Você está na página 1de 24

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

CENTRO DE TECNOLOGIA
PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

APOSTILA DE CÁLCULO

Realização:

Fortaleza, Fevereiro/2010
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

1. LIMITES
1.1. Definição Geral

Se os valores de f(x) puderem ser tão próximos quanto quisermos de L, fazendo x suficientemente
próximo de A (mas não igual a A), então escrevemos:

O que deve ser lido como “o limite de f(x) quando x tende a a é L”.

De outra forma, isso significa que os valores de f(x) ficam cada vez mais próximos do número L à
medida que x tende ao número a, mas x≠ a.

Preste atenção na frase “mas x≠a”, significa que no limite de f(x) quando x tende a a nunca
consideramos x= a. Então, f(x) não precisa sequer está definida em a, somente nas proximidades de a.

Figura 1

Na figura 1, note que, na parte (c), f(a) não está definida e, na parte (b), f(a) ≠L. Mas, em cada caso,
o limite é igual a L.

1.2. Limites Laterais

· Definição

Dizemos que o limite de f(x) quando x tende a a pela esquerda é igual a L, se pudermos tornar os
valores de f(x) arbitrariamente próximos de L, tornando x suficientemente próximo de a e x menor do que a,
e escrevemos:

Analogamente, definimos o limite de f(x) quando x tende a a pela direita e escrevemos:

Da definição geral de limite, concluímos que:

Página 2 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Ou seja, o limite de uma dada função existe, em um dado ponto, quando existirem os limites
laterais (no dado ponto) pela direita e pela esquerda, e os mesmos forem iguais.

1.3. Limites Infinitos

· Definição

Seja f uma função definida em ambos os lados de a, exceto possivelmente em a. Se podemos,


através de uma escolha adequada de x, nas proximidades de a, fazer os valores de f(x) ficarem
arbitrariamente grandes (tão grande quanto quisermos), então escrevemos:

E lê-se “o limite de f(x), quando x tende a a, é infinito”.

- Exemplo Resolvido

Queremos encontrar o limite

Para a função f(x)= 1/x², temos o seguinte gráfico

Figura 2

Vemos que, à medida que x se aproxima de 0, x² também se aproxima de 0, e 1/x² fica muito
grande. Então, tomando valores de x próximos de 0, observamos que f(x) torna-se arbitrariamente grande e,
para indicar o comportamento da função, escrevemos:

Isso não significa considerar como sendo um número, é simplesmente uma forma de expressar
que o limite de f(x) pode assumir valores tão grandes quanto quisermos, bastando escolher valores de x
adequadamente próximos de 0.

1.4. Cálculo dos Limites

1.4.1. Utilizando a Definição Precisa de limite

Página 3 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Definição

Seja f uma função definida sobre algum intervalo aberto que contém o número a, exceto
possivelmente em a. Então dizemos que o limite de f(x) quando x tende a a é L, e escrevemos

Se para todo número > 0 há um número correspondente > 0 tal que

| f(x) – L| < sempre que 0 < |x – a| <

Uma vez que |x – a| é a distância de x a a e | f(x) – L| é a distância de f(x) a L, e como pode ser
arbitrariamente pequeno, a definição de um limite pode ser expressa como:

Significa que a distância entre f(x) e L pode ser arbitrariamente pequena tornando-se a distância de
x a a suficientemente pequena(mas não 0).

Uma interpretação geométrica pode ser dada, observando o gráfico da função e notando que uma
escolha de um > 0 menor implica um > 0 menor, como mostrado nas figuras 3 e 4.

· Exemplo Resolvido

Prove que existe o limite .

Inicialmente, devemos achar um tal que

|(4x – 5) – 7| < sempre que 0 < |x – 3| <

Temos que |(4x – 5) – 7| = |4x – 12| = |4(x – 3)| = 4|x – 3|, então queremos

4|x – 3| < sempre que 0 < |x – 3| < ou,

|x – 3| < /4 sempre que 0 < |x – 3| <

Então podemos escolher = /4.

Agora, devemos mostrar que a escolha de funciona.

Se 0 < |x – 3| < , então

Página 4 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

|(4x – 5) – 7| = 4|x – 3| < 4 =

Ou seja,

|(4x – 5) – 7| < sempre que 0 < |x – 3| <

Portanto, pela definição de limite,

Graficamente, temos a ilustração do exemplo na figura 5.

Figura 5

1.4.2. Utilizando as Leis do Limite

Página 5 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Das cinco leis apresentadas acima, são derivadas as leis seguintes:

· Exemplos Resolvidos

Calcule, utilizando as Leis do Limite, os limites abaixo

Página 6 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Não podemos encontrar o limite substituindo diretamente x = 2, pois tornamos, dessa forma, o
denominador nulo.

Fatorando o numerador como uma diferença de quadrados, temos:

Quando tomamos o limite quando x tende a 2, temos x≠2, e assim x – 2 ≠ 0. Logo, podemos
cancelar o fator comum e calcular o limite, como se segue:

Por meio dos exemplos, podemos notar que se f for uma função polinomial ou racional e a estiver
no domínio de f, então:

· Exercícios Propostos

Calcule os limites, se existirem:

Página 7 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

1.5. Limites no Infinito

· Definição

Seja f uma função definida e, algum intervalo (a , ). Então

Significa que os valores de f(x) podem ficar arbitrariamente próximos de L, tornando-se x


suficientemente grande.

E lê-se “o limite de f(x), quando x tende ao infinito, é L”.

Note que existem várias formas de o gráfico de f aproximar-se da reta y = L (chamada assíntota
horizontal), variando o valor de x, como ilustrado nas figuras 6, 7 e 8.

· Exemplo Resolvido

Queremos encontrar o limite abaixo:

Página 8 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Para calcular limites no infinito, primeiro dividimos o numerador e o denominador pela maior
potência de x que ocorre no denominador. No nosso caso, a maior potência de x é x², então temos:

· Exercícios Propostos

Calcule os limites:

Página 9 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

1.6. Outros Limites

1.6.1. Limite Trigonométrico Fundamental

Do Limite Trigonométrico Fundamental, obtemos:

· Exemplo Resolvido

· Exercícios Propostos

Calcule os limites:

Página 10 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

1.6.2. Limite Exponencial Fundamental

· Exercícios Propostos

Calcule os limites:

1.7. Continuidade

· Definição

Uma função f é contínua em um número a se,

Essa definição implicitamente requer três condições para a continuidade de f em a:

Se f não for contínua em a, dizemos que f é descontínua em a. Um ponto de descontinuidade de


uma função é um ponto onde o gráfico apresenta uma interrupção (um buraco ou um salto).

Geometricamente, você pode pensar em uma função contínua como uma função cujo gráfico não
se quebra. O gráfico pode ser desenhado sem remover sua caneta do papel.

· Exercícios Propostos

Use a definição de continuidade e as propriedades dos limites para provar que a função é contínua
em um dado número.

Página 11 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Explique por que a função é descontinua no número dado.

2. Derivadas
2.1. Definição

A derivada de uma função f em um número a, denotada por f’(a), é

Se o limite existe.

Escrevendo x = a + h, temos uma maneira equivalente de escrever a definição de derivada

· Exemplo

Página 12 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Exercícios Propostos

2.2. Interpretação Geométrica

A reta tangente a y = f(x) em (a, f(a)) é a reta que passa em (a, f(a)), cuja inclinação é igual a f’(a), a
derivada de f em a.

A figura 9 ilustra a interpretação geométrica de uma derivada.

2.3. Derivadas de Funções Polinomiais e da Função Exponencial Natural

2.3.1. Derivada da Função Constante

O gráfico da função constante, f(x) = c, é a reta horizontal y = c, cuja inclinação é 0. Logo, devemos
ter f’(x) = 0. Calculando a derivada pela definição, temos:

Página 13 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Então, concluímos:

2.3.2. Derivada da Função Potência

O gráfico da função f(x) = x é a reta y = x, cuja inclinação é 1. Logo:

Para a função potência f(x) = xn, podemos determinar que:

Calculando a derivada, pela definição, de f(x) = xn, temos:

A regra da derivada da potência também é verdadeira para todo n real. Concluindo:

· Exemplo Resolvido

Página 14 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Exercícios Propostos

Diferencie

2.3.3. Derivada da Função exponencial

Seja a função exponencial f(x) = ax. Utilizando a definição de derivada, temos:

O fator ax não depende de h, logo podemos colocá-lo adiante do limite. Além disso, temos que o
limite obtido é o valor da derivada de f em 0, logo:

A análise numérica (Figura 10) da equação encontrada, para a = 2 e a = 3, nos fornece o seguinte
resultado:

Ao escolhermos a base a, a fórmula de diferenciação mais simples ocorre quando f’(0) = 1. Pela
análise numérica feita para a = 2 e a = 3, estima-se que o valor de a que torna f’(0) = 1 está entre 2 e 3. Esse
valor é denotado pela letra e. Assim, temos a seguinte definição.

Página 15 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Se fizermos a = e e, consequentemente, f’(0) = 1 teremos:

· Exemplo Resolvido

Se f(x) = ex – x, ache f’(x).

· Exercícios Propostos

2.4. As Regras do Produto e do Quociente

2.4.1. Regra do Produto

A Regra do Produto diz que a derivada de um produto de duas funções é a primeira função vezes a
derivada da segunda função mais a segunda função vezes a derivada da primeira função.

· Exercícios Propostos

2.4.2. Regra do Quociente

Página 16 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

A Regra do Produto diz que a derivada de um quociente é o denominador vezes a derivada o


numerador menos o numerador vezes a derivada do denominador, todos divididos pelo quadrado do
denominador.

· Exercícios Propostos

2.5. Derivadas de Funções Trigonométricas, Exponenciais e Logarítmicas

2.5.1. Derivadas das Funções Trigonométricas

· Exemplo Resolvido

Calcule a derivada de tg x, a partir das derivadas de sen x e cos x.

Página 17 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Exercícios Propostos

Diferencie

2.5.2. Derivadas das Funções Exponenciais e Logarítmicas

· Exemplo Resolvido

Calcule as derivadas de 2x e f(x) = log102.

2.6. Regra da Cadeia

A Regra da Cadeia é utilizada para calcular a derivada de funções compostas.

Página 18 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Exemplo Resolvido

· Exercícios Propostos

Derive as funções

Encontre y’ e y’’.

2.7. Aplicações de Derivação

2.7.1. Reta Tangente

Na seção 2.2, vimos que:

A reta tangente a y = f(x) em (a, f(a)) é a reta que passa em (a, f(a)), cuja inclinação é igual a f’(a), a
derivada de f em a.

Logo, se usarmos a fórmula da equação de uma reta, vista em geometria analítica, poderemos
escrever uma equação da reta tangente à curva y = f(x) no ponto (a, f(a)):

y – f(a) = f’(a)(x – a)

· Exemplo Resolvido

Encontre uma equação da reta tangente a parábola y = x2 – 8x + 9 no ponto (3, -6).

Página 19 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Temos que a derivada de f(x) = x2 – 8x + 9 em a é f’(a) = 2a – 8. Logo, a inclinação da reta tangente


em (3, -6) é f’(3) = 2(3) – 8 = -2. Assim, uma equação da reta tangente, como ilustrado na figura 11, é

y – (-6) = (-2)(x – 3) ou y = -2x

· Exercícios Propostos

Encontre uma equação da reta tangente à curva no ponto dado.

2.7.2. Velocidades

Suponha um objeto movendo-se sobre uma linha reta de acordo com a equação s = f(t), onde s é o
deslocamento do objeto a partir da origem no instante t. A função f que descreve o movimento é chamada
de função posição do objeto. No intervalo de tempo entre t = a e t = a + h a variação na posição será de f(a +
h) – f(a) (Figura 12). A velocidade média nesse intervalo é

que é igual a inclinação da reta tangente PQ (mPQ), como ilustrado na Figura 13.

Página 20 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

Suponha agora que a velocidade média seja calculada em intervalos cada vez menores [a, a + h].
Em outras palavras, fazemos h tender a 0. Definimos velocidade (ou velocidade instantânea) v(a) no instante
t = a como sendo o limite dessas velocidades médias:

O limite acima representa a derivada da função posição do objeto no ponto a, ou seja:

De forma análoga à velocidade, e definindo a função velocidade, temos que a aceleração do objeto
é dada pela derivada da função velocidade, logo:

· Exercícios Propostos

Página 21 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

2.7.3. Valores Máximo e Mínimo

Algumas das aplicações mais importantes do cálculo diferencial são os problemas de otimização,
em que devemos encontrar a melhor maneira de resolver um problema. Esses problemas podem ser
resolvidos encontrando os valores de máximo e mínimo de uma função.

· Definição

Uma função f tem um máximo absoluto em c se f(c) ≥ f(x) para todo x em D, onde D é o domínio de
f. O número f(c) é chamado de valor máximo de f em D. Analogamente, f tem um mínimo absoluto em c se
f(c) ≤ f(x) para todo x em D, e o número f(c) é chamado de valor mínimo de f em D. Os valores máximos e
mínimos de f são chamados de valores extremos de f.

A Figura 14 mostra o gráfico de uma função f com máximo absoluto em d e mínimo absoluto em a.
Note que (d, f(d)) é o ponto mais alto do gráfico, enquanto (a, f(a)) é o ponto mais baixo.

Uma função f tem um máximo local em c se f(c) ≥ f(x) quando x estiver nas proximidades de c.
Analogamente, f tem um mínimo local em c se f(c) ≤ f(x) quando x estiver nas proximidades de c.

Teorema de Fermat: Se f tiver um máximo ou mínimo local em c, e f’(c) existir, então f’(c) = 0.

Então, pelo Teorema de Fermat, encontramos o ponto de máximo ou de mínimo da função, caso
ele exista, derivando a função e igualando-a a zero. Para descobrirmos se o ponto encontrado é de máximo
ou mínimo, temos que analisar as derivadas nas proximidades do ponto encontrado, conforme indicado na
Figura 15.

Página 22 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Exemplo Resolvido

Encontre os valores de máximo e mínimo locais da função

Diferenciando g, temos:

Página 23 de 24
II Curso Pré-Engenharia Apostila de Cálculo

· Exercícios Propostos

Encontre os valores máximos e mínimos absolutos de f no intervalo dado.

Página 24 de 24