Você está na página 1de 8

Oratória para vender ideias

By Carlos de la Rosa Vidal

Oratória para vender ideias By Carlos de la Rosa Vidal Texto traduzido . Original de Carlos

Texto traduzido. Original de Carlos de la Rosa Vidal (Lima-Perú Oratoria para Vender Ideas)

Traduzido por Jeferson Estivallet: http://oratoriaelideranca.blogspot.com/

As 7 leis Espirituais do bom orador

Um palestrante em uma universidade concluiu seu discurso com as seguintes palavras “Como nos aponta a sentença, muitos devem trabalhar muito para que poucos trabalhem pouco, a fim de que os poucos ganhem muito e os muitos ganhem pouco.”

Recordo que com seu jogo de palavras praticamente hipnotizou a quem vivamente aplaudia a intervenção do carismático orador.

A importância de saber o que dizer no momento certo, com a atitude certa,

ao público certo é vital para construir uma personalidade de gênio orador.

O detalhe extraordinário das grandes, porém simples, intervenções de

qualquer profissional perante um auditório é saber como se comunicar com a consciência coletiva do grupo ao qual se dirige. Traduzindo, o orador deve investigar o seu público e se interessar sinceramente por ele, e expor ao público certo a mensagem certa.

Os piores discursos serão, inevitavelmente, aqueles em que o expositor fale com a parede ao fundo, ou com a porta de entrada, mas nunca interessado por aqueles que o escutam. Então, pode ter a melhor voz do mundo, um verbo da Academia da Língua, um carisma de Papa ou mestre espiritual, não atingirão nada além de rejeição e desatenção.

Qualquer um que conduza grupos, deverá se interessar e interessar aos demais. E falar de coração, para que ao término de sua palestra o público confesse emocionado: “Hoje escutei uma das melhores palestras de toda minha vida”, mesmo que sua exposição tenha se tratado apenas de novas receitas da cozinha oriental.

Estatísticas da reação do auditório em uma palestra

De 100% dos que formam teu auditório, é natural que 50% te escute e a outra metade se distraia. Dos 50 que escutam a metade está de acordo contigo e o resto não compartilham suas idéias. Dos 25 que concordam com você, a metade adota suas idéias porque soa interessante, o resto

simplesmente as esquecem. Continuando, dos 12 que assimilam tua mensagem, a metade empreende uma ação com suas idéias e a outra metade apenas armazena no cérebro. E por fim, dos 6 que empreendem uma ação com seus pensamentos, 3 têm resultado positivo e os outros 3 fracassam.

Dos que fracassam a metade se levanta e a outra metade se conforma com a dor da queda. Dos que atingem bons resultados, a metade continua sua escalada e a outra metade se conforma com seu único triunfo. Ao final dos 3 que continuam, apenas um estuda o assunto, porque não se detém apenas com o que disseste e o melhor é que se sentiu motivado a seguir averiguando sobre a inquietude que você semeou. Sim, ao final somente um saiu convencido da importância de sua mensagem.

Por esta razão, suas palavras trarão coisas importantes e úteis aos demais. É preferível para um orador, não aguardar que todos se convençam, e sim se contentar por ter motivado uma sementeira de idéias que germinarão na mente do auditório. Isto é se interessar pelos demais, falando biblicamente, colocar-se no lugar do próximo receptor do conhecimento que você difunde.

As 7 leis Espirituais do bom orador

primeiro

comunicadores positivos:

Neste

artigo

quero

compartilhar

alguns

segredos

dos

1. Por o coração nas palavras:Quem fala de e para o coração, acaba por

tocar o coração de seus ouvintes. O poder da sinceridade e convicção postas nas palavras transformam em magia a comunicação. Nunca ouvi falar em um orador sem entusiasmo natural que movesse a paixão de seus ouvintes. Talvez o tema tratado seja de história e patriotismo, mas em dois oradores distintos, um que utiliza somente a razão e nada de paixão não se igualará a um, talvez sem dotes de grande orador, mas que fala com o coração.

2. Interessar-se sinceramente pelo público: Você não deve se dirigir às

pessoas com a um jurado que vai te condenar. Interessar-se pelo interesse deles é um grande secreto para despertar o gênio orador que existe em você.

3. Procurar que sua mensagem sirva para construir, jamais para

destruir: A história está repleta de páginas sangrentas, motivadas por

grande capacidade de liderança, daqueles que usaram a eloquência para condenar e matar. Também nas melhores linhas do passado, pessoas

escreveram as palavras que moveram as massas em favor da liberdade, paz

e

amor.

4.

Reconhecer que as palavras tem poder e saber que todos temos

direito a mudar ou evoluir nossas idéias: Esta é a mágica: as palavras são somente palavras quando vêm para destruir, no sentido contrário as palavras são poderosas quando são construtivas, e só depende de nós dar a estas a devida importância. O ponto de vista é essencial. Se você acredita

que as palavras são ofensas, assim elas serão. Se estas mesmas palavras você considerar como palavras sem vida, assim elas serão. Temos também

o

direito de evoluir nossas idéias, a mudança é permanente.

5.

Promover o tempo todo a excelência do ser humano: Dirigir-se aos

outros implica uma responsabilidade de contribuir para engrandecer o ser humano. Se usarmos a nossa comunicação para colaborar com este serviço,

incentivaremos a qualidade humana.

6. Agir de forma simples, oradores autênticos não se comportam com

soberba: Alguns consideram conquistar dotes em oratória os tornam superiores ao resto. Nada poderia estar mais longe da verdade. Então falar deve servir para permitir nos aproximar de nossos semelhantes, jamais para

nos afastar. Se conquista mais com mel do que com fel.

7. Viver comprometido com aquilo que se comunica: Viver em harmonia com a construção do tema que dominamos é uma atitude de honestidade para com nós e para com os demais. Quem só falar, mas não faz, é como quem fala para vender, sem nunca ter vendido, ou como quem ensina a cantar e jamais cantou. Despertar o gênio orador não é transformar um tímido em um líder indiscutível, mas sim descobrir o comunicador natural, que fale com o coração, que interessa pelos outros e também por si. E também que faça de cada palavra um instrumento para construir.

Criação de Genius Orador

Alguns pensam que o gênio precisa ser buscado da alma. E outros que o gênio precisa ser retirado de seu esconderijo. Concordamos com a última

afirmação. Tempos atrás, os grandes palestrantes eram quem possuíam vozes como que saídas do cinema, bem moduladas e poderosas, capazes de despertar o interesse apenas por escutá-las. Para criar em nós uma personalidade oradora, que seja eficaz, no tempos modernos, necessita-se basicamente de um requisito, que é ter o poderoso desejo de transmitir uma informação. Os demais virão facilmente.

Conheço pessoalmente a líderes sociais que sem dominar técnicas de educação da voz, sem possuir uma boa dicção, nem tampouco entender de técnicas de apresentação e nem munidos com discursos, mantêm exposições excelentes. Em comparação uma grande quantidade de acadêmicos que analisaram meu estudo sobre a habilidade de se comunicar para o público.

Simples, tais líderes abrigam neles uma mensagem tão poderosa quanto sua paixão de transmitir esta mensagem. A diferença entre uns e outros não são as técnicas adequadas ou oportunas, e sim o talento interior que possuem para se comunicar com os demais. E esse, para começar, não é mais do que o desejo entusiasmado de compartilhar informação.

Estratégia do bom ouvinte

Uma das primeiras coisas que compartilho em meu treinamento de habilidade para falar em público, é que um orador não é orador se primeiro não é um bom ouvinte. Resumindo, um palestrante se faz na prática, mas primeiro tem que praticar para ser um bom ouvinte.

Um palestrante, assim como um estudante, é alguém que aprende constantemente. Assim como um escritor se forma na prática de escrever, mas primeiro na prática de ler. Como um mestre ensinando, mas primeiro na prática de aprender.

Algumas vezes me perguntaram, o porquê fazia palestras gratuitas sobre o poder da comunicação. Lógico, tive de treinar para falar a uma platéia, mas

o que eles não sabem é que também tive que treinar escutando a todo tipo de palestrante e estudando-os. Para variar, tarefa que constantemente pratico.

Em resumo, se desejamos buscar um talento como o da habilidade de falar em público, a primeira coisa que precisamos identificar é se abrigamos em nosso interior essa sensação e desejo de querer compartilhar nossas idéias ou o tema que dominamos.

Logo, a tarefa será nos converter em excelentes ouvintes, e estudiosos da naturalidade de todo bom comunicador frente a uma platéia ou público. E somente a prática dos princípios que idenficamos, e técnicas que procuramos adquirir, farão de nós comunicadores eficazes.

É um trabalho duro, mas ao final gratificante e pleno de profundas

satisfações. Já dizia Theodore Roosevelt: “Quando alguém te perguntar se podes fazer um trabalho, diga: ‘Com toda segurança, posso fazer’. E logo vá e aprenda como fazer”

Palestrante, qualquer um pode ser?

É revelador e simples, um bom comunicador é primeiro um bom ouvinte. Todo aquele que sinceramente, dedique-se a dominar a arte e a ciência da oratória, e a pratique, atingirá um nível acima da média daqueles que falam em público com pouco conhecimento da experiência de oratória.

Como só a experiência não basta, o mais saudável para nossa ambição de ser palestrante, é aprender com a experiência dos outros. Estudar todos os tipos de palestrantes é um bom e excelente começo. Bem como aplicar os princípios identificados.

Falar em público, por que desenvolver este talento?

Somente você pode responder esta pergunta. Vi pessoas tímidas adquirir mais segurança no desenvolvimento de sua capacidade de falar em público. Uns gostam de ser admirados. Outros por sua vontade de mudar alguma parte do mundo. Finalmente, mais de 50% dos que assistem cursos de

oratória, quando perguntados por sua decisão de participar da oficina, respondeu com a resposta clássica: “Eu venho para perder o medo”.

Na verdade, nas oficinas de oratória se vem para ganhar, não para perder. Mais precisamente, para revelar o valente que temos internamente. A pergunta, na verdade, deve ser respondida por você. Uma ajuda: Como acredita que vai ajudá-lo em sua profissão ou ofício o desenvolvimento de sua capacidade de falar em público? Tens o sincero desejo de ajudar os outros? Considera que sua mensagem pode ser útil para outras pessoas?

Por Carlos de la Rosa Vidal

Mais textos em esphanol

email del autor: cj.delarosav@gmail.com

Texto traduzido. Original de Carlos de la Rosa Vidal (Lima-Perú Oratoria para Vender Ideas)

Traduzido por Jeferson Estivallet: http://oratoriaelideranca.blogspot.com/

Vidal (Lima-Perú Oratoria para Vender Ideas) Traduzido por Jeferson Estivallet: http://oratoriaelideranca.blogspot.com/