P. 1
Alienacao Ideologias e Mitos Da Atualidade

Alienacao Ideologias e Mitos Da Atualidade

5.0

|Views: 13.125|Likes:
Publicado porRodrigo Cirino

More info:

Published by: Rodrigo Cirino on May 31, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/04/2013

pdf

text

original

ALIENAÇÃO, IDEO LOGIA E MITOS NA ATUALIDADE.

TRABALHO DE GRADUAÇ ÃO DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIA E SOCIEDADE

RODRIGO CIRINO DE ANDRADE CELSO WOLSKI VA G N E R V E N G U E B R U N O G U I L H E R M E A N D R E T TA D E M I R A N D A EMERSON SHIGUEO SUGIMOTO FERNANDO HIROSHI SUEMITSU

CURITIBA 2009

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO..................................................................................................... 4 2. CAPÍTULO 1: ALIENAÇÃO............................................................................... 5 3. CAPÍTULO 2: IDEOLOGIA................................................................................ 10 4. CAPÍTULO 3: MITOS NA ATUALIDADE........................................................ 12 5. CONCLUSÃO....................................................................................................... 16

INTRODUÇÃO

A alienação possui vários significados, contudo o mais comum é a ausência de bens: materiais ou espirituais. Na Idade Média a religião alienava as pessoas com uma doutrina rígida no qual quem detinha um pensamento diferente o da igreja era amaldiçoado a ficar eternamente no inferno. Com o avanço da técnica e do cientificismo, a humanidade alienou-se a indústria, cuja classe do proletariado foi manipulada a ficar horas em serviço e com pouco tempo de lazer para garantir o bem-estar de seus patrões. Posterior mente, com a tecnologia da mí dia ficou mais fácil para a classe dominante alienar a “massa”, utilizando agora do rádio, da televisão e do cinema para produzir entretenimento e conduzir o povo a construir os desejos dos dominantes. Ideologia é um conjunto de idéias de um indivíduo ou grupo, que tem relação com a política. Ela também é um método de controle usado pela classe dominante. Na história da humanidade houve ideologias que mudaram conceitos que perduraram por séculos e outros que duram até hoje. Antigamente, os mitos tinha como significado a explicação dos fenômenos naturais, hoje utiliza da palavra mito para referir-se, de for ma pejorativa, às crenças comuns. Mas ainda há um pouco do pri meiro significado nas histórias infantis e em revistas em quadrinhos, que visam ter uma função pedagógica e de implantar desde criança as idéias de sua sociedade e a conduta ao qual elas devem s e g u i r.

A L I E N A Ç Ã O , I D E O L O G I A E M I T O S N A AT U A L I D A D E .

A ALIENAÇÃO

A definição da palavra alienação é ampla: podendo significar ausência de bens, transferência de propriedade, desligamento da realidade, ou ainda perda de personalidade. Ou seja, significa a perda de bens sejam eles materiais, físicos, mentais, emocionais, culturais, sociais, políticos ou econômicos. O mito é uma das fontes da alienação. A religião, por exemplo, causa a li e n a ç ã o de v i d a a “v e r d a d e ” q ue a c i ê nc i a n ã o p o de r e s p o n d er, o u t r or a , n o p a s s a d o a i n s t i t u i ç ã o r e l i g i o s a , d e t e n t o r a d o s a b e r, o g u a r d a p a r a s i , n a f o r m a d e textos em Lati m, língua secreta para a maioria (exceto para os “iniciados”), como for ma de dominação sobre a massa, que alienada segue “religiosamente” sobre o cabresto e domínio da instituição, contestá-la seria o mesmo que contestar ao próprio Deus, Criador Onipresente, que tudo sabe e tudo vê (aqui sem referências à fé de cada um, mais à i magem que a instituição tomou para si), mito criado pela instituição, não segui-la significa ser “exco mungado” e passar uma eternidade num lugar terrível e com os mais terríveis pesadelos. Quando o mito torna-se esclareci mento, a natureza (e a i magem de Deus) perde força, e o poder do esclareci mento concedido ao home m causa a alienação do próprio. Afinal o esclareci mento é uma ferramenta de manipulação que transfor ma o ser (por incorporá-la) em uma i magem dessa mes ma ferramenta. O dominante acaba sendo dominado por seu próprio instrumento, perdendo assi m sua personalidade, alienando-se. U ma vez que a ciência, dona de toda verdade, não se per mite estar errada. E sendo verdade não pode ser contestada, assi m mes mo a distorção revestida de preceitos da ciência, é tida como verdade, tornando-se assim um instrumento de manipulação, molda-se à medida da necessidade da manipulação. Q u a n d o a l g o p a r e c e c e r t o , o u t r a s c o i s a s p e r d e m o v a l o r. U m e x e m p l o d i s s o é a produção: U ma pessoa produz vegetais de certa maneira e, com isso, obtém um ótimo resultado, outras pessoas ao perceberem isto, acabam copiando o processo sem levar em conta ser as suas diferenças. é rui m. Isso causou que certas o pessoas acreditassem que diferente Padronizando também individuo,

tornando-o um ser que não pensa por si mesmo, por estar preso por conceitos prédefinidos. E quando a admiração passa a ser alienação, isso começa a afetar os sistemas produtivos, que deixam de fabricar produtos personalizados, para a produção de produtos padronizados com a “vantagem” de serem baratos. O ideal burguês trouxe essa linha de pensamento com ele. Uma vez que q u a n t o m e n o r o c u s t o , m a i o r o l u c r o e a s v e n d a s : “ To d o s v ã o q u e r e r u m ( p r o d u t o ) igual”. Causando assim a alienação do trabalhador: que vive em uma rotina faz t u d o s e m p r e i g u a l e q u a s e n u n c a t e m u m m o m e n t o d e l a z e r, s o b a d o m i n a ç ã o f a b r i l , m u i t a s v e z e s o t r a b a l h a d o r d e s c o n h e c e o q u e é l a z e r, c o n h e c e a p e n a s o entreteni mento i mposto pelo sistema, até o mo mento que ele deveria dedicar ao l a z e r é d e d i c a d o a o e n t r e t e n i m e n t o , m e s m o e m b u s c a d o l a z e r, o q u e e l e e n c o n t r a é apenas o entretenimento, manipulado torna-se um momento espelhado no trabalho, acondiciona-se o ser humano à apenas um objetivo, à produção, à e f i c i ê n c i a n o p r o d u z i r, a i n d i v i d u a l i d a d e s e d e t u r p a e s e t o r n a e m u m a p s e u d o individualidade, o homem unidi mensional, instrumentalizado pela razão incapaz de realizar qualquer pensamento crítico, segundo Marcuse. Diferente do escravo, o trabalhador proletário é confinado no seu trabalho, é escravizado no mais í n t i m o d o s e u s e r, r o b o t i z a d o , n ã o c o m g r i l h õ e s m a i s d e f o r m a à r e t i r a r s u a reflexão, seu pensamento crítico. Pois se ficar desempregado deixará de ter a p o u c a a u t o n o m i a q u e p o s s u í . To r n a - s e u m o u t r o t i p o d e e s c r a v o : e s c r a v o d o tempo, do rit mo de trabalho, do estudo e do dinheiro. Acaba trabalhando para o dinheiro e não o contrário torna-se instrumento do sistema. Alienando o trabalhador de sua humanidade. Fazendo com que o ócio (antes visto pelos romanos com uma necessidade humana) se tornasse algo prejudicial mal visto pela sociedade, enquanto o trabalho (que era considerado um castigo) algo positivo, gravam- se os valores de dominação de diversas for mas no home m instrumentalizando-o. Segundo Marx, surgiu então à alienação da sociedade burguesa: fetichismo, ou seja, idolatrar certos objetos. O importante não é mais ser e também não é o senti mento, a consciência, o pensamento. Sendo o dinheiro o maior fetiche desta cultura, que acredita que com dinheiro se tem tudo. S e g u i n d o Ho r k h e i me r, e s s a i n v er s ã o de v al o r e s ( o h o me m de i x a d e se r fi m p ar a ser meio do processo de produção, perdendo seu espaço para o dinheiro e para as maquinas: mais vale uma máquina funcionando do que um empregado contratado), p r o d u ç ã o e m s é r i e , e f i c i ê n c i a , p r o d u z i r, p r o d u z i r e p r o d u z i r, s ã o o s o b j e t i v o s d o sistema, o home m torna-se máquina. Deturpa-se a cultura, onde o ser não possui importância, apenas o ter é valorizado, sociedade de cultura moldada e forjada ao consumismo, “ter é poder”,

nos meios de entreteni mento o que se vê são bens materiais, carros, mansões e diversos bens de consumo, o trabalhador diante desta universalidade manipulada se vê marginalizado, excluí-se o trabalhador e se magnífica o sistema, as sociedades dominantes, a idéia passada é de que por um acaso do destino ou pela sorte alguns são privilegiados e acertaram na loteria, estes sim são os escolhidos a ter uma vida farta e de prazeres, o trabalhador acostuma-se com o sistema e com a vida que lhe é i mposta, as idéias passadas pelos dominantes acondicionam o trabalhador a “abaixar a cabeça” e aceitar sua vida miserável, a cumprir com o seu “dever” e “obrigação” de servir aos interesses da sociedade dominante, exatamente como quer o sistema, exi mir-se de toda a culpa, mascarar a verdade, q u e s e u s u c e s s o e s e u s f r u t o s c o l h i d o s v e m d o s u o r d o t r a b a l h a d o r. O processo industrial causa uma alienação do trabalhador que (após o fordismo) só conhece sua parte do serviço. E deixa de ter o conheci mento necessário para fazer seu próprio negócio, não conhece o todo, não sabe o que esta fazendo (alienado), produz para o dono da empresa, mais nunca terá acesso a o p r o d u t o f e i t o p e l o s e u s u o r, t o r n a n d o - s e a i n d a m a i s d e p e n d e n t e e f a c i l m e n t e dominado: Alienado do saber técnico. “Robotizado” e “automatizado”, desempenha a mes ma função repetidamente, não sabe o que sua tarefa isolada esta fazendo, qual será o fi m que a sua parte terá, nem a di mensão do seu trabalho. A humanidade se constrói com a cultura, pois o idealismo norteia os valores. Mas o que é cultura? Cultura é tudo aquilo que o homem interage, modifica, é a “liga” o cimento que une as pessoas. A cultura engloba assim diversas áreas: crenças, costumes, códigos, ferramentas, arte, religião e até mesmo a ciência. Ou seja, tudo que envolve o ser humano: seus costumes. E é base para um grupo de pessoas que vivem em grupos, todos são cultos. E assim com a indústria cultural, nasce assim o entretenimento: mais barato q u e o l a z e r, o r a o l a z e r n ã o p o d e s e r i n d u s t r i a l i z a d o o e n t r e t e n i m e n t o s i m . A q u i l o que agradaria um agora tem que agradar todos, a indústria cultural baseia-se no que agrada a maioria, o entreteni mento é industrializado, padronizado, para gerar única e exclusivamente o lucro, e quem não concordar está fora de moda, arcaico, velho, é discri minado, marginalizado. Para não tornar-se um alienado social, muitos acabam consumindo esse passatempo, segue a moda e a corrente, o entretenimento não passa de um passatempo. Com isso desenvolve-se a cultura de massa, que cria uma falsa i mage m de individualidade, uma pseudoindividualidade, já que é universal. U ma for ma de cultura criada para bitolar o individuo com conteúdos descontraídos, não comprometedores e não reflexivos, que não causam o estranhamento. Músicas com ritmo sem conteúdo (“música ligeira”, Adorno), feitas “sob medida” e que seguem uma receita, filmes que

r o u b a m a i m a g i n a ç ã o . To r n a n d o o h o m e m i n e x p r e s s i v o , s e m o p i n i ã o p r ó p r i a . U m a cultura desenvolvida para o gosto médio da população, por pessoas diferentes daquela que a desenvolveu, não é mais cultura, mais produto. Dirigida por modismos como diversão e passatempo. Com sua “confiabilidade” domina as pessoas. A indústria cinematográfica se esforça em criar uma realidade dentro dos seus fil mes, quanto mais real for fil me, mais fácil o consumidor irá “engolir” os preceitos passados na película, mesmo que o espectador discorde dos valores d e t u r p a d o s p a s s a d o s e l e n ã o t e r á c o m o d i s c o r d a r, p o i s e s t a à f r e n t e d e u m a máquina, um projetor cinematográfico, e não diante de uma pessoa com quem p o s s a d i s c ut ir e r ef l et i r s o b r e a s i d éi a s p a s s a d as , n ã o te m c o mo re f u t ar, o processo de reflexão e crítica não existe, não existe um cresci mento pessoal, mesmo que discorde do que lhe é apresentado se não quiser perder a lógica do filme, que passa velozmente assim no rit mo a do filme, aceitar terá tudo que que ignorá-los, é i mposto, interiorizando-os, acostuma-se massa

s u b c o n s c i e n t e m e n t e o s v a l o r e s s ã o p a s s a d o s a o e s p e c t a d o r, s e m e l h a n t e a t e l e v i s ã o e o rádio, transfor mado à todos em passivos. Entreteni mento se difere de lazer por visar o prazer e o bem estar humano. U m resgate a humanidade retirada pelos tipos de alienação. O lazer é um tempo no qual a pessoa se descobre, produz arte, se expressa, desenvolve um pensamento crítico e reflexivo sobre as coisas, “visa o prazer pessoal como um f i m e m s i ” ( A r a n h a , M . L . A . , M a r t i n s , M . H . P. – Te m a s d e F i l o s o f i a ) .

IDEOLOGIA

Ideologia foi definida por Marx como uma “teoria geral das idéias”, utilizada com o fi m de defor mar a realidade. Ou seja, um conjunto de idéias produzida por classes domi nantes para dominar mais ainda o resto da sociedade, manter os ricos onde no poder e a sociedade sobre seu domínio. Cria uma falsa consciência, voltada no interesse da classe dominante (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ideologia). Existem diversos tipos de ideologias e essas usam como meio de propagação os meios de comunicação, as instituições de ensino, as igrejas, as entidades assistencialistas entre outras. A ideologia é uma ordem que quando todos estão de acordo com ela ninguém a questiona e ela esta lado a lado com os processos de alienação. A ideologia suprime uma pessoa de seus conceitos e idéias próprias, segue dominada pela ideologia do sistema. A ideologia muitas vezes confunde-se com a religião, mesmo que ambas tenham como ideal ser um sistema que visa transmitir uma doutrina de conduta e de verdade a seus seguidores elas se diferem em seus métodos de persuasão. A religião defende uma idéia de sociedade justa, uma sociedade que convive em ajuda mút ua, ou seja, viver har moniosamente em comunidade, porém não possui uma relação com política ou econômica de um país, o método de convencimento é feito pelo uso da fé e do culto no qual o indivíduo busca na espiritualidade a redenção do espírito e da sua purificação. Já a ideologia tem como base o convenci mento de um indivíduo, um grupo, ou até mes mo uma nação pelo uso legíti mo da razão ( mes mo que de for ma falsa) para valorizar suas idéias. No século XV a religião aproximou-se muito da ideologia, quando surgiu a idéia proferida por Girolamo Savoranola na qual inspirou os movi mentos de reforma religiosa com o desenvolvimento do calvinismo e as comunidades puritanas e com a relutância da igreja católica sobre esses novos movi mentos i mpondo uma rígida doutrina: a Contra-Refor ma. As ideologias tiveram um grande vigor no século XX destacando-se: Ideologia anarquista – defende a liberdade e a eliminação do estado e de s u a s f o r m a s d e p o d e r. I d e o l o g i a c o n s e r v a d o r a – Vi g o r a a i d é i a d e m a n u t e n ç ã o d e v a l o r e s e costumes de uma sociedade. No Brasil, essa idéia procura valorizar o paternalismo herdado na época da colônia.

Ideologia nacionalista – tem a visão de exaltar e valorizar o seu próprio país, promovendo a cultura nacional e os seus valores, nor mal mente essa i d e o l o g i a é u t i l i z a d a p a r a u n i f i c a r a n a ç ã o , u m e x e m p l o s e r á c i t a d o a s e g u i r. Ideologia fascista - Surgida por volta da década de 30 na Alemanha que na época vivia uma crise econômica e política necessitava de uma ideologia para evitar um desastroso declínio, adotou essa ideologia que tinha como preceitos um caráter nacionalista extremista, que utilizou do autoritarismo para unificar a população. Essas idéias foram adotadas também por outros países europeus como a Itália e Portugal. Ideologia comunista – I mplantado na Rússia após a Revolução Russa em 1917, o regi me ideológico baseava-se numa sociedade em que o proletariado tivesse o controle sobre os meios de produção, tornando-se assim, uma sociedade com valores igualitários e coletivos. Ideologia democrática – Surgida em Atenas, na Grécia Antiga, tem como ideal a participação de cada cidadão na vida política. Atual mente, essa ideologia é manipulada pela classe dominante que distorce informações para se manter no poder e de forma enganosa, controlar o povo. I d e o l o g i a c a p i t a l i s t a – S u r g i u n a E u r o p a n o s é c u l o X V, c o m a a s c e n s ã o d a b u rg u e si a ao p o d er, t or n o u - s e a p r i nc i p al i de o l o g ia d o mu n d o c o n t e mp o r â ne o . Va l o r i z a o l u c r o e o a c ú m u l o d e r i q u e z a . P r o p o r c i o n a n d o o s u r g i m e n t o d e n o v o s valores na sociedade: tornou o capital como fi m do processo de produção, o setor terciário tornou-se o mais i mportante e o home m busca no trabalho e no dinheiro a realização pessoal.

O M I T O N A AT U A L I D A D E

O mito, apesar de há muito não mais possuir um conceito conciso e unâni me, tradicional mente traduz-se a uma realidade antropológica voltada a questões cosmogônicas e escatológicas, bem como interpretações da própria existência coletiva e individual, particulares a cada cultura e sociedade, referindo-se em seus níveis mais profundos a temas e interesses que transcendem a experiência imediata. Utilizando-se das crenças religiosas e sobrenaturais em suas narrativas, que eram passadas de geração em geração, as culturas arcaicas tinham no mito tanto um agente esclarecedor quanto pedagógico, em que eram retratados humanos, deuses e bestas, heróis e vilões, em tempos que iam daqueles anteriores à gênese do mundo até contemporâneos à existência da própria civilização, ou referentes ao fi m da humanidade, do mundo e dos tempos. Assi m, com a finalidade de esclarecer e justificar toda uma civilização, o mito devia possuir um caráter universal: as personagens humanas e previsíveis segundo as expectativas de cada cultura, representavam a humanidade como um todo, tanto quando retratavam- se heróis quando como quando retratavam- se vilões. Quando politeísta, a sociedade freqüentemente reduzia os deuses míticos a p e r s o n i f i c a ç õ e s m a n i q u e í s t a s d o b e m e d o m a l . Ta l v e z u m a d a s ú n i c a s e x c e ç õ e s seja a mitologia grega antiga, em que os deuses possuíam personalidades que se aproxi mava m das humanas, sendo suscetíveis a fraquezas, anseios e desvios de conduta. Nu ma generalização grosseira, os mitos dos antigos podem ser divididos em dois temas principais: a origem e o desaparecimento. Sobre este, os mitos tratam desde a morte individual até o desapareci mento de todo um povo. Na mi tologia, a morte era raramente citada como fato natural; era um elemento estranho e oposto à criação, justificado em alguns casos como castigo divino (aqui exemplifica-se o dilúvio, história presente em religiões cristãs e anteriores a esta), e em outros como único meio de evitar a superpopulação. Já a respeito daqueles que tratam da origem (os cosmogônicos), é comu m encontrar em vários mitos a figura de um a g e n te cr i a d or, e m q u e é me n c i o n a d o u ma ma t é ri a pr e e x i st e n te , c o mo p o r e x e mp l o os oceanos, o caos (segundo Hesíodo), ou a terra, para algumas mitologias africanas. Neste mesmo tópico, ainda há alguns mitos que tratam de uma criação ‘ ’ e x n i h i l o ’’ , o u s e j a , a p a r t i r d o n a d a ; c r e n ç a e s t a q u e j á r e q u e r a l g u m t i p o d e e l a b o r a ç ã o f i l o s ó f i c a o u r a c i o n a l . Te m o s e n t ã o , c o m o e x e m p l o , a c o s m o g o n i a

