Você está na página 1de 22

FACULDADE PORTO-ALEGRENSE - FAPA

BIBLIOTECA CENTRAL

ORIENTAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA:

NBR 15287:2005

Porto Alegre

2010

SUMÁRIO

1
1

1

INTRODUÇÃO

3

2

REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO

4

2.1

MARGEM

4

2.2

ESPACEJAMENTO

4

2.3

NOTAS DE RODAPÉ

5

2.4

INDICATIVOS DE SEÇÃO

5

2.5

TÍTULOS SEM INDICATIVO NUMÉRICO

5

2.6

NUMERAÇÃO PROGRESSIVA

6

2.7

PAGINAÇÃO

6

2.8

CITAÇÕES

7

3

ESTRUTURA DO PROJETO DE PESQUISA

8

3.1

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

9

3.1.1

Capa

9

3.1.2

Lombada

9

3.1.3

Folha de rosto

9

3.1.4

Lista de ilustrações

11

3.1.5

Lista de tabelas

11

3.1.6

Lista de abreviaturas e siglas

11

3.1.7

Lista de símbolos

12

3.1.8

Sumário

12

3.2

ELEMENTOS TEXTUAIS

12

3.2.1

Delimitação do tema

12

3.2.2

Definição do problema (O quê?)

13

3.2.3

Objetivos (para quê? Para quem?)

13

3.2.4

Hipótese (Provável resposta)

14

3.2.5

Justificativa (Por quê?)

14

3.2.6

Referencial teórico

15

3.2.7

Metodologia (Como? Com que?)

15

3.2.8

Recursos

16

3.2.9

Cronograma

16

3.3

ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

17

2
2

3.3.2 Apêndices

18

3.3.3 Anexos

18

REFERÊNCIAS

19

APÊNDICE A - Capa

20

APÊNDICE B - Modelo de Sumario

21

3

1 INTRODUÇÃO

O projeto de pesquisa envolve uma sequência de etapas estabelecidas pelo

pesquisador, no caso, os alunos de graduação e pós-graduação da FAPA. Essas etapas servem para facilitar o plano de trabalho da pesquisa. Segundo Fachin

não há apenas um único modelo de projeto.”

Os tipos de projeto variam de acordo com a formação acadêmica do pesquisador, da natureza, do tema e dos objetivos da pesquisa. O guia de ORIENTAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA: NBR 15287:2005, da Biblioteca da FAPA disponibiliza ao aluno o modelo adotado pela Instituição, a fim de organizar e padronizar sua pesquisa. Salienta-se, ainda que este trabalho será baseado nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, instituição responsável pela organização sistemática da produção acadêmica, estabelecendo regras e formas de apresentação. Para projeto de pesquisa serão utilizadas as Normas Brasileiras

(2006, p. 101) “[

]

- NBRs 6022, 6023, 6024, 6027, 6028, 10520, 12225 e 15287, por vezes, serão utilizados os textos dos originais, abordando seu conteúdo na íntegra. A Biblioteca da

FAPA disponibiliza a consulta aos originais que se encontram em seu acervo.

4

2 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO

Os textos devem ser apresentados em papel branco, formato A4 (21cm x 29,7cm), digitados no anverso das folhas e impressos na cor preta, com exceção das ilustrações. Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (2005a, p. 4), “O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho” (grifo nosso). A norma recomenda fonte 12 para digitação do projeto, excetuando-se as citações de mais de três linhas, notas de rodapé, paginação, legendas das ilustrações e tabelas, que devem ser digitadas em tamanho menor e uniforme. A biblioteca sugere a utilização da fonte Arial ou Times New Roman. No caso de citações com mais de três linhas, deve-se observar um recuo de 4 cm da margem esquerda.

2.1 MARGEM

As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3 cm; direita e inferior de 2 cm.

2.2 ESPACEJAMENTO

Todo o texto deve ser digitado com espaço 1,5 entrelinhas. As citações de mais de três linhas, as notas de rodapé, as referências, as legendas das ilustrações e tabelas, tipo de projeto de pesquisa e nome da Instituição a que é submetida e a área de concentração devem ser digitados em espaço simples. As referências, ao final do projeto, devem ser separadas entre si por dois espaços simples. Os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede ou que os sucede por dois espaços de 1,5 entrelinhas.

5

Na folha de rosto, o tipo de projeto de pesquisa e o nome da Instituição a que é submetido devem ser alinhados do meio da página para a margem direita.

2.3 NOTAS DE RODAPÉ

As notas devem ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do texto por um espaço simples de entrelinhas e por filete de 3cm, a partir da margem esquerda.

2.4 INDICATIVOS DE SEÇÃO

Indicativos de seção são números arábicos alinhados a margem esquerda, precedendo o título, separado por um espaço, conforme item 2.6. OBSERVAÇÃO: quando uma seção terminar próximo ao fim de uma página, coloca-se o título da seção na página seguinte.

2.5 TÍTULOS SEM INDICATIVO NUMÉRICO

Os títulos sem indicativo numérico, listas de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, listas de símbolos, sumário, referências, glossário, apêndice(s), anexo(s) e índice(s) devem ser centralizados, utilizando-se os recursos de negrito, itálico ou grifo e caixa alta.

6

2.6 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA

Para evidenciar a sistematização do conteúdo do projeto, deve-se adotar a

numeração progressiva para as seções do texto. Esta numeração deve ser

idêntica no corpo do trabalho e no sumário. Os títulos das seções primárias, por

serem as principais divisões de um texto, devem iniciar em folha distinta.

Todos os títulos das seções devem ser destacados, utilizando-se os

recursos negrito, itálico ou grifo e caixa alta, conforme a NBR 6024:2003,

Numeração Progressiva das Seções de um Documento Escrito

Salienta-se, ainda que, não se utilizam ponto, hífen, travessão ou qualquer

sinal após o indicativo de seção ou de seu título. Limita-se a numeração

progressiva até a seção quinária. Todas as seções devem conter um texto

relacionado a elas.

Exemplo:

 

Indicativo

 

Seção

numérico

Apresentação

Primária

1

TÍTULO (NEGRITO E MAIÚSCULO)

Secundária

1.1

TÍTULO (MAIÚSCULO, SEM NEGRITO)

Terciária

1.1.1

Título (Inicial maiúsculo, com negrito)

Quaternária

1.1.1.1

Título (Inicial maiúsculo, sem negrito).

Quinária

1.1.1.1.1

Título (Inicial maiúsculo, sem negrito, itálico)

Quadro 1: Apresentação das seções

2.7 PAGINAÇÃO

Todas as folhas do projeto, a partir da folha de rosto, devem ser contadas

sequencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada a partir da

primeira folha da parte textual (Introdução), em algarismos arábicos.

7

O número deve ser colocado no canto superior direito da folha, a 2 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2cm da borda direita da folha. Havendo anexo(s) e apêndice(s), as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento à do texto principal.

2.8 CITAÇÕES

As citações devem ser apresentadas conforme a Orientação para Apresentação de Trabalhos Acadêmicos NBR 14724:2005, que podem ser acessadas na página da Biblioteca da FAPA, ou consulta a norma Informação e Documentação - Citações em documentos NBR 10520:2002, disponível no acervo da biblioteca.

8

3 ESTUTURA DO PROJETO DE PESQUISA

O projeto de pesquisa é baseado na NBR 15287:2005. O texto do projeto de pesquisa é constituído pelos elementos pré-textuais, textuais e elementos pós- textuais. Veja a seguir sua estrutura:

 

Estrutura

Elementos

Capa (opcional) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) Lista de ilustrações (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário (obrigatório)

Pré-textuais

1

INTRODUÇÃO

 

1.1

DELIMITAÇÃO DO TEMA

1.2. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

1.3 OBJETIVOS

1.4 HIPÓTESES (SE HOUVER)

1.3.1 Objetivo geral

1.3.2 Objetivos específicos

Textuais

 

1.4

JUSTIFICATIVA

2

REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 ITEM MAIS AMPLO SOBRE O TEMA

2.2 ITEM MAIS ESPECÍFICO SOBRE O TEMA

3

METODOLOGIA

3.1 TIPO DE PESQUISA

3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA

3.3 INSTRUMENTOS DE COLETA DOS DADOS

3.4 ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DOS DADOS

4 RECURSOS

5 CRONOGRAMA

Referências (obrigatório) Glossário (opcional) APÊNDICE(s) (opcional) ANEXO (s) (opcional) Índice (opcional)

Pós-textuais

Quadro 2: Estrutura do Projeto de Pesquisa

9

3.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

A seguir são comentados os elementos pré-textuais.

