estacas moldadas “in loco”.
grupo comportamentista, considerando na sua formação c) Fundação indireta.
não só mudanças no comportamento de seus integrantes, d) Fundação direta.
como também a velocidade dessas mudanças. e) Fundação profunda.
e) Estruturas tradicionais: são definidas no plano mestre e
retrata a organização da equipe que irá implementar, em
nível operacional. Estrutura Analítica operacional: são do
grupo comportamentista, considerando na sua formação
não só mudanças no comportamento de seus integrantes,
como também a velocidade dessas mudanças.
J
6 X“A¡ ! [ )‹£[ +)/ #/! ;£1"3 ) -Z&([ )#+‹žd/+# ) =X“A‘>I)# [ 3(_`  AGNªA‘ «°X—66 ±­ Ÿ"t ) () )+*Ÿ–
W ¤
"/) -s)+)X -s•&+•&! [ +) T` "/! /3: # ) o"3(! )"! +)#//! q8)K (XekI)p7)n)[ #f|&(()  )n()
 + 
()e13 p^+*t(3 #R[ #+)+! f")#/p! t# -  ! #R& + &)# 3- z#z[ +)/ #/! ;XbA¡#(! [ ) X 
);(! an )3rt3([  -s)’#c   )o)-ZX
¥ 3 (ŒŒ&(! [ +)#¦` Œ()Š )_ `   !  3([ f a) Contemplar todas as alternativas tecnológicas e de
X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X…X   localização do projeto, confrotando-se com a hipótese de
não-execução do projeto.
a) as tábuas são substituídas por caibros de 1 x 2 para b) Mensurar o valor em moeda corrente dos impactos
permitir a curvatura. As cintas são cortadas de retalhos de ambientais gerados.
tábuas mais largas, já em forma circular. c) Não considerar os planos e programas governamentais
b) deve-se usar tubos de PVC dos mais diferentes diâmetros propostos e em implantação na área de influência do
para ter uma forma circular perfeita para a estrutura. projeto, e sua compatibilidade.
c) as tábuas são substituídas por sarrafos de 1 x 2 para d) Definir apenas os limites da área geográfica a ser
permitir a curvatura. As cintas são cortadas de retalhos de diretamente afetada pelos impactos.
tábuas mais largas, já em forma circular. e) A fase de implantação do projeto deve se prioridade no
d) as tábuas são substituídas por sarrafos de 1 x 5 para projeto de licenciamento ambiental.
permitir a curvatura. As cintas são cortadas de retalhos de  X "t()‡š+)(_`€)š[ 3‡+§ ! f©# !  [ )y
tábuas mais estritas, já em forma circular. S[ )/p! ;Ÿ13 )i&+)#)
) "/)=  -s )+)Ÿ#®[ ! (

e) não há maneira de realizar o serviço sem a ajuda de um &"/! [
(“t! ‚"X  
serralheiro.
J
6< X ™ : o"! (a§, ) -{"¨;(! a2-s+)/! [-s! ©3#p! [ ! q( ² & )p! ³\/3! ! [);)´+) "! o"! Ž )3œ[ 3(
c U
^+) ()#e()Z"! #p/! t3(! _` ,)}*o3 d//! f)|! e)Z)#;) )=;  ! +("X X X X X X X X X X X X X X X X X  X X X X X X X X X X X X X X fŒdq)( () - (
&/!  ! & [ -s))T–T)o3(! +)#0;o)—&(+)# )+  X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X)sX X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X µ
J
&"") +) &(+(3#"f ?w ?
P
a) facilidade na instalação. a) prolixidade; obscuro; nebuloso.
b) alta resistência à pressão. b) prolixidade; objetivo; claro.
c) leveza. c) dúvidas; técnico; rebuscado.
d) facilidade de uso tanto para água fria ou aquecida. d) a linguagem técnica; objetivo; claro.
e) menor perda e baixo custo. e) a linguagem técnica; obscuro; nebuloso.
6 XZkI…z()dp! (! _`  "p+)“)“d+[ "X  X 1"3)©` 91"3 )#! ')/T0+)  _` 9)0[ 3(')
 & +) ))…§ (! ( 
a) É uma mistura orgânica complexa de hidrocarbonetos   
pesados, freqüentemente acompanhados de seus a) Quesitos são as perguntas que a parte que está sendo
derivados não metálicos, de origem natural ou pirogênica, citada pode formular para serem respondidas pelo perito
caracterizando-se por uma força adesiva e por ser judicial e seus assistentes técnicos.
inteiramente solúvel no sulfeto de carbono. b) Quesitos são as perguntas que ambas as partes ou as
b) São materiais constituídos predominantemente por várias partes envolvidas no processo podem formular
betumes, e que se apresenta, à temperatura ordinária, no para serem respondidas juiz, responsável pelo caso.
estado sólido ou quase sólido e possui densidade em c) Quesitos são respostas que ambas as partes ou as várias
torno de 1. partes envolvidas no processo recebem a respeito do
c) São materiais constituídos predominantemente por seus questionamentos.
betumes e que se apresenta, à temperatura ordinária, d) Quesitos são as cláusulas do laudo.
como líquidos oleosos de grande viscosidade e possui e) Quesitos são as perguntas que ambas as partes ou as
cheiro de creolina. várias partes envolvidas no processo podem formular
d) São misturas de 11 a 17% de betume, com muita argila e para serem respondidas pelo perito judicial e seus
pedrisco. assistentes técnicos.
e) São constituídos de feltros ricos em algodão ou de
papelão absorvente, embebido com betume. > x©”Lx2¶
U, P S
J
#XZkI) "( -uc>I)#"[ 3_#` AGNªAŸ«¬XZ66]­7 f
()& ))+*ƒš)[ t" _#`˜)€?…#Kp3(Ÿ)€! -Z&  
  ™)s)z "[
 S
-Zt(! ) +[),)3 ©+)#&) p! ;©+)[ #%/! R#R ) o"3(! )
J  ; )})“"[ - ) _#+-•z!  3/! & +… t )¯1"3 [#((
#/! ;! ()f?w ?
P" ("!  )+}-s!  sd" )X !  f;! + -3-•;(! ]\+)s(
a) ferrovias. & )[ £)#/+ ‹) K -Zt(!  + -›1"3)‹1"3)[ )£1"3)
b) estradas de rodagem com duas ou mais faixas de  ) o"3(!  )ld+#q=)5 ‡
-s) -·/! +5   f| )/! 
rolamento.  ! )+ (^^-s!  d7+)}(Z("! (X ; )   -s) _#"3ˆ
c) linhas de transmissão de energia elétrica, acima de 230 )3h3-¸"&l+` d )n1"3 )n13  )r/+)t  )3
KV. #p3(+#|( #  "XN8||;! v\ +)Z o(p"3^  
d) aterros sanitários.  "-¹l"3  l-s`  )O)o3"3r+` d/! -s)1"3  )c ` 
e) projetos urbanísticos abaixo de 100 há (cem hectares).   ! "3c  n;) "p! 3 R &(+(l#+§O)
J
 XZx@-®&(+ )! -s)L-Zt(! ) 7[“&3!…T 7"! (s)#+& (X  /X
) o("3,e;)#qe(, "[ X /! -s)! Q)[ )|d#3^#
(3#;)'T+) ("()q#fC()&"U ! '&" "35 )3 T+! (
kI)/)…) [ #f&() )“)# /f)‚ )¯ˆ
  -s! ©())5&+a t ) _#$©;(! ]\+)Xg?-.&"3 
a) Definição pelo órgão ambiental competente dos +)-Z&f#d"3#‚e() [ "f  ^
-s) -Op+ "3}  Z  )
documentos, projetos e estudos ambientais necessários  
/+)3}& …s&(p! -s)! +8-Zt(+z1"3 )…;(! "3X  
ao início do processo de licenciamento. 
b) Solicitação de esclarecimentos pelo órgão ambiental ºz»¼p½#¾ ¿º“½À Á~»(ÃÄ8½GÂ@Ä#¼Á(ŽÁÆ»}Ç"ÅÄ8½“È+»¼pÉ#½#Ê
competente.
W
c) Em todos os casos, deve-se haver audiências públicas. *t(3([ s)s?"&"X
d) Emissão de parecer técnico conclusivo e, quando couber, (ESOPO. São Paulo: Companhia das
jurídico. Letrinhas, 1994. p.28-29.)
e) Deferimento ou não do pedido de licença, com a devida
publicidade.
