Você está na página 1de 8

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE FERNANDÓPOLIS

CENTRO PAULA SOUZA

RADIOATIVIDADE

Nathalia C. Freitas N° 26

FERNANDÓPOLIS
2011
Nathalia C. Freitas Nº 29

RADIOATIVIDADE

Pesquisa apresentado
ao componente
curricular de Química,
ministro pela professora
Adriana C. T. B. Torelli
para obtenção parcial de
menção.

FERNANDÓPOLIS
2011
Conceito
Radioatividade é a emissão espontânea do excesso de matéria ou energia pelo
núcleo de um átomo instável (aumento da energia livre). É um fenômeno nuclear, ou
seja, não acontece nos orbitais dos elétrons. Ela é usada em medicina ( ex:
radioterapia, raios-X). As radiações emitidas pelas substâncias radioativas são
principalmente partículas alfa, partículas beta e raios gama.

A radioatividade pode ser:


• Radioatividade natural ou espontânea: É a que se manifesta nos
elementos radioativos e nos isótopos que se encontram na natureza e poluem
o meio ambiente. (são largamente utilizadas em radiodiagnósticos e
tratamento, por meio de equipamentos que no seu interior possuem
efetivamente uma fonte de radioisótopo.)
• Radioatividade artificial ou induzida: É aquela que é provocada por
transformações nucleares artificiais. (são os equipamentos que produzem
raios X por meio de eletricidade, e que podem ser controlados para emitir
maior ou menor quantidade de radiação, podendo ser ativados ou
desativados a qualquer momento.)

Periculosidade

Periculosidade é um valor devido ao empregado exposto a atividades


periculosas. São periculosas as atividades ou operações, exposições ou contato
com substancias inflamáveis ou explosivos, em condição de risco acentuado. Mas
diferentemente do que acontece com os agentes eletricidade, explosivos e
inflamáveis - cujos acidentes via de regra são fatais - o mesmo não ocorre com a
radiação, uma vez que seu mecanismo de exposição segue basicamente o princípio
da dose; além do que, exceto em casos de exposição aguda, o tempo de latência
pode ser da ordem de dezenas de anos, e os seus efeitos vão se revelando lenta e
paulatinamente no organismo.
Lixo atômico

Lixo atômico seria a mesma coisa que lixo radioativo, gerado nos reatores nucleares
e nas usinas de reprocessamento de elementos combustíveis queimados. Um dos
grandes problemas ambientais ocasionados pelas usinas nucleares é o lixo atômico.
São resíduos que decorrem do funcionamento normal do reator: elemento radioativo
que "sobram" e que não podem ser reutilizados ou que ficaram radioativo devido ao
fato de entrarem em contato, de alguma forma, com o reator nuclear. Para se ter
uma idéia, uma usina nuclear produz por ano, em média, um volume de lixo atômico
da ordem de 3m3. Normalmente se coloca esse lixo atômico em grossas caixas de
concretos e outros materiais para em seguida jogá-los no mar ou enterrados em
locais especiais. As condições de armazenamento desse lixo é preocupante, pois
essas caixas podem se desgastar com o tempo e abrir contaminando assim o meio
ambiente.

Acidentes nucleares

A crise nuclear que se


instaurou no Japão, após
uma série de terremotos e um
tsunami, foi classificada pela
Agência Internacional de
Energia Atômica como de
nível 6, em uma escala de
medição de eventos atômicos
que vai até 7. (categoria de
"acidente grave".) O caos
atômico japonês só perde
para a explosão de
Chernobyl, ocorrido em 1986,
em Pripyat. Para Edson
Kuramoto, a emergência
atômica que se instaurou naquele país está longe de se tornar uma ameaça ao ciclo
de expansão experimentado por esse tipo de geração energética nos últimos 20
anos. Diante dos acontecimentos recentes, o movimento conhecido como
renascimento nuclear parece de fato estar com os dias contados.
Mayak (Rússia - 29 de Setembro de 1957)
Foi o primeiro grande acidente
nuclear e um dos maiores,
juntamente com o de Chernobyl,
ocorridos na União Soviética.
Mayak era na verdade uma fábrica
de processamento de material
nuclear cuja explosão ocorreu
devido uma falha no sistema de
resfriamento de um tanque que
armazenava milhares de toneladas
de lixo nuclear, o que provocou
uma explosão de força
correspondente a 75 toneladas de
TNT. Além da explosão, houve
outros desastres em Mayak, como
lixo radioativo sendo derramado diretamente no Rio Techa, usado como fonte de
água por milhares de pessoas. Os acidentes de Mayak são considerados como
sendo um genocídio contra a população que morava na região, pois a fábrica era um
gigantesco laboratório de armas do ditador soviético Josef Stalin e os cientistas
nucleares soviéticos são acusados de ter irradiado o ambiente e envenenado a
região deliberadamente.

Curiosidades

• A área ao redor do gigante complexo nuclear de Mayak é um dos lugares


mais radioativos do mundo e seus efeitos ainda são sentidos, apesar de o
acidente ter ocorrido há mais de 50 anos. O ministro russo “Minatom” quer
levar ainda mais lixo nuclear a Mayak. Entre os futuros exportadores estão:
Japão, Coréia do Sul, Taiwan, Bulgária, Hungria, Suíça, Alemanha e
Espanha.
• A radiação pode provocar basicamente dois tipos de danos ao corpo, um
deles é a destruição das células com o calor, e o outro consiste numa
ionização e fragmentação (divisão) das células. O calor emitido pela radiação
é tão forte que pode queimar bem mais do que a exposição prolongada ao
sol. Portanto, um contato com partículas radioativas pode deixar a pele do
indivíduo totalmente danificada, uma vez que as células não resistem ao calor
emitido pela reação. A ionização e fragmentação celular implicam em
problemas de mutação genética durante a gestação de fetos, que nascem
prematuramente ou, quando dentro do período de nove meses, nascem com
graves problemas de má formação. Quimicamente falando, seria assim: as
partículas radioativas têm alta energia cinética, ou seja, se movimentam
rapidamente. Quando tais partículas atingem as células dentro do corpo, elas
provocam a ionização celular. Células transformadas em íons podem remover
elétrons, portanto, a ionização enfraquece as ligações. E o resultado? Células
modificadas e, consequentemente, mutações genéticas.

Bibliografia

• http://www.mundoeducacao.com.br/quimica/efeitos-radiacao-no-corpo-
humano.htm

• http://ahistorico231.blogspot.com/2010/05/o-acidente-nuclear-de-mayak.html

• http://www.vendrame.com.br/artigos/artigos_ant04.htm

• http://www.lixosatomicos.hpg.com.br/

• http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-energia/noticias/energia-
nuclear-deve-manter-ciclo-de-expansao-diz-especialista

• http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-
energia/noticias/acidente-nuclear-no-japao-ocupa-o-2o-maior-nivel-na-escala-
de-eventos-atomicos
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE FERNANDÓPOLIS
CENTRO PAULA SOUZA

Portfólio de Geografia
Professora: Noéle

Nathalia C. de Freitas Nº 26
1º B – sala 7