Você está na página 1de 24

A GÊNESE

Centro Espírita Irmã Clara
(20.03.2015)

Joaquim Lemos

1

 A Doutrina Espírita é resultante do ensino coletivo e

concordante dos Espíritos.

 A ciência está chamada a constituir a Gênese segundo as leis

da matéria.

 Deus prova sua grandeza e seu poder pela imutabilidade de

suas leis, e não pela sua suspensão.

 Para Deus, o passado e o futuro são o presente.

Joaquim Lemos

2

o ponto de partida de tudo.DEUS A causa primeira de todas as coisa. SUPREMA E SOBERANA INTELIGÊNCIA ETERNO IMUTÁVEL IMATERIAL TODO-PODEROSO SOBERANAMENTE JUSTO E BOM INFINITAMENTE PERFEITO ÚNICO Joaquim Lemos 3 . o eixo sobre o qual repousa o edifício da criação. é o ponto que importa considerar antes de tudo.

Se houvesse. mas o homem.. na criação. tendo a causa do mal em SI MESMO.” (Gênese: III..O BEM E O MAL “ O mal é a ausência do bem. só do o homem vem o mal. nada poderia evita-lo. as leis divinas. existe forçosamente o mal. seu livre-arbítrio e. evitá-lo-ia quando quisesse. já é o começo do bem. e tendo ao mesmo tempo.] Aí. onde o bem não existe. não fazer o mal. 8) Joaquim Lemos 4 . como o frio é a ausência de calor [. por guia. Deus não quer senão bem. um ser predisposto ao mal.

3) GÊNESES ANTIGAS: Moisés. com toda a verdade. que: a ciência está chamada a constituir a verdadeira Gênese. segundo as leis da Natureza. “Se a religião recusa caminhar com a ciência. Alguns de seus erros são mais aparentes que reais: Falsas interpretações de certas palavras. em nenhum ponto.” (Gênese: IV. Forma alegórica. pode-se dizer. em contradição com as leis da Natureza. a ciência avança sozinha” “Uma religião que não estivesse. nada teria a temer o progresso e seria uma religião invulnerável” Joaquim Lemos 5 .O PAPEL DA CIÊNCIA NA GÊNESE “Uma vez que é impossível conceber a Gênese sem os dados fornecidos pela ciência.

considerada em seu duplo princípio. 17).. ambos têm sua parte de ação na Gênese.. Joaquim Lemos 6 . são solidário um com o outro. Sem o conhecimento das leis que regem o primeiro seria [. estando em contato incessantemente.]” (Gênese: IV... corpóreo e espiritual. “O mundo espiritual e o mundo material.] impossível constituir uma Gênese completa[. Matéria: Ciência Espírito: Filosofia (sistema contraditórios) Religião (não permite questionamento)  As questões espirituais permaneceram no estado de teoria até os dias advento do Espiritismo (método experimental).O PAPEL DA CIÊNCIA NA GÊNESE  A Gênese compreende duas partes: a história da formação do mundo material e a da Humanidade.

Movimentos vibratórios do agente: SOM.  Espaço: Impossível supor-lhe algum limite.URANOGRAFIA GERAL* * Galileu. primitiva. CALOR. 1862-1863). mas diversificadas em suas combinações. ELETRICIDADE ATIVA. AFINIDADE.  Matéria: Composição do universo por única substância simples. sob os nomes de GRAVIDADE. COSMOS ou MATÉRIA CÓSMICA PRIMITIVA. Conhecidas na Terra. ETERNO. Estudos uranográficos (SEP. mundos e seres. MAGNETISMO. ATRAÇÃO.  Tempo: Medida relativa da sucessão das coisas transitórias.  Leis e Forças: As forças que presidiram as metamorfoses da matéria inerentes ao éter dependem de uma lei universal diversificada em seus efeitos. Joaquim Lemos 7 . e que. geradora de todos os corpos. INFINITO. ÉTER. foi soberanamente imposta `criação para constituir-lhe a harmonia e a estabilidade. LUZ etc. nos decretos eternos.

Joaquim Lemos 8 . encontra-se a unidade de harmonia e de criação. a grande lei de continuidade se faz reconhecer. confundindo-se com a geratriz. desde o último dos seres até Deus.URANOGRAFIA GERAL  Leis e Forças: A natureza não está. jamais. percorrendo os degraus da vida. “Remontando-se à escala dos mundos. oposta a si mesma. considerando as forças em si mesmas. pode-se delas formar uma série cuja resultante. ao mesmo tempo uma variedade infinita nesse imenso canteiro de estrelas. UNIDADE – VARIEDADE – CONTINUIDADE  Todas as forças são eternas e universais. é a lei universal.