J
 X " ! )+('ap! &"[ (o"! a+)=‚ /3[gËÌ#Íž ½fg§'!  "/+)# #X“AÛd"/-s_#`¹(#¸&[ ;+mÏ#À ½б½#ÑÒ+ıؼpÄÃ(»Ñ"Ã(ÄbÜ#½˜)
#d/! -s1"3 )  ½#¼°Ã(ÄÑ"Ò7Ä~ )“(* & )[ e&( )#Z)

a) se trata de uma narrativa alegórica. a) derivação sufixal.
b) pode ser apresentada em prosa ou em verso. b) derivação prefixal.
c) seu desenlace reflete uma lição de moral. c) derivação imprópria.
d) a lição de moral não é uma característica marcante. d) derivação parassintética.
e) sua temática é variada. e) derivação regressiva.
X“A¡ ! [ )L•[ )/p! ; "p7)X n& )7  o)f}   X“A¡(! [ )††[ )/p! ;†)-‘1"3 )†#š[ )p+.o"/! d+ #
d*t3([  f"+-†&"gd/3(_#`5 +)&(+)) + C + )/: /! # ! "! -•Z-s)- sd") -sX

3-s(X )#) # "f“+)- O•;)r  )•r   [z1"  3 ) 
K +)#&)  /! ; - ) 7)
)&() ) -r a) Chegou, frouxo, sopro.
 b) Discutir, casaco, redondezas.
a) força e a fraqueza. c) Começaram, conseguisse, costuras.
b) liderança e o brilho. d) Nisso, andando, nuvens.
c) a força e o convencimento. e) Arrancou, estrada, forte.
d) a inventividade e o conformismo.   XZ?-€ºz½=Á »•Ï#À ½Ð]½ÑÒ+Ä'½bÓ¯½#¼/¼p»ÅL»LÔ#½=Á½ Ô»•Ô#»՘½ÁLÃŽ#Á
e) a leviandade e a bondade. Õ}Æ»Á5ÄRÁ(ıӐżp»Å5Ò Æ»0È À ¼/ÕZÄaÇ"ÅÄQÑÆ»'½ ÃÀ ½#Ñ"Ò7»Å2ѽý©»
 X  [ )r; )Î3-¹)#/+§o! #n! d)))c& + Ï#Ä#ÑÒ+»rÔ»ÑÒ7À ÑŽ#¼,Á»¯¼/½ÑÃ(»r½Ò+Ö0ÁÄLÔ#½#ÑÁ½#¼°f“§ "p+)
 /! o! Z )3L"t±\)#/! ;X ¥ 3 LL!  fs&(()- —"! q)
# dp! -s13 ) 
13 )
a) o à“á#â estabelece uma relação de sentido que exprime
a) o vento vai soprando cada vez mais forte até quase uma alternância em relação à idéia do período anterior.
arrebentar as costuras do casaco. b) o à“áâ estabelece uma relação de sentido que manifesta
b) o sol usa pelo menos duas ações para que o viajante uma conclusão em relação à idéia do período anterior.
tirasse o casaco. c) o à“áâ estabelece uma relação de sentido que manifesta
c) o vento e o sol utilizam a mesma estratégia. uma explicação da idéia em direção oposta à idéia do
d) o vento e o sol utilizam estratégias que os enfraquecem. período anterior.
e) a estratégia do vento é mais elaborada que a do sol. d) o à“á#â estabelece uma relação de sentido que exprime
< Xsºz½Áe»^ÏÀ ½Ð]½ÑÒ+Äs½bÓ½¼/¼p»"Åe»|Ô#½Á½ Ô»|Ô»Õl½ÁeÃŽ=ÁZÕ}Æ »ÁeÄ uma adição de idéias na mesma direção da idéia do
ÁıӐżp»ÅrÒ Æ »nÈ À ¼/ÕZÄ ÇÅÄ9Ñ(Æ»r½ÃÀ ½ÑÒ7»"ŕÑ(½ ýL»ÏÄ#ÑÒ7» período anterior.
Ô»ÑÒ7À Ñ"Ž¼ZÁ»¯¼p½#Ñû—½ Ò7Ö2Á(ÄTÔ#½ÑÁ½#¼°X +)- •o/! d+ ( e) o à“á#â estabelece uma relação de sentido que orienta
)‚) )8d/3_` })“13 [ [ #)“)s&[ ; +  argumentativamente em direção oposta à idéia do período
  anterior.
a) Advérbio.
b) Adjetivo. A xaATB^D(kQATk'?
P S
c) Substantivo.
d) Pronome. 㯼p»(ÔÄbÁ Á»}ÃÄ=Á#Ó½ÁÒ ½ÑÒ+Ä
e) Conjunção.
