Você está na página 1de 16

Personalidade autoritária e pesquisa empírica

com a Escala F: alguns estudos brasileiros*

Authoritarian personality and empirical research with F Scale: some


brazilian studies
Resumo Prossegue-se neste texto a análise da relação presente
no estudo de Adorno et al. (1950) entre tendências de persona-
lidade, ideologia e preconceito. Para isso, são expostos dados
de pesquisas com universitários com a Escala F e a relação dessa
escala com outras, criadas a partir de questões geradas naquele
estudo: Escalas de Ideologia da Racionalidade Tecnológica, Tra-
ços Narcisistas de Personalidade e Manifestações de Preconceito
Moral e contra Pessoas com Deficiência. Verificou-se, por meio
dessas pesquisas que: a) a Escala F continua fidedigna e válida
para os nossos dias; b) traços do sadomasoquismo têm correla- José Leon CrochikI
ção com a adesão à ideologia da racionalidade tecnológica, com I
Universidade de São Paulo
o narcisismo e com os dois tipos de preconceito considerados; (USP), São Paulo/SP – Brasil
c) as medidas de personalidade antidemocrática, narcisismo e
da adesão a uma maneira de pensar formal e sistemática estão
correlacionadas com as duas formas de preconceito estudadas,
mas as características de personalidade autoritária estão mais re-
lacionadas com o preconceito moral do que contra pessoas com
deficiência, ocorrendo o oposto com as características de perso-
nalidades narcisistas. Conclui-se que o sadomasoquismo ainda
exerce papel acentuado na constituição de preconceitos e que
as necessidades psíquicas subjacentes a esses distintos precon-
ceitos podem ser diferençadas, necessitando de formas diversas
para serem combatidos.
Palavras-chave: Personalidade autoritária. Escala F. Precon- * O presente trabalho foi
ceito. realizado com o apoio do
CNPq, Conselho Nacional
de Desenvolvimento
Abstract The analysis of the relationship present in the study by
Científico e Tecnológico;
Adorno et al. (1950) between tendencies of personality, ideology Brasil (306038/2014-5).
and prejudice is continued. To do this, it exposes research data
with university students with the F-scale and presents its rela-
tionship with others created from questions generated in that
study: Technological Rationality Ideology, Narcissistic Personality
Traits and Manifestations of Moral Prejudice and against People
with Disabilities. It was verified through these surveys that: a)
Scale F remains reliable and valid for our days; b) traits of sado-
masochism are correlated with adherence to the ideology of te-
chnological rationality, with narcissism and with the two types of
prejudice considered; c) measures of antidemocratic personality,
narcissism and adherence to a formal, systematic way of thinking
are correlated with the two forms of prejudice studied, but cha-
racteristics of authoritarian personality are more related with moral prejudice than with persons
with disabilities prejudice, occurring the opposite with the characteristics of narcissistic perso-
nalities. It is concluded that sadomasochism still plays a significant role and that the psychic
needs underlying the prejudices may be different, requiring different ways of combating them.
Key-words: Authoritarian personality. F scale. Prejudice.

O
uso de métodos derivados de investi- A primeira questão que se coloca neste
gações sociais empíricas para a com- texto é a referente à manutenção desta so-
preensão do que pode ter ocasiona- ciedade por meio de indivíduos que são par-
do a adesão individual a formas de pensar cial ou plenamente alheios a ela. Em outros
contrárias à própria vida e para, consequen- termos, se a autoconservação, impulsionada
temente, poder combater os regimes sociais pelo medo, é o motivo psicológico que leva o
totalitários, foi recomendado por Horkheimer indivíduo a aderir a ideias e ideais que permi-
e Adorno (1973). Não deixaram, contudo, de tem sua preservação imediata, mas o conde-
apontar para contradições presentes na utili- nam a uma vida sem sentido, pois alheia a si
zação destes métodos: expressar pela frieza mesmo, até que ponto pode-se afirmar que
dos números a redução dos indivíduos a coi- ele, por suas ações, reproduz a sociedade?
sas que, por sua vez, também se expressam Tem-se que pensar em um indivíduo cindi-
pela ausência de sentimentos propícios à ex- do, portanto, não indivisível e não indivíduo,
periência; ter de se pôr como neutro na inves- que, como Horkheimer e Adorno (1973) indi-
tigação sobre o horror. Essas contradições, cam, é aquele capaz de fazer substância de si
como defendem, devem ser vividas na prática próprio, tendo consciência de que é mediado
e a autocrítica do emprego de tais métodos e socialmente. Para a reprodução social indica-
a crítica aos próprios métodos precisam estar da, o indivíduo pode contribuir com ou sem
sempre presentes. Deve-se, para enfrentar a consciência da irracionalidade que reproduz.
frieza contemporânea dos indivíduos que au- No entanto, em ambos os casos, o que seria
xiliou na manutenção do fascismo, entender propício ao indivíduo para que se torne su-
o que a gerou. jeito – fazer substância de si mesmo – deve
Segundo esses autores, os indivíduos ser negado.
reproduzem as grandes leis sociais, o que in- Se, como na análise que Adorno e Simp-
dica o necessário entendimento de motivos son (1994) fizeram acerca da música popular, o
psicológicos presentes na adesão já referida: fanático é aquele que defende o que repudia,
a que propicia a defesa do que não é racional. mas se vê obrigado a defender, o fanatismo
Conforme Adorno (2015), o comportamento poderia ser definido como a formação reativa
econômico e racional, do ponto de vista so- – no sentido psicanalítico – de um sentimen-
cial – a motivação para o lucro –, é mediado to que deve ser evitado: a rejeição se tornar
pelo medo individual de ser expulso da cole- aceitação exagerada e vice-versa; a consciên-
tividade que pode defender o indivíduo da cia é constantemente afastada do que critica,
destruição; no entanto, segundo Horkheimer voltando-se também aos outros que criticam
e Adorno (1985), esse medo continua a existir o objeto idolatrado.
na substituição do domínio da natureza sobre Como alternativa, o indivíduo pode fa-
ele pelo domínio da sociedade, que, nesse zer a escolha do mal menor, e não afastar
sentido, reage ainda a forças não civilizadas. a percepção de que (re)age contra os seus
Aliás, esse mesmo diagnóstico a respeito da princípios e desejos. Esse tipo de indivíduo
civilização foi feito por Freud (2011) na ante- talvez represente aquele que é nomeado de
véspera da eclosão do Nacional Socialismo danificado, por Adorno (2015), que é capaz de
alemão no início da década de 1930. resistir ao todo. Não é plenamente integra-

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
50
do à sociedade, e não age por meio de uma O capitalismo dos monopólios, o declí-
negação indeterminada: tenta preservar o nio da autoridade, dado também devido ao
que é propício a uma vida civilizada. Ao ex- enfraquecimento de instituições sociais im-
pressar o conflito que vive, não reproduz ple- portantes para a formação individual, como a
namente a sociedade, ao contrário, mostra as família, a escola, a religião, são fatos que con-
suas forças repressivas. tribuíram para tornar frágil a constituição do
Freud (2011) analisa como a adesão ao indivíduo, tornando-o propício a aderir a ideo-
conteúdo ideacional religioso pode ocorrer. A logias totalitárias. Na análise que Horkheimer
criança cedo descobre que o amado pai não e Adorno (1985; p. 189) fizeram do antissemi-
poderá protegê-la de tudo, gerando um sen- tismo, essa transformação do capitalismo e
timento de insegurança; se a ideia desse pai as consequências sobre a formação individual
protetor, no entanto, puder ser projetada em também são realçadas: no período liberal do
um pai grandioso eterno, onipresente e oni- capitalismo concorrencial, o indivíduo, como
potente, a renúncia a si mesmo em nome dos exposto pela psicanálise, constituído pela di-
grandes desígnios religiosos pode ocorrer, nâmica conflituosa entre id, ego e superego,
uma vez que esse conteúdo ideacional des- que garantia alguma autonomia, foi substi-
de cedo seja repetido. Isso permite, segun- tuído por um indivíduo frágil, inapto a ter ex-
do esse autor, evitar a neurose, uma vez que periências e, por isso, precisa de indicações
se fortalece uma ilusão coletiva, que por ser sociais para guiá-lo. Nas palavras dos autores:
defendida por muitos toma o lugar da verda-
de. Nessa análise, nota-se a possibilidade da A psicanálise apresentou a pequena
incorporação de ideias coletivas calcadas em empresa interior que assim se cons-
necessidades individuais: no caso, ser protegi- tituiu como uma dinâmica complica-
do da destruição. da do inconsciente e do consciente,
Os preconceituosos, segundo Horkhei- do id, ego e superego. No conflito
mer e Adorno (1973), também trazem moti- com o superego, a instância de
vos psicológicos que levam à perseguição de controle social no indivíduo, o ego
minorias. O pensamento estereotipado, que mantém as pulsões dentro dos limi-
é repetitivo, padronizado e formulado por tes da autoconservação. As zonas
divisões simples, mas fatais para os indivídu- de atrito são grandes e as neuroses,
os visados, permite justificar perseguições e os faux fraix dessa economia pulsio-
evitar que os motivos que levam a essas per- nal, são inevitáveis. Não obstante, a
seguições sejam conscientes. Esses autores complicada aparelhagem psíquica
enfatizam que fenômenos sociais, como o possibilitou a cooperação relativa-
fascismo, não podem ser reduzidos à motiva- mente livre dos sujeitos em que se
ção psicológica. A compreensão dessa moti- apoiava a economia de mercado.
vação, contudo, ajuda a entender e combater Mas, na era das grandes corpora-
aqueles fenômenos, pois não deixam de ser ções e das guerras mundiais, a me-
um momento deles. diação do processo social através
Determinações objetivas de caracterís- das inúmeras mônadas mostra-se
ticas psíquicas propícias à defesa de regimes retrógrada. Os sujeitos da econo-
sociais totalitários, como o fascismo do sécu- mia pulsional são expropriados
lo XX, foram, conforme Horkheimer e Adorno psicologicamente e essa economia
(1973; p. 173): “...a desintegração da proprie- é gerida mais racionalmente pela
dade média, a crescente impossibilidade de própria sociedade.
uma existência econômica autossuficiente,
certas transformações na estrutura da família Essa “gestão” de comportamentos e
e certos erros na direção da economia”. decisões individuais ocorre por meio de líde-

