Você está na página 1de 3

Organizações de Juventude como espaços de

educação não formal

José Rodrigo de Melo e Castro

Urbanização Sto António do Alto, Tel. : + 351 919481326


Lote 18, R/C Esq Email : geral@ecos.pt
8000-536 Faro www.ecos.pt
Organizações de Juventude
como espaços de
educação não formal

Cooperativa de Educação, Cooperação e Desenvolvimento, CRL


Organizações de Juventude como
espaços de educação não formal
José Rodrigo de Melo e Castro

Identificada como umas das principais necessidades de qualquer sociedade ou grupo


humano, a Educação deverá ser encarada não só como um instrumento para a aquisição dos
conhecimentos técnicos necessários para que cada indivíduo possa exercer uma profissão, mas,
fundamentalmente, como forma de aquisição de valências e competências que nos permitam
viver em sociedade, comunicar ideias e valores e intervir nessa mesma sociedade.

Neste sentido, outras instituições e outros espaços, para além da Escola, da acção educativa da
família e do contexto cultural têm um papel preponderante a desempenhar ao longo de todo o
processo educativo do indivíduo.

As Organizações de Juventude, entre outras instituições, assumem neste contexto um papel de
Consultoria | Formação | Investigação

relevante importância na promoção da Educação não-formal, possibilitando aos jovens, através


das suas actividades e dos seus programas, desenvolver valores e competências diferentes
daquelas desenvolvidas no campo da educação formal.

As competências individuais adquiridas através do envolvimento nas organizações de juventude


em muito contribuem para o desenvolvimento de capacidades humanas; também elas necessárias
no mercado de trabalho. Capacidade de trabalho em equipa, liderança, gestão de conflitos,
tomadas de decisão e capacidade de argumentação das suas escolhas, responsabilidade,
organização, planeamento, entre outras são algumas das competências básicas adquiridas que
em grande parte contribuem para uma aprendizagem de princípios de participação democrática
e cidadania.

É inegável o papel que as Organizações de Juventude assumem quer junto dos jovens que
activamente participam de forma voluntária nestas estruturas quer junto da sociedade em geral
através do trabalho que desenvolvem ao nível cultural, social, educativo, politico, …


Organizações de Juventude
como espaços de
educação não formal

Cooperativa de Educação, Cooperação e Desenvolvimento, CRL


Esse papel carece de um maior reconhecimento quer ao nível social quer ao nível político.
Ao longo dos últimos anos, estruturas governamentais e não-governamentais, têm vindo a
desenvolver um trabalho de reflexão e concretização de politicas no campo da educação não
formal. No entanto, um longo caminho ainda há a percorrer no que se refere ao reconhecimento
deste campo da educação.

O reconhecimento político vai muito além do apoio financeiro a estas estruturas. Apoio financeiro
este que deverá ser encarado como um investimento e não como uma despesa. Esse mesmo
reconhecimento politico passa por uma legislação eficaz ao nível do Estatuto do Dirigente
Associativo Juvenil, do Estatuto do Jovem Voluntário, da criação de sistemas de reconhecimento
de competências, de uma Legislação Fiscal que promova e incentive o movimento Associativo,
de uma maior participação em órgãos de decisão politico, de uma maior auscultação do
movimento associativo juvenil na decisão de politicas na área da juventude e outras que directa
ou indirectamente envolvam a juventude, …

Por outro lado, este mesmo reconhecimento passa por um reconhecimento social - Pais e
Consultoria | Formação | Investigação

Familiares que, por uma questão cultural e/ou pouco informada consideram este espaço como
uma “perca de tempo” e não conseguem ver o valor educativo e formativo da participação
nestes espaços, encarando os mesmos como mera ocupação de tempos livres. Este factor
poderá ser ultrapassado através do reconhecimento do valor da educação não formal por outra
estruturas como Instituições de Ensino e o Mercado de Trabalho.

A cooperação, o trabalho conjunto e o entendimento colectivo entre Instituições de Ensino,


Empresas e Organizações de Juventude não só levarão a um aumento do reconhecimento deste
campo da Educação, como também contribuirão para o sucesso económico-social da nossa
sociedade.

José Rodrigo de Melo e Castro


rodrigo.castro@ecos.pt