Você está na página 1de 5
OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO: A ABORDAGEM KALECKIANA SEVINHA PINTO VASCONCELOS* Este trabalho apresenta a formulacao kaleckiana acerca dos fatores que influenciam 0 investimento nas economias capitalistas. 4 - INTRODUGAO Michal Kalecki identificou 0 investimento como uma_varidvel fundamental na dinamica economica, © 0 estudo dos fatores que o Ssfluenciam forneceria as bases para a formulacdo de sua Teoria do ‘Grescimento Econémico. Dessa forma, na medida em que, para conhecer a ginamica que move a economia, torna-se necessario conhecer as razdes que jevam os capitalistas a investir, Kalecki procurou formular uma explicacao para os elementos que determinam 0 investimento. Portanto, este estudo visa 2 expor a abordagem de Kalecki acerca dos elementos que influenciam o estimento, dado 0 papel estratégico que o autor atribui a essa varidvel na determinagao da renda nacional, dos ciclos e do crescimento econémico. 2 - O FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO: O PAPEL DAS TAXAS DE JUROS E DO CAPITAL EMPRESARIAL Muitos autores, de diferentes correntes do pensamento econémico, igentificaram a taxa de juros como uma variavel de importancia significativa 2 determinagao do investimento. Kalecki, porém, refutou essa concep¢ao, pois, para o autor, o papel da taxa de juros no processo de acumulagao de capital 6 socundario. A oxplicagao simplificada dessa afirmagao osta no fato de a taxa de juros de longo prazo (a qual afeta o volume de empréstimo para investimento) ter um cardter relativamente estavel. Portanto, se a taxa de + Professora do Dep. de Ciéncias Econémicas, Administrativas e Contibeis - FURG. SNERGIA, Alo Grande, 7:29:27, 1995, 23 juros de longo prazo 6 estavel dentro de um mesmo ciclo, entéo ela nao ‘exerce influéncia direta sobre as decisées de investimento.' Outra idéia refutada por Kalecki diz respeito a acessibilidade que se atribul ao investimento, como se houvesse uma democracia econémica onde qualquer pessoa com habilidade empresarial pudesse obter capital para iniciar_ um negécio (Kalecki, 1983). Ao tratar dos determinantes do investimento, o autor leva em conta o fato de que 0 volume de investimento a ser efetuado esta limitado pela dimensdo do capital omprosarial (capital proprio da firma). Em outros termos, 0 capital empresarial limita o montante do investimento na medida em que é ele que determina o grau de acesso da firma ao mercado de capitais e também o grau de risco do investimento a ser efetuado. Estabelecido 0 papel que Kalecki atribui as taxas de juros e ao capital empresarial no financiamento do investimento, cabe encontrar seus determinantes. 3 - OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO Em uma primeira formulagao acerca dos determinantes do investimento®, Kalecki relaciona trés fatores que influenciam as decisées dos capitalistas: a acumulagao interna de capital pelas empresas (ou disponibilidade de recursos financeiros préprios); as variagSes no lucro; as variagdes no estoque de capital fixo. Além dessas trés varidveis, na equacaio dos determinantes do investimento é incluido um outro fator, que refletiria mudangas tecnoiogicas. No que diz respeito ao primeiro fator, quanto maior o nivel de atividade econémica, maior a poupanga bruta das empresas que tende a ser investida, 0 que aumenta o capital empresarial e a possibilidade da firma de utilizar empréstimos para seu investimento.? ‘A docisdo de efetuar o investimento em capital fixo depende também das variagdes nas taxas de lucros. Mesmo dispondo de poupangas ” A explicagdo pormenofizada acerca da formagao das taxas de juros de longo & ‘curte prazo se encontra em Migloli (1987). ? © autor adota dois supostos simplificadares basicos: o sistema econdmico é fechadoe sem govemo; e considera-se apenas 0 investimento em capital fixo, deixando de lado a acumulagao em estoques. * Kalgeklleva em consideracdo que a poupanga intoma dos capitalistas (6) é parte significaiva da poupanga total da sociedade (aS), simplifeando entao o modelo, ao utlizer esta siima. 24 SINERGIA Alo Grande, 7: 25-27, 1095. = investir, os capitalistas so se decidirao a 1azé-lo se as variagdes na taxa de ‘wero forem favoraveis. Assim, as decisées de investimento variam no mesmo. sentido da taxa de lucro. Contudo, o investimento 6 influenciado egativamente pelo acréscimo no estoque de capital, pois um estoque maior ‘significa uma reducdo na taxa de lucro.* Entdo, os determinantes do investimento seriam: le = 88, + DAP, - cK, + B a), ly investimento no tempo try; aS, : poupanga bruta total no momento anterior; AP, : aumento no lucro; AK, : aumento no estoque de capital fixo; B_ : parametro que reflete mudangas tecnolégicas Coeficientes a, b © c: expressam a intensidade com que o ‘evestimento em t + v reage em fungao, respectivamente, da poupanga total =e momento t e das variages no lucro e no estoque de capital no momento anterior ao momento t + v Apesar de Kalecki ter considerado elementos de maior poder =xplicativo, uma observagao que pode ser felta acerca da formulagao anterior € de que esta nao expressa 0 investimento dos capitalistas como um todo. mas individualmente. Em outros termos, a equagao anterior ndo considera que 0s capitalistas nao investem como classe, ou seja, que a decisao de “ewestimento dos capitalistas esta ligada a concorréncia entre eles (Miglioli, 4987). Por esse motivo, o autor chega a uma nova formulagéo para os geterminantes do investimento Entao, uma primeira mudanga na equagdo (1) seria a adogéo da peupanga dos capitalistas (eS,) em vez da poupanga total da sociedade (aS) ‘Sutro elemento, que entra no lugar de DAP, e CAK,, esta relacionado com a seovacao tecnoldgica e a concorréncia entre os capitalistas. Se, em uma =conomia capitalista desenvolvida, ha consideravel capacidade ociosa, o que sev2 05 capitalistas a investirem, segundo Kalecki (apud Miglioll, 1987), 6 a Susca por maiores taxas de lucro no processo produtivo. E os maiores lucros sobre 0 novo investimento dependeriam do progresso técnico alcangado. Portanto, sem a inovagao tecnologica, uma pequena fragaéo nAP do secro seria captada por um novo investimento. Mas, com o progresso técnico, es custos cairiam e 0 novo equipamento seria responsdvel por uma parcela * Gonsiderando que a taxa de lucro pode ser expressa pela relagdo entre o lucro P | 2 estoque de capital fixo K, isto 6, P/K. SNERGIA, Rlo Grande, 7: 25-27, 1906. 25 maior dP do lucro, que equivale a taxa de depreciagao real do estoque de capital. Enquanto o antigo equipamento leva a prejufzos devido & sua obsolescéncia tecnolégica, 0 novo equipamento conduz a ganhos de lucros (Kalecki, 1983). Por outro lado, esse processo de busca por malores lucros pelos capitalistas, mesmo com capacidade ociosa, reflete, além da obsolescén tecnolégica, uma situagao de concorréncia entre os proprios capitalistas. Para que sejam agregados os aspectos descritos anteriormente, & preciso ter a nogao de qual o volume de investimento que os capitalistas esperam obter, ou seja: v= nap + oP (2), com: 1 = volume de investimento que os capitalistas esperam obter com a massa de lucro nAP e dP; NAP = lucro esperado pelo acréscime no lucro total; dP = lucro esperado pela transferéncia de lucro do antigo para © novo equipamento; p' = taxa esperada de lucro. A suposigo feita por Kalecki na formulagao dos determinantes do investimento 6 a seguinte: se a taxa esperada de lucro p' é igual a taxa vigente de lucro, p, entéo as poupangas dos capitalistas estéo sendo todas reinvestidas, © 0 investimento realizado | é igual ao investimento desejado I" (que capta p'). Assim, no momento t+v, 0 volume de investimento em capital fixe |, Sera: Ing = eS, + (= 1) +B (3), com: es, : poupanga interna dos capitalistas; r (I=) : parcela que expressa a influéncia da diferenga entre (', - 1) sobre © investimento a_ ser efetuado em trv; como r 6 um coeficiente positive, a parcela (\',- |) sera positiva se |', for maior que |, @ vice-versa. Nessa nova formulagéio, B expresea as influéncias adicionais, porém diretas, do progresso tecnolégico sobre o investimento, enquanto dP expressa ‘© impacto indireto do progresso tecnoldgico, que se da por meio da taxa de lucro. Tem-se, assim, a equag&o kaleckiana que trata dos detorminantes do investimento. 26 SINERGIA, Rio Grande, 7: 25-27, 1995. 4-CONCLUSAO Kalecki se dedicou amplamente ao estudo da dinamica econémica é2s economias capitalistas, ou seja, ao problema da determinagao do nivel Ge atividade ac longo do tempo. Nesse contexto, na parte da teoria da ‘@mamica econémica que trata do problema dos ciclos econémicos, tornou-se ‘= prescindivel def quais os elementos que levam os capitalistas a investir. Assim, da equagao dos determinantes do investimento (na qual constam os ‘@és fatores mencionados - a poupanga interna bruta das empresas. o ‘sumento dos lucros e 0 aumento do estoque de capital fixo), Kalecki deriva = equagao do ciclo economic. Posteriormente, o progresso técnico passa a ser 0 principal determinante do investimento. © que se pode coneluir acerca das formulagées de Kalecki é que 0 autor sempre adota como varidvel estratégica o investimento, na explicac&éo Ge nivel de atividade econémica. Isso porque 6 essa varidvel que, adicionada 22 estoque de capital existente, amplia a capacidade produtiva e leva ao =rescimento econémico no longo prazo. E, por ultimo, é essa varidvel que, com suas oscilagbes, desencadela os ciclos econdmicos, devido ao seu e2rater Unico de ser fonte de prosperidade @ crise concomitantemente. E tal eeradoxo, para Kalecki, nao esta no carater ambiguo do investimento, mas ‘= no objeto da teoria: a economia capitalista. =- BIBLIOGRAFIA = JAIME, A., JOBIM, G. A macrodinamica de Michal Kalecki, Rio de Janeiro: Graal, 1984. p. 79 “104, = KALECKI, M. Crescimento e ciclo das economias capitalistas. S40 Paulo: Hucitec, 1983, p. 105-115) = Teoria da_dinamica econdmica. In: KALECKI, SRAFFA, ROBINSON. Os ‘economistas. S40 Paulo: Abril Cultural, 1983. = MIGLIOLI, J. Acumulagdo de capital 0 demanda efetiva. S40 Paulo: T. A. Queiroz, 1987. cap. 22. SINERGIA, Rlo Grande, 7:20:27, 1995, 27