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
51
res, que podem ser representados e expres- rias e personalidades não autoritárias, as últi-
sar ideários políticos, sociais, que a partir de mas mais flexíveis na estrutura de sua cons-
uma análise simplificada do mundo, indicam tituição, mas nem por isso, sempre livres de
o que pode ou não ser feito. Nesse sentido, a defenderem pensamentos estereotipados.
compreensão da fragilidade individual e sua No estudo acerca da personalidade au-
busca por proteção, que, por sua vez, pode toritária, esta não é, em geral, nomeada de
se tornar perseguição a outros considerados sadomasoquista, mas como antidemocrática.
mais frágeis ainda, possibilitaria frear a vio- As dimensões presentes na Escala F e parte
lência individual induzida por regimes sociais do referencial teórico adotado – obras de W.
totalitários. E, de fato, Horkheimer e Adorno Reich e de Erich Fromm – para compô-la, no
(1973) propõem que o conhecimento a res- entanto, indicam que não é equivocado en-
peito de como se constitui a personalidade tender que as expressões personalidade an-
autoritária pode ser uma medida contra a tidemocrática e sadomasoquista possam ser
perseguição de minorias. intercambiáveis. A análise que Adorno faz do
Em seu estudo sobre a personalidade tipo nomeado de “autoritário” (ADORNO et
autoritária, realizado nos Estados Unidos da al., 1950) indica a necessidade psíquica maso-
América, na década de 1950, Adorno et al. quista de se punir por ter desejos contrários
(1950) pesquisaram as relações entre tipos à moralidade não de todo introjetada e, por
de estruturas psíquicas, posições políticas- essa mesma incompletude, necessitar, por
-econômicas e preconceito; para isso, utili- sadismo, punir os outros, que passam a repre-
zaram diversos meios: escalas com itens do sentar desejos que deve negar em si mesmo .
tipo Likert; teste psicológico e questões pro- Horkheimer e Adorno (1973, p. 178-179) mos-
jetivas; entrevistas. Pelo uso de correlações tram a admiração desse tipo de personalidade
estatísticas dos escores obtidos pelas escalas, pelas hierarquias sociais:
verificaram que as motivações relacionadas à
estrutura psíquica autoritária estão mais re- O pensamento e a sensibilidade
lacionadas com a perseguição das minorias dessas pessoas estão orientados
do que com as posições dos sujeitos sobre a hierarquicamente, submetem-se à
economia e a política. Em outros termos, os autoridade moral idealizada do gru-
escores da Escala do Fascismo (Escala F) es- po a que julgam pertencer – o ‘in-
tavam mais relacionados com os escores das -goup’, (...) e estão continuamente
escalas que avaliaram o Antissemitismo e o alertas para condenar, sob os mais
Etnocentrismo, do que com os escores da Es- diversos pretextos, os que se en-
cala do Conservadorismo Político e Econômi- contram fora do grupo ou aqueles a
co. Os que tendiam, conforme as dimensões quem se considera inferiores. A ex-
da Escala F, à agressão e submissão autoritá- pressão popular alemã ‘Radfahrer-
rias, ao pensamento estereotipado, à supers- natur’ (tradução literal: “natureza
tição, ao moralismo sexual, ao cinismo, a ser ciclista”, na acepção metafórica de
sadomasoquistas também tendiam a ter altos uma pessoa que gosta de calcar
escores nas escalas acerca do preconceito, e com o pé quem está por baixo e, ao
vice-versa; houve também, correlação de me- mesmo tempo, dobra o corpo, em
nor magnitude, mas ainda assim significante, posição humilde, para os que estão
entre o conservadorismo político econômico acima [N. do T.]) descreve com mui-
e o preconceito. Por meio dos escores obti- ta exatidão essa atitude.
dos nessas escalas, foi possível selecionar os
que tinham mais e os que tinham menos ten- Por isso, neste texto, entendemos que
dências sadomasoquistas e preconceituosas a Escala F avalia também a estrutura psíquica
e classificá-los como personalidades autoritá- própria ao sadomasoquismo.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
52
Horkheimer e Adorno (1973, p. 181) ricas e sociais. (...) Para esta forma
indicaram que determinada forma de pensar – de pensar, cujo conteúdo é a forma,
nomeada de Mentalidade do Ticket – era mais os diversos objetos não podem ser
propícia à personalidade autoritária do que diferentes da forma pela qual são
ideologias que chamaram de “fabricadas”. percebidos e refletidos pela razão
Essa forma de pensar é mais adequada para instrumental.
a adaptação a uma sociedade burocratizada e
mecanizada, e diz respeito ao enfraquecimen- Como já salientado, o formalismo pre-
to da pessoa para decidir sobre si mesma, so- sente nessa ideologia pode servir de base
bre o seu destino. Em relação a essa forma de para a denominada mentalidade do ticket,
pensar, afirmam esses autores: mas não coincide com ela. É mais propriamen-
te ilustrada pela redução da razão ocidental
O processo de mecanização e bu- ao cálculo, pela pretensão que tudo seja co-
rocratização exige de quem se en- nhecido de antemão, pois, segundo Horkhei-
contra submetido a ele um novo mer e Adorno (1985), o que está “fora” é ame-
tipo de ajustamento. Para enfrentar açador. Essa ideologia remete ao mito de que
quaisquer exigências que surgem tudo volta à origem, de que tudo se repete,
em qualquer setor da vida, é pre- nada há de novo. Trata-se mais de uma limi-
ciso que, em certa medida, os pró- tação da razão do que de seu falseamento,
prios indivíduos se mecanizem e ainda que uma razão que não se limite objeti-
padronizem. (...) Não só a utilização vamente como lógica do sujeito para apreen-
de estereótipos e juízos de valores são dos objetos, que não se confundem com
preestabelecidos permite que a essa lógica, não possa ser verdadeira. Ela é
vida se torne fácil e faz com que o própria ao cientificismo e tecnicismo vigente
interessado seja para os chefes uma que pretende reduzir todo conhecimento
pessoa digna de confiança, mas à ciência e à técnica (CROCHÍK, MASSOLA e
também possibilita uma orientação SVARTMAN, 2016).
mais rápida e liberta da excessiva Se a ideologia se transformou, e os con-
fadiga que está ligada à penetração teúdos das opiniões podem estar associados
das complexas relações da socieda- mais com a forma do pensamento do que com
de moderna. posições políticas e econômicas, a estrutura
de personalidade autoritária parece também
Com base em diversos textos dos ter se transformado em uma mais regredida: a
frankfurtianos – Horkheimer e Adorno (1985), personalidade narcisista. A primeira delas, a sa-
Marcuse (1981 e 1982) e Habermas (1983), é domasoquista, é própria da fase psicossexual
possível pensar que serve de base para tal anal, como descrita pela Psicanálise,1 já a
“estrutura de pensamento” a ideologia da narcisista, da fase psicossexual oral, anterior à
racionalidade tecnológica que, em outra oca- outra. No narcisismo, o eu tenta se estruturar;
sião (CROCHIK et al., 2009, p. 127) foi definida no sadomasoquismo, busca sobreviver e ultra-
da seguinte forma: passar os conflitos que lhe são próprios. Ador-
no (1969; 2015) indica que o narcisismo tende
(...) essa ideologia diz respeito a a substituir as formas de personalidade pre-
uma forma de pensamento que dominantes na época de Freud – a histeria, a
utiliza a sistematização, a classifi- neurose obsessiva – e entendemos: o sadoma-
cação, a normalização e o pragma-
tismo para analisar qualquer objeto 1
Os conceitos psicanalíticos utilizados neste texto são
em detrimento de suas particulari- delimitados, sobretudo por Freud, e têm no trabalho
dades – devidas a condições histó- de Laplanche e Pontalis (1988) uma bem desenvolvida
apresentação.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
53
soquismo. Lasch (1983), estudioso que prosse- Em 2001 e 2002, essas escalas foram
guiu os estudos dos frankfurtianos, escreveu a aplicadas a 139 estudantes de cursos de Psi-
respeito da cultura do narcisismo, proveniente cologia, Administração de Empresas e Enfer-
também dos “fracassos” coletivos da década magem de uma universidade de São Paulo.
de 1960. Todas as escalas se correlacionaram signifi-
Adorno et al. (1950) tiveram como sua cantemente com as outras ao nível de 0,01.
