P. 1
Restrospectiva Estadão - 2001

Restrospectiva Estadão - 2001

|Views: 4.343|Likes:
Publicado pordlimasouza

More info:

Published by: dlimasouza on Dec 03, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/13/2013

pdf

text

original

Produto: ESTADO - BR - 1 - 31/12/01

2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H1 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 1 - 31/12/01

H1 -

%HermesFileInfo:H-1:20011231:

H1

O ESTADO DE S. PAULO

O QUE FOI 2001
CENÁRIOS PARA 2002
O ANO COMEÇA COM SURPRESA: A ECONOMIA VAI BEM
Pag. H10

FHC: “VAMOS SEGUIR COM AS REFORMAS”
Pág. H2

NA EDUCAÇÃO, É HORA DE REFORÇAR A QUALIDADE
Pág. H5

É INDISPENSÁVEL REFLETIR SOBRE AS CAUSAS DO TERROR
Pág. H7

11 DE SETEMBRO

O atentado de 11 de setembro marcou o início do século. O Brasil perdeu Mário Covas, Roberto Campos e Jorge Amado, e celebrou a queda de três senadores. Aqui, os fatos do ano que termina

Produto: ESTADO - BR - 2 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H2 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 2 - 31/12/01

H2 -

H2 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-2:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

O FUTURO COMEÇOU
O ANO EM QUE A POLÍTICA EXTERNA GANHOU BRILHO

2002: CENÁRIOS

O

Brasil tem atravessado desafios importantes nos últimos anos: as turbulências financeiras internacionais, a mudança do regime cambial, a crise de energia, a desaceleração da economia mundial, os reflexos da situação da Argentina. Mas nenhum deles afastou o governo do rumo traçado. Somos hoje um país alicerçado em estruturas sólidas. Transformações significativas já aconteceram. Transformações no plano da sociedade, na economia, no sistema produtivo e no Estado. Ao contrário do que alguns pensam ou dizem, não é de menos reformas e mudanças que o Brasil precisa agora. Para continuar a avançar, é imperativo persistir no caminho das reformas e das transformações. Pode ter havido erros. Mas estivemos sempre abertos a reconhecê-los e, naturalmente, a corrigi-los. Mas, ao mesmo tempo, é preciso ter consciência de algo fundamental: o que está dando certo no País deve continuar. Estamos vivendo uma nova era, e nada do que fizemos foi por acaso. Colocamos em marcha um projeto de país. Um projeto centrado Fernando Henrique discursa na Assembléia Nacional da França: pronunciamento interrompido nove vezes por aplausos na modernização econômica e na transformação social. Estamos construindo um Brasil novo. Um Brasil onde as coisas se tornam mais previsíveis, onde passou a ser possível planejar, onde governo e sociedade trabalham juntos, onde as oportunidades existem, onde o Estado não tolhe o espírito de iniciativa e, sim, cria os marcos regulatórios para a atividade econômica. Enfim, um Brasil onde se pode investir, onde se pode lutar por um emprego, viver com liberdade, e onde cada um é capaz de preparar o dia de amanhã. A estabilidade monetária que conseguimos com o Real foi apenas o começo. AvançaAo receber no Palácio do Planalto a mos, em seguida, nas privatiprimeira-ministra da Nova Zelândia, Helen zações, quebramos os monoClark, FHC não perde a fleuma diante de pólios, lançamos o Brasil em um integrante da comitiva e segue o Ação e, depois, o Avança Bracumprimento ritual maori: gesto significa sil, definimos os novos modetroca do sopro da vida los de gestão da coisa pública e os programas integrados paFHC, Ruth, Cherie e Tony Blair posam nas ra a área social. Além disso, Cataratas do Iguaçu: grupo voltaria a se reunir o País experimentou, ao lonna Inglaterra, na companhia de Bill Clinton go desses últimos anos, um processo de fortalecimento constante da cidadania. Sem dúvida, muito ainda precisa ser feito para que esse novo Brasil esteja plenamente consolidado – com sua economia mais forte e mais competitiva, com a obtenção de níveis razoáveis de emprego e de renda, com um Estado mais aparelhado para dedicar-se às questões sociais e com as condições necessárias para enfrentar os desafios do Encontro mundo globalizado. com George Poderíamos hoje estar cresW. Bush em cendo a taxas mais altas, não Washington: fossem as dificuldades que defesa de afetam a economia internauma cional, sobretudo nos países “globalização ricos. Mesmo assim, devesolidária”, mos crescer em 2002 algo em com maior torno de 3 %, o que não é pouparticipação co nas circunstâncias atuais. dos países em Mas, se isso é verdade, se crescimento ainda falta para que esse nonos foros de vo Brasil seja um país mais decisão próspero e mais justo, é impossível deixar de reconhecer Para continuar mo não existirá te ao vírus HIV/aids. Afirma- Desde o início do Real, mi- cia direta de renda aos mais algumas coisas mais no Brasil. mos e defendemos, com su- lhões de brasileiros ingressa- pobres, como o Bolsa-Escoa avançar, é que estão aconTemos obti- cesso, o princípio de que as ram no mercado de consu- la, o Bolsa-Alimentação, a imperativo tecendo. do, dentro e fo- patentes farmacêuticas po- mo, e lembro que o Censo de Previdência rural, o SeguroEstamos fara de suas fron- dem e devem ser protegidas, 2000 registrou um aumento Renda para as vítimas da sepersistir no zendo uma verteiras, êxitos re- mas não ao custo de vidas hu- de 41,9 % na renda média ca, a erradicação do trabacaminho das dadeira revoluconhecidos na manas. Esta foi uma vitória dos brasileiros ao longo dos lho infantil, entre outros. reformas ção na educapolítica de saú- significativa do País. anos 90. Estamos fazendo a maior ção brasileira. de, como na reEstamos reduzindo o nível Construímos a maior rede reforma agrária da história Quase todas as crianças brasi- dução da mortalidade infan- de pobreza, com a sensível de proteção social que já se do capitalismo. Assentamos leiras já estão na escola e, em til e na questão do acesso aos melhora em praticamente to- fez no Brasil. São programas mais de 500 mil famílias, e hoalgum tempo, o analfabetis- medicamentos para o comba- dos os indicadores sociais. de assistência e transferên- je a maior reivindicação feita
Joédson Alves/AE Ed Ferreira/AE

ao governo nesse setor não é por terra, mas por crédito. Somos um dos países que mais recebem investimentos diretos estrangeiros em todo o mundo. Hoje, recebemos em média quase US$ 2 bilhões desses investimentos por mês, ao passo que antes do Real quantias dessa ordem ingressavam no País em um ano inteiro. No campo científico e tecnológico, temos feito avanços importantes. Formamos mais de 6 mil doutores por ano. Criamos vários fundos de apoio à pesquisa. Cada vez mais, generaliza-se no País o uso das tecnologias de informação. Ao mesmo tempo, estamos lutando com bastante vigor por nossos interesses econômicos e comerciais no plano internacional. Este é o nosso dia-a-dia no âmbito da OMC, na discussão da Alca, nas negociações com a União Européia. Isto sem falar nas disputas comerciais freqüentes que levamos a cabo nos mercados dos países desenvolvidos. Nenhum dos avanços que o Brasil tem alcançado é casual. Fazem parte da política de crescimento sustentado com justiça social que iniciamos com o Plano Real. São avanços concretos, que se complementam uns aos outros, interligando-se em um grande esforço nacional, esforço coerente, que está mudando a face do Brasil, tanto internamente quanto em nossa inserção na economia global. Se antes o País vivia aos sobressaltos, ao sabor de medidas ilusórias e sob o risco permanente do descrédito internacional, hoje garantimos a estabilidade, a organização das contas públicas, a responsabilidade fiscal e a tarefa de reconstrução do Estado. Foi isso o que permitiu que o governo pudesse cuidar principalmente daquilo que é seu papel e responsabilidade, como a educação e a saúde, deixando à iniciativa privada as tarefas que ela é mais competente para realizar. Graças a todas essas conquistas, já começamos a pagar a dívida social do Brasil. O Brasil novo que estamos tornando realidade não pode parar. Não pode dar lugar ao Brasil de estruturas políticas e econômicas arcaicas, ao Brasil das visões retrógradas que a sociedade já superou e não aceita mais. Para os brasileiros de hoje, a realização do grande destino do País já não é um objetivo distante. Vemos com clareza, no horizonte, o Brasil mais forte e mais justo que sempre lutamos por alcançar. O projeto em que estamos engajados é o que abre as portas do nosso futuro. Esse futuro está à nossa vista. Na verdade, já começou. Mas não podemos descansar sobre os louros das conquistas já realizadas. Temos de perseverar, agora e nos próximos anos, para dar continuidade à obra iniciada. Esse trabalho diário é do governo, da sociedade, de cada um de nós. 31 – Condenado à prisão perpétua o líbio Abdel Basset al-Megrani, acusado de causar a explosão de um Boeing da Pan Am sobre Lockerbie, Escócia, em 1988.

FATOS DO ANO
JANEIRO
1 – Mais de 5.550 prefeitos de todo o País assumem o cargo preocupados em controlar gastos, conforme prevê a Lei de Responsabilida-

José Paulo Lacerda/AE

de Fiscal. 2 – O saldo da balança comercial fechou 2000 com déficit de US$ 691 milhões. Apesar disso, o resultado é o melhor em seis anos. 9 – Arrecadação federal bateu recorde histórico em 2000, chegando a R$ 176 bilhões. O brasileiro pagou R$ 166,18 bilhões em impostos, o equivalente a 15,35% do Produto Interno Bruto

(PIB). – Decreto regulamenta a lei que permite à Receita a quebra de sigilo de contribuintes sob investigação. 12 – Morre o bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva. 15 – Médicos revelam que o governador de São Paulo, Mário Covas (PSDB), está com câncer na meninge. 18 – O Vasco bate o São

Mônica Zarattini/AE

Caetano por 3 x 1, na final da Copa João Havelange. 20 – O republicano George Walker Bush, texano de 54 anos, toma posse como 43.º presidente dos EUA. 21 – O papa João Paulo II nomeia 37 integrantes do Colégio dos Cardeais, que definirá o nome do seu sucessor, entre eles os arcebispos de São Paulo, d. Cláudio Hummes, e Salvador, d.

Geraldo Majella Agnelo. 24 – Um vazamento de gás na plataforma P-37 da Petrobrás, na Bacia de Campos, Rio, provoca grave explosão e a morte de dois operários. 26 – Terremoto de 7,9 graus na escala Richter mata cerca de 30 mil na Índia. 29 – Decretada a prisão domiciliar do ex-ditador chileno Augusto Pinochet.

FEVEREIRO
2 – EUA e Canadá suspendem a importação de carne bovina do Brasil por causa da doença da vaca louca.

Produto: ESTADO - BR - 3 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H3 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 3 - 31/12/01

H3 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-3:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H3

RETROSPECTIVA 2001
Congresso restringe a imunidade e começa a moralizar os hábitos políticos do País

UM GOLPE NA IMPUNIDADE
do tráfico de drogas no Acre, Aleksandro será provavelmente o primeiro caso de processo aberto pelo Conselho de Ética da Câmara. Instalado em outubro, o conselho faz parte de um “pacote ético” aprovado pelos deputados – um passo decisivo para a moralização dos costumes políticos brasileiros.

A

o longo dos mais de 110 anos de história republicana, o Congresso e as Assembléias estaduais serviram não só para fazer leis. Durante esse tempo, o Legislativo representou, em muitos casos, uma proteção para políticos acusados de crimes comuns. Por causa do princípio da imunidade parlamentar, eles só podiam ser processados quando seus pares davam autorização à Justiça. Em 2001, deputados e senadores tiveram o mérito de acabar com essa distorção. Com a aprovação de uma emenda à Constituição, a imunidade foi restringida e, agora, congressistas e deputados estaduais estão protegidos apenas para expressar suas opiniões e votar da maneira que bem entenderem. No mais, ficam sujeitos ao cumprimento da lei como os demais cidadãos. A mudança ocorre num ano em que os brasileiros acompanharam atentos a “novela” envolvendo dois dos mais infuentes senadores dos últimos tempos – Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e Jader Barbalho (PMDB-PA) – que, para evitarem um processo de cassação, acabaram renunciando. A restrição da imunidade

Regina sob a sombra de ACM: franqueza da funcionária do Prodasen derrubou versão do cacique parlamentar, de imediato, colocou 22 deputados e 2 senadores sob risco de enfrentar processos no Supremo Tribunal Federal (STF). Entre eles, o que parece mais enredado em suspeitas é o deputado José Aleksandro (PSL-AC), acusado pelo Ministério Público de falsificação de tituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 14 – O presidente nacional do PMDB, Jader Barbalho (PA), é o novo presidente do Congresso. Na Câmara, o eleito é o líder do PSDB, Aécio Neves (MG). – O PIB do Brasil cresceu 4,2% em 2000, superando a expectativa oficial de 4%, na maior expansão desde 1995. documento, estelionato e desvio de dinheiro da Câmara Municipal de Rio Branco. No Congresso, estão em curso outras ações contra Aleksandro, todas por quebra de decoro. Logo que os trabalhos legislativos forem retomados em 2002, o Conselho de Ética e Decoro 18 – Cerca de 23.500 detentos se rebelam quase simultaneamente em 25 presídios de 22 cidades de São Paulo, no maior motim do sistema carcerário do País, fazendo cerca de 10 mil reféns. 21 – O cantor e compositor baiano João Gilberto conquista o Grammy na categoria World Music, com o álbum João Voz e Violão. Parlamentar da Câmara deverá dar início a um processo contra Aleksandro por apologia do crime e por dar proteção ao irmão Alexandre, que responde por assassinato. Suplente do deputado cassado Hildebrando Pascoal, aquele apontado como chefe de grupos de extermínio e 22 – Divulgação de fita com uma conversa entre o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e procuradores da República acirra a crise na base do governo. O senador insinua que o aprofundamento das investigações sobre o ex-secretário-geral da Presidência Eduardo Jorge levaria à descoberta de irregularidades que envolvem FHC.

na Borges, ex-diretora do Serviço de Processamento de Dados do Senado (Prodasen), que, como outros funcionários do órgão, confirmou a participação dos dois na violação do painel. A fraude foi considerada pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado motivo de abertura de processo por quebra de decoro. Manobra – Em fevereiro, deEm setembro foi a vez de Javerá ser levado à votação na Câ- der, que não resistiu à avalanmara outro projeto capaz de che de suspeitas de envolvimenaperfeiçoar os mecanismos de to em irregularidades. Foi acucontrole ético do Congresso. Pe- sado de ter participado de opela proposta do deputado Orlan- rações fraudulentas na emissão do Desconsi (PTde Títulos da DíRS), se tornará vida Agrária inelegível o parla(TDAs) – quanRASIL mentar que redo era ministro nunciar ao manda Reforma ASSISTIU À dato para fugir Agrária, no goda cassação, desverno de José ‘NOVELA’ de que os conSarney –, de desgressistas levem viar para uma ACM-JADER o julgamento até conta pessoal dio fim e concluam nheiro de aplicaque o acusado ções do Banco era culpado. do Estado do Pará (Banpará) – Em 2001, três senadores op- na época em que era governataram pela renúncia para não dor – e de fazer tráfico de inse tornarem inelegíveis: ACM, fluência para aprovar projetos Jader e José Roberto Arruda de aliados na extinta Superin(PFL-DF). ACM e Arruda, que tendência do Desenvolvimento deixaram o Senado em maio, fo- da Amazônia (Sudam). ram acusados de quebrar o sigiJader negou até o fim todas lo da votação secreta que resul- as acusações, mas ao perceber tou na cassação do então sena- que o Conselho de Ética abriria dor Luiz Estevão (PMDB-DF), o processo de cassação, o que o em 2000. Eles negaram as acu- tornaria inelegível por oito sações, mas esbarraram na fran- anos, no mínimo, tomou o mesqueza desconcertante de Regi- mo rumo dos ex-colegas.

B

4 – O compositor Herbert Vianna, de 39 anos, do grupo Paralamas do Sucesso, sofre acidente de ultraleve em Mangaratiba, Rio, no qual morre sua mulher, Lucy Needham. 6 – Depois de ter registrado queda de 2% em 1998 e de 0,7% em 1999, a produção industrial brasileira cresceu 6,5% em 2000, segundo o Ins-

Dida Sampaio/AE - 3/5/2001

Também afirma ter a lista de quem votou contra e a favor da cassação do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF). 23 – Fernando Henrique demite os ministros da Previdência Social, Waldeck Ornélas, e de Minas e Energia, Rodolpho Tourinho, afilhados de ACM. – Os EUA e o Canadá suspendem o embargo às impor-

tações de carne brasileira. 27 – O banqueiro Walther Moreira Salles, fundador do Unibanco, morre aos 88 anos, em Araras, Rio, vítima de enfarte fulminante. 28 – A Imperatriz Leopoldinense conquista o tricampeonato do carnaval carioca. – A milícia Taleban ordena a destruição de todas as estátuas do Afeganistão, entre

FELIZ 2003
Não adianta. Por mais que a gente tente, estamos sempre pensando no futuro.
Soluções em banda larga, IP, GSM. A Ericsson sempre traz o futuro até você. Ericsson. Tecnologia aproximando pessoas.

Nort\West

Produto: ESTADO - BR - 4 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H4 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 4 - 31/12/01

H4 -

H4 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-4:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

O PAÍS CHORA A PERDA DE UM EXEMPLO
Como líder combativo, governador austero e doente destemido, Mário Covas deixa um grande vazio na política nacional

RETROSPECTIVA 2001

A

dor pela morte do governador Mário Covas uniu esquerda e direita, cidadãos e políticos, paulistas e brasileiros de todas as regiões. A tragédia pessoal do homem que enfrentou abertamente o câncer, até sucumbir, foi o acontecimento político de maior repercussão popular do ano, cuja comoção foi compartilhada – nos instantes finais, ao vivo, pela televisão – por todo Brasil. O derradeiro ato de um dos mais importantes políticos brasileiros reuniu centenas de pessoas, de idades e cores partidárias diversas, que saíram às ruas de São Paulo numa tocante cerimônia de despedida. A população tomou as dependências do Palácio dos Bandeirantes, durante o velório, alastrou-se pelas ruas da capital para acompanhar o cortejo fúnebre, espalhou-se ao longo da Rodovia dos Imigrantes e terminou por consagrar Covas com um funeral lotado em Santos, no litoral paulista, terra natal do governador. Eram perdas simultâneas o que todos lamentavam naquele instante. Morria Covas, o governador que saneou as finanças de São Paulo. Mas também o deputado que no auge da ditadura militar, em 1968, com um discurso brilhante, evitou a votação que cassaria o deputado Marcio Moreira Alves, e reafirmou a soberania do Parlamento.

O PROFETA DO LIBERALISMO
Analista sagaz, Roberto Campos influenciou presidentes por meio século

O

ano de 2001 foi marcado pela perda de um dos maiores teóricos do pensamento liberal no Brasil: o economista Roberto Campos. Analista sagaz e frasista excepcional, por 50 anos Campos influenciou presidentes, tornando-se o mais destacado defensor, no Brasil, do Estado mínimo na economia. Por suas idéias, ganhou muitos adversários – que, numa referência irônica à sua defesa do capital estrangeiro, o chamavam de “Bob Fields”. No fim da vida, viu o mundo ficar um pouco mais parecido com o que pregava e garantiu o respeito até mesmo daqueles que o combatiam. “Tive o prazer de me provar correto em meu próprio tempo”, declarou, há quatro anos. Boa parte de suas previsões, soluções e diagnósticos começou a fazer mais sentido depois da queda do muro de Berlim, em 1989, produziu uma onda de privatização e desregulamentação econômica – e ganhou adeptos no comando do País. Intelectual, economista, diplomata, ministro, membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) e parlamentar, Campos deu contribuições importantes à economia do País. Seu período de maior poder foi o governo Castello Branco, quando pilotou o Ministério do Planejamento e elas duas gigantescas estátuas de Buda esculpidas em pedra, no século V.

Protagonista – A falta de Covas faz-se mais forte sobretudo diante do momento histórico por que atravessa o País. Covas: cerimônia de despedida reuniu, no Palácio dos Bandeirantes e nas ruas, pessoas de todas as idades e colorações políticas Tucanos e adversários concordam que ele é a ausência Em 1965, já sob o regime que, José Serra e outros dissi- vas preparou seu vice, Geralmais importante da sucessão militar, participou da funda- dentes do PMDB um novo do Alckmin, para sucedê-lo. presidencial de 2002. Prova- ção do MDB. Em 1968, no au- partido, o PSDB, pelo qual Num dos últimos encontros, velmente, mais uma vez, se- ge da repressão militar, teve disputaria a Presidência da disse ao sucessor: “Você adria o protagonista. Covas era o mandato cassado e somente República em 1989. Na cam- ministra o Estado. Eu, a mio candidato que o PSDB bus- voltou à vida pública em panha, fez um discurso céle- nha ida.” ca até hoje e não consegue en- 1979, quando assumiu a presi- bre defendendo um “choque Com fama de turrão e malcontrar para suceder Fernan- dência do PMDB em São Pau- de capitalismo” para o País. humorado, Covas travou, No ano em que ganhou fordo Henrique. lo. Voltaria à nos meses finais de vida, uma ça a chamada “rede de proteA trajetória Câmara dos De- Gravidade – Derrotado na relação de dura franqueza ção social” do governo, o prepolítica e de vip u t a d o s e m disputa pelo governo paulis- com a imprensa, exigindo sidente Fernando Henrique HC: da fizeram de 1982. ta em 1990, Covas elegeu-se transparência sobre seu esta- Cardoso perdeu seu princiCovas uma refeNo ano se- em 1994, assumindo um Esta- do de saúde. No momento pal formulador de políticas ‘SERÃO rência de hoguinte, foi no- do praticamente falido. Com mais emocionante de sua lu- sociais, o chefe da Assessoria mem público. meado prefeito uma rigorosa política de ajus- ta, deu uma entrevista de pi- Especial da Presidência, VilANOS MAIS Formado em ende São Paulo pe- te nas contas públicas, sa- jama e robe, no Incor, onde mar Faria. genharia civil, lo então gover- neou o caixa e reergueu São chorou e fez chorar todos que “Era um homem discreto e SOLITÁRIOS’ iniciou a carreinador Franco Paulo. Já no fim do primeiro o ouviam. “Tive dor, tive me- competente, um intelectual ra política em Montoro. Ele- mandato, Covas lançava um do, tive tudo aquilo que um comprometido com as mu1961, quando geu-se senador plano de obras que incluiu a homem normal tem”, disse. danças do Brasil”, comentou disputou a prefeitura de San- em 1986, quando tornou-se construção do Rodoanel, a Covas chorou como homem. Fernando Henrique no entertos, pela UDN. Derrotado, um dos mais ativos partici- amplicação do metrô e a du- “Qual é a outra forma mais ro do assessor, em São Paufoi nomeado secretário de pantes da Assembléia Nacio- plicação da Rodovia dos Imi- digna de mostrar os sentimen- lo. Mais do que um colaboraObras da cidade. No ano se- nal que redigiu a Constitui- grantes. No segundo manda- tos?”, perguntou. Mario Co- dor, Faria era amigo íntimo guinte, elegeu-se deputado fe- ção de 1988. No mesmo ano, to, já ciente da gravidade da vas Júnior morreu em 6 de do presidente e da primeiraderal pelo PST. fundou com Fernando Henri- doença que o acometia, Co- março, aos 70 anos. dama, Ruth Cardoso – talvez o último da equipe do Planalto com quem o presidente conversava sobre tudo. Conheciam-se havia quase 40 anos. Durante o exílio do casal criou o Fundo de Garantia acabar com a inflação. Os mono Chile, na década de 60, do Tempo de Serviço (FG- netaristas perderam a bataFernando Henrique foi proTS), o Sistema Financeiro da lha, Juscelino rompeu com o fessor de Faria. No governo, Habitação (SFH), o Banco Fundo Monetário Internacioo chefe da Assessoria EspeCentral do Brasil, o Conselho nal (FMI) e Campos voltou cial concebeu o lançamento Monetário Nacional, a cader- ao Itamaraty. de programas sociais comneta de poupança e o EstatuEm 1961, na gestão de Jâpensatórios, como o Bolsato da Terra. nio Quadros, participou das Escola e o Bolsa-AlimentaAntes, como assessor eco- negociações para retomar o ção, com ênfase no atendinômico do segundo governo acordo com o FMI e negociou mento direto da população, Getúlio Vargas a partir de empréstimos para o Brasil. sem a participação dos inter1951, tinha sido também men- Em seguida, foi nomeado emmediadores que sempre retor do Banco Nacional de De- baixador em Washington. presentam desperdício de disenvolvimento Econômico Deixou o cargo em 1963. nheiro público. (BNDE), sigla que anos deApoiou a ascensão dos miliDe acordo com o presidenpois ganou um “S”, de social. tares ao poder, em 1964. O te, o assessor tinha o perfil Participou ainda da elabora- plano que elaborou em parcede um eventual futuro minisção do projeto para a funda- ria com Octávio Gouvêa de tro da Educação. Vai fazer ção da Petrobrás – mas defen- Bulhões, então ministro da falta ao governo em 2002, dendo a participação de capi- Fazenda, no governo Casano em que Fernando Henrital estrangeiro, idéia que não tello Branco, é considerado o que pretende concentrar sua vingou. único, antes do Real, a venatenção na área social – de Depois de cer a inflação. olho tanto no lugar que será Vargas, CamMas provocou ocupado por seu governo na pos foi profícuo muita controHistória quanto em tentar gaANHOU colaborador de vérsia. Por caurantir a vitória de seu candivários outros sa da contenção Campos: “Tive o prazer de me provar correto em meu próprio tempo” dato na eleição presidencial. O RESPEITO presidentes. do crédito, inAjudou, por dustriais o acu- bro de 1992. Votou pelo afas- uma potência emergente que Estudo – Na semana em que ATÉ DOS exemplo, a elasaram de estag- tamento do presidente que ainda não emergiu. Continua morreu, Faria jantou com o borar o Plano nar a economia. apoiara, mas afundava politi- sendo um país com grande fu- presidente, Ruth Cardoso e o ADVERSÁRIOS de Metas de JusEm 1974, foi camente em meio a acusa- turo no seu passado. Tendo então nomeado embaixador celino Kubitsnomeado embai- ções de corrupção. Dois anos chegado a produzir o oitavo do Brasil na Itália, Andrea chek, cuja adoxador do Brasil depois, Campos foi reeleito PIB, deixou-se ultrapassar pe- Matarazzo. O assessor estava ção, entre 1955 e 1961, levou no Reino Unido. Ficou em deputado. para entregar a Fernando la China e pela Espanha.” o País a experimentar cresci- Londres até 1982, quando reNo que talvez tenha sido o Henrique um estudo sobre a mento industrial de 80%. tornou para disputar uma va- “Mesmice” – Depois de 16 seu último ato público, Cam- pobreza no País. Doutor em sociologia pela ga no Senado por Mato Gros- anos de vida parlamentar, pos assumiu a cadeira 21 na Batalha – Num período mar- so, seu Estado natal. Foi sena- perdeu a disputa pelo Sena- Academia Brasileira de Le- Universidade Harvard cado pelo sentimento antia- dor de 1983 a 1990, quando do, em 1998, para o ex-prefei- tras em 1999, ocupando o lu- (EUA), Vilmar Evangelista mericano, era chamado pela se elegeu deputado federal pe- to Saturnino Braga (PSB). gar que pertencera ao drama- Faria especializou-se no estuesquerda de “entreguista”. lo Rio. Ao despedir-se do Congresso, turgo Dias Gomes. No discur- do de questões urbanas e soNos anos 50, manifestações Com problemas de saúde, se disse frustrado com a “mes- so de posse, fez questão de cri- ciais relativas a emprego, poestudantis acabavam em seu em cadeira de rodas, compa- mice” da política brasileira e ticar o comunismo – ideolo- pulação e políticas públicas. Morreu aos 60 anos, na maenterro simbólico. Monetaris- receu à sessão da Câmara com a incapacidade do País gia professada por Gomes – e tas – ao lado dos quais Cam- que afastou do cargo o presi- de promover o desenvolvi- elogiar o regime militar brasi- drugada de 28 de novembro, pos se alinhava – e estrutura- dente Fernando Collor de mento sustentado. leiro. Roberto de Oliveira em Brasília, de hemorragia listas disputavam certezas so- Mello, no processo de imFez. na ocasião, uma análi- Campos morreu em 9 de outu- digestiva decorrente de aneurisma. bre a forma mais eficaz de peachment, em 29 de setem- se impiedosa: “O Brasil é bro, aos 84 anos, de enfarte.