ä{ÄÁÒ7½5½¾ Òż/½=ؓ»TÕZÄ#¾ Ý"»¼“ÂI½¼/½5»T㯽¼pÒ À Ã(»TågÄÕZ»Ô¼/½ Ò ½©Áļ/À ½
6 X t(+)cÎo+3h(c\+)#/! ;f hd/+o"-s)ÎסÀ ÁÁ»Ø ½Ô½#Í"½#¼~Ô#»Õh½|ÃÀ ÁbÂ@Å(Ò ½“Ä#¾ ½}À ÑÃ(À Ô#½ É#Æ»QÄeÔÄ#¼/¼/½¼GÈ7À ¾ Ä#À ¼/½=Á^Ô»(Õ
SÏ#À ¼/½#Õ ÅÕ K
ÏÀ ½Ð]½ÑÒ+ÄÙ½ÑýÑÃ(»Ù Ä#¾ ½ÚÄbÁÒ ¼p½Ã½ÚÄ Þgͽ#Õ}½
Ô»Õ}Í(À Ñ(½¼/½ÕÛÇ"ÅÄc½ ÇÅÄ#¾ ĒÇÅĒÔ#»ÑÁÄbÓIÅÀ ÁÁÄhÈ7½=Üļ—» æIç¡è]é’çæèÞgê¡×"äª×¡åCÞlÔ#½Ã½2ÏÄ=ÜaÕ}½À Á2À ÑÒ7Ä#ÑÁ½©½^¼pÄbÁ ÁÆ »
Ý"»ÕZÄÕhÒ À ¼/½¼G»,Ô#½=Á½Ô»ØÁļ/À ½eÔ»ÑÁÀ Ãļ/½ Ã(»,»|Õ}½À Á|È7»¼pÒ7Ä ÂI½¼/½ZÇÅÄ ë¡À ¾ ¾ ½¼+ìQíI¾ À ÑÒ+»ÑRÃ(Ä=Á À ÁÒ7½ZýZÃÀ Á=Â@ÅÒ ½…Â@ľ ½}À ÑÃÀ Ô#½ É#Æ »
û ÁsÃ(»(À Á Ø&()- z"! q)13)…s&7)“op! d(s! "!  ÂI¼pÄ=Á À Ã(Ä#ÑÔ#À ½¾^Ã(»c㯽¼pÒ À Ã(»hå¡ÄÕZ»(Ô#¼/½ Ò ½Ê,Þ¡Á¼°ÄbÁ(ž Ò ½ Ã(» ÁcýÁ

a) um comparativo de igualdade, pois eles ainda não sabem ÂI¼/À Õ}Ì#¼/À ½=Á©Ã(½aî¾ Ò7À Õ}½QÒ+ļpÉ#½ïÈ7Ä#À ¼/½bØ~Ä#Շð Ñ"ÃÀ ½#Ñ(½$ÄRѽ©íI½#¼°»¾ À ѽ
quem é o mais forte. Ã(»ñ×g»¼/Ò+ıؒÁĹÑ(Æ »jÁÄ#¾ ½ Պ»jÁÄÅòÃ(Ä=ÁÒ À Ñ»Ø{¼pÄ#Ã"ÅÜ#ÄÕ
b) um comparativo de inferioridade, pois se um deles é mais ü/½ÁÒ7À Ô½ÕZÄÑÒ+Ä~Á(Ž=Á}Ä=Á=Ä¼p½#Ñ"É#½Á ÃÄ~Á(ļI½“Ô½#Ñ"ÃÀ ýÒ7½#Ê
forte, o outro é mais fraco. W
c) um superlativo relativo, pois a intensificação leva em k@! (&": ;)[#) -|ˆ "[
“) ` 3([ }6#<=­ 6  ­  66ªó &(! (! `"X
S U 
conta os seres da fábula que a possuem.
d) um superlativo absoluto sintético, pois intensifica a #X "t()z}?+ (}x¡(! ( “AG- §p!  f [ !  )sZ! )
S—) o"3(! ^)—#(! [ )LL[ )/ #/! ;L 1"3 )L&+)) +—
característica atribuída pelo adjetivo a um determinado
ser. /+)#+#X

e) a ausência de marcação de grau.
DX ´?(+ (ôx@! Œ ` œ3-s‰+)&(¨(t[ ! 
