Você está na página 1de 33

Unidade II

Unidade II
5 A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO para a FORMAÇÃO PROFISSIONAL

O estágio supervisionado é necessário para sua profissão, pois é nesse processo que se concentra o
aprendizado e a apreensão da prática profissional. Traduz-se por um espaço único em que o acadêmico
tem a oportunidade de apreender de forma crítica a atuação do assistente social.

Observação

Salientamos a sua atenção para a postura crítica. Ela deve ser construtiva
e despertar discussões e posicionamentos ético-políticos acerca da atuação
profissional, distanciando-se de uma conduta critica negativa, ou seja, que
apenas aponta os erros dos profissionais em atuação.

O aluno estagiário deve observar a competência do profissional que o supervisiona na prática, pois
esse profissional tem alicerce teórico-metodológico. Também deve voltar seu olhar para o enfrentamento
das demandas sociais apresentadas pela comunidade à política pública social onde está inserido.

Segundo Azeredo e Souza (2004), é no campo de trabalho que se apresenta a necessidade de


construir atividades cotidianas competentes, não apenas baseadas em elementos da formação
profissional apreendidos pelo assistente social, mas de habilidades e atitudes que possibilitem
respostas profissionais.

Podemos, então, entender que o profissional constrói a competência necessária para atuação em seu
espaço de trabalho. O campo de estágio é, então, fulcral para que o aluno absorva essas habilidades e
atitudes, que, aliadas à sua bagagem teórica, fazem dele um excelente profissional.

Destacamos também que o campo de estágio é o local que lhe permite experimentar com concentrado
esforço o enfrentamento de múltiplas e complexas situações sociais. É por isso que a sua formação no
Serviço Social completa-se com a realização do estágio obrigatório.

Lembrete

É preciso que a teoria e a metodologia estudadas no curso, bem como


os instrumentais técnico-operativos apreendidos, sejam contextualizados
com a realidade social, para que você possa analisar a conjuntura e as
estruturas do movimento histórico da sociedade, e, a partir desse processo,
82
Supervisão de Intervenção Profissional

compreender como proceder para criar estratégias de ação capazes de


formular respostas.

O estágio supervisionado pode propiciar ao aluno a ponte entre a teoria e a prática, suscitando
a reflexão, impedindo que adquira apenas um aprendizado hermético, de conteúdos estáticos e
decorativos, reduzidos à instrumentalização técnica. É um processo em que ele constrói com solidez
um aprendizado que compreende a realidade social no seu movimento estrutural e conjuntural. Pinto
(1997, p. 46) afirma que

sob tais considerações, a formação profissional do assistente social é


compreendido como um processo contínuo e inacabado de autoqualificação,
de educação permanente, de construção de saberes mediatizados pela
prática social, na qual se insere a prática profissional.

Sob essa perspectiva, é importante que o aluno realize o estágio supervisionado de forma séria
e comprometida a fim de preparar-se para as exigências contemporâneas impostas aos profissionais
no mercado de trabalho. Como uma profissão que está inserida na divisão sociotécnica do trabalho, o
Serviço Social deve acompanhar as mudanças contemporâneas que ocorrem na conjuntura e também
no mercado de trabalho.

É importante destacar que não deve se esquecer do projeto ético-político da profissão. Isso exige
um equilíbrio do assistente social, na medida em que, por um lado, o profissional deve qualificar-se
adequando ao mercado para conquistar alternativas de ação e, por outro lado, viabilizar o cumprimento
de ações profissionais pautadas na defesa intransigente dos direitos sociais.

5.1 O campo de estágio como lugar de aprendizado

O campo de estágio não pode se tornar um espaço de tarefas mecânicas e prestação de serviço. Esse
espaço é um lugar privilegiado em que o aluno deve se concentrar na reflexão do trabalho do profissional
supervisor de campo para apreender a dimensão interventiva e operativa da profissão. Oliveira (2004, p.
68) assevera que

[...] como atividade curricular obrigatória, o estágio pressupõe o


acompanhamento e a orientação profissional, por meio do processo de
supervisão acadêmica e de campo, configurando um dos princípios que
fundamentam a formação profissional, preconizados pela Abepss [Associação
Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social]: a indissociabilidade entre
estágio e supervisão.

O estágio supervisionado envolve o acompanhamento de campo e a supervisão acadêmica, que


são traduzidas nas orientações e conteúdos ministrados pelos docentes. Dessa forma, o estágio deve
ser realizado em conjunto, mediante interação entre os envolvidos: docente do conteúdo de estágio,
supervisor de campo e aluno.

83
Unidade II

O docente contribui com o estágio por meio das teleaulas em que: orienta, expondo as diretrizes
a serem seguidas pelo aluno estagiário de Serviço Social, e explana os conteúdos necessários para o
estágio. Nas teleaulas são ministrados ainda os conteúdos referentes aos elementos instrumentais a
serem utilizados na construção do relatório final ao término das etapas do estágio supervisionado I e II,
e ainda na elaboração e execução do projeto de intervenção que o aluno implementa ao final do estágio
supervisionado.

O supervisor de campo deve contribuir com o aluno na discussão e na reflexão das problemáticas
apresentadas no cotidiano da ação profissional, de modo que o estagiário não seja considerado apenas
como um cumpridor de tarefas, mas como um futuro profissional que precisa desenvolver habilidades
para a prática exercida na realidade concreta.

Sendo um futuro profissional, o aluno deve ser capaz de analisar situações práticas e contribuir com
soluções possíveis, baseadas em sua fundamentação teórica e em concordância com o projeto ético-
político da profissão. A relação, então, que deve ser construída no estágio entre os envolvidos necessita
alicerçar-se em respeito e contribuição para o campo de estágio.

Segundo Oliveira (2004), “o desafio é ‘abandonar’ a concepção de estágio voltada somente para a
informação teórica e a prestação de serviços por meio do exercício profissional”. Isso nos leva a pontuar
que o estágio obrigatório é fundamental para a construção da identidade profissional do aluno.

Então, é necessário destacar ao aluno o estágio como uma importante etapa da sua formação
profissional, em que se pode construir um perfil profissional de forma comprometida com as respostas
às demandas sociais apresentadas, exercitando a reflexão crítica e apreendendo as alterações
contemporâneas no mundo do trabalho. Deve também compreender as relações sociais construídas entre
os profissionais, tanto com as instituições quanto com os usuários do Serviço Social. Daí a importância
primordial do comprometimento do aluno em realizar seu estágio obrigatório, já que esse processo
articula o encontro do conhecimento adquirido na universidade com a realidade profissional concreta.

5.3 A análise dos espaços sócio-ocupacionais na contemporaneidade

A profissão de Serviço Social sofreu transformações ao longo dos anos, desde sua institucionalização
até a contemporaneidade. Essas mudanças influenciaram a formação acadêmica dos assistentes sociais,
bem como o exercício profissional.

O assistente social é um profissional inserido na divisão sociotécnica do trabalho e, ao longo dos anos,
tem atuado diretamente na formulação e na implementação das políticas públicas. Quando da época
de sua institucionalização no país, em 1940, o Serviço Social foi requisitado para atuar em instituições
assistenciais estatais e nas paraestatais, sob forte influência da igreja católica, com a perspectiva de um
trabalho voltado para o amor ao próximo, para a justiça e a caridade.

Essa atuação profissional do Serviço Social era regida e determinada pela política estatal aliada
à burguesia industrial, objetivando a construção de um processo de aceleração do desenvolvimento
capitalista do país. O Serviço Social atuava nas instituições criadas pelo Estado para desenvolver
84
Supervisão de Intervenção Profissional

programas assistenciais com características de controle. Em respostas às demandas populares, esses


programas implementaram ações normativas assistenciais com vistas a garantir o controle e desmotivar
as mobilizações e reivindicações populares. Segundo Silva (2006, p. 25),

com o surgimento das grandes instituições, amplia-se o mercado de trabalho


para a profissão, permitindo ao Serviço Social romper com suas origens
confessionais e transformar-se numa atividade institucionalizada.

Entretanto, após as décadas de 1940 e 1950, a categoria profissional do Serviço Social amplia
sua atuação para além das instituições, suscitando um movimento de discussão e de reflexão de
sua prática normativa. Busca, a partir de 1965, romper com sua origem assistencialista atrelada
aos interesses capitalista de controle e obtenção de consenso das classes subalternas da sociedade
brasileira.

