Você está na página 1de 3

COMO PRODUZIR SILAGEM DE QUALIDADE

A estacionalidade na produção de forragem é uma realidade e tem-se constituído no gargalo


de nossa bovinocultura a pasto. Verifica-se na época favorável (no Brasil, de outubro a abril) uma
alta produção de forragem, enquanto, no período seco (de maio a setembro), ocorre um déficit
qualitativo e principalmente quantitativo. Desse modo, o crescimento dos animais tem altos e
baixos, alternando bons períodos de ganho com período de perda de peso. A conseqüência é a baixa
produtividade de nosso rebanho, afetando consideravelmente a reprodução e a idade de abate. Quase
sempre, deparamo-nos com um quadro acentuado de mortalidade de animais, o que denota um
sistema se produção ineficiente, em que não se observa provisão de alimentos durante a seca. Torna-
se então necessário que se aproveite as sobras de período das águas, conservando esse material em
forma de silagem, para podermos basear a lotação de nossas pastagens pelo verão e não como era
feito até então, pelo período de inverno. A seguir, são apresentadas várias opções de forrageiras e a
maneira correta de manejo para se obter com cada uma delas uma silagem de boa qualidade.

PANICUNS (PANICUM MAXIMUN)

Fazem parte deste gênero as seguintes forrageiras: Mombaça, Tanzânia, Colonião e Tobiatã.
Têm como característica uma boa produção de massa. Sua implantação é feita por sementes, rende
até quatro cortes anuais com uma produção que varia de 25 a 40 toneladas por corte/ hectare,
dependendo do manejo e da adubação. Após o plantio, o primeiro corte deverá ser feito em torno de
80 a 90 dias, não importando a altura que o capim tenha alcançado. Os cortes subseqüentes serão
após 45 a 55 dias do rebrote. Com essa idade, tem-se uma forrageira com matéria seca de
aproximadamente 24%, proteína bruta girando entre 9 e 9,5% e 53% de nutrientes digestíveis totais.

CAPIM ELEFANTE (PENISSETUM PURPUREUM)

Fazem parte deste gênero as seguintes forrageiras: Cameroon, Napiêr,Taiwan, Mineirão e


Paraíso. Têm o maior potencial de produção de massa dentre os capins tropicais. Sua implantação é
feita por meio de mudas (como o plantio da cana), com exceção da variedade Paraíso, que é por
sementes. Rende três cortes anuais com uma produção que varia de 35 a 45 toneLadas por
corte/hectare, dependendo também no manejo e da adubação.
No caso do Paraíso, a implantação por sementes reduz muito o custo de implantação da
capineira. Nesta variedade, é necessário um pouco mais de cuidado na observação do ponto de
corte, em virtude da umidade da planta.
Após o plantio, o primeiro corte deverá ser feito por volta de 100 dias. Os cortes seguintes
serão feitos entre 60 e 70 dias após o rebrote. Com esta idade, tem-se uma forrageira com valor
nutritivo.

CYN000N (CYNODON SP.)

Fazem parte deste gênero as seguintes forrageiras: Tifton 68 e 85, Rhodes e COAST-
CROSS. Têm como característica um excelente valor nutricional e permite vários cortes. A
dificuldade maior está na implantação, que é feita por meio de mudas.
Possibilita cortes de 30 em 30 dias durante as chuvas e até cinco cortes por ano, mas com
uma produção menor. Sua produção gira em torno de 18 toneladas/ hectare/corte.
BRAQUIÁRIAS (BRACHIARIA SP.)

Fazem parte deste gênero as seguintes forrageiras: Braquiarão, Brachiaria decumbens,


Brachiaria ruzizienses e Brachiaria plantaginea (marmelada). Têm como características a resistência
e a facilidade de se propagar. Após o plantio, o primeiro corte será feito aos 70 dias e os cortes
subseqüentes entre 35 a 40 dias pós rebrote. Produz em torno de 20 a 30 t/ha/corte.

USO DE INOCULANTE

O inoculante utilizado para fazer silagem destes capins é o BACTO SILO C TROPICAL.
O BACTO SILO propiciará uma silagem de ótima qualidade, permitindo que o silo esteja
pronto para ser fornecido aos animais dentro de 10 dias. As quantidades recomendadas variam de
100 a 150 gramas de inoculante diluído em água para cada tonelada de silagem.
Quando se tem o pulverizador acoplado na ensiladeira, deve-se diluir a quantidade
recomendada em 2 litros de água por tonelada de silagem. Exemplo: diluir um pacote de 5 kg em
100 litros de água, e pulverizar 2 litros em uma tonelada de silagem.
Caso a aplicação for feita com pulverizador costal, diluir a quantidade recomendada em 1
litro de água por tonelada.
As recomendações abaixo servem para todos os inoculantes citados:
• Não utilizar pulverizador que tenha sido utilizado com agrotóxico.
• Usar água bem limpa e sem cloro.
• Diluir bem o inoculante de preferência em água morna.
• Diluir o inoculante preferencialmente 2 horas antes de começar ensilar.

CANA NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

A cana-de-açúcar é um volumoso usado desde o século passado na alimentação dos animais.


Para esse fim, é cortada e servida diariamente.
Tendo em vista os gastos com mão-de-obra, já existe a possibilidade de se ensilar cana o que
muitos produtores já vêm fazendo, a qual pode ser fornecida só ou consorciada com silagem de
capim. Apresenta boa produtividade, em torno de 70 toneladas/hectare/ano, e alto valor energético.
USO DE INOCULANTE NA SILAGEM DE CANA
Para confeccionar silagem de cana, utiliza-se o BIO MAX CANA, que ajuda na
fermentação, inibe o crescimento fúngico e limita a produção de álcool prejudicial á saúde animal.
A quantidade recomendada é um frasco (120 gramas) diluído em 120 litros de água, pulverizando-se
2 litros da solução por tonelada.

MILHO, SORGO, GIRASSOL OU MILHETO

Com estes alimentos, consegue-se silagem de boa qualidade com alto valor energético e boa
digestibilidade.
Milho — O ponto ideal de corte no milho pode ser observado quando o grão estiver no
ponto farináceo (a palha da espiga começa a aparentar a coloração de seca), quando terá uma
matéria seca variando de 32 a 35%. O milho tem uma produtividade de cerca de 30 toneladas por
hectare.
Sorgo — Para saber qual é o ponto de corte do sorgo, observar o exemplo do grão do milho
e a coloração dos grãos de sorgo, que devem estar avermelhados, fase em que a matéria será um
pouco menor de 30 a 33%. O sorgo tem uma produtividade de 35 a 40 toneladas por hectare.
Girassol — O girassol estará pronto para o corte quando o capitulo (a flor) já estiver voltado
para o solo e a parte de trás estiver amarelada (seca). É nessa fase que se consegue a melhor
qualidade do girassol. Tem uma produtividade em torno de 30 toneladas por hectare e matéria seca
em torno de 29%.
Milheto — No caso do milheto, o corte será efetuado quando os grãos estiverem no estágio
farináceo como o milho e o sorgo. Para se fazer pré-secados, a idade de corte é de 50 dias. No ponto
de silagem, o milheto estará com a matéria seca por volta de 30%. Sua produtividade varia de 25 a
30 toneladas por hectare.
USO DE INOCULANTE
O inoculante utilizado na confecção destas silagem é o BIO MAX MILHO/ SORGO, que
além de provocar uma rápida fermentação, evita a produção de álcool e inibe o crescimento fúngico,
que produz toxinas prejudiciais á saúde dos animais. A quantidade recomendada é de um frasco de
120 gramas, diluído em 120 litros de água, pulverizando-se 2 litros por tonelada.

Autor:Zootecnista Edsom Poppi