3.1.1 Capa

Elemento opcional (ver APÊNDICE A):

a) nome da Instituição, para a qual deve ser submetido, quando solicitado;

b) nome(s) do(s) autor(es);

c) título;

d) subtítulo, (se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao título; precedido de dois pontos (:), ou distinguido tipograficamente);

e) local (cidade) da instituição onde o trabalho deve ser apresentado;

f) ano de depósito (da entrega).

3.1.2 Lombada

Elemento opcional. As informações devem ser impressas conforme a NBR 12225:2004, Informação e Documentação - Lombada - Apresentação.

3.1.3 Folha de rosto

Elemento obrigatório que deve apresentar os itens essenciais para a identificação do projeto.

10

a) Nome(s) do(s) autor(es): responsável intelectual pelo trabalho;

b) título;

c) subtítulo: se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao

título principal, precedido de dois pontos;

d) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;

e) ano de depósito (da entrega).

Exemplo:

Nome do Aluno

TÍTULO:

subtítulo (se houver)

Projeto de pesquisa, apresentado como pré-requisito parcial para aprovação na disciplina XXX, do Curso de XXX, da Faculdade Porto-Alegrense

Orientador: Prof. (nome completo)

Local (cidade)

Ano

Figura 1: Folha de Rosto

11

3.1.4 Lista de ilustrações

Elemento opcional que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página. Quando necessário, recomenda- se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros).

3.1.5 Lista de tabelas

Elemento opcional que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página, conforme as Normas de Apresentação Tabular do IBGE, disponíveis na Biblioteca.

3.1.6 Lista de abreviaturas e siglas

Elemento opcional que consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. Recomenda-se a elaboração de uma lista própria para cada tipo.

12

3.1.7 Lista de símbolos

Elemento opcional que deve ser elaborado na ordem apresentada no texto, com o devido significado.

3.1.8 Sumário

Elemento obrigatório que apresenta as principais divisões de uma publicação, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede (ver APÊNDICE B).

A palavra SUMÁRIO deve ficar centralizada, destacada graficamente e com

a mesma fonte utilizada nas seções primárias do trabalho. Para informações adicionais, consulte a NBR 6027:2003 - Sumário,

disponível na Biblioteca.

3.2 ELEMENTOS TEXTUAIS

Os elementos textuais devem ser constituídos de uma introdução, na qual devem ser expostos a delimitação do tema, a definição do problema a ser abordado, a(s) hipótese(s), quando couber(em), bem como o objetivo geral e os objetivos específicos e a justificativa.

3.2.1 Delimitação do tema

É o assunto que se deseja investigar. A escolha do tema deve recair sobre

um assunto significativo que apresente algum interesse prático ou teórico, e que

seja adequado ao nível de formação e às condições de trabalho do pesquisador.

13

O tema precisa ser delimitado, pois, quanto mais demarcado, mais claro

fica, facilitando, assim, o alcance dos objetivos propostos. A delimitação

representa a especificação de uma parte no todo e deve identificar o espaço pesquisado.

É necessário salientar que o pesquisador deve selecionar um único tema

que deve pertencer a sua área de estudo.

Exemplo de tema:

A metodologia de aprendizagem por projetos.

Exemplo de delimitação de tema:

A metodologia de aprendizagem por projetos e a prática pedagógica no

ensino superior de uma instituição em Porto Alegre.

3.2.2 Definição do problema (O quê?)

O problema esclarece a dificuldade específica com a qual se defronta o

pesquisador e a que pretende resolver por intermédio da pesquisa. Para apresentar o problema, sugere-se fazer uma breve contextualização em dois ou três parágrafos de modo que apareça, no final do último parágrafo a questão principal e ser examinada, em forma interrogativa.

3.2.3 Objetivos (Para quê? Para quem?)

Os objetivos indicam as finalidades da pesquisa e os resultados que se espera obter. Os objetivos são redigidos numa única frase, começando com um verbo que sugere uma ação (identificar, caracterizar, analisar, comparar, relacionar, etc.)

14

O objetivo geral relaciona-se com o tema. E os objetivos específicos tem

caráter mais concreto. Exercem uma função intermediária e instrumental permitindo, de um lado, atingir o objetivo geral e, de outro, aplicar esse as situações concretas.

