Você está na página 1de 64

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Câmara de Pesquisa e Desenvolvimento Profissional

Home page: www crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br

Tributos Retidos na Fonte
Samanta Pinheiro da Silva
samantapsilva@yahoo.com.br

Rio de Janeiro Atualização: 26/05/2009

1

Tributos Retidos na Fonte
Sumário
Primeira Parte – Retenção do Imposto de Renda Retenção do Imposto de Renda – Pessoa Física Rendimentos do Trabalho Assalariado Rendimentos do Trabalho sem Vínculo Empregatício Rendimentos Isentos Deduções Admitidas Prazo de Recolhimento Dispensa de Retenção Retenção do Imposto de Renda – Pessoa Jurídica Fato Gerador Serviços sujeitos à retenção Casos em que não se aplica à retenção do IR fonte Prazo de Recolhimento Segunda Parte – Retenção das Contribuições Sociais Retenção das Contribuições Sociais – PJ de Direito Privado Atos Normativos Serviços sujeitos à retenção das Contribuições Sociais Casos em que não se aplica à retenção das Contribuições Sociais Percentuais e Códigos do DARF Pessoa Jurídica Amparada por Medida Judicial/Isenta Dispensa de Retenção Empresas Optantes pelo Simples Prazo de Recolhimento Informe de Rendimentos Compensação dos Valores Retidos Retenção das Contribuições Sociais – PJ de Direito Público Atos Normativos Fato Gerador Base de Cálculo/Alíquotas/ Código do DARF 20 21 21 16 16 17 18 18 19 19 19 19 20 09 10 15 15 05 07 08 08 08 09

2

Hipóteses em que não haverá a retenção Pessoa Jurídica Amparada por Medida Judicial/Isenta Informe de Rendimentos Modelos de Formulários Aprovados Prazo de Recolhimento Comprovação dos Valores Retidos Terceira Parte – Retenção do ISS Conceito de Serviço Competência Tributária Fato Gerador e a Questão da Taxatividade da Lista de Serviços Não Incidência Local onde é devido o imposto Definição de Estabelecimento Prestador Contribuintes As principais regras para retenção na fonte Base de Cálculo Alíquotas Aplicáveis Considerações Importantes Exercícios Anexos

22 23 23 24 24 24

25 25 25 26 26 27 28 28 29 29 29 31 37

3

4 . do PIS/Pasep . da contribuição social sobre o lucro. COFINS e ISS. de forma objetiva e por meio de exemplos práticos.Tributos Retidos na Fonte Este Seminário visa orientar os participantes para a correta aplicação da tributação na fonte do imposto de renda.

20 Alíquota % ---7.434. nos demais casos.59 268.150.00 Dedução por dependente: R$ 144. trataremos em especial dos aspectos fundamentais pertinentes aos rendimentos do trabalho e serviços prestados por pessoas jurídicas. o que ocorrer primeiro nos casos de : • • • Lucros e dividendos distribuídos por pessoas jurídicas tributadas com base no Lucro Real. de acordo com as seguintes tabelas em Reais: Base de cálculo em R$ Até 1. Os rendimentos estão sujeitos à incidência do imposto na fonte.94 Parcela a deduzir ---- 5 . Juros remuneratórios do capital próprio Multas e Vantagens por rescisão do contrato 2) Pagamentos do rendimento (regime de caixa). 1. mediante aplicação de alíquotas progressivas.5% 15% 22.434.98 ou nos anos de 94 e 95.582.5% 27.866.01 até 2.59 De 1.12.5% 107.70 De 2.84 662.60 até 2.00 Acima 3.71 até 3. que tenham sido apurados até 31.84 483.866.582.00 De 2.150. RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA – PESSOA FÍSICA O fato gerador ocorre: 1) Pagamentos ou créditos do rendimento.PRIMEIRA PARTE – Retenção do Imposto de Renda A retenção do Imposto de Renda incide sobre: • • • • • Rendimentos do Trabalho Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas Outros Rendimentos Rendimentos de Residentes ou Domiciliados no Exterior Rendimentos de Capital Neste curso.

pensão civil ou militar. diretor e administrador de pessoa jurídica. ordenado. do trabalho ou da combinação de ambos. ainda.0561 O fato gerador ocorre nas seguintes situações: . momento 6 . os alimentos e pensões e. privada. vencimento. demonstrados a seguir. A IN SRF n° 15/2001 dispõe sobre o tratamento fiscal a ser dispensado aos rendimentos percebidos pela Pessoa Física. que os rendimentos tributáveis podem ser considerados todo o produto do capital. Rendimentos do Trabalho Assalariado . define que as pessoas físicas residentes no país que recebam rendimentos tributáveis são contribuintes do imposto de renda. aluguel e serviço prestado. Vamos analisar alguns aspectos referentes ao Trabalho Assalariado. indenização sujeita à tributação. inclusive adiantamento de salário a qualquer título. remuneração de conselheiro fiscal e de administração.Rendimento efetivamente pago ao sócio ou titular de pessoa jurídica optante pelo Simples. houver mais de um pagamento. aplicar-se-á a alíquota correspondente à soma dos rendimentos pagos à pessoa física. de 2004. assim também entendidos os acréscimos patrimoniais não correspondentes aos rendimentos declarados. art. compensando-se o imposto anteriormente retido no próprio mês.Participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa. provento de aposentadoria. . a qualquer título. remuneração indireta. pro labore. no mês. titular de empresa individual. a) Adiantamentos e Participação nos lucros ou resultados O adiantamento de rendimentos correspondente a determinado mês não estará sujeito à retenção. subsídio. . . férias e 13 salário. soldo. desde que os rendimentos sejam integralmente pagos no próprio mês a que se referirem. do Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e de Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi). Conceitua também. corretagem. recebidos por pessoa física residente no Brasil. a título de pro labore. benefício (remuneração mensal ou prestação única) da previdência social. reserva ou reforma.O imposto será retido por ocasião de cada pagamento e se. comissão. 1. tais como o tratamento dos adiantamentos e participações nos lucros. pela mesma fonte pagadora.1.Pagamento de salário. os proventos de qualquer natureza.053. gratificação e participação dos dirigentes no lucro e demais remunerações decorrentes de vínculo empregatício. retirada. por entidade de previdência complementar (aberta ou fechada). exceto na hipótese de opção pela tributação exclusiva de que trata a Lei nº 11. vantagem. O artigo 1° do referido dispositivo legal. 1º (ver código 5565).Pagamento de beneficio a pessoa física.

decorrente do transporte de carga. acrescido dos abonos previstos na CF e CLT. tributado por ocasião de sua quitação e será efetuado em separado dos demais rendimentos mediante a tabela progressiva. A base de cálculo do 13° Salário será o valor deste. Os artigos 16 e 18 da IN SRF n° 15/2001 dispõem sobre os referidos procedimentos fiscais.em que serão efetuados o cálculo e a retenção do imposto sobre o total dos rendimentos pagos no mês. inclusive as relativas a empreitadas de obras exclusivamente de trabalho. Os artigos 6 e 11 da IN SRF n° 15/2001 dispõem sobre os referidos procedimentos fiscais. honorários. A referida disposição está contida nos artigos Art. em separado dos demais rendimentos recebidos no mês. O imposto será calculado mediante a utilização da tabela progressiva mensal: Os rendimentos pagos por pessoas jurídicas a pessoas físicas pela prestação de serviços de transporte. 1. a título de comissões. locado ou adquirido com reserva de domínio ou alienação fiduciária. sem vínculo empregatício. 620. direitos autorais e remunerações por quaisquer outros serviços prestados. As importâncias recebidas pelos trabalhadores a título de participação nos lucros ou resultados das empresas são tributadas na fonte. 629 do RIR/1999 e 21 da IN SRF n° 15/2001. II . em veículo próprio. o imposto na fonte incidirá sobre: I . § 3º. gratificações. 7 . as decorrentes de fretes e carretos em geral e as pagas pelo órgão gestor de mão-de-obra do trabalho portuário aos trabalhadores portuários avulsos. decorrente do transporte de passageiros.quarenta por cento do rendimento bruto.0588 O fato gerador nesta situação ocorre nos pagamentos efetuados por pessoa jurídica à pessoa física. O cálculo do imposto deverá ser efetuado em separado do salário. Rendimentos do Trabalho sem Vínculo Empregatício .sessenta por cento do rendimento bruto. b) Férias e 13° Salário A base de cálculo corresponderá ao valor das férias (inclusive as em dobro). corretagens. como antecipação do imposto devido na Declaração de Ajuste. respectivamente.2. 628.

1.3. Rendimentos Isentos Podem ser considerados rendimentos isentos, de acordo com o artigo 5° da IN SRF n° 15/2001: • • • Valores recebidos a título de pensão ou aposentadoria quando o beneficiário for portador de doença grave com base em laudo; Valores pagos a titular ou a sócio de microempresa (SIMPLES), salvo os que corresponderem a pro labore, aluguéis ou serviços prestados; Pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a título de incentivo à adesão a programas de demissão voluntária (PDV).

1.4. Deduções Os artigos 38 a 49 da IN SRF n° 15/2001 relacionam as despesas que podem ser dedutíveis da base de cálculo do imposto de renda tais como: • • • Pagamento de despesas com instrução do contribuinte e seus dependentes; Pensões Alimentícias - Importâncias pagas em dinheiro a título de pensão alimentícia, quando em cumprimento de decisão ou acordo homologado judicialmente; Previdência Privada - As contribuições para as entidades de previdência privada domiciliadas no país e as contribuições para o Fundo de Aposentadoria Individual (FAPI), cujo ônus tenha sido do contribuinte, destinadas a custear benefícios complementares assemelhados ao da Previdência Social.

1.5. Prazo de Recolhimento Compete á fonte pagadora. No caso de PJ, o recolhimento e a informação devem ser feitos no nome e CNPJ do estabelecimento matriz. Com base no artigo 70 da Lei n° 11.196/2005, o prazo de recolhimento será: a) na data de ocorrência do fato gerador : 1.Rendimentos atribuídos a residentes ou domiciliados no exterior; 2. Pagamentos a beneficiários não identificados;

b) até o 3º dia útil subseqüente ao decêndio de ocorrência do fato gerador, no caso de:

8

1. juros sobre capital próprio, inclusive os atribuídos aos residentes e domiciliados no exterior; 2. prêmios, inclusive os distribuídos sob a forma de bens e serviços, obtidos em concursos e sorteios de qualquer espécie; 3. multa ou qualquer vantagem, de que trata o art.70 da Lei nº 9430/1996 . c) O prazo para recolhimento do IRRF devido, correspondente a fatos geradores ocorridos a partir de 1º de outubro de 2008, vai até o último dia útil do segundo decêndio do mês subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores, ou seja, até dia 20 do mês subsequente ao da retenção (art. 5º da MP nº 447, c/c art. 62 da MP nº 449 de 2008). De 1º de janeiro de 2006, até fatos geradores ocorridos em setembro de 2008, o prazo para recolhimento correspondia ao último dia útil do 1º (primeiro) decêndio do mês subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores (até dia 10 de cada mês). Os valores retidos deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional pela pessoa jurídica que efetuar a retenção, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica.

1.6. Dispensa de Retenção Está dispensada a retenção do imposto incidente sobre os rendimentos do trabalho assalariado de valor igual ou inferior a R$ 10,00. Havendo mais de um pagamento no mês ao mesmo beneficiário, o imposto não retido no primeiro pagamento, por não ter superado o limite de R$ 10, 00, será retido no segundo pagamento, se da aplicação da tabela sobre a soma dos rendimentos pagos no mês resultar imposto de valor superior a esse limite. Porém, a dispensa de retenção de valor igual ou inferior a R$ 10,00 não se aplica nos casos de: • A dispensa da retenção não abrange os rendimentos sujeitos a tributação exclusiva na fonte. Portanto, o IR/Fonte sobre 13º Salário deverá ser retido ainda que seu valor seja igual ou inferior a R$ 10,00. ( artigo 638, Inciso III do RIR/99). Rendimentos de aplicações financeiras (aplicações de renda fixa e fundos de investimentos) e Juros remuneratórios sobre o Capital Próprio , pagos ou creditados a PF, PJ’S isentas do Imposto de Renda e microempresas e empresas de pequeno porte inscrita no SIMPLES. ( artigo 668, Parágrafo I a 773 do RIR/99). Rendimentos pagos ou creditados a pessoas físicas ou jurídicas residentes ou domiciliadas no exterior.

9

O referido procedimento encontra-se nos artigos 68 da Lei n° 9430/1996 e artigo 620 do RIR/1999. 2. RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA – PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO 2.1. Fato Gerador De acordo com o Parecer Normativo Cosit n° 121/1973, ocorre o Fato Gerador do Imposto de Renda quando: • • Pagamento do rendimento, no caso de multas ou vantagens por rescisão de contrato. Pagamentos ou créditos do rendimento, o que ocorrer primeiro nas demais hipóteses.

Portanto, para fins de incidência do IR/Fonte sobre os serviços prestados por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica, se a fonte pagadora registrar o valor dos serviços como despesa em sua escrituração contábil, em contrapartida à conta do Passivo, representativa do direito de crédito da beneficiária, estará caracterizado o fato gerador do imposto. Dessa forma, cabe ressaltar que a data de emissão da nota fiscal de serviços não tem relevância para efeito de retenção do Imposto de Renda na fonte.

2.2. Serviços sujeitos à retenção do Imposto de Renda Examinaremos nos tópicos a seguir, os procedimentos a serem observados para fins de retenção do Imposto de Renda na fonte incidente sobre as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, civis ou mercantis, pela prestação de serviços de: • • • • • Serviços de Natureza profissional – Artigo 647 - RIR/1999 Serviços de limpeza, segurança, vigilância, locação de mão-de-obra – Artigo 649 RIR/1999 Serviços de mediação de negócios , propaganda e publicidade - Artigo 651 – RIR/1999 Cooperativa de Trabalho – Artigo 652 - RIR/1999 Assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos e administração de contas a pagar e a receber – Artigo 29 da Lei n° 10.833/2003

10

prédios e obras assemelhadas. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas.2. – desenho técnico. 11 . – contabilidade. – cálculo em geral. Os serviços caracterizados de natureza profissional são os seguintes. – análise clínica laboratorial. à alíquota de um e meio por cento.2. – assistência social. exceto o serviço de assistência técnica prestado a terceiros e concernente a ramo de indústria ou comércio explorado pelo prestador do serviço. civis ou mercantis. – biologia e biomedicina. – ensino e treinamento. – arquitetura. pela prestação de serviços caracterizadamente de natureza profissional.1 Remuneração de Serviços Profissionais . – assessoria e consultoria técnica. – consultoria. tomando-se por base o artigo 647 do Regulamento do Imposto de Renda/1999: – administração de bens ou negócios em geral. exceto construção de estradas. – engenharia. pontes. – auditoria. – avaliação e perícia. exceto consórcios ou fundos mútuos para aquisição de bens. – análises técnicas. – advocacia. – elaboração de projetos.1708 Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte. – economia.

– fisioterapia. – psicologia e psicanálise. – programação. hospital e pronto-socorro. – organização de feiras de amostras. – pesquisas em geral. – planejamento. – química. – terapêutica ocupacional. – medicina. 12 . banco de sangue. – radiologia e radioterapia. exceto a prestada por ambulatório. – nutricionismo e dietética. congressos. simpósios e congêneres. – odontologia.– estatística. e – veterinária. – geologia. – fonoaudiologia. seminários. – leilão. – serviço de despachante. – prótese. – urbanismo. casa de saúde. – tradução ou interpretação comercial. casa de recuperação ou repouso sob orientação médica. – relações públicas.

estará caracterizado o controle quando a pessoa física (ou grupo de pessoas físicas) preencher. por pessoas físicas. de modo permanente. controlada. nesses casos. ou parente de primeiro grau. neste incluídos o cônjuge e parentes de 1º grau) detiver parcela do capital social suficiente para assegurar o efetivo controle da empresa. para fins de caracterização do controle. gerentes ou controladores da pessoa jurídica que pagar ou creditar os rendimentos ou II . à alíquota de 1%.pelo cônjuge. Conservação. das pessoas referidas no inciso anterior. ou sob controle comum que: – é titular de direitos de sócio que lhe assegurem.3 Serviços de Limpeza.2. para efeito da tributação em exame. 13 . direta ou indiretamente: I . b) quando a pessoa jurídica que efetuar o pagamento dos rendimentos for sociedade anônima.2. Portanto. Para fins da tributação citada no subitem anterior. b) segurança. o controle estará caracterizado. sempre que a pessoa física (ou grupo de pessoas físicas. natural ou jurídica. quando a beneficiária for sociedade civil prestadora de serviços relativos a profissão regulamentada. o controle. as condições mencionadas na letra “b”.2 Serviços Profissionais – Pessoas Jurídicas Ligadas Aplicar-se à tabela progressiva prevista na IN SRF 704/2007 (Pessoa Física) aos rendimentos brutos referidos acima. exceto reformas e obras assemelhadas.por pessoas físicas que sejam diretores. ou o grupo de pessoas vinculadas por acordo de voto.2. Vigilância e Locação de Mão de Obra 1708 Sujeitam-se à retenção do Imposto de Renda na fonte. a maioria dos votos nas deliberações da assembléia geral e o poder de eleger a maioria dos administradores da companhia. 2. Acionista controlador é a pessoa. da sociedade civil que aufere rendimentos e da pessoa jurídica que os paga deve ser analisado nos seguintes termos: a) no caso de a sociedade civil beneficiária dos rendimentos ou a pessoa jurídica que efetuar o pagamento ou crédito desses rendimentos tiver sido organizada sob forma societária diversa da de sociedade por ações. Segurança. será aplicado o conceito de acionista controlador. cumulativamente. e – usa efetivamente seu poder para dirigir as atividades sociais e orientar o funcionamento dos órgãos da companhia. os rendimentos pagos ou creditados em decorrência da prestação dos serviços de: a) limpeza e/ou conservação de bens IMÓVEIS.

2.2. a outras pessoas jurídicas. define que o Imposto de Renda deve ser recolhido pela agência de propaganda. de direito público ou privado. Consideram-se como serviços de segurança e não de transporte os serviços prestados por empresa transportadora de valores. ( locação de mão de obra temporária ) Os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas.por serviços de propaganda e publicidade. devendo-se promover a retenção à alíquota de 1. 64) 14 .8045 Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte.3280 Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte à alíquota de 1. prestados por agência de propaganda.5% por cento as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a cooperativas de trabalho. da prestação de serviços de propaganda e publicidade. artístico ou operacional. art. Na composição da base de cálculo do imposto incluem-se as importâncias pagas. por ordem e conta do anunciante. A Instrução Normativa n° 123/1992. entregues ou creditadas. de 1995. corretagens ou qualquer outra remuneração pela representação comercial ou pela mediação na realização de negócios civis e comerciais. 2. O anunciante e a agência de propaganda são solidariamente responsáveis pelo pagamento do imposto. No caso de contratação de funcionários através da intermediação de agência de emprego. à empresa beneficiária. no sentido técnico. de 1992.c) vigilância. associações de profissionais ou assemelhadas. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas.5%. art. uma vez que o objetivo dessas empresas é a segurança dos bens transportados. decorrentes.4 Mediação de Negócios. realizados pela agência com meios próprios. sujeitos ao IR/Fonte à alíquota de 1%. civis ou mercantis. relativas a: I .2.45.5 Serviços Prestados por Associados de Cooperativas de Trabalho e Associações Profissionais e Assemelhadas . II . e Lei nº 8981. Propaganda e Publicidade . ( Lei nº 8541. os valores pagos serão tributados como comissões e corretagens. pela anunciante. à alíquota de um e meio por cento. e d) locação de mão-de-obra de empregados da locadora colocados a serviço da pessoa jurídica locatária em local por esta determinado. direta ou indiretamente. pela prestação de serviços de limpeza e conservação de ruas e logradouros públicos estão sujeitos à retenção do Imposto de Renda na fonte à alíquota de 1%.a título de comissões. relativas a serviços pessoais que lhes forem prestados por associados destas ou colocados à disposição.

seleção e riscos.6 Serviços de assessoria creditícia. através do Ato Declaratório Interpretativo n° 10 SRF/2004. dispõe que a retenção do imposto deverá ocorrer inclusive quando o serviço for prestado por empresa de factoring. à alíquota de 1. administração de contas a pagar e a receber. pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. seleção e riscos.2. o IR/Fonte sobre as importâncias pagas ou creditadas por PJ a título de prestação de serviços a outra PJ prevê o prazo de recolhimento até o último dia útil do 1º decêndio do mês subseqüente ao mês de ocorrência do fato gerador. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a título de prestação de serviços a outras pessoas jurídicas que explorem as atividades de prestação de serviços de assessoria creditícia. mercadológica. casa e clínica de saúde. casa de recuperação e repouso sob orientação médica. O recolhimento do IR/Fonte deve ser efetuado. gestão de crédito.2. 2. gestão de crédito. Sujeitam-se ao desconto do IRF. 15 . A Receita Federal. hospital e pronto-socorro. 2. Casos em que não se aplica a retenção do Imposto de Renda As importâncias pagas ou creditadas pelas pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços de manutenção de bens móveis e transporte ( exceto de valores).196/2005.4. pontes. bem como de medicina prestados por ambulatório.5%. de forma centralizada. mercadológica. prédios e obras assemelhadas não estão sujeitos ao desconto do IRF.3. Prazo de Recolhimento Com base no artigo 70 da Lei n° 11. e de engenharia relativo a construção de estradas. administração de contas a pagar e a receber. banco de sangue.

pela prestação de serviços de: • • • • • • • • • Limpeza. revogada pela IN nº SRF nº 459/04 – Normatiza as retenções efetuadas por empresas de direito privado. Não será admitida qualquer dedução dessa base se não por previsão legal. 1. por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura. Atos Normativos • • Lei nº 10. manutenção. Seleção e riscos.833/03. a pessoa jurídica de direito privado que efetuar pagamentos a outra pessoa jurídica de direito privado deverá efetuar a retenção na fonte do PIS.833/03.2. Fato Gerador/ Base de Cálculo O artigo 30 da Lei n° 10. RETENÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS – PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO 1. 1. Administração de contas a pagar e a receber. inclusive os pagamentos antecipados. Segurança. Serviços Profissionais. A base de cálculo será o valor bruto do serviço prestado. conservação. da COFINS e da CSLL. Serviços sujeitos à retenção das contribuições sociais Com base no artigo 30 da Lei n° 10. 16 .Imputa o Instituto da Retenção das Contribuições Sociais.925/04. Gestão de crédito.833/03 dispõe sobre o fato gerador das contribuições sociais. vigilância.3.1.SEGUNDA PARTE – Retenção das Contribuições Sociais 1. modificada pela Lei nº 10. transporte de valores. IN nº 381/03. Mercadológica. sendo este o efetivo pagamento dos serviços. Assessoria creditícia. Locação de mão-de-obra.

motores. dedetização. edificações. que são considerados: – Serviços de limpeza: conservação ou zeladoria os serviços de varrição.4. – Serviços profissionais: os relacionados no artigo 647 do RIR/1999. II . desentupimento. como um mero conserto de um bem defeituoso.A Instrução Normativa SRF n° 459/2004. inclusive sociedades cooperativas. Serviços prestados por pessoas residente ou domiciliada no exterior. monumentos. desratização ou outros serviços destinados a manter a higiene. rodovias. esclarece para fins de retenção das contribuições. desinsetização. jardins. Serviços prestados por pessoas jurídicas optantes pelo SIMPLES federal. ou IV . exceto se a manutenção for feita em caráter isolado. dependências. Transporte de valores por empresa estrangeiras. III . equipamentos. 17 . instalações. máquinas. quando destinadas a mantê-los em condições eficientes de operação. embarcações. logradouros. o asseio ou a conservação de praias. pátios ou de áreas de uso comum. lavagem. higienização. instalações. pois não foram listados pela Instrução Normativa SRF n° 459/2004: Comissões recebidas. confederações. 1. vias públicas. imunização. aeronaves. inclusive entidades sindicais.sociedades simples. – Serviços de manutenção: todo e qualquer serviço de manutenção ou conservação de edificações. veículos automotores. federações.condomínios de edifícios.fundações de direito privado. elevadores ou de qualquer bem. inclusive escolta de veículos de transporte de pessoas ou cargas. aparelhos. – Serviços de segurança e/ou vigilância: os serviços que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de valores e de bens patrimoniais. Serviços que não se aplicam a retenção das Contribuições Sociais Os serviços ou atividades citados a seguir NÃO sofrem a retenção das contribuições. centrais sindicais e serviços sociais autônomos. enceramento. inclusive quando prestados por cooperativas ou associações profissionais: O disposto aplica-se inclusive aos pagamentos efetuados por: I . desinfecção.associações.

somente em relação à COFINS e ao PIS/Pasep.833/03 dispõe sobre o percentual de retenção de 4. 1. A fonte pagadora deverá calcular em separado a contribuição cujo prestador do serviços estiver sujeito. Serviços prestados por cooperativas. permanecendo a retenção do PIS e da COFINS. 1.833/03 prevê também. Transporte internacional de valores efetuado por empresas nacionais. a retenção será efetuada com a aplicação da alíquota correspondente à contribuição que não seja isenta. Percentuais de Retenção e Códigos de DARF O artigo 31 da Lei n° 10. COFINS e CSLL) ou amparada por medida judicial.6.COFINS. somente em relação à COFINS e ao PIS/Pasep. 18 .65% (quatro inteiros e sessenta e cinco centésimos por cento)a ser aplicado sobre o valor a ser pago . Serviços prestados por hospitais e prontos-socorros. Serviços de propaganda e publicidade. e 0. nos casos em que a Pessoa Jurídica for isenta de alguma contribuição (PIS.° 10/2004). a saber: 5987 – CSLL (alíquota de 1%). O código a ser utilizado no DARF neste caso é o 5952. 3% . que corresponde a seguinte soma: 1% . Atividades realizadas por estaleiros navais brasileiros.65% – Contribuição para o PIS.CSLL.865/2004). Pessoa Jurídica Amparada por Medida Judicial/Isenta de Determinada Contribuição O artigo 31 da Lei n° 10.5. aplicar a alíquota correspondente e utilizar DARF distinto para cada contribuição. em relação somente à CSLL. quando referente à atos cooperativos (Lei n° 10.Serviços prestados por pessoas físicas. As cooperativas de consumo continuam a sofrer normalmente o desconto das contribuições (IN SRF n°459/2004). Serviços de transporte interestadual ou intermunicipal de cargas ou passageiros (ADI SRF n.

1. em duas vias devidamente assinadas pelo seu representante legal. Também estão dispensadas de efetuar a retenção na posição de tomadora do serviço de acordo com o artigo 30. 19 . via da declaração.65%) A empresa prestadora do serviço beneficiada por isenção ou alíquota zero das contribuições (PIS.833/03. 5979 – PIS/Pasep (alíquota de 0. até o último dia útil da quinzena subseqüente àquela quinzena em que tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica fornecedora dos bens ou prestadora dos serviços conforme o artigo 35 da Lei n° 10.9. Prazo de Recolhimento Os valores retidos na quinzena. Empresas Optantes pelo Simples De acordo com o artigo 2°.5960 – COFINS (alíquota de 3%). inclusive o enquadramento legal sob pena de sujeição à retenção das contribuições sob o total da NF.10.8. Informe de Rendimentos As PJ que efetuarem retenções na fonte deverão fornecer à PJ beneciária do pagamento comprovante anual da retenção. a Pessoa Jurídica optante pelo SIMPLES (não incidência da retenção na fonte das contribuições) deverá apresentar à Pessoa Jurídica tomadora dos serviços declaração.000. compensando-se o valor retido anteriormente. que ficará a disposição da Secretaria da Receita Federal (SRF).925/2004. Ocorrendo mais de um pagamento no mesmo mês à mesma PJ.7. e a 2a. 1.00 O Artigo 5° da Lei n° 10. Dispensa de Retenção – Pagamentos inferiores a R$ 5.00. deverá ser efetuada a soma de todos os valores pagos no mês para efeitos de cálculo do limite de retenção previsto. O prazo para fornecimento desse comprovante é até o último dia útil do mês de fevereiro do ano subseqüente.000.via será devolvida ao interessado como recibo. COFINS e CSLL) devem informar esta condição na NF. dispensa a retenção das contribuições sociais para pagamentos de valor igual ou inferior a R$ 5. § 3° da Instrução Normativa SRF n° 459/04. deverão ser recolhidos ao tesouro nacional pelo PJ que efetuar a retenção ou pelo estabelecimento matriz da PJ.833/03 1. na forma do Anexo I da IN SRF n° 791/2007 (em anexo). 1. § 2 e 33 da Lei n° 10. A fonte pagadora arquivará a 1a.

R$465.833/03. e que dela recebam recursos do Tesouro Nacional e estejam obrigadas a 20 . 2. a obrigatoriedade da retenção foi estendida. quando a prestadora do serviço calcular as contribuições devidas sobre a receita auferida na competência de junho/2007. COFINS e CSLL (4. Exemplo: Competência da receita: serviço prestado em junho/2007……R$10.11. direta ou indiretamente.COFINS e da Contribuição para o PIS/PASEP sobre os pagamentos a pessoas jurídicas. Compensação dos Valores Retidos A PJ que sofrer retenções na fonte das contribuições (PIS. às seguintes entidades. b) sociedades de economia mista. as autarquias e as fundações federais efetuam a retenção na fonte do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica IRPJ. A compensação poderá ser realizada com fatos geradores ocorridos a partir do mês da retenção. RETENÇÃO DO IR/PIS/COFINS/CSLL – PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO 2.1. detenha a maioria do capital social com direito a voto. inclusive obras. da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido . a partir de 1º de fevereiro de 2004. poderá compensar as contribuições retidas no dia 30/06/07 e recolher somente a diferença. da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social . pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral.000. e c) demais entidades em que a União. Atos Normativos Desde 1º de janeiro de 1997.00 No mês seguinte (julho/2007). se houver. nos pagamentos que efetuarem a pessoas jurídicas: a) empresas públicas.00 Dia/mês do recebimento pela prestadora do serviço………… . Pelo artigo 34 da Lei n° 10.CSLL.65%) em 30/06/2007 ………………………………………………. COFINS e CSLL) poderá compensá-las com contribuições da mesma espécie devidas de acordo com o artigo 7° da Instrução Normativa SRF n° 459/2004.1. os órgãos da administração federal direta..30/06/2007 A fonte pagadora desconta as contribuições PIS.

Tabela de Retenção O artigo 2º da IN SRF nº 480/04.registrar sua execução orçamentária e financeira na modalidade total no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). que além de alterar alguns artigos. o percentual constante da coluna 06 da Tabela de Retenção. 2. considera-se: a) serviços prestados com emprego de materiais. determinada mediante a aplicação de 15% (quinze por cento) sobre a base de cálculo estabelecida no art. direta ou indiretamente detenha a maioria do capital social sujeito a voto. os serviços contratados com previsão de fornecimento de material.3. a contratação por empreitada de construção civil. que corresponde à soma: a) da alíquota do imposto de renda. na modalidade total. A Instrução Normativa SRF nº 480/2004. inclusive obras. pelas autarquias. Tal IN foi alterada pela Instrução Normativa nº 539. a retenção será efetuada aplicando-se. pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral. pelas sociedades de economia mista e pelas demais entidades em que a União.249/95. sendo tais materiais incorporados à obra. pelas fundações federais. bem assim a CSLL. fornecendo o empreiteiro todos os materiais indispensáveis à sua execução. o IRPJ. sobre o valor a ser pago. b) construção por empreitada com emprego de materiais. que revogou o § 2º do art. e desde que discriminados separadamente no documento fiscal de prestação de serviços. 21 . Base de cálculo/Alíquotas/Código do DARF . prevê a retenção. observados os procedimentos previstos nesta Instrução Normativa. foi publicada no DOU a Instrução Normativa SRF nº 706 de 2007. Em 31 de janeiro de 2007. de 25 de abril de 2005. cujo fornecimento de material esteja segregado da prestação de serviço no contrato. a Cofins e o PIS/Pasep sobre os pagamentos que efetuarem a pessoas jurídicas. Fato Gerador O artigo 1º da IN SRF nº 480/04. 4º da IN SRF nº 480 de 2004. A lista dos serviços alcançados encontram-se nos Anexos da referida IN.2. pelas empresas públicas. consolida as normas sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados a pessoas jurídicas por órgãos da administração federal direta. conforme a natureza do bem fornecido ou do serviço prestado. 15 da Lei nº 9. Para os fins de aplicações dos percentuais de retenção. 2. na fonte. substituiu os anexos I e III da IN SRF nº 480. publicada no DOU de 27 de abril de 2005. e que recebam recursos do Tesouro Nacional e estejam obrigadas a registrar sua execução orçamentária e financeira no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi).

a que se refere o art. g) conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas (OAB. 2.b) da alíquota da CSLL de 1% (um por cento) sobre o montante a ser pago. Os códigos do DARF serão de acordo com cada tipo de situação relacionada na tabela de retenção. 105 e seu § 1º da Lei nº 5. CRM. 15 da Lei nº 9. CFC. h) fundações de direito privado e as fundações públicas instituídas ou mantidas pelo Poder Público. e c) da alíquota de 3% (três por cento) para a COFINS e de 0. define as hipóteses em que não haverá a retenção do IR e das contribuições sociais relacionadas a seguir: . isenções e não incidências Não serão retidos os valores correspondentes ao imposto de renda e às contribuições aqui tratadas.532/97.). k) pessoas jurídicas optantes pelo Simples. sem fins lucrativos. n) empresas estrangeiras de transporte.65% (sessenta e cinco centésimos por cento) da Contribuição para o PIS/Pasep. f) serviços sociais autônomos.4. c) instituições de educação e de assistência social. 12 da Lei nº 9. criados ou autorizados por lei. i) condomínios edilícios. nos pagamentos efetuados a: a) templos de qualquer culto. j) a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e às Organizações Estaduais de Cooperativas previstas no art. l) pessoas jurídicas exclusivamente distribuidoras de jornais e revistas.532/97. e) sindicatos. b) partidos políticos. a que se refere o art. e 22 . m) a Itaipu binacional. cultural. etc. CREA. somente em relação as receitas próprias.764/71. científico e às associações civis. recreativo. Hipóteses em que não haverá Retenção O artigo 3º da IN SRF nº 480/04. federações e confederações de empregados.Imunidades.. d) instituições de caráter filantrópico.

à pessoa jurídica beneficiária do pagamento. comprovante anual da retenção. no que se refere às autarquias e fundações. d) 6230 . e efetuar o recolhimento em DARF distintos para cada um deles. 150 da Constituição Federal. IV e V do art. No caso de PJ amparada por isenção por isenção parcial. o órgão ou a entidade que efetuar o pagamento deverá calcular.no caso de CSLL. determinando a suspensão do pagamento do IRPJ ou de qualquer das contribuições sujeitas à retenção. a comprovação de que a não retenção continua amparada por medida judicial. d) o valor retido.no caso de IRPJ. b) 6228 . 151 do Código Tributário Nacional . aplicando as alíquotas correspondentes. Os procedimentos fiscais abordados encontram-se nos artigos 30. os valores do IRPJ e das contribuições considerados devidos. individualmente. informando.5. Pessoa jurídica amparada por medida judicial/Isenta Parcial No caso de pagamento efetuado a pessoa jurídica amparada pela suspensão da exigibilidade do crédito tributário nas hipóteses a que se referem os incisos II. 2. os termos dos §§ 3º e 4º do art. Parágrafos 1º e 2º da IN SRF nº 480/04. será adotado o mesmo procedimento previsto para pessoas jurídicas amparadas por medida judicial.no caso de Cofins. assim entendido o valor antes de efetuada a retenção.CTN ou por sentença judicial transitada em julgado. conforme modelo constante do Anexo V da referida IN.o) órgãos da administração direta. até o último dia útil de fevereiro do ano subseqüente. b) a natureza do rendimento. autarquias e fundações do Governo Federal. O beneficiário do rendimento deverá apresentar à fonte pagadora. 2. 23 . mencionando-se: a) o código de retenção. Estadual ou Municipal. c) 6256 . utilizando-se os seguintes códigos: a) 6243 . a cada pagamento. fornecer. c) o valor pago. observado.no caso de PIS/Pasep. relativamente a cada mês em que houver sido efetuado o pagamento.6 – Informe de Rendimentos O artigo 31 da IN SRF nº 480/2004 prevê que a fonte pagadora.

o somatório dos valores pagos e o total retido. até o último dia útil de fevereiro do ano subseqüente.Como forma alternativa de comprovação da retenção. isenção ou opção pelo SIMPLES/Nacional. o órgão ou entidade responsável pela retenção deverá enviar à unidade da Receita Federal do local de seu domicílio. recreativo. Comprovação dos Valores Retidos O artigo 7º da IN SRF nº 480/04. relação. até o último dia útil do mês de março do ano-calendário subseqüente ao dos pagamentos efetuados. em meio digital. da alíquota respectiva. científico e associações) 2. sobre o valor do documento fiscal. e instituições de caráter filantrópico. prevê que o IR/Fonte sobre as importâncias pagas ou creditadas por PJ a título de prestação de serviços a outra PJ deverá ser recolhido até o último dia útil do 1º decêndio do mês subseqüente ao mês de ocorrência do fato gerador. dispõe que os valores retidos poderão ser deduzidos. 04 ou 05 da Tabela de Retenção (Anexo I). à disposição da Secretaria da Receita Federal (SRF). à unidade local da Receita Federal. sem fins lucrativos. no campo destinado a observações. 2. mensalmente. cultural. imunidades e de opção pelo SIMPLES/Federal serão arquivadas. em ordem alfabética. O valor a ser deduzido. pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. constante das colunas 02. o valor pago. como recibo. Relativamente à dispensa de retenção por declaração de imunidade. devendo a 2ª via ser devolvida ao interessado. Recolhimento O artigo 5º da IN SRF nº 480/2004. 24 .Declaração de Imunidade (instituições de educação e de assistência social. aprovou os seguintes modelos de formulários para uso na sistemática de retenção dos impostos e contribuições: ANEXOS II e III . será determinado pelo próprio contribuinte mediante a aplicação. 2. contendo o nome ou a razão social. do valor do imposto e contribuições de mesma espécie devidos. relativamente a fatos geradores ocorridos a partir do mês da retenção. correspondente ao IRPJ e a cada espécie de contribuição social. Anualmente. pelo contribuinte. correspondente ao fornecimento dos bens ou da prestação dos serviços. os órgãos ou as entidades que efetuarem a retenção aqui tratada deverão apresentar. 03. O recolhimento do IR/Fonte deve ser efetuado. poderá o órgão ou a entidade fornecer ao beneficiário do pagamento cópia impressa do Darf. de forma centralizada.7 – Modelos de formulários Aprovados A IN SRF nº 480/2004. nela discriminando.8. alterada pela IN SRF nº 539/2004. o número de inscrição no CNPJ e os valores pagos no período de 01 de janeiro a 31 de dezembro de cada ano. As declarações de isenção.9. desde que este contenha. Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf). por contribuinte e por código de recolhimento.

CONCEITO DE SERVIÇO Primeiramente. “ Art. Compete aos Municípios instituir imposto sobre: (..156. 2. para efetuarmos as considerações acerca da Retenção do ISSQN. ainda que não constitua a atividade preponderante do prestador. cabe à Lei Complementar: I – fixar as suas alíquotas máximas e mínimas. 25 . abaixo transcrito. O imposto incide também sobre o serviço proveniente do exterior do País ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior do País. permite aos Municípios instituir imposto sobre serviços de qualquer natureza. Parágrafo III Em relação ao imposto previsto no inciso III do caput deste artigo.TERCEIRA PARTE – Retenção do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza 1. fruto do esforço humano e com conteúdo econômico. de forma individualizada. não compreendidos no artigo 155. definido em lei complementar.” 3. Portanto. entende-se como Serviço a prestação de fazer alguma coisa ( e não de dar ). FATO GERADOR E A QUESTÃO DA TAXATIVIDADE DA LISTA DE SERVIÇOS Ocorre o fato gerador do ISS na prestação dos serviços constantes na lista de serviços anexa à Lei Complementar n° 116 de 31 de julho de 2003.. definidos em Lei Complementar. incentivos e benefícios fiscais que serão concedidos ou revogados. III – regular a forma e as condições como isenções. não compreendidos no artigo 155. II – excluir sua incidência exportações de serviços para o exterior. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA O Inciso III do Art. precisamos entender a conceituação de serviço para fins tributários e as respectivas normas gerais pertinentes à sua apuração.) III – serviços de qualquer natureza.II. 156 da CF. II.

ainda que o pagamento seja feito por residente no exterior. na hipótese do § 1º do art. Não se enquadram no disposto no inciso I os serviços desenvolvidos no Brasil. o local do estabelecimento prestador ou. hipóteses previstas nos incisos I a XXII do artigo 3° da LC 116/03. (artigo 3° da LC 116/03) Exceções: local da efetiva prestação de serviços. Parágrafo único. onde ele estiver domiciliado. juros e acréscimos moratórios relativos a operações de crédito realizadas por instituições financeiras. na falta de estabelecimento.do estabelecimento do tomador ou intermediário do serviço ou.Só estão sujeitos ao ISS. II – a prestação de serviços em relação de emprego. 1º desta Lei Complementar. 26 . O ISS incide sobre os serviços prestados mediante a utilização de bens e serviços públicos explorados economicamente mediante autorização. permissão ou concessão. portanto. Resumindo. a lista de serviços exemplificativa e sim taxativa. III – o valor intermediado no mercado de títulos e valores mobiliários. preço ou pedágio pelo usuário final do serviço. cujo resultado aqui se verifique. não sendo. 5. bem como dos sócios-gerentes e dos gerentes-delegados. como regra geral. 116/03. na falta do estabelecimento. Entretanto. no tomador da mão-de-obra. 3º da LC. na falta do estabelecimento. dos diretores e membros de conselho consultivo ou de conselho fiscal de sociedades e fundações. com o pagamento de tarifa. devem ser observadas as exceções previstas neste mesmo artigo. o principal. arroladas a seguir: I .etc. LOCAL ONDE É DEVIDO O IMPOSTO O local da prestação para fins de incidência do imposto está definido no Art. NÃO INCIDÊNCIA De acordo com o artigo 2º da LC 116/03. os serviços relacionados na lista anexa à LC 116/2003. no local do domicílio do prestador. 4. o imposto não incide sobre: I – as exportações de serviços para o exterior do País. dos trabalhadores avulsos. que estabelece. o valor dos depósitos bancários. no local do domicílio do prestador. em que o imposto é devido no local da prestação. podemos dizer que o imposto incide: Regra geral: local do estabelecimento prestador ou.

04 da lista anexa.do Município onde está sendo executado o transporte.05 da lista anexa.05 da lista anexa. coleta.II . IX . no caso dos serviços descritos pelo subitem 17. segurados ou monitorados. piscinas. manutenção e conservação de vias e logradouros públicos. parques. VI . pontes.da execução da decoração e jardinagem. do corte e poda de árvores. no caso dos serviços descritos no subitem 11.13.da feira. exceto o 12. fisicamente localizada e capaz de prestar serviços. chaminés. no caso dos serviços descritos no subitem 7. tratamento. XVI .da instalação dos andaimes.do porto. XXII . A definição de unidade econômica pressupõe a existência de uma organização de fatores de produção. ferroporto. tais como: 27 .da execução da varrição.(VETADO) XI .da execução dos serviços de diversão. no caso dos serviços descritos pelo subitem 16.do armazenamento. descarga. no caso dos serviços descritos no subitem 7. VIII . DEFINIÇÃO DE ESTABELECIMENTO PRESTADOR O artigo 4° da LC 116/03 define como estabelecimento prestador o local onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços. entretenimento e congêneres. arrumação e guarda do bem. no caso dos serviços descritos no subitem 7. separação e destinação final de lixo. 6.da execução da obra.do estabelecimento do tomador da mão-de-obra ou. e que configure unidade econômica ou profissional. contenção de encostas e congêneres. XX . no caso dos serviços descritos no subitem 3.do controle e tratamento do efluente de qualquer natureza e de agentes físicos.da demolição.19 da lista anexa. na falta de estabelecimento.dos bens ou do domicílio das pessoas vigiados. incineração. estradas. imóveis.da execução da limpeza. no caso dos serviços descritos no subitem 11. V . aeroporto.(VETADO) XII .05 da lista anexa.16 da lista anexa. no caso dos serviços descritos no subitem 7. XVII .02 da lista anexa. portos e congêneres. XIII .02 e 7. no caso dos serviços descritos no subitem 7. carga. III . palcos.da limpeza e dragagem. químicos e biológicos. terminal rodoviário. coberturas e outras estruturas. XVIII . da lista anexa. IV . no caso dos serviços descritos no subitem 7.da execução dos serviços de escoramento. adubação e congêneres.01 da lista anexa. XIV . congresso ou congênere a que se referir o planejamento. XIX .12 da lista anexa.das edificações em geral. no caso dos serviços descritos pelo subitem 17. no caso dos serviços descritos no subitem 7. onde ele estiver domiciliado.do florestamento. X .17 da lista anexa. depósito. ferroviário ou metroviário. reciclagem. reflorestamento. VII . XXI .11 da lista anexa. no caso dos serviços descritos pelo item 20 da lista anexa. no caso dos serviços descritos no subitem 7.09 da lista anexa. no caso dos serviços descritos no subitem 7. no caso dos serviços descritos no subitem 7. no caso dos serviços descritos nos subitens do item 12. jardins e congêneres.18 da lista anexa. rejeitos e outros resíduos quaisquer.10 da lista anexa.04 da lista anexa. organização e administração. lazer. remoção. de modo permanente ou temporário.10 da lista anexa. exposição. semeadura.

Capital. Ressaltamos. (.959/04) A responsabilidade de que trata este artigo será satisfeita mediante o pagamento: 1 . com base no preço do serviço prestado. Os responsáveis pelo recolhimento do ISS no município do Rio de Janeiro estão arrolados no artigo 14º da Lei 691/1984 e artigo 7° do Regulamento do ISS. aprovado pelo Decreto n. que não importa o nome que será dado a este local.147/2004..• • • • • Máquinas. o recolhimento do ISS retido deverá ocorrer até o quinto dia útil do mês subseqüente ao do pagamento do serviço. 8. (Decreto/RJ n° 24. bem como no Decreto 24.do imposto retido. caracterizando o estabelecimento prestador. Funcionários. podendo ser pessoa física ou jurídica. A unidade profissional é caracterizada nas atividades em que a renda ( remuneração ) provém do trabalho e não da combinação de fatores de produção. CONTRIBUINTES O artigo 5° da LC 116/03.) 28 . Podemos concluir que o Município competente para exigir o ISS é aquele onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços.. AS PRINCIPAIS REGRAS PARA RETENÇÃO NA FONTE 8. Equipamentos. Matéria-prima. 7.514/91.° 10. prevê que os contribuintes do ISSQN são os prestadores do serviço. aplicada a alíquota correspondente à atividade exercida.1 – Retenção aplicável nos serviços previstos pela lc 116/03 O artigo 6° da LC 116/03 possibilitou que os municípios e o Distrito Federal atribuíssem a responsabilidade pelo recolhimento do ISS para as fontes pagadoras do serviço ou intermediário (tomador do serviço). No município do Rio de Janeiro.

o procedimento básico do tomador do serviço ( pessoa jurídica) é acessar a página http: //dief. com 29 . O prestador de serviço relacionado no Anexo I deve efetuar o preenchimento e a transmissão da "Ficha de Informações de Prestador de outro Município". exclusivamente serviço discriminado no Anexo II. atual RISS/RJ. 8.248/2007 para tomador estabelecido no Município do Rio de Janeiro.br/cepom e verificar se o prestador de serviço efetuou o cadastramento exigido. e II . que servirá como comprovante dessa operação. será atribuído um número de protocolo de inscrição à ficha de informações e gerado um documento denominado "Ficha de Informações de Prestador de outro Município . inclusive a seu próprio respeito.Os contribuintes alcançados pela retenção do imposto. Após a transmissão das informações pela Internet. sendo necessária a apresentação de documentos relacionados nesta Resolução. nos termos e condições dispostos neste Decreto. De posse do documento fiscal de outro município. de forma ativa ou passiva. à Secretaria Municipal de Fazenda da Prefeitura do Rio de Janeiro. O procedimento acima está disciplinado no artigo 7 do Decreto 10. desde que tal prestação seja destinada a: a) empresa de seguros privados.Protocolo de Inscrição".gov.a empresa prestadora do serviço proveniente do exterior do País ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior do País.a pessoa jurídica que prestar. no caso de atendimento ao beneficiário do plano conforme determinação expressa no contrato.514/91. para tomador estabelecido no Município do Rio de Janeiro. O artigo 2 do referido Decreto prevê a dispensa da obrigação nas situações arroladas a seguir: I .515/2007. deverá fornecer informações.CNPJ .rio.452/2006 . manterão controle em separado das operações sujeitas a esse regime para exame posterior da fiscalização municipal. com emissão de documento fiscal autorizado por outro município. conforme modelo constante do Anexo III da Resolução SMF 2. O prestador de serviços será identificado pelo número de inscrição no Cadastro Nacional dePessoas Jurídicas . foi criado o CEPOM – Cadastro de Empresas Prestadoras de Serviços localizadas em outro Município. e b) operadora de planos privados de assistência à saúde. no caso de atendimento ao segurado em razão da ocorrência do sinistro previsto na apólice de seguro. Daí.2 – Retenção aplicável pela norma de Cadastramento do CEPOM A pessoa jurídica que prestar serviço relacionado no Anexo I do Decreto 28. Tal procedimento se deve à nova modalidade de cadastramento exigida pela Lei 4.rj.

999. para as demais atividades. a partir de dd/mm/aa/ Não caberá a retenção do ISS. fixando a alíquota mínima do ISS em 2% (dois por cento). No momento da consulta o tomador irá se deparar com uma das seguintes mensagens: a) “Pessoa Jurídica com inscrição como prestador de serviços em análise pela Secretaria Municipal de Fazenda a partir de dd/mm/aa/ Não caberá a retenção do ISS até a decisão”. conforme o artigo 8º da LC 116/03. a partir da data da publicação da Emenda (13. como tal considerada a receita bruta a ele correspondente. 9. excetuados os descontos ou abatimentos concedidos independentemente de qualquer condição. o tomador de serviço deverá efetuar a retenção do imposto. sendo necessário o recolhimento na rede bancária autorizada .992-6. a mensagem obtida na consulta será: “ Pessoa Jurídica não cadastrada como prestador de serviços na SMF/ Caberá a retenção na fonte e o recolhimento do ISS conforme a Legislação vigente. incluiu o artigo 88 ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. haverá a retenção na fonte e o recolhimento do imposto na forma da Legislação vigente.Aviso de Recebimento (AR). não possuir inscrição municipal o recolhimento será efetuado pela inscrição 9.452”). 11. Os serviços e as respectivas alíquotas estão demonstradas no artigo 19 do Decreto 10. exclusivamente em relação aos serviços cadastrados. BASE DE CÁLCULO Com base no artigo 7º da LC 116/03. podemos concluir que: 30 . a base de cálculo do Imposto é o preço do serviço. A Emenda Constitucional 37/2002. Se o tomador do serviço. os relacionados no Anexo I ) e caso o prestador não tome as providências necessárias.2002). ALÍQUOTAS APLICÁVEIS As alíquotas máximas aplicáveis são de 5% sobre o valor do serviço prestado. 10. b) Pessoa Jurídica regularmente inscrita como prestador de serviços na Secretaria Municipal de Fazenda. sem nenhuma dedução.514/91.06. com o código de recolhimento 126-0 ( “ISS – retenção – Lei 4. Neste caso. em seu artigo 3º. CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES Diante do exposto.” Se o serviço em questão for obrigatório o seu cadastramento ( no caso.

com ressalvas. 7. etc. sem ressalvas. 7.02) c) Fornecimento(venda de mercadorias) com prestação de serviços não previstos na lista. materiais. ainda que sua prestação envolva o fornecimento de mercadorias. ficam sujeitos apenas ao ISS.a) Serviços incluídos na Lista. ( Ex.01) b) Serviços incluídos na Lista. ( Ex.ficam sujeitos apenas ao ICMS. ficam sujeitos ao ISS nos serviços e ao ICMS nas mercadorias. 31 .

Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas a que menciona a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e serviços. Publicado no DOU de 29. Publicado no DOE de 31.1999.gov.12. Constituição da República Federativa do Brasil : Texto Constitucional promulgado em 05 de outubro de 1988.2004. de 15 de dezembro de 2004.br 32 .1991.Brasília : Senado Federal.br Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL . Disponível no site: www. arrecadação e administração do Imposto de Renda e Proventos de Qualquer Natureza. Reduz as alíquotas do PIS/PASEP e da COFINS incidentes na importação e na comercialização do mercado interno de fertilizantes e defensivos agropecuários e dá outras providências.2004. Publicado no DOU de 29. que dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas que menciona a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e serviços.br Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL .receita.fazenda.gov.514 de 08. Publicado no DOU de 26.12. Regulamenta as disposições legais relativas ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza.000 de 26.10. Publicado no DOE de 09.07.receita. Publicado no DOU de 30.07.SRF nº 539 de 25. retificado no DOU de 10. Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. Dispõe sobre o imposto de serviços de qualquer natureza de competência dos municípios e do Distrito Federal e dá outras providências.2004.receita. Disponível no site: www.03. com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais n º 1/92 a 31/2000 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão n º 1 a 06/94 .1991.rj. Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL .2004.2004.br Lei nº 10.10.10. Disponível no site: www.2005.1999.receita. Disponível no site: www. Disponível no site: www.2003.fazenda. Altera a Instrução Normativa SRF nº 480.SRF nº 459 de 18. retificado no DOU de 17.fazenda. Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências.Disponível no site: www.prefeitura.SRF nº 480 de 18.08.2003.planalto.12.10.04.12. Publicado no DOU de 27. Disponível no site: www.gov.br Decreto nº 3. Regulamenta a tributação.2005.925 de 23.fazenda.2004.gov.1999. Subsecretaria de Edições Técnicas.gov.receita.fazenda.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Brasil .833 de 29.10.12.03.2003.2003.2004.gov.gov.06.br Decreto do Município do Rio de Janeiro nº 10. Lei Complementar nº 116 de 31.04. Publicado no DOU de 29.2004. retificado no DOU de 31. fiscalização.br Lei nº 10.07.

EXERCÍCIOS 33 .

2007 Adiantamento de 20% do salário de Junho/2007 30.00 3. a importância de R$ 4. como é o caso de um contrato que engloba serviços preliminares de engenharia.06. tendo como rendimento bruto.2007 Saldo do Salário de Junho/2007 Valor (em R$) 946. uma vez que não exigem alto grau de especialização obtido através de estabelecimentos de nível superior ou técnico vinculado diretamente à capacidade intelectual do indivíduo? 4.O IR/Fonte será exigido em relação aos rendimentos provenientes da execução de contrato de prestação de serviços.O serviço de reparo e manutenção de aparelhos e equipamentos (domésticos ou industriais). execução física de construção civil ou obras assemelhadas e fiscalização de obras? 34 .730.784. que foi paga do seguinte modo: Espécie Data do Pagamento 14.Exercícios Módulo I 1 – Exercício de Imposto de Renda – Pessoa Física I – Empregado com 3 dependentes.A quem compete o recolhimento do IR/fonte das agências de propaganda? 5. estão sujeitos ao IRF na fonte.00 2. no mês de Junho/2007.00. abrangendo trabalhos de engenharia de caráter MÚLTIPLO E DIVERSIFICADO.06.Os serviços de transporte em geral estão sujeitos a retenção do IRF na fonte quando prestados a outra pessoa jurídica? 3.

tomando-se por base no caso haver mais de um pagamento ou crédito no mesmo mês. 7.Quando ocorre a dispensa de retenção do imposto de renda.No caso de contratação de funcionários através da intermediação de agência de emprego. pela mesma fonte pagadora. a um mesmo beneficiário pessoa jurídica? 35 . os valores pagos serão tributados como comissões e corretagens ou como locação de mão de obra? Diferencie intermediação de locação de mão de obra.6.

considerando as seguintes hipóteses: a) As parcelas serão pagas no mesmo mês.Qual o posicionamento da SRF em relação aos serviços de conserto e manutenção. do PIS-Pasep e do IRF na fonte? 3.00 a serem pagos em 2 parcelas iguais.Estudo de Caso A empresa “Levantando a Poeira Promoções e Merchandising”. presta serviços de promoções . b) As parcelas serão pagas em meses seguidos. prestados por pessoas jurídicas. 36 .A empresa ABC prestou serviços sujeitos à retenção na fonte das contribuições (CSLL. abastecendo os pontos de venda e movimentando os produtos para pontos estratégicos nas lojas. Calcule o valor a ser descontado à título de retenção das contribuições. Esta prestação de serviços está sujeita a retenção da CSLL. da COFINS. merchandising e cessão de mão de obra . da COFINS e do PIS-Pasep na fonte? 2.000. sujeitos a retenção da CSLL.Exercícios Módulo II 1. PIS e COFINS) no valor de R$ 6.

Anexo) 5.Qual o código de recolhimento para locação de mão de obra na prestação de serviços para orgãos públicos? E demais serviços? ( Consulte a IN SRF n° 539/05 .4. a quem compete o recolhimento do IR e das Contribuições Sociais das agências de propaganda? 6.Como deve proceder uma prestadora de serviço que possui isenção de alguma contribuição? 7.Qual a base de cálculo para fins de retenção das contribuições sociais? 37 .No caso de pagamentos efetuados por órgãos públicos.

Diferencie os conceitos de contribuinte e responsável.Quais são os casos de prestação de serviços que sofrem retenção na fonte do ISS? Fundamente.Exercícios Módulo III 1. 38 . 2 – Qual a base de cálculo do ISSQN? 3. 4 – Qual o prazo de recolhimento do ISS retido na fonte? Fundamente.

ANEXO I 39 .

Operações de Swap 8468 .Aplicações em Fundos de Conversão de Débitos Externos 5706 .Renda Fixa 6813 .Aplicações Financeiras de Renda Fixa .Rendimento do Trabalho A usente no Exterior a Serviço do País 0588 .Aplicações Financeiras em Fundos de Investimento .Ficart e demais Rendimentos de Capital 3208 .Serviços de Propaganda Prestados por Pess oa Jurídica 3280 .1 .Tabela de Incidência nas remessas ao ex terior nas hipóteses especificadas V.Rendimento do Trabalho Sem Vínculo Empregatício II .Pessoa Física 6800 . Segurança e Locação de Mão-de-obra Prestados por Pessoa Jurídica 5944 .Rendimentos Decorrentes de Decisão da Justiça do Trabalho 0916 .Remuneração de Direitos 5192 .Prêmios em Bens ou Serviços IV .Serviços de Limpeza.Rendimentos de Residentes ou Domiciliados no Exterior 0422 .Fretes Internacionais 9466 .Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 8045 .Renda e Proventos de Qualquer Natureza 9412 .Rendimentos de Partes Beneficiárias ou de Fundador 5273 .Remuneração de Serviços Profissionais Prestados por Pessoa Jurídica 1708 .Rendimentos Decorrentes de Decisão da Justiça Federal 5286 .Royalties e Pagamentos de Assistência Técnica 0490 .Prêmios e Sorteios em Geral 0481 .Aluguéis e Royalties Pagos à Pessoa Física 3277 .Juros e Comissões em Geral 5936 .Remuneração Indireta 0473 .Comissões e Corretagens Pagas à Pessoa Jurídica 8045 .Ações 5232 .1 .Pessoa Jurídica 8053 .Pagamentos de Pessoa Jurídica a Pessoa Jurídica por Serviços de Factoring V .Outros Rendimentos 5217 .Aplicações Finance iras em Fundos de Investimento .Aplicações Financeiras/Entidades de Investimento Coletivo 2063 .Rendimentos de Capital III .Títulos de Capitalização 9478 .Aplicações Financeiras em Fundos de Investimento Imobiliário 0924 .Países com tributação favorecida ("paraísos fiscais") 40 .Operações Day Trade 0916 .Juros sobre o Capital Próprio 3223 .Juros sobre o Capital Próprio 3426 .Pagamentos a Beneficiários Não Identificados 0916 .Prêmios de Proprietários e Criadores de Cavalos de Corrida 9453 .Resgate de Previdência Privada e Fapi 0916 .Multas e Vantagens 5204 .Rendimento do Trabalho Assalariado no País 0561 .Previdência Privada e Fapi 9427 .Juros e Indenizações por Lucros Cessantes 6904 .Obras Audiovisuais 5557 .1.Indenização por Danos Morais 6891 .Prêmios em Dinheiro 9385 .Aplicações Financeiras de Renda Fixa .I .Jogos de Bingo Permanente ou Eventual .Rendimentos do Trabalho 0561 .Serviços Prestados por Associados de Cooperativas de Trabalho 1708 .Prêmios em Bens e Serviços 8673 .Seguro de Vida com Cláusula de Cobertura por Sobrevivência 5928 .Aluguel e Arrendamento 5565 .Benefícios e Resgate de Previdência Privada e Fapi 8673 .Jogos de Bingo Permanente ou Eventual .Mercado de Renda Variável V. Conservação.

ANEXO II IRPJ Serviços Prestados por Pessoa Jurídica – Empresa Privada 1.0% 1.5% 1.5% 1.5% 1.5% 1.5% 1. seminários.5% DARF CÓDIGO 1708 ESPÉCIE DE SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA Limpeza ALÍQUOTA Conservação de bens imóveis. exceto reformas e obras assemelhadas (Instrução Normativa SRF nº 34/89) Segurança.5% 1. casa de saúde. em local por esta determinado Administração de bens ou negócios em geral (exceto consórcios ou fundos mútuos para aquisição de bens) Advocacia Análise clínica laboratorial Análises técnicas Arquitetura Assessoria e consultoria técnica (exceto o serviço de assistência técnica prestado a terceiros e concernente a ramo de indústria ou comércio explorado pelo prestador do serviço) Assessoria creditícia.5% 1.5% 1.5% 1. simpósios e congêneres 41 .5% 1. prédios e obras assemelhadas) Ensino e treinamento Estatística Fisioterapia Fonoaudiologia Geologia Leilão Medicina (exceto a prestada por ambulatório.5% 1. gestão de crédito.5% 1.0% 1. casa de recuperação ou repouso sob orientação médica.0% 1. inclusive o Transporte de Valores (ADN COSIT 6/2000) Vigilância (inclusive escolta) Locação de mão-de-obra de empregados da locadora colocados a serviço da locatária.0% 1. congressos. banco de sangue.5% 1. pontes.5% 1. inclusive quando o serviço for prestado por empresas de factoring Assistência social Auditoria Avaliação e perícia biologia e biomedicina Cálculo em geral Consultoria Contabilidade Desenho técnico Economia Elaboração de projetos Engenharia (exceto construção de estradas.5% 1.5% 1.5% 1.5% 1.5% 1. hospital e pronto-socorro) Nutricionismo e dietética Odontologia Organização de feiras de amostras.5% 1.5% 1.5% 1.5% 1.0% 1. administração de contas a pagar e a receber.5% 1.5% 1. mercadológica.5% 1.5% 1. seleção e riscos.

gestão de crédito. estabelece que os créditos ou pagamentos efetuados por pessoa jurídica.833/2003.12. art. inciso III. pela prestação de serviços caracterizadamente de natureza profissional (Decreto-Lei nº 2. mercadológica. 1º.A partir de 1º de janeiro de 2004. convertida na Lei nº 10.064. gestão de crédito. art. haverá a obrigatoriedade de retenção. de 29. gestão de crédito.ASSESSORIA CREDITÍCIA .030. 52. a título de prestação de serviços. à alíquota de 1. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a título de prestação de serviços a outras pessoas jurídicas que explorem as atividades de prestação de serviços de assessoria creditícia. e Lei nº 10.833. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte. de 1985. que será deduzido do apurado no encerramento do período de apuração.2003. art. Lei nº 7. de 1995. Os valores retidos serão recolhidos em DARF Código 5944 (ADE CORAT nº 82/2003). de 2003. 647. seleção e riscos. Vale dizer.ASSESSORIA CREDITÍCIA . 42 . Decreto-Lei nº 2. e Lei nº 9. 29.5% (um inteiro e cinco décimos por cento). administração de contas a pagar e a receber (Medida Provisória nº 135.5% (um inteiro e cinco décimos por cento). 27. art. de 9 de junho de 1983. à alíquota de um e meio por cento. administração de contas a pagar ou a receber.065. RIR/94: Art. seleção e riscos. mercadológica. civis ou mercantis. 29). de 1983. seleção e riscos. art. 6º). COMENTÁRIO 1 . NOVO DISCIPLINAMENTO LEGAL 1 . ainda que o pagamento por serviços prestados não se refira àquelas atividades.Sujeitam-se ao desconto do imposto de renda.450. Observar que a redação do dispositivo não limita a retenção aos pagamentos pela prestação de serviços de assessoria creditícia. 663. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas. 2º. mercadológica.ANEXO III Rendimentos de Serviços Profissionais Prestados por Pessoas Jurídicas Pessoas Jurídicas Não Ligadas Art. administração de contas a pagar e a receber. art. a Medida Provisória nº 135/2003. art. a outra pessoa jurídica que tenha por atividade a prestação de serviços de assessoria creditícia. passam a sujeitar-se à retenção do imposto de renda na fonte à alíquota de 1.

43 NORMAS COMPLEMENTARES 1 . ver o Parecer Normativo CST nº 8/86. itens 22 a 27. e) de engenharia. itens 17 a 21. Tendo enumerado de forma taxativa as atividades profissionais sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte. art. somente determinará a obrigatoriedade de retenção do imposto a partir da data de publicação do ato correspondente (Parecer Normativo CST nº 8/86. execução e acompanhamento do trabalho .REPRESENTAÇÃO COMERCIAL .não incidência ver o Parecer Normativo CST nº 37/87. deverá efetuar a retenção do imposto de renda na fonte à alíquota de 1. de 2003. a que se refere o art. 6º).ver o Parecer Normativo CST nº 8/86. item 14). inciso II).Dispensada a PGFN de interposição de recursos e a desistência dos já interpostos.INCIDÊNCIA .ver o Parecer Normativo CST nº 8/86.03. item 16. inclusive quando o serviço for prestado por empresas de factoring. sendo diversos os casos de não incidência. seqüencialmente. como por exemplo contrato que.2004. 5 . gestão de crédito. da inclusão da representação comercial dentre as atividades passíveis da incidência do Imposto de Renda (Ato Declaratório PGFN nº 13/2002). 43 . das contribuições de que trata o art. item 5.O imposto incide independentemente da qualificação profissional do sócios da beneficiária e do fato desta auferir receitas de quaisquer outras atividades. nos casos de prestação de serviços caracterizadamente de natureza profissional. mercadológica. a inclusão de novos serviços. 3 .DISPENSA DE RETENÇÃO . administração de contas a pagar e a receber. no mérito.5% (um inteiro e cinco décimos por cento). seleção e riscos. elaboração de projeto. 29 da Lei nº 10. corretagens ou qualquer outra remuneração pela representação comercial ou pela mediação de negócios civis ou comerciais . se porventura ocorrer. tais como: a) de assessoria e consultoria técnica . Sobre os critérios a serem observados em função da incidência do imposto de renda na fonte. 1º da Instrução Normativa SRF nº 381. 2 . de 2003 (Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 10.833. itens 6 a 9. b) de reparo e manutenção de aparelhos e equipamentos e de assistência técnica .ver o Parecer Normativo CST nº 37/87. inciso I e Lista Anexa de serviços sobre os quais incide o imposto). sem prejuízo da retenção.Ver o art. itens 2 a 4.ver o Parecer Normativo CST nº 37/87.Não incidirá o imposto de renda na fonte quando o serviço for prestado por pessoas jurídicas imunes ou isentas (Instrução Normativa SRF nº 23/86.não incidência . de 26. f) de medicina.PESSOAS JURÍDICAS IMUNES OU ISENTAS . exclusivamente. de comissões. c) de pagamento de comissões às agencias de emprego. nas ações que cuidam.A partir de 1º de fevereiro de 2004.ASSESSORIA CREDITÍCIA . no momento do pagamento. que se restringe aos rendimentos decorrentes dos trabalhos pessoais . a pessoa jurídica que efetuar pagamento ou crédito a outra pessoa jurídica pela prestação de serviços de assessoria creditícia. 4 . 724 deste Regulamento. d) de serviços que englobem cumulativamente várias etapas indissociáveis. abranja estudos preliminares. seja qual for o valor dos serviços em relação à receita bruta (Instrução Normativa SRF nº 23/86.

2.981/95. arts. no decorrer de ação fiscal.249/95. como de segurança e não de transporte (Ato Declaratório Normativo COSIT nº 6/00). art.44 6 . para os efeitos do imposto de renda. contabilidade. art. § 1º Compreendem-se nas disposições deste artigo os serviços a seguir indicados: 1. cheques.Sempre que. o contribuinte sob fiscalização deverá ser intimado para comprovar o efetivo pagamento e recebimento dos bens. 10. não possua existência de fato ou esteja desativada. 10. 44 . do Decreto-Lei nº 401/68 (Parecer Normativo CST nº 176/71). assistência social. 3º e 4º). à alíquota de 5% (cinco por cento).DOCUMENTOS FISCAIS .PESSOA JURÍDICA INEXISTENTE. extinta ou baixada no órgão competente. biologia e biomedicina. documentos e outros valores. os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços de transporte de valores. 12. uma vez que o principal objetivo da empresa transportadora de valores é a segurança dos bens transportados. 7 . O transporte de numerários.TRIBUTAÇÃO . consultoria. 8. 9. V e Ato Declaratório COSAR nº 20/95). administração de bens ou negócios em geral (exceto consórcios ou fundos mútuos para aquisição de bens).No período compreendido entre 1º de janeiro de 1995 e 31 de dezembro de 1995. mercadorias ou da prestação dos serviços sob a pena de ter lançado o crédito tributário relativo ao imposto de renda na fonte incidente sobre pagamento sem causa ou a beneficiário não identificado (Portaria MF nº 187/93. ou que apesar de constituída formalmente. 7. advocacia.Estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte. análises técnicas. desenho técnico. 13.FRANQUIA EMPRESARIAL . Lei nº 9. portanto. 3. considerando-se os serviços prestados. 36. avaliação e perícia. as importâncias pagas às pessoas jurídicas a título de remuneração decorrente de contratos de franquia empresarial. 8 . 11.ANO CALENDÁRIO DE 1995 . direitos. O imposto descontado na forma desta NOTA será deduzido do imposto devido apurado no encerramento do período-base. II e parágrafo único. estão sujeitas ao desconto do imposto de renda na fonte. análise clínica laboratorial. 60. DESATIVADA OU EXTINTA . 5. 14. cálculo em geral. 4. assessoria e consultoria técnica (exceto o serviço de assistência técnica prestado a terceiros e concernente a ramo de indústria ou comércio explorado pelo prestador do serviço). à alíquota de um por cento. arquitetura.TRANSPORTE DE VALORES . 6. não se configura como fretes e carretos em geral de que trata o art. e o imposto descontado deverá ser recolhido sob o código 5204 (Lei nº 8. auditoria. forem encontrados documentos emitidos por pessoa jurídica que não exista de fato e de direito.

da Carta Magna.ANO(S): 1997 A 2000 . fisioterapia. serviço de despachante. estatística. veterinária. elaboração de projetos. Câmara / ACÓRDÃO 106-13. 34.2003. leilão.45 15.Os requisitos para o reconhecimento da imunidade prevista no artigo 150. 29. 27. alínea "C". nutricionismo e dietética.532/97). psicologia e psicanálise. 26. simpósios e congêneres. 18. fonoaudiologia. terapêutica ocupacional. 150.ENTIDADE FILANTRÓPICA . Recurso provido. Recurso provido. 12 da Lei nº 9. engenharia (exceto construção de estradas. radiologia e radioterapia. ensino e treinamento. Publicado no DOU em: 10. DECISÕES EM PROCESSOS DE CONSULTA 45 . conforme preceitua o art.RESTITUIÇÃO DE IRRF . banco de sangue. 39.03. 36. art. economia. CTN.ENTIDADE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SEM FINS LUCRATIVOS . 2 . odontologia.CNAS é ato suficiente para impedir a retenção do imposto de renda na fonte sobre rendimentos pagos por pessoa jurídica. casa de saúde. seminários. 19. 16. 20. 28. organização de feiras de amostras. As normas infra-legais não possuem o condão de instituir exigências que não foram feitas pela lei. urbanismo. 32.A concessão do certificado de filantropia pelo Conselho Nacional de Assistência Social . CF. prédios e obras assemelhadas). congressos. hospital e pronto-socorro). 17.IMUNIDADE . JURISPRUDÊNCIA 1 . medicina (exceto a prestada por ambulatório.ANO(S): 1997 E 1998 . casa de recuperação ou repouso sob orientação médica. relações públicas. pontes. 1º Conselho de Contribuintes / 6a. planejamento.10.051 em 06/11/2002. Câmara / ACÓRDÃO 106-13. 1º Conselho de Contribuintes / 6a.IRF . 38. "c". 23. programação. 37. 30.pesquisa em geral. tradução ou interpretação comercial. 31. 21. química. são aqueles previstos em lei (artigo 14.2003. 22. VI. prótese. 33. 24. 25. VI. Publicado no DOU em: 06. 40. 35.400 em 01/07/2003. geologia.

000. sujeitam-se à incidência do imposto de renda na fonte de que trata o art. 2 .08. instituída pelo art. durante a vigência de contratos de assistência técnica dos programas vendidos. § 2º O imposto incide independentemente da qualificação profissional dos sócios da beneficiária e do fato desta auferir receitas de quaisquer outras atividades. SERVIÇOS RELATIVOS À INFORMÁTICA .Estão sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte.2003. 647 e 649. Publicação no D. Órgão: SRRF / 8a.: 04. fica sujeita à incidência do imposto de renda na fonte à alíquota de 15% (quinze por cento) e ao pagamento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico. JURISPRUDÊNCIA 1 . Não estão sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte as importâncias pagas ou creditadas por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica. à alíquota de 1. Processo de Consulta nº 113/03. a importância paga. entregue. PN CST n.O. 3º da Medida Provisória nº 46 .04. 4 . 647. No entanto. de 1972. assistência técnica e consultoria.º 08/1986. de 1999. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas.03. Órgão: SRRF / 7a. inscrita no Simples. Órgão: SRRF / 10a. de 2000. de 1972. 647. arts. Dispositivos Legais: Arts. seja qual for o valor dos serviços em relação à receita bruta. quando o cumprimento desta obrigação exigir da fonte pagadora a condição de pessoa jurídica.07.168.U.2003.LICENÇA DE USO . art.5 % (um e meio por cento). "d" e Decreto nº 3. pela prestação de serviços de engenharia. tratando-se de beneficiário residente ou domiciliado no exterior.O. § 1º. 3. DISPOSITIVOS LEGAIS: Decreto nº 3. creditada. Dispositivos Legais: Lei nº 9. não será exigida a retenção do imposto.U.: 10.000. Região Fiscal. 17. art. de 26 de março de 1999.SERVIÇOS CONTRATADOS .O.FONTE .000.Os condomínios.: 07. de 1999 (RIR/1999). de 1999.46 1 . Processo de Consulta nº 162/03. acompanhado da sua manutenção. de 1999. Processo de Consulta nº 31/03.A locação ou cessão do direito de uso de programas de computador.12. Região Fiscal.Empresa optante pelo Simples (Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte).: 21.Não estão sujeitos a incidência do imposto de renda na fonte de que trata o art. quando o serviço contratado englobar a execução das obras de engenharia.2002. Processo de Consulta nº 14/02.000.LOCAÇÃO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR . 647 e 710 do Decreto nº 3.SERVIÇOS DE ENGENHARIA . No entanto.2003. de 29.NATUREZA JURÍDICA . Publicação no D.1999 (republicado em 17. 2º da Lei nº 10.1999). empregada ou remetida a título de remuneração de contratos de licença de direitos de comercialização de programas de computador-software.O. 3º.PROGRAMAS DE COMPUTADOR . sujeita-se à incidência do imposto de renda na fonte à alíquota de um e meio por cento. ADN CST nº 29. PN CST nº 37.000. Região Fiscal. por se tratar de royalty.000.CONDOMÍNIOS . DISPOSITIVOS LEGAIS: RIR/1999.As importâncias pagas ou creditadas por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica. Publicação no D. por não se caracterizarem como pessoa jurídica. 647 do Decreto nº 3. pela prestação de serviços de natureza profissional. de 5. PN CST nº 114. de 1986.06. art. DISPOSITIVOS LEGAIS: Decreto nº. § 2º. Órgão: SRRF / 9a.DISPENSA DE RETENÇÃO . Região Fiscal. os rendimentos oriundos da cessão de uso de programas de computador.317.U. 647.U. Publicação no D. art. a título de assistência ou quaisquer outros serviços complementares. não estão obrigados a reter o imposto de renda na fonte.1996.SOFTWARE .05. 647 do Decreto nº 3. art. 3 .

