Você está na página 1de 4

Mechanoresponsiveness 35

Esperando o surgimento da inteligência humana.

TWITTER FACEBOOK GOOGLE PINTEREST


LINKEDIN

Não podemos fazer uma pausa com o conhecimento. Ou progredimos, ou nós


regredimos. Mesmo um curador do museu tem que aprender novas técnicas,
preservando de forma mais eficiente os tesouros de nossos antepassados. No
entanto, uma vez que uma pintura ou uma escultura está completa, podemos
apreciá-la, nos perguntamos sobre o talento do artista. Podemos preservá-lo, mas
não podemos melhorá-lo. A grandeza da arte equestre é que o conhecimento evolui
constantemente, promovendo continuamente a arte de desenvolver e coordenar o
físico do cavalo para a demanda atlética da performance.

"Eu acredito que existem duas categorias de ecuyers, aqueles que, enquanto
habilidosos, usam o cavalo como uma ferramenta, e aqueles que o amam e
permitem que ele expresse o brilho do qual ele é capaz." (Nuno Oliviera) Na mente
de Nuno , aqueles que amam o cavalo correm o risco de leveza, mesmo que
aqueles que prendem as rédeas firmemente, são mais propensos a ganhar uma
fita. A literatura clássica considera a leveza como uma forma de equitação mais
ética. A ciência equina expõe a leveza como a única forma de equitação, permitindo
uma coordenação precisa do físico do cavalo para o movimento.
Literatura e ciência se encontram em algum momento, muitas vezes
separadas. Eles se referem ao mesmo cavalo, mas a literatura reside
essencialmente na impressão visual e na percepção do cavaleiro. A ciência, em vez
disso, estuda o cavalo da anatomia grosseira ao nível molecular, fornecendo a
essência da arte equestre. "As descrições relacionadas à coleta têm sido objeto de
muitas publicações em que os Mestres descreveram através de sua doutrina, as
conseqüências e as causas da coleta para desenvolver uma técnica de equitação.
Essa técnica de equitação reside essencialmente em observações visuais e
percepções de cavaleiros levando a afirmação que nunca foi cientificamente
demonstrado ". (Sophie Biau, 2003 Tese de doutorado) À medida que o
conhecimento se aprofunda, a arte equestre apoiada pela ciência moderna evoluiu
para outro mundo, mesmo que, parafraseando William Butler Teats, este outro
mundo esteja neste mundo. "Há outro mundo, mas é neste." (William Butler Yeats)

A literatura clássica não fala sobre tensegridade, mas a tensegridade mantém a


vida juntos. A literatura clássica ignora a energia elástica, mas a energia elástica é
o poder e o espírito da arte equestre. A literatura clássica ignora o conceito de
mecanorregulação, mas as forças mecânicas estão esculpindo a vida a partir da
especialização das células para a estabilidade das articulações do cavalo e da
estrutura vertebral. "Experimentos com células cultivadas confirmam que os
estresses mecânicos podem alterar diretamente muitos processos celulares,
incluindo transdução de sinal, expressão gênica, crescimento, diferenciação e
sobrevivência" (Christopher S. Chen e Donald E. Ingber.

Stephen Levin, descreve como cada parte de um organismo de anatomia molecular


a grosseira, é integrada por um sistema mecânico em uma unidade funcional
completa. Fascia, por exemplo, está disposta em mangas envolvendo juntas e
mantendo os ossos afastados à medida que se flexionam. Sob a tensão, a fáscia é
forte o suficiente para manter a integridade das articulações e aumentar o trabalho
muscular. Fascia mantém-se sob tensão pelos músculos e forças mecânicas. Sem a
fatura sob tensão, as articulações não poderiam absorver o impacto e outras forças
envolvidas na locomoção e nas performances; as cartilagens seriam destruídas.

A literatura clássica ensina como fazer o cavalo fazer isso. A ciência explica como o
cavalo faz isso. Muitas vezes, as conclusões baseadas na impressão e no
sentimento visual nem sequer são próximas do funcionamento real do corpo
equino. No século 18, François Robichon de la Gueriniere falou sobre a melhoria da
arte com a ajuda da ciência. Três séculos depois, não há arte equestre sem
atualizar os pensamentos clássicos para a ciência real, a menos que se considere
que fazer um atleta disfuncional executando movimentos fora de seu talento até
que os danos patológicos acabem com sua carreira, é uma arte.