3.2.4 Hipótese (Provável resposta)

É uma solução provisória que se propõe para o problema formulado. A

formulação clara da hipótese orienta o desenvolvimento da pesquisa, razão por que deve ser apresentada desde o início, no projeto de pesquisa. O desenvolvimento da pesquisa nada mais é que a tentativa de comprovar ou rejeitar a hipótese formulada. Não há uma norma, uma regra fixa para se proceder à formulação da hipótese, contudo ela deve basear-se no conhecimento do assunto, na literatura específica que foi investigada na pesquisa.

3.2.5 Justificativa (Por quê?)

A justificativa é uma etapa fundamental e influi de modo decisivo na

aceitação do projeto pela entidade patrocinadora ou pelo orientador da pesquisa.

A finalidade principal da justificativa é esclarecer por que o tema foi

escolhido, argumentar sobre a sua relevância, enfatizar os pontos positivos da abordagem adotada e as contribuições que se espera obter com os resultados da pesquisa; importância do tema do ponto de vista geral e sua importância para os

casos particulares da questão.

15

3.2.6 Referencial teórico

No referencial teórico, o pesquisador não deve limitar-se a resumir ou parafrasear o conteúdo dos livros, mas fazer apreciações, considerações e escolhas, tendo em vista o problema proposto na pesquisa. Revisão de literatura não significa acumular resumos, resenhas e anotações sobre a referência pesquisada. Revisão é, antes de tudo, discussão do material levantado.

3.2.7 Metodologia (Como? Com quê?)

Indica o modo como se pretende proceder na investigação e na exposição da pesquisa. Sugere-se expô-la em dois momentos. Primeiro: a descrição da metodologia num sentido amplo, que corresponde à exposição do método de abordagem que servirá de referencial de análise das idéias, informações e resultados. Segundo: é feita a descrição das técnicas de pesquisa que serão utilizadas para coleta dos dados. Quando se trata de uma “pesquisa de campo”, é indispensável a descrição da população a ser investigada, a delimitação do universo, o tipo de amostragem e o tratamento estatístico. A organização da metodologia varia de acordo com as peculiaridades de cada pesquisa. Alguns aspectos, no entanto, são considerados imprescindíveis, como os que são apresentados a seguir:

a) tipo de pesquisa: esclarece se a pesquisa é de natureza exploratória, descritiva ou explicativa. Esclarece, ainda, acerca do tipo de delineamento a ser adotado (pesquisa experimental, levantamento, estudo de caso, pesquisa bibliográfica, estudo de campo, pesquisa documental, pesquisa-ação, pesquisa participante etc.);

b) população e amostra: envolvem informações acerca do universo a ser estudado, da extensão da amostra e da maneira como é relacionada;

16

circunstâncias ou com o tipo de investigação. Por exemplo: entrevista, questionário, formulário, análise de conteúdo, técnicas mercadológicas, etc. d) análise e apresentação dos dados: descrevem os procedimentos que foram adotados tanto para análise quantitativa (testes de hipótese, testes de correlação) quanto qualitativa (análise de conteúdo, análise de discurso). Na análise, o pesquisador entra em maiores detalhes sobre os dados decorrentes do trabalho estatístico, a fim de conseguir respostas as suas indagações, e procura estabelecer as relações necessárias entre os dados obtidos e os objetivos da pesquisa. Estas são comprovadas ou refutadas mediante análise.

3.2.8 Recursos

São os recursos necessários para a execução da pesquisa tanto em aspectos referentes a materiais como a recursos humanos. A previsão dos recursos também deve ser apresentada na forma de quadro, no qual constem todos os recursos necessários, distribuídos entre os existentes e os necessários. Devem ser computados os recursos materiais, humanos, financeiros, equipamentos e instalações etc. de modo que se tenha uma noção completa desse contexto, ignorando-se aqueles que, pela baixa quantidade ou necessidade, tornam-se irrelevantes.

3.2.9 Cronograma

Indica a previsão do tempo necessário para passar de uma etapa da pesquisa à outra. O cronograma deve ser apresentado na forma de quadro e devem ser incluídas todas as atividades previstas na pesquisa, subdivididas em etapas (dias,

17

semanas, meses, etc.), conforme os critérios e a distribuição do tempo do pesquisador. Abaixo, um modelo de cronograma:

Meses

Atividades

jan.

fev.

mar.

abr.

maio

jun.

Escolha do assunto do projeto

X

Elaboração da estrutura do projeto

X

X

Elaboração do cronograma

X

Seleção e leitura das obras para elaboração do projeto

X

X

Elaboração dos objetivos, delimitação do tema, definição do problema etc.

X

X

Elaboração da pesquisa bibliográfica e documental do projeto.

X

X

X

Coleta de dados

X

X

X

Tratamento dos dados

X

X

Revisão final e digitação do projeto

X

X

Data limite de entrega do projeto

Escrever

a data

3.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Os

elementos

pós-textuais

são:

Referências

(obrigatório),

Glossário

(opcional), Apêndice(s) (opcional), Anexo(s) (opcional) e Índice(s) (opcional).

3.3.1 Referências

Elemento obrigatório que representa o conjunto padronizado de dados descritivos retirados de um documento, permitindo sua identificação, no todo ou em parte. As referências consistem em uma lista alfabética ordenada com os mais diversos tipos de materiais utilizados para confecção da publicação.

18

Para informações adicionais, consulte a NBR 6023:2002 - Referências, disponível na Biblioteca.

3.3.2 Apêndices

O apêndice é um elemento opcional. Sendo um texto ou documento elaborado pelo autor a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo do trabalho.

O apêndice é identificado por letras maiúsculas consecutivas, travessão e

pelos respectivos títulos. Excepcionalmente, utilizam-se maiúsculas dobradas na

identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.

Exemplo:

APÊNDICE A - Modelo de Projeto de Pesquisa APÊNCIDE B - Roteiro de Entrevistas em Profundidade

3.3.3 Anexos

O anexo é um elemento opcional, identificado por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos.

A palavra ANEXO deve ser escrita em letra maiúscula. Os anexos devem

ser citados no texto entre parênteses quando vierem no final da frase. Se inserido

na redação, o termo ANEXO vem livre dos parênteses. Os anexos devem constar no sumário (APÊNDICE B). Excepcionalmente, utilizam-se letras maiúsculas dobradas, na identificação dos anexos, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.

Exemplo:

ANEXO A - Folder da Biblioteca da FAPA ANEXO B - Material de divulgação da Empresa

19

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.NBR 6022: Informação e documentação - artigo em publicação periódica científica, 2003.

NBR

6023: informação e documentação - referências - Elaboração. Rio de

Janeiro, 2002.

NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro, 2003.

NBR 6027: Sumário. Rio de Janeiro, 2003.

NBR

12225: informação e documentação - lombada - apresentação. Rio de

Janeiro, 2002.

NBR 15287: informação e documentação - projeto de pesquisa - apresentação, Rio de Janeiro, 2005.

FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 5. ed., rev. atual. São Paulo :

Saraiva, 2006.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo ; Atlas, 2009.

HELFER, I; AGNES, C. Normas para apresentação de trabalhos acadêmicos. 5. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001.

NORMAS de apresentação tabular. 3. ed. Rio de Janeiro : IBGE, 1993.

PRESTES, M. M. A pesquisa e a construção do conhecimento científico: do planejamento aos textos, da escola à academia. São Paulo: Respel, 2002.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

20

APÊNDICE A - Capa

FACULDADE PORTO-ALEGRENSE – FAPA

CURSO DE

Nome do Aluno

TÍTULO:

subtítulo (se houver)

Local (cidade)

Ano

21

APÊNDICE B - Modelo de Sumário

SUMÁRIO

21 APÊNDICE B - Modelo de Sumário SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA 4

1

INTRODUÇÃO

3

1.1

DELIMITAÇÃO DO TEMA

4

1.2

DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

4

1.3

OBJETIVOS

5

1.3.1

Objetivo geral

5

1.3.2

Objetivos específicos

5

1.4

JUSTIFICATIVA

5

2

REFERENCIAL TEÓRICO

6

2.1

ITEM MAIS AMPLO SOBRE O TEMA

6

2.2

ITEM MAIS ESPECÍFICO SOBRE O TEMA

9

3

METODOLOGIA

11

3.1

TIPO DE PESQUISA

11

3.2.1

População e amostra

12

3.2.2

Instrumentos de coleta de dados

13

3.2.3

Análise e apresentação dos dados

14

4

RECURSOS

15

5

CRONOGRAMA

16

REFERÊNCIAS

17

APÊNDICE A - Questionário

18

ANEXO A - Organograma Institucional

20