Agliberto Lima/AE - 4/5/2000

Mesmo Parlamento que, já na redemocratização do País, seria palco para a atuação apaixonada do senador constituinte, em 1988. Dava-se adeus, também, ao político que fundou o PSDB junto com Fernando Henrique Cardoso. “Serão anos mais solitários”, admitiu o presidente ao Estado no dia seguinte à morte do amigo governador.

O MENTOR DAS POLÍTICAS SOCIAIS

F

G

MARÇO
4 – O economista ultraliberal Ricardo López Murphy, de 49 anos, é designado ministro da Economia da Argentina, em substituição a José Luís Machinea. 6 – Covas morre em São

Paulo. O governador em exercício, Geraldo Alckmin (PSDB), assume o cargo. 7 – O ex-general Ariel Sharon, de 73 anos, toma posse como premiê de Israel. – Relatório do Banco Central mostra mais dois depósitos na conta corrente de Jader Barbalho, estabelecendo sua ligação com o desvio de R$ 10 milhões do Banco do Estado do Pará (Banpará).

– O São Paulo vence o Botafogo por 2 x 1 e conquista o Torneio Rio-São Paulo. 9 – FHC nomeia o senador José Jorge (PFL-PE) para o Ministério das Minas e Energia e o deputado Roberto Brant (PFL-MG) para o da Previdência Social. – Soldados do Taleban destroem as duas estátuas de Buda de Bamiyan. 12 – Fernando Henrique

Carlos Moraes/Agência O Dia - 6/7/98

nomeia interventor para cuidar da extinção da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). 13 – O ex-senador peemedebista Luiz Estevão é preso em São Paulo, acusado de envolvimento no desvio de recursos da obra do Fórum Trabalhista do Estado. 15 – Três explosões ocorridas numa coluna de flutuação da plataforma P-36 da Pe-

trobras, na Bacia de Campos, matam 11 funcionários. A P-36 aderna 30 graus. 16 – Superior Tribunal de Justiça (STJ) concede liminar revogando a prisão preventiva de Luiz Estevão. – López Murphy anuncia forte ajuste fiscal, atirando o governo de Fernando de la Rúa em crise política. 19 – López Murphy renuncia e De la Rúa o substitui

por Domingo Cavallo. 20 – A plataforma P-36 afunda. 21 – Fernando Henrique anuncia o acordo para pagamento das perdas impostas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) pelos Planos Verão (1989) e Collor 1 (1990). 23 – Estação espacial russa Mir cai no Pacífico. 25 – O grande vencedor

Produto: ESTADO - SP - 5 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H5 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - SP - 5 - 31/12/01

H5 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-5:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H5

O Brasil melhorou em quase todos os índices do setor. Agora, falta a qualidade

A HORA E A VEZ DA EDUCAÇÃO

2002: CENÁRIOS

Q

ualquer um que observar os dados da educação brasileira verá que ela melhorou. Ao menos, numericamente. Há mais crianças e jovens matriculados em todos os níveis de ensino e os índices de evasão e repetência estão caindo. Além disso, iniciativas como o Bolsa-Escola estimulam famílias de baixa renda a manter as crianças estudando. Mas os números encobrem um problema a ser enfrentado: melhorar a qualidade do ensino. Em dezembro, foi divulgado um estudo internacional com 32 países que deixou o Brasil na última posição. Criada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico para medir o conhecimento dos jovens de 15 anos, a avaliação mostrou que o aluno brasileiro consegue ler um texto, mas é incapaz de compreendê-lo. “O desastre poderia ter sido pior”, afirmou na ocasião o ministro da Educação, Paulo Renato Souza. Diante de tal quadro desolador, não restou alternativa ao ministro senão admitir que está mais do que na hora de dar um salto de qualidade. Outras avaliações reforçam essa necessidade. No Exame

Estudantes protestam contra realização de vestibular na UFRJ: greve tumultuou o ano letivo e evidenciou a crise no ensino superior Nacional do Ensino Médio (Enem), a média foi de 40,5 pontos em uma escala de 0 a 100. No Provão, somente universitários de odontologia e pedagogia, entre 20 carreiras avaliadas, obtiveram média superior a 50. É verdade que, em geral, as universidades públicas tiveram desempenho melhor que as particulares no Provão. No entanto, a greve dos professores, que durou 107 dias e causou o atraso dos vestibulares e do segundo semestre letivo 2001, mostrou que nem tudo são flores no sistema federal de ensino superior: os professores estão insatisfeitos com os salários e dizem que faltam recur-

sos para a manutenção – o que prejudica o ensino e a pesquisa. Há, porém, alguns sinais de mudança. Pela primeira vez, o MEC suspendeu 12 cursos universitários por oferecerem ensino de péssima qualidade. As faculdades, quatro de São Paulo, estão proibidas de fazer vestibular e têm um ano de prazo para melhorar. Mas o MEC continua a autorizar a abertura de faculdades particulares e o resultado é que cursos de baixa qualidade brotam em toda parte. Cientes do problema, entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil e o Conselho Federal de Medicina defenderam, em dezembro, mais rigor na abertura de cursos em suas áreas e o fechamento dos que têm desempenho ruim no Provão. Também por conta do Provão, algumas particulares resolveram investir na melhoria de seus quadros profissionais e outras, ainda poucas, começam a apostar na produção científica, um dos grandes diferenciais do ensino superior. Outra tendência que deve se acentuar em 2002 é o grande interesse pela pós-graduação: o Brasil nunca teve tantos mestres e doutores. Assim, o desafio da educação, que já superou o drama da falta de escolas, agora é oferecer ensino de qualidade, capaz de garantir a esses jovens meios de acesso a um mercado de trabalho cada vez mais exigente.

RETROSPECTIVA 2001
Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Vazamento de duto da Petrobrás no Paraná: acidentes em série em 2001

Tasso Marcelo/AE - 18/3/2001

OS ACIDENTES CONTRA A NATUREZA
Petrobrás termina o ano como a grande poluidora do País e recebe uma série de multas por vazamentos

Equipes tentaram até o último instante resgatar a P-36: falha ocorrida num tanque causou a explosão da plataforma

Marítima Petróleo e Engenharia – cadoras como responsáveis pelo acique está sendo investigada – e adap- dente. O presidente da empresa, tada para operar em águas profun- Henri Philippe Reichstul, deixou o das. cargo no dia 21 de dezembro. Em No fim de novembro, a Procurado- seu lugar assume, dia 2 de janeiro, ria Especial da Marinha denunciou Francisco Gros, até então presidenor cinco dias seguidos, os bra- a Petrobrás e duas empresas certifi- te do BNDES. sileiros voltaram sua atenção para a Bacia de Campos, no Rio. Todos estavam curiosos e preocupados com o destino da P-36, a maior e mais avançada plataforma de prospecção de petróleo do mundo. No dia 20 de março, chegou-se ao trágico desfecho: em menos de 15 minutos as 40 mil toneladas foram para o fundo do mar, a 1.360 metros da superfície. Afundaram com ela os corpos de 9 dos 11 funcionários mortos, a produção de 80 mil barris de petróleo por dia e um investimento de US$ 354 milhões. Em junho, a Petrobrás apontou como principal causa do acidente uma falha no tanque de drenagem de resíduos localizado em uma das colunas da P-36. A plataforma foi adquirida sem licitação da empresa Homem caminha no chão castigado: carros-pipas e cestas básicas aos flagelados

TRAGÉDIA EM ALTO-MAR
Em menos de 15 minutos, a P-36 afundou levando 9 mortos e um investimento de US$ 354 milhões

A

P

série de vazamentos em áreas ou instalações sob responsabilidade da Petrobrás ou de empresas ligadas a ela terminou por manchar a imagem que a companhia mais zelava: a de investidora em projetos ambientais. Em 2001, os acidentes vieram em seqüência. Em fevereiro, o rompimento do oleoduto AraucáriaParanaguá derramou 50 mil litros de óleo em Morretes, no Paraná. A empresa foi multada em R$ 150 milhões. Outros acidentes se seguiram, incluindo o inusitado rompimento de

um duto em Barueri, na Grande São Paulo, sobre as casas de um condomínio de luxo. Foram 200 mil litros de óleo bruto. Mais de 30 quilômetros de praias da Bahia foram atingidos com o vazamento de óleo de um navio da Transpetro, em agosto. Em outubro, um novo acidente provocou pânico entre a população da região de Paranaguá. Tudo por causa do navio Norma, carregado com cerca de 20 milhões de litros de nafta, que ficou encalhado após bater contra uma pedra. Um mês depois, vazaram da Refinaria de Manguinhos, no Rio, 100 mil litros de óleo na Baía de Guanabara, atingindo as praias de Niterói. Para muitos, a empresa exagerou na terceirização da mão-de-obra comprometendo a qualidade dos serviços.

A SECA, OUTRA VEZ
Governo ofereceu sua ajuda, mas já surgem projetos que ensinam o sertanejo a conviver com a longa estiagem

Dida Sampaio/AE – 4/6/2001

A

manhã do 1.º de janeiro de 2001 teve sol forte e quase não havia nuvens no semi-árido nordestino. Para o sertanejo, sinal de que seria um ano difícil. E foi, mais uma vez. Os caminhões-pipa trafegaram pelas estradas de terra. Cestas básicas foram distribuídas. Houve saques e invasões de propriedades. Safras foram perdidas e a fome surgiu im-

placável. Em cinco Estados, 111 municípios despertaram o primeiro dia deste milênio em estado de calamidade pública. O governo criou um ministério extraordinário para enfrentar o drama da seca. Quase 1 milhão de cestas foram entregues em 723 municípios. DoForam adotadas duas novas formas de proteção dos flagelados: a bolsa-renda de R$ 60 e o seguro-safra de R$ 90. Mas para muitos sertanejos a solução surgiu da ajuda de entidades sociais: projetos simples e baratos, como cisternas e barragens de retenção da água, permitem a convivência com a seca. 19 – No Senado, Regina Borges confirma que o painel eletrônico da Casa foi violado a pedido de ACM e Arruda, que deixa a liderança do governo. 21 – O traficante Luís Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, é preso pelo Exército colombiano na cidade de Maranduba. 23 – Arruda admite que teve acesso à lista com o re-

da 73.ª edição do Oscar é o épico Gladiador, de Ridley Scott. O filme leva 5 estatuetas, de um total de 12 indicações. 28 – Bush decide não implementar o Protocolo de Kyoto, acordo sobre controle das emissões de poluentes que produzem o aquecimento da atmosfera. O argumento é de que o protocolo prejudica os interesses econômicos do país.

ABRIL
1 – A China anuncia que dois caças interceptaram, em 31 de março, um avião de reconhecimento EP-3 dos EUA, forçando-o a pousar na ilha de Hainan. Segundo as autoridades, um dos caças caiu após ter tocado o EP-3 e o piloto está desaparecido. Os 24 tripulantes do avião americano passam bem.

– O escocês David Coulthard, da McLaren, vence o GP Brasil de Fórmula 1. – O ex-presidente Slobodan Milosevic se entrega à polícia sérvia. 5 – O governo federal anuncia o Plano de Redução de Consumo e Aumento da Oferta para diminuir em 10% o consumo de energia no Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. As autoridades alertam que,

se o plano não alcançar as metas até maio, o País sofrerá racionamento de energia. 11 – China liberta tripulação do avião americano. 12 – Acidente na plataforma P-7 da Petrobras provoca o vazamento de 26 mil litros de óleo na Bacia de Campos. 16 – A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, e o senador Eduardo Suplicy, do PT, anunciam o fim de um casa-

mento de 36 anos. 17 – Laudo confirma violação do painel do Senado na sessão que levou à cassação de Luiz Estevão. A ex-diretora do Centro de Processamento de Dados do Senado (Prodasen), Regina Borges, diz ter recebido ordem do líder do governo na Casa, José Roberto Arruda (PSDBDF), para reproduzir a lista com os votos.

Andréa Farias/O Dia - 28/10/2001

Produto: ESTADO - BR - 6 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H6 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 6 - 31/12/01

H6 -

H6 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-6:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

2002: CENÁRIOS
dar. De acordo com Simpson, diminuiu o apetite dos cientistas por grandes genomas. 2002, porém, deve assistir ao anúncio da conclusão de vários estudos com bactérias e à divulgação do grande notícia de feve- esboço dos genomas do camunreiro foi que o seqüencia- dongo e do rato, no mais tardar mento do genoma hu- no início do segundo semestre. mano estava concluído e publi“O grande desafio agora é cado. Só que aquele genoma era identificar e caracterizar a funum rascunho incompleto, com ção dos genes humanos e isso erros, e a decisão de publicá-lo envolve a comparação deles foi mais política do que qual- com os de outras espécies e o dequer outra coisa. Livros que senvolvimento de ferramentas mostram os bastidores das duas capazes de descobri-los e identipesquisas revelam que tanto os ficar as regiões do genoma que dados do genoma público quan- regulam a ação desses genes”, to os da Celera de Craig Venter explica John Quackenbush, da foram reunidos Tigr (The Instituàs pressas, em te for Genomic menos de uma seResearch) dos ESAFIO É mana, para pôr EUA. A grande um pedra em ciaposta aqui é no SABER COMO ma da polêmica chamado genoentre o trabalho ma funcional, a FUNCIONA público e o da emárea de pesquisa presa privada. que estuda o que CADA GENE “Consolidar o faz cada gene e genoma humano como faz. vai ser uma das A ferramenta grandes tarefas de 2002”, diz que os cientistas usam nesse tiAndrew Simpson, do Instituto po de trabalho são os chamaLudwig, acrescentando que a dos microarrays, uma tecnoloversão definitiva só deve estar gia que nasceu há apenas 7 pronta em 2003. Nessa versão fi- anos, mas já é capaz de, numa nal, o número de genes huma- única lâmina, comparar a exnos deve ser pelo menos o do- pressão de 30 mil genes. São bro dos 30 mil anunciados em eles que permitem identificar fevereiro – estudos recentes si- quais genes estão ativos ou não tuam esse total na casa dos 57 nesta ou naquela doença, quais mil, mas a cifra ainda pode mu- são acionados neste ou naquele

Falta muito para esse trabalho terminar, mas 2002 promete grandes avanços na pesquisa

E VEM AÍ O GENOMA HUMANO...

A

D

Win McNamee/Reuters - 12/2/2001

Robert Waterston, um dos “pais” do genoma, no dia da publicação dos dados: seqüenciamento só deve ser concluído em 2003 estágio de desenvolvimento de um ser vivo. É a partir desses dados que os pesquisadores começam a vislumbrar como os genes interagem e esse volume de informações é brutal. “Em 2002, deveremos ter a primeira integração real desses dados por meio da bioinformática, que vai fornecer os meios de interpretar os padrões de expressão genética”, diz o pesquisador americano. Assim, em 2003, quando os leitores do Estado virem na primeira página que foi concluído o seqüenciamento do genoma humano podem ficar sossegados: não vão estar lendo notícia antiga.

AIDS: VITÓRIA DO PAÍS

RETROSPECTIVA 2001

Joédson Alves/AE - 21/3/2001

m 2001, o Brasil provou ao mundo, e em especial aos Estados Unidos, que o direito de uma população à saúde se sobrepõe até ao direito à propriedade intelectual. Na última reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC), em novembro, o País conseguiu aprovar uma declaração garantindo que interesses comerciais Tapete no Vale do Anhangabaú, em São Paulo: programa antiaids brasileiro vira referência não impeçam o desenvolvimento de políticas de saúde pública. nheceu conviver com uma epiNo entanto, a visibilidade demia que atinge mais de meio que o programa brasileiro de milhão de pessoas. Em apenas atendimento à aids ganhou em um ano, os chineses registratermos internacionais parece ram um crescimento de 67% no uma faca de dois gumes. Se por número de casos da doença. um lado, agências internacioHoje, 40 milhões de pessoas nais, como a ONU e a OMS, em todo o mundo estão infectanão poupam elogios à iniciati- das pelo HIV e, este ano, 3 miva de distribuir medicamentos lhões morreram de aids. Dos 5,6 de graça aos doentes, de outro mil municípios brasileiros, esses mesmos elogios fizeram 3.500 têm pelo menos um caso com que os grandes laborató- de aids. De 1980 até junho, forios se mobilizassem na tentati- ram registrados 215.810 casos va de impedir que o exemplo da doença no País. do País fosse seguido. Não deu O ano marcou também a checerto. Ao longo gada ao mercado do ano, o minisdo primeiro “metro da Saúde, Jodicamento do fu- Outdoor da campanha do terceiro setor: mais profissionalismo PIDEMIA sé Serra, chegou turo”, o Glivec, a ameaçar quepara leucemia ATINGE 40 brar a patente de mielóide crônica. remédios antiaiA droga foi projeMILHÕES NO ds se os fabricantada para bloO Ano Internacional ressados em se dedicar a altes não reduzisquear a ação de gum tipo de atividade social. do Voluntário MUNDO sem preços. A uma proteína deSó o Centro do Voluntariado despertou o interesse de São Paulo foi procurado ameaça funciofeituosa que caunou. Os preços sa a doença e a por quase 16 mil pessoas – quapelas ações sociais baixaram e o programa brasilei- Novartis teve de construir instatro vezes mais que o registrado ro segue em frente. lações especiais só para produziunca se falou tanto em 2000. No cenário internacional, a lo. A droga foi aprovada pela em ajudar o próximo Com isso, mudou também aids continua devastando os FDA americana em tempo recomo nos últimos do- o perfil do voluntário. Comepaíses africanos, em especial a corde, tal a sua eficácia. Caríssi- ze meses. Ajudou, e muito, o ça a entrar em cena o “volunÁfrica do Sul, onde a briga pelo ma, foi alvo de outra queda-de- fato de a Organização das Na- tário profissional”, que usa direito de as grávidas recebe- braço entre autoridades brasilei- ções Unidas (ONU) ter escolhi- seu conhecimento no trabarem AZT – para evitar a conta- ras e a indústria farmacêutica. do 2001 como o Ano Interna- lho do dia-a-dia em favor do minação dos bebês – foi parar De novo, o preço do produto cional do Voluntário. As insti- próximo. As entidades saína Justiça. Também em 2001, caiu e o governo decidiu distri- tuições assistencialistas recebe- ram ganhando e mais ainda a pela primeira vez, a China reco- buir a droga gratuitamente. ram um batalhão de novos inte- população assistida.

E

Sebastiao Moreira/AE - 30/11/2001

Posição brasileira de permitir produção barata de remédios prevalece

Vitória é a primeira bezerra clonada no Brasil, na Embrapa

E

PELO PRÓXIMO

N

lhotes que nascem com problemas graves – e precisam ser sacrificados – é enorme. No fim do ano, outra bomba – esta puramente publicitária. Um empresa americana oi o ano da clonagem e anunciou ter clonado o pridas células-tronco, duas meiro embrião humano. Traexpressões que vieram tava-se de meras seis células, para ficar nas conversas do que nem foram adiante, e que dia-a-dia. No Brasil, foi tam- Ian Wilmut, o “pai de bém o ano em que nasceram Dolly”, considerou ridícula. Vitória, a primeira bezerra clo“Foi um retrocesso para as nada no País, e os filhotes de pesquisas”, afirma a genetium camundongo cista Mayana chamado CrisZatz. O medo tian, pai da pride que essas exEBATE meira ninhada de periências lecobaias transgênivem à clonaDEVE cas produzidas gem de um ser no Brasil. humano comESQUENTAR A polêmica da pleto (à produclonagem exploção de um beEM 2002 diu quando um bê) ameaça famédico italiano zer com que chamado Severipaíses como os no Antinori anunciou que ini- EUA proíbam ou limitem váciaria experiências com seres rias linhas de pesquisa, incluhumanos em novembro. Foi sive as que se utilizam de céluuma comoção na comunida- las embrionárias na tentativa de científica (séria) mundial. de tratar e até curar doenças É muito cedo, dizem os pes- como mal de Parkinson, diaquisadores, para pensar em bete e Alzheimer. clonar um ser humano inteiriA discussão continua em nho. Mesmo em animais, a 2002 – com o Congresso ametécnica tem um índice de fra- ricano iniciando um amplo casso de 97% e o número de fi- debate sobre o tema.

OS CLONES E AS CÉLULAS-TRONCO

Um golpe de marketing põe em risco a continuidade de pesquisas promissoras

JJ.Leister/AE - 8/8/2001

F

D

teve acesso à lista com o resultado da votação que levou à cassação de Luiz Estevão e diz que a entregou a ACM. – Resolução proposta pelo Brasil, qualificando o acesso a remédios de direito humano, é aprovada pela Comissão de Direitos Humanos da ONU. O País ganha força na disputa sobre patentes de medicamentos antiaids que trava com os EUA.

24 – ACM também admite que teve acesso à lista com a votação da cassação de Luiz Estevão. 28 – O milionário americano Dennis Tito, de 60 anos, parte a bordo da nave russa Soyuz-TM32 e torna-se o primeiro turista espacial da história. Tito pagou cerca de US$ 20 milhões por dez dias no espaço. 30 – A dramaturga Maria

Clara Machado morre no Rio, aos 80 anos, em decorrência de câncer linfático.

MAIO
2 – Fernando Henrique determina a extinção da Sudam e da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), das quais foram desviados R$ 4 bilhões. 7 – Depois de 35 anos fora-

gido da Justiça do Reino Unido, Ronald Biggs deixa o Rio e desembarca em Londres, onde é preso. 8 – O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, pede demissão, acusado de desviar recursos da Sudene. – O Tribunal de Contas da União (TCU) decide que o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto e o ex-senador

Luiz Estevão terão de devolver aos cofres públicos os R$ 196,7 milhões desviados da obra superfaturada do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. 9 – De acordo com o Censo 2000, o Brasil tem a quinta maior população do mundo, com 169.590.693 habitantes, atrás apenas de China, Índia, EUA e Indonésia. 12 – Morre, aos 72 anos, o

bicampeão mundial de futebol Waldir Pereira, o Didi. 15 – FHC sanciona projeto que transforma em crime o assédio sexual. 16 – No Conselho de Ética, o relator Saturnino Braga (PSB-RJ) recomenda a abertura de processo de cassação contra ACM e Arruda, por quebra de decoro. 18 – Governo federal anuncia o plano de racionamen-

Produto: ESTADO - BR - 7 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H7 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 7 - 31/12/01

H7 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-7:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H7

2002: CENÁRIOS
Os sinais que ele nos enviou vieram de uma época diferente da nossa, de uma outra lógica e de um outro espaço. O chefe da batalha vagueia nas velhas grutas onde vaticinavam os profetas dos GILLES LAPOUGE antigos livros sagrados. Correspondente Motivo suficiente para deARIS – Cem dias. Fo- sencorajar os alunos de ram necessários cem West Point e os soldados fordias para que o sur- mados com os princípios de preendente desafio feito ao Napoleão e de Clauzewitz. Ocidente pelos terroristas de Ora, bastam algumas seqüênOsama bin Laden, com seus cias de bombas para que es“fanáticos por Deus”, se es- ses exércitos do mistério, esvaziasse de uma maneira las- ses pretorianos do imperceptimável. tível e quase do invisível se liLembremos: no dia seguin- qüefaçam e saiam em debante ao dia 11 de setembro, es- dada como coelhos. perávamos o Apocalipse, Quanto a isso, o estranho aviões sobre Westminster, é que, para abater esses exéruma América enlouquecida, citos obscuros, o Ocidente bombas atômicas, o mundo ou principalmente os Estamuçulmano inclinado para dos Unidos nem sequer tiveo lado dos afegãos, e nada ram de imaginar novas estradisso aconteceu. O planeta tégias. se acalmou. Readormeceu. No entanto, nos momenBin Laden está em um bura- tos seguintes ao dia 11 de seco, fugindo ou morto. tembro, Bush e seus minisRemissão? Trégua? Dissi- tros repetiram sem parar, mulação? Inconsciência? An- prometendo-nos novos métotes de responder, é preciso dos de guerra, armas jamais examinar como o Ocidente vistas, táticas desconhecidas ganhou essa disputa. e mortais. Primeira lição: Bush não é Ora, não vimos nada disum idiota. Ao contrário do so. Para abater os “invisíque diziam os franceses, sem- veis” das montanhas afegãs, pre mais maliciosos que o os americanos e a Aliança mundo inteiro, que Bush pa- do Norte desenterraram torecia quase não saber achar da a panóplia das guerras Cabul em um mapa geográfi- do século anterior: soldados, co. E conseguiu reunir em aviões, bombas. Nem sequer volta dele uma equipe às ve- um material mais moderno: zes desagradável (Donald os tanques R-55 entregues Rumsfeld), às vezes sutil ao Norte pela Rússia ou os (Colin Powell), mas sempre B-52 americanos, que têm competente e eficaz. meio século de idade. Segunda lição, também Devemos concluir, após esimportante: viu-se que, sa vitória relâmpago, que o quando o Ocidente deixa de perigo islâmico, o do terrorister medo das sombras, sabe mo, foi realmente abatido? intimidar o terror, no caso, a Seria uma imprevidência: loucura criminosa dos funda- ontem, exagerou-se a gravimentalistas islâmicos. dade do perigo islâmico. Há anos o Não seria pruavanço do isladente hoje sumismo sangrenbestimá-lo. ERROR to era consideNa verdade, rado inexoráa vitória ameriADOTARÁ vel. Os frenéticana foi obtida cos acumulagraças a alguNOVAS vam vitórias. mas decisões Argélia e Suaudaciosas, inFORMAS dão, Afeganisteligentes, mas tão, Hamas e perigosas e que Jihad palesticorrem o risco na, Irã, Filipinas, por toda de ter um grande peso nos parte o trunfo estava no cri- destinos do mundo durante me. muito tempo. O Ocidente balbuciava, hePara evitar que o novo sésitava, recuava. Ora, no Afe- culo comece dando razão às ganistão, ou seja, diante do detestáveis teses de Samuel desafio mais aterrorizante, o Huntington sobre a divisão mais perverso fundamenta- do mundo em dois campos lismo, a espiral fatal nitida- (cristão contra islâmico), os mente se rompeu. Em cem assessores de Bush tiveram dias. a habilidade de arregimenCertamente, nos dez últi- tar rapidamente, na coalisão mos anos, o Ocidente já ti- antiterror, os países muçulnha reagido vitoriosamente manos. E com um belo êxito. contra algumas violências. Mesmo o Paquistão, recenNa Bósnia, assim como em te plataforma do terror em Kosovo, bastou os aviões su- geral e do movimento dos tabirem ao céu para que o pre- leban em particular, entrou sidente iugoslavo, Slobodan na coalizão. Milosevic, fosse reduzido ao Mas para conseguir esse que foi: um homem sem con- resultado, a diplomacia amesistência e difamado. ricana teve de oferecer alMas a ameaça sérvia (lai- guns docinhos. Por exemplo, ca e não religiosa) obedeceu ao mesmo tempo que os Estaàs regras clássicas da guer- dos Unidos tinham há muito ra. Havia um Estado. tempo optado pela Índia, no Havia um Exército. Havia braço de ferro que opõe Ínuma linha de frente. dia e Paquistão, de repente, Desde então, a superiori- a Índia foi negligenciada e o dade em matéria de armas, general Pervez Musharraf, o técnicas, aviões e dinheiro presidente paquistanês, adudo campo ocidental pôde en- lado, mimado e acariciado. trar totalmente no jogo e desDa mesma maneira, ao truir Milosevic. O mesmo mesmo tempo que Bush tiaconteceu no Iraque. Ao con- nha mostrado há seis meses trário, no Afeganistão, o que não levava nada a sério combate foi mais complica- os palestinos, de repente, do, mais irracional. seu coração começou a sanNo Afeganistão, não foi grar, ao pensar nos pobres um Estado ou uma nação árabes de Gaza. que se lançou ao ataque. Mas, hoje, depois que OsaNão se sabe o que foi. O ini- ma bin Laden se dissipou, a migo atirou a partir do na- mesma diplomacia americada. Foi transnacional, multi- na tende a esquecer o que forme e disforme, arcaico e pensava ainda no mês passapós-moderno, invisível e fla- do, e a retomar seus esquegrante. Tornou-se quase mí- mas do período anterior ao tico. dia 11 de setembro.

A fácil vitória na ‘primeira partida’ no Afeganistão faz o mundo readormecer

O PERIGO CONTINUA

P

BOMBA NO CALÇADO
Tentativa de explodir um avião mostra que as surpresas do terror são incalculáveis

T

D
Patrick Sison/AP - 11/9/2001

Nuvens de fumaça saem de torre do WTC atingida por um avião, enquanto outro jato se aproxima da segunda; à direita, pessoas presas se comprimem na janela; um homem, desesperado, salta

AMEAÇA:NOVO ÓDIO
Diplomacia volta aos velhos trilhos e povos, que não esquecem, podem sentir-se traídos
o Oriente Médio, a brusca afeição dada aos palestinos secou. No subcontinente indiano, e após o atentado perpetuado contra o Parlamento indiano por terroristas paquistaneses da Caxemira, a diplomacia de Washington retomou suas antigas preferências e se inclina novamente em favor da Índia. Essas idas e vindas são explicáveis, mas perigosas. Os povos não esquecem. Se eles se sentirem traídos, um novo ódio ameaça infectar os cérebros. Outro enigma é saber em que vai se transformar o terrorismo, após seu duro fracasso. É o fim dos grandes sonhos apocalípticos das décadas de 1980 e de 1990? Os fundamentalismos vão se dissolver como por um passe de mágica? Temo sobretudo que eles não resistam e sonhem de outras formas. Na psicanálise, existe irmãos, antes de se suicidar. 3 – Alejandro Toledo é eleito presidente do Peru com 70% dos votos. – O ator mexicano Anthony Quinn morre, aos 86 anos, em Boston (EUA). – Policiais civis de Pernambuco entram em greve. 4 – Pequim concorda em devolver, desmontado, avião-espião americano. – Coroado o novo rei do Ne-

N

uma forte noção: o pós-trauma. porque os sérvios perderam a baFreud quer dizer com isso que um talha do Campo dos Melros conepisódio traumatizante e aparen- tra os albaneses na Idade Média, temente superado não morre. Es- que alguns séculos depois, explose episódio finge de morto. Ele se diu a guerra entre sérvios e kosoesconde. Desce pelas águas cin- vares albaneses. zentas do inconsciente, mas contiÉ porque as Cruzadas ainda o nua a palpitar. E um dia reapare- povoam que Huntington vê um ce em outro cenário, em um novo conflito entre Ocidente e Islã. É campo de batalha e com outras ar- por causa da Guerra dos Cem mas. Por exemA n o s plo, uma humilha(1337-1453), na ção a que se foi França, que o puRUSCA submetido na ingilista francês, Hafância, uma cruellimi, há alguns AFEIÇÃO A dade ou uma inanos, tendo vencijustiça parece esdo o pugilista inPALESTINOS quecida. Mas não glês, Turpin, leé verdade. E 20 vantou um braço SECOU anos depois, surgitriunfante e grirão desequilíbrios tou para a multimais ou menos dão em regozijo: graves. “Joana d'Arc, eu te vinguei!” Da Estou convencido de que o pós- mesma maneira, o terror. Blotrauma de Freud aplica-se não só queado aqui, não corre o risco de à história do indivíduo, mas à His- renascer lá? Tendo aprendido tória dos homens. que não podia desafiar diretamenFoi invocando Saladino, o te o gigante ocidental, os Estados grande chefe árabe das Cruzadas Unidos, não ficará tentado a op(século 12), que o saudita Bin La- tar por formas mais ágeis, mais diden inflamou seus devotos. Foi luídas, mais perversas? (G. L.)

B

ois sapatos carregados de explosivos, há poucos dias, pela manhã, na linha Paris-Miami foram suficientes para reavivar na América e no mundo os fantasmas do dia 11 de setembro. Com ou sem razão? De qualquer maneira, esses dois sapatos mostram que as possíveis táticas do terror continuam, hoje como ontem, imprevisíveis. É por isso que se pode desejar que o Ocidente, após ter acertado suas contas com o saudita (um parágrafo sobre a Arábia Saudita deveria figurar aqui, mas é preciso resumir) e com seus amigos, não se contente em remanejar um arsenal, uma estratégia anti-terror. É também indispensável que se reflita sobre as causas do terror. Por incrível que pareça, foi George W. Bush que deu esta pista. Em uma noite de grande emoção (parece-me que no dia do bombeiro heróico em Nova York), vimos o presidente do mais poderoso país da história, com lágrimas nos olhos e no alto dos escombros, deixar se afundar na emoção e colocar a questão fundamental: “Mas enfim, por que aquelas pessoas têm tanto ódio contra nós? Por quê?” Foi uma questão soberba. Infelizmente, a resposta não veio. Ou melhor, a resposta foi catastrófica, pois Bush falou (também cito de memória): “No entanto, somos tão bons, nós os americanos...” Sem dúvida aí está um dos campos que seria importante abrir, prioritariamente, ao lado dos campos militar e econômico. Perguntar por que esses ocidentais, esses americanos, tão maravilhosamente bons, tão deliciosamente generosos, tão delicados em tudo suscitam tanta raiva. Haveria, no sistema ocidental um elemento misterioso, mascarado, pérfido, uma espécie de veneno clandestino que transformaria tanta bondade em maldade? Em todo caso, aos olhos dos povos esquecidos, dos povos ofendidos e humilhados? Trata-se de uma questão realmente difícil! Uma questão de US$ 50 mil, é o caso de dizer. (G. L.)

to de energia. 23 – O Conselho de Ética do Senado aprova por 13 votos a 2 a abertura de processo de cassação dos senadores ACM e José Roberto Arruda. 24 – Arruda renuncia ao mandato. 27 – O Corinthians tornase campeão paulista ao empatar em 0 x 0 com o Botafogo (SP). O Flamengo bate o Vasco por 3 a 1 e conquista o

Campeonato Carioca. 30 – ACM renuncia ao mandato.

JUNHO
1 – Homem-bomba provoca explosão que deixa 21 mortos em boate de Tel Aviv. – O príncipe herdeiro do Nepal, Dipendra, mata nove membros da família real, entre eles o rei, a rainha e dois

pal, Gyanendra. 7 – O ex-presidente da Argentina Carlos Menem, de 70 anos, é preso, acusado de chefiar esquema de contrabando de armas. – O primeiro-ministro Tony Blair vence as eleições na Grã-Bretanha. 9 – Na Copa das Confederações, no Japão, a seleção brasileira de futebol perde para a Austrália por 1 a 0, pro-

vocando a queda do técnico Émerson Leão. 10 – O tenista Gustavo Kuerten entra para o seleto grupo de tricampeões de Roland Garros, em Paris, ao derrotar o espanhol Alex Corretja por 3 sets a 1. 11 – Timothy McVeigh, condenado pelo atentado de Oklahoma, EUA, em 1995, no qual morreram 168 pessoas, é executado com uma in-

jeção letal na Penitenciária de Terre Haute, Indiana. – O guitarrista Marcelo Fromer, do grupo Titãs, é atropelado por uma motocicleta quando corria nos Jardins, São Paulo. 12 – Luiz Felipe Scolari, do Cruzeiro, é o novo técnico da seleção brasileira. 13 – Equipe médica anuncia a morte de Fromer. 17 – O Grêmio conquista

Produto: ESTADO - BR - 8 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H8 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 8 - 31/12/01

H8 -

H8 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-8:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

RETROSPECTIVA 2001

Pedro J. Cardenas/AP- 13/9/2001

ATENTADO FAZ UM NOVO BUSH
Duvidavam de sua competência, mas ele reagiu com rapidez ao terror e mudou diplomacia
PAULO SOTERO
Correspondente

ASHINGTON - No dia 20 de janeiro passado, quando assumiu a presidência dos Estados Unidos depois da mais controvertida eleição da história do país, George W. Bush enfrentava dúvidas não apenas sobre sua legitimidade. Sua própria competência para ocupar o posto mais poderoso do planeta era questionada por seus adversários e por analistas moderados entre os próprios conservadores. As primeiras decisões de sua administração, como a denúncia do Tratado de Kyoto sobre mudança climática, confirmaram os temores dos aliados dos EUA sobre a direção unilateralista da política externa da única superpotência sob o comando de um líder inexperiente nas grandes questões internacionais e, aparentemente, pouco interessado em aprender. O rumo parecia tão claro que, em junho, a revista Time publicou o obituário político do secretário de Estado Colin Powell, um raro moderado entre os falcões que Bush escalou para sua equipe de segurança nacional. Em matéria de capa, o maior semanário dos EUA previu que Powell não teria vida longa no comando da diplomacia americana e listou as várias derrotas que sofrera em suas tentativas de dar um tom mais inclusivo, de busca de cooperação, para a política externa do país. Os ataques terroristas de 11 de setembro e a maneira decidida com que Bush respondeu ao brutal assassinato de quase três mil pessoas, declarando guerra ao terrorismo, removeram quaisquer dúvidas sobre a legitimidade política do líder americano. Respaldado por mais de 80% da opinião pública, Bush, que chegou à presidência depois de perder a votação popular para seu rival democrata, o exvice-presidente Albert Gore, termina 2001 e seu primeiro ano na Casa Branca no comando de uma das mais repentinas e radicais mudanças de prioridades da política externa já vista no país. Aos Bush: ação firme e rápida dissipou dúvidas quanto à legitimidade e liderança olhos dos americanos, a fulminante vitória mili- ções internacionais no ainda inde- ger também Irã e Sudão. tar contra o Taleban no Afega- finido pós-guerra fria. De um laOs sinais de reaproximação nistão e a destruição de uma dú- do estão os que, como Jessica, com Teerã, 22 anos depois do sezia de bases da organização ter- acreditam que os EUA só alcança- qüestro de diplomatas americarorista Al-Qaeda, a um custo mí- rão seus objetivos internacionais, nos pelo regime islâmico dos aiatonimo em baixas entre as tropas a começar pela derrota das redes lás, são por ora uma parte modesamericanas, transformaram os terroristas que operam contra al- ta das inesperadas conseqüências formuladores da política exter- vos americanos, se adotarem uma e oportunidades abertas para a dina, inclusive Powell, em perso- estratégia que leve em conta os in- plomacia americana pelo devastanagens vitoriosos. teresses e as preocupações de seus dor ataque terrorista deslanchado Mas a apreensão dos países aliados e vá às causas dos proble- contra o território dos EUA em amigos e aliados sobre o rumo da mas de alienação política, econô- nome do Islã. diplomacia americana persiste, mica e social que são o terreno férA dramática reivenção das relaagora reforçada pela nova de- til para ações dos fanáticos segui- ções entre Washington e Moscou monstração do poder dos EUA dores de Osama bin Laden. permanece como a grande mudanpropiciada pelos ataques contra o De outro, estão os falcões co- ça da política externa americana World Trade Center e o Pentágo- mo o colunista Charles Krau- no pós 11 de setembro. A disposino. “Apesar das proclamações de thammer, de The Washington ção do presidente russo, Vladimir solidariedade transatlântica de- Post, que defende um unilatera- Putin, de desautorizar seu minispois de 11 de setembro, os Esta- lismo assumido na política exter- tro de Defesa, desafiar a oposição

W

dos Unidos e a Europa estão se na americana, “que não permita distanciando em vários dos te- a outros, por melhores que sejam mas, do aquecimento global à de- suas intenções, nos desviar da fensa antimísseis passando pelas busca dos interesses fundamenatividades internacionais de ma- tais de segurança dos EUA”. nutenção da paz”, escreveu JessiOs efeitos mais imediatos do ca Mathews, a presidente da Fun- 11 de setembro sobre as prioridadação Carnagie para a Paz Inter- des externas dos EUA estão evinacional na última edição da re- dentes em fatos como o retorno vista Foreign Policy. Ela lembra da América Latina a seu lugar que Bush, em seu primeiro ano no habitual de relativa invisibilidapoder, voltou atrás em seis com- de no radar americano. O plano promissos internacionais dos inicial de Bush de elevar o perfil EUA. da região, a começar pelo MéxiAs medidas protecionistas exi- co, na diplomacia de sua admigidas pela Câmanistração, foi subsra de Representantituído pela tarefa tes para aprovar o mais urgente de AÍS TEVE mandato de negoconcentrar as ciação comercial energias e os reDE REAVALIAR fast-track, no inícursos do govercio do mês, e as no na montagem OBJETIVOS E restrições imposdas alianças netas aos delegados cessárias para a ALIANÇAS do Executivo em guerra contra confuturas negociatra o terrorismo. ções comerciais No novo deseaumentaram, em todo o mundo, nho americano do mundo, os paías dúvidas sobre a disposição de ses mais importantes são, em priengajamento dos EUA em acor- meiro lugar, os da linha de frente dos de liberalização vantajosos pa- no novo conflito: Rússia, Paquisra todos os participantes. tão, Usbequistão, Tajiquistão e a Ainda que não levem a uma al- Turquia. A decisão americana, teração essencial de rumo, os ata- há duas semanas, de apoiar um ques terroristas já forçaram Wa- novo pacote de ajuda do Fundo shington a fazer um reexame de Monetário Internacional à Turseus objetivos e alianças externas. quia, no momento em que mantiTrata-se de um exercício ainda nha distância de uma Argentina em curso, que alimenta um inten- à beira da catástrofe, ilustra a reso debate entre pombos e falcões, definição do mapa. Um segundo entre unilateralistas e multilatera- círculo de nações prioritárias inlistas, e cujo desfecho está fadado clui as Filipinas e a Indonésia e, a ter grande influência nas rela- no futuro próximo, poderá abran-

P

Suzanne Plunkett/AP

Doug Mills/AP - 13/9/2001

O atentado de 11 de setembro disparou mudanças estratégicas na política externa americana Mas Putin sabe, agora, que Wados generais e endossar a crucial presença militar americana nas ex- shington não fará objeções à resrepúblicas soviéticas do Usbequis- posta russa diante de qualquer notão e Tajiquistão – vizinhas do Afe- va tentativa de rebelião no enclaganistão, na fronteira norte – ve muçulmano da Chechênia. E abriu o caminho para a constru- os EUA reconheceram a assistênção de uma relação muito próxi- cia recebida do líder russo apoianma, talvez uma aliança, baseada do a inclusão da Rússia nos órno pragmatismo, entre os dois gãos de decisão da Aliança do Tratado do Atlântico grandes rivais da Norte (Otan), guerra fria. A apronum gesto que surximação, sublinhaHINA E preendeu não apeda pelo bom diálonas vários govergo pessoal entre RÚSSIA nos aliados mas Bush e Putin, não até os generais do foi suficiente para GANHARAM Pentágono. impedir o presiO oficialização, dente americano NOVO STATUS na semana passade desativar unilada, por Bush, do teralmente o ABM novo status da (Tratado Antimísseis Balísticos), assinado entre os China como um parceiro comerEUA e a União Soviética, nos cial normal dos EUA , completou anos 70, proibindo a construção o processo de desvinculação da pode sistemas antimísseis – um pas- lítica comercial americana com a so para o desenvolvimento de um proteção dos direitos humanos, escudo espacial que já era priorida- iniciado na administração Clinde da defesa de Bush antes dos ata- ton. Um subproduto da entrada da China na Organização Munques terroristas. dial de Comércio, a decisão dispensa o executivo americano do desgastante processo de renovação anual perante Congresso de concessões comerciais a Pequim. Mas ele é significativo, também, por envolver um país que protagonizou o primeiro incidente externo da administração Bush – o pouso forçado, em abril, de um avião de espionagem eletrônica da Marinha americana numa ilha chinesa – e que emergia como o grande rival dos EUA no pósguerra fria. A tensão se dissipou depois que a China, que enfrenta problemas internos com minorias – uma delas islâmica, numa região do país contígüa ao Afeganistão e ao Paquistão – , apoiou a guerra contra o terrorismo, por suas próprias razões domésticas. Repentinamente, a defesa de Taiwan contra a China, que estava no centro da diplomacia americana na Ásia nos primeiros meses da nova administração, desapareceu do topo da agenda externa americana.

C

a Copa do Brasil ao vencer o Corinthians por 3 a 1. 20 – Senado aprova regras para o pagamento das perdas do FGTS. – A Organização Mundial do Comércio (OMC) conclui que o Programa de Financiamento às Exportações (Proex) não é incompatível com as regras do comércio internacional. A decisão favorece a Embraer na dispu-

ta com a canadense Bombardier. – O general paquistanês Pervez Musharraf destitui o presidente civil Mohamed Rafiq Tara, eleito em 1997. 21 – Em meio à disparada do dólar, o presidente do BC, Armínio Fraga, anuncia um pacote de medidas para acabar com a volatilidade do mercado de câmbio.

22 – Petrobras conclui que falha na válvula que deveria isolar um tanque de drenagem de óleo na coluna da plataforma foi a causa da explosão na P-36. 25 – Brasil e EUA chegam a acordo sobre as patentes de remédios. 27 – Índice de Percepção da Corrupção, da ONG Transparência Internacional, põe o Brasil como o 46.º

país mais corrupto entre 91 pesquisados. – Reeleito o secretário-geral da ONU, o ganense Kofi Annan, de 63 anos. – O ator Jack Lemmon morre aos 76 anos, em Los Angeles, vítima de câncer. 28 – Por 8 votos a 2, o Supremo Tribunal Federal (STF) considera legítimas as medidas do plano de racionamento de energia.

– O governo da Sérvia entrega Slobodan Milosevic ao Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia (Holanda). Milosevic é acusado por crimes de guerra no conflito de Kosovo, em 1999. 30 – O coronel Ubiratan Guimarães é condenado a 632 anos de prisão pelo massacre de detentos no Pavilhão 9 da Casa de Detenção de São Paulo, em 1992.

JULHO
1 – Na estréia de Scolari, Brasil é derrotado por 1 x 0 pelo Uruguai em Montevidéu, em partida válida pelas Eliminatórias para a Copa. 3 – Avião de passageiros Tupolev cai a 4 mil quilômetros de Moscou, matando as 145 pessoas a bordo. 5 – BC anuncia nova política cambial contra a dispa-

Produto: ESTADO - BR - 9 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H9 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 9 - 31/12/01

H9 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-9:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H9

Win McNamee/Reuters-10/10/2001

RETROSPECTIVA 2001

Reuters-26/5/98

ORIENTE MÉDIO: GUINADAS DOS EUA
bombardeio no Afeganistão, levaram Washington a mudar de curso. A administração colocou o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, contra a parede, não condenou a resposta mili11 de setembro alterou tar de Sharon e reafirmou a aliantambém o rumo da diplo- ça americana-israelense. macia americana no inAlém da questão do conflito istratável conflito entre israelenses raelense-palestino, muitos desae palestinos – não uma, mas fios futuros impostos pelos ataduas vezes. Preocupado, inicial- ques de 11 de setembro incluem mente, em assegurar o apoio dos a consolidação da estabilidade ingovernos moderados árabes, terna no Afeganistão e no PaquisBush caminhou, primeiro, na di- tão e revisão das relações entre os reção dos palestinos. Ele sinali- EUA e a Arábia Saudita, tradizou um distanciamento em rela- cional aliado que comprou a paz ção ao primeiro-ministro de Is- interna exportando terroristas e rael, o ultra-radical Ariel Sha- financiando o fundamentalismo ron, tornando-se islâmico na reo primeiro repugião. blicano a endosÀs vésperas do AQUISTÃO sar a idéia da criaano-novo, a imição de um Estado nência de nova E ÍNDIA palestino. guerra entre ÍnDias depois, Podia e Paquistão, SÃO O well anunciou os dois poderes nucontornos de uma cleares divididos NOVO TESTE nova iniciativa de por uma história paz. Sharon acude décadas de sou o golpe com ódio, submetia a um desastrado discurso no qual diplomacia americana a novo e comparou os gestos americanos inesperado teste. Bush, por sua com o abandono da Checoslová- vez, reafirmava o critério pelo quia aos nazistas pela Europa, qual quer ver os EUA julgados antes da 2.ª Guerra. Os ataques em sua ação externa, renovando terroristas palestinos do início do aos americanos a promessa de mês em Israel e a ausência de um achar Osama bin Laden vivo ou levante popular contra os EUA morto – objetivo cujo significado nos países árabes, que muitos real, se for alcançado, será reavaanalistas chegaram a prever co- liado à luz do próximo ataque termo conseqüência inevitável do rorista contra os EUA. (P.S.)

Primeiro, Bush apóia Estado palestino, para agradar árabes, depois, dá aval a política de Sharon

O

P

Novo panorama mundial pós-11 de setembro fez Bush alterar o rumo da diplomacia americana também no conflito entre árabes e israelenses rada do dólar, mas a moeda fecha o dia a R$ 2,470, segunda maior cotação do Real. – O Brasil suspende as negociações comerciais com a Argentina até que o país reveja a resolução de Cavallo que elimina a vantagem tarifária brasileira para exportações de bens e deflagra a maior crise já vivida pelo Mercosul. – O Brasil sobe cinco posições no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas. O País ocupa agora a 69.ª posição entre 162 nações. Em 2000, detinha a 74.ª posição 8 – O fundador e presidente da TAM, comandante Rolim Adolfo Amaro, morre aos 58 anos num acidente de helicóptero, na região de Pedro

Bin Laden: ação terrorista e subseqüente bombardeio ao Afeganistão não provocaram um levante contra os Estados Unidos nos países árabes o controle da Polícia Militar para a 6.ª Região Militar do Exército. 12 – Ruas de Salvador são assoladas por onda de violência e pânico. 13 – Quatro caminhões de soldados do Exército, transferidos de Sergipe, Pernambuco e Rio para substituir a PM da Bahia, deixam seus Estados. 15 – De la Rúa baixa pacote de ajuste fiscal que reduz em 13% o valor de salários do funcionalismo federal e das aposentadorias com valor superior a US$ 300. 17 – Policiais da Bahia decidem voltar ao trabalho. 18 – O governo de Alagoas pede a FHC o envio de tropas do Exército ao Estado, que enfrenta uma paralisação de

Juan Caballero, no Paraguai. 9 – Justiça do Chile suspende o processo contra Pinochet, considerando que sua saúde mental “impossibilita a devida defesa contemplada pelo Judiciário e pelas convenções internacionais”. 11 – TCU condena o juiz Nicolau, Luiz Estevão e os empresários Fábio Monteiro de Barros Filho e José EduarMKT/AE

do Teixeira Ferraz, da Construtora Incal, responsável pela obra inacabada do Fórum Trabalhista de São Paulo, ao pagamento de uma multa de R$ 10 milhões cada um. – O governo da Bahia reconhece que perdeu o controle sobre a segurança pública no Estado, após oito dias de greve da polícia. O governador César Borges (PFL) transfere

Para ter sucesso no seu negócio é preciso ter foco. É preciso ter AE Setorial

EMPRESA MULTIMODAL

DE

MOVIMENTAÇÃO

DE

MATERIAIS LTDA

Como resultado de uma política de contínua melhoria na qualidade, a CESARI foi certificada na norma ISO 9002.

Para todos aqueles que confiaram e acreditaram na Cesari Nosso mais profundo agradecimento
Chegou o serviço de informações on line que estava faltando para o seu negócio: AE Setorial. São nove portais – Alimentos e Bebidas, Automotivo, Comércio e Serviços, Construção Civil, Energia, Mineração e Siderurgia, Química e Petroquímica, Tecnologia da Informação, Transportes e Logística - com tudo o que você precisa: Indicadores e cotações Reportagens especiais sobre o setor Íntegras, legislação integral do setor, decretos e medidas provisórias do governo relacionados ao seu negócio Perfil de executivos e empresas de A a Z Análises, estudos e projeções de consultorias de renome permanentemente atualizadas Agenda com os eventos nacionais e internacionais

Desejamos a todos um próspero 2002.

w w w.
Acesse o site ou ligue 0800 16 1313 e assine. AE Setorial. Em sintonia com o seu negócio.

.com.br
Solução em Informações On Line

ISO 9002 - uma conquista de todos nós www.cesari.com.br

Produto: ESTADO - BR - 10 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H10 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 10 - 31/12/01

H10 -

H10 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-10:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

2002: CENÁRIOS

ECONOMIA NA ROTA DO CRESCIMENTO
País se saiu bem no “teste do stress” que marcou toda a trajetória de 2001
FERNANDO DANTAS

IO – O ano de 2002 começa, para a economia brasileira, com uma grande surpresa: as coisas estão indo bem, depois de o País ter passado, ao longo de 2001, por uma disparada do câmbio e por turbulências nos mercados que deram a impressão de que o equilíbrio macroeconômico estava por um fio. O Brasil está entrando no novo ano com a inflação declinante, o crescimento econômico em gradual (ainda que lento) processo de retomada, a balança comercial prometendo um superávit de pelo menos US$ 5 bilhões, os investimentos externos diretos voltando a crescer, e o dólar no nível confortável e competitivo de R$ 2,31. Para muitos analistas econômicos, o maior risco do Brasil em 2002 é a eleição presidencial, com o perigo de que algum candidato com idéias contrárias ao rigor fiscal, ao respeito aos credores externos e internos e à política monetária antiinflacionária chegue ao poder. Dito desta forma, pode parecer que os mercados estão assustadíssimos com o ano de 2002. A ver-

R

Na usina de Furnas, o nível de água baixo: racionamento obrigou consumidores e empresas a economizar energia para superar crise dade, porém, é diferente. O temor político é o que restou das muitas preocupações que atormentaram o mercado e diversos economistas ao longo de 2001. O ano de 2001 foi o que, no jargão de mercado, chama-se de “teste de stress” do sistema de metas de inflação com câmbio flutuante, implantado no Brasil em 1999. O teste de stress significa submeter os mercados aos piores cenários possíveis para ver como as variáveis macroeconômicas reagem. Se, mesmo nesta situação extrema, o sistema sobrevive e continua a funcionar, isto significa que ele pode ser a base de um processo de crescimento sustentável. Em 2001, a economia brasileira foi atingida por uma sucessão de choques que nem mesmo o mais pessimista dos analistas econômicos ousaria sonhar no início do ano: recessão nos Estados Unidos e no Japão, desaceleração na Europa, colapso na Argentina, crise energética, disparada do dólar e turbulências na base política do governo. Foi no auge da turbulência, no terceiro trimestre, que a reviravolta positiva começou, com números da balança comercial indicando uma virada na direção do superávit. O Brasil encerra 2001 com o primeiro superávit em sete anos, que até a terceira semana de dezembro acumulava US$ 2,3 bilhões. Durante o segundo semestre, instituições respeitáveis do mercado finaceiro previam déficits acima de

US$ 2 bilhões. O desdobramento seguinte, no último trimestre, foi o chamado descolamento da Argentina, com a taxa de câmbio brasileira recuando para o nível atual de R$ 2,31, no mesmo momento em que aquele país chegava ao colapso do seu modelo. O Banco Central, por sua vez, jogou suas fichas quando o dólar disparou para as alturas em setembro, e colocou liquidamente US$ 10 bilhões em títulos cambiais, apostando que a moeda americana iria recuar – e venceu a parada. Ao mesmo tempo, a Selic, que abriu o ano a 15,75%, e baixou logo depois para 15,25%, subiu até 19% em julho, e lá foi mantida. A questão agora é saber se os juros caem em 2002. Uma interpretação muito literal do Relatório de Inflação de dezembro talvez sugira que não. Afinal, a previsão é de que, mantida a Selic de 19% o ano todo, a inflação de 2002 fecha em 3,75%, um pouco acima da meta de 3,5%. Mas Armínio Fraga, presidente do BC, já mostrou que não gosta de impedir a economia de crescer apenas para preservar o rigor da meta no curto prazo (ela estourou a margem de erro em 2001, sem maiores dramas). Os mercados, que vêm reduzindo suas projeções de inflação para 2002, parecem confiar nas credenciais anti-inflacionárias do BC no médio e longo prazo.

RETROSPECTIVA 2001
QUEM SUBIU E QUEM DESCEU EM 2001
PARA BAIXO
ENRON

PARA CIMA
Após o fracasso das negociações com a rival Dynegy, a “queridinha” do mercado de energia protagonizou a maior quebra da história dos EUA, com uma dívida de US$ 13 bilhões. Turbulências ao longo de todo o percurso interromperam o vôo da empresa, em dezembro. Sem dinheiro para pagar funcionários e combustível, a Transbrasil suspendeu as operações. O acesso rápido à Internet, por banda larga, desacelerou de vez. A maior fabricante de fibras ópticas, a JDS, ceifou a metade de seus quadros. E a Starmedia por pouco não foi à lona. O pai da conversibilidade chegou de mansinho ao governo De la Rúa e, em março, retomou o todo-poderoso Ministério da Economia. Depois de malabarismos, foi derrubado pela crise social. O País de recursos hídricos abundantes acordou, no meio do ano, surpreendido pela crise de energia. Depois de um jogo de empurra para apontar culpados, partiuse para o racionamento.
CELTA

O popular da GM inaugurou no Brasil as vendas de carros por Internet. E fechou o ano na quarta posição no ranking das preferências do mercado. A fábrica já trabalha em dois turnos. O executivo brasileiro que em dois anos tirou do buraco a terceira maior montadora japonesa, a Nissan, virou herói. Aliás, super-herói: a revista em quadrinhos Big Comic Superior vai contar sua história. Atravessou 2001 como objeto de desejo da classe média e fechou dezembro com uma venda de 750 mil aparelhos. O triplo do ano anterior, quando o modelo mais barato custava R$ 650. Enquanto as irmãs mais velhas tentam sobreviver, a caçula Gol, nascida em janeiro, ganhou espaço. Fiel ao modelo de tarifas baixas, conquistou mais de 8% do mercado doméstico. São Pedro e os consumidores podem abreviar o racionamento. As chuvas começam a encher os reservatórios. As metas de consumo, no Sudeste e CentroOeste, foram abrandadas.
ArtEstado

TRANSBRASIL

CARLOS GHOSN

EMPRESAS DE INTERNET

DVD

CAVALLO
Dida Sampaio/AE-22/06/2001

GOL

RACIONAMENTO

FIM DO RACIONAMENTO

Pedro Parente assume Câmara de Gestão da Crise Energética e anuncia as medidas que fizeram parte da vida do brasileiro em 2001

PAÍS SUPERA CRISE DE ENERGIA
Consumidores brasileiros mudaram hábitos para fugir do apagão
IRANY TEREZA.

R

IO – O País iniciou o ano de 2001 com um prenúncio de crise energética, atravessou o segundo e terceiro trimestres sob a ameaça de apagões e termina o ano cumprindo um programa de racionamento com metas menos rígidas e a possibilidade de debelar a crise em 2002. Ao longo do ano, a maioria da população, cuja intimidade com ener-

gia elétrica não ia muito além do acionamento de interruptores, incorporou à sua rotina a atualização de informações sobre o nível de reservatórios das geradoras, comportamento da curva-guia, balanço do consumo de megawatts/hora. E mais: adotou à força a cultura de economia de eletricidade. As primeiras notícias sobre a crise na produção de energia vieram em fevereiro. Na época, o governo falava na possibilidade de uma racionalização do consumo. O Operador Nacional do Sistema (ONS), que monitora o setor de geração e distribuição de eletricidade, afirmou que desde o fim de 2000 vi21 – Acaba a greve da polícia de Alagoas. 23 – O Brasil é eliminado da Copa América ao perder por 2 x 0 para Honduras. 24 – O ministro do Desenvolvimento, Alcides Tápias, deixa o governo. Em seu lugar assume o embaixador do Brasil no Reino Unido, Sérgio Amaral. 27 – Helicóptero do Grupo Pão de Açúcar cai no mar em

nha alertando o Ministério das Minas e Energia sobre o baixo nível de água nos reservatórios das usinas situadas no que foi denominado “quadrilátero da seca”, em Minas e Goiás. Entre elas estava Furnas, a segunda maior geradora nacional. A polêmica sobre o problema começou cedo, mas a solução veio tarde. Em maio, o governo admitiu que seria inevitável a adoção de medidas que seriam, no mínimo, de racionalização, e no máximo, apagões monitorados. Em junho foi anunciado o programa de racionamento que obrigou os consumidores residenciais das regiões Sudeste e Centro-Oeste a cortarem seus gastos com eletricidade em 20%. As indústrias tiveram de contribuir com cotas em torno de 25%. O presidente Fernando Henrique Cardoso foi a público dizer que não fora informado sobre a real proporção da crise. Maresias, litoral norte de São Paulo. O empresário João Paulo Diniz, de 37 anos, e o copiloto Luiz Roberto de Araújo Cintra chegam à praia. A modelo Fernanda Vogel, de 20 anos, namorada de Diniz, e o piloto Ronaldo Jorge Ribeiro, de 47, morrem no mar. 31 – Câmara dos EUA derruba a emenda que permitiria a clonagem de embriões humanos em pesquisa. Deci-

O ministro Pedro Parente foi a fase mais crítica com um afastado da Casa Civil para as- exemplo de gestão de situação sumir a Câmara de Gestão da dificílima. Foi um programa Crise de Energia, criada para que obteve grande sucesso e teencontrar uma solução para o ve uma participação exemplar problema. da sociedade”, resume Octavio A adesão da população ao Castelo Branco, diretor do BNprograma foi maciça e sur- DES. Ele coordenou um dos preendente. Sob a ameaça de grupos formados para adminiscortes de enertrar e debelar a gia, os consumicrise. As chuvas dores residendo fim do ano na OVAS ciais conseguiárea mais atingiram economizar da pela seca e o USINAS além do esperasucesso do prodo. grama de econoSERÃO Houve brigas mia de energia em lojas para trouxeram persENTREGUES compra de lâmpectivas mais otipadas de emermistas para o gência que tripliano que vem. O caram de preço no início do ra- governo já anunciou que em cionamento. Eletrodomésticos 2002 o racionamento poderá como freezer e microondas, os ser suspenso. mais recentes símbolos de conAs medidas para conter a desumo da classe média, foram manda de energia vieram acom“aposentados”. “Atravessamos panhadas de um esforço para

Monalisa Lins/AE-23/03/01

N

elevar a oferta que incluiu, além de um programa de construção de 15 usinas termoelétricas (três já estão prontas) a adoção da produção emergencial em usinas móveis (barcaças e contêineres), medida muito questionada por ambientalistas, devido ao alto grau de poluição do ar. Os primeiros contêineres devem chegar ao País a partir da segunda quinzena de janeiro. Mas, mesmo os sucessivos anúncios do BNDES sobre a disponibilidade de verbas para projetos de geração de energia não foram suficientes para elevar significativamente os desembolsos do banco para o setor. Os R$ 1,290 bilhão de 2000 passaram para R$ 1,310 bilhão em 2001. Se todos os 47 projetos em estudos no banco forem aprovados, poderão ser liberados R$ 19,2 bilhões para o setor a partir do ano que vem. gal, dono do Banco Mercantil de São Paulo. – O iatista Robert Scheidt conquista, na Irlanda, o quinto título mundial na classe Laser. 9 – Quinze pessoas morrem e mais de 90 ficam feridas em Jerusalém no pior ataque palestino desde o reinício da Intifada, em setembro de 2000. O brasileiro Jorge Balaz, de 60 anos, é um dos mortos.

policiais por reajuste salarial. 20 – Jader pede licença da presidência do Senado por 60 dias. Em seu lugar assume Edison Lobão (PFL-MA). – Polícia mata a tiros um manifestante antiglobalização italiano na abertura da cúpula do Grupo dos Oito (G-8), os países mais industrializados do mundo, em Gênova, Itália.

são pode ser o primeiro passo para a proibição da clonagem humana no país.

AGOSTO
1 – Procuradores que investigam o desvio de recursos do Banpará concluem que 49 acusados foram beneficiados com R$ 39,2 milhões em depósitos irregulares entre 1983 e 1987. Entre eles estão Jader

Barbalho, à época governador do Estado, e sua ex-mulher, a deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA). 3 – Governo fecha novo acordo com o FMI, válido até dezembro de 2002. Com o novo programa, o Brasil terá direito a sacar US$ 15 bilhões. 6 – Morre em Salvador o escritor Jorge Amado. 8 – Morre, aos 82 anos, Gastão Eduardo de Bueno Vidi-

Produto: ESTADO - BR - 11 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H11 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 11 - 31/12/01

H11 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-11:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H11

RETROSPECTIVA 2001

ARGENTINA ENFRENTA O CAOS
Sem dólares novos, após intensiva privatização na era Menem, modelo monetário entra em colapso e provoca crise política
dical (UCR), conseguisse debelar a recessão e aumentar a oferano em que vivemos em ta de empregos, encerra 2001 perigo. O título do filme com muitas dúvidas e expectatide Peter Weir é espelho vas quanto ao futuro. da situação vivida pela ArgentiEm março, depois de muitos na em 2001, com impacto em to- desgastes, De la Rúa, numa jogada a região, inclusive o Brasil. da que analistas políticos classifiSó no último tricaram como de mestre do ano, o mestre, convocou mercado financeiDomingo CaROMESSAS ro internacional vallo para comanteve convicção de dar, com plenos DE SAÁ NÃO que a Argentina é poderes, a econoa Argentina e o mia. O homem ALIVIAM Brasil é o Brasil. que deu sustentaAntes, porém, ção ao governo PROTESTOS nossas taxas de judo peronista Carros deram um sallos Menem, que to, assim como o bisou a Presidêndólar, que só caiu quando essa cia da República ancorado pela percepção ficou evidente. conversibilidade – um peso vale Os argentinos não tiveram a um dólar –, derrapou. mesma sorte. O país vizinho que Sem benevolência, o Fundo iniciou o ano com a expectativa Monetário Internacional (FMI) de que o presidente Fernando exigiu cortes fiscais drásticos paDe la Rúa, da União Cívica Ra- ra liberar recursos capazes de salCARLOS FRANCO

Marcos Haupa/Reuters

O

P

Os argentinos vão às ruas para protestar contra a política econômica de Cavallo e Fernando De la Rúa, que não resiste às pressões e renuncia vaguardar a conversbilidade. O governo passou a enfrentar manifestações e a ira de governadores do Partido Justicialista, os peronistas, que não ficaram imunes aos cortes. Em dezembro, sem a liberação de nova leva de recursos do FMI, Cavallo tentaria, com medidas como a limitação dos saques bancários, manter a paridade da moeda. Seria o início do caos. Sem dinheiro no bolso, os argentinos iniciaram uma onda de saques. O ministro caiu literalmente do cavalo, e De la Rúa renunciou ao poder. O presidente-tampão Adolfo Rodríguez Saá prometeu novas medidas econômicas, após decretar a moratória da dívida externa Argentina. Nas últimas horas de 2001, ele também enfrentava manifestações.

Reuters

EUA TÊM TUDO PARA VOLTAR A CRESCER
W
biente de mobilização nacional para a guerra contra o terrorismo suscitado pelos ataques ajudou a justificar uma súbita redescoberta da importância do governo pelos americanos e do mérito de uma dose de intervenção estaPAULO SOTERO tal na economia. Uma semana Correspondente depois dos ataques, o Congresso ASHINGTON - A autorizou uma verba de US$ 20 necessidade de tirar a bilhões para, em parte, socorrer economia americana as empresas aéreas. No apagar de sua primeira recessão em dez das luzes da sessão legislative de anos e o espírito de unidade polí- 2001, os parlamentares fizeram tica que pairou sobre o Congres- um acordo a portas-fechadas e so americano nas primeiras se- incluíram no orçamento contramanas depois dos ataques terro- tos de leasing de mais de uma ristas de 11 de setembro não fo- centenas de Boeings pelo goverram suficientes para produzir no, numa operação avaliada em um acordo entre democratas e quase US$ 30 bilhões e que teria republicanos em torno de um pa- ficado pelo menos US$ 7 bilhões cote de medidas de estímulo. O mais barata se os aviões tivesimpasse talvez tenha sido a me- sem sido comprados. lhor solução. O anúncio, no fim A dúvida sobre 2002 não é se de dezembro, de um aumento os EUA voltarão a crescer e ajuinesperado do índice que mede a darão a abreviar a primeira reconfiança dos cessão simultâconsumidores - o nea dos países do primeiro em seis Grupo dos Sete ONFIANÇA meses - indicou países mais indusque os Estados trializados em DO Unidos podem estrês décadas. A tar perto do início questão é se a ecoCONSUMIDOR da recuperação. nomia americana Se isso se conrecobrará o vigor AUMENTA firmar, a recessão sem paralelo que de 2001, que coexibiu durante os meçou oficialdez anos de exmente em maio, será uma das pansão dos anos 90, com inflamais breves e suaves das quatro ção e juros baixos, ou se retomacontrações econômicas que os rá ao ritmo menos exuberante EUA viveram desde os anos 70. do passado. Uma volta do crescimento no O debate contrapõe duas viprimeiro semestre de 2002, reali- sões sobre a natureza da mudanmentará o debate sobre o impac- ça que as tecnologias de informato dos ataques terroristas de 11 ção trouxeram para a economia de setembro sobre a economia. É americana na década passada consenso, entre os economistas, dentro do próprio Fed (o banco que os efeitos nefastos dos aten- central dos EUA). O presidente tados para a aviação civil, o turis- da instituição, Alan Greenspan, mo e a hotelaria, e a retração ao festejado como um mago da consumo que eles produziram prosperidade até a recessão se num primeiro momento contri- instalar, continua a defender a buíram para agravar a desacela- visão otimista sobre o crescimenração iniciada no terceiro trimes- to da produtividade e do padrão tre do ano 2000. de vida propiciado pela chamaÉ certo, também, que o am- da Nova Economia.

Itamar Miranda/AE–12/09/2001

INTERNET SOBREVIVE AO SUFOCO
Se em 2000 descobriu-se que no fim da corrida pela Internet não havia necessariamente um pote de ouro, neste ano foi a vez das pontocom mostrarem que podem, e devem, obedecer às regras da velha economia se quiserem sobreviver. E demonstram que têm folego para isso. No meio do ano a Priceline.com – um site de ofertas de passagens de avião e pacotes de turismo – registrou lucro. Em novembro, a modesta Iwon.com, criada em 1999 no subúrbio de Nova York, pagou US$ 10 milhões pelos ativos que sobraram depois da quebra da Excite@Home, um portal que também oferecia serviço de acesso à Internet por banda larga. O portal, que chegou a valer US$ 6,7 bilhões há três anos, fechou no começo do segundo semestre. O presidente da Iwon.com disse, em entrevista ao jornal The New York Times, que o segredo para ter conseguido ficar com o que sobrou da ex-gigante foi ter sempre controlado os custos, sem excessos. O dinheiro para crescer veio da própria empresa e dos bancos. A Nasdaq – a bolsa eletrônica que concentra as ações de empresas de alta tecnologia, em Nova York – já não registra mais a mesma euforia de empresas querendo fazer suas ofertas públicas de ações. Tanto que um dos neologismos da era da Internet – IPO (da sigla em inglês para oferta inicial de ações) – foi praticamente esquecido. O que cresceu bastante porém, foi o número de pontocons que fecharam as portas. Uma pesquisa divulgada no dia 27 dezembro pela Reuters revela que o número de empresas de Internet que encerraram atividades em 2001 mais do que dobrou na comparação com o ano passado, segundo a Webmergers. com. De acordo com o estudo, foram fechadas 537 pontocons em 2001, em comparação a 225 no ano passado. Em novembro, 21 fecharam as portas. Pode parecer muito, mas é a menor taxa mensal desde agosto de 2000. de Silvio, o governador Alckmin vai ao local e o seqüestrador se entrega. – Rompimento de cabo de energia provoca vários curtoscircuitos e uma morte em estações do metrô de São Paulo.

Atentados terroristas abriram caminho para medidas de estímulo à economia

Bolsa de Valores de São Paulo viveu momentos de tensão durante todo o ano. A crise argentina e os atentados terroristas em Nova York levaram mais adrenalina ao pregão
Reuters–19/09/2001

C

Reabertura do pregão da Bolsa de Valores de Nova York após os atentados foi um ato de fé do governo e do mercado financeiro americano de que a economia do mundo não pode parar Internazionale de Milão sobre o campeão nigeriano Enyimba Aba por 7 x 0. 21 – A estiagem no Nordeste provoca o fechamento de quatro hidrelétricas. 22 – Ministério da Fazenda divulga que o ex-prefeito paulistano Paulo Maluf (PPB) é investigado pela Suíça, suspeito de lavagem de dinheiro. 22 – Professores de universidades federais entram em greve. 23 – Fernando Henrique promete empenho no aumento das exportações e anuncia o novo lema do governo: “Exportar ou morrer.” 24 – Pantanal enfrenta a maior seca em 27 anos. 27 – Funcionários do Judiciário de São Paulo entram em greve. 28 – Chega ao fim o seqüestro da filha do apresentador Silvio Santos, Patrícia Abravanel, de 24 anos. 29 – Fernando Dutra Pinto, de 22 anos, mentor do seqüestro de Patrícia, mata dois investigadores em flat de Alphaville, em Barueri (Grande São Paulo). 30 – Silvio Santos é mantido refém em sua casa por Fernando Dutra Pinto. Cerca de 150 policiais cercam a mansão, no Morumbi. A pedido

10 – A população indígena brasileira cresceu e chega a 551.991 indivíduos, de acordo com o IBGE. 13 – STF instaura inquérito criminal por peculato contra Jader. 14 – O ex-proprietário da redes Mappin e Mesbla Ricardo Mansur é preso, acusado de divulgar e-mails com informações falsas a respeito do Bradesco, ao qual deve R$

190 milhões. 15 – Depois de 26 anos de tramitação, é aprovado na Câmara o projeto do novo Código Civil. 19 – Michael Schumacher e a Ferrari conquistam o Mundial de Pilotos e o de Construtores de F-1 no GP da Hungria. – Após 16 meses longe do futebol, Ronaldo volta a jogar e a marcar na vitória da

SETEMBRO
1 – Governo garante pagamento de bônus a consumidores com gasto de até 225

Produto: ESTADO - BR - 12 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H12 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 12 - 31/12/01

H12 -

H12 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-12:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

RETROSPECTIVA 2001
Malan e Sergio Amaral comemoram resultados acima das previsões iniciais do governo e projetam um 2002 melhor para a economia
SHEILA D’AMORIM e SORAYA DE ALENCAR

PAÍS VENCE CHOQUES EXTERNOS
Tasso Marcelo/AE - 29/12/01

em torno de US$ 2 bilhões. Desde 1994, o saldo comércio não era positivo. O ministro Sergio RASÍLIA - Depois de Amaral comemorou o resultapassar por vários cho- do e as previsões do mercado fiques externos, como a nanceiro indicando um superácrise na Argentina, na Turquia vit ainda maior em 2002: US$ 5 e a desaceleração econômica bilhões. americana, o Brasil chegou ao Esse saldo favorável na bafinal de 2001 menos vulnerável lança comercial ajudou a reduem relação às crises internacio- zir o déficit nas transações com nais do que se imaginava ao lon- o exterior. Ou seja, o País necesgo do ano. Para 2002, a forte de- sitou esse ano de menos recurpendência externa brasileira, sos para financiar o rombo de principal fonte de tensão do suas contas com o exteiror. mercado e da equipe econômiSe em 2000, o déficit ficou ca, promete incomodar menos. em US$ 24,7 bilhões, em 2001 O ano termina com um clima encerrará na casa dos US$ 23 de otimismo: a sébilhões e deverá rie de choques cair para US$ 20 foi sucedida por bilhões em 2002. ÓLAR uma safra de Com dólar mais boas notícias. caro, os turistas ALTO “Estamos enbrasileiros abancerrando o ano donaram os pacoFAVORECEU de 2001 não exates de viagem patamente com as ra o exterior e EXPORTAÇÃO melhores perspreferiram o tupectivas que harismo local, o via no início do que também conano mas, seguramente, muito tribuiu para melhora do resultamelhor do que era de se esperar do das contas externas. à luz de todos os eventos que O ingresso de mais recursos e ocorreram ao longo do ano”, a redução das saídas fez a cotaafirmou ao Estado o ministro ção do dólar cair, de R$ 2,84 da Fazenda Pedro Malan. “Va- em setembro para R$ 2,30 em mos entrar 2002 em condições novembro. de poder esperar um ano meOs investimentos estrangeilhor do que 2001”, completou. ros diretos também estão volEnquanto, por um lado, a al- tando. “O investidor tem uma ta do dólar no ano trouxe preo- visão de longo prazo”, argucupações com a inflação e o au- menta Malan. A projeção do gomento da dívida, do outro, aca- verno de um volume de US$ 19 bou favorecendo as exporta- bilhões em 2001 foi superada ções. A balança comercial en- em, pelo menos, US$ 1 bilhão. cerra 2001 com um superávit Dá para esperar mais em 2002.

B

Superávit na balança comercial, o primeiro depois de 1994, faz aumentar o fluxo de dólares para o País, trazendo mais estabilidade à moeda e crescimento da produção

D

José Cordeiro/AE

PIB PODERÁ CRESCER MAIS DE 2,5%
Antonio Ermírio de Moraes se diz otimista. Faz uma aposta no crescimento e aponta as barreiras às suas previsões
MILTON F. DA ROCHA FILHO

INFLAÇÃO AINDA PREOCUPA
A inflação ainda promete ser o foco de preocupação em 2002, apesar de a maioria dos economistas terem recentemente reduzido as projeções dos índices para o próximo ano. É que, mesmo após o ajuste, as estimativas indicam que o custo de vida deverá ficar próximo do limite superior da meta inflacionária de 3,5% – com variação de dois pontos porcentuais para cima (5,5%) –, medido pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica (IBGE). Consultorias privadas que, há dez dias, trabalhavam com um IPCA na faixa 4,9% a 5,5% em 2002, agora esperam uma oscilação entre 4,4% e 5,2%. As novas previsões, no entanto, ainda estão longe dos 3,7% projetados pelo Banco Central (BC) para o ano que vem. A recente revisão para baixo nos índices resultou da menor pressão do câmbio e dos reajustes tarifários previstos para 2002, além da queda no preço dos combustíveis que deverá ter impacto no custo de vida logo no começo do ano. De toda forma, a inflação do próximo ano ainda será impulsionada, como foi a deste ano, pelos reajustes dos preços administrados. Até novembro, o IPCA e o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) acumulam alta de 7%, dos quais três pontos resultaram de reajustes de tarifas. Para o coordenador do IPCFipe, Heron do Carmo, é natural que, diante de todas as pressões que afetaram a economia este ano, as atenções tivessem se voltado novamente para a inflação. “O sistema de metas passou por uma prova de fogo em 2001 o País conseguiu mostrar que não há risco de os índices dispararem, pelo menos a médio prazo.” que esteja por trás dos ataques terroristas nos EUA. 18 – Jader Barbalho renuncia à presidência do Senado. 20 – O senador Ramez Tebet (PMDB-MS) é eleito presidente do Congresso. 25 – O astro do basquete Michael Jordan confirma sua volta às quadras. 26 – O diretor de TV e cinema Walter Avancini morre aos 66 anos, no Rio, vítima

empresário Antonio Ermírio de Moraes, superintendente do Grupo Votorantim, acredita que a ecoEstado – Quais as perspectinomia brasileira cresça mais do vas para a economia? que os 2,5% estimados pelo goAntonio Ermírio de Moraes verno em 2002, podendo chegar - Sou um otimista de uma forma a 3% . “O País tem tudo para dar geral. O País tem a oportunidade um salto, pois tem baixa inflação agora de dar um grande salto. e uma economia ordenada e pre- Poderá crescer cerca de 3%. Diparada para o desenvolvimento, go cerca, porque poderemos cresmas deve ter cuidado com as Or- cer um pouco mais. O esforço deganizações Não Governamen- ve ser feito neste sentido. E tetais que procumos tudo para ram criar dificulque isto ocorra. O dades para a exeque me preocupa ERCOSUL cução do plano é que certas Orgaenergético do gonizações Não GoPRECISA verno na área hivernamentais drelétrica”, aletêm um comporRETOMAR gando riscos amtamento contrábientais. rio aos interesses FÔLEGO Antonio Ermínacionais ao tenrio disse que a motarem impedir o ratória da Argenprograma de geratina já era esperada e demorou ção de energia hidrelétrica, a parpara acontecer, e isto foi prejudi- tir do aproveitamento dos rios. cial para eles mesmos, “agora te- Isso me preocupa muito e me pamos que torcer para que a Argen- rece até campanha de países que tina encontre o seu caminho de não desejam nosso desenvolvicrescimento rapidamente, para mento. O Brasil dispõe de pouco o Mercosul retomar o fôlego”. gás, carvão de péssima qualidaPara Antonio Ermírio, que de, e ainda vamos demorar uns acompanha a movimentação dois anos para atingir a autosufidas ruas do centro da capital ciência de petróleo. Se não dispaulista, na sede do Grupo Voto- pormos da energia hídrica, o rantim, “o Brasil tem que crescer País pára. sempre e aproveitar todas as Estado – Quer dizer que o

O

oportunidades para criar mais emprego e melhorar as condições de vida da população”. A seguir trechos da entrevista:

Antonio Ermírio teme ação das ONGs contra novos projetos de energia hidrelétrica no Brasil governo errou nessa área? Antonio Ermírio - Sem dúvida alguma. Não poderia paralisar os investimentos, ficando a espera da privatização. Isto não ocorreu e ficamos com energia insuficiente. A crise energética ocorreu devido ao pouco caso do governo em relação ao desenvolvimento hídrico. O Brasil gastava US$ 6 bilhões anuais em energia hídrica. Isso parou há alguns anos, na espera da privatização, que no setor de geração não houve. Para quem acompanha a situação até que demorou a chegada do racionamento. Estado - E as taxas de juros e o câmbio para 2002? Antonio Ermírio - O câmbio não deve sofrer muitas alterações. Tenho impressão que não vai haver alterações. A não ser que haja algum descompasso em relação as eleições, mas não acredito muito, só algum nervosismo. Creio que 2002 será tranqüilo. O câmbio ideal para exportadores deve ficar entre R$ 2,35 e R$ 2,40. Infelizmente, no entan– Comissão do Senado pede a abertura de processo contra Jader. – Morre em São Paulo, aos 75 anos, o empresário José Ermírio de Moraes Filho, presidente do Conselho de Administração do Grupo Votorantim. 13 – Autoridades americanas confirmam ter identificado 18 pessoas como os seqüestradores dos aviões usados to, vamos continuar com juros elevados. Enquanto todo mundo está baixando os juros nós estamos subindo. Se aumentaram para frear a inflação, agora que está reduzida, deveriam reduzir. Os juros são mantidos elevados também para o capital estrangeiro não ir embora. Voce vê que não tem jeito. Os juros deverão ficar entre 17 e 19% não vai sair disto. US$ 5 bilhões em 2002.

M

Estado - Qual a sua opinião sobre Argentina, Mercosul e Alca? Antonio Ermírio - São assuntos confusos. Veja só: enquanto o Brasil tinha o real sobrevalorizado, a Argentina tripudiou em cima do Brasil. O saldo da balança comercial era favorável a Argentina. Na hora em que o Brasil desEstado - E a valorizou o real, ERAR inflação? começaram a reAntonio Ermíclamar. É algo díMAIS rio - A inflação ficil. A situação foi controlada. Teda Argentina conENERGIA É mos que ter cautetinua grave. Tela, muita cautela. mos que esperar a ESSENCIAL Não acredito que poeira baixar. Já volte. A sociedaa questão da Alca de não a quer de começa a complivolta. É bom saber os preços dos car, por causa do “fast track”, produtos. que me preocupa, pois é quase uma medida provisória, o poder Estado - As exportações po- executivo americano passa por dem aumentar? cima e depois de algum tempo é Antonio Ermírio - Creio que que o Senado toma conhecimenpoderemos atingir a meta de um to. Acho que o País deve tomar saldo na balança comercial de cuidado com isto.

G

quilowatts-hora/mês que economizaram além da meta de 20%. 2 – O médico sul-africano Christian Barnard, autor do primeiro transplante de coração do mundo, morre, aos 78 anos, de ataque cardíaco. 10 – O prefeito Antônio da Costa Santos, o Toninho do PT, é assassinado com quatro tiros em Campinas. 11 – Terroristas lançam de-

vastador ataque aos Estados Unidos, seqüestrando jatos comerciais carregados de combustível. Os alvos não poderiam ser mais simbólicos do poderio econômico e militar dos EUA: as torres gêmeas do World Trade Center, em Manhattan, e o Pentágono, nos arredores de Washington. O terrorista saudita Osama bin Laden é apontado como o mentor do ataque.

nos atentados. – Termina, depois de 73 dias, a greve dos policiais civis de Pernambuco. 14 – O líder da oposição ao Taleban, Ahmed Shah Massood, morre em conseqüência de ferimentos causados por um ataque suicida. – A Justiça Federal decreta a quebra do sigilo bancário do ex-prefeito Paulo Maluf e autoriza a devassa nas contas

de sua mulher, Sylvia, dos quatro filhos – Flávio, Otávio, Lina e Lígia – e de uma nora, Jacqueline. 15 – O Paquistão, principal aliado externo do Taleban, anuncia que dará “amplo apoio à comunidade internacional” no combate ao terrorismo. 16 – A rede de TV Al-Jazira, do Catar, divulga comunicado no qual Bin Laden nega

Produto: ESTADO - BR - 13 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H13 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 13 - 31/12/01

H13 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-13:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H13

2002: CENÁRIOS
Depois de aprovar IPTU progressivo, Marta Suplicy vai investir no Plano Diretor e nas subprefeituras

OS DESAFIOS DA PREFEITA

D

epois de conseguir aprovar a redução da verba para educação e o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) progressivo, já previstos em seu primeiro orçamento aprovado, a prefeita Marta Suplicy se prepara para investir em novos projetos em 2002. Os principais devem ser as subprefeituras, o plano diretor e a nova lei de zoneamento. Medidas que devem modificar o dia-a-dia da cidade. Segundo o diretor de Planos Urbanos da Secretaria Municipal do Planejamento, Ivan Maglio, se aprovado o Plano Diretor há uma série de medidas que já passam a valer imediatamente. “Por exemplo, o bairro da Saúde seria transformado em Z1”, afirmou Maglio. A expectativa é que o Plano Diretor passe por discussões até junho. Enquanto isso está em estudo a revisão da Lei de Zoneamento. “Mas o plano já muda um pouco o zoneamento automaticamente, com o estabelecimento das zonas agrícolas. Se produtivas, elas ganharão o benefício de gerar um potencial

Marta Suplicy toma posse ao lado de Eduardo Suplicy: separação foi anunciada em abril e ela assumiu namoro com Luís Favre construtivo a ser aplicado em outro ponto da cidade, que pode ser repassado a outra pessoa.” Parte desse recurso vai para o Fundo de Desenvolvimento Urbano (15% e 30%) para ser usado em projetos públicos. Zonas especiais de interesse social também são autoaplicáveis. Há até definição de imóveis ociosos que seriam usados para projetos de moradia, por exemplo. Já operações urbanas dependerão de leis. O sistema viário e o desenvolvimento dos parques lineares e vias arborizadas já estão previstos, mas dependem de planos regionais a serem desenvolvidos por subprefeituras. “Vai ser um ano de muito trabalho e grandes mudanças”, avalia Maglio. Entre elas, deve estar a transferência da sede da Prefeitura para o Banespa, do Viaduto do Chá. Depois das conquistas na Câmara e para ganhar fôlego para 2002, a prefeita foi curtir a virada do ano em Paris, com o namorado, o franco-argentino Luís Favre, colaborador do PT em assuntos internacionais. Foi um ano de reviravoltas para a mulher Marta Suplicy. Em abril, a prefeita e o senador Eduardo Suplicy anunciaram o fim do casamento de 36 anos. O desgate já era visível na campanha de Marta. A insistência de Suplicy em disputar com Luiz Inácio Lula da Silva uma prévia no PT para candidato à Presidência da República a desagradou. Além disso, ela achava que o marido interferia demais em assuntos municipais. Em 19 de abril, Suplicy tirou a aliança. Supla, seu filho mais velho, disse: “Eles podem ter se separado, mas a família continua unida”. A separação causou crise também no partido. O senador acusou a direção e Lula de adotar ações ‘indevidas’ em rela-

ção à sua vida pessoal. Separado havia quatro meses, ele confessou estar convencido de que Lula era um dos patrocinadores do romance de Marta com Favre. O namoro ficou conhecido em agosto e Marta disse que se casaria com Favre assim que saísse seu divórcio. No dia 1.º de dezembro, ela preparou uma festa para cerca de cem convidados pelos 52 anos do namorado. Os quitutes foram servidos na nova casa da prefeita, na Rua Campo Verde, nos Jardins. Mas Marta e Suplicy apareceram juntos na final da Casa dos Artistas, para comemorar o sucesso de Supla. A participação do cantor no programa lhe rendeu o disco de platina pelo álbum O Charada Brasileiro. Ele atribui o sucesso ao marketing feito no programa. Supla ainda arrematou o prêmio de ator revelação pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Marta também recebeu a boa notícia de que será avó pela primeira vez. A gravidez da nora Fernanda, casada com seu filho André, foi revelada em junho. A saúde de Marta andou delicada em 2001. Dois nódulos benignos foram extraídos da sua tireóide em 3 de março. Foi operada de novo em 3 de julho de apendicite aguda.

Paulo Pinto/AE – 1/1/2001

RETROSPECTIVA 2001
Daniela Conti/Agência O Dia – 3/8/2001

Beto Barata/AE – 20/11/2001

AE

Daniela Conti/0 Dia

A modelo Fernanda Vogel morreu em acidente aéreo em Maresias; ela estava com o namorado, o empresário João Paulo Diniz (acima, com o pai, Abílio), que sobreviveu

Helicóptero que levava empresário a Maresias caiu no mar; guitarrista dos Titãs morreu atropelado

DINIZ E FROMER

Mal foi inaugurada, em 23 de dezembro, e a primeira parte de 7 quilômetros do trecho oeste do Rodoanel já deu problema. No dia 25, houve um acidente por causa da falta de aces-

RODOANEL

sos. Durante o ano, a obra enfrentou uma série de críticas, como aditamento de 69% no contrato, indenizações superfaturadas e problemas ambientais.
Tasso Marcelo/AE – 25/12/2001

N

o dia 27 de julho, a queda de um helicóptero do Grupo Pão de Açúcar em Maresias, no litoral norte de São Paulo, causou comoção no País. A bordo estavam o empresário João Paulo Diniz, de 37 anos, sua namorada, a modelo Fernanda Vogel, de 20, o piloto Ronaldo Jorge Ribeiro, de 47, e o copiloto Luiz Roberto de Araújo Cintra, de 35. O inquérito policial ainda não foi concluído e as causas do acidente continuam incertas. O aparelho enfrentou mau tempo e acabou pousando sobre o mar. Os quatro ocupantes subiram no helicóptero e decidiram nadar até a praia. Diniz teria acompanhado Fernanda durante parte do trajeto, mas a modelo sentiu cãibras e não pôde continuar. O empresário conseguiu chegar à costa e pediu ajuda. Algum tempo depois, Cintra venceu as cãibras nos braços e nas pernas e também atingiu a praia. Tanto a modelo como o piloto, no entanto, desapareceram. As buscas foram iniciadas na mesma noite da queda. Quatro dias depois, as equipes encontraram o corpo de Ribeiro boiando na Praia de Santiago, a cerca de sete quilômetros do local do acidente. Depois de três dias, o corpo de Fernanda foi achado também na Praia de Santiade câncer na próstata. 27 – O Conselho de Ética do Senado aprova, por 11 votos a 4, a abertura de processo contra Jader por quebra de decoro.

obrigando pilotos a decolarem ainda que não existam condições favoráveis para tanto. Pelo menos em um acidente ocorrido no fim do ano passado, o Departamento de Aviação Civil (DAC) investigou a possibilidade de ter havido pressão para a decolagem.

Marcelo Frommer foi atropelado por uma motocicleta go, a uma distância de 11 quilômetros do ponto onde o helicóptero havia colidido com o mar. O aparelho foi encontrado no mesmo dia. Dúvidas surgiram sobre a legalidade do vôo no dia do acidente. A polícia ainda está apurando se o helicóptero tinha autorização para ir até Maresias. Embora nenhuma irregularidade tenha sido comprovada, o caso abriu a discussão sobre o uso indiscriminado de aparelhos no Estado. Muitos empresários acabam

Atropelamento – Cerca de um mês e meio antes do caso Diniz, em 11 de junho, o guitarrista dos Titãs, Marcelo Fromer, de 39 anos, foi atropelado por uma motocicleta perto da esquina da Avenida Europa com a Rua Portugal, nos Jardins, quando fazia cooper. Internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas, ele passou por uma série de cirurgias mas não resistiu aos ferimentos. Fromer teve morte cerebral anunciada dois dias depois. Até hoje, a polícia não tem pistas do motoqueiro causador do acidente. Os órgãos do guitarrista foram doados para cinco pessoas. O metalúrgico Mário Varjão de Oliveira, de 51 anos, recebeu o coração. Um dos rins foi transplantado para a dona de casa Maria de Souza Braga, de 65 anos. A córnea de Fromer ficou com Leomara Evangelista da Silva, de 18 anos. A dona de casa Ivete Aparecida Palomo, de 53 anos, recebeu o fígado. O transplante de rins e pâncreas foi recebido pela professora universitária Maria Estela de Lorena Fernandes Buono, de 53 anos. Dias depois, no entanto, ela morreu.

Lili Martins/AE – 2/5/01

Dias seguidos de temporal, enchentes e deslizamentos, tudo aliado à ocupação irregular de encostas. Resultado: 60 mortos e cerca de 2 mil desabrigados no Estado do Rio só de 23 a 28
Helvio Romero/AE – 17/08/2001

CHUVA NO RIO

de dezembro. Do total, 45 casos foram em Petrópolis. No jogo de empurra pela responsabilidade entraram prefeitos, governador e até o presidente da República, sem sanar o problema.

O governo do Estado de São Paulo decretou em 16 de agosto o embargo das obras de um residencial com 50 edifícios entregues em Mauá, pela suspeita de gases tóxicos vindos da contaminação do solo. Mais de 4 mil pessoas passaram por exames e vários laudos, inconclusivos, foram apresentados. – O prêmio Nobel de Física é concedido a dois cientistas americanos e um alemão que criaram um novo estado da matéria: Eric Cronell, de 39 anos, Carl Wieman, de 50, e Wolfganf Ketterle, de 43. 10 – Pesquisas voltadas para acelerar reações químicas que permitem a produção em larga escala de inúmeros medicamentos ganham reconhecimento mundial. Os estudos premiados com o Nobel são dos americanos William Knowles e Barry Sharpless e do japonês Ryoji Noyori. – O Prêmio Nobel de Economia é outorgado a três americanos, George Akerlof, Michael Spence e Joseph Stiglitz, pelas investigações sobre o alcance do controle da informação. – Aécio Neves promulga o Código de Ética e Decoro

MAUÁ

OUTUBRO
2 – Otan informa ter recebido de Washington “evidências conclusivas” do envolvimento de Bin Laden e do gru-

po Al-Qaeda nos atentados de 11 de setembro. 4 – Jader renuncia ao mandato. – Ricardo Mansur é solto por determinação do juiz federal Ali Mazloum. – Um avião russo Tupolev que fazia o percurso entre TelAviv e Novosibirsk, na Sibéria, explode no ar e cai no Mar Negro, causando a morte dos 77 ocupantes.