Joaquim Lemos 9 . O Universo. elas mesmas. nascido do Eterno.  Aglomerações do éter. remonta aos períodos inimagináveis do infinito de duração e criado da MATÉRIA CÓMICA PRIMITIVA:  Turbilhões.  Acumulações de matéria nebulosa que se dividiram. a medida que se manifestam as condições da existência sucessiva de seres. e se modificaram ao infinito.  Centro de criações simultâneas ou sucessivas  A Criação Universal: a matéria cósmica primitiva está revestida tanto das leis que asseguram a estabilidade dos mundo e do princípio vital universal que forma as gerações espontâneas sobre cada mundo.URANOGRAFIA GERAL  A Criação Primeira: O começo das coisas remonta a Deus.

ao mesmo tempo que o livre-arbítrio e a consciência. a obra da sua individualidade. suplicando-lhes não basear nenhum sistema prematuro sobre minhas palavras: o Espírito não chega a receber iluminação divina que lhe dá. e que são humildes diante de Deus. direi.” (Gênese: VI. 19) Joaquim Lemos 10 . “Àqueles que estão religiosamente desejosos de conhecer. entre os quais se elabora. lentamente. cria sem cessar e criará sempre. é somente a partir do dia que o Senhor imprime sobre sua fronte o seu augusto tipo.URANOGRAFIA GERAL A Criação Universal: Deus criou sempre. que o Espírito toma lugar entre as humanidades. divinamente fatal. sem ter passado pela série. dos seres inferiores. a noção de seus altos destinos.

mas não solidificada. submissa ao seu império.URANOGRAFIA GERAL  Nebulosas: Num ponto do Universo a matéria cósmica se condensa sob a forma de uma imensa nebulosa. Predominando esta última sobre a atração central. tomando a forma esférica. mas não obstante. desse anel. O movimento circular produzido pela gravitação modifica a esfera primitiva para a forma lenticular.  Planetas: formados de massas de matéria condensada. Joaquim Lemos 11 . forma uma nova massa. e. isolada da primeira.  Galáxias: Resultante do movimento de rotação surgem a força centrípeta e a força centrífuga. destacadas da massa central.  Estrelas: A força centrífuga destaca o centro equatorial da nebulosa.

Joaquim Lemos 12 . se enriquecendo por vezes. de fragmentos planetários reduzidos ao estado de vapor. um deserto imenso. sucessivamente. assim. glóbulos líquidos se estacam do plano equatorial e sofrem resfriamento mais rápido que o planeta de origem. de estrelas em estrelas.  Cometas: Corpos celestes errantes que vão. no caminho. sem limites se estende além das aglomerações de estrelas.URANOGRAFIA GERAL  Satélites: Antes que as massas planetárias houvessem atingido um grau de resfriamento.  Desertos do Espaço: As acumulações de matéria cósmica se encontram isoladas no espaço. tomar aos seus focos os princípios vivificantes e renovadores que despejam sobre os mundos terrestres.

URANOGRAFIA GERAL  Sucessão Eterna dos Mundos: Eis que um mundo. desde o seu berço primitivo. Joaquim Lemos 13 . para se extinguir. Porque a morte não é uma metamorfose unicamente dos seres vivos. deve sofrer as transformações inerentes à sua constituição e percorrer toda a extensão dos anos que a sua organização especial lhe permita. mas da matéria inanimada também. necessariamente.

à Lua e a todos os planetas. em uma nebulosa que deu nascimento.GÊNESE MATERIAL CIÊNCIA GÊNESE MOSÁICA PERÍODO ASTRONÔMICO  Aglomeração da matéria cósmica universal. 1º. DIA  O Céu e a Terra. sobre um ponto do espaço. às estrelas.  O estado primitivo fluídico e incandescente da Terra. volatizáveis. Joaquim Lemos e de todas as matérias 14 .  A Luz. pela condensação da matéria sobre diversos pontos.  Atmosfera imensa carregada de toda a água em vapor. ao Sol. à Terra.

camadas graníticas.  Separação das águas que estão sob o firmamento das que estão acima. Joaquim Lemos 15 .  Precipitação gradual da água e das 2º.  Ausência de toda vida orgânica. impenetrável aos raios do Sol. formação das  Atmosfera espessa e ardente.GÊNESE MATERIAL CIÊNCIA GÊNESE MOSÁICA PERÍODO PRIMÁRIO  Endurecimento da superfície da Terra pelo resfriamento. DIA  O Firmamento. matérias sólidas volatizadas no ar.

 Primeiros animais marinhos: zoófitos.  Calor úmido.  Primeiros depósitos de sedimentos formados pelas águas.  Primeiros seres organizados da constituição rudimentar. 16 . DIA  As águas que estão sob o firmamento se juntam.  As plantas.GÊNESE MATERIAL CIÊNCIA PERÍODO DE TRANSIÇÃO  As águas cobrem toda a superfície do globo. musgos.  A terra e os mares. plantas herbáceas.  Depósitos hulhíferos.  Vegetação colossal. Joaquim Lemos GÊNESE MOSÁICA 3º. crustáceos. pólipos. fetos.  Líquens.  O Sol começa a atravessar a atmosfera brumosa. o elemento árido aparece. licopódios.

 Vegetação menos colossal.  As Estrelas.  Atmosfera mais depurada. DIA  O Sol. Joaquim Lemos GÊNESE MOSÁICA 4º.  Depósitos consideráveis de calcário pelas águas.  Temperatura menos ardente. animais em conchas. novas espécies.GÊNESE MATERIAL CIÊNCIA PERÍODO SECUNDÁRIO  Superfície da Terra pouco acidentada. grandes répteis aquáticos e anfíbios.  Peixes.  Águas pouco profundas e pantanosas. plantas lenhosas. primeiras árvores. cetáceos.  A Lua. 17 .

formação dos mares.  Animais terrestres gigantescos.  Retração das águas para os lugares baixos. Joaquim Lemos GÊNESE MOSÁICA 5º.GÊNESE MATERIAL CIÊNCIA PERÍODO TERCIÁRIO  Grandes soerguimentos da crosta sólida.  Os pássaros. 18 . pássaros. DIA  Os peixes.  Atmosfera depurada  Temperatura atual pelo calor solar. formação dos continentes.  Vegetais e animais atuais.

GÊNESE MATERIAL CIÊNCIA GÊNESE MOSÁICA DILÚVIO UNIVERSAL PERÍODO QUARTENÁRIO OU PÓSDILUVIANOS  Terrenos de aluvião. 19 . DIA  Os animais terrestres.  O homem.  O homem.  Vegetais e animais atuais. Joaquim Lemos 6º.

propriedades características que as distinguem das substâncias inorgânicas. Condições propícias.GÊNESE ORGÂNICA  Fluido Vital: Princípio especial que é ativo no ser vivo e que está extinto no ser morto.  Geração Espontânea: Seres de ordem mais inferiores.  Escala dos Seres Orgânicos: Produtos das transformações aperfeiçoamentos sucessivos dos seres. à substância. mas não deixa de dar. Joaquim Lemos 20 .  Homem Corporal: Último anel da animalidade sobre a Terra.  Atividade mantida pela ação do desempenho dos órgão.

Todos têm um mesmo ponto de partida.GÊNESE ESPIRITUAL  Princípio Espiritual:  Corolário da existência de Deus. 7) Joaquim Lemos 21 . Todos atingirão o grau de perfeição compatível com a criatura pelos seus esforços pessoais.  Imortalidade. com igual aptidão para progredir pela sua atividade individual.  Vitalidade independente da matéria. não havendo nenhum mais favorecidos ou melhor que os outros (Gênese: X.  Constituição dos Espíritos. sendo criados simples e ignorantes.  Individualidade.

 Encarnação é uma necessidade.  Instrumento. Joaquim Lemos 22 .  Hipótese sobre a Origem do Corpo Humano: Corpo de macacos  Encarnação do Espírito: O Espírito é um ser indefinido.  Emigrações e Imigrações dos Espíritos: Compatibilidade entre os Espíritos e os mundos.  Raça Adâmica: Mais avançadas que aquelas a precederam.  Laço fluídico liga o espírito ao corpo em formação no momento da concepção.GÊNESE ESPIRITUAL  União do Princípio Espiritual e da Matéria:  Envoltório. abstrato. que não pode ter uma ação direta sobre a matéria. sendo-lhe necessário um intermediário: PERISPÍRITO.  Encarnação é transitória.

social ou moral” Joaquim Lemos 23 . tal como a entendia Jesus. indulgência para as imperfeições dos outros e perdão das ofensas). crenças. sexo. sem preconceitos de nenhuma espécie: de cor. ou condições econômica. nosso Guia e Modelo.“Na Doutrina Espírita vigora o mais absoluto respeito à diversidade humana. exercendo a caridade no seu sentido mais abrangente (benevolência para com todos. etnia. cabendo ao Espírita o dever de cooperar para o progresso da Humanidade.

REFERÊNCIA KARDEC. São Paulo: IDE. Allan. Joaquim Lemos 24 . 2008. Rev. Elias Barbosa Araras. ed. 54. Trad. A gênese: os milagres e as predições segundo o Espiritismo. Salvador Gentile.