Aspectos Históricos e Sociais da Saúde Coletiva no Brasil

Criação das duas primeiras escolas de medicina no país: Colégio Médico . e. . haviam somente 4 médicos. malária. no Rio de Janeiro. àqueles que por conhecimentos empíricos (pajé e boticários) desenvolviam suas habilidades na arte de curar. As únicas formas de assistência à saúde. Em 1789. limitavam-se aos próprios recursos da terra (ervas e plantas). Principais doenças da época: varíola. Principal justificativa das doenças: ´Miasmasµ. Atenções voltadas somente para a cura de agravos à saúde.Saúde: ´Estado de não doençaµ.Cirúrgico (BA) e Escola de Cirurgia do Rio de Janeiro. febre amarela e peste bubônica.

A morte Cólera .

A morte .

Passado Saúde: ausência de doença (aspecto físico) Ênfase somente. prevenção/proteção e reabilitação Descentralização para as demais esferas de governo (federal. mental e psicossocial Ênfase nos três níveis de atenção à saúde: promoção. estadual e municipal) Gestão centralizada (Ministério da Saúde) Gestão centralizada (Ministério da Saúde) . às ações curativas e necessárias para a reabilitação Gestão centralizada (Ministério da Saúde) Gestão centralizada (Ministério da Saúde) Gestão centralizada (Ministério da Saúde) Presente Saúde: completo bem estar físico.

mental e psicossocial Ênfase nos três níveis de atenção à saúde: promoção. prevenção/proteção e reabilitação Descentralização para as demais esferas de governo (federal. estadual e municipal) Gestão centralizada (Ministério da Saúde) .Época Século XVI No mundo Saúde: ausência de doença (aspecto físico) No Brasil Saúde: completo bem estar físico.

gov.pdf http://www.http://bvsms.br/bvs/publicacoes/sus_principios .sofi.com.br/conteudo/diretizes-e-princípios-dosus .saude.

estaduais ou municipais. .O que é? o O Sistema Único de Saúde é formado pelo conjunto de ações e serviços de saúde prestados por órgãos ou instituições federais.

100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fundo-a-fundo Rem. De serviços .

Princípios o UNIVERSALIDADE o INTEGRALIDADE o EQUIDADE Diretrizes o DESCENTRALIZAÇÃO o HIERARQUIZAÇÃO o PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA .

EQUIDADE . independentemente de sexo. ocupação. .o acesso às ações e serviços deve ser garantido a todas as pessoas.é um princípio de justiça social que garante a igualdade da assistência à saúde. raça. ou outras características sociais ou pessoais.significa considerar a pessoa como um todo. INTEGRALIDADE . sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie .UNIVERSALIDADE . renda. sendo dever do Poder Público a provisão de serviços e de ações que garantam tal princípio. devendo as ações de saúde procurar atender à todas as suas necessidades. A rede de serviços deve estar atenta às necessidades reais da população a ser atendida.

HIERARQUIZAÇÃO ² é um conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos. . buscando um maior compromisso dos mesmos na solução dos problemas de saúde da população de sua responsabilidade.compreendida como a redistribuição de responsabilidades em toda a rede de serviços.DESCENTRALIZAÇÃO . em todas as esferas de governo (municipal.significa considerar a pessoa como um todo. exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema. estadual e federal). individuais e coletivos. INTEGRALIDADE . devendo as ações de saúde procurar atender à todas as suas necessidades.

6. Brasília. ed. (Cadernos de saúde. 1998. Francisco E. BRASIL. Planejamento e gestão em saúde. TONON. Maria C. Diário oficial da união de 15/05/97. de 15 de maio de 1997. Legislação Básica do SUS. . (Cadernos de saúde.1. de estados e do distrito federal as condições de gestão criadas pela NOB SUS 01/96. 2) CAMPOS. Manoel Maurício. OLIVEIRA. DONNANGELO. Mozart.. 174 p. Pioneira: São Paulo. Instrução normativa número 01/97. 4. 178 p. 161 p. 1998. OLIVEIRA. 3) COSTA. CAMPOS. 3. Rio de Janeiro: Graal. ALBUQUERQUE. TONON. Regulamenta os conteúdos.. 1981. Lidia M. 1998. 2. Mozart. Francisco E. Nilson Rosário. 5. Medicina e sociedade: o médico e seu mercado de trabalho. São Paulo: Hucitec. 1975. Lidia M. Belo Horizonte: Coopmed. 728 p. Pequena história da formação social brasileira.. F. Belo Horizonte: Coopmed. 102 p. Políticas públicas: justiça distributiva e inovação. instrumentos e fluxos do processo de habilitação de municípios.

3. Florianópolis. Previdência social no Brasil.7. Reinaldo. um instrumento a serviço do poder. Graal. 9. LEITE. Madel F. 295 p. UFSC. Cadernos do curso de pós-graduação em administração. Administração de saúde no Brasil. 1981. Rio de Janeiro. p. 1979. Graal. São Paulo: Pioneira. Planejamento Governamental. cap. Celso C. . 11. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Graal. Maria J. 12. MENEZES. 10. Luiz F. POSSAS. A crise da Previdência social. In: GONÇALVES. Rio de Janeiro: Zahar. 163197. 8. GUIMARÃES. Saúde e trabalho ² a crise da previdência social. 324 p. Ernesto L. 1988. 1981. 72 p. LUZ. NICZ. Cristina A. 225 p. As instituições médicas no Brasil: instituição e estratégia de hegemonia. Saúde e Medicina no Brasil: contribuições para um debate. 1974. 1979.

13. Sônia M. F. de Araújo & TEIXEIRA. (Im)previdência social: 60 anos de história da Previdência no Brasil. . Jaime A. 360 p. OLIVEIRA. Teixeira. Petropólis: Vozes. 1985.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful