Você está na página 1de 6

A FILHA DOS MORTOS. “Fazemos a guerra quando queremos. Terminamo-la quando podemos.” Maquiavel.

Nossas tropas conquistaram Varsóvia a 27 !" #"$ pouco menos de um m%s após o in&cio da guerra. 'urante toda a campan(a$ eu$ )ric( Von *edema+er$ ,turm-ann.u(rer /ma0or1 ,,$ tivera tempo su.iciente para perce-er o que est2vamos .azendo da 3ol4nia5 um pa&s destru&do e c(eirando a cad2veres$c(eio de civis em .uga e de piol(os. 6li2s$ nós mat2vamos igualmente am-as as esp7cies de -ic(os. )ssa carni.icina de gente desarmada con.undia-me um pouco a ca-e8a$ muito em-ora eu compreendesse per.eitamente sua necessidade. 6s ordens alertavam-nos ami9de5 ”Matem os (omens porque s:o nossos inimigos. 6s mul(eres$ as crian8as e os vel(os porque$ certamente$ apóiam nossos inimigos;. Matar$ matar$ matar. <a ta ta ta.)sta .oi nossa vida at7 c(egarmos a Varsóvia. Nosso saud2vel compan(eirismo (avia se trans.ormado numa cumplicidade criminosa. 3arec&amos magos negros$ .este0ando a Morte em orgias intermin2veis de c(um-o e ranger de dentes. =erta noite$ em plena marc(a$ c(eguei a perce-er uma manc(a ru-ra seguindo as esteiras dos nossos tanques. )m Varsóvia$ eu tin(a que me es.or8ar um pouco para entender certas coisas que precisava .azer. >em-ro-me de que me lavava muito. )u estava sempre t:o su0o? )stava eno0ado tam-7m$ ansioso para voltar @ 6leman(a e deiAar para tr2s aquela loucura de pr7dios semidesa-ados e crian8as c(oramigantes. 3or7m$ meus superiores o-rigaram-me a .icar. =om o cora8:o a.undado em melancolia$ assisti @ partida de min(a divis:o para as glórias da campan(a .rancesa. B luminoso maio de C"D!$ t:o grato @ memória dos meus camaradas$ .oi$ para mim$ uma prova8:o sem limites. )u via as .otos da *ermac(t com-atendo aquela guerra alegre$ aquele com-ate .eliz$ e ent:o as visEes da triste carni.icina polonesa torturavam-me ainda mais pesadamente. 3or diversas vezes pedi que me trans.erissem para o .ront ocidental. 6 cada pedido meu$ os o.iciais superiores elogiavam meu tra-al(o e.usivamente e respondiam5;N:o$ n:o e n:o ? ,e Von *edema+er .or em-ora$ a 3ol4nia se livrar2 dos alem:es restantes em menos de C dia ?; 6ssim$ permaneci no meu posto$ cumprindo uma negra rotina de vascular a cidade em -usca de conspiradores$ resistentes... B momento em que viv&amos n:o nos permitia quaisquer condescend%ncias. Bs suspeitos tin(am que ser eliminados imediatamente$ onde quer que .ossem encontrados. Mais uma vez$ a agonia daqueles indiv&duos que nós a-at&amos$ contra todas as normas e tratados internacionais$ atingia tam-7m a mim. )m-ora eu .osse um ,,$ ac(ava detest2vel desrespeitar meu próprio código de (onra$ escrito em meu sangue pela longa cadeia de antepassados militares da min(a .am&lia. Numa dessas -uscas$ uma das muitas que comandei pessoalmente$ topamos com um 0ovem casal polon%s entrinc(eirado nos tel(ados de um pardieiro caindo aos peda8os. )les possu&am uma metral(a e temperavam suas mort&.eras ra0adas com improp7rios soprados at7 nós via um potente mega.one5 6,,6,,FNB, 6>)MG), ? 6 3B>HNF6 NGB ,) <)N')<I J6M6F, ? V)NK6M LM,=6<-NB,$ =G),$ ,) 3M')<)M ?