hipótese principal de trabalho que os indivídu- Nesse sentido, pode-se supor que, ao lado
os têm uma pauta ampla e coerente de con- da ideologia e da personalidade anteriores,
vicções políticas, econômicas e sociais, que surgiram novas, que não as substituíram, mas
expressa tendências profundas da personali- se constituem em outras possibilidades de es-
dade. Se a ideologia se alterou e a estrutura trutura de personalidade e de ideologia que
da personalidade mais frequente segundo as podem estar subjacentes ao autoritarismo.
necessidades sociais da época também, ca- Como a correlação da Escala F com a de cate-
beria saber, em um primeiro momento, qual gorização Política (Escala C) e com a escala da
a relação das novas ideologia e estrutura de ideologia da racionalidade tecnológica foram
personalidade com as que estudaram: a per- maiores do que as correlações dessas escalas
sonalidade autoritária e as ideologias políticas com a escala N, pode-se supor que os confli-
e econômicas conservadora e liberal. tos próprios ao sadomasoquismo ainda sejam
Para isso, Crochík (2005) traduziu, adap- mais propícios para explicar a adesão a essas
tou e aplicou a Escala F, com 28 itens, e elabo- ideologias do que o narcisismo.
rou três outras escalas:2 uma escala de catego- Em relação à ideologia da racionalidade
rização política (escala C), numerada de zero a tecnológica, em estudo anterior (CROCHÍK,
10 pontos, com a palavra “esquerda” no início 2000), a correlação entre a escala da ideolo-
e “direita” ao final; entendeu-se que direita sig- gia da racionalidade tecnológica e a escala F
nificava conservadorismo político-econômico já havia sido maior do que a encontrada en-
e esquerda a necessidade de transformações tre essa ideologia e as características narci-
sociais para a constituição de uma sociedade sistas de personalidade. Isso não implica que
justa e igualitária; uma escala para avaliar a não tenha aumentado de frequência o tipo
adesão à ideologia da racionalidade tecnológi- de personalidade narcisista, mas que essa se
ca e outra, com a Professora Maria de Fátima relaciona menos com adesão à ideologia da
Severiano, para avaliar traços narcisistas de racionalidade tecnológica do que a persona-
personalidade; as duas últimas escalas têm es- lidade autoritária.
trutura semelhante à da escala F, isto é, afirma- Em síntese, pelos dados obtidos nas pes-
ções tipo Likert e um contínuo de seis pontos, quisas mencionadas não é possível confirmar
sem a opção de neutralidade quanto à concor- que houve substituição de um tipo de ideolo-
dância ou não com essas afirmações.3 gia e de uma forma de estrutura de persona-
lidade por outra ideologia e por outro modo
2
Os índices psicométricos dessas escalas foram
de constituição psíquica. No entanto, pode-se
satisfatórios e não serão reapresentados neste texto.
3
Em relação às pesquisas, cujos dados serão exibidos supor o fortalecimento de uma nova ideolo-
a seguir, as escalas com item do tipo Likert foram gia e o aumento de frequência de indivíduos
utilizadas, pois permitem diretamente a comparação narcisistas. Essas não eliminaram as anterio-
com os dados obtidos por Adorno et al. (1950), que,
res, e apresentam relações com elas: quanto
além dessas escalas, também empregaram outros
instrumentos, e porque o objetivo foi o de verificar mais um sujeito é conservador do ponto de
quão geral é o fenômeno estudado, e não uma análise vista político, tanto mais defende a ideologia
de camadas psíquicas que abranjam informações da racionalidade tecnológica; quanto mais
menos visíveis, permitida por meio de entrevistas
sua constituição psíquica se aproxima do sa-
e testes projetivos, por exemplo. Essa observação
permite delimitar os resultados a serem apresentados, domasoquismo, tanto mais é narcisista. Res-
mas não deve eliminar a sua importância para a ta, a partir do estudo de Adorno et al. (1950)
compreensão do fenômeno estudado.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
54
a respeito da personalidade autoritária, con- se relacionar com uma visão de mundo siste-
siderar a relação dessas variáveis com o pre- mática, técnica e padronizada, evitando ambi-
conceito, que eles avaliaram pelas escalas do guidades não suportáveis pelo indivíduo pre-
antissemitismo e, posteriormente, pela escala conceituoso, para quem, de uma forma geral,
do etnocentrismo, as duas relacionadas entre tudo deve ser muito bem delimitado: quer a
si e com os escores da Escala F. adesão a regras morais ou a eficiência exigi-
Para verificar essa questão, foi criada, da por nossa sociedade. Quem é moralmen-
em parceria com o pesquisador Ricardo Cas- te suspeito ou não produtivo, por quaisquer
co, uma Escala de manifestação do preconcei- motivos, pode-se tornar alvo do preconceito.
to que, com a Escala C, Escala F, com a Escala Se o preconceito é expressão imediata
I, com a Escala N, foi aplicada também àquela de um sistema autoritário, ele foi central no es-
amostra testada em 2001 e 2002. Delimitou- tudo sobre a personalidade autoritária, assim
-se o conceito de preconceito como uma ati- como em nossos estudos, e a determinação
tude hostil em relação a minorias. Como é da estrutura de personalidade e da ideologia
uma atitude, essa contém, segundo Krech, continua presente, mas agora, ao que parece,
Crutchfield e Ballachey (1975), um componen- com uma variedade maior, quer de ideologias,
te cognitivo – no caso, os estereótipos –, um quer de estruturas de personalidade.
componente emocional – gostar, odiar ou ser Outra questão que se põe à luz desses es-
indiferente ao alvo –, e uma tendência para a tudos é se há uma única forma de preconceito
ação – discriminação presente na segregação dirigida indiferentemente a todos os grupos
e na marginalização desse alvo (CROCHÍK, que se constituem como alvos ou se há pre-
2011; CROCHÍK et al., 2013). conceitos distintos em relação às diversas mi-
Essa escala sobre preconceitos (Escala norias. Em 2002, foi aplicada (CROCHÍK, 2004)
P) tem a mesma estrutura da Escala F, e se a Escala de manifestação de Preconceitos a
dirige a quatro alvos, com 12 afirmações para uma amostra de 172 estudantes universitários
cada um deles: judeu, negro, pessoas com de- paulistanos, de um curso de Administração e
ficiência intelectual e pessoa com deficiência de cursos de Ciências Biológicas, e foram cor-
física. Foram obtidas correlações significantes relacionados entre si os escores dessa escala
com todas as demais escalas, com p<0,01, a dirigidos a cada um dos alvos que contempla
maior delas com a Escala F (r = 0,66), e, as- (negro, judeu, pessoa com deficiência física, e
sim, pode-se afirmar que a tendência anti- pessoa com deficiência intelectual), em cada
democrática continua a se relacionar com o um desses cursos. Nas duas amostras, todas
preconceito em nossos dias, mais do que os as subescalas se correlacionaram significante-
traços narcisistas de personalidade. Com esse mente entre si, ao nível de 0,01, isto é, quem
resultado, pode-se supor que o preconceito é tem o preconceito em relação a um desses al-
mais afeito à delimitação específica de alvos a vos tende a manifestá-lo também em relação
serem atingidos, que configura o sadomaso- aos demais.
quismo em sua ambivalência frente ao obje- Na amostra de estudantes do curso de
to amado e odiado simultaneamente, do que Administração, as duas maiores correlações
ao narcisismo que é considerado sem objetos encontradas foram entre o preconceito dirigi-
para dirigir sua libido, além de seu próprio eu. do contra pessoas com deficiência (r = 0,72) e
Deve-se ressaltar que a manifestação do entre o preconceito voltado contra as etnias
preconceito também se relaciona com a ide- (r = 0,52); na amostra dos alunos dos cursos
ologia da racionalidade tecnológica: quanto de ciências biológicas, a maior correlação foi
maior é a manifestação do preconceito, tan- a encontrada no preconceito voltado contra
to mais o indivíduo defende a ideologia da pessoas com deficiência (r = 0,70), mas a cor-
racionalidade tecnológica. O pensamento es- relação entre o preconceito voltado contra as
tereotipado, próprio ao preconceito, parece duas etnias foi a mais baixa (r= 0,22). Pode-