U. 4. Publicação no D.159-70. Parecer Normativo CST nº 08/1986. 4 . e PN CST nº 27/83. for controlada. Órgão: SRRF / 8a. não constituída sob a forma de sociedade por ações. 52. 150 do Decreto nº 3. à alíquota de 1.: 04. Região Fiscal. os pagamentos efetuados à sociedade civil pela pessoa jurídica que pagar ou creditar esses rendimentos. 52 da Lei nº 7. Dispositivos legais: Arts.Não estão sujeitas à retenção do imposto de renda na fonte as importâncias pagas ou creditadas por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica pela execução de obras (construção civil). equiparada a pessoa jurídica.000/1999 e PARECER NORMATIVO CST nº 25/1976. Região Fiscal. 647. Dispositivos Legais: Lei nº 7. 47 .1 .U.450/1985.11. Região Fiscal. Parecer Normativo CST nº 08. operação e manutenção de equipamentos de sensoriamento eletrônico do tipo redutor eletrônico de velocidade (REV) e controle de avanço de sinal e parada sobre faixa (fotosensores).2001 e Parecer Normativo CST nº 8. Processo de Consulta nº 17/01.1999.04.5% (um e meio por cento). Órgão: SRRF / 1a.08.PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA . Dispositivos Legais: RIR/1999.450. direta ou indiretamente. de 24. Órgão: SRRF / 10a. de 1999 RIR/1999.01.09. Instrução Normativa SRF nº 23/1986. de 1994.EVENTOS SOCIAIS . IN SRF nº 23.O. II.Quando uma sociedade civil prestadora de serviços relativos a profissão legalmente regulamentada. Órgão: SRRF / 8a.10. neste incluídos o cônjuge e parentes de 1º grau). Região Fiscal.5% (um e meio por cento). Órgão: SRRF / 4a. detiver parcela do capital social suficiente para assegurar o efetivo controle da empresa .2000. promoção e apresentação de festas e eventos sociais. gerentes ou controladores da pessoa jurídica que lhe pagar ou creditar os respectivos rendimentos .O. não são dedutíveis. de 1985.Submetem-se à retenção do imposto de renda na fonte. Órgão: SRRF / 6a.CONSTRUÇÃO CIVIL .2002.O.: 24. 249.U. Decisão nº 65/99. os rendimentos oriundos da prestação de serviços de organização.PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE CARÁTER MÚLTIPLO E DIVERSIFICADO .Não estão sujeitas à retenção do imposto de renda na fonte as importâncias pagas ou creditadas por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica pela prestação de serviços de instalação. 3 . Dispositivos Legais: art. Publicação no D. parágrafo único. 6º. art. por tratar-se de serviços de engenharia excepcionados no item 17 da lista anexa à IN SRF nº 23. por pessoas físicas que sejam diretores.1986.: 27. de 1986. Decisão nº 289/99.SERVIÇO PRESTADO POR EMPREITADA . para efeito de determinar o lucro real. Dispositivos Legais: Art.Não cabe retenção de imposto de renda na fonte sobre rendimentos decorrentes de serviços prestados por empreitada pagos por pessoa jurídica a empresa individual. 663 do RIR/1994. de 1986. 2 .000. Publicação no D.ficará a referida sociedade civil sujeita à tributação na fonte mediante aplicação da tabela progressiva prevista para rendimentos de trabalho sem vínculo empregatício.2001. e não à alíquota de 1. 4. de 1986. Região Fiscal.U. Processo de Consulta nº 118/02. Lei nº 9.controle esse caracterizado sempre que a pessoa física (ou grupo de pessoas físicas.2 . Publicação no D.08.064/1995. 647 e 648 do RIR/99. de 17. Processo de Consulta nº 6/00. art.2000.: 26. Publicação no DOU: 27. Publicação no DOU: 16.2000.041. art.O. aprovado pelo Decreto nº 1.SOCIEDADES CIVIS . 647 do Decreto nº 3.47 2. Região Fiscal. art.Nesse caso. Processo de Consulta nº 44/00.08. art.EXECUÇÃO DE OBRAS .

O. 7 .ATUALIZAÇÃO/MANUTENÇÃO DE "SOFTWARE" . Publicação no D. como pagamento de serviços administrativos/gerenciamento. de 17/04/1986. No caso de atualização de programa (software) haverá incidência do imposto de renda na fonte. Região Fiscal.SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS . não será exigida a retenção do imposto quando o serviço contratado englobar.INCIDÊNCIA . 6. Publicação no DOU: 03. de 1986. pela prestação de serviços de manutenção de programas (software).06.1998. No entanto.1997. 8 .Não estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte. não está abrangida pela incidência na fonte de que trata o art. estão sujeitas à incidência 48 .Não estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte. cumulativamente. Região Fiscal.450m de 23/12/1985.SERVIÇOS DE ENGENHARIA .450/85).48 19.09.3 . Região Fiscal. Decisão nº 92/98. Região Fiscal.: 15. 663. Dispositivos Legais: Arts.1997. os rendimentos provenientes da execução de contratos relativos a serviços próprios da atividade profissional de engenharia quando de caráter múltiplo e diversificado. os rendimentos provenientes da execução de contratos relativos a serviços próprios da atividade profissional de engenharia. desde que o desempenho dessa atividade não caracterize serviços de consultoria e assessoria. à alíquota de 1.000.U. quando de caráter múltiplo e diversificado. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas.11. 52 da Lei nº 7. 667 do RIR/94. 4. Decisão nº 832/97.2000. 663 e 667 do Regulamento do Imposto de Renda. Órgão: SRRF / 8a. Região Fiscal. Dispositivos Legais: Art. 52 da Lei nº 7. Dispositivos Legais: Decreto nº 3.000.450/85).041/94 e Parecer Normativo n.Estão sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte. 647 e Parecer Normativo CST nº 08. se o serviço prestado caracterizar "serviço de programação". 663. Órgão: SRRF / 8a.Não está sujeita à incidência do imposto de renda na fonte de que trata o art.ATIVIDADE DE ENGENHARIA . art.07. à alíquota de 1. prevista no artigo 663 do RIR/94 (art. de 1999. Decisão nº 208/99. 4.450.A remuneração decorrente de contrato que englobe. Região Fiscal. de 1985 a remuneração decorrente da prestação de serviço de cobrança.5% (um e meio por cento). 663 do RIR/94 REPRESENTAÇÃO COMERCIAL . 4. Órgão: SRRF / 8a. várias etapas indissociáveis dentro do objetivo pactuado. 52 da Lei nº 7. pela prestação de serviços de engenharia.As importâncias pagas por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica a título de comissão pela representação comercial está sujeita ao imposto de renda na fonte a que se refere o art. Órgão: SRRF / 6a.5 . Processo de Consulta nº 68/00. aprovado pelo Decreto n.1999.SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE ENGENHARIA . prevista no artigo 663 do RIR/94 (art.PROJETO E EXECUÇÃO . a elaboração de projeto.07.5% (um e meio por cento) as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas. art. cumulativamente. 647 do Decreto nº 3000m de 1999 e Parecer Normativo CST nº 08. Publicação no D. art. Dispositivos Legais: RIR/94.4 .3 .Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte.09. Publicação no DOU: 07.O.2000.: 26.º 08/86. Dispositivos Legais: Art. Dispositivos Legais: RIR 94.SERVIÇOS DE COBRANÇA . de 1999 e Parecer Normativo CST nº 08. Decisão nº 505/97. Publicação no DOU: 18. 52 da Lei nº 7. de 1986.º 1. Órgão: SRRF / 6a. Órgão: SRRF / 8a. art. acompanhamento do trabalho e assistência técnica.U. Publicação no DOU: 03. execução. Processo de Consulta nº 63/00.As importâncias recebidas de pessoas jurídicas. 647 do Decreto nº 3.

01. assim entendido o de transformar determinadas informações. escapam à incidência do imposto na fonte os rendimentos obtidos por pessoa jurídica na prestação de serviços de "coleta. e § 2º. Decisão nº 039/97. assim como no CGC do Ministério da Fazenda. conforme § 1º. de que trata o art. art. Região Fiscal.: 04.02. e assim procede de maneira habitual. e a emissão de relatórios (não vinculados à aquisição de programa de computador). art. de 1985 (alterado pelo art. 52. sendo irrelevante a forma pessoal ou impessoal de disponibilizá-los. Órgão: SRRF / 1a.PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMÁTICA . 663 do RIR/94. correspondentes à remuneração pela prestação de serviços de coleta de lixo domiciliar e urbana.U. 12 . Se os serviços foram prestados pela pessoa física. Publicação no DOU: 09. de 1999 e Parecer Normativo CST nº 8. 52 da Lei nº 7. Aqueles rendimentos correspondentes a serviços que.U. 6º da Lei nº 9. 55. e Lei nº 7. 6º.SERVIÇO DE COLETA DE LIXO .: 14. letra "a". Publicação no D. 11 . Parecer Normativo CST nº 08/1986. 647 do Decreto nº 3. Dispositivos Legais: Art. por si só não é suficiente para estabelecer a distinção. Decreto-lei nº 2. Decisão nº 171/98. para alguma finalidade.Por não figurarem dentre os serviços indicados no parágrafo 1º do artigo 663 do RIR/94. 127. deverá.12.452 de 28/12/92. 9 . hoje Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).450/1985. Publicação no D. Órgão: SRRF / 3a.1997. Órgão: SRRF / 9a. Região Fiscal. adotar as cautelas necessárias para identificar se está contratando com a pessoa física ou com a pessoa jurídica por equiparação. atualização e armazenamento de informações em banco de dados". 3º. de 1985. de 1995).000. Todavia se a contratada prestou o serviço com o concurso de profissional com idêntica formação.A pessoa jurídica. Decisão nº 366/99.2000.O.O. 647 do Decreto nº 3. Publicação no D. de 1999. art. para fins de retenção do imposto de renda na fonte.1997.462/88. se revelem inerentes ao exercício de qualquer profissão enumerada no referido parágrafo estão sujeitos a retenção.O. Região Fiscal.U. 10 . art.U. o beneficiário do rendimento será tratado como pessoa física.49 do imposto de renda na fonte.EMPRESA INDIVIDUAL . 1. Região Fiscal. Fundamentos legais: Art. Órgão: SRRF / 8a. art.450.COLETA DE INFORMAÇÕES . instruções Normativas SRF nºs 23/86 e 34/89 e Parecer COSIT/DITIR nº 1. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas.064. de 1986.O.01.000. A elaboração de contrato por escrito com pessoa jurídica devidamente registrada nos órgãos competentes. o beneficiário do rendimento deverá ser tratado como pessoa jurídica por equiparação. Decisão nº 3/97. Decisão nº 65/99. Região Fiscal.: 16.2000. 52 da Lei nº 7. Dispositivos Legais: Lei nº 7. letras "a" e "f". 49 .08. art. com a contratação apenas de terceiros sem formação profissional equivalente para auxiliar na execução.041/94. Publicação no D. a fim de obter outras ou as mesmas sob outra forma. ao efetuar o pagamento de serviços contratados com pessoa física registrada como empresa individual de prestação de serviços.1999. desde que a limpeza e o acondicionamento sejam de responsabilidade de outrem. aprovado pelo Decreto nº. por caracterizarem "administração de negócios em geral". Instrução Normativa nº 23/86 e Parecer Normativo CST nº 08/86.Não se submete a essa retenção o rendimento da prestação de serviço de processamento de dados.713/88. § 1º.Não estão sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte.450.064/1995. Dispositivos Legais: RIR/94. Instrução Normativa SRF nº 23/1986.: 07. 665 do Regulamento do Imposto de Renda. Dispositivos Legais: art. Lei nº 9. por sua natureza. Órgão: SRRF / 8a. do art. item 1.

II (alterado pelo art. Região Fiscal.03. 79 do Código Civil (Lei nº 10. Parecer Normativo CST n. 649.º 176/71. e Lei nº 7. Publicação no D.Sujeitam-se à incidência do imposto de renda na fonte.02.01.1999).2003.06. vigilância e por locação de mão-de-obra (Decreto-Lei nº 2. DECISÕES EM PROCESSOS DE CONSULTA 1 . Vigilância e Locação de Mão-de-obra Art.Estão sujeitos à incidência do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte à alíquota de 1% (um por cento) os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços de transporte de valores. 55).2003. II.O. Órgão: SRRF / 10a.000. art. Conservação. TRANSPORTE DE VALORES . uma vez que o principal objetivo da empresa transportadora de valores é a segurança dos bens transportados. 10.000/99.TRANSPORTE DE CARGAS .406.RETENÇÃO .V. Lei n. DISPOSITIVOS LEGAIS: arts.102/83.U. 1º da Lei n. 4 . não estando sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte os pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação desse serviço. de 1988. art.056/83.U. Região Fiscal.º 8. Ato Declaratório Normativo 50 . art.713.1999 (republicado em 17.º 8.INCIDÊNCIA .U. 649.O. de 30 de agosto de 1988. 3 . 2 .º 7. 3º. à alíquota de um por cento.O. Região Fiscal. 30. Publicação no D. Processo de Consulta nº 19/02.000. de 1999 (RIR/1999). Segurança.06. art. 10.TRANSPORTE DE VALORES .A locação de veículo com motorista não está caracterizada como locação de mão-de-obra. ADN COSIT n.Incide o imposto de renda na fonte sobre quarenta por cento do valor bruto pago por pessoa jurídica a pessoa física pela prestação de serviços de transporte de cargas. Processo de Consulta nº 91/03.2002) e art.649. Estão sujeitos à incidência do imposto na fonte à alíquota de um por cento os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas civis ou mercantis pela prestação de serviços de limpeza. Órgão: SRRF / 3a. de 2000.: 27. 629 e 649 do Decreto nº 3. 665.462. Processo de Consulta nº 168/03.2002.50 ANEXO IV Serviços de Limpeza. Não incide imposto de renda na fonte quando esse serviço for prestado por pessoa jurídica.10. de 1999 (RIR/1999). 649 do Decreto nº 3.º 3.: 21. Órgão: SRRF / 1a.000. Dispositivos Legais: Decreto n. as importâncias pagas ou creditadas por pessoa jurídica de direito público a pessoa jurídica civil ou mercantil pela prestação de serviços de conservação e vigilância em aterro sanitário. DISPOSITIVOS LEGAIS: Decreto nº 3. art.: 12. segurança. conservação.º 06. ainda que por equiparação.Estão sujeitos à incidência do imposto na fonte.SERVIÇOS DE CONSERVAÇÃO E VIGILÂNCIA EM ATERRO SANITÁRIO . art. à alíquota de um por cento.LOCAÇÃO DE VEÍCULO COM MOTORISTA . Publicação no D. RIR/94: Art.863/94). os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços de transporte de valores. Decreto n. Dispositivos Legais: Art. de 26.

