Você está na página 1de 1

Mahamudra Vision Nagarjuna 13.

Conhecendo a relatividade de tudo,


A verdade última é vista sempre;
Homenagem ao Manjusrikumarabhuta!
Descartando a idéia de começo, meio e fim
1. Eu me curvo ao Buda todo-poderoso O fluxo é visto como a vacuidade.
Cuja mente é livre de apego,
14. Então, todo o samsara eo nirvana é visto como ele
Quem, em sua compaixão e sabedoria
é-
Ensinou o inexprimível.
Vazio e insubstancial,
2. Na verdade, não há nascimento - Nu e imutável,
Então, certamente não há cessação ou liberação; Eternamente brilhante e iluminado.
O Buda é como o céu
15. Como as imaginações de um sonho
E todos os seres têm essa natureza.
Dissolver ao acordar,
3. Nem o samsara nem o nirvana existem, Então a confusão do samsara
Mas tudo é um continuum complexo Desaparece na iluminação.
Como a face intrínseca do vazio,
16. Idealizando as coisas sem substância
O objeto da consciência última.
Como se fossem eternas, substanciais e satisfatórias,
4. A natureza de todas as coisas Envolvendo-as em uma névoa de desejo
Aparece como um reflexo, A rodada de existência surge.
Puro e naturalmente brilhante,
17. A natureza dos seres é nascer
Com a natureza não-dual, tal como.
Mas geralmente os seres são concebidos para existir;
5. A mente comum imagina um eu Tanto os seres quanto suas idéias
Onde não há nada em tudo, São crenças falsas.
E se concebe de estados emocionais -
18. É nada mais que um artifício da mente
Felicidade, sofrimento e equanimidade.
Este nascimento em um ilusório tornando-se,
6. Os seis estados do ser no samsara, Em um mundo de ação bem e do mal
A felicidade do céu, Com o renascimento bom ou ruim para seguir.
O sofrimento do inferno,
19. Quando a roda da mente pára de girar
São todos criações falsas, imaginações da mente.
Todas as coisas chegam ao fim.
7. Da mesma forma as idéias de ação má que causa Então não há nada inerentemente substancial
sofrimento, E todas as coisas são absolutamente puras.
A velhice, doença e morte,
20. Este grande oceano do samsara,
E a idéia de que a virtude leva à felicidade,
Cheio de pensamentos ilusórios,
São meras idéias, noções irreais.
Pode ser atravessado no barco Universal Approach.
8. Como um artista amedrontado Quem pode chegar ao outro lado sem ele?
Até o diabo pinta,
Cólofon
O sofredor do samsara
Os vinte versos Mahayana (em sânscrito,
É assustado pela sua própria imaginação.
Mahayanavimsaka; em tibetano: theg pa chen po JNI
9. Como um homem preso na areia movediça pa shu) foram compostos pelo mestre Nagarjuna.
Agitando e se debatendo, Eles foram traduzidos para o tibetano pela Caxemira
Assim, os seres afundam Pandit Ananda eo tradutor Bhikshu Drakjor
Na confusão de seus próprios pensamentos. Sherab (byor Grags 'shes rab). Eles foram
10. Confundir a fantasia com a realidade traduzida em Inglês pela Anagarika
Faz com que uma experiência de sofrimento; Kunzang Tenzin no último dia do ano de 1973
A mente é envenenada pela interpretação na esperança de que o carma do ano, pode ser
Da consciência da forma. atenuado.

11. Dissolvendo a imaginação ea fantasia Que todos os seres sejam felizes!


Com um espírito de sabedoria compassiva,
Permaneça na consciência perfeita
A fim de ajudar todos os seres.
12. Assim adquirindo força convencional
Livres da web do pensamento interpretativo,
compreender aspectos insuperável é obtida
Como Buda, amigo para o mundo.