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
55
-se supor que o preconceito dirigido contra com seis itens, e outra contra minorias que
o judeu e contra o negro é constituído por moralmente são rejeitadas (PM), com quatro
características inexistentes nesses alvos, isso itens. Os itens dessas escalas encontram-se
é, precisa de motivos criados para existir; já no Anexo 1.
o preconceito dirigido às pessoas com defici- Alguns dados referentes a essas escalas,
ência se nutre de uma generalização indevida: aplicados nesta amostra, estão na Tabela 1.
julga que dada a deficiência, essa se estende
para o que não é devido; em ambos os casos, Tabela 1: Dados referentes às escalas utilizadas
há uma percepção distorcida da realidade que
deve atender necessidades psíquicas e apelos Escalas Média Desvio Alpha de
ideológicos. Padrão Cronbach
Assim, se, de fato, o preconceito se refe- F 2,65 0,64 0,83
re à pessoa que o desenvolve e não à sua ví- I 3,13 1,19 0,83
tima, não é menos verdadeiro que diferentes
alvos podem suscitar diferentes reações nos N 3,12 0,93 0,81
preconceituosos, pois, caso contrário, a cor- PD 1,82 0,97 0,82
relação dos diversos preconceitos seria plena, PM 2,86 1,34 0,74
o que não deve significar, deve-se enfatizar,
que o alvo tenha qualquer responsabilidade Os dados da Tabela 1 indicam que todas
sobre a violência que recai sobre si. as escalas têm um Alpha de Cronbach satisfa-
Pode-se supor, a partir dos resultados tório, mesmo a que se refere ao Preconceito
encontrados nas diversas pesquisas referidas, Moral. Considerando 3,5 pontos o centro de
que diferentes estruturas de personalidade cada uma dessas escalas, podemos constatar
podem estar associadas a diferentes tipos que, em média, os estudantes dessa pesquisa
de alvos do preconceito. É essa hipótese que têm escores próximos a esse ponto central na
será verificada pelo estudo a ser descrito, Escala I e na Escala N, e abaixo dele nas Esca-
cujos dados ainda não foram publicados. las F, PD e PM.
Um dos objetivos4 desta pesquisa foi Os sujeitos foram comparados consi-
verificar se a ideologia da racionalidade tec- derando as suas características quanto aos
nológica, o sadomasoquismo e o narcisismo escores nas diversas escalas. As alunas foram
se relacionam com dois tipos de preconceito: menos preconceituosas contra as pessoas
contra pessoas com deficiência e o que envol- que têm deficiência do que os alunos [t (133)
ve julgamentos morais. = 3,70; p=0,00]. Os que alegam seguir religi-
Em 2016, foram aplicados para 135 estu- ões, quando comparados com os que indi-
dantes universitários do Estado de São Paulo, caram não seguir qualquer religião, tiveram
cinco escalas, das quais três já foram descri- escores maiores na Escala F [t(133)=4,37; p
tas: Escala da Ideologia da Racionalidade Tec- =0,00]; na Escala N [t(133)=2,20; p=0,03], na
nológica (Escala I), com sete itens, a Escala Escala I [t=(133)=2,03; p=0,04] e na Escala PM
do Fascismo (Escala F), com 28 itens, a Escala [t=(133)=3,42; p=0,00]. Os estudantes da área
dos Traços Narcisistas de Personalidade (Es- de Exatas tiveram maiores escores na Escala F
cala N), com 10 itens; as duas outras escalas do que os da área de Humanas [F(2 e 132=6,24,
foram derivadas da Escala de Manifestação p=0,00], e maiores escores na Escala do Pre-
de Preconceitos (Escala P): uma escala de pre- conceito Moral do que os seus colegas da
conceito contra pessoas com deficiência (PD), área de Biológicas [F(2 e 132) = 4,88; p=0,01].
4 A pesquisa em questão tem mais objetivos do que
Por fim, quanto maior o nível socioeconômico
aquele que será exposto neste texto. O projeto dos sujeitos, tanto maior o escore na Escala N
de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética do [r(133) = 0,18; p = 0,04] e tanto maior o escore
Instituto de Psicologia em 8 de setembro de 2015, na Escala PD [r(133) = 0,25; p = 0,00]. Ainda
Parecer n. 1.218.644.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
56
que esses dados indiquem questões impor- considerações sobre os dados anteriores que
tantes, essas não serão analisadas, uma vez mostram que, se relacionam-se entre si, não
que não se referem ao objetivo da pesquisa o fazem plenamente, exibindo diferenças im-
que foi apresentado. Essas informações servi- portantes entre si.
ram, no entanto, para se calcular correlações Em suma, as pessoas com traços nar-
com controle para as variáveis: sexo, religião, cisistas de personalidade tendem a ser mais
área de estudo e nível socioeconômico. preconceituosas contra indivíduos que apre-
Na Tabela 2, encontram-se as correla- sentem deficiências e os que têm traços
ções parciais obtidas entre, de um lado, os es- sadomasoquistas dirigem seu preconceito,
cores das Escalas F, I e N e, de outro lado, os sobretudo contra quem, segundo eles jul-
escores das escalas sobre o preconceito. gam, não age de forma moral adequada.
Conforme Adorno et al. (1950) acentuam,
Tabela 2: Correlações parciais entre as escalas a personalidade autoritária não conseguiu
constituir satisfatoriamente a consciência
Preconceito Preconceito moral, por isso precisa forçar a adesão a valores
contra Pessoas Moral que não incorporou, mas que se associam
com Deficiência com a autoridade, para a qual destinam um
Fascismo 0,45** 0,51** sentimento ambivalente: amam e odeiam; a
Narcisismo 0,33** 0,28** perseguição àqueles que imaginariamente
não seguem os valores pretensamente
Ideologia 0,38** 0,44** defendidos por essa autoridade ocorre
Preconceito 0,44** para que os próprios desejos negados e o
Moral medo da autoridade não venham à tona. Já
os narcisistas que consideram a aparência,
Todas as correlações constantes na Ta- sobretudo da perfeição, e a força quer física,
bela 2 são significantes com p < 0,00, o que quer intelectual como parte de seu próprio
significa que o sadomasoquismo, o narcisis- eu, que são respostas a um eu ferido em sua
mo e a ideologia da racionalidade tecnológica onipotência infantil, também desdenham nas
são variáveis importantes para se entender pessoas com deficiência os que lutam em não
e combater ambos os tipos de preconceito perceber em si próprios: sua fragilidade.
estudados. Cabe, no entanto, ressaltar que o Para concluir este texto, podemos men-
sadomasoquismo, avaliado pela Escala F, e a cionar, à luz dos resultados obtidos nos diver-
adesão à ideologia da racionalidade tecnoló- sos estudos, que:
gica estão mais relacionados com o precon- 1 – a Escala do Fascismo continua fide-
ceito moral do que o narcisismo, ocorrendo digna e válida para os nossos dias, o que in-
o inverso em relação ao preconceito contra dica a importância de estarmos atentos ao
pessoas com deficiência, ainda que, para sadomasoquismo provocado pela sociedade
ambos os tipos de preconceito avaliados, as atual, que sobrevaloriza a força e despreza o
magnitudes das correlações das Escalas F e I seu oposto;
tenham sido mais elevadas. 2 – traços do sadomasoquismo, ava-
Importante mencionar que houve tam- liados pela Escala F, têm correlação com a
bém correlação significante entre os dois ti- adesão à ideologia da racionalidade tecno-
pos de preconceito [r(133) = 0,44; p =0,00], lógica, com o narcisismo e com os dois tipos
o que confirma dados das pesquisas ante- de preconceito considerados. Nesse sentido,
riores apresentadas (ADORNO et al., 1950; não somente se pode afirmar que o sado-
CROCHIK, 2004) que indicam que o precon- masoquismo continua a ser uma estrutura
ceituoso tende a desenvolver vários tipos de de personalidade existente, como apresenta
preconceito, ao que se deve acrescentar as consonância com traços narcísicos de perso-