A arte equestre está evoluindo da submissão sutil para os auxílios do piloto, para
uma parceria sofisticada com a inteligência do cavalo.Tensegridade, energia
elástica, mecanorregulação, não podem ser estimuladas pelos auxílios do
piloto. Eles precisam ser processados pelo cérebro do cavalo. A educação do cavalo
é sobre, criando condições que orientam o cérebro do cavalo em direção a
tensegridade adequada, maior uso de energia elástica e regulação do estresse
mecânico. A carga das patas dianteiras, por exemplo, pode ser reduzida
abrandando a cadência do cavalo a sua freqüência natural e educando os músculos
das costas ao converter o impulso gerado pelas patas traseiras em maiores forças
ascendentes. estimulando o cérebro do cavalo. "Um impulso inicial na coluna é
traduzido em uma série de forças predominantemente verticais e horizontais que
diminuem progressivamente à medida que passam de uma vértebra para a
próxima". (Richard Tucker, Contribuição para a Biomecânica da coluna vertebral,
Acta Thoeriologica, VOL. IX, 13: 171-192, BIALOWIEZA, 30. XL. 1964).

"Aqueles que sabem, fazem. Aqueles que entendem, ensinam. "(Aristóteles)


Ensinar o cavalo exige entender tensegridade, energia elástica, mecanorregulação e
criar situações que permitam ao cérebro do cavalo processar o trabalho muscular e
a coordenação do corpo eficientes.Ensino, está analisando o processamento do
cavalo, incluindo erros. Erros são presentes que descrevem em que direção a
mente do cavalo está realmente pensando e qual visão poderia direcionar a mente
do cavalo para a coordenação adequada do corpo. Eficiência é facilidade, facilidade
e solidez.

A maioria dos pilotos tem a inteligência de trabalhar com a inteligência do


cavalo. Os cavalos definitivamente fazem, mesmo que, muitas vezes, eles tenham
que aguardar muito tempo, para o surgimento de nossa inteligência. Riding é física,
energia, tensegridade, energia elástica, forças e liderar o cavalo para dominar as
forças é uma jornada inteligente. Décadas atrás. Já sabia que a energia elástica era
uma grande parte da locomoção. "A energia elástica armazenada e recuperada dos
tendões durante a locomoção cíclica pode reduzir o custo metabólico da locomoção"
(Cavagna et al., 1977Go; Alexander, 1988Go; Roberts et al., 1997). Mais tarde,
explicou-se que, dentro dos músculos, filamentos microscópicos referidos como
titânio de filamentos, foram componentes principais na elasticidade muscular e na
capacidade da mola. "Titina funciona como mola ligada em série que desenvolve
tensão quando esticada. Existem várias isoformas de titina que variam em tamanho
e rigidez. O que explica a diversidade de rigidez elástica em todos os músculos
vertebrados. "(Paul C. LaStayo, PT, Ph.D. John M. Woolf, PT, MS, ATC Michael D.
Lewek, PT. Lynn Snyde-Mackler, PT, ScD. Trugo Relch, BS. Stan L. Lindstedt, PhD.
Jornal de fisioterapia ortopédica e esportiva. 557-571. Volume 33, NÚMERO 10,
outubro de 2003)

À medida que a compreensão se aprofundou, o conceito de freqüência ou cadência


tornou-se um componente fundamental da imagem, pois dentro da barriga do
músculo, os filamentos e as células precisam ser ajustados à freqüência do
passo. "Se a titina estiver funcionando como uma mola locomotora, então ela deve
ser ajustada para a freqüência do uso muscular." Mais recentemente, Stephen
Levin e outros descrevem como cada parte de um organismo de anatomia
molecular à grossa é integrada por um sistema mecânico em uma unidade
funcional completa. Quando sob tensão, a fáscia é uma grande parte do sistema
que estabiliza as articulações e ajuda e aumenta a função muscular. Tensegrity É a
melhor explicação para como os corpos permanecem intactos e manipulam carga
variável. Armazenar e reutilizar energia elástica é a essência de saídas eficientes e
performances atléticas. Através de sua capacidade de converter o impulso gerado
pelas patas traseiras em forças ascendentes, os músculos das costas têm a
capacidade de regular o estresse mecânico carregando os membros e outra
estrutura.

