SE USAR ESSE JORNAL PARA FORRAR O CHÃO DO CARRO,VOCÊ VAI SER PEGO NA LEI SECA.

Lanna - Editor-chefe do Biricotico. Autor e roteirist a da TV Globo. Se fantasio último Halloween. /Din u de Maria Bethânia no o Cantelli - Editor do Biri cotico. Autor e roteirista do PCdoB. /Felipe Nog da TV Globo. Está nesse ueira - Diretor do Biricoti projeto por indicação co. Sócio da agência Ope travecos num motel da Bar n Mind. Conhecido por seu ra. Ah, não, esse é outro. envolvimento com três /Jaime Kiss - Diretor de de Londres. Tem ingresso arte chefe do Biricotico. s para a turnê de Justin Sócio do bureau criativo Bieber na Europa. Tratar Nearly Normal, Mind. Estava irreconhec aqui. /Marcelo Rodrigu ível em Copacabana na es - Designer do Biricotico. última Parada da Diversi Diretor de arte da agência Mind. Vende Avon e cog dade. /Guilherme Varella Open umelo do sol pelo telefone - Produtor de conteúdo do (21) 38740661 nas horas Biricotico. Atendimento Mês” pela revista Casa&C vagas. /Raphael Pavan na agência Open onstrução. /Juarez Bec - Colunista convidado. Rot oza - Colaborador do Biri eirista da produtora New Cartunista do Biricotico. cotico. Colunista de bare Content. Eleito “Pedreiro Autor e roteirista da TV s e botequins do jornal O do Globo. Diz ter recebido Globo. Acredita que sua e foca. Motherfoca. /And num sonho instruções par alma gêmea tenha morrido ré Debevc - Colunista con a desenhar o mapa da loca no parto. /Ique vidado. É redator publicit lização exata do ponto G. Figueira - Colunista convidad ário freelancer. Vencedor /Leonardo Neves - Rep o. Redator publicitário na do prêmio “Cara mais gen órter do Biricotico F/Nazca. É mais feio que o te boa do Orkut” de 201 tor publicitário de sucesso Neymar pobre. /Adriano 0. /Guilherme na Moma. Autor do livro Mattos - Colunista convida “1001 ofensas para dize do. Reda- Colunista convidado. Dir r antes de morrer”. /Fil etor de atendimento na Almap/B BDO. Já deu 5 sem tirar do Por notube. ipe Bartholomeu

Leonardo

XP

E

EE D IT N E

Tirando a ag ressividade no trânsito e a o paulista é gangue da m um cordial. P archa ré (qu rova disso é e invade est Gente que ch a quantidad abeleciment egou para o e de carioca os dando bu cupar postos s, baianos, m local. São aliá ndadas com de trabalho, ineiros, gaúch s os culpado o carro), pegar as nati os e até cap s pela fama vas e sofrer que prefere ixabas exila do paulista g seqüestros-re produzir a fr dos na cidad ostar de trab lâmpago po equentar ba e. alhar. Gosta trabalha mu r aqui, anima res locais, ond nada. Traba ito porque ch ndo a vida e paulistas sã lhar é coisa ama de trab o a triste esm Coloca nessa de exilado, alho o perío agadora ma conta da lab do entre a ho ioria. Paulista uta o tempo ra que sai e Aí pra tenta diz que que gasta no chega em ca r tirar o foco deslocament sa. da própria p o. Quem ma de profissiona reguiça (e le ndou morar lismo), o pau rdeza que já mal, né? lista diz que vi ser chama Carioca vai carioca não da pra praia qu sai da praia. ando pode. consegue – E paulista nã ou vai perde o trabalha d r seu lugar ca ireito porque Cada um co tivo no enga não m seus prob rrafamento d lemas. Apesa e volta pra ca de carioca. r da implicânc E não é só fr sa. ia, sei que p ito ou assad aulista gosta Ou, no mínim o não. É uma o, de agrade questão de id cimento. olatria.

ntas antis e ta el i Cavalc fusão insuperáv z, D a pro Velasque com Goyas, to de um anhã no Brasil, Matisses, o o retra a m Picassos, zes, suas ruas sã ê toma café da anteiga derretid voc alimenmati mm outras por sua ão Paulo oinha (co atestada ras. Em S m forma de can 0% café). raca de de cultu e pode ser e, 5 ão uma bar ovo têntico p média (50% leit um mangostin n olhe, de um p a um au ultiva, c A cultur ) e uma o comer planta, c em seus s, na chapa lação na Ásia, a ste povo riqueza visitada staurante assando que e tação. car, nticos re mos o a. A ma co nicipal. e repli li e s, p u autê Faz u dela sab me. Vejam a Itá . O Japão parec bolinhos piemontê annoli cadão M de 200 Através a e amente co c s do Mer , num dos mais , ic cin his fruta com um lia arolo, tip nalmente o de sus m sua cu ça na Itá um Brasato Al B za, e terminando para e, fi está presente e sepsia e precisã pre Almo s , ontáveis do por dível piz almente toda a a eu povo a das inc começan s e sua inconfun useus igu os eletrônicos, de algas. alor de s ados na m o de um e não menos do o c ole genuín utiliz aparelh folhas pero, to por Náp croissant em seus milhares em finas , no tem osamente ito aos envoltos a mexicana leva cesa são cuidad ches. , com um me perdoem as Japão, com dire iano. sicil arroz França de an rio em mid nche na da cidade (que dade. ntar no isagem fr mo a co isants e b homenag Faz o la xo de ja da Liber s Assim co o requinte da pa seus pratos, cro elo presta uma japonês francesa as) e se dá ao lu te e, sem ro ar e de padarias ortugues s no bair e o apeti a beleza e apresentação a bandeira: o am . país – presente s países conform adras. sp n n za do ão saborosa os daquele país, construç is se entregam já elho, ao pimentó à vultuosa rique ando o ucas qu pic ual, mud o mundo em po ueza cultural. nhó cia verm postes tí s espa mo o denún etir o rit O co de rep é uma pratos. a volta a tano. Quanta riq osa mesmo, ão, assim Você po nho dos mida. mo, dar mericana ao açafr co paulis maravilh ozinha a rdura e no tama comece pela co ância de Renoirs, r eufemis ,ac qualque m ser um autênti vilhosa – que é bund , por fim de go aulo, E or oP . uma a bo ara nos no te uer conhecer Sã Como é so, na Cidade M ketchup na pizza apresenta pelo me is ocê q m o MASP, , se v Enquanto – os caras bota de arte, Portanto u museu ida como se sem dúv Assim

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful