Você está na página 1de 6

SIMPLICIDADE

INTRODUÇÃO (Ec. 7:29 – Ler na NTLH)

Nestes tempos a simplicidade é muito desafiadora. Pois tudo nos


empurra para a diversidade, multiplicidade, complexidade para sermos cheios
de coisas. Porém, Jesus nos chama para a simplicidade.

1. O QUE É SIMPLICIDADE?
Simplicidade: Ausência de complicação, complexidade.
Simplicidade: Liberdade, alegria e equilíbrio.
Complexidade (complicação): Cativeiro, ansiedade e medo.

Em Mt. 18:2 Jesus aponta que quem não for como uma criança jamais
entrará no reino dos céus.

Conforme vamos crescendo vamos sendo de alguma forma deformados


e começamos a ficar complexos. O que nos leva a um cativeiro, ansiedade e
medo. Conforme vamos vivendo vamos nos colocando em um labirinto de
falsas necessidades que nos coloca num ciclo vicioso.

A estratégia do inimigo na nossa mente é transformar o “eu quero” em


“eu preciso”.

O que nos rouba da simplicidade? Daquilo que Jesus tem para nós
(liberdade, alegria e equilíbrio)?

É quando eu completo a frase: “Eu preciso de__________ para ser feliz!”.

O inimigo quer que a gente encha a linha de várias coisas. Quer que a
gente tenha várias respostas para esta afirmação.

Quando trocamos o eu preciso pelo eu quero, entramos num labirinto de


falsas necessidades que nos coloca no ciclo vicioso.

Quando eu começo a falar que eu preciso de algo que eu não preciso,


eu vou ter que começar a fazer coisas que eu não deveria fazer para conseguir
aquilo que eu não preciso.

O que é o diabo quer é que comecemos a afirmar que precisamos


daquilo que não precisamos.
O que seria a simplicidade bíblica? É descobrir que só tem uma palavra que
completa o espaço em branco. //Eu preciso de CRISTO para ser feliz.//

O que você colocaria nessa frase? //Comece a olhar agora para a sua
infelicidade

Ex. Relacionamento, dinheiro, carreira, likes...

Será que essa supervalorização não tem reinado no seu coração e o tem
deixado complexo? O evangelho é SIMPLES!

2. TIPOS DE SIMPLICIDADE

2.1 SIMPLICIDADE MATERIAL (Fp. 4:11-13)

O segredo é ser rico? Não! O segredo é ser pobre? Não! O segredo é


que o centro da existência e o que precisamos é Cristo. Cristo é a chave
para a simplicidade.

O segredo é entender que precisamos de uma única coisa: CRISTO!

Paulo encontrou um centro. O restante era todo periférico.

O ter em excesso nos leva a um ciclo de complexidade. Exemplo:


Bicicleta, moto e carro.

Então eu não posso ter essas coisas? Podemos. Porém, precisamos


entender que a simplicidade nos liberta para estarmos disponíveis para o reino
de Deus.

Ex. Vamos visitar fulano? Não posso. Vou ter que fazer hora extra para ganhar
uma grana para pagar a prestação do celular.

Jesus pode nos chamar hoje? Ou estamos muito ocupados correndo


atrás de uma prosperidade?

Prosperidade é tudo o que precisamos para cumprir o propósito de Deus


da nossa vida.

Exemplo: Qual o celular eu preciso? Qual faculdade eu preciso? O que é


simplicidade? É não passar disso. É ter Cristo tão no centro da nossa vida que
não queremos impressionar ninguém. //roupa, celular, tênis//
Quando o centro da nossa vida é Cristo somos livres para pedir para ele
colocar em nossa vida tudo aquilo que precisamos para cumprir o seu
propósito, para buscar o reino de Deus em primeiro lugar.

O que você precisa hoje para cumprir o propósito de Deus? Peça para
Deus! (Não é o que queremos). Ex. Célula, casamento...

A simplicidade material é o grande desafio para nós porque tem uma


propaganda o tempo todo de que precisamos de muita coisa. Muitas vezes
temos vergonha de usar algo por muito tempo ou repetir roupas (vestidos). Ou
temos vergonha de usar algo quando somos constrangidos por alguém.

Jesus nos convida à simplicidade. Simplicidade é liberdade, é estar


contente, satisfeito. Não é estar acomodado!

2.2 SIMPLICIDADE INTELECTUAL (Fp. 3:4-8).

Paulo fala que tudo o que ele e tinha e sabia considerava esterco diante
da sublimidade do conhecimento de Cristo. O que é simplicidade? EU preciso
só dele. Não precisamos de nenhum dos nossos diplomas.

Não importa se somos engenheiros, médicos, advogados. Não devemos


nos apegar a nada disso. Porque encontramos JESUS!

Paulo compara os outros conhecimentos à esterco. Ele diminui tudo isso


a uma palavra sem valor, que na verdade era adubo, as outras coisas são só
adubo e vitamina para o conhecimento de Cristo. Não é desprezar o
conhecimento. É entender o lugar dessas coisas. Você não precisa disso para
sua felicidade. Você pode usar isso como uma grande vitamina, adubo para o
conhecimento de Cristo.

Muitas vezes temos uma falsa ideia de que se soubermos mais, as


pessoas vão gostar mais. Precisamos ter Cristo como o maior tesouro da
nossa vida.

Quando chegamos nesse ponto onde a centralidade da nossa vida é


Cristo, começamos a aprender com as pessoas. Começamos a valorizar todas
as pessoas.
Muitas vezes, a falsa intelectualidade que vivemos nos torna pessoas
extremamente arrogantes.

Muitas vezes estamos em um grupo de pessoas, mas queríamos estar


em outro grupo por achar que o nosso grupo é inferior.

Quantas vezes desprezamos pessoas que não tem um conhecimento


tão elevado por achar que elas não têm nada a acrescentar na nossa vida.

Podemos aprender com qualquer pessoa que esteja perto de nós. Isso
nos deixa mais quietos e nos faz aprender mais. Quantas vezes a gente é o
que mais fala na mesa de amigos? Quando Cristo é o centro da nossa vida, a
gente consegue falar menos pois queremos aprender sobre o Cristo que está
nas outras pessoas.

2.3 SIMPLICIDADE ESPIRITUAL (Gl. 1:6)

Será que não estamos nos tornando espiritualmente complexos?

Gálatas 1:6 – Paulo fala que ele está surpreso porque eles estavam saindo do
evangelho simples para o evangelho complexo. Por que complexo? Porque
existiam pessoas ali no meio da igreja da Galácia dizendo e questionando:
“Você acha que é simples assim? Aceitou Jesus, colocou a fé Nele, a graça
vem e tá salvo?”. “Você tem que crer em Jesus, mas tem que fazer isso, isso e
isso”.

Deus nos quer numa simplicidade espiritual. E qual é essa simplicidade?


JESUS É SUFICIENTE. A graça Dele sozinha é capaz de nos salvar. Não
precisamos adicionar absolutamente nada!

Quando é que a gente começa a sair dessa simplicidade que é o


evangelho? Quando a gente começa a precisar de muitas coisas para se
relacionar com Deus.

“Se não for o fulano pregando!”. “Se não for o fulano cantando!”. “Se não for tal
música eu não consigo conectar!”. “Se não for esta bíblia!”.

Devemos cortar tudo isso, pois Cristo é suficiente.

3. DICAS RICHARD FOSTER – A CELEBRAÇÃO DA DISCIPLINA


3.1 Mentalidade que devemos ter em relação à simplicidade.

- Tudo é dádiva de Deus.

Não podemos nos apegar a nada porque tudo vem de Deus. Nada é
nosso. Ele colocou na nossa vida.

Esse é o lugar da simplicidade. É saber que tudo o que temos veio


de Deus mesmo sem merecermos. E o que a gente faz? AGRADECE! Esse
é o nosso trabalho como cristão. Agradecer! Esse é um lugar de libertação.
Porque isso nos liberta da murmuração. Quando a gente murmura a gente
está dizendo que ele deve algo pra gente.

“Ah! Mas eu não tenho isso!” Então não tem que ter.

Todos nós estávamos condenados ao inferno, mas ele nos resgatou,


nos limpou e ainda nos deu uma roupa, ainda nos alimenta, ainda nos deu
um celular.

- Confiar que Deus cuida de tudo ao nosso respeito.

Se a gente não confiar, começamos a achar que nós é quem temos que
manter as coisas. E aqui é um lugar de complexidade que gera ansiedade e
medo. Simplicidade é resultado de fé e confiança em Deus. Uma vida
complexa, da correria, significa que a gente não confia no Pai.

- Colocar tudo à disposição do outro.

3.2 DICAS PARA SIMPLICIDADE EXTERNA

- Compre por utilidade/finalidade.

- Pense sobre suas roupas (Às vezes temos mais do que precisamos).

Teste rápido: Coloque tudo o que tem na casa em caixas. Ao acordar vai na
caixa e tira. Depois coloca no lugar. Há uma grande chance de grande parte
das coisas nem saírem da caixa. Nos tornamos acumulares.

- Rejeite tudo o que causa dependência.

- Tenha o hábito de dar coisas.

- Aprecie a criação.
- Examine todas as propostas de ter coisas.