Comparado com as teorias primitivas de submissão e obediência aos auxílios do


piloto, os componentes reais de som e performances atléticas parecem impossíveis
de controlar. Eles são realmente impossíveis de controlar, mas são fáceis de
influenciar através da parceria com a inteligência do cavalo.
A educação está ensinando o cérebro a pensar. Educar um cavalo é ensinar o
cérebro do cavalo a pensar. Um exemplo simples conhecido como estiramento-
encurta contração, pode ajudar a entender como podemos ensinar o cérebro do
cavalo a pensar em termos de eficiência. Quando um músculo se contrai e é
simultaneamente alongado por uma força externa, a contração é referida como
contração excêntrica. A contração excêntrica é também referida como
"alongamento ativo". É quando ocorre a maior magnitude da força. A contração
excêntrica é freqüentemente rotulada como contração de alta potência. Durante
diferentes seqüências do passo, muitos músculos trabalham excêntricamente
armazenando energia de deformação elástica. Durante o ciclo de locomoção de um
cavalo trabalhando em sua freqüência ou cadência natural, a contração excêntrica é
freqüentemente seguida imediatamente por uma contração concêntrica. Quando a
freqüência está correta, a energia de deformação elástica armazenada no músculo,
durante a contração excêntrica, reduz o trabalho da seguinte contração
concêntrica. "A capacidade das unidades do músculo-tendão para recuperar energia
de deformação elástica é, aparentemente, energeticamente tão vantajosa que a
freqüência de passo mais econômica na corrida pode ser definida somente por este
componente chave". (Paul C. LaStayo, PT, Ph.D. John M. Woolf, PT, MS, ATC
Michael D. Lewek, PT. Lynn Snyde-Mackler, PT, ScD. Trugo Relch, BS. Stan L.
Lindstedt, PhD. Contrações musculares excêntricas: sua contribuição para a lesão).
O cavalo é então capaz para sustentar um trote elástico e rítmico, aumentando o
armazenamento e a reutilização de energia de deformação elástica, minimizando o
trabalho muscular.

Na ciência do movimento, nos referimos a este trote elástico, leve e sem esforço
como o Pignot Jog, em memória de um instrutor de perseguição, chamado Rene
Pignot. Intuitivamente, Pignot descobriu no final dos anos sessenta que era uma
cadência, leveza sobre o pedaço e o equilíbrio, onde o cavalo trota saltando sem
esforço. Pignot não sabia biomecanicamente como o cavalo fazia isso, mas
observou que ele aumentava a massa muscular, o poder e a elasticidade dos
cavalos praticando longas sequências nesse trote rítmico. Ele preparou seus cavalos
de perseguição de Steeple dessa maneira e, aplicando suas descobertas, preparei
meu cavalo de eventos de três dias da mesma maneira. Também observei ganho
de calma quando os cavalos desenvolveram a massa muscular, permitindo-lhes
lidar com o influxo nervoso.

Quando a explicação científica ficou disponível, o fenómeno de alongamento -


encurta o contração, a calma que eu chamo de "calma inteligente", abriu novas
perspectivas. À medida que os cavalos trotavam sem esforço e, portanto, à
vontade, começaram a tomar iniciativas buscando a cadência, o equilíbrio e a
leveza adequados por conta própria. Eles não podiam fazê-lo sem a ajuda do piloto,
mas eles estavam ativamente interessados na pesquisa. Eles envolveram seu
cérebro explorando diferentes ajustes levando à falta de esforço.Esta observação
me leva a me perguntar se eles usariam sua inteligência em busca de facilidade e
facilidade se o estudo do movimento não fosse mais focado na aparência
superficial, mas sim, desenvolvendo e coordenando seu corpo para a demanda
atlética do movimento. As reações dos cavalos foram surpreendentes e tristes. Eles
eram capazes e interessados em refinar uma coordenação sutil, muito além do
alcance dos reflexos naturais. Foi triste perceber que todos esses anos anteriores,
eles apoiaram pacientemente minha equitação de gestos, ação de mãos, ação de
pernas, deslocamento do peso corporal, aguardando o surgimento da minha
inteligência.
Jean Luc Cornille