#XZ?-ÞcÏÄÑ"Ò7»TÄQÁ»¾ªÔ#»(Õ}Ä É#½¼/½՚½5ÃÀ ÁÔ ÅÒ À ¼…ÂI½¼/½$Á ½Í"ļ & /[  -s)+/! #“)# ()…3s! )& ) ! X )-  f
Ç"Ž#¾CÃ(» Á5Ã(»À Á'ļ/½$ÕZ½#À Á2È+»¼/Ò+Ä Ø~$+_`0o"/! d+ 2&() "- 
)#d+)y)‡[a(! #)-sf©‡d/! o"3 yP )ƒ3-
 ) [  ! d/! ( -  &(+)#! ) )X
   ¤
a) oração subordinada substantiva objetiva direta. D D XšA~&),)•)"-s)O&(3b\+õ ! L) " -Z! L) )7+
b) oração subordinada adverbial final.
) o) - (! Q /!  ))^-s)p! fI $?(# ((
 
c) oração subordinada adjetiva restritiva. x¡(! (0 )—+) 3  +-—+/! d/!  e•&(  [ L)
d) oração subordinada adverbial comparativa. ö¯÷ fz3(-sL!  -}& )—-s)! ( LO1"3 )' o()T–
e) oração subordinada adverbial proporcional. 1"3 )##` -Zt(! ) +[ X
D D D X•B [ ! q(. ƒ"7){(šN8§‚(! y)† 3([a(
J 
 X“A¡ ! [ ){{[ +)/ #/! ;Î) -ß1"3 )Î(#{y& [ ;(#   (*fay?(+ (.x@! "\ *‡&(&(3 )S +-ø
&(+)# ) -•: o"+dX ¤
p!  _#` ƒ().3-„t([  ƒ) " -Z! ƒ)-Z!   (
A~B J AGf=ùª+)z)sB(! ;+) J  -s§  ! }#…  AC- §p! #(X
a) nisso, arrebentou, chegou.  
b) agarrou, conseguisse, sopro.
c) chegou, começou, costuras. a) Apenas I.
d) frouxo, estrada, primeiro. b) Apenas I e II.
e) primeiro, conseguisse, costuras. c) Apenas I e III.
d) Apenas II e III.
e) Todas estão corretas.
 X t(+)¸¸ o"/! 3([ /3(+·t(+#! [ )! +¹)m)3 ¹(3( #6X "t()y ŸD  t)[ [  ("(!2)‡)3.# 3
S "  /)[ f(  [ !  )e|#)+! ; e} ) o"3(! @)Z#(!  [ )Z S   /+)[ #f“   [ ! )•r! )K •— ) o"3! u)L# (!  [ )L
 [ +)/ #/! ; z1"3 )…&(+)# )…# "p+)=(X
  [ )/p! ; "/+)#+X

 
D XßA~&)# …$)=;"[ 3_#`5( & ! ( )a)©&(("3_#` DX T&(/! -s)! +5)-  T)0- ! fª # [gd"!ª&+)
-Z3"! [ f(Rú¡+(! [ [    )}) -h  3-c&+ "! o-s})- K&(+); )p! ; - ))© t'5[ ) o(_`9 )01"3 )5 #
13 ),)# ) ;"[ ;)R3( -s^  o"/! 3[ p3+Q/3"! -s)#/f)+* &(+))3•l! +)+)## )•L&(! (! `l&(¨t([ ! Lr 13 [
)p+)ƒ€)qš-s! +)#ƒ )‚"&" ("+)#š o": "[ # )(&)+;s3-s +)#(&+z( () 3"! ! * p! X
-Z3"! ! fO&#(3(!O3-Ž(®-s! +)¸+)t  
 D D XšAGò()1"3[ ! dp! † U [ "-¹  )#‚(&+)# ` 
t ;(!  -s) ! ! ,($-Z3( R)fIR)# (f(3  ²=& ) #5()#(&(  ;! ' ()$) (! t(! [ !  )'- "+[ fC
&(3_` }  § ! 3  d/! ! )+) &+zt #) )¯Z-s) ( \p3(! q©d+)#q03-i&+§ \p3([ o-s) L( [ f8•1"3 )0)-
! )/"X    +)#)f `e&)p! …+)" ") ! "X 
DDX  3(7T'
(! %"p! fg0+)=;("[ 3_#`—! 3#p/! [g)© DDDX z}! : !  &)/!  ! !   d/! -s-Ls!   ! 
K! )  ^3(/t(! q_`Ro)+ ,&"¡)[ Z)‚! o"! + -’3-s P[ ) o((’& )[    [ f^Î  13)h&) "p/! t3(! '  
)=;"[ 3_#` ûo: "[ f &#qü)Œ -Z&([ ! Ž t  "[ ;! _`}  [ X  
d/) ! -s)•()—  -s+§/! # +&/! -sT–L! "¨//! T)9– D ™gX2x@-se))Q&([ 3 : ;)[¯&+,,p3 [((! /3  _#` a)-’1"3)
&(3 _`  ) [ ! -s)  ) ) *p!   )O) •  hl1"3 )L+o)• t )+/3+
t #) ! - ))£3-sŽ&"&(3[   _` 1"3 )¢ ) \"/ [ :  /!  f¡§$1"3 )a5&(! +) ! $)$0-s   +)©(
3/t (! q= ; X "! +)! () •()d)# O13 )L)• ; )/! d/! -¹h+)# d+)/! 
DDDX 
-s ”8Nª, o(! - ,o))#/! - ) +)  y ` "p! t(3(!|) -ø Î& +h-s)[
"+5
- "! d/!  (R `Ît/ ! (l’&+/! 2)+§ (! # 1"3  "X 
3 /! [ ! q  2& +R[ +)+_`5)ao() )#$) -†"! d+) +)# ) ™gXhAn)#(& )a(R\/3([ o-s)2)-.[ ! t)()Q )/! ©3(-s
o(! - f -‡ad/3`0()$o))#2)©)#(& § ! ) p! 3()1"3 ) "/+p! /! £((Ù") -s)
! d))#)e13 )8  \ -s! }) p3 q=/!  -) - "! _# 4() \p3(: ! 't(+#! [ )!  f¡©) +#"f` " /+/! /! Q
p3(+! (X     )!  s ! [ X 

 +[()…  )7p! ; "p+)z§
a) Apenas I.  
b) Apenas II.
c) Apenas III. a) 1.
d) Apenas I e III. b) 2.
e) Apenas II e III. c) 3.
¤ d) 4.
 X t(+)iiAG-sq (! ®)i )(3®#(3( "p+)[ #f
S#(! [ )““[ +)/ #/! ;s!  /7)#+X  e) 5.

a) A floresta amazônica é detentora de uma grande
biodiversidade e está integralmente em território nacional.
b) A Amazônia é muito importante para o ambiente do
planeta, pois ela fixa o carbono da atmosfera, através do
crescimento das plantas e da fotossíntese, reduzindo,
assim, o efeito-estufa.
c) Pode-se dividir a floresta amazônica em três grandes
grupos: Florestas de Igapó, florestas de várzea e florestas
de terra-firme.
d) Pode-se afirmar que, na Amazônia, são abrigados um
grande número de povos indígenas e uma riqueza de
matéria-prima variada.
e) Já foram identificados na Amazônia diversos sistemas de
paisagens, o que revela uma alta diversidade e
complexidade de ecossistemas.
< XZ²±ãI»¼s½Ò ¼p½#À ¼s½$½Ò+ÄÑÉÆ»5À ÑÒ+ļ/Ñ(½Ô#À »Ñ(½¾ ت½$¼pÄ#½¾ À Ü#½ÉÆ »'Ã(»Á
ý»Ó¯»ÁÎÞG¾ þ ՅÂIÀ Ô» ÁhÃ(ÄãIÄÇÅÀ ÕzØaÄ#Õò½bÓI» ÁÒ+»’Ã(ÄlÿbØ
Ò ¼/½ÑÁÈ+»¼/ÕZ»"Åï ÁēÑ"ÅÕ}½ »»¼pÒ7ÅÑÀ Ã(½Ã(Ä~ÂI½#¼p½s»ZÕZ»(ÏÀ ÕZÄ#ÑÒ7»
ѽÔ#À »(Ñ(½#¾ À ÁÒ7½‡Ã(ÄÁÒ+Äl½#þ ÁšÃ½cé~ÁÀ ½yÔÄÑ"Ò ¼/½¾RÂI¼°»Ò7Ä=ÁÒ7½#¼
Ô»ÑÒ7¼/½ ½}Ã(»(Õ}þ ÑÀ »^ýeíIÝ(À Ñ(½zÁ»Í(¼°Äs½ ¼pıӯÀ Æ »ÊC×g»(Ò þ Ô#À ½=Á
¡Þ
دÔ»Õ½ ý±ÂÒ ½ É Ä=ÁÊ & : Z(zùg(!  )/[(+)d)/! (
z-s
)#+)Ҥ  

a) Afeganistão.
b) Tibete.
c) Irã.
d) Índia.
e) Paquistão.