Você está na página 1de 73

Intemperismo

Transformação das rochas

Rocha recém Solo jovem Solo intermediário Solo maduro


exposta raso 1
Ciclo Gelógico

2
Intemperismo

• Processos físicos, químicos


e biológico que produzem Solo residual
desagregação e alteração da
composição química e
mineralógica das rochas.
Rocha alterada
• O solo é o resultado dessa
alteração das rochas
próximo a superfície
(alteração supergênica). Rocha intacta

3
 O intemperismo transforma a rocha de estado maciço
para estado clástico.
 O grau de alteração da rocha diminui sua resistência
mecânica.
 Dependendo do clima, o intemperismo químico ou
físico pode predominar.
 Os principais produtos do intemperismo são os argilo-
minerais.

4
Fatores de formação dos solos
 Na paisagem, os solos diferenciam-se devido à
ação de seus fatores de formação, cuja atuação
é de caráter independente.
 Os fatores de formação:
- Material de origem
- Clima
- Relevo
- Organismos vivos
- Tempo

5
Material de origem

 O material de origem é constituído por


minerais com diferentes graus de
suscetibilidade ao processo de intemperismo
o qual pode ser físico, químico e biológico.
Ele pode estar relacionado com vários
atributos do solo: químico, granulométrico,
morfológico e mineralógico.

6
Material de origem...

 Tipo de solo em função do material de origem e


tempo de intemperismo.
 A característica geotécnica dos solos é função
da composição do solo, o qual é função dos
materiais de origem.
 Rochas basálticas dão origem a solos de textura
argilosa ou muito argilosa enquanto que solos
derivados de arenito são arenosos. Materiais de
origem ricos em quartzo, conferem ao solo cor
clara.

7
Resultado do Intemperismo
químico nas rochas ígneas

8
9
Resistência ao intemperismo

 Resistência ao intemperismo

10
Ordem de estabilidade dos minerais frente ao
intemperismo – Série de Goldich

11
Erosão diferenciada devido a
composição diferente entre
as rochas

12
Intemperismo e alteração
diferenciada das rochas

13
Clima

 Os elementos do clima, cuja a atuação


sobre a pedogênese é mais direta, são:
radiação solar (calor), precipitação pluvial
(água) e pressão atmosférica (vento).
 O calor influi diretamente nas atividades
das reações químicas e processos
biológicos que ocorrem no perfil do solo.

14
Clima...
 A água promove a reação de hidrólise (ataque
de íons H+ à estrutura de minerais, com
conseqüente colapso e destruição dos minerais)
onde ocorre a hidratação do solo.
 A água excedente atua no desenvolvimento do
perfil do solo conforme a sua quantidade: regiões
onde a quantidade de água excedente é grande,
geralmente apresentam solos mais profundos,
pois a velocidade dos processos pedogenéticos
é mais acentuada.

15
Clima...

 O vento causa a erosão eólica e o


ressecamento da superfície do solo.
 O clima relaciona-se diretamente com o tipo
de vegetação local, que pode ter grandes
variações botânicas.

16
Intemperismo predominante
 Os processos de intemperismo físico e
químico não ocorrem isoladamente, mas
simultaneamente.
 Conforme as condições climáticas, podem
predominar os processos de intemperismo
físico ou os de intemperismo químico.
 Em climas secos (frios ou quentes)
predomina o intemperismo físico; em climas
úmidos predomina o intemperismo químico.

17
18
Relevo

 O relevo implica na elevação relativa da


superfície da terra.
 Para a grande maioria dos solos, existe uma
estreita relação com o tipo de relevo.

19
Relevo...
 A água pluvial, no relevo pouco
movimentado, encontra condições favoráveis
para infiltrar no solo, e o escorrimento
superficial não é tão acentuado. Por outro
lado, no relevo mais acentuado, o
escorrimento superficial é maior do que a
infiltração. Nas regiões mais úmidas, os solos
que ocorrem em relevo pouco movimentado
são em geral mais profundos do que nas
áreas com declive acentuado.

20
Relevo...

 Na posição de cota mais baixa do relevo, a


má drenagem provoca acúmulo de água,
material fino, restos de vegetais e matéria
orgânica.
 Como conseqüência, ocorre o fenômeno de
redução de ferro, originando os solos
gleisados (orgânicos).

21
Organismos
 Os organismos compreendem a microflora, a
microfauna, a macroflora, a macrofauna e o homem.
 Eles desempenham papel importante na
diferenciação dos horizontes do solo, pois a
microflora (algas, fungos e bactérias, principalmente)
e a microfauna (especialmente os protozoários e
nematóides) decompõem os restos vegetais e
animais e, em conseqüência, liberam o húmus, que
é uma mistura complexa de substâncias amorfas
coloidais.

22
Organismos...

 A ação da macrofauna na diferenciação dos


horizontes decorre da quantidade de material
orgânico adicionado ao solo, que varia
conforme a espécie vegetal. A macroflora
protege os solos dos efeitos erosivos.