chinesa, que atribui a origem do universo, da humanidade e dos demais elementos a combinações das duas forças ou princípios universais: ying e yang. Hoje, porém, a idéia de mito reduziu-se a mera aliada no estudo de civilizações primitivas. Outra parte, entretanto, teve o significado adaptado, ou até “deturpado” à s o c i e d a d e a t u a l , c o m o s e r á t r a t a d o a s e g u i r. Nu ma cultura escrava do pensamento cientificista, as crenças míticas, supersticiosas e até religiosas perderam espaço. Augusto Co mte, filósofo francês do século XIX e fundador do positivismo (que se aproxi ma do existencialismo, pregando a compreensão possibilidade apenas pela experiência), define a maturidade do espírito humano pelo abandono de todas as for mas míticas, s u p e r s t i c i o s a s e r e l i g i o s a s . Tu d o d e v e s e r c o m p r o v a d o p e l a e x p e r i m e n t a ç ã o , transfor mação postas de da Ciência (no caso a grega), sido de especulativa apenas em às empírica culturas (Alexandre Magno), e as crenças e explicações metafísicas à realidade foram lado, menosprezadas, tendo conservadas consideradas menos desenvolvidas, em que a tecnologia e a ciência ainda não constituíram uma ditadura sobre a mentalidade. Ao i n v és d e d e s a p ar e c er, t o da v i a, a i d éi a de “ mi t o ” a da p t o u - se a i d éi a s modernas, tomando outras for mas e tendo sua definição flexibilizada. Os antigos heróis míticos, como Hércules e Aquiles, foram reduzidos a personagens infantis, como Super man, X-men, e outros personagens de quadrinhos e d e s e n h o s a n i m a d o s . To d a s c r i a t u r a s q u e p o s s u e m h a b i l i d a d e s q u e v ã o a l é m d a s do home m, mostrando-lhe quão li mitado é. E este universo de histórias infantis talvez tenha sido o único em que os mitos foram admitidos enquanto histórias: contos de fada, super heróis e fábulas ainda trazem retratos da universalidade da ação e pensamento humanos, bem como a definição das diferenças entre bem e mal, certo e errado, e exercem uma função pedagógica, constituindo os valores da sociedade vigente às gerações mais novas, afirmando ideologias, dogmas e comportamentos necessários à sociedade em que se inserem. E, por mais insignificantes e irrelevantes que pareçam, esses são os que mais se aproxi ma m da idéia original de “mito”. Ta m b é m p o d e - s e f a z e r r e f e r ê n c i a a o s m i t o s n a s c r e n ç a s e h i s t ó r i a s r e l i g i o s a s , que nada mais são do que as mitologias sobreviventes ao tempo e ao ceticismo cientificista. Nas maiores religiões da atualidade (cristianismo, hinduísmo, budismo, judaísmo, islamismo, etc.), encontram-se diversas fábulas e contos sobre temas bastante familiares aos já citados, como origem, destruição, conduta e ideologias. Na bíblia cristã, um dos mitos mais conhecidos é o de “Adão e Eva”, e m q ue s ã o e x p li c a d o s a o r i g e m d a h u ma n i d a de p o r u m en t e cr i a d or, a f a l ha n a

conduta caracterizada pela desobediência deste, e o castigo, a mortalidade, que se resume à destruição individual, e em algumas interpretações, da humanidade como um todo. que trata Na crença budista, há, por exemplo, a história da jornada de Sidarta, da existência momentânea, do tempo em si e de sua evidente

inexistência, bem como das previsões metafísicas do futuro e especulações sobre o fim da humanidade. “Mito”, também adaptou-se para designar situações e contextos que soem inverossí meis, comumente acompanhado de certa ironia. Por exemplo: “o mito da boa mãe”, ou “o mito do bom velhinho”, ou até mesmo “o mito do casamento feliz”. Apesar de ser uma utilização um pouco mais afastada, també m adotou o uso do vocábulo, pois este, em sua concepção original, refere-se a algo fantasioso e distante. A últi ma das adaptações da expressão “mito” é utilizada para definir pessoas reconhecidas, ícones da sociedade atual, heróis populares ou burgueses, atores, cantores e todo tipo de famosos com quem o povo se identificou e passou a v e n e r a r. Heróis, reis, rainhas são expressões que aparecem com freqüência em mitos, terminologia esta que foi adotada pela mídia (rádio, cinema, televisão, jornais...) para caracterizar indivíduos de destaque nos meios de comunicação e no i maginário contemporâneo: “rainhas do rádio”, “rei do futebol”, “estrelas de cinema”, entre outros títulos que remetem a personagens míticos. Ainda acima disso tudo, ainda estão personagens célebres da nossa cultura ocidental que foram promovidos a “mitos” pela mídia e pela população, o que acabou por si mplificar e alterar ainda ma is o ter mo. Entre eles estão Maril yn M o n r o e , P e l é , C h e G u e v a r a , Ay r t o n S e n n a e L e i l a D i n i z : c a d a u m , e m s e u m o d o p a r t i c u l a r, i n f l u e n c i o u g e r a ç õ e s i n t e i r a s . Alguns teóricos, a respeito de mitos criados pela mídia e consentidos pela população, afir ma m que a cultura de massa fornece à vida privada as i magens e os modelos que dão for ma às inspirações e desejos do homem comu m, e usa a terminologia mítica para referir-se a eles. Segundo o historiador Mircea Eliade, nas sociedades modernas, os mitos encontram-se degradados e secularizados, foram obrigados a mudar de “forma” a fim de assegurar sua sobrevivência. To d a v i a , n e s t a ú l t i m a d a s i n t e r p r e t a ç õ e s a t u a i s d o t e r m o “ m i t o ” , h á u m a falha profunda e ao mesmo tempo sutil. Definamos antes, porém, as diferenças entre a personagem mítica e a personagem romântica: segundo o filósofo e escritor italiano U mberto Eco, pode-se notar uma diferença fundamental entre os dois tipos de personagens: a personage m do romance busca asse melhar-se aos

humanos

reais,

assumindo

o

que

o

autor

chama

“personalidade

estética”,

capacidade de tornar-se ter mo de referência para comportamento e senti mentos que també m pertencem a todos nós, mas que não assume a universalidade e constância próprias ao personagem mítico. A personagem romântica caracteriza uma deter minada e bifurcada linha do pensamento humano. Já a personagem mítica visa deter minar toda a ação humana. Portanto, essas personalidades célebres definidas atual mente como “mitos”, são na verdade personagens românticas, representando nada mais que a soma de certas aspirações coletivas, o que nos leva a concluir que o termo não foi, nessa ocasião, adaptado, mas sim deturpado.

CONCLUSÃO

Os conceitos transmitidos na síntese desse trabalho têm como função explanar um pouco sobre os ideais de uma sociedade dividida em classes extremamente desigual e cujo sistema (domi nado pela classe dominante) promove uma diferença alar mante entre classe dominante e classe dominada. O s m i t o s , a s i d e o l o g i a s e a a l i e n a ç ã o s ã o m é t o d o s u t i l i z a d o s p a r a d o m i n a r, que convém para um grupo pequeno que possui os meios de produção.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->