Você está na página 1de 42

- Camada de Enlace

Disciplina: Redes de Computadores

Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

prof@shbbrito.net
- Tecnologias de Rede

Disciplina: Redes de Computadores

Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

prof@shbbrito.net
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Tecnologias de Redes
Existem diversas tecnologias de redes para viabilizar a
comunicação dos nós e cada uma delas implementa diferentes
métodos de acesso ao meio. As tecnologias mais tradicionais
que serão estudadas em aula são:

Redes Locais Redes de Longa Distância


Conexão Discada
Ethernet (*) DSL
Token Ring Cable Modem
FDDI Frame Relay
ATM

3
- Rede Local: Ethernet

Disciplina: Redes de Computadores

Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

prof@shbbrito.net
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet
É a tecnologia mais utilizada em redes locais e que popularizou
o uso das redes de computadores. Diversos foram os fatores
que tornaram esse padrão tão popular - a exemplo de custo,
escalabilidade (facilidade de expansão), confiabilidade e
ferramentas de gerenciamento disponíveis.

Dispositivos Ethernet se conectam a um meio comum que


fornece um caminho para os sinais elétricos. Originalmente
esse meio era um cabo coaxial, mas hoje se utiliza o cabo de
par-trançado ou fibra ótica.

5
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet
Na figura abaixo pode ser observado o esboço com o desenho
inicial do sistema Ethernet original, feito por Robert Metcalfe
em 1976. Em 1985 a tecnologia Ethernet se tornou um padrão
aberto e recebeu a denominação IEEE 802.3 CSMA/CD .

6
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet
A Ethernet (802.3) se aplica às camadas 1 e 2 do RM-OSI,
organizando suas especificações técnicas dentro do escopo de
cabeamento (meio físico) e do acesso ao meio (enlace).

7
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet
(LLC, IEEE 802.2) – Controle do Link Lógico

Inclui informações do protocolo de alto nível que entregou o pacote de


dados a ser transmitido. Com isso a máquina receptora tem como saber
para qual protocolo de alto nível ela deve entregar os dados de um quadro
que ela acabou de receber.

8
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet
(MAC, IEEE 802.3) – Controle de Acesso ao Meio

Monta o quadro de dados a ser transmitido pela camada física, incluindo


cabeçalhos próprios (endereços). Na Ethernet todas as placas de rede
possuem um endereço físico único que é gravado em uma memória ROM –
também denominado Endereço MAC (MAC Address).

Endereço MAC
(6 Bytes / 48 bits)

00 : E0 : 91 : 37 : E4 : 31
ID do Fabricante ID da Placa de Rede

9
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet
Camada Física

Transmite os quadros entregues pela camada MAC usando o método


CSMA/CD (que estudaremos adiante). Define como os dados são
transmitidos através do cabeamento da rede e também o formato dos
conectores usados na placa de rede.

10
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet Baseada em CSMA/CD

Os métodos de acesso ao meio são importantes porque definem as regras


para que múltiplos computadores possam se comunicar de maneira
organizada em uma rede que compartilha o mesmo canal.

Sem eles vários computadores tentariam transmitir ao mesmo tempo e


isso iria gerar um grande caos na rede, uma vez que os pacotes por eles
gerados certamente entrariam em colisão com freqüência.

O método empregado na Ethernet tradicional é:

 CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access / Colision Detection)

11
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet Baseada em CSMA/CD


 Carrier Sense Multiple Access - Colision Detection

É o método de acesso ao meio empregado em redes com topologia lógica


de barramento que compartilham o mesmo canal de comunicação,
também chamado de domínio de colisão.

Obs.: As redes possuem topologia de barramento quando estão fisicamente ligadas pelo cabo
coaxial (vide figura) ou quando estão logicamente conectadas através de um HUB.
12
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet Comutada (Estrela)

Com a adoção de switches na interligação dos computadores e


utilização da técnica de comutação, as máquinas se comunicam
por pares seguindo uma topologia física de estrela.

Redes Ethernet modernas são bem


diferentes das redes tradicionais que
utilizavam longos cabos coaxiais em
barramento. Atualmente as redes são
comutadas (estrela) e utilizam cabos de
par-trançado e/ou fibra ótica, oferecendo
desempenho muito superior...

13
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Ethernet Comutada (Estrela)

Com a adoção de switches na interligação dos computadores e


utilização da técnica de comutação, as máquinas se comunicam
por pares seguindo uma topologia física de estrela.

Dessa forma se torna desnecessário o uso


do CSMA/CD, uma vez que o canal de
comunicação sempre estará disponível
entre duas estações locais. Ou seja, o meio
não é mais compartilhado e deixa de
existir domínio de colisão na rede.

14
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Derivações da Ethernet 802.3


Com o desenvolvimento das tecnologias de cabeamento e dos
equipamentos de rede (hardware), a tecnologia Ethernet
tradicional evoluiu e surgiram diversas derivações:

Padrão Identificador Tecnologia Mídia / Cabo Velocidade Topologia


802.3 10BASE5 Ethernet Original Coaxial Grosso 010 Mbps Barramento
802.3a 10BASE2 Ethernet Coaxial Fino 010 Mbps Barramento
802.3i 10BASE-T Ethernet UTP Cat5 010 Mbps Estrela
802.3u 100BASE-TX Fast Ethernet UTP Cat5e 100 Mbps Estrela
802.3z 1000BASE-X Gigabit Ethernet Fibra Ótica 001 Gbps Estrela
802.3ab 1000BASE-T Gigabit Ethernet UTP Cat6 001 Gbps Estrela

15
- Redes de Longa Distância

Disciplina: Redes de Computadores

Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

prof@shbbrito.net
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Redes de Longa Distância

Acesso à Internet

17
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Conexão Remota Discada

• A Conexão Remota Discada se refere a uma conexão de rede


que é estabelecida pela discagem via sistema telefônico
público. Como esse procedimento envolve discagem, a linha
telefônica fica ocupada enquanto o serviço for utilizado;

• Essas conexões são analógicas, envolvem o uso de um modem


e de um software especial que faz a máquina local discar à
rede do provedor para obter acesso à Internet. Para fazê-lo
normalmente é utilizado o PPP (Point-to-Point Protocol).

18
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Conexão Remota Discada

Conexão Remota Discada de Computador p/ Computador

19
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Conexão Remota Discada

Conexão Remota Discada de Computador p/ Provedor de Internet (ISP)

20
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

xDSL (Digital Subscriber Line)

• Utiliza o chamado loop local da concessionária de


telecomunicações (operadora), ou seja, o cabo telefônico
convencional da linha local do assinante;

• Existem diferentes implementações dessa técnica com


restrições e velocidades específicas; Proporciona um serviço
em que o usuário está sempre conectado e sem ocupar a linha
telefônica (ou pagar mais por isso).

(Ex: ADSL, SDSL, HDSL, VDSL, etc...)

21
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

xDSL (Digital Subscriber Line)

Comparativo de Modalidades da Tecnologia xDSL

22
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

xDSL (Digital Subscriber Line)

Esquema da Tecnologia xDSL

23
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

xDSL (Digital Subscriber Line)

Divisão do Sinal na Tecnologia ADSL

24
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Cable Modem (CATV)

• Conhecida por Community Antenna TeleVision


(CATV), utiliza a infra-estrutura existente da rede de
televisão a cabo para transmitir dados. Nesse serviço
o usuário está sempre conectado;

• Aproveita a grande largura de banda do cabo coaxial


para transmitir downstream em alta velocidade,
através de transmissão de múltiplos sinais em
freqüências diferentes (banda larga);
25
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Cable Modem (CATV)

Infra-Estrutura Básica da Rede de TV a Cabo

26
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Cable Modem (CATV)

Esquema da Tecnologia Cable Modem

27
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Cable Modem (CATV)

Alocação de Frequências no Sistema CATV

28
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

xDSL vs CATV
xDSL
Cada casa possui seu próprio loop local privado (acesso), o
que confere maior segurança e desempenho compatível
com a taxa contratada. Por outro lado a largura de banda
é bastante limitada e sofre muita degradação em função
da distância decorrente das restrições do par-trançado.