7 – Com o apoio da GrãBretanha, os EUA desfecham os primeiros ataques da Operação Liberdade Duradoura no Afeganistão. 8 – Os EUA voltam a bombardear alvos no Afeganistão. Quatro funcionários da ONU que dormiam no escritório da entidade em Cabul morrem durante os ataques. – Os pesquisadores Leland Hartwell, de 61 anos, diretor

do Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle (EUA), R.Timothy Hunt, de 58, e Paul Nurse, de 52, os dois últimos do Imperial Cancer Research Fund (Inglaterra), recebem o Prêmio Nobel de Medicina por descobertas sobre processos celulares que podem provocar o câncer. 9 – Morre no Rio, aos 84 anos, o ex-ministro do Planejamento Roberto Campos.

Produto: ESTADO - BR - 14 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H14 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 14 - 31/12/01

H14 -

H14 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-14:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

RETROSPECTIVA 2001

Mal a filha foi libertada e Silvio Santos teve a casa invadida pelo seqüestrador

SEQÜESTROS DE CINEMA

Robson Fernandjes/AE – 28/8/2001

Celso Júnior/AE – 4/10/2001

porque, um dia antes de invadir a casa de Silvio, escondeu-se em um flat em Barueri. Foi descoberto e matou dois policiais, ferindo outro.
Agliberto Lima/AE – 30/8/2001

arecia mentira ou notícia Fuga – Dutra Pinto teve ainda velha. Silvio Santos foi uma fuga espetacular, escapanseqüestrado. Mas não do do 10.º andar pelas escadas e havia sido sua filha Patrícia por um vão na fachada da soAbravanel? As duas coisas. breloja ao térreo. O que ocorreu Em 30 de agosto, nove dias de- dentro do flat criou mais confupois de levar Patrícia para o são. Surgiram dúvidas sobre cativeiro onde ficou por sete uma quinta pessoa no local e o dias, o seqüestrador Fernando destino dos R$ 35 mil que faDutra Pinto puziam parte do reslou o muro da gate de R$ 500 mansão de Silmil pagos pelo RIME vio, no Morumempresário. O bi, e o fez refém restante foi recuCRESCEU por sete horas. perado. A ação Toda a exaustidesastrada resul323% va negociação foi tou em crise na acompanhada o Polícia Civil. EM 2001 dia todo pela poE não é que no pulação, como dia seguinte a sium grande espetuação piora? Siltáculo, com transmissão direta vio descera para tomar café e pela TV. Até o governador de ler os jornais, quando se depaSão Paulo, Geraldo Alckmin, rou com Dutra Pinto. Pistola e foi à casa, a pedido de Silvio, pa- revólver em punho, ele disse: ra garantir a vida de Dutra Pin- “Sou a pessoa que seqüestrou to e um bom final para a histó- sua filha. Não faça nada. Já fiz ria, que mais parecia roteiro de besteira e posso fazer mais.” filme. Uma atitude polêmica. Silvio pedia calma, enquanO seqüestrador temia ser to a mulher, Íris, e as quatro fimorto por policiais civis. Isso lhas eram retiradas. Serviu o

P

C

Silvio e Patricia, depois da libertação da filha; acima, Dutra Pinto, cuja ousadia motivou a intervenção até do governador café e ambos passaram a assistir à TV. Eram 7 horas e foram mais sete horas até a saída do seqüestrador. Dois dias antes, ao ser solta, uma Patrícia sorridente parecia falar de outros seqüestradores, na varanda de casa. Com um discurso evangélico, citando Deus o tempo todo, perdoou os bandidos e disse que foi bem tratada. Em novembro, ao depor, o discurso mudou: ficou amarrada quatro dias e os bandidos estavam armados. nifer, Marcelo Batista dos Santos e Tatiana Pereira da Silva. O seqüestro em São Paulo cresceu mais de 323% este ano, em comparação com 2000. Mais de 250 pessoas foram seqüestradas no Estado, de janeiro a dezembro. Assaltantes, traficantes, ladrões de banco e estelionatários passaram a seqüestrar todo tipo de pessoa. Os resgates variaram de R$ 300 mil a R$ 3 mil. Criou-se a Divisão Anti-Seqüestro (Deas), com 70 policiais especializados. Com isso, 205 seqüestradores foram presos e 10 mortos, 72 cativeiros acabaram descobertos e 153 casos foram esclarecidos.
Ari Ferreira/Correio Popular

Números – Além de Dutra Pinto foram presos seu irmão Esdras Dutra Pinto, sua namorada, Luciana Santos Souza, a Jen-

Tasso Marcelo/AE – 12/9/2001

CASO BLAKE
O velejador neozelandês Peter Blake, um dos mais premiados do mundo, foi assassinado em 6 de dezembro, com dois tiros nas costas, durante expedição ecológica pela Amazônia. O barco de Blake – Sea Master – estava no balneário de Fazendinha, a 12 quilômetros de Macapá (AP), quando foi invadido por seis piratas. Ele e oito tripulantes estavam a bordo. Blake teria reagido ao assalto. No dia 7, foram presos vários suspeitos. Em 17 de dezembro, seis terminaram denunciados por latrocínio e tentativa de latrocínio. Outros três, por receptação. O corpo de Blake foi enterrado, no dia 14, na Inglaterra.

Ed Ferreira/AE – 9/11/2001

Velejador acabou assassinado na Amazônia
Evilazio Bezerra/O Povo – 24/8/2001

Rapazes que mataram índio pegaram 14 anos

Assassinos de Toninho ainda não foram presos

PORTUGUESES
Seis empresários portugueses foram mortos em Fortaleza (CE), em agosto, por um patrício e quatro cúmplices. Luís Miguel Militão Guerreiro, mentor do crime, recebeu os conhecidos no aeroporto em 12 de agosto. Um laudo mostrou que eles foram enterrados vivos, depois de torturados, numa cova na barraca de Guerreiro, a Vela Latina. O português, que esteve preso por furto em seu país, atraiu os conterrâneos falando maravilhas das praias do Nordeste. Levou o grupo à barraca, recolheu dinheiro e cartões de crédito, testou senhas e mandou executar os seis. Após a chacina, os assassinos foram beber em um bar.

PATAXÓ
Foram condenados a 14 anos de prisão os quatro rapazes de classe média de Brasília que mataram o índio Galdino Jesus dos Santos. Para o júri, Eron Chaves de Oliveira, Max Rogério Alves, Antonio Novély Cardoso Vilanova e Tomás Oliveira de Almeida cometeram homicídio triplamente qualificado ao queimar Galdino vivo, quando dormia numa parada de ônibus, em 20 de abril de 1997. Ficou provado que ele não usava cobertor. O acusado G.N.A.J., menor na época, não foi a júri. No julgamento, pediu-se o afastamento da juíza Sandra de Santis, que ficou, e as provas chegaram a sumir temporariamente.

TONINHO DO PT
Mais de três meses depois do assassinato do prefeito de Campinas, Antonio Costa Santos, o Toninho do PT, a polícia não prendeu os culpados. Só um menor está na Febem. O desempenho policial é alvo de crítica: houve pedido para que o Ministério da Justiça e a Polícia Federal assumissem o caso. O DHPP entrou nas investigações e foi pedido o afastamento do delegado Osmar Porceli, que foi negado. A Ouvidoria da Polícia entrou no caso. Toninho foi morto a tiros em 10 de setembro. A vice-prefeita, Izalene Tiene (PT), assumiu o cargo. Ele recebeu cartas com ameaças, assim como outros prefeitos do PT.

Empresários foram enganados por conterrâneo

GREVES
Greves em instituições como goas pararam. Na Bahia, houa polícia e o Judiciário marca- ve exonerações e líderes do moram o ano. Policiais de vários vimento foram presos. DuranEstados cruzaram os braços. te a greve em Salvador, banEncapuzados, ocuparam quar- cos, escolas e comércio foram téis, por melhores salários. A fechados. violência aumentou e o ExérciA Justiça considerou a greto foi às ruas em alguns locais. ve dos PMs abusiva. No dia Em 27 de maio, desembarca- 26, o presidente garantiu aos ram no Tocantins cerca de 900 governadores dos 11 Estados soldados do Exército para resta- que enfrentavam greves de pobelecer a ordem pública, afeta- liciais que não hesitaria em asda por uma greve de policiais sinar a medida provisória militares que já durava uma se- transferindo às Forças Armamana. O envio das tropas foi au- das poder de polícia para a torizado pelo preatuação em sisidente Fernantuações de emerdo Henrique Cargência. Isso foi Ó EM ABRIL doso para garananunciado junto tir o funcionacom o estudo de TJ ACERTARÁ mento de bancos leis mais rígidas para o setor. e do comércio. ANDAMENTO Quartéis, com Judiciário – Só água e luz cortaDE PROCESSOS dos, foram ocuem 14 de novempados em Palbro, após 80 dias mas pelos soldade greve, os servidos e cabos da PM e suas mulhe- dores do Judiciário de São Paures. Grupos de policiais do inte- lo decidiram suspender a maior rior aderiram ao movimento. paralisação da categoria na hisDepois de 13 dias de greve, tória do Estado. Mas só voltapoliciais militares e civis da Ba- ram ao trabalho cinco dias dehia decidiram voltar no dia 18 pois. A greve prejudicou 3 mide julho ao trabalho. Mesmo lhões de pessoas, de acordo dia em que policiais de Ala- com o Tribunal de Justiça.
Sebastião Moreira/AE Mônica Zarattini/AE

Greve da polícia causou violência e levou Exército a Salvador

Facção amotinou 29 presídios e mobilizou 27 mil detentos

S

PCC
Vinte mortos, 10 mil reféns, 29 unidades prisionais rebeladas e 27 mil presos amotinados. O Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa que atua nos presídios paulistas, protagonizou no dia 18 de fevereiro a maior rebelião da história do sistema carcerário brasileiro. Entre os reféns, carcereiros e parentes em visita. Foi uma represália pela transferência, da Casa de Detenção, de seus principais chefes. A ação foi comandada por celular, de dentro das celas. Pos118 pessoas, no Mar de Barents, no Ártico, são retirados da embarcação, içada do fundo do mar. 26 – Novos rastros de antraz são detectados em dependências da CIA, do Departamento de Estado e da Suprema Corte. 28 – Com o quarto lugar no GP da Austrália, o brasileiro Gil de Ferran conquista o bicampeonato da Fórmula teriormente, o governo acelerou a desativação do Complexo do Carandiru e estourou pelo menos 12 bases e 7 centrais telefônicas para onde os membros do PCC ligavam até a cobrar. O esquema atendia São Paulo, Pernambuco, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Bahia e Ceará. O PCC funciona como uma empresa. Para especialistas, a rebelião mostrou o descaso do governo, que resolveu ignorar o grupo. Ao longo do ano, líderes e membros da facção acabaram mortos ou transferidos. Mundial (antiga Indy). 29 – O filme Abril Despedaçado, de Walter Salles, é escolhido o representante do cinema brasileiro na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro.

Hélvio Romero/AE – 11/9/01

Funcionários do Judiciário fizeram paralisação de 80 dias vam Zeevi, de 75 anos. 18 – Quatro acusados são sentenciados à prisão perpétua por terem participado dos atentados às Embaixadas dos EUA na Tanzânia e no Quênia, em 1998, nos quais 224 pessoas morreram e mais de 5 mil ficaram feridas. 22 – Em Washington, dois funcionários dos Correios morrem de infecção causada por antraz. 24 – O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprova a criação das novas cédulas de R$ 2,00 e R$ 20,00. – A Câmara dos Deputados dos EUA aprova o polêmico projeto de lei que dá ao governo maiores poderes para combater o terrorismo. 25 – Os três primeiros corpos de tripulantes do submarino russo Kursk, que afundou em agosto de 2000, com

Parlamentar, que define regras de conduta para os deputados federais. 11 – O escritor V.S. Naipaul é declarado pela Academia Sueca o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2001. 13 – O ministro da Defesa da Ucrânia, Olexander Kuzmuk, confirma que forças militares do país foram responsáveis pela derrubada aciden-

tal, em 4 de outubro, de um Tupolev russo. 15 – Carta endereçada ao líder da maioria democrata do Senado dos EUA, Tom Daschle, contendo traços do bacilo de antraz num pó, põe o Congresso entre os possíveis alvos do terrorismo. 17 – Assassinado em Israel o ministro do Turismo, o ultranacionalista Reha-

NOVEMBRO
1 – Argentina anuncia pacote de medidas para conter a crise econômica e rees-

Produto: ESTADO - BR - 15 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H15 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 15 - 31/12/01

H15 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-15:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H15

2002: CENÁRIOS
A seleção sofreu para se classificar para o Mundial, mas Felipão prevê bom desempenho

AS CHANCES DO BRASIL NA COPA

C

orações e mentes dos brasileiros estarão voltados para a Ásia, no primeiro semestre de 2002. Nos campos da Coréia do Sul e do Japão, a seleção corre atrás do quinto título mundial, recorde que esteve bem perto de se tornar realidade em 98, na França. O técnico Luiz Felipe Scolari garante que sua equipe estará entre as melhores da competição, “no mínimo como semifinalista”. O otimismo do treinador contrasta com a realidade. A seleção viveu mais um ano conturbado, com troca de comando e alguns resultados constrangedores. Os fiascos iniciais ocorreram nas eliminatórias do Mundial, com 1 a 0 para o Equador, em Quito, em março, e empate por 1 a 1 com o Peru, em São Paulo, em abril. Ainda sob a direção de Emerson Leão, veio a participação decepcionante na Copa das Confederações, em maio, com os tropeços diante de Canadá e Japão (empates por 0 a 0) e derrotas para França (2 a 1) e Austrália (1 a 0). Leão caiu, Felipão assumiu, mas o sofrimento continuou. Houve novas derrotas na fase de classificação para a Copa –

Scolari assumiu a seleção no meio do ano, perdeu a Copa América, mas garantiu vaga no Mundial de 2002 e prevê sucesso do time Uruguai (1 a 0, em Montevidéu, em julho), Argentina (2 a 1, em Buenos Aires, em setembro) e Bolívia (3 a 1, em La Paz, no início de novembro). Embaraçoso, mesmo, foi perder para Honduras por 2 a 0, nas quartas-de-final da Copa América, na Colômbia, em julho. Resultado que colocou em dúvida a permanência de Scolari no cargo. Mas o ex-técnico de Grêmio, Palmeiras e Cruzeiro resistiu e garantiu ao Brasil a primazia de ser o único país a participar de todas as edições dos Mun-

diais (17, com a de 2002). “Aprendi muito nesse período”, declarou Felipão nos dias seguintes à vitória de 3 a 0 sobre a Venezuela, que valeu a classificação. “Tenho certeza de que estaremos entre os melhores.” A previsão pode tornar-se realidade, mas o Brasil tem a obrigação de jogar mais do que nas duas últimas temporadas. A sorte deu uma força, ao indicar adversários sem tradição na primeira fase da Copa, em jogos marcados para a Coréia do Sul. A estréia será contra a Turquia, dia 3 de junho. Na seqüência, vêm China (dia 8) e Costa Rica (dia 13). Rivais que, em situação normal, não poriam medo em uma equipe que conquistou os títulos de 58, 62, 70 e 94. Mas o Brasil fez com que antigos sparrings se transformassem em algozes. Não é por acaso também que, depois de sete anos de liderança, caiu no ranking da Fifa – em um primeiro momento, foi superado pela França, mas quase no fim do ano perdeu o segundo lugar para a Argentina e já tem Portugal e até a Colômbia a lhe fazer sombra. A seleção não entra como favorita na Copa e desperta desconfiança de críticos e torcedores. Ainda assim, pode superarse. A força da “amarelinha”, como gosta de lembrar Zagallo, não deve ser subestimada. E sonhar também não custa nada.

RETROSPECTIVA 2001

Jefferson Bernardes/AE – 16/10/2001

Divulgação – 6/8/2001

Hewitt faz a festa: o melhor do mundo
Marcos Mendes/AE-10/03/2001

Aos 20 anos, o arrogante Lleyton Hewitt confirma a condição de astro do tênis e tira Guga do topo do ranking
O jovem e arrogante tenista australiano Lleyton Hewitt, de 20 anos, venceu o duelo com Gustavo Kuerten na corrida para encerrar a temporada como o número 1 do mundo. O ano termina com uma batalha perdida para o tenista brasileiro, mas Guga não reclama de 2001, ano em que comemorou as maiores vitórias de sua carreira, com seis títulos conquistados, entre eles o do tricampeonato de Roland Garros, em que a plasticidade de seus golpes chegou a ser comparada às obras de arte de Picasso. Além disso, conseguiu permanecer na liderança do ranking por mais de 40 semanas. No final, porém, a festa foi de Lleyton Hewitt, que conquistou dois títulos importantes: o do US Open, em Nova York, e, depois, o do Masters Cup de Sydney, quando garantiu a condição de número 1 do ranking e o título de campeão mundial de 2001.

ESTRELA QUE SOBE

Scheidt, o melhor velejador do mundo em 2001, supera Guga em eleição do COB

Kaká virou ídolo ao fazer os gols que deram o Rio-São Paulo ao Tricolor e Daniele conseguiu, na Bélgica, o melhor resultado da história da ginástica brasileira

AS REVELAÇÕES
O meia Kaká e a ginasta Daniele Hypólito superaram dificuldades e apareceram como as boas novidades de 2001

O velejador Robert Scheidt, especialista na classe Laser, é o único pentacampeão em um esporte olímpico individual
obert Scheidt, de 28 anos, conseguiu atrair a atenção do público. E praticando esporte difícil de ser acompanhado – as regatas ocorrem longe da torcida – e nada popular no Brasil. Mas este foi um ano especial para o iatista, especialista na classe Laser. “Não esperava tanto reconhecimento.” O velejador conquistou o título de pentacampeão mundial em Cork,

O CAMPEÃO DESCONHECIDO

R

A

pós 12 anos de trabalho duro e quase nenhum reconhecimento, pouco mais de um mês foi suficiente para transformar a adolescente Daniele Hypólito, de 17 anos, na personalidade do ano do esporte brasileiro. No dia 2 de novembro, conquistou o melhor resultado da história da ginástica brasileira e virou a revelação do Mundial de Ginástica Artística com o quarto lugar na competição individual geral em Ghent, na Bélgica. No dia 4, foi a segunda melhor do mundo no solo, conquistando uma medalha, a de prata, inédita para ela e para o Brasil. Os amantes do esporte mais popular do País, o futebol, também comemoram o surgimento de um talentoso jogador. O meia Kaká, de 19 anos, tornou-se ídolo dos são-paulinos ao marcar os dois gols na final do Torneio Rio-São Paulo, contra o Botafogo-RJ, garantindo o inédito título ao titruturar a dívida pública. 4 – Daniele Hypólito, de 17 anos, conquista na Bélgica a medalha de prata em exercícios de solo, a primeira de um ginasta brasileiro em mundiais. 5 – A Justiça Federal condena a 5 anos e 4 meses de prisão, em regime semi-aberto, os empreiteiros Fábio Monteiro de Barros Filho e José Eduardo Teixeira Fer-

me. A seqüência de boas atuações no Campeonato Brasileiro pôs seu nome entre os cotados para a disputa da Copa do Mundo, apesar da pouca idade. Os dois, há um ano quase anônimos, enfrentaram grandes dificuldades para chegar ao estrelato. Daniele superou problemas financeiros – o Flamengo ficou lhe devendo salários –, chegou a ser ajudada pelo craque Ronaldo e venceu graças ao esforço. “Os resultados foram importantes, mas eu quero ver a evolução de toda a ginástica brasileira, tendo como uma referência este ano”, observa. Kaká passou por um momento trágico em 2000. Num fim de semana, em Caldas Novas, foi a um parque aquático. Num mergulho, bateu a cabeça no fundo da piscina e sofreu fratura vertebral. Ficou três meses parado e a seqüência de sua carreira ficou ameaçada. “Foi difícil, mas consegui superar.”

Irlanda. É o único a obter essa marca em esporte olímpico individual – sem contar a medalha de ouro dos Jogos de Atlanta, em 1996, e a de prata em Sydney, em 2000. Por isso, em 2001 foi escolhido como melhor do mundo na categoria pela Federação Internacional de Vela. E ficou com o prêmio Brasil Olímpico, como destaque masculino do esporte no País, outorgado pelo Comitê Olímpico Brasileiro, ao superar Guga. Scheidt, paulistano de 1,88 m e 79 quilos, sonha com mais uma medalha de ouro olímpica, para igualar a marca de Adhemar Ferreira da Silva, bicampeão do salto triplo em 1952 e 1956.

Ricardo Teixeira foi um dos alvos principais das CPIs da Câmara e do Senado e pode perder o comando da CBF

O VILÃOMelles) para promover reforCarlos
mulação no calendário do futebol. Mas o maior tormento do dirigente foram duas Comissões Parlamentares de Inquérito. Na primeira, na Câmara dos Deputados (CPI da Nike), até que não sofreu muito desgaste, pois a “bancada da bola” conseguiu que o relatório final não fosse votado. Na CPI do Senado, passou apuro, porque ela foi até o final e o denunciou por irregularidades como evasão fiscal e lavagem de dinheiro. Afastado da CBF por questões de saúde, garante que não renuncia e que cumpre o mandato até 2003. dência, Roberto Brant, e servidores do INSS fecham acordo que acaba com a greve iniciada em 8 de agosto. – O ex-presidente da Argentina, Carlos Menem, recupera a liberdade. A Corte Suprema de Justiça considerou não haver provas da acusação de que Menem teria autorizado a venda ilegal de armas para Equador e Croácia entre 1991 e 1995.

R
Guga: como Picasso em Roland Garros

icardo Teixeira não teve ano tranqüilo. O presidente da Confederação Brasileira de Futebol foi criticado por causa da seleção, que deu vexames históricos e trocou de comando no meio do ano, com a dispensa de Leão e a contratação de Scolari. Também precisou fazer acordo com “notáveis” (dentre eles Pelé e o ministro dos Esportes

raz, por conta do escândalo do Fórum Trabalhista. – Esporos de antraz são encontrados no setor postal do Pentágono. 10 – Quatro rapazes de classe média de Brasília acusados pelo assassinato do índio Galdino Jesus dos Santos, em 1997, são condenados a 14 anos de prisão. 12 – Um Airbus-300 da American Airlines cai às

9h17, com 260 pessoas a bordo, no bairro de Queens, em Nova York. 13 – A Aliança do Norte conquista a capital afegã, Cabul, depois que as tropas do Taleban debandaram da cidade. – Em entrevista com o presidente russo, Vladimir Putin, Bush anuncia que os EUA vão reduzir substancialmente seu arsenal de ogi-

vas nucleares nos próximos dez anos, de 7.026 para algo entre 1.750 e 2.200 unidades. – A seleção brasileira vence a Venezuela por 3 a 0 em São Luís, no Maranhão, e garante sua vaga na Copa do Mundo de 2002. 14 – Termina greve no Judiciário paulista 16 – Taleban retira-se de Kandahar.

18 – O australiano Lleyton Hewitt vence o Masters de Sydney e termina o ano como o número 1 do tênis, superando Guga. – Empresa Pelé Sports & Marketing é acusada de ter se apropriado de US$ 700 mil de um evento para ajudar crianças carentes que seria realizado pela Unicef na Argentina, em 1995. 20 – O ministro da Previ-

Produto: ESTADO - BR - 16 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H16 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 16 - 31/12/01

H16 -

H16 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-16:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

O SUPERCAMPEÃO
O
Coulthard de lhe opor resistência maior. Seus únicos dissabores vieram de Juan Pablo Montoya, como uma ultrapassagem audaciosa em Interlagos. O título sempre esteve “no paano de 2001 foi especial po’’ do alemão. Interessante foi para o alemão Michael como chegou ao tetra: com quaSchumacher. Não ape- tro GPs de antecedência, na nas pelo modo tranqüilo como Hungria. Em Hungaroring, fesconquistou o quarto título mun- tejou a 51.ª primeira vitória na dial na Fórmula 1, o segundo F-1, igualando a marca de Alain consecutivo pela Ferrari, mas pe- Prost. Foi só o “aquecimento’’ los vários recordes que quebrou, para vários recordes em 2001. de maneira sucessiva. Aos 32 No fim do ano, tornou-se absoluanos, os últimos 10 deles na prin- to como o piloto que mais vencipal categoria do automobilis- ceu na categoria: 53 primeiros lumo mundial, hogares em 160 je Schumacher é GPs. detentor de pratiO alemão tamOS 32 camente todas as bém é o piloto marcas importancom maior númeANOS, tes da categoria. ro de melhores Um fenômeno. voltas (44, diante ALEMÃO É UM O fato de o alede 41 de Prost); mão ter alcançacom mais pontos FENÔMENO do o título da temna F-1 (801, dianporada não surte de 798,5 de preendeu. Antes Prost); e o que somesmo de o campeonato come- mou mais pontos na mesma temçar, já era considerado uma porada (123, diante dos 108 que “barbada’’. É o melhor piloto da obtivera em 2000 e que Nigel atualidade e a Ferrari pôs à sua Mansell amealhara em 1992). disposição o melhor carro de Sem contar que nunca alguém 2001. Abriu e fechou a tempora- havia conquistado o título com da com vitória, na Austrália e 58 pontos de vantagem sobre o no Japão, respectivamente, e segundo colocado – no caso, Daainda foi beneficiado pelos pro- vid Coulthard. blemas da McLaren, que impediComo explicar tanta eficiênram Mika Hakkinen e David cia? “Nasci para correr’’, resu-

RETROSPECTIVA 2001

Dusan Vranic/Associated Press

Schumacher chegou ao 4.º título da F-1 com 4 GPs de antecedência e ainda bateu vários recordes

A

Na Hungria, com Jean e Rubinho, a festa pelo título; no fim do ano, Schumacher tornou-se o piloto com mais vitórias na história da F-1: 53 me Schumacher. E os recordes (em 2001, venceu 9 das 17 provas, igualando o número que obteve em 1995 e em 2000, que Mansell também atingiu em 92)? “Não me preocupo com isso’’, costuma dizer. “Talvez venha a pensar nas marcas quando parar de correr e passar os dias sentado diante da TV, com uma cerveja numa das mãos e um cigarro na outra.” Mas parar não parece fazer parte dos planos imediatos. Garante que cumprirá o contrato com a Ferrari e, até o fim de 2004, continuará a buscar títulos e recordes. Terá chance, por exemplo, de superar a marca de cinco campeonatos do argentino Juan Manuel Fangio. Poderá, até, igualar as 65 poles de Ayrton Senna. Marca difícil de quebrar (tem “apenas’’ 43), mas é bom não esquecer que muitos duvidavam de que pudesse superar Prost em número de vitórias. Eleito o esportista do ano por várias entidades da Europa e de outros continentes – entre elas a Associação Internacional de Imprensa Desportiva (AIPS) e a Academia Francesa de Esportes –, Schumacher, um profissional cujo faturamento atinge US$ 60 milhões por temporada, busca motivação no prazer de piloto e na busca do aperfeiçoamento. Garante que tem muito mais a dar. “É difícil imaginar que posso evoluir como piloto, mas, na F-1, aprendi que sempre é possível melhorar. Isso me estimula.’’
Reuters

Eduardo Nicolau/AE - 4/10/2001

Gil de Ferran superou um início de ano difícil para se firmar entre os grandes nomes da Indy

O BICAMPEÃO

Pelé: mais uma vez, uma sociedade que deu dor de cabeça

um ano em que o esporte nacional obteve vitórias internacionais importantes, Gil de Ferran firmou-se entre os grandes nomes do automobilismo ao conquistar o bicampeonato da Indy. A primeira parte da temporada foi complicada. Hélio Castro Neves, companheiro na Penske, vencia e ele não. Outros brasileiros também ganhavam e o sueco Kenny Brack abria vantagem, aproveitando-se da afinidade com os ovais. “Os resultados não refletiam meu desempenho nem o do carro.” Mas ia somando pontos e não se distanciava dos primeiros colocados. A arrancada começou no momento em que os atentados terroristas aos Estados Unidos abalavam a Indy, que chegava à Europa. Havia ainda a comoção com o acidente de Alessandro Zanardi, que amputou as pernas. Gil conseguiu a primeira vitó-

N

Mark Horsburgh/Reuters

Gil, agora, prepara-se para a IRL ria na estréia da Indy na Inglaterra. Em Houston, mais uma. Era o líder do campeonato, a três etapas do fim. O bicampeonato veio na Austrália, com um GP de antecedência. Mas ele não poderá lutar pelo tri – a Penske decidiu ir para a dissidente Indy Racing League. Gil, porém, já vislumbra um novo desafio: vencer as 500 Milhas de Indianápolis.

Ronaldo voltou aos gramados e é esperança do Brasil na Copa

E

juventude. Sua parceria com o Pelé é acusado de Unicef sempre foi íntima. estar envolvido em Parte dos problemas emprenegociata que usava o sariais de Pelé se deve à sua atração por se associar com nome do Unicef pessoas que, geralmente, lhes ntra ano, sai ano, Pelé causam problemas. A última continua rendendo man- delas foi Hélio Viana, sócio chetes. Nem sempre nas na Pelé Sports & Marketing páginas esportivas. Neste ano, (PS&M). Em julho, desconfiao mais famoso personagem do do de que alguma coisa não ia futebol em todos os tempos te- bem na empresa, Pelé manve a sua imagem bastante dani- dou que fosse feita uma audificada com o notoria nela. Os reticiário que o ensultados o levavolveu numa neram a tomar a ÓCIO gociação para decisão de tirar realizar um Viana da socieESTÁ show artístico na dade, fechar a Argentina, em PS&M e procesSENDO 1995. Parte da sar o ex-sócio. renda do show, Negócios à PROCESSADO que acabou não parte, Pelé teve acontecendo, ainda de enfreniria para o Unitar, este ano, a cef daquele país. fúria da torcida argentina, na A notícia correu mundo. Não festa de despedida de Maradoé para menos, pois desde quan- na, em Buenos Aires. O rei foi do marcou o gol de número mil levar o abraço ao garoto de ouhá três décadas – aquele dedica- ro, velho desafeto. O público do às crianças do Brasil – o tra- vaiou, mas Pelé não perdeu a balho social de Pelé se dirigiu à majestade.

REI DA POLÊMICA ETERNO ARTILHEIRO

P

Tasso Marcelo/AE

Romário aos 35 anos ainda é o principal goleador em atividade no País

S

oucos atacantes sabem fazer gols como Romário. O astro do Vasco, 36 anos a serem completados em 29 de janeiro, passou 2001 atormentando defesas, como faz regularmente há uma década e meia. Por isso, foi o artilheiro da Série A do Brasileiro, com 21 gols e sem que seu time chegasse às etapas decisivas da competição. A temporada só não foi perfeita por conta de algumas contusões, que o deixaram fora de atividade em vários períodos. Além disso, o clube viveu momentos tensos, provocados por atrasos em pagamentos de salários e pelo envolvimento de Eurico Miranda nas investigações das CPIs da Nike (Câmara dos Deputados) e do Futebol (Senado). As turbulências no Vasco fizeram com que Romário antecipasse as férias e ensaiasse namoro com o Fluminense. Mas seu

R
Romário, sinônimo de gol destino, em 2002, ainda uma vez deve ser São Januário. O Baixinho sonha com a Copa. Mas precisa quebrar a resistência de Felipão. Romário decepcionou o treinador da seleção, ao pedir dispensa da Copa América, em julho, sob alegação de que operaria a vista. Em vez disso, viajou com o Vasco para amistosos no México. Depois, não foi mais convocado. sistema financeiro da corrida por saques. 3 – Em represália a atentados suicidas, helicópteros israelenses disparam mísseis no quartel-general das forças do presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat. – Segundo o IBGE, expectativa de vida do brasileiro passou de 66 anos em 1991 para 68 anos e 6 meses em

Fundo das Nações Unidas para a Infância. Depois, aos poucos, Ronaldo foi entrando em jogos da Copa da Uefa e do Campeonato Italiano. Nesse período, fez três gols – onaldo enfim voltou recentemente um contra o em 2001. O craque da Brescia e dois diante do VeroInternazionale de Mi- na –, mas também sofreu três lão superou o trauma provoca- estiramentos. O último, no do por duas operações no joe- domingo passado (dia 23), delho direito e retomou as ativi- ve deixá-lo fora de combate dades, de forma quase nor- por duas semanas. mal. O retorno veio em etaO Fenômeno, porém, não se pas. No primeiassusta e diz que ro semestre, paros sobressaltos ticipou de ‘pelafazem parte da OS das’ com amilenta volta à norgos, apenas pamalidade. Com PLANOS, MAIS 3 ra sentir a rea25 anos compleção das pernas. tados em setemMUNDIAIS No segundo, inibro, é também ciou pré-tempogrife forte, rentáANTES DE PARAR rada com seus vel, multimídia. companheiros e Ronaldo tem cafoi a atração em risma e técnica – jogos-treinos contra forma- por isso, planeja disputar pelo ções semi-amadoras. menos mais três Mundiais anUm dos testes ocorreu em tes de encerrar carreira como partida beneficente, em agos- jogador. Felipão e o Brasil torto, organizada para arreca- cem para que esteja no ponto dar recursos para o Unicef, o já para a Copa da Ásia.

Ronaldo volta aos campos, sente contusões, mas ainda é a maior esperança do Brasil

O RETORNO

N

22 – O governo anuncia o abrandamento do racionamento de energia para consumidores residenciais e comerciais no período de dezembro a fevereiro. 23 – Helicóptero israelense dispara dois mísseis num furgão na Cisjordânia, matando Mahmoud Abu Hanoud, líder do grupo militante islâmico Hamas. 25 – Cientistas da empre-

sa de biotecnologia Advanced Cell, de Massachusetts (EUA), anunciam a criação do primeiro clone humano. – Quase 600 combatentes estrangeiros pró-Taleban morrem ao se rebelar numa prisão perto de Mazar-i-Sharif. 27 – Delegados de facções e etnias afegãs concordam com a formação de um governo de transição de base

ampla. – O ex-beatle George Harrison morre na casa de amigos, em Los Angeles, EUA. Harrison, de 58 anos, tinha um tumor no cérebro.

DEZEMBRO
1 – Cavallo anuncia o semicongelamento dos depósitos bancários e uma bateria de medidas para proteger o

2000. 4 – A Câmara aprova, por 264 votos a 213 e 2 abstenções, o projeto que muda a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e permite que convenções e acordos coletivos trabalhistas prevaleçam sobre a lei. 5 – Cavallo atenua as restrições bancárias impostas pelo pacote econômico. Os argentinos poderão sacar

US$ 1 mil por mês, de uma só vez. – A Câmara aprova emenda que permite que o congressista seja processado por crime comum no STF, sem a necessidade de licença do Legislativo. – Arafat ordena a prisão do xeque Ahmed Yassin, chefe do Hamas. 6 – O mulá Mohammed Omar, líder espiritual do

Produto: ESTADO - BR - 17 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H17 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 17 - 31/12/01

H17 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-17:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H17

2002: CENÁRIOS
Atentato de 11 de setembro pôs um freio no consumo de ‘supérfluos’

A ARTE PÓS-TERRORISMO
Nascido em Trinidad, de origem indiana, V.S. Naipaul, Prêmio Nobel de Literatura, terá mais três livros publicados no País; ‘Half a Life’, sua obra mais recente, chega em 2002

ser lançado pela Companhia das Letras, Introdução à História da Filosofia – Vol. 1, da professora de filosofia da Universidade de São Paulo Marilena Chauí, foi um dos livros aguardados durante todo o ano de 2001 que acabaram ficando para 2002. Se alguns atrasos são comuns, entre outros motivos, por causa da atenção à qualidade de alguns autores, neste ano foram mais ainda, por outras razões: do atentado de 11 de setembro, que pôs um freio no consumo de “supérfluos”, às compras de livros realizadas no final do ano por órgãos governamentais. Também ficaram para 2002 obras como As 101 Noites – Histórias Árabes da Tunísia (Hedra), traduzida do árabe, e No Coração das Perobas (Record), de Domingos Pellegrini, vencedor do Jabuti deste ano na categoria romance, e A Mar- Artes cênicas – Em 2002, o ca Humana (Cia. das Letras), Panorama RioArte de Dança de Philip Roth. amplia seu formato. Há dez Em 2002, deve ser publica- anos formando platéias e fodo, também pela Cia. das Le- mentando a dança no Rio, agotras, Half a Life, o mais recente ra investe, ainda mais, no debalivro do Prêmio Nobel de Lite- te, com a realização de semináratura V.S. Naipaul, ainda sem rios. Os organizadores, Lia Rotítulo em português. drigues e Roberto Pereira, feMais polêmico ainda em charam intercâmbio com o sua abordagem do islamismo, Spring Dance, um dos mais reschega ao País, em 2002, pela peitados festivais do mundo. Record, Plataforme, o romanO FID – Fórum Internacioce do énfant ternal de Dança – rible francês Mimanterá a prochel Houellebegramação que ESSIE cq. Talvez no ascomeçou em ousunto literatura tubro, co-produNORMAN de língua francezindo e investinsa contemporâdo no trabalho CANTA nea, valha mais coreográfico de a pena prestar artistas mineiEM ABRIL atenção aos títuros com o apoio los da Coleção da Telemig CeLatitude, da Eslular. O Grupo tação Liberdade. Entre eles, Corpo estréia nova coreogradevem finalmente ser publica- fia, com a trilha sonora de Tom dos As Formigas da Estação de Zé e o Cisne Negro comemora Berna, de Bernard Comment, 25 anos. Quanto aos estrangeie Comédia Clássica, de Marie ros, o Teatro Alfa abre suas porNdiaye. Fica a dúvida se Allah tas para Eva Yerbabuena, ArN’Est Pas Obligé, de Ahma- nie Zane Dance Co. A Dell’Ardou Kourouma, festejado em te deve trazer o clássico Balé da 2000 na França, sai em 2002. Ópera de Paris, os divertidos Para os tolkienmaníacos, a Momix e Montalvo Hervieu. Martins Fontes promete, para Uma versão de Romeu e Julieos primeiros meses, a publica- ta, com a direção de Wladimir ção dos Contos Inacabados, do Vasiliev, e outra do Quebra-Nocriador de O Sr. dos Anéis. zes, com a escola Vaganova de
Sara Krulwich/The New York Times

A

Divulgação

J

Também controverso quando o assunto é abordagem do islamismo, o francês Michel Houellebecq é um dos destaques da literatura no ano de 2002

vo musical vem aí. Trata-se de uma versão de A Bela e a Fera, cuja seleção de atores já começou. O espetáculo é um investimento da CIE, grupo mexicano que montou Os Miseráveis. Outro trabalho a registrar é Mãe Coragem, de Brecht, com música de Paul Dessau. A peça, que deve estrear no Sesc Anchieta, vai comemorar os 40 anos de carreira da atriz Maria Alice Vergueiro e será dirigida por Sérgio Ferrara. Um dos eventos de destaque em São Paulo, em 2002, será a Mostra de Dramaturgia Contemporânea, no Teatro Popular do Sesi. Serão apresentados textos curtos e inéditos de dramaturgos como Dionísio Neto (O Dia mais Feliz de Sua Vida), Newton Moreno (Dentro) e outros, como Mário Bortolotto, Fernando Bonassi, Pedro Vicente, Leonardo Alkmin, Samyr Yazbek e Marici Salomão.

Moscou, são esperadas. No teatro, Paulo Autran monta, primeiro no Rio, depois em São Paulo, Variações Enigmáticas, de Eric-Emmanuel Schmitt, que já foi ao palco com Alain Delon no elenco

francês. A direção será de José Possi Neto. Autran vai dividir o palco com Cecil Thiré e, no Rio, a peça reinaugura o tradicional Teatro Maison de France, fechado desde 1983. Na linha “blockbuster”, no-

Música erudita – Na música erudita, até agora há apenas a confirmação das temporadas da Sinfônica do Estado, do Mozarteum Brasileiro, do Teatro Alfa e da Sociedade de Cultura Artística. Na programação, estão previstas apresentações de grandes orquestras como a Bayrerischer Rundfunk Orchestra, que será regida por Lorin Maazel

em maio, a Filarmônica de São Petersburgo (que se apresenta em agosto sob regência de Yuri Temirkanov) e a Orquestra Nacional da Espanha (regência de Rafael Frühberck de Burgos). Além disso, a música de câmara está bem representada, com a presença do Chamber Ensemble da Academia de St. Martin-in-the-Fields, da Orquestra de Câmara de Lausanne, do pianista Nikolai Luganski, da KREMERata Baltica e do alemão German Brass. Se mantida, como neste ano, a série de concertos do BankBoston, em parceria com a Hebraica e o Promon, também pode render bons momentos. A Osesp tem como um dos principais destaques de sua temporada a presença do compositor Luciano Berio, que rege o grupo em junho em concertos com obras suas. Além disso, grandes solistas como Antonio Menezes e regentes como Sergiu Comissiona também estão previstos na temporada, que vai incluir uma grande programação de música de câmara. A Osesp também confirmou, para o segundo semestre, o início com O Ouro do Reno da tetralogia O Anel dos Nibelungos, de Richard Wagner, um dos destaques da programação de ópera do ano que vem. O Municipal anunciou cinco produções, entre elas Sansão e Dalila, de Saint-Saëns, e Simon Boccanegra, de Verdi. Outro destaque é Manon, de Massenet, que fará temporada no Alfa. No Rio, a temporada de ópera promete: Turandot, de Puccini, deve abrir a programação do Municipal, que também terá a soprano Eliane Coelho na ópera La Gioconda, de Ponchielli, e a meio-soprano Jennifer Larmore encabeçando o elenco de uma nova montagem da La Cenerentola, de Rossini. Manaus, além de Don Giovanni, de Mozart, e os espetáculos Barroco e ZAP! O Resumo da Ópera, também inicia em abril sua versão. Jennifer Larmore também se apresenta em São Paulo, em agosto, no Cultura Artística. Duas outras importantes cantoras apresentam-se no Teatro Alfa: em abril, Jessye Norman, e, em outubro, Kiri Te Kanawa. (Haroldo Ceravolo Sereza, Karla Dunder, João Luiz Sampaio e Ubiratan Brasil)

RETROSPECTIVA 2001

PIRATAS E ALTERNATIVOS
AP Otávio Magalhães/AE

Declínio comercial das grandes gravadoras foi uma das marcas do período
MAURO DIAS

O

ano musical foi marcado pelo declínio comercial das grandes gravadoras (BMG, EMI, Universal e Sony), que viram os números de venda diminuir drasticamente (em mais de 50% para cada uma delas) e assistiram ao crescimento da venda de CDs piratas – fenômeno internacional que ainda não tem combate eficaz. As fórmulas de sucesso adotadas pelas quatro grandes do mercado fonográfico não deram certo. Axé music parou de vender, pagode parou de vender, forró universitário não emplacou na medida pretendida. Por outro lado, surgiram ou consolidaram posição novos selos alternativos, como os paulistas Jam Music e Lua e o carioca Acari Records, este especiali-

CD, e a Globo, que tem contrato de exclusividade com o cantor. Acústico é o melhor disco de Roberto em quase 20 anos. A programação do Centro Cultural São Paulo foi destaque na dança, no primeiro semestre. Em julho, o Kirov dançou no inadequado palco do Credicard Hall – pena. O segundo semestre trouxe aos palcos – adequados – o balé de Pina Bausch e o Nederlands Dance Teatre. Outro destaque foi a 2.ª Mostra Internacional de Dança, promovida pelo Sesc.

O ex-Beatle George Harrison, com a mulher, Olivia: perda do pop Roberto Carlos gravou pela primeira vez uma seleção de sucessos zado em choro. São gravadoras pequenas, que trabalham com cifras modestas (um CD alternativo que venda 10 mil exemplares pode ser considerado sucesso absoluto), não compram horário em rádio e televisão – dirigem sua produção a um público menor e específico. A publicidade e venda desses discos – que raramente chearmados. – A Câmara de Representantes dos EUA aprova, por um voto, o projeto de lei da Autoridade de Promoção Comercial (TPA), o “fast track”. A proposta autoriza Bush a negociar acordos comerciais. – O relatório final da CPI do Futebol é aprovado no Senado, por unanimidade. 7 – Na eleição mais rápigam às prateleiras das lojas – é feita em shows ou em sites especializados na produção alternativa, segmentados, dedicados a gêneros – como Jangada Brasil, que cuida de música regional, ou a Agenda do Samba e do Choro, o nome diz tudo. Horizonte mercadológico novo que se afirma como opção para os novos tempos. da da história da Academia Brasileira de Letras, Zélia Gattai é eleita para a cadeira que pertenceu ao marido, Jorge Amado. – A Polícia Civil do Amapá prende sete suspeitos de integrar a quadrilha que assaltou o barco Seamaster e assassinou Peter Blake. – Forças do Taleban abandonam Kandahar. 9 – O atacante Ronaldo O mundo dos grandes espetáculos promoveu a volta em grande estilo do Rock in Rio, em janeiro, com destaque para sua tenda de world music. O Free Jazz viveu sua penúltima edição (a partir de 2003 será proibido o patrocínio de eventos culturais ou esportivos por marcas de cigarro) e o festival de percussão Percpan, que chevolta a marcar um gol após mais de dois anos na vitória da Inter de Milão por 3 x 1 sobre o Brescia. 11 – O Federal Reserve, Banco Central dos EUA, reduz a taxa de juros de 2% para 1,75% ao ano - o nível mais baixo em 40 anos. – A Câmara aprova, em primeiro turno, a proposta de emenda constitucional que permite a participação gou a ser o maior do mundo em seu gênero, acentuou o declínio já esboçado. O pop perdeu a guitarra de George Harrison, um dos músicos mais importantes da segunda metade do século. Roberto Carlos regravou alguns de seus grandes sucessos num Acústico que virou motivo de disputa entre a MTV, produtora do de até 30% de capital estrangeiro nas empresas de comunicação. – Aécio anuncia o corte de R$ 1,55 bilhão em emendas ao Orçamento para garantir o aumento do salário mínimo para R$ 200,00 em abril. 12 – Líderes da base governista na Câmara decidem reajustar a tabela progressiva do Imposto de Renda em 17,5%, a partir de 2002.

Teatro – O mais interessante no teatro foram os grupos que deram continuidade a projetos – o CPT, o Oficina, o Tapa. Uma peça de Leilah Assunção, Intimidade Indecente, pode estar determinando a consolidação de um “teatro para a terceira idade”. No capítulo musicais, o melhor foi Cambaio, de João e Adriana Falcão, músicas de Edu Lobo e Chico Buarque. Cabe registrar o surgimento do Ágora, teatro-escola que forma em dramaturgia.
13 – EUA divulgam vídeo caseiro que, supostamente, comprova o envolvimento de Bin Laden no planejamento e execução dos ataques terroristas de 11 setembro. – A Câmara aprova projeto de lei dando ao consumidor de drogas tratamento diferente do dispensado ao traficante. 15 – Justiça decreta pri-

Taleban, aceita entregar o controle de Kandahar, último reduto importante da milícia, a um conselho de anciãos tribais pashtuns. – O neozelandês Peter Blake, considerado o maior velejador do mundo, é assassinado em Fazendinha, a 12 quilômetros de Macapá, no barco Seamaster, de sua propriedade, durante assalto praticado por seis homens

Produto: ESTADO - BR - 18 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H18 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 18 - 31/12/01

H18 -

H18 - O ESTADO DE S.PAULO
%HermesFileInfo:H-18:20011231:

ESPECIAL

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001

2002: CENÁRIOS
Christian Cravo/Divulgação

Shannon Stapleton/Reuters

Fernando Sampaio/AE – 30/5/1996

Cena de ‘Abril Despedaçado’, de Walter Salles, que vem fazendo lobby forte nos Estados Unidos para competir de novo ao Oscar de melhor filme estrangeiro, em 2002

Thom Yorke, inquieto rock star do Radiohead

John Hammond, quase definido para 2002

Roger Waters abre a temporada de shows, em março, e Walter Salles insiste no Oscar
JOTABÊ MEDEIROS

A

música pop vive intensa expectativa pelo que vem por aí. Pela primeira vez, pisa nos palcos do Brasil uma parte – mesmo que pequena – da única banda de rock que ainda não esteve no País, o Pink Floyd. Em março, apresenta-se no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, o ex-baixista da banda, Roger Water, respon-

sável em grande parte por um dos maiores sucessos da banda, a ópera-rock The Wall. Além de Waters, cuja presença já está definida, vivemos o ano das promessas. A mais festejada banda da atualidade, o Radiohead, está com seu passe sendo negociado pelo Free Jazz Festival, e pode dar as caras por aqui. O grupo nova-iorquino The Strokes, saudado como uma grata revelação do rock no ano passado, também deve incluir um show no Brasil em 2002. Quem prefere, no entanto, fugir do mainstream e das atrações forjadas na mídia, deve

O ROCK VAI FERVER
prestar atenção aos eventos que correm por fora. O primeiro deles, no ano, é o Chivas Jazz Festival, que será realizado de 22 a 25 de maio em São Paulo (Directv Music Hall) e no Rio (Marina da Glória). O festival está procurando apresentar aos brasileiros uma onda que varreu recentemente a Europa e firma-se como uma corrente de modernização dentro do jazz, o eletrojazz. França, Alemanha e Itália pontificam nas atrações do gênero. O Chivas já fechou (ou está em via de fechar) com grandes atrações do gênero, como o trompetista italiano Paolo Fresu e o baixista israelense Avisha Cohen, mais o pianista parisiense Jean Michel Pilc, Dave Lipman, Chico Freeman e outros. Chico Freeman merece um parêntese aqui. É saxofonista, tecladista, arranjador, compositor e um dos grandes nomes da história do jazz. Tocou tanto com Dizzy Gillespie, Lester Bowie, Charles Mingus, Elvin Jones, McCoy Tyner e outras lendas quanto com artistas de outras correntes musicais, como Eurythmics, Temptations e Earth, Wind and Fire. E é preciso prestar muita atenção também ao que pode ser o último Free Jazz Festival.