$ eu disse. )la . B-servei-a com cuidado5 pareceu-me -em ariana.eito para atravessar-l(e os -elos cac(os dourados e o crSnio caucasóide.Puero -ei0os de -oa-noite e presentes de natal ? .Voc% tem parentes N. J2 n:o (avia o que destruir.oi @ min(a . Puando se p4s a uns dois metros de mim$ eu atirei. 6t7 .6 guerra de nada serviria$ se n:o a .sim.Rostaria ? ) como ela gostaria ? . . 6-ati a am-os$ pelas costas$ -em no meio de uma de suas -ravatas.alava alem:o ? No imediato daquele escuro$ em meio @quela destrui8:o$ a garota re.=laro que n:o ? Voc% rece-er2 deles o eAemplo de ser alem: ? Voc% pertencer2 ao povo que dominar2 o mundo ? Lei0os de -oa-noite e presentes de natal s:o coisas de .racos.ou a .VFV6 6 3B>BNF6 >FV<) ? /<6T6T6T6 ?1 )u mesmo entrei no pr7dio$ silenciosamente. <evirei-a com os p7s5 uma -eleza destru&da.N:o sei$ agora n:o sei.)ntendo.issional$ calculado per.Vamos sair$ menina.igurin(a de menos de C$O! M.ei8Ees alem:s.undamente$ respondendo @ grande alegria sincera que eu estava sentindo por tir2-la viva da 3ol4nia$ por acrescentar @ 6leman(a uma crian8a t:o -elamente nascida.entira o quanto aquela eslava poderia pertur-ar o precioso sangue alem:o.ente-se$ menina. .azer renascer um novo sol polon%sQ ela -ril(ava o per.N:o ?.Puem 7 voc% N ..) eles me dar:o -ei0os de -oa-noite e presentes de natal N .N:o quero ser alem: ? .$ advindo n:o só da -oca$ mas tam-7m dos ol(os$ nariz$ alma$ toda ela @s escSncaras num . .) quem ser:o meu pai e min(a m:e N .$ pensei. Mm 9nico tiro$ um tiro pro. =(egaram em t:o p7ssimo estado ao solo que ningu7m quis mais atirar nos corpos$ con.endo assim$ voc% n:o gostaria de morar com outras crian8as como voc%$ de ir @ escola$ num lugar limpo$com -astante comida N .Ta ?. 6inda meditava no perigo que os poloneses representam$ mesmo se 02 de. 'espe0ei-l(e mais -alas por cima$ para calma da consci%ncia.eus pais ser:o todos os (omens e mul(eres do <eic( ? .. 6 -ala sangrou-l(e em plena .Mac(ucou-se N . 3erce-i nos ol(os da garota o quanto eu (avia me entusiasmado.. alem:o$ 02 alem:o? N:o (averia nen(um empecil(o em enviar aquele -elo esp7cime aos campos de assimila8:o racial.rente$ no passo mi9do das garotin(as.ace -ril(ava num .ulgia uma semente certa para . . .eito adianto dos e al7m dos mortos5 a .ace$ arrancando$ @ sua pressa$ todo o rosto da menina$ a qual desa-ou de -ru8os$ sem ais$ porque n:o daria tempo.il(a dos mortos. . =a-elos louros$ ol(os azuis$ .izesse -ril(ar .$ respondi$ um pouco autom2tico.untos$ quando uma m:ozin(a suave pousou-me no rosto.ua -ela . )la sorria-me pro. . .=omo N? . )u desci as escadas correndo$ para participar da ...orme nosso costume.. . )nt:o tropecei no que me pareceu um pequeno cad2ver e ca& com estrondo. 3or via das d9vidas$ apontei min(a arma para aquela .uturo$ guria divina ?. Bs compan(eiros deram -oas gargal(adas quando eu atirei os dois poloneses em plena rua$ com as gargantas entupidas de -alas.il(a dos mortos ? . . 6 menina deu pra c(orar.esta.