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
57
nalidade e com a ideologia que sustenta uma estudadas, a ideologia da racionalidade tec-
visão sistemática, nesse caso, tem prazer no nológica e o preconceito manifestado são ní-
poder demonstrado no “fazer coisas”, “ser tidos sinais da prevalência de uma sociedade
eficiente”, como o tipo Manipulador, analisa- repressiva. O fato, no entanto, de os escores
do por Adorno et al. (1950). A correlação do nas diversas escalas não terem sido elevados,
autoritarismo com os preconceitos avaliados assim como a magnitude das correlações en-
mostra como fenômenos psíquicos não po- contradas entre elas, sinaliza sua contradição:
dem ser pensados independentemente de luta pela liberdade e manutenção de meca-
sua determinação social. nismos de opressão, que geram sofrimentos
3 – as medidas de personalidade antide- individuais e perseguição de diversos tipos.
mocrática, narcisista e da adesão a uma for- Para que essa contradição seja superada, a
ma de pensar que reduz todos os fenômenos análise de tendências sociais continua es-
à racionalidade técnica estão correlacionadas sencial. Tal análise, no entanto, não pode ser
com as duas formas de preconceito estuda- reduzida à empiria, mas, sem essa empiria,
das, mas características de personalidade pode-se não perceber com nitidez como o
autoritária estão mais relacionadas com o objeto se constitui na atualidade e, assim, ter
preconceito moral do que contra pessoas meios adequados para a sua libertação.
com deficiência, ocorrendo o oposto com as Por fim, cabe retomar a indicação inicial
características de personalidades narcisistas. deste texto referente à contradição própria
Como já afirmado, para o sadomasoquista, a ao uso de métodos quantitativos em ciências
questão moral, expressa nos desvios em rela- sociais, uma vez que esses, ao mesmo tempo
ção às regras não de todo introjetadas por ele que trazem dados importantes para a com-
e, por isso mesmo, exageradamente defendi- preensão da sociedade e da constituição psí-
das, é central; mais do que a questão da per- quica dos indivíduos, podem se converter em
feição corporal ou intelectual, que, para o nar- fetiche quando não se reflete sobre seus limi-
cisista, é mais importante do que os supostos tes. O que permite tirá-los de uma interpreta-
desvios morais. Para o narcisista, a questão ção que ofusca o que os determina é a análise
da autoconservação, imaginária e realmente teórica, lembrando que essa não deixa de ser,
ameaçada, dada a sua constante sensação de como Adorno (1995) defende, prática. Os ti-
impotência, à qual reage sua aparente prepo- pos de personalidade, as formas de ideologia
tência, é mais premente. e as atitudes preconceituosas examinados
Esses resultados indicam a importância neste texto não poderiam ter sido concebi-
de estudos empíricos para a continuidade da dos, testados e analisados sem uma teoria da
análise que os frankfurtianos fizeram de nos- sociedade e sem uma psicologia social analiti-
sa sociedade que, ao se considerar a previsão camente orientada, como a delimita Adorno
de Horkheimer e Adorno (1985), no prefácio (2015). Assim, não demonstram apenas as
da segunda edição de a Dialética do Esclareci- tendências encontradas, mas apontam tam-
mento, mais aprofundou sua tendência para bém para as que, teoricamente, pela análise
se converter em uma sociedade administrada histórica da sociedade, já são passíveis de se
do que se encaminhou para a liberdade de tornarem reais, opondo-se à regressão social
seus indivíduos. As configurações psíquicas e psíquica existente.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
58
Referências

ADORNO, T. W. “Opinión, locura, sociedade.” In: ______. Intervenciones: nueve modelos de


critica. Caracas: Monte Avila ed, 1969.
______. “Sobre a relação entre sociologia e psicologia.” In: ______. Ensaios sobre psicologia
social e psicanálise (V. Freitas, trad., p. 71-135). São Paulo: Editora UNESP, 2015.
______. FRENKEL-BRUNSWIK, E.; LEVINSON, D. J.; SANFORD, R. N. The authoritarian personal-
ity. New York: Harper and Row, 1950.
______. SIMPSON, G. “Sobre música popular.” In: G. Cohn (Org.), Theodor W. Adorno – Socio-
logia (p. 115-146). São Paulo: Ática, 1994.
CROCHÍK, J. L. “Tecnologia e individualismo: um estudo de uma das relações contemporâneas
entre ideologia e personalidade.” Análise Psicológica. Lisboa, v. 4, n. 17, p. 529-543, 2000.
______. “Manifestações de Preconceito em relação às etnias e aos deficientes.” Boletim de
Psicologia. São Paulo, v. LIII, n. 118, p. 89-108, 2004.
______. “Preconceito: relações com a ideologia e com a personalidade.” Estudos de Psicologia.
Campinas, v. 22, n. 3, p. 309-319, 2005.
______. Preconceito, Indivíduo e Cultura (3. ed.). São Paulo: Editora Casa do Psicólogo, 2011.
______.  CASCO, R.; CERON, M.; CATANZARO, F. O. “Relações entre preconceito, ideologia e
atitudes frente à educação inclusiva.” Estudos de Psicologia. Campinas, v. 26, p. 123-132, 2009.
______. KOHATSU, L. N.; DIAS, M. A.; FRELLER, C. C.; CASCO, R. Inclusão e Discriminação na
Educação Escolar, 1. ed. Campinas: Alínea Editora, 2013.
______. MASSOLA, G. M.; SVARTMAN, B. P. A ideologia do cientificismo. Psicologia USP [on-
-line]. São Paulo, v. 26, n. 1, p. 1-3, 2015.
FREUD, S. O mal-estar na civilização. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011.
HABERMAS, J. “Técnica e ciência enquanto ideologia.” In: Textos escolhidos. Benjamin,
Horkheimer, Adorno, Habermas (p. 313-343). São Paulo: Abril Cultural, 1983.
HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. Temas básicos da sociologia (A. Cabral, trad.). São Paulo:
Cultrix, 1973.
______. ______. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos (G. de Almeida, trad.). Rio
de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
KRECH, D; CRUTCHFIELD, R. S.; BALLACHEY, E. L. O Indivíduo na Sociedade – Um manual de
Psicologia Social, 3. ed. São Paulo: Pioneira, 1975.
LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J.-B. Vocabulário de Psicanálise (P. Tamen, trad.). São Paulo: Livraria
Martins Fontes Editora, 1988.
LASCH, C. (1983). A cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças em declí-
nio (E. P. Moura, trad.). Rio de Janeiro: Imago, 1983.
MARCUSE, H. Eros e Civilização (A. Cabral, trad.). Rio de Janeiro: Zahar ed., 1981.
MARCUSE, H. Ideologia da Sociedade Industrial (G. Rebuá, trad.). Rio de Janeiro, Zahar
ed., 1982.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
59
ANEXO 1:
Escalas
Instruções:

A seguir, são apresentadas afirmações sobre diversos temas; gostaríamos de saber o


grau de sua concordância com cada uma delas. Não há respostas corretas ou incorretas; essas
afirmações não expressam, necessariamente, o pensamento dos pesquisadores. Garantimos o
anonimato de suas respostas. Pedimos a você que, com a sua primeira impressão, assinale com
um “X” o valor da concordância com cada afirmação: o número 1 significa discordância plena e
o número 6, concordância plena; quanto maior o número, tanto maior é a concordância.