Podemos pontuar historicamente que o Serviço Social consolida-se no país como uma profissão que
atua nas instituições estatais ou filantrópicas assistencialistas. Silva (2006, p. 24) acrescenta que

o processo de institucionalização e legitimação da profissão do Serviço


Social que, no Brasil, vincula-se à criação e ao desenvolvimento das grandes
instituições assistenciais, estatais, paraestatais e autarquias, instituiu-se a
partir da década de 1940.

Na década de 1960, inicia-se um processo de questionamento da atuação profissional do Serviço


Social provocado pelos próprios profissionais da categoria, que tinham como espaço de atuação sócio-
ocupacional as instituições estatais e filantrópicas.

Fazendo uma análise da prática do assistente social nesses espaços de trabalho, destacamos que eram
instituições em que o exercício profissional desenvolvia-se de forma normativa e corretiva, controlando
e adequando os usuários das políticas sociais aos interesses estatais e burgueses.

Após o Movimento de Reconceituação, a profissão apresentou mudanças em sua forma de ação


e formação acadêmica. Aliadas a essas transformações da categoria, há ainda aquelas que ocorreram
na conjuntura econômica e social do país, que fizeram com que a profissão buscasse novos campos de
atuação.

Apesar de o setor público ser ainda o maior empregador dos profissionais de Serviço Social,
a política de redução de custos pós anos 1980 foi responsável por conquistas de espaços sócio-
ocupacionais alternativos para os assistentes sociais. Iamamoto (2001, p. 124) afirma que

os assistentes sociais funcionários públicos vêm sofrendo os efeitos


deletérios da Reforma do Estado no campo do emprego e da precarização
das relações de trabalho, tais como redução de concursos públicos, demissão
dos funcionários não estáveis e contenção salarial.

85
Unidade II

Diante dessa situação, espaços sócio-ocupacionais foram se formando e abrindo campos de trabalho
para os assistentes sociais, além das instituições estatais. Um campo de atuação que podemos destacar
como privilegiado, um espaço sócio-ocupacional de grande importância para um aprendizado de
participação e democracia, são os conselhos criados com a promulgação da Constituição Federal de
1988.

Segundo Iamamoto (2001), abriram-se novos canais de trabalho para os assistentes sociais com a
municipalização das políticas públicas. Esses espaços foram possíveis com a criação dos conselhos: da
assistência, da saúde, da previdência, de conselhos tutelares e de defesa da criança e do adolescente.

Os conselhos podem representar novos espaços de trabalho e de aprendizado com qualidade, uma
vez que suscitam a participação da sociedade civil na discussão sobre o processo decisório nas esferas de
formulação, gestão, avaliação da implantação de políticas sociais e o controle dos recursos financeiros
destinados aos programas sociais.

A participação de profissionais do Serviço Social no processo das decisões sobre as políticas a


serem implementadas contribui para o fomento da democracia e para a obtenção de transparência e
participação da sociedade civil, que se informa sobre seus direitos e busca por um controle social mais
efetivo. Isso é fundamental para que se criem novos rumos pela defesa da melhoria de qualidade de vida
dos usuários dos serviços dos assistentes sociais, tornando-se um campo de estágio com aprendizado
de qualidade para os alunos de Serviço Social que estagiam em conselhos e em programas de gestão
democrática e participativa.

Outro espaço sócio-ocupacional que se amplia com as mudanças contemporâneas no mundo do


trabalho são as organizações não governamentais. O Estado, em função da política neoliberal assumida
como determinação da política econômica, retrai o campo das políticas sociais e amplia o crescimento
de parcerias com as ONGs. Santos (2007, p. 128) afirma que

esse ideário responde às novas determinações do mundo do trabalho que,


dentre outras manifestações, aponta para a possibilidade de inserção, em
novos espaços ocupacionais, parte deles ancorados no denominado Terceiro
Setor.

O profissional inserido nas instituições de terceiro setor deve atuar pautado na reflexão sobre seu
papel como mediador da condição de elo entre a sociedade civil e o Estado, compreendendo a ampliação
de sua função como defensor da inserção e ampliação do acesso às políticas sociais desenvolvidas por
esse setor às classes subalternas.

O assistente social que exerce sua atuação voltada para a execução de ações com o
compromisso de consolidar o projeto profissional, ou seja, de fortalecer a autonomia dos usuários
das políticas sociais, abre um campo de espaço sócio-ocupacional de grande aprendizagem para
o aluