Você está na página 1de 8

sintaxe,semntica e pragmtica

Cabe a Charles Morris este mrito. Decorre do processo semisico.

Os campos da semitica:

A semiose o processo em que algo funciona como um signo

A anlise deste processo apura quatro fatores: o veculo sgnico, aquilo que atua como um signo; o designatum, aquilo a que o signo se refere; o interpretante, o efeito sobre algum em virtude do qual a coisa em questo um signo para este algum; o interpretante, o algum.

Formalmente:

S um signo de D para I na medida em que I se d conta de D em virtude da presena de S. Assim, a semiose o processo em que algum se d conta de uma coisa mediante uma terceira. Os mediadores so os veculos sgnicos, os dar-se conta so os interpretantes, os agentes do processo so os intrpretes.

Portanto...

A semitica no estuda quaisquer objetos especficos, mas todos os objetos desde que participem num processo de semiose. A semiose tridimensional. Ela contempla sempre um veculo sgnico, um designatum e um interprete. Desta relao tridica podemos extrair diferentes relaes:

Relaes

As primeiras relaes cabem na dimenso semntica da semiose e as ltimas na dimenso pragmtica. A estas duas relaes acrescenta-se necessariamente, a dimenso sinttica da semiose que contempla as relaes dos signos entre si.

Termos para designar as relaes

Implica um termo sinttico Designa e denota um termo semntico Expressa um termo pragmtico A palavra mesa implica(mas no designa) a sua definio moblia com um tampo horizontal em que podem ser colocadas coisas,denota os objetos a que se aplica e expressa o pensamento do seu utilizador.

Todos signos so assim? No!


H signos que se reduzem funo de implicao e, por conseguinte, a sua dimenso semntica nula: ex.signos matemticos H signos que se centram na denotao: ex. - estrela H signos que no tem interpretes. Ex. - lnguas mortas e portanto no tem pragmtica

Resultado:

A diviso da semitica em sintaxe, semntica e pragmtica, decorre da anlise do processo semisico em que uma coisa se torna para algum signo de uma outra coisa. Ou seja, quando alguma coisa representa outro coisa, uma imagem psquica.