Discordo 1 2 3 4 5 6 Concordo
F1. Algum dia se provará que a astrolo-
Discordo Concordo
gia pode explicar muitas coisas.
F2. A obediência e o respeito à autori-
dade são as principais virtudes que de- Discordo Concordo
vemos ensinar às nossas crianças.
F3. Um indivíduo de más maneiras,
maus costumes e má educação dificil-
Discordo Concordo
mente pode fazer amizade com pes-
soas decentes.
F4. O que este país necessita, primor-
dialmente, antes de leis ou planos po-
líticos, é de líderes corajosos e incansá- Discordo Concordo
veis em quem o povo possa depositar
a sua fé.
F5. Não se concebe nada pior do que
uma pessoa que não sente profundo Discordo Concordo
amor, gratidão e respeito por seus pais.
F6. As pessoas podem ser divididas em
duas classes definidas: as fracas e as Discordo Concordo
fortes.
F7. Só por meio do sofrimento se
aprendem as coisas verdadeiramente Discordo Concordo
importantes.
F8. A ciência tem o seu lugar, mas há
muitas coisas importantes que a mente Discordo Concordo
humana jamais poderá compreender.
F9. Às vezes, os jovens têm ideias rebel-
des que, com os anos, deverão superar Discordo Concordo
para assentar os seus pensamentos.
F10. Se falássemos menos e trabalhás-
Discordo Concordo
semos mais, todos estaríamos melhor.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
60
F11. Todos devemos ter fé absoluta em
um poder sobrenatural, cujas decisões Discordo Concordo
devemos acatar.
F12. Hoje em dia, as pessoas se intro-
metem cada vez mais em assuntos que
Discordo Concordo
deveriam ser estritamente pessoais e
privados.
F13. Os homossexuais são quase crimi-
nosos e deveriam receber um castigo Discordo Concordo
severo.
F14. Nenhuma pessoa decente, normal
e em seu são juízo pensaria ofender um Discordo Concordo
amigo ou parente próximo.
F15. Os crimes sexuais, tais como o
estupro ou ataques contra crianças,
merecem mais do que prisão; quem co-
Discordo Concordo
mete esses crimes deveria ser açoitado
publicamente ou receber um castigo
pior.
F16. Deve-se castigar sempre todo in-
Discordo Concordo
sulto à nossa honra.
F17. A maioria de nossos problemas so-
ciais estaria resolvida se pudéssemos
nos livrar das pessoas imorais, dos mar- Discordo Concordo
ginais e das pessoas com deficiência in-
telectual.
F18. Quando alguém tem problemas
ou preocupações, é melhor não pensar
Discordo Concordo
neles e se ocupar de coisas mais agra-
dáveis.
F19. A vida sexual desenfreada dos an-
tigos gregos e romanos era um jogo
inocente em comparação com o que Discordo Concordo
sucede neste país, mesmo nos lugares
menos imagináveis.
F20. A maioria das pessoas não imagi-
na até que ponto a vida está dirigida
Discordo Concordo
por conspirações forjadas em lugares
secretos.
F21. Hoje em dia, em que tantas pessoas
diferentes andam e se misturam por to-
dos os lados, todos devem se proteger, Discordo Concordo
com especial cuidado, contra o contá-
gio de infecções e enfermidades.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
61
F22. Tal como é a natureza humana,
Discordo Concordo
sempre haverá guerras e conflitos.
F23. Algumas pessoas nascem com ne-
Discordo Concordo
cessidade de saltar de lugares altos.
F24. Nenhuma fragilidade ou dificulda-
de pode nos deter quando temos sufi- Discordo Concordo
ciente força de vontade.
F25. O que a nossa juventude mais ne-
cessita é disciplina, determinação, von-
Discordo Concordo
tade de trabalhar e se sacrificar pela
família e pelo país.
F26. As guerras e os conflitos sociais
podem acabar algum dia por obra de
Discordo Concordo
um terremoto ou de uma inundação
que destrua o mundo inteiro.
F27. A familiaridade cria desprezo. Discordo Concordo
F28. O comerciante e o industrial são
muito mais importantes para a socie- Discordo Concordo
dade do que o artista e o professor.
N01. Sinto-me bem na companhia de
Discordo Concordo
pessoas influentes.
N02. Tenho uma admiração incondicio-
nal pelos que ocupam lugar superior a Discordo Concordo
mim no trabalho.
N03. Sinto-me verdadeiramente livre
quando posso gastar comprando as Discordo Concordo
coisas que desejo.
N04. Geralmente, sinto-me frustra-
do(a) por não conseguir o controle de Discordo Concordo
minha forma física.
N05. Busco incansavelmente o suces-
Discordo Concordo
so.
N06. Considero que alguns produtos
evidenciam mais a minha personali- Discordo Concordo
dade.
N07. Sofro muito quando não atinjo
Discordo Concordo
os meus objetivos.
N08. Gosto de mostrar aos outros os
Discordo Concordo
meus sucessos.
N09. Sinto-me seguro(a) quando a
Discordo Concordo
minha aparência é elogiada.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
62
N10. Fico mais feliz com elogios de
meus professores e/ou dos que ocu-
pam lugar superior a mim no trabalho Discordo Concordo
do que por ter conseguido alcançar
um objetivo.
I01. Se a pena de morte diminuir a
criminalidade, ela deve ser aprova- Discordo Concordo
da.
I02. O político deve ter boa formação
escolar para representar os nossos Discordo Concordo
ideais culturais.
I03. A violência atual decorre, princi-
palmente, do fato da impunidade ser Discordo Concordo
muito grande.
I04. Seria um ato de benevolência se
a nossa cultura pensasse meios de Discordo Concordo
execução indolor para os criminosos.
I05. O adultério mostra a imaturidade
Discordo Concordo
do adúltero.
I06. A impunidade aos mais variados
delitos e crimes é a pior forma de in- Discordo Concordo
justiça social.
I07. Há criminosos que não são recu-
peráveis, para esses deveria haver Discordo Concordo
pena de morte.
PD01. Não seria namorado(a) de
Discordo Concordo
uma pessoa com deficiência física.
PD02. As pessoas com deficiência
intelectual deveriam estudar em es- Discordo Concordo
colas e/ou classes especiais.
PM01. Não namoraria alguém que se
Discordo Concordo
prostitui.
PM02. Não gostaria que alguém de
minha família fosse homossexual, Discordo Concordo
lésbica, transgênero ou transexual.
PM03. Não gostaria que uma pessoa
que consome drogas trabalhasse co- Discordo Concordo
migo.

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
63
PM04. Não namoraria pessoa vicia-
Discordo Concordo
da em drogas.
PD03. A pessoa com deficiência físi-
ca, na maioria das vezes, lembra-me Discordo Concordo
a imperfeição humana.
PD04. Uma das piores fatalidades
que podem acontecer a uma pessoa Discordo Concordo
é ter deficiência intelectual.
PD05. Geralmente, as pessoas
com deficiência intelectual não são Discordo Concordo
atraentes.
PD06. A presença de uma pessoa
com deficiência intelectual me causa Discordo Concordo
mal-estar.

Dados do autor

José Leon Crochik


Doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo.
Professor Titular do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo/SP – Brasil.
jlchna@usp.br

Submetido em: 28-2-2017


Aceito em: 12-7-2017

Impulso, Piracicaba • 27(69), 49-64, maio-ago. 2017 • ISSN Impresso: 0103-7676 • ISSN Eletrônico: 2236-9767
64