O.07.ÓRGÃOS PÚBLICOS Está sujeito à retenção na fonte o pagamento efetuado pela prestação de serviços de limpeza. 51 . RIR/1999. Órgão: SRRF / 1a. 6 .CONSÓRCIO . Dispositivos Legais: CTN.1999. constituído na forma da lei das sociedades anônimas. Decisão nº 092/97.85% quando se referir a um único contrato de uma mesma pessoa jurídica. art. art. arts. Decisão nº 51/99. art.430/96. Publicação no D. 649. Publicação no DOU: 20. SEGURANÇA. RIR/1994.SERVIÇOS DE LIMPEZA.: 15. 64. ADN-CST nº 9/1990. 5 .CONSERVAÇÃO DE RODOVIAS . Órgão: SRRF / 4a.U.Incide o imposto de renda na fonte sobre os rendimentos pagos por concessionária de rodovias a consórcio. 665. segurança. 43 e 45. Instrução Normativa nº SRF nº 34/1989. aplicando-se o percentual de 4. CONSERVAÇÃO. vigilância e locação de mão-de-obra. conservação. Região Fiscal. Processo de Consulta nº 30/00. 27/00.09. Região Fiscal. pela prestação de serviços de limpeza e conservação de estradas de rodagem. Órgão: SRRF / 9a. Publicação no DOU: 1997. Dispositivos Legais: Lei nº 9. Região Fiscal. ETC .2000.PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS .51 COSIT nº 06/2000.

º inciso II e 651. 150. § 1.000/1999. 651. 53.287.REFEIÇÃO-CONVÊNIO . 8º. da inclusão da representação comercial dentre as atividades passíveis da incidência do Imposto de Renda (Ato Declaratório PGFN nº 13/2002) DECISÕES EM PROCESSOS DE CONSULTA 1 . inciso I e § 2. corretagens ou qualquer outra remuneração pela representação comercial ou pela mediação na realização de negócios civis e comerciais. nas ações que cuidam. exclusivamente. art. art.Na hipótese de prestação de serviços de distribuição de refeições pelo sistema refeição-convênio. n.A remuneração devida à Empresa Individual equiparada à Pessoa Jurídica por mediação na realização de negócios mercantis.064. 667. no mérito. desde que o valor correspondente esteja expresso de forma destacada e detalhada na nota fiscal de serviços. as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas (Lei nº 7. NORMAS COMPLEMENTARES 1 . de 1995. à alíquota de um e meio por cento. NORMAS COMPLEMENTARES 1 .U. Propaganda e Publicidade Art.º 3.º Processo de Consulta nº 303/03.O. sem o que a incidência se fará sobre o valor total da referida nota (Ato Declaratório Normativo CST nº 9/86).52 ANEXO V Mediação de Negócios.Dispensada a PGFN de interposição de recursos e a desistência dos já interpostos.450/86 incide somente sobre a corretagem ou comissão cobrada pelas pessoas jurídicas prestadoras desses serviços.a título de comissões. está sujeita ao Imposto de Renda Retido na Fonte DISPOSITIVOS LEGAIS: Dec. de 1985. Arts. Decreto-Lei nº 2.REMUNERAÇÃO DEVIDA À EMPRESA INDIVIDUAL EQUIPARADA À PESSOA JURÍDICA . de 23 de julho de 1986. a alíquota prevista no item I do art.12. 53 da Lei nº 7.2003. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte. I .450. 52 . art. Publicação no D. 6º): RIR/94: Art. e Lei nº 9. Órgão: SRRF / 7a.: 16. Região Fiscal.

pergunta 46). quando do pagamento de serviços prestados por associados de cooperativas de trabalho. DECISÕES EM PROCESSOS DE CONSULTA 1 . a taxa de administração (BCE COSIT nº 21/93. de 1992.Ver o art. de 1995. a impossibilidade de sua compensação. 4 .541.713/88 (Ato Declaratório Normativo COSIT nº 1/93). Região Fiscal. 2 . art. as importâncias relativas aos serviços pessoais prestados deverão ainda ser discriminadas em parcela tributável e parcela não tributável. Publicação no D.DISCRIMINAÇÃO DOS SERVIÇOS . na base de cálculo. Ver também o art.O imposto de que trata este artigo deverá ser recolhido ao Tesouro Nacional sob o código 3280 (Ato Declaratório COSAR nº 20/95).O.DISPENSA DE RETENÇÃO . Instrução Normativa SRF n.2004. 64). 3 . NORMAS COMPLEMENTARES 1 . 45.53 ANEXO VI Pagamentos a Cooperativas de Trabalho e Associações Profissionais ou Assemelhadas Art. Órgão: SRRF / 7a. Ato Declaratório Normativo Cosit n. Processo de Consulta nº 352/03. art.º 210/2002. 652. 668. de acordo com o disposto nos incisos I e II do art. art.TAXA DE ADMINISTRAÇÃO .: 10.CÓDIGO DE RECOLHIMENTO . na forma e condições definidas em ato normativo.981.As cooperativas de trabalho deverão discriminar. relativamente a cada ano-calendário.A retenção do imposto de renda na fonte sobre as importâncias pagas ou creditadas relativas a serviços pessoais prestados por associados ou colocados à disposição pelas cooperativas. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte à alíquota de um e meio por cento as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a cooperativas de trabalho. e Lei nº 8. 724 deste Regulamento. No caso de cooperativas de transportes rodoviários de cargas ou de passageiros. relativas a serviços pessoais que lhes forem prestados por associados destas ou colocados à disposição (Lei nº 8. não inclui. as importâncias relativas aos serviços pessoais prestados à pessoa jurídica por seus associados das importâncias que corresponderem a outros custos ou despesas. RIR/94: Art.COOPERATIVAS DE TRABALHO . desde que a cooperativa comprove.02.U. em suas faturas.O imposto retido na fonte por pessoas jurídicas. 45. associações de profissionais ou assemelhadas.º 01/1993. A alíquota incidirá apenas sobre as importâncias relativas aos serviços. 53 . poderá ser objeto de pedido de restituição." DISPOSITIVOS LEGAIS: Lei nº8. 9º da Lei nº 7. 629 deste Regulamento.541/1992.

II . desratização ou outros serviços destinados a manter a higiene. seleção e riscos.de manutenção todo e qualquer serviço de manutenção ou conservação de edificações. aeronaves. de 27 de dezembro de 1996. imunização. de 29 de dezembro de 2003. III – fundações de direito privado. da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição para o PIS/Pasep. 21 e 39 da Lei nº 10. e nos arts. 209 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal.54 Anexo VII Instrução Normativa SRF nº 459. o asseio ou a conservação de praias. transporte de valores e locação de mão-de-obra. máquinas. II . § 2º Para fins do disposto neste artigo. pátios ou de áreas de uso comum. manutenção. § 1º O disposto neste artigo aplica-se inclusive aos pagamentos efetuados por: I . 30. logradouros. 35 e 36 da Lei nº 10. pela prestação de serviços de assessoria creditícia. quando destinadas a mantê-los em condições eficientes de operação. IV . motores. lavagem. jardins.sociedades simples. de 30 de abril de 2004. confederações.865. resolve: Disposições Preliminares Art. segurança. veículos automotores.de limpeza. dependências. elevadores ou de qualquer bem. enceramento. conservação ou zeladoria os serviços de varrição. de 24 de agosto de 2001. vias públicas. instalações. 31. desinsetização.associações.833. conservação. equipamentos. desinfecção. aprovado pela Portaria MF nº 259.430. 54 . centrais sindicais e serviços sociais autônomos. como um mero conserto de um bem defeituoso. rodovias. embarcações. exceto se a manutenção for feita em caráter isolado. federações. instalações. nos arts. dedetização. 1º Os pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas de direito privado. vigilância. gestão de crédito. monumentos. pela prestação de serviços de limpeza. no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. mercadológica. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL.condomínios edilícios. bem como pela remuneração de serviços profissionais. desentupimento. 64 da Lei nº 9. inclusive entidades sindicais. aparelhos. e tendo em vista o disposto no art. estão sujeitos à retenção na fonte da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). entende-se como serviços: I . higienização. inclusive sociedades cooperativas. edificações. administração de contas a pagar e a receber. de 18 de outubro de 2004 (*) Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. 32.

autarquias e fundações dos Estados. de 29 de dezembro de 2003.000. mercadológica. de 26 de março de 1999 . § 8º O disposto neste artigo não se aplica às entidades da administração pública federal de que trata o art. IV . correspondente à soma das alíquotas de 1% (um por cento). da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep será determinado mediante a aplicação. 34 da Lei nº 10. e recolhido mediante o código de arrecadação 5952. aplica-se. inclusive os pagamentos antecipados por conta de prestação de serviços para entrega futura. gestão de crédito. § 3º É dispensada a retenção para pagamento de valor igual ou inferior a R$ 5. § 10.65% (sessenta e cinco centésimos por cento). inclusive quando tais serviços forem prestados por empresa de factoring. a cada pagamento deverá ser: I . caso a retenção a ser efetuada seja superior ao valor a ser pago. (quatro inteiros e sessenta e cinco centésimos por cento).0% (três por cento) e 0. inclusive quando prestados por cooperativas ou associações profissionais. II . § 1º As alíquotas de 3. § 9º A retenção sobre os serviços de assessoria creditícia. 3% (três por cento) e 0. relativas à Cofins e à Contribuição para o PIS/Pasep. inclusive escolta de veículos de transporte de pessoas ou cargas.sobre qualquer forma de pagamento.profissionais aqueles relacionados no § 1º do art. respectivamente.calculado o valor a ser retido sobre o montante obtido na forma do inciso I deste parágrafo. sobre o valor bruto da nota ou documento fiscal. para fins da retenção das contribuições. aplicando-se. os mesmos critérios de interpretação adotados em atos normativos expedidos pela Secretaria da Receita Federal para a retenção do imposto de renda. § 6º Não estão obrigadas a efetuar a retenção a que se refere o caput as pessoas jurídicas optantes pelo Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples).833. Para fins do disposto neste artigo. seleção e riscos. 647 do Decreto nº 3.65% (sessenta e cinco centésimos por cento).65%. do percentual total de 4. § 7º As retenções de que trata o caput serão efetuadas: I .000. 55 . aplicam-se inclusive na hipótese de as receitas da prestadora dos serviços estarem sujeitas ao regime de não-cumulatividade da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep ou a regime de alíquotas diferenciadas. devendo ser deduzidos os valores retidos anteriormente no mesmo mês. Base de Cálculo e Alíquotas Art. desde que este ultrapasse o limite de que trata o § 3º. § 4º Ocorrendo mais de um pagamento no mesmo mês à mesma pessoa jurídica.sem prejuízo da retenção do imposto de renda na fonte das pessoas jurídicas sujeitas a alíquotas específicas previstas na legislação.00 (cinco mil reais). a retenção será efetuada até o limite deste. administração de contas a pagar e a receber. bem como aos órgãos.55 III . do Distrito Federal e dos Municípios. II . 2º O valor da retenção da CSLL.Regulamento do Imposto de Renda (RIR/1999). § 5º Na hipótese do § 4º.de segurança e/ou vigilância os serviços que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de valores e de bens patrimoniais.efetuada a soma de todos os valores pagos no mês. a empresa prestadora do serviço deverá informar no documento fiscal o valor correspondente à retenção das contribuições incidentes sobre a operação.

65%. em relação às respectivas contribuições.empresas estrangeiras de transporte de valores. instituído pela Lei nº 9. será determinado pelo próprio contribuinte mediante a aplicação. de forma centralizada. até o último dia útil da semana subseqüente àquela quinzena em que tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica prestadora dos serviços. Tratamento dos Valores Retidos Art. correspondente a cada espécie de contribuição. sob pena de. no percentual total de 4.56 § 2º No caso de pessoa jurídica ou de receitas beneficiárias de isenção ou de alíquota zero. § 1º Os valores retidos na forma desta Instrução Normativa poderão ser deduzidos. 4º A retenção da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep não será exigida nos pagamentos: I . sobre o valor bruto do documento fiscal. relativamente a fatos geradores ocorridos a partir do mês da retenção. em relação aos atos cooperativos. 6º Os valores retidos na forma desta Instrução Normativa deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional pela pessoa jurídica que efetuar a retenção ou.a título de transporte internacional de valores efetuado por empresas nacionais.432. 5º A partir de 1º de janeiro de 2005. 7º Os valores retidos na forma do art. e o recolhimento será efetuado mediante os códigos específicos de que trata o art. (quatro inteiros e sessenta e cinco centésimos por cento). das alíquotas respectivas às retenções efetuadas. de uma ou mais contribuições de que trata este artigo. Art. referida no caput. 1º não será exigida na hipótese de pagamentos efetuados a: I . conversão e reparo de embarcações pré-registradas ou registradas no Registro Especial Brasileiro (REB). em relação às suas receitas próprias. 10 desta Instrução Normativa. pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. sujeitarem-se à retenção das contribuições sobre o valor total da nota ou documento fiscal.pessoas jurídicas optantes pelo Simples. de 8 de janeiro de 1997. Operações com Cartões de Crédito ou Débito 56 . modernização. Hipóteses em que não Haverá Retenção Art. das contribuições devidas de mesma espécie. pelo contribuinte. 2º serão considerados como antecipação do que for devido pelo contribuinte que sofreu a retenção. Prazo de Recolhimento Art. 3º A retenção de que trata o art. II . a retenção dar-se-á mediante a aplicação da alíquota específica.aos estaleiros navais brasileiros nas atividades de conservação. Art. § 3º Para fins do disposto no § 2º. a retenção da CSLL não será exigida nos pagamentos efetuados às cooperativas. inclusive o enquadramento legal. correspondente às contribuições não alcançadas pela isenção ou pela alíquota zero. § 2º O valor a ser deduzido. se não o fizerem. II . as pessoas jurídicas beneficiárias de isenção ou de alíquota zero devem informar esta condição na nota ou documento fiscal.

Disposições Gerais Art. total ou parcial. a retenção será efetuada pela pessoa jurídica tomadora dos serviços sobre o total a ser pago à empresa prestadora dos serviços. Ocorrendo qualquer das situações previstas neste artigo. cabendo a responsabilidade pelo recolhimento destas à pessoa jurídica tomadora dos serviços. devendo o seu pagamento ser efetuado pelo valor líquido. ou por sentença judicial transitada em julgado. no caso de CSLL.5960. determinando a suspensão do pagamento de qualquer das contribuições referidas nesta Instrução Normativa. e efetuar o recolhimento em Darf distintos para cada um deles. os valores das contribuições considerados devidos. 57 . utilizando os seguintes códigos de arrecadação: I .5979.Código Tributário Nacional (CTN). nas faturas.5987. a pessoa jurídica que efetuar o pagamento deverá calcular. aplicando as alíquotas correspondentes. assinadas pelo seu representante legal. Para fins do disposto no inciso II do art. 9º Nas notas fiscais. em duas vias. O disposto no caput não se aplica às faturas de cartão de crédito. 8º Nos pagamentos pela prestação de serviços efetuados por meio de cartões de crédito ou débito. no caso de Contribuição para o PIS/Pasep. após deduzidos os valores das contribuições retidas. a cada pagamento. III . 11. a comprovação de que o direito a não retenção continua amparada por medida judicial. 3º. da exigibilidade do crédito tributário nas hipóteses a que se referem os incisos II. Parágrafo único. Pessoa Jurídica Amparada por Medida Judicial Art. nos boletos bancários ou quaisquer outros documentos de cobrança dos serviços de que trata o art. No caso de pessoa jurídica amparada pela suspensão. IV e V do art.57 Art. a pessoa jurídica optante pelo Simples deverá apresentar à pessoa jurídica tomadora dos serviços declaração. 1º que contenham código de barras deverão ser informados o valor bruto do preço dos serviços e os valores de cada contribuição incidente sobre a operação. na forma do Anexo I. Parágrafo único. de 25 de outubro de 1966 . devendo o pagamento com o cartão ser realizado pelo valor líquido. 151 da Lei nº 5. o beneficiário do rendimento deverá apresentar à fonte pagadora. cabendo a responsabilidade pelo recolhimento destas à pessoa jurídica tomadora dos serviços. no caso de Cofins. individualmente. 10. II . após deduzidos os valores das contribuições retidas.172. Documentos de Cobrança que Contenham Código de Barras Art.

conforme modelo constante no Anexo II. devendo a segunda via ser devolvida ao interessado. 14. até o último dia útil de fevereiro do ano subseqüente. At. em relação aos atos cooperados”. Art. mensalmente. A pessoa jurídica tomadora dos serviços arquivará a primeira via da declaração. a Instrução Normativa SRF nº 381. § 2º Anualmente. nela discriminando. JORGE ANTÔNIO DEHER RACHID ANEXOS Anexo I Anexo II (*) Retificada no DOU de 10. LEIA-SE: “A retenção da CSLL não será exigida nos pagamentos efetuados às cooperativas.12. Parágrafo único.58 Parágrafo único. § 1º O comprovante anual de que trata este artigo poderá ser disponibilizado por meio da Internet à pessoa jurídica beneficiária do pagamento que possua endereço eletrônico. que ficará à disposição da Secretaria da Receita Federal. página 21) No art. 12. 69 da Lei nº 9. As pessoas jurídicas que efetuarem a retenção de que trata esta Instrução Normativa deverão fornecer à pessoa jurídica beneficiária do pagamento comprovante anual da retenção. até o último dia útil de fevereiro do ano subseqüente. 58 . o somatório dos valores pagos e o total retido. por contribuinte e por código de recolhimento.532. em relação aos atos cooperados. Seção 1. 5º: ONDE SE LÊ: “A partir de 1º de janeiro de 2005. como recibo.2004 da seguinte forma: Na Instrução Normativa SRF nº 459 de 18 de outubro de 2004 Publicada no DOU de 29 de outubro de 2004. O disposto no caput deste artigo não se aplica às sociedades cooperativas de consumo de que trata o art. Fica formalmente revogada. de 10 de dezembro de 1997”. de 30 de dezembro de 2003. Art. sem interrupção de sua força normativa. 13. as pessoas jurídicas que efetuarem a retenção de que trata esta Instrução Normativa deverão apresentar Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf). a retenção da CSLL não será exigida nos pagamentos efetuados às cooperativas. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.. 230 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal.... nessa hipótese.... com a redação dada pelo Decreto nº 3.............. de 15 de dezembro de 2004.. que dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas que menciona a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e serviços...utilizando-se o código de arrecadação 8767....... de 8 de janeiro de 1997... 22....... 21.......4......... (NR) ..... a retenção do imposto de renda e da CSLL: I ...... de que trata o art......2005 Altera a Instrução Normativa SRF nº 480.. Parágrafo único........ de 27 de dezembro de 1996.........." (NR) b) aos estaleiros navais brasileiros nas atividades de construção.. e pelo Decreto nº 5.........432....639. 1º Os arts.... § 8º Excetua-se do disposto no inciso I do § 7º os serviços hospitalares. 59 ....... Não será devida a retenção da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins....... modernização.......... conversão e reparo de embarcações pré-registradas ou registradas no Registro Especial Brasileiro (REB)........... 20................. no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art..................... 1º... aprovado pela Portaria MF nº 30........... de 23 de dezembro de 1986..........430.. e tendo em vista o disposto no art... instituído pela Lei nº 9....... de 23 de outubro de 2000...... de 25 de fevereiro de 2005....... 26...872........... conservação...... resolve: Art.. 34 da Lei nº 10. 18........ cabendo......... 3º..... 64 da Lei nº 9....3º.......... XVI .. de 15 de dezembro de 2004......." (NR) "Art....... de que tratam os arts.. de 30 de março de 2004... de 29 de dezembro de 2003. nos pagamentos efetuados: a) a título de transporte internacional de cargas efetuados por empresas nacionais....833...1º.... . 27 desta Instrução Normativa..........59 ANEXO VIII Instrução Normativa SRF nº 539........ 27 e 32 da Instrução Normativa SRF nº 480.. 45 a 47 do Decreto nº 93.... O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL........ e o art............título de suprimento de fundos....026. de 25 abril de 2005 DOU de 27....... 19......... passam a vigorar com a seguinte redação: "Art.........

. querosene de aviação (QAV).. exceto gasolina de aviação.. Nos pagamentos efetuados às pessoas jurídicas que procedam à industrialização ou à importação de produtos farmacêuticos....60 c) pela aquisição no mercado interno de livros.... de toucador ou de higiene pessoal. de que tratam os arts. óleo diesel... de 30 de outubro de 2003...... inclusive à comercial atacadista equiparada a industrial.. de 2001. demais produtores e importadores. de 21 de dezembro de 2000.. autopeças..... alterado pela Lei nº 10. será devida a retenção do IRPJ... pelas autarquias e pelas fundações federais. será efetuada a retenção do imposto de renda e da CSLL. ou nos pagamentos efetuados aos comerciantes varejistas de álcool etílico hidratado para fins carburantes... utilizando-se o código 9060. § 2º Nos pagamentos efetuados aos distribuidores e aos comerciantes varejistas de gasolina. gás liquefeito de petróleo (GLP) e querosene de aviação (QAV). 60 .. não incidência ou alíquotas zero da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep..utilizando-se o código de arrecadação 8750.. será devida a retenção do IRPJ.. utilizando-se o código 9060.. da CSLL. veículos e tratores.485.....753.... autopeças.147. observado o disposto no § 5º do art... veículos e tratores não relacionados no caput. será devida a retenção do IRPJ. 19.... relativos à aquisição de gasolina.. atacadistas e varejistas. conforme disposto no art.... Nos pagamentos efetuados aos distribuidores e aos comerciantes varejistas dos medicamentos e produtos de perfumaria.... 1º desta Instrução Normativa."(NR) "Art...189-49.. da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins..... Nos pagamentos efetuados pelos órgãos da administração federal direta.... pneus e câmaras de ar. óleo diesel e gás liquefeito de petróleo (GLP).... referida no art.. de toucador e de higiene pessoal a que se refere o art. II . utilizandose o código 6147. nos pagamentos relativos à aquisição de máquinas. 18. de máquinas.. utilizando-se o código 6147. 1º.. d) pela aquisição de produtos ou serviços amparados com isenção. sobre o valor a ser pago: . 1º da Lei nº 10. da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins..... Nos pagamentos efetuados às pessoas jurídicas que procedam à industrialização ou à importação.... ficando dispensada a retenção da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins. 3º e 5º da Lei nº 10......... de perfumaria... será efetuada a retenção do imposto de renda e da CSLL. efetuados ao importador.548. da CSLL... ficando dispensada a retenção do PIS/Pasep e da Cofins. de 13 de novembro de 2002..... 2º da Lei nº 10... de 3 de julho de 2002... da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep. utilizando-se o código 8767. 17."(NR) "Art. utilizando-se o código 8739..."( NR) "Art.. § 1º Será ainda devida a retenção.. utilizandose o código 6147...... 20. Parágrafo único. § 1º Será ainda devida a retenção do imposto de renda e das contribuições. nos pagamentos efetuados a título de transporte internacional de passageiros efetuado por empresas nacionais. da CSLL. diretamente de refinarias de petróleo... fabricante.. § 5º da Medida Provisória nº 2.

... § 2º..... das importâncias recebidas pelos demais bens ou serviços (taxa de administração...... utilizando-se o código 8767..........se o imóvel adquirido pertencer ao ativo permanente da empresa vendedora. ficando dispensada a retenção da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins... no percentual total de 3............................... sobre o valor total do documento fiscal........... na forma estabelecida no inciso II do art..... 2 ..... 23 desta Instrução Normativa.............................................................................718. relativos aos produtos classificados nas posições 40.......... Nos pagamentos efetuados às pessoas jurídicas que procedam à industrialização ou à importação de água.....................13 (câmaras-de-ar de borracha).. utilizando-se o código 8767........ ficando dispensada a retenção da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins..... será devida a retenção do IRPJ....................... inciso IV da Lei nº 9..........61 § 2º Nos pagamentos efetuados aos comerciantes atacadistas e varejistas............................ refrigerante e cerveja sem álcool...01 e 22.......................................... refrigerante e cervejas......................... segregando as importâncias recebidas por conta de serviços pessoais prestados por pessoas físicas associadas (serviços médicos e de enfermagem)................................... da CSLL.......02 da TIPI...………………………………………………………………………………………….......... utilizando-se o código 6147............................ Nos pagamentos efetuados aos comerciantes atacadistas e varejistas................. relativos a aquisição de água............ de acordo com o estabelecido no art. 3º... etc......."(NR) "Art......11 (pneus novos de borracha) e 40............. será efetuada a retenção e o recolhimento do imposto de renda e da CSLL............................ 21........."(NR) "Art.......... II .. I. Parágrafo único....... cabe a retenção tão-somente do imposto de renda e da CSLL........ a) uma fatura........). será efetuada a retenção e o recolhimento do imposto de renda e da CSLL....... I– ...........65% (três inteiros e sessenta e cinco centésimos por cento)................... classificados nos códigos 22.26....da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep..................... da TIPI."(NR) 61 ............... a).............. 1... cabendo a retenção: ………………………………………………………………………………………................ de 27 de novembro de 1998."(NR) "Art.... II – ...... ..22 ... da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep.

430. de que trata o subitem 2. ficam substituídos pelos Anexos I e III constantes desta Instrução Normativa. os seguintes serviços prestados por empresário ou sociedade empresária: I . de 21 de fevereiro de 2002. realizada para fins de atendimento ao estabelecido nos arts. estabelecidos no art. "B". 32. e pela RDC nº 189. exceto quanto aos serviços de construção por empreitada com emprego de materiais."(NR) "Art. de 2003. de 18 de julho de 2003. II . JORGE ANTONIO DEHER RACHID 62 . 27. para fins do disposto nesta Instrução Normativa. "C" e "F".alcançam somente a retenção na fonte do IRPJ. da CSLL. de 1996. de 14 de novembro de 2002. são considerados serviços hospitalares aqueles diretamente ligados à atenção e assistência à saúde.833. de 1995.seguintes atribuições: a) prestação de atendimento eletivo de promoção e assistência à saúde em regime ambulatorial e de hospital-dia (atribuição 1). 27. de 2004.atividades fins da prestação de atendimento de apoio ao diagnóstico e terapia (atribuição 4). prestados por empresário ou sociedade empresária.1 da Parte II da Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária nº 50. realizados por meio de UTI móvel.62 "Art. As disposições constantes nesta Instrução Normativa: I . na área de urgência. alterada pela RDC nº 307. 2º Os Anexos I e III da Instrução Normativa SRF nº 480. § 2° São também considerados serviços hospitalares. § 1° A estrutura física do estabelecimento assistencial de saúde deverá atender ao disposto no item 3 da Parte II da Resolução de que trata o caput.de emergências médicas. conforme comprovação por meio de documento competente expedido pela vigilância sanitária estadual ou municipal. II .249. 15 da Lei nº 9. b) prestação de atendimento imediato de assistência à saúde (atribuição 2). e aos serviços hospitalares.não alteram a aplicação dos percentuais de presunção para efeito de apuração da base de cálculo do imposto de renda a que estão sujeitas as pessoas jurídicas beneficiárias dos respectivos pagamentos. de que trata o art. que possuam médicos e equipamentos que possibilitem oferecer ao paciente suporte avançado de vida. que exerça uma ou mais das: I .pré-hospitalares. Art. da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep. instaladas em ambulâncias classificadas nos Tipos "A". instaladas em ambulâncias de suporte avançado (Tipo "D") ou em aeronave de suporte médico (Tipo "E"). ou c) prestação de atendimento de assistência à saúde em regime de internação (atribuição 3)."(NR) Art. e 34 da Lei nº 10. de que trata o inciso II do art 1º. 64 da Lei nº 9. Para fins do disposto nesta Instrução Normativa. realizados por meio de UTI móvel. II . 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Serviços hospitalares.0 0.0 0. Energia elétrica. Máquinas.2 1. importador. adquiridos de atacadistas ou varejistas. 1º da Lei nº 10.13 da TIPI. e álcool para fins carburantes quando adquirido.24 1.2 8767 IR (02) ALÍQUOTAS CSLL COFINS (03) (04) PIS/PASEP (05) PERCENTUAL A CÓDIGO DA SER APLICADO RECEITA (06) (07) 1. veículos e tratores de que trata o caput do art 20 desta IN e autopeças constantes do Anexo I e II. classificados nas posições 40.0 0. de 2002. conservação.147. adquiridos de atacadistas e varejistas.85 6147 0. classificados nos códigos 22.0 0. refrigerante e cerveja sem álcool.432.65 5. distribuidor ou varejista. de 08 de janeiro de 1997.0 2. gás liquefeito de petróleo (GLP) e querosene de aviação (QAV) adquiridos de produtor ou importador. produtos de perfumaria.0 0.02 da TIPI. Estaleiros navais brasileiros nas atividades de Construção.65 4. Transporte internacional de cargas efetuado por empresas nacionais.0 3. adquiridos de atacadistas e varejistas. adquiridos de produtor. de 3 de julho de 2002. Gasolina. Construção Civil por empreitada com emprego de materiais.2 1.548.11 e 40. não incidência ou alíquotas zero da Cofins e da Contribuição para o PIS/Pasep. óleo diesel. Medicamentos. de 2000.63 ANEXO IX Tabela de Retenções NATUREZA DO BEM FORNECIDO OU DO SERVIÇO PRESTADO (01) • • • • • • • • • Alimentação.89 9060 • • 0.485. de toucador e de higiene pessoal a que se refere o art. Álcool etílico hidratado para fins carburantes. Água.0 1. da Lei nº 10.24 8739 • • • • • • • • 63 . 1. Aquisição de livros no mercado interno. de comerciante varejista. óleo diesel e gás liquefeito de petróleo (GLP) e querosene de aviação adquiridos de distribuidores e comerciantes varejistas. adquiridos de atacadistas e varejistas.0 3. modernização. exclusivamente. Demais combustíveis derivados de petróleo e gás natural. Mercadorias e bens em geral. com a redação dada pela Lei nº 10. Serviços prestados com emprego de materiais. exceto os relacionados no código 8767.0 0.01 e 22. instituído pela Lei nº 9. adquirido diretamente do distribuidor. Outros produtos ou serviços beneficiados com isenção.24 1. Pneus novos de borracha e Câmaras-de-ar de borracha. conversão e reparo de embarcações préregistradas ou registradas no REB. Gasolina. exceto gasolina de aviação. Transporte de cargas. e dos demais produtos derivados de petróleo.

0 0.0 0.05 6175 • • • 2. cooperativas de crédito. empresas de arrendamento mercantil.0 3.65 7.65 9. 2.05 6188 • • • • • • • • • • 4.0 0. Intermediação de negócios. Administração. sociedades de crédito. financiamento e investimento. Limpeza. caixas econômicas. Correio e telégrafos.65 3. passageiros associações 2. Transporte internacional de efetuado por empresas nacionais.40 1.0 1. Factoring.0 3. Serviços prestados por profissionais ou assemelhadas. Vigilância.80 1.0 0.0 3.64 • Passagens aéreas. rodoviárias e demais serviços de transporte de passageiros.65 8850 8863 Serviços prestados por bancos comerciais.0 0. empresas de seguros privados e de capitalização e entidades abertas de previdência complementar.40 1.65 7. locação ou cessão de bens imóveis.45 6190 64 . móveis e direitos de qualquer natureza. bancos de investimento. sociedades de crédito imobiliário.0 3.0 0. Locação de mão de obra.40 0. Telefone. distribuidoras de títulos e valores mobiliários. Demais serviços. e câmbio.40 4. bancos de desenvolvimento. Serviços de abastecimento de água. exceto as relacionadas no código 8850.0 1.