.or8as se . )u estava per. 'urante um tempo que n:o calculo$ . Nossas . .. )u continuava &ntegro e sadio$ livre da ang9stia que sentira na 3ol4nia. Vi$ pela 9ltima vez$ muitos dos con(ecidos.eu n9mero pouco importa5 em cada um deles$ matamos todos os russos.)nviamos muitos desses -ravos impotentes para tra-al(ar na 6leman(a$ como escravos. .a -ala trai8oeira da guerril(a. Nen(um .oi o grande o-0etivo do nosso povo$ desde que os antigos -2r-aros da Isia de l2 eApulsaram nossos antepassados germSnicos$ (2 mais de um mil%nio atr2s. Bs poloneses so..aziam cada vez mais eAangues e nós cada vez mais desesperadamente decididos a vencer.iquei estendido entre as -alas do .. )nt:o c(egou a (ora.uturo do <eic( alem:o e a eAist%ncia de nosso povo est:o$ doravante$ somente em vossas m:os.No inverno seguinte /F"DC1 o-tive licen8a para visitar min(a 3omerSnia.eitamente o que sentiam as v&sceras dos inimigos trucidados. Foram tempos terr&veis$ carregados de not&cias . . Mas a lem-ran8a da -ela . Muitos eAcelentes soldados tom-avam todos os dias$ sem nen(uma de. 6o que eu sai-a$ nen(um dos meus comandados 0amais se rendeu.ulminantes. Meu cora8:o$ 02 de (2 muito endurecido pelo gelo cruel da necessidade$ ainda p4de compreender per. Meu cora8:o 02 n:o do&a.9ne-res e decep8Ees . 3assei longos anos guerreando na terra amaldi8oada dos -olc(eviques$ terra$ entretanto$ t:o atraente para nós$ alem:es ? K2$ com certeza$ alguma arte do in.. C"DC ? Kavia muito entusiasmo$ muita emo8:o.rentais uma luta dura e pesada de responsa-ilidades$ pois a sorte da )uropa$ o . 3ovoaremos este deserto russo. poderia estar ausente desta luta. 6 consci%ncia n:o me do&a. B resto matamos$ ou n:o pudemos matar.Bs territórios da <9ssia ser:o para nós o que 7 a Undia para a Fnglaterra. Nada mais do&a em mim..eliz ? 'epois da licen8a$ o inverno e a próAima primavera passaram quase em -ranco.eitamente em .rio do inverno ou so. Meus enormes pun(os socavam tra-al(adores$ guerril(eiros$ inocentes 9teis ou n:o$ quem quer que parecesse simpatizar com nossa desgra8a.il(a-dos-mortos e de seus dese0os pusilSnimes sempre me protegeu.il(a-dosmortos. =erta vez$ quase morri.undezas$ em -usca de a8o para carunc(ar. 3articipei do estupro @ gentil Viev$ do cerco a Moscou e dos massacres dos camin(os.esa$ ante o ..redores.oldados alem:es$ en. 'estru&amos um eA7rcito russo após o outro$ e sempre novos inimigos -rotavam$ do solo$ do ar$ das -rumas.erno neste encanto.Nós l(e tiraremos o car2ter de estepe asi2tica para torn2-lo europeu. N:o (avia a 3az$ no entanto a 3omerSnia estava t:o . Meus superiores$ desta vez$ n:o puderam me segurar em Varsóvia. Tudo era de um colorido c(um-o e o ar contin(a muitas vezes mais suas partes comuns de sangue..orma$ eu$ um -elo rapaz /todos dizem1 de C$"C M de altura.... Bs que caiam .. 3arti para a <9ssia sem nen(um remorso. . >em-ro desse tempo como de uma intermin2vel sess:o de tortura$ na qual eu estropiava$ de muitas maneiras torpes$ a . N:o tivemos c(ance5 a guerril(a surgiu a-rupta e nos acertou a muitos.ogueira para recol(er os seus eAcelentes a-rigos. Jamais tomamos Moscou.. <econquistar a <9ssia sempre . 6o -elprazer de nossas armas$ perderam-se as vidas de mil(Ees de (omens. Nossos aviEes assavam os ingleses e$ nos mares tene-rosos$ vermes met2licos andavam pelas pro.eridos e n:o podiam ser evacuados$ suicidavam-se com um tiro de pistola.talingrado resistiu.. Pueira 'eus a0udar-nos a todos nesta luta. )u estava com alguns soldados$ em meio a uma clareira de um -osque$ a O! Vm de Moscou$ descongelando cad2veres de inimigos numa . 'eutsc(land u-er alles.

azendo em um espet2culo de neve$ 2rvores$ sil%ncio.oram surgindo aos poucos.ora a prov2vel causa do meu des. Bs ..N:o muito.issional. )nt:o .ugimos tam-7m nós$ #O (omens e # tanques$ o que restara dos W.il(a-dos-mortos.alecimento tempor2rio.3or que voc% n:o quis ser alem: N . .Bs alem:es s:o invenc&veis ? )la n:o respondeu mais. Mm outro disparo atingira meu capacete t:o a queima-roupa que . Moscou . Puem quer que con(e8a o . )ra sua vingan8a. 6l7m disso$ permanecer imo-ilizado em meio a uma temperatura de -2! =$ con. Na Kungria$ ainda est2vamos quase inteiros.ormado por (omens perec&veis como eu$ .orme permaneci$ durante meia (ora que se0a$ 02 7 su.. 'epois$ palavras e -otas alem:s . Bl(ava-me sem surpresas$ com o mesmo vivo prazer da primeira vez. Tudo apresentara um sim-olismo que n:o podia deiAar de impressionar-me. )u estava me sentindo mel(or. Voltamos$ no rastro do que destru&ramos$ com o ódio de CW! mil(Ees de sovi7ticos no nosso encal8o.ora tam-7m . Neste momento$ a . 'ever&amos resistir ao m2Aimo5 numa palavra5 ao m&nimo.B ma0or Von *edema+er 7 imortal ?. Mas a menina n:o parecia perce-er meus pensamentos. Ficamos ol(ando um para o outro durante outro tempo incalcul2vel.ensiva russa tornou-se mesmo vitoriosa e mil(Ees de vespas -em armadas e agasal(adas ca&ram so-re nós.iciente para se morrer enregelado. )m-ora na apar%ncia eu continuasse o mesmo$ o acontecimento pertu-ara-me -astante.4ramos.rio sa-e que ele$ quando eAtremo$ necrosa rapidamente qualquer . -. )m-ora n:o tivesse sido atingido em nen(um órg:o vital$ as -alas que-raram-me 2 costelas e quase despeda8am min(a clav&cula direita. )nt:o eu podia morrer ? ) o eA7rcito alem:o$ .. 6penas sorriu-me magni.oldados sem temores$ prontos ao suic&dio. .erimentos que me in.inito nessas mesmas situa8Ees mortais.Mac(ucou-se N.!!! soldados e O! carros de com-ate que .il(a-dos-mortos -em sou-era o que .ligiram os guerril(eiros da . ) 0ustamente isso nos pediram5 rece-emos ordens para estacionar na estrada$ a co-rir a retirada maci8a dos nossos. Fui salvo pelo sorriso da . 'e .ora necess2rio liquidar aquela -ela criatura$ evitar a todo custo o doce veneno que sua .il(a-dos-mortos apareceu-me outra vez.en$ soldado padioleiro.oi a primeira derrota que so.erida.. 6 certo instante$ lem-rei-me de perguntar5 .oi se des. )staria eu ainda na 3ol4nia N . )la$ sim$ parecia imortal ? 3or .$ respondi-l(e$ e ela sorriu-me docemente. 6 presen8a dela parecia estar retirando todas as -alas e dores do meu corpo.$ perguntou-me$ insinuando-me na mente uma desagrad2vel incerteza so-re meu próprio paradeiro.ato$ por toda a lógica$ eu deveria ter morrido ali.igura eAalava. .erido e talvez pudesse at7 mesmo perder a guerra ? 6 .com-ate$ suspenso entre a vida e a morte$ sem nen(um controle so-re meu destino. ? .. Mma das divisEes mais respeitadas das .e ela sou-esse o quanto eu a amava ? Meditei tristemente que agira certo$ que . Foram # dias de luta intensa$ at7 o momento em que n:o ..aria mais sentido. . 6s ordens su-citavam duramente5 morrer em com-ate.icamente outra vez e ent:o .Bs alem:es v:o todos morrer$ )ric(..loresta$ personalizaram-me esta derrota.ri como soldado pro.azia quando salvara min(a vida.$ sorriu-me 3aul Ka.im a contra-o. =ontudo$ eu so-revivi um tempo in.. Tudo isso parece pouca coisa$ por7m muito menos era necess2rio para morrer na <9ssia.

<i de volta com os dentes de min(a caveira. Butros tin(am perdido dedos$ ol(os$ quase toda a dentadura.us:o tornou-se geral. Nós$ vel(os criminosos de guerra$ queimados$ mutilados$ derrotados$ 7ramos$ aos ol(os daquela gente$ a própria *e(rmac(t$ a própria m2quina de guerra. Todos estavam de p7$ por7m com variadas escoria8Ees e .icina. =omo o.Nen(uma palavra. Matamos 2 compan(eiros que$ enlouquecidos$ come8aram a gritar pedidos de socorro sem destino$ a sorrir mongolóide$ a assustaremse como ratos. Muito mais .$ cumprimentou-me um vel(o amigo$ o tenente Von .erimento$ tive que me arrastar entre o-uses$ metral(adoras$ num espa8o c(eio de sangue e de perigos de morte5 tanques$ (omens$ granadas..icial vivo mais graduado da tropa$ tive certo pudor em dizer-l(es que deviam . 3uro acidente N N:o$ o pre8o de min(a vida. =erca de um mil(ar de cidad:os imilitariz2veis caiu na estrada seguindo min(a palavras$ na ilus:o de que os poder&amos proteger.2cil seria render-nos @ primeira divis:o inimiga que encontr2ssemos. )ra noite$ e uma escurid:o milagrosa$ 9mida e gelada$ nos protegeu de todos os perigos.umegante 3ol4nia.ugidio$ o qual$ na (ora$ me pareceu sem importSncia$ outro entre tantos$ mas que era o 9ltimo t2Ai em meio @ madrugada. -aiAin(o para os # semimortos que . Bs restantes viemos c(ocal(ando tristeza rumo @ 6leman(a$ a toda velocidade. >ogo depois desta derrota$ as almas de muitos dos nossos desarrumaram-se. J2 numa cidadezin(a c(eca$ a 2!! Vm da .Keil?. Voltamos pela =(ecoeslov2quia.ronteira c(eca. 3onguei nele com energia$ murmurando um . Rra8as a este . Muitos c(oravam dentro dos tanques$ tensos$ apesar de anos vividos em carni.ronteira (9ngara$ encontramos com os restos reunidos de umas X divisEes da *er(mac(t$ c(egando o total dos remanescentes a cerca de #!! (omens. Felizmente n:o tivemos tempo para medita8Ees$ porque os russos e seus terr&veis tanques T-#D estavam sempre nos nossos calcan(ares.. . .erimentos. 3or um acordo impl&cito$ evitamos rever a .ugiam comigo. )u me contorcia em dores$ com as costas queimadas pelos gases quentes da culatra de uma -azuca$ no momento em que esta enviava seu pro07til em v4o ao alvo. )nterramos mentalmente nossos mel(ores amigos tom-ados$ muitos deles compan(eiros de toda a guerra$ enquanto desa-al2vamos . =(egamos quase cam-aleando ao grosso da *e(rmac(t. 3ouco importava qualquer coisa$ com aquela dor @s costas..ugir$ que atr2s de nós vin(a a Morte$ encapotada naqueles a-rigos maravil(osos e detr2s de uma mural(a invulner2vel de -lindagem. Fizemos progresso. )u escapei de tudo isso$ porque a dor das queimaduras era muita e eu perdi a calma para continuar resistindo5 atirei-me$ resoluto$ para morrer.ugiam dos magiares. B a-surdo nos comanda. Nós quatro viemos acolados @ -lindagem do tanque$ como D pe8as de roupa 9mida pendurados num estran(o e veloc&ssimo varal. Todos nós parecemos possu&dos pela mesma trama negro e vermel(a que vi envolvendo nossos tanques e nossas almas durante a invas:o da 3ol4nia.ugindo. =(eguei sem outro estil(a8o a um tanque .il(a-dos-mortos. )u sa-ia que min(a so-reviv%ncia$ mais uma vez$ era pura vingan8a da . Fomos rece-idos como (eróis na primeira cidade alem: que alcan8amos$ 7!! Ym depois da . Nen(uma dor. 6ssim cruzamos a Kungria muito mais rapidamente que nossos antepassados germanos$ quando . )stamos indo agora /X 2 DO1 para Lerlin$ lutar$ ao que parece$ nossa 9ltima -atal(a. Foram C!!Vm rodados de terror$ com -om-ardeiros voando so-re nossas ca-e8as e tropas inimigas a nos ca8arem avidamente.artus. 6 con.3ronto para outra$ camarada N. Fogo ? Vi os lan8a-c(amas incinerarem meus compan(eiros dentro dos tanques... 2 ou # ilesos.

'eiAaremos para ele apenas nossos corpos calcinados$ uma carne t:o imprest2vel quanto as planta8Ees da <9ssia$ incendiadas pelos -olc(eviques para matar de .eras. B inimigo nos procura para nos emparedar vivos em mural(as de c(um-o$ ou com o gelo das prisEes si-erianas. Nós$ soldados do mel(or eA7rcito de todos os tempos$ perdemos nossa guerra porque as crian8as$ as . Nós empen(amos nossas almas para .4legos gelados das estepes asi2ticasQ n:o pelo eA7rcito russo$ tampouco pelo sopro . Min(a cidade$ a própria casa de min(a . Fnvadimos e despeda8amos metade do mundo$ nos permitimos todos os crimes$ todas as perversidades$ porque sempre estivemos certos de sermos superiores$ de que a . N:o pelos sete .undar uma nova 6leman(a por so-re os escom-ros podres da civiliza8:o eslava.im de nossas ra8as$ que s:o elites$ e ver-se-ia o -olc(evismo triun. K2 russos a leste$ ingleses e americanos a oeste e ao sul. Todos pensam como eu$ -uscam nos outros a 0usti. .leAos esmaecidos de um .ome a vitória alem:.ertil&ssima$ na apar%ncia presa de t:o . Mas a guerra n:o resolveria nada$ apenas marcaria o .il(as-dos-mortos$ n:o dese0am a Rrande 6leman(a. Nós$ 0ovens descontentes com os limites de nossa p2tria$ partimos para conquistar o continente asi2tico numa saga mil vezes mais vision2ria que a de .4legos gelados da terra russa. 6s pessoas que enc(iam as ruas de Lerlin$ Munic($ Kam-urg$ Voln$ agora est:o enc(endo as estradas da . Nossa eAist%ncia 7 uma surpresa estridente que as -alas inimigas logo vir:o calar. .rentamos ao longo dos s7culos e sempre nos . .am&lia$ est:o agora em poder desses surpreendentes eslavos. )stou indo morrer. =omo .ante e a Isia instalada no continente europeu.rio das neves mort&.icativa de uma loucura que 7 própria de todos e de cada um de nós. Nós n:o l(e permitiremos essa vitória. )stamos derrotados$ todavia. 3or7m os eslavos suportaram as garras de nossa 2guia met2lica com o escudo dos sete .rio mar onde nossos esp&ritos c(oram um del&rio v:o.2cil trSnsito para nosso eA7rcito motorizado$ mas que tem digerido em seu est4mago mil(Ees e mil(Ees de litros do valoroso sangue nórdico$ desde a 7poca dos caval(eiros germSnicos de Viev.partacus$ n:o posso a-andonar meus compan(eiros$ ainda que estes este0am doidos e 0ulguem que uns poucos mil(ares de gladiadores possam destruir o imp7rio romano. N:o (2 lugar para mim no novo mundo das crian8as .ieg. 6gora n:o podemos recuar.ou um .. 6o norte (2 o mar$ o grande mar$ o .Fnsultam-me ao repetir que quero a guerra. Nós$ soldados$ somos espectros so-reviventes de um son(o de 6leman(a$ re..uga ou os cemit7rios.oi poss&vel ressuscitar e lutar novamente. )les n:o querem a nós$ e sim a eles$ aos nossos inimigos$ aos que l(es trazem vulgares e pusilSnimes -ei0os de -oa-noite e presentes de natal.ulgurar pleno entrevisto. 6 terra russa$ essa terra plana e .ora e sei que neste tempo o pa&s mudou muito. 6leman(a ? 3or que eu dese0ei tanto voltar a esta terra N )stive mais de D anos ..il(as-dos-mortos. Puando rece-i a not&cia$ um antigo discurso do Fu(er$ agora amargamente verdadeiro$ torturou-me a memória5 .N:o sei eAplicar por que insistimos em de.or8a -ruta era a 9nica maneira de convencer as ra8as su--(umanas de nossa verdade.ou-e que os russos est:o ocupando a min(a 3omerSnia.ried. 6 todas essas coisas en.ender Lerlin.