Você está na página 1de 16

ñ ñ


 

|    
|  |



Ô  |
 |  | 

 :
± o Código Civil não define família;
± não existe identidade de conceitos
para o Direito, Sociologia e
Antropologia;
± ao direito de família importa as
relações das pessoas unidas pelo
matrimônio e aquelas que convivem
em uniões sem casamento;

O O
Ô  |
 |  | 

± a família considerada em um conceito


amplo, como o conjunto de pessoas
unidas pelo vínculo jurídico de natureza
familiar, no qual se inclui o cônjuge;
± num conceito restrito, a família
compreende somente o núcleo formado
por pais e filhos que vivem sob o poder
familiar;

O O 
Ô  |
 |  | 

± entende-se também como entidade


familiar a comunidade formada por
qualquer dos pais e seus descendentes
(art. 226, § 4o, da CF/88);
± no conceito sociológico de família
compreende-se aqueles que vivem sob
o mesmo teto, na autoridade de um
titular.

O O 
Ô  |
 |  | 


:
± o conceito, compreensão, extensão
de família sofreu grande alteração
no curso dos tempos;
± o papel da monogamia ao exercício
do poder paterno, convertendo-se
em fator econômico;

O O 
Ô  |
 |  | 

± o novo modelo de família surgido com a


Revolução Industrial, em que aquela
perde seu papel de unidade de produção;
± em Roma, o poder absoluto do ¦ ;
± na família cristã o caráter de unidade de
culto;
± o caráter temporal do casamento para o
Direito, que passa a ser regulamentado
pelo Estado.

O O 
Ô  |
 |  | 

 !"# 
$%&':
± o papel da mulher no século XX
transforma-se, com sensíveis efeitos
no meio familiar;
± na década de 70, em toda a civilização
ocidental, a família passa a ser
conduzida por um único membro, o pai
ou a mãe;

O O
Ô  |
 |  | 

± atualmente o desenvolvimento
tecnológico demonstra ser possível a
certeza da paternidade biológica, a
fecundação artificial, a clonagem de
seres vivos, com novos conceitos a
incitar o legislador e o jurista.

O O (
Ô  |
 |  | 

 $*+,*!##&!":
± a compreensão da família como uma
instituição subordinada à autoridade e
condutas sociais;
± entidades de grupos com personificação
anômala e a família na realização de
atividades jurídicas sem esse atributo.

O O )
Ô  |
 |  | 

 |#&!":
u  
± ³o complexo de normas, que regulam
a celebração do casamento, sua
validade e os efeitos, que dele
resultam, as relações pessoais e
econômicas da sociedade conjugal, a
dissolução desta, as relações entre
pais e filhos, o vínculo do parentesco
e os institutos complementares da
tutela e da curatela´;
O O -
Ô  |
 |  | 

± direito matrimonial;
± direito do concubinato;
± direito parental;
± direito assistencial.

O O
Ô  |
 |  | 

 u    
 :
± os conflitos de família podem
compor-se tecnicamente pela
sentença, mas com ela não se
solucionam;
± a importância do mediador, dos
corpos profissionais auxiliares, da
mediação e do juiz conciliador.

O O
Ô  |
 |  | 

 |#&!"." 
*/# )((:
± a partir da metade do século XX,
barreiras e resistência foram superadas,
atribuindo-se direitos aos filhos ilegítimos
e tornando a mulher plenamente capaz;
± a Constituição de 1988 não distingue a
origem de filiação, equiparando os
direitos dos filhos, e não há mais
preponderância do varão na sociedade
conjugal.
O O 
Ô  |
 |  | 

##&!":
± o estado das pessoas como o conjunto
de qualidades que a lei leva em
consideração para atribuir-lhes efeitos
jurídicos;
± no direito civil a pessoa é considerada
em si mesma e com relação à família;
± o estado de família é um dos atributos
da personalidade das pessoas naturais;

O O 
Ô  |
 |  | 

± características:
1. instransmissibilidade;
2. irrenunciabilidade;
3. imprescritibilidade;
4. universalidade;
5. indivisibilidade;
6. correlatividade;
7. oponibilidade.

O O 
Ô  |
 |  | 

à    :
± aquelas nas quais a pretensão é de
obtenção de um pronunciamento
judicial sobre o estado de família de
uma pessoa;
± as ações de estado positivas visam
obter um estado de família diverso do
atual;
± as ações de estado negativas
objetivam excluir determinado estado.

O O