23
Organismos...
 A macrofauna (tatu, minhoca, cupim e
formiga, principalmente) age no perfil de solo
devido à ação escavadora, criando galerias
no solo e, em conseqüência aumentando a
circulação de ar.
 Finalmente, o homem pode agir sobre alguns
atributos do solo através de certas práticas
de manejo, tais como: a drenagem, calagem,
gessagem, adubação e uso de herbicidas.

24
Tempo

 O tempo é o fator de formação que define o


quanto a ação do clima e dos organismos
ocorreram sobre o material de origem, em
um determinado tipo de relevo. Todas as
propriedades morfológicas requerem tempo
para se manifestarem no perfil do solo.
 O solo pode ser considerado maduro quando
os horizontes já estão bem desenvolvidos.

25
TEMPO

A
A
A E

Bi BT
ROCH
A
ROCH
A

C
ROCH
A
ROCH
A
Rocha recém Solo jovem Solo intermediário - Solo maduro - bem
exposta raso pouco desenvolvido desenvolvido

26
Tipos de Intemperismo
• Intemperismo físico
• Intemperismo químico

27
Intemperismo Físico

 Processos de intemperismo físico:


 Variação de temperatura
 Alívio de pressão
 Crescimento de cristais
 Hidratação dos minerais
 Processos físico-biológico

28
Variação da temperatura

 Processo de aquecimento e
resfriamento da rocha.
 Coeficientes de dilatação diferenciados
dos minerais.
 Diaclasamento

29
Alívio de Pressão

 Erosão e remoção de camadas sobrepostas.


 Em aberturas de túneis, galerias e taludes.
 Rochas são basicamente elásticas, sofrem
deformação. (s=E.e)
 Deformação será proporcional a carga.
 Fraturas paralelas a superfície.

30
31
Crescimento de cristais e
congelamento

 Cristalização de sais e congelamento


 Os sais em solução penetram nas fissuras e
poros da rocha.
 Regiões marinhas e poluídas.
 Ensaio de sanidade (Sulfato de Na ou Mg).

32
33
Hidratação de cristais

 Cristais expansivos que aumentam de


volume devido a hidratação, originando
tensões internas (80kgf/cm2)
 Basaltos alterados possuem esmectitas que
se expandem quando hidratados.
 Primeira etapa do intemperismo químico.

34
Processos físico-biológicos
 Raízes de árvores
penetram nas
fissuras e alargam
ou trituram as
paredes rochosas.
 Atividades de
formigas, minhocas
e roedores tornam o
solo mais
permeável.

35
36
37
Intemperismo Químico
 Grau de fragmentação da rocha
 Processos de intemperismo químico:
 Oxidação e redução
 Hidrólise
 Dissolução
 Intemperismo químico-biológico

38
Resultado do Intemperismo
químico nas rochas ígneas

39
Oxidação e Redução
 Oxidação é o processo de
intemperismo químico mais
importante.
 Solo avermelhados
 A redução é a extração de íons
oxigênio dos minerais. Dando
origem a óxidos ferrosos
hidratados.

40
Diagrama Eh-pH
para o Ferro.
Conforme o pH e
Eh do ambiente o
ferro pode
precipitar como
Fe+3 ou dissolver
como Fe+2

41
Hidratação e Hidrólise
 Hidrólise é responsável pela quebra da
estrutura química do mineral.
 Dissociação da água em H+ e OH-, que
atacam os minerais.
 Ocorre a transformação para argilo-minerais

42
Dissolução

 É a dissolução de substâncias e minerais


componentes das rochas (lixiviação).
 Essa solução pode precipitar em outro
ambiente.

43
SOLO SUPERFICIAL ORGÂNICO
SOLO RESIDUAL MADURO Solos
ROCHA ALTERADA

ROCHA FRATURADA
Influência do tipo de solo na engenharia civil
Composição dos Solos
Composição em termos
granulométricos
Pedregulhos
Areia
Silte
Argila (argilo-minerais)
Matéria Orgânica
Composição do Solo
 Fragmentos de rocha
 Minerais primários
 Minerais secundários:
 Argilo-minerias
 Silicatos
 Óxidos e hidróxidos de ferro e
alumínio
 Carbonatos
 Colóides
 Matéria-orgânica e húmus
ABNT/NBR 6502/95
 Bloco de rocha – com diâmetro superior a 1,0 m.
 Matacão – uma dimensão entre 200 mm e 1,0 m.
 Seixo – 60 a 200 mm
 Pedregulho – diâmetro entre 2,0 e 60,0 mm. Divide-se quanto
ao diâmetro em: pedregulho fino – (2 a 6 mm), pedregulho
médio (6 a 20 mm) e pedregulho grosso (20 a 60 mm).
 Areia – diâmetros entre 0,06 mm e 2,0 mm. As areias de
acordo com o diâmetro classificam-se em: areia fina (0,06 mm
a 0,2 mm), areia média (0,2 mm a 0,6 mm) e areia grossa (0,6
mm a 2,0 mm).
 Silte – diâmetros entre 0,002 mm e 0,06 mm.
 Argila – partículas com dimensões menores que 0,002 mm.
Fração granulométrica
Pedregulhos e Areias
 Constituídos de minerais resistentes ao
intemperismo (quartzo, turmalina, ilmenita),
parcialmente intemperizados (feldspatos (K),
micas e ferrosos) e fragmentos de rocha.
 Ferrosos: hematita, magnetita, limonita e goetita
 Dependendo do grau de alteração dos
fragmentos a resistência mecânica do solo
pode variar
Fração argila

