Você está na página 1de 30

Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em
Confiabilidade - MCC

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Definição de Confiabilidade:

“A medida da habilidade de um produto operar com


sucesso, quando solicitado, por um período de tempo
pré-determinado, e sob condições de utilização e
ambientais específicas. É medida como uma
probabilidade”.
(European Organization for Quality Control, 1965)

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em Confiabilidade


Objetivos:
Garantir a manutenção dos níveis de segurança e
confiabilidade de um equipamento;
Restaurar a segurança, a confiabilidade e a capacidade
de um equipamento quando um desempenho
insatisfatório do mesmo é atingido;
Organizar um banco de dados com informações
suficientes que permitam a melhoria do desempenho de
um equipamento através de re-projeto;
Atingir estes objetivos com o menor custo possível.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em Confiabilidade

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em Confiabilidade

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em Confiabilidade

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em Confiabilidade

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Manutenção Centrada em Confiabilidade

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Comportamento

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

O que medir?

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

TMEF – Tempo médio entre falhas (MTBF)


Média aritmética dos tempos desde a entrada em
funcionamento até a falha.

Aponta-se como tempo de funcionamento todos os


tempos de máquina funcionando, não importando o
motivo de funcionamento.

Serve para determinar a media de funcionamento


de cada item não reparável ou descartável entre falha
e próxima falha.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

TMEF – Tempo médio entre falhas (MTBF)

T1  T2  T3 ....Tn
TMEF 
N

Jefferson Luis C. Salles


Exemplo Gestão da Manutenção

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

TEMPO MÉDIO PARA REPARO - TMPR

A média aritmética dos tempos de reparo de um sistema, de um


equipamento ou de um item.

Este item aponta a média dos tempos que a equipe de


manutenção leva para repor a máquina em condição de operar
desde a falha até o reparo ser dado como concluído e a máquina
ser aceita como em condição de operar.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

TEMPO MÉDIO PARA REPARO - TMPR

R1  R2  R3 ....RN
TMPR 
N

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção
EXEMPLO

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

DISPONIBILIDADE
Probabilidade do sistema estar operacional no
instante t (disponível para o trabalho útil)
Alternância entre períodos de funcionamento e de
reparo

A disponibilidade é função da confiabilidade e da manutenibilidade.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

DISPONIBILIDADE
TMEF
A(t ) 
TMEF  TMPR

TMEF – Tempo médio entre falhas (MTBF)


TMPR -- Tempo Médio Para Reparo (MTTR)

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

DISPONIBILIDADE
Uma máquina trabalhou 3.000 horas e
teve dois atendimentos preventivos de 30
horas cada e mais um atendimento corretivo
com 15 horas. Determine a disponibilidade
deste equipamento.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

TAXAS DE FALHAS
A taxa de falhas permite que se saiba a razão de variação com qual um componente ou
uma máquina falha, em relação a uma outra variável, normalmente o tempo.
Permite uma variação rápida da taxa de Falhas de um equipamento ao longo da
variável considerada, sem colocar grandes cálculos estáticos.

Número.de.Falhas

Tempo.Total.de.Operações

Número.de.Falhas

Quant . produzida
Jefferson Luis C. Salles
Gestão da Manutenção

TAXAS DE FALHAS

1

TMEF

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

A Confiabilidade, definida em função da Taxa de Falha (λ), pode ser


escrita em uma expressão exponencial (lei exponencial) da seguinte forma:

R(t) = confiabilidade a qualquer tempo t.


e = base dos logaritmos neperianos (e = 2,303)
λ = taxa de falhas (numero total de falhas por período de operação)
T = tempo previsto de operações

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Confiabilidade
É a probabilidade de que um equipamento, célula de produção, planta ou qualquer
sistema funcionar normalmente em condições de projeto, por um determinado período
de tempo estabelecido.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Mortalidade Infantil (falha prematura) - caracterizada pelas elevadas taxas de


falhas no início da utilização, diminuindo rapidamente com o tempo. Causas:

deficiências de projeto;

componentes fracos e mal fabricados;

erros de operação e outras causas.

** Pode ser reduzida através da utilização de testes planejados, antes da liberação


final do equipamento.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Vida útil (falha constante) - neste período as falhas resultam de


limitações inerentes de projeto mais os acidentes causados por
operação ou manutenção inadequadas.
** As falhas podem ser evitadas pela atuação correta da
operação e manutenção dos equipamentos
Fase Final ou envelhecimento (desgaste acelerado) - são falhas que ocorrem em
função da própria idade dos componentes do equipamento.

A Taxa de Falha (λ) aumenta progressivamente, colocando em risco a segurança


e a produção;

Os custos crescentes de manutenção e as perdas de produção podem definir o


fim da vida útil;

Conhecendo-se bem o início do envelhecimento é possível substituir


componentes (sistema volta à vida útil).

Com a evolução tecnológica o equipamento pode tornar-se obsoleto.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

MANTENABILIDADE OU MANUTENIBILIDADE
A mantenabilidade, do inglês Maintainability, pode ser conceituada com sendo
a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor
grau de facilidade na execução dos serviços de manutenção.
 t
M (t ) 1  e
M(t) = é a função manutenibilidade, que representa a probabilidade de que o reparo
comece no tempo t=0 e esteja concluído no tempo t (probabilidade da duração do
reparo).
e = base de logaritmo neperiano. μ = taxa de reparos
t = tempo previsto para o reparo. numero.de.reparos.efetuados

tempo.total.de.reparo.da.unidade

Confiabilidade é a chance do evento “falha” não ocorrer enquanto mantenabilidade é


a chance do evento “reparo” ocorrer e de se obter o evento “reparo concluído”.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

MCC - CONSIDERAÇÕES
Na manutenção centrada em confiabilidade,
determina-se o que deve ser feito para assegurar que
um equipamento continue a cumprir suas funções no
seu contexto operacional.

A ênfase é determinar as práticas de manutenção


necessárias para manter o sistema funcionando, ao
invés de tentar restaurar o equipamento a uma
condição ideal. Para tanto deve-se definir quais são os
itens críticos de um equipamento, sob o ponto de vista
da consequência da falha dos mesmos sobre a
operacionalidade do equipamento..
Jefferson Luis C. Salles
Gestão da Manutenção

MCC - CONSIDERAÇÕES
Uma das premissas básicas da manutenção
centrada em confiabilidade é a existência de de
uma relação causa-efeito entre a prática de
manutenção e a confiabilidade do equipamento
(operacional e segurança).

Esta premissa é intuitiva, uma vez que,


considerando-se o envelhecimento (ou
desgaste) de componentes mecânicos, a
confiabilidade do equipamento estará
relacionada com a vida operacional do mesmo.

Jefferson Luis C. Salles


Gestão da Manutenção

Etapas de Execução da MCC


A aplicação da Manutenção Centrada em
Confiabilidade envolve a análise das
seguintes questões básicas:
o Como ocorre a falha;
o Quais são suas consequências;
o Qual seria a ação de manutenção mais adequada
para prevenir a ocorrência da falha.

Jefferson Luis C. Salles