Você está na página 1de 29

ÁUDIO - FUNDAMENTOS

Som para cinema e vídeo – Felipe Gue Martini


SOM
"É o fenômeno físico, produto de um movimento
vibratório, que perturba as moléculas de um
meio material elástico e propaga nesse meio
uma onda circuncêntrica, tridimensional e
longitudinal."
SOM

Fenômeno
Físico
Áudio

"Técnica de transmissão,
recepção e reprodução
de sons. Representação
eletrônica do som."
4x3
Parâmetros do som
16x9
Altura
Relação com a frequência

Low / Baixo – High / Alto


Frequência
Quantidade de vezes de ocorrência de um
determinado evento, em um determinado
espaço de tempo.
 
Ciclos por segundo
Hertz
Frequência
Henrich Rudolf Hertz
(1857-1894)
Físico alemão
radiação
eletromagnética
pai do wi-fi
Espectro de Áudio
20 a 20.000 Hz (ou 20 Khz)
Resposta de frequência do ouvido humano
Frequência
Gerador de frequência
Sintetizador
Música eletrônica

https://www.szynalski.com/tone-generator/
Intensidade
No estudo do áudio, utilizamos popularmente
o termo volume para designar a potência, ou
a força de um sinal
 
É relacionado com escalas de
dB decibel ou decibels
Timbre
Identidade sonora
Arranjo de harmônicos
Série harmônica Música

Pitágoras de Samos
(570 a.C. – 495 a.C.)
Filósofo e Matemático
Harmônica
São frequências características componentes de
um determinado evento vibratório que possuem
propriedade que causa ressonância
Ressonância
É o fenômeno em que um sistema vibratório ou força
externa conduz outro sistema a oscilar com maior
amplitude em frequências específicas, conhecidas
como frequências ressonantes ou frequências naturais
do sistema
Duração
É a propriedade que nos permite distinguir sons
longos e sons curtos

Tempo
Waveform
Representação gráfica de um evento ondulatório relacionado com o tempo
Acusmática
A música concreta
Pierre Schaeffer – música concreta

Stockhausen – música eletroacústica

música eletrônicas – timbres inauditos


Transdução
Processo de manipulação do som através de
captação, gravação, edição e reprodução

Diferentes procedimentos técnicos e tecnológicos que


permitem transformar o som em áudio manipulável
Misturador de som
Mesa de som ou mixer
(em inglês). Equipamento
responsável por misturar
canais das fontes
individuais. Também
serve para ajuste de
nível e tonalidade.
Dispositivo com várias
entradas e várias saídas.
Trim ou Ganho
O primeiro ajuste que o
sinal recebe quando
adentra o circuito do mixer.
O controle que coloca o
sinal no nível ideal,
atingindo um máximo valor
possível, sem que ocorra a
saturação (clipping).

Ceifado x Ideal
Equalizador
Recurso ou dispositivo, digital ou analógico, que utiliza filtros
eletrônicos para a manipulação do sinal de áudio

Klark Teknik – DN 370 – Analógico


Pan ou Bal (Panoramic/Balance)
São os controles responsáveis
por direcionar o sinal do
canal individual para a
esquerda ou direita, no plano
espacial. Ainda servem para
endereçamento aos sub-
grupos.
Faders
São os controles individuais de
intensidade do sinal de áudio.
(VOLUME)
Filtros
¤  Shelving – atuam acima ou abaixo de uma determinada
frequência
¤  Semi-paramétricos – possuem um segundo controle com o
reforço de corte de intensidade.
¤  Paramétricos – além dos outros dois, possuem um terceiro
controle que determina a largura do filtro (denominado “Q”),
ou seja, quantas frequências vizinhas serão arrastadas
juntamente com a frequência a ser equalizada.
Filtros
Sinal-Ruído (razão/relação)
¤   A relação sinal ruído é a razão entre a potência do sinal e os
efeitos do noise floor, o tal ruído de fundo. Esse problema pode
surgir de interferências na corrente elétrica, de calor, vibrações no
ambiente ou equipamento de má qualidade mesmo. 
¤  Signal-to-noise ratio é a comparação entre o nível mais alto de sinal
emitido e o ruído presente na saída do equipamento. O termo
representa a razão entre a potência daquele ruído indesejado e o
sinal de áudio enviado. Quanto maior a distância entre eles, melhor
a relação sinal/ruído. Assim, o sinal está sendo enviado com
qualidade, sem distorção e o ruído não é percebido. Pelo menos
não a ponto de influir no som produzido.
Ruído de fundo – noise floor
¤   Oruído de fundo, também conhecido como “noise floor”,
pode vir de diversos elementos, seja de componentes do
próprio aparelho envolvido, seja de impedância, da corrente
elétrica, interferências no sinal, reflexos no ambiente, vento,
vibrações, variações de temperatura, umidade, etc. Por isso,
não existe uma fórmula ideal para corrigir o problema. O
ideal é se cercar de equipamentos de qualidade, em
ambientes preparados e sempre se certificar de dar a
atenção devida ao fenômeno em cada produção.
Signal-to-noise ratio
¤   Faixa dinâmica (dynamic
range) é a variação de dBs
que o equipamento consegue
receber.
¤  Ruído de fundo (noise floor) é
tanto o ruído produzido pelo
próprio equipamento como
outros ruídos de interferência
acústica ou elétrica no
momento da captação
Exercício
¤   Utilizarsoundation.com (logar com google) ou fazer o
download do Reaper. Realizar uma gravação com
microfone celular com a intenção de captar na mesma
gravação um SOM Agudo e outro SOM Grave.
¤  Após OBTER o ÁUDIO abrir no software e monitorar,
perceber o Espectro do áudio em relação aos agudos e
graves, como ele se desenha no gráfico?
Widescreen Test Pattern (16:9)

Aspect Ratio Test


(Should appear
circular)

4x3

16x9