CATV
A largura de banda nos cabos coaxiais é muito maior do
que no par-trançado. No entanto o segmento (meio) é
compartilhado entre os usuários do bairro, o que pode
comprometer o desempenho e a segurança. Se um
usuário baixa um arquivo grande, ele está retirando banda
dos outros. Quanto mais usuários, maior a competição!

29
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Redes de Longa Distância

Ambientes Corporativos

30
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Frame Relay
É uma tecnologia baseada na comutação de pacotes para
redes de longa distância (WAN), que provê conectividade
entre redes locais (LAN).

Rede Frame Relay Utilizada na Interconexão de Escritórios à Sede


31
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Frame Relay

Antes do Frame Relay as redes locais em sítios


distantes eram interconectadas por linhas dedicadas
(isto é, privadas) com o uso de protocolos ponto-a-
ponto ou com a tecnologia X.25;

No entanto esse esquema estava restrito à


interconexão de apenas duas redes. Para fazer a
interconexão de mais redes era necessário uma linha
dedicada para cada nova ligação.

32
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Frame Relay

A complexidade matemática de contratar vários links


dedicados (ponto-a-ponto) é da ordem exponencial,
de acordo com a seguinte equação:

(N²-N)/2  n é a quantidade de redes a serem conectadas;

33
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Frame Relay
Para melhor entender essa fórmula e como essa solução se
torna inviável em termos de custo, vamos considerar um
exemplo em que uma empresa deseja conectar 5 escritórios:

Aplicando a fórmula: (N²-N)/2 sendo que n=5

(5²-5)/2 = (25-5)/2 = 20/2 = 10

Ou seja, para interconectar as cinco redes locais será


necessário que a empresa contrate dez links dedicados, o que
certamente seria muito caro!
34
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Frame Relay
O Frame Relay requer apenas uma única conexão para cada rede em vez de
múltiplas conexões - o que resulta em grande economia no custo e diminui
a complexidade do esquema de rede. Na prática isso é possível através da
instalação de um roteador multiporta no escritório central que recebe a
ligação dos demais roteadores de cada rede.

35
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

Frame Relay

Interconexão Frame-Relay de Redes Locais


36
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

ATM (Asynchronous Transfer Mode)

• É uma tecnologia sofisticada que provê a interligação


de diferentes redes locais em uma rede de longa
distância com suporte a aplicações multimídia em
altas velocidades (≈ 630 Mbps);

• Essa tecnologia é uma evolução das redes comutadas


de longa distância (ex: X.25 e Frame Relay) que foi
projetada para oferecer alto desempenho de tráfego
multimídia (dados, voz e vídeo).
37
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

ATM (Asynchronous Transfer Mode)

• As redes tradicionais “quebram” os dados em pacotes que possuem


tamanho variado. Redes ATM trabalham com o conceito de pequenas
células que possuem tamanho fixo de 53 bytes, o que agiliza seu
processamento nos equipamentos da rede e torna essa tecnologia ideal
para lidar com conteúdo multimídia de tempo-real (voz e vídeo);

38
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

ATM (Asynchronous Transfer Mode)

Em Redes ATM cada célula contém informações de endereçamento que permitem


o estabelecimento de uma conexão virtual entre origem e destino. Em relação a
essa conexão virtual há dois conceitos importantes:

Circuito Virtual:
O circuito virtual (ou canal virtual) é a unidade básica que carrega um fluxo de
dados associado a um único serviço (ex.: dados, voz ou vídeo). O canal é
identificado/endereçado pelo campo VCI (Virtual Circuit Identifier).

Caminho Virtual:
É um grupo lógico de circuitos virtuais que têm os mesmos pontos terminais
(destinatário). O caminho virtual se dá entre Switches ATM e é
identificado/endereçado pelo campo VPI (Virtual Path Identifier).

39
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

ATM (Asynchronous Transfer Mode)

40
Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

ATM (Asynchronous Transfer Mode)

41
Disciplina: Redes de Computadores

Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito

prof@shbbrito.net