 Fração do solo com partículas inferior a 0.002mm


(2mm)
 Formado por substâncias inorgânicas e orgânicas
 argilo-minerais, outros minerais não argilosos (hidróxidos
de Fe e Al, quartzo, mica, feldspatos, calcita)
 húmus e microorganismos
 Adquiri plasticidade em contato com a água
Argilo-minerais
 Silicatos hidratados de alumínio
 Apresentam plasticidade, absorção de água e
troca catiônica
 Tamanho menor 2mm
 Os argilo-minerais são formados basicamente por
camadas de sílica (SiO2) e hidróxido de alumínio
(Al2(OH)3)
 A camada de sílica une-se a camada de alumina
pela camada de oxigênio e hidroxila
 Os principais grupos dos argilo-minerais
são:
 Caolinitas Al2Si2O5(OH)4
 Ilitas (K, H)Al2(Si, Al)4O10(OH)2 - xH2O
 Montmorilonitas e Esmectitas (Ca, Na, H)(Al,
Mg, Fe, Zn)2(Si, Al)4O10(OH)2 - xH2O
Montmorilonita (esmectita)

 Os argilo-minerais são formados por essas estruturas básicas


empilhadas
 As caolinitas não possuem água em sua estrutura cristalina e são
formadas pelo empilhamento de 6 camadas
 As montmorilonitas são formadas por uma camada de Al2(OH)3 e duas
camadas de sílica
 O alumínio pode ser substituído por Mg ou Fe, que origina um excesso
de valência negativa
 A água penetra com grande facilidade, dando a característica de ser
expansiva e ter alta plasticidade
 As ilitas possuem a mesma estrutura da montmorilonita, mas a
sílica pode ser substituída parcialmente por alumínio
 As ilitas absorvem cátions (K+) para neutralizar sua carga
negativa, devido a substituição da sílica por alumina
 Não permitir a absorção de água (não expansiva).
 As ilitas tem propriedades semelhantes a caolinita, não são
expansivas, baixa plasticidade e difícil dispersão
Tipos de Solos

 Solos residuais
 Solos transportados

 Solos orgânicos e turfas


Solo Transportado
Solos Residuais:
São solos formados a partir da de-

Solo
composição das rochas pelo intem-
perismo e que permanecem no lo-
Solo Residual cal onde foram formados, sem so-
frer qualquer tipo de transporte.

Substrato rochoso
Solos Transportados:
São solos que sofreram transporte
por agentes geológicos do local on-
de foram depositado, não tendo
ainda sofrido consolidação.

Solos Orgânicos:
Solo Transportado
São solos constituídos por compos-
tos orgânicos, originados pela pro-
gressiva acumulação de detritos
vegetais, em ambientes palustres.
Substrato rochoso
Engenharia
Solo Superficial

Solo para
Solo Residual

Rocha alterada

Substrato
Substrato Rochoso:

Rochoso
Pode ser dividido ou não em ro-
Rocha sã cha alterada e rocha sã.Na altera-
da apresenta minerais descolori-
dos, devido ao início do processo
de alteração, sendo este mais pro-
nunciado ao longo de juntas e fra-
turas. Já na rocha sã ,os minerais
apresentam-se com brilho, poden-
do haver ,indícios do início desta
ao longo de juntas e fraturas.
Solo Superficial
Solo

Solo Transportado

Solo Residual

Substrato Rochoso
Formação do solo residual
Intemperismo dos blocos
granito (matacão)
Fatores que influenciam na formação
do solo residual

 Clima
 Rocha matriz
 Topografia
 Tempo
 Atividade vegetal, animal e humana
Perfil de Solo Residual

Aterro

Horiz.A: solo superficial orgânico:


Camada constituída de matéria orgâ-
nica.

Horiz.B: solo residual maduro:


Camada superficial,constituída por mi-
nerais secundários ou transportados.

Horiz.C: solo residual jovem:


Camada que ainda guarda caracterís-
cas herdadas da rocha de origem.

Rocha alterada
Em regiões com declividade

Ho
ri z
o nt
e
A

Ho Ho
ri z ri z
o nt o
e nt
C e
A

Rocha Rocha
(saprolito) (saprolito)
Diques e Veios
Estruturas dobradas
Basalto
Basalto
Arenito
Granito
Até a próxima aula

73