Por conta da nova legislação antitabagista, a Souza Cruz deve ficar impossibilitada de patrocinar o evento em 2003, centrando todas as suas energias (e verbas) nessa edição. Björk, que fez um dos melhores discos de 2001, Vespertine, deve ser convidada de novo, fechando a mostra com chave de ouro. Fora do eixo Rio-São Paulo, muita coisa boa também estará acontecendo. O Abril Pro-Rock, no Recife, continua sendo a porta de entrada das novas tendências da música no País. E outros eventos mostram força e já se firmam no calendário das capitais.

É o caso do Natu Blues Festival, que será realizado de 22 a 25 de abril em Curitiba. Reunirá os músicos mais experimentados do blues na cidade com outros consagrados, como o guitarrista Coco Montoya, o brasileiro André Christovam e o guitarrista John Hammond. Na área cinematográfica, as atenções voltam-se para as indicações para o Oscar de Filme Estrangeiro. O prêmio será entregue no dia 24 de março. O Brasil está no páreo com Abril Despedaçado, de Walter Salles, que está indicado para o Globo de Ouro. Salles é, de novo, sério candidato ao prêmio.

RETROSPECTIVA 2001

Agliberto Lima/AE

REFLEXOS DA DIVERSIDADE
Estrearam nada menos que 28 longas nacionais, que ocuparam 10% do mercado interno
LUIZ ZANIN ORICCHIO

Divulgação

A escritora Zelia Gattai, viúva de Jorge Amado, nosso escritor mais popular, enobado por parte da crítica: a falta que fará ainda está longe de ser avaliada

arry Potter estourou na bilheteria, o cinema brasileiro dividiu opiniões, e a habitual overdose de filmes estrangeiros deixou um pequeno saldo a comemorar – em meio aos descartáveis de sempre, vários filmes se salvaram, com honras e algum mérito. Na literatura, o destaque é negativo e fica para a perda de Jorge Amado, o nosso escritor mais popular. E, nas artes plásticas, a bola esteve com a França. Segundo os entendidos, o que houve de mais marcante no ano foram a exposição dedicada a Rodin e a retrospectiva Parade, na Oca do Ibirapuera, com obras do Centro Georges Pompidou, de Paris. Mais de 30 longas-metragens nacionais estrearam no circuito comercial do País. Houve de tudo um pouco, reflexo da diversidade que caracteriza a produção atual. Entraram no circuito de produtos comerciais como Xuxa e os Duendes a exemplares do mais autêntico “cinema de arte”, como Lavoura Arcaica. De documentários como O Sonho de Rose, Babilônia 2000 e Carrego Comigo a produtos infantis como Tainá, O Grilo Feliz e Os Xeretas. Esses filmes ocuparam cerca de 10% do mercado interno. Houve progresso, e a evolução se mantém. Mas, apesar dos passos adiante, ainda é uma cinematografia adolescente. Insegura de si e talvez por isso à espreita do “grande filme” que a redima da ciclotimia histórica. Só assim se entende o barulho feito em torno são temporária de cinco investigadores acusados de controlar o tráfico de drogas na Cracolândia, centro de São Paulo. 17 – Começa onda de saques a supermercados na Argentina. 20 – Governo argentino decreta estado de sítio. Protestos populares forçam a queda de Domingo Cavallo e de todo o gabinete ministe-

H

Fiéis, Além da Fé, Uma Casa para o Sr. Biswas e O Enigma da Chegada. O Nobel anterior, Gao Xingjian, só agora teve seu principal romance, A Montanha da Alma, publicado no Brasil. E, mesmo assim, a partir de um texto francês e não diretamente do Cena de ‘Harry Potter’: overdose habitual de filmes estrangeiros chinês. de dois dos lançamentos de malbaf, talvez o filme mais politiEntre os best sellers internacio2001, Lavoura Arcaica e Bicho camente oportuno deste ano. nais, é obrigatório lembrar o lande Sete Cabeças, concorrentes Dos Estados Unidos, em meio çamento de Baudolino, de Umao troféu “obra-prima do milê- à massa amorfa de sempre, che- berto Eco, mais uma vez ambiennio” no entender de facções ri- gou uma jóia rara, A Hora do tado na Idade Média e que gavais de críticos. Show, reencontro de Spike Lee nhou tradução exemplar de MarO espalhafato em torno deles com seu melhor cinema, radical, co Lucchesi. Mas em termos de deixou em segundo plano outros sem concessões, devidamente an- esforço de tradução talvez nada lançamentos, igualmente interes- tenado com seu tema preferen- supere a proeza de Haroldo de santes, como é o caso de Memó- cial, o racismo Campos, que verrias Póstumas, uma mais do que que contamina a teu a Ilíada direto digna adaptação de Machado de ideologia do sodo grego, embora LGUNS DOS Assis. Ou Tônica Dominante, ori- nho americano. seus detratores esginal ensaio poético, que ganhou Vale a pena desnobem o resultaMELHORES alguma notoriedade, em espe- tacar também do. cial por sua beleza plástica, mas Amores Brutos, O italiano UmFILMES VIERAM não conseguiu escapar ao limbo. do mexicano Aleberto Eco é arrozAlguns dos melhores filmes es- jandro González de-festa – tudo o DO ORIENTE trangeiros vieram do Oriente, co- Iñarritu. Juntaque escreve se tramo Amor à Flor da Pele, de mente com E duz. Mais rara foi Wong Kar-Wai, As Coisas Sim- Sua Mãe tama atenção dada à ples da Vida, de Edward Young, bém, de Alfonso Cuaron, mostra literatura da pensínsula com a e Eureka, de Shinji Aoyama. que a cinematografia do México Coleção Letras Italianas e lançaPor algum motivo, a bola da vez está procurando (e encontran- mentos da Cosac & Naify, que está com o cinema dos países do) um caminho estético singu- puseram à disposição do leitor asiáticos, como já esteve uma lar e funcional. obras de Italo Svevo, Giovanni vez com o iraniano. Falar nisso, Verga, Pirandello, Lampedusa e um dos melhores títulos deste Literatura – V.S. Naipaul, iras- do fundamental Elio Vittorini. ano foi O Círculo, que traça um cível, doido por espaço na mídia A obra de Thomas Mann, que retrato sem retoques da dura si- embora hostilize jornalistas, foi estava desaparecida, ganhou notuação da mulher no Irã. Tam- o vencedor do Nobel de Literatu- vas edições da Nova Fronteira e bém do Irã, mas abrindo uma ja- ra deste ano. Aproveitando a da Mandarim. Assim, temos de nela para esse mistério chamado premiação, a Companhia das novo em catálogo obras-primas Afeganistão, veio Caminho para Letras relançou cinco títulos do como A Montanha Mágica, DouKandahar, de Moshen Makh- escritor: Os Mímicos, Entre os tor Fausto, José e Seus Irmãos e

A

outros romances – alguns dos quais primorosamente traduzidos por Herbert Caro. A Hedra prestou um belo serviço com o lançamento do clássico Sermões, de Vieira, e a Record e a Nova Fronteira colocam de novo nas prateleiras as obras de Carlos Drummond e Cecília Meireles, dois tops da poesia nacional. Os principais escritores norteamericanos tiveram seus novos livros lançados no País: Norman Mailer com Parque dos Cervos, John Updike com Gertrudes e Cláudio, Tom Wolfe com Ficar ou não Ficar. Em termos de ficção brasileira, o destaque fica para Eles Eram muitos Cavalos, de Luiz Ruffato. Fernando Paixão ganhou prêmio por seu livro de poesias Poeira, e Paulo Rodrigues foi considerado grata revelação com seu romance À Margem da Linha. O livro de contos O Filho do Crucificado, de Nelson de Oliveira, tem o aval da do troféu da Associação dos Críticos de Arte de São Paulo. A falta que Jorge Amado fará ainda está longe de ser avaliada. Esnobado por parte da crítica, era popular como foram pouquíssimos autores nacionais de qualidade (Érico Verissimo é a outra exceção). Não tentou inovar na forma e se dizia apenas um bom contador de histórias. E foi assim, contando os casos da sua gente, que incorporou ao imaginário do País persoque dois soldados indianos morrem na região. 27 – Índia e Paquistão colocam mísseis nucleares em posição de ataque, mas intensificam negociações diplomáticas. 28 – Porta-voz do Ministério da Defesa do Afeganistão afirma que Bin Laden está vivo, refugiado no Paquistão. 29 – Depois de longa nego-

nagens como Dona Flor, Gabriela, Vadinho e Tieta. Não foi, como disse, apenas um bom contador de histórias – foi excepcional. Mas o brasileiro, esse Narciso às avessas, dificilmente perdoa o sucesso de um conterrâneo.

Visuais – Segundo o crítico Fernando Oliva, este foi um ano excepcional para as artes visuais em São Paulo. Destacaram-se duas exposições, Parade, na Oca, e A Porta do Inferno, de Rodin, na Pinacoteca. Parade reuniu mais de 250 obras do acervo do Centro Georges Pompidou (Beaubourg, para os íntimos), realizadas entre 1901 e 2001 por artistas como Matisse, Duchamp, Kandinsky e Braque. A Porta do Inferno é tida por alguns especialistas como a obra mais importante de Rodin. Trata-se de um alto-relevo de 6,30 m por por 3,80 m de largura e 1,20 m de profundidade, matriz da sua estética. Significativas também foram as individuais de Lucio Fontana, no CCBB do Rio, Julio Le Parc, na Pinacoteca e Nara Roesler, Waltercio Caldas, na Raquel Arnaud, Amilcar de Castro, na Pinacoteca, e Tunga, no CCBB de São Paulo, entre outras. Arthur Omar foi o destaque, no Centro Cultural Banco do Brasil, com a exposição Esplendor dos Contrários, composta de vídeos, fotos e instalações. É um raro artista que trabalha na abolição das fronteiras entre gêneros.
ciação, Congresso aprova Orçamento-Geral da União para 2002, que prevê gastos de R$ 650,4 bilhões. – Argentinos retornam às ruas para protestar contra o governo de Saá e apedrejam o prédio do Congresso. Ministério apresenta demissão coletiva ao presidente. 29 – Morre no Rio, aos 39 anos, a cantora Cássia Eller.

rial. – Senado aprova fim da imunidade parlamentar para crimes comuns. 21 – O presidente argentino, Fernando de la Rúa, renuncia ao cargo. Número de mortos em conflitos nas ruas chega a 21. 22 – Congresso escolhe o governador da Província de San Luis, Adolfo Rodriguez Saá, presidente interino da

Argentina e convoca eleições para 3 de março. 23 – Câmara de São Paulo aprova o projeto do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) progressivo. – Saá suspende pagamento da dívida externa e anuncia criação da terceira moeda argentina. – Atlético Paranaense vence o São Caetano por 1 x 0 e conquista o Campeonato

Brasileiro. 25 – Chuvas provocam pelo menos 60 mortes no Rio. – O jornal Pakistan Observer publica declarações de uma fonte afegã segundo a qual Bin Laden morreu no início de dezembro, vítima de problemas pulmonares. 26 – Índia envia tropas à fronteira com o Paquistão e declara que está sendo “pressionada a guerrear”, depois

Produto: ESTADO - BR - 19 - 31/12/01
2% 5% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 95% 98% 100%

H19 -

Composite
50% 60% 70% 80% 85% 90% 95% 98% 100%

PB

2%

5%

10%

15%

20%

30%

40%

COR
Composite

Produto: ESTADO - BR - 19 - 31/12/01

H19 -

SEGUNDA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 2001
%HermesFileInfo:H-19:20011231:

ESPECIAL

O ESTADO DE S.PAULO - H19

2001 NA TV
A rede de televisão Al-Jazira, do Catar, ficou conhecida após os ataques de Bin Laden contra os EUA A CNN, que transmitiu, ao vivo o atentado de 11 de setembro, teve imagens divulgadas em todo o mundo

Reuters

Reuters

Atentado mostrou que a mídia não consegue aprisionar a realidade, boa ou má
DANIEL PIZA

N

este ano a TV do mundo todo continuou acompanhando os ibopes dos “reality shows”, os programas ditos de realidade como as versões brasileiras No Limite e Casa dos Artistas. Mas, como se fosse um aviso macabro, a TV atingiu seu máximo de audiência quando sucumbiu à realidade, como no seqüestro de Silvio Santos logo em seguida ao de sua filha. E sobretudo na manhã de 11 de setembro, quando a CNN e outros canais de notícias 24h transmitiram o atentado de Osama bin Laden aos Estados Unidos da América – e a realidade se mostrou para além de qualquer redução a exibicionismos e voyeurismos. “Time must have a stop”, de-

sabafou Shakespeare, e naquele dia o tempo pareceu parar enquanto o mundo olhava perplexo o desabar das duas torres mais altas de Manhattan, ao vivo, uma imagem tão surpreendente que nem mesmo a imaginação sabia como preencher. O primeiro kamikazi já tinha atingido uma torre quando as filmagens começaram, e então o segundo veio e atravessou a outra como uma estocada de sabre; dali a pouco, ambas ruíram como prédios implodidos, formando uma montanha de aço e concreto, fumaça, poeira e focos de incêndio que demoraram mais de três meses para desaparecer. O Pentágono também foi atingido, convertendose em quadrilátero, e outro avião que se destinava à Casa Branca terminou heroicamente desviado pelos passageiros. Mas, por mais “simbólicos” que tenham sido os alvos, livros como Vida - O Filme, de Neal Gabler, e filmes como O Show de Truman, de Peter Weir, que dizem que a mídia fabrica a rea-

A GUERRA DOS VÍDEOS
lidade, terão de rever suas Durante bom tempo, por siidéias. Não é preciso um fato nal, o Taleban seria imbatível dessa proporção para demons- e o terrorista saudita – que se trar isso, mas depois de 11 de se- passara para o lado anti-ameritembro a tese de que o jornalis- cano depois da Guerra do Golmo converte tudo em entreteni- fo, quando o Grande Satã utilimento também fizou a terra sacou debaixo da grada de seu sucata. Aquela país natal como IN LADEN realidade, pelo base de ataque – menos, não pologo aprontaria NÃO FEZ dia ser “douraoutras desgrada”. Parecia cineças. Em qualTALEBAN ma, mas carecia quer acidente de trama que renos dias seguinDEFENSÁVEL servasse a redentes dizia-se: “A ção no último sehipótese de atengundo, ao contrátado não foi desrio de 100% dos “disaster mo- cartada.” Envelopes com anvies” de Hollywood. Uma das traz iriam cobrir o mundo de primeiras reações foi: “O inimi- pó letal. Os EUA matariam migo não tem rosto.” Ele logo te- lhares de inocentes famintos ria. Mesmo assim, e apesar da por uma guerra desnecessária, retórica de Bush (“Como di- e o uso de civis como escudos ziam os cartazes do Velho Oes- humanos pelo Taleban não mete, queremos Bin Laden vivo ou recia manchetes. O patriotismorto”), em nenhum momento mo alimentado dia e noite pela ninguém imaginou que a derro- mídia americana – que chegou ta do Taleban e a condenação a interromper a repetição da de Osama fossem expiar a dor cena dos atentados – traria a dos mais de 3 mil mortos. 3ª Guerra Mundial.

B

Em seu esconderijo, Bin Laden não poderia estar mais feliz: como se soube mais tarde, não planejara a queda das duas torres e não imaginara tamanha comoção mundial. E declarou seu objetivo: unir o Islã em torno de si contra o Ocidente, apelando, como ponto de partida, à reação dos palestinos contra Israel e seu aliado americano. Mas o que dizia era o oposto: “O Ocidente odeia o Islã.” Na guerra dos vídeos, tinha larga vantagem: estudadamente, gravara mensagens para ir soltando em momentos críticos, em vídeos desbotados que pela TV Al-Jazira se disseminavam pelo mundo. Com isso, chegou a ter sua “boniteza” elogiada por Caetano Veloso e a ser aclamado como um Antonio Conselheiro da Era Digital e “um Che afegão”. Glamour cada um vê onde quiser. Todo manipulador do pensamento coletivo, porém, termina também subjugado pela realidade. Em 90 dias o regime tirânico do Taleban, patrocinado

pela Al-Qaeda, a ONG globalizada de Bin Laden, seria derrubado por uma coligação de forças que envolveu Rússia, Japão, Alemanha, Itália, Inglaterra e outros ex-inimigos históricos. Os relatos de guerra eram muito mal-informados, mas logo a expulsão gradual mas rápida do Taleban ficou evidente. Num vídeo que não fazia parte de seu horário nobre, Bin Laden apareceu rindo com satisfação da tragédia alheia. O movimento palestino se radicalizou em alguns momentos, mas nenhum país islâmico apoiou Bin Laden. Até mesmo as cenas da pobreza constrangedora do Afeganistão começaram a mostrar que, se a retaliação era complicada, o Taleban era ainda mais indefensável. A tal ponto que, com a tomada de Cabul, os afegãos correram para as barbearias, religaram seus televisores e aparelhos de som e começaram a dispensar as burkas. Espontaneamente, a realidade fornecia mais um show para a mídia. Truco.
Almir Dupont/ Pioneiro/ AE

PERSONALIDADE DO ANO
Divulgação

O apresentador Silvio Santos foi destaque na alegria, na angústia e no sucesso
LOURDES SOLA

S

ilvio Santos encerrou o ano como começou: criando desconforto para sua maior concorrente. Em fevereiro, desfilou na escola de samba Tradição e sua imagem no carro abre-alas foi transmitida para todo o País pela Globo. Silvio aumentou o ibope da emissora para 39 pontos, enquanto o restante do desfile não passou dos 33. Em outubro, com seu programa Casa dos Artistas, conseguiu quebrar a invencibilidade do Fantástico, mantida por 29 anos. A surra teve o ápice em 16 de dezembro, no último capítulo da Casa, quando o ibope registrou 55 pontos, com média de 46 pontos. No mesmo dia, o Fantástico não passou dos 18 pontos. O programa seduziu até mesmo classes sociais que se negavam a admitir que assistiam aos populares programas de Silvio Santos. Ver as grosserias de Alexandre Frota e até mesmo as cenas de amor entre Bárbara e Supla agradaram ao público. “Ele editou a vida real. As pessoas acordavam despenteadas, andavam com chinelos e meias como o telespectador faz em sua casa”, diz Maria Thereza Fraga Rocco, professora da USP. Para ela, o homem precisa de momentos de ficção a atração funcionava como a fu-

Talento do ‘Homem do Baú’ segurou audiência e anunciantes ga para esses momentos. Casa dos Artistas, na opinião da especialista, só fez sucesso graças a Silvio Santos. “A TV é outra depois da Casa. Ele criou uma nova forma de fazer televisão”, explica a professora. De acordo com ela, ele comandava a atração de forma espetacular. Dirigia, ao mesmo tempo, três platéias: os artistas, o auditório e os telespectadores. “Casa não tem nada a ver com voyeurismo, que pressupõe a não permissão de ser visto”, diz. O seqüestro de sua filha Patrícia Abravanel, de 23 anos, em 21 de agosto, também virou polêmica e, infelizmente, deu

ibope. Com exceção do Grupo Globo, a mídia não divulgou o assunto até que o caso fosse resolvido. Considerado autoritário nos negócios, a emoção de ter sua filha seqüestrada impediu que comandasse esse episódio de sua vida: pediu a seu sobrinho, Guilherme Stoliar, que assumisse as negociações. Chegou a apresentar pressão alta e teve de ser medicado. No dia seguinte, quando o único a correr risco de vida era ele, com a invasão de sua casa pelo seqüestrador Fernando Dutra Pinto, ficou forte novamente. Libertou sua família e chamou o governador Geraldo Alckmin para dar garantias de segurança ao invasor. O Brasil parou para assistir ao desfecho, que teve final feliz. “O seqüestro foi para ele como a Casa foi para o Supla: mostrou quem ele é”, diz o amigo e cabeleireiro Jassa. Mesmo com o excelente desempenho de audiência, comentava-se que os grandes anunciantes ainda preferiam lançar produtos e divulgar suas marcas na concorrência. No dia 16 de dezembro, Silvio Santos mostrou que sua rede de tevê também atrai grandes empresas. Entrava com os comerciais no mesmo horário que sua concorrente e exibia anúncios do mesmo porte: bancos, indústrias de alimentos, automobilística, ente outros. Estima-se que tenha faturado mais de R$ 20 milhões. Isso também explica por que domingo é sempre dia de alegria – pelo menos para os seus negócios.

Daniele Winits na minissérie ‘O Quinto dos Infernos’

CORTE DE GASTOS INIBE PRODUÇÕES
Na Band, a compra de pacotes de séries e filmes americanos foi adiada e a rede viu o crescimento de seu faturamento, estimado em 10%, transformar-se em apenas 1%. Apostar em eventos regionais foi uma das KEILA JIMENEZ saídas que o SBT encontrou patevê precisou apertar ra tentar driblar a situação, os cintos em 2001. Pela mas a emissora não escapou primeira vez em mui- da queda de anunciantes multitos anos, diretores das redes ti- nacionais. veram de enxugar custos e corMesmo com o orçamento tar despesas. Só na Globo, o fa- apertado, não faltaram boas turamento com publicidade produções em 2001. A minissécaiu cerca de 12% no primeiro rie Os Maias, da Globo, é uma semestre do ano passado, em prova disso. Adaptada da obra relação a 2000. Os vilões, na de Eça de Queirós, a trama não maioria dos cafoi um sucesso sos, foram a alta de audiência, do dólar, a crise mas agradou à LOBO na Argentina e crítica com sua os atentados terqualidade de proCANCELOU roristas nos Estadução. A séries dos Unidos. Os Normais e GRAVAÇÕES A necessidade Brava Gente, de economizar também da GloNO EXTERIOR chegou a ser perbo, são provas cebida pelo públique bom gosto e co. Na Globo, a audiência ponova minissérie de Carlos dem andar juntos. As duas atraLombardi, O Quinto dos In- ções mantiveram bons pontos fernos, teve suas gravações no ibope e alto faturamento. em Portugal canceladas. Já a Ambas estão confirmadas na turma do Casseta & Planeta programação de 2002. perdeu o quadro Na Maior, no O fenômeno Casa dos ArtisFantástico. tas, do SBT, também surgiu Na Record, algumas atra- em tempos de crise. Silvio Sanções passaram a dividir o mes- tos desembolsou cerca de R$ 5 mo estúdio a fim de otimizar milhões e faturou muito mais gastos. Além disso, co-produ- do que imaginava. Só no últições negociadas em dólar fo- mo dia do programa, durante ram canceladas ou adiadas. A os intervalos comerciais, o SBT emissora também embargou o chegou a ganhar cerca de R$ projeto de produzir novelas. 22 milhões com anunciantes.

Emissoras tiveram de enxugar custos para sobreviver à queda de receita

A

G

NOVELAS DA VIDA REAL EM EVIDÊNCIA
‘No Limite’, ‘Casa dos Artistas’ e ‘Big Brother’ aproveitam a onda dos reality shows
ETIENNE JACINTHO

A

moda dos reality shows chegou ao Brasil com a primeira edição do programa No Limite, da

Rede Globo. Neste ano foram realizadas duas edições da atração que reúne competidores numa prova de força e resistência emocional. Para prender o telespectador, o programa aposta na fórmula do programa norte-americano Survivor. Porém, No Limite perdeu pontos no ibope para o concorrente Casa dos Artistas, do SBT, inspirado na

atração Big Brother, que é sucesso na Europa e nos Estados Unidos. Com o programa, Silvio Santos bateu a Globo em audiência. Porém, a emissora de Roberto Marinho promete contra-atacar com a versão brasileira de Big Brother. O esquema é o mesmo da Casa, com apenas um diferencial: os participantes serão pessoas comuns.

O canal Fox tem a sua cota de reality shows. Temptation Island, que está na segunda edição, é transmitido às segundas, às 22 horas, e mostra a trajetória de casais submetidos às tentações de uma ilha. Outra atração do canal Fox é Love Cruise, que vai ao ar às sextas, às 13 horas e às 18 horas. No romântico cruzeiro marítimo, belos jovens vivem intrigas e romance.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->