Você está na página 1de 26

Geometria

© Paulo Lemos - 2008


Orientação das Linhas Rectas

Horizontal Vertical Oblíqua

© Paulo Lemos - 2008


Oblíqua vs Diagonal

Oblíqua Diagonal
(Orientação da (Segmento de recta que
linha no espaço) une dois vértices de
ângulos não situados
sobre o mesmo lado)
© Paulo Lemos - 2008
A Geometria da Linha
É uma linha infinita, sempre
r Recta com a mesma direcção.
(Não tem princípio nem fim)

É uma linha que parte de um


A
ponto ou termina num ponto.
B Semi-recta (Tem princípio mas não tem
fim ou não tem princípio mas
tem fim)

É uma porção de linha recta,


A B Segmento de recta limitada por dois pontos.
(Tem princípio e tem fim)

© Paulo Lemos - 2008


A Geometria da Linha
(Continuação)
r
São linhas rectas que mantêm
s sempre a mesma distância entre
Paralelas
si e por mais que se prolonguem
nunca se encontram.

r São linhas rectas que se


A
s Concorrentes cruzam num único ponto
(Ponto de intersecção).

São linhas que se tocam ou


90º
r cruzam num ponto e que
Perpendiculares
A entre si formam um ângulo
de 90º.
s
© Paulo Lemos - 2008
Ângulos
Os ângulos classificam-se pela sua amplitude.
A unidade de medida da amplitude é o grau.

90º + de 90º - de 90º

Ângulo Recto Ângulo Obtuso Ângulo Agudo


(90º de amplitude) (+ de 90º de amplitude) (- de 90º de amplitude)

© Paulo Lemos - 2008


Ângulos
(Continuação)

180º 360º

Ângulo Raso Ângulo Giro


(180º de amplitude) (360º de amplitude)

© Paulo Lemos - 2008


Figuras Geométricas

Rectângulo Quadrado Círculo Circunferência Triângulo

© Paulo Lemos - 2008


O Rectângulo

90º 90º

90º 90º

É um polígono rectângular
com dois lados iguais e dois diferentes
ou lados iguais dois a dois.
© Paulo Lemos - 2008
Exemplos

© Paulo Lemos - 2008


O Quadrado
90º 90º

90º 90º

É um polígono rectângular
com quatro lados iguais.

© Paulo Lemos - 2008


Exemplos

© Paulo Lemos - 2008


O Círculo

É uma porção de plano limitado


pela linha de uma circunferência.

© Paulo Lemos - 2008


Exemplos

© Paulo Lemos - 2008


A Circunferência

É uma linha curva plana, fechada, que tem


todos os seus pontos à mesma distância de
um ponto interior chamado centro.
© Paulo Lemos - 2008
Exemplos

© Paulo Lemos - 2008


Elementos da Circunferência
D G

r AD - Raio

BC - Diâmetro
A
B x C EF - Corda

F r - Tangente

x - Centro (A)

E
© Paulo Lemos - 2008
Classificação de Circunferências

x x x

B
Concêntricas Secantes

São duas circunferências São duas circunferências


que têm o mesmo centro que têm centros diferentes e
mas têm raios diferentes. cruzam-se em dois pontos

© Paulo Lemos - 2008


Classificação de Circunferências
(Continuação)

x
C

x x

x
D

Tangentes Exteriores Tangentes Interiores


São duas circunferências
São duas circunferências
que têm centros diferentes,
que têm centros e raios
podem ter raios diferentes e
diferentes e tocam-se num
tocam-se num ponto (C)
ponto (D) (interior).
(exterior).
© Paulo Lemos - 2008
O Triângulo
60º

60º 60º

É um polígono de três lados e três ângulos.


A soma dos ângulos internos é de 180º.
© Paulo Lemos - 2008
Exemplos

© Paulo Lemos - 2008


Classificação do Triângulo
quanto aos lados

Equilátero Isósceles Escaleno

Tem os lados Tem dois lados iguais Tem os lados todos


todos iguais. e um lado diferente. diferentes.

© Paulo Lemos - 2008


Classificação do Triângulo
quanto aos ângulos

90º
- de 90º
+ de 90º

Acutângulo Rectângulo Obtusângulo

Todos os ângulos Um dos ângulos Um dos ângulos


são agudos. é recto. é obtuso.

© Paulo Lemos - 2008


Construções Geométricas

© Paulo Lemos - 2008


Divisão de um segmento de
recta em duas partes iguais
C 1º - Abrir o compasso com
comprimento superior a metade
de AB e inferior a AB.

2º - Com o bico do compasso


em A, traçar em cima e em baixo.
A B
E
3º - Com o bico do compasso
em B, traçar em cima e em baixo,
formando os novos pontos C e D.

4º - Unir o ponto C ao D

© Paulo Lemos - 2008


Divisão de uma circunferência
em quatro partes iguais
C

1º - Traçar o segmento de recta


AB que corresponde ao diâmetro.

2º - Abrir o compasso com


comprimento superior a metade
de AB e inferior a AB.
E
A x B 3º - Com o bico do compasso
em A, traçar em cima e em baixo.

4º - Com o bico do compasso


em B, traçar em cima e em baixo,
formando os novos pontos C e D.

5º - Unir o ponto C ao D

D
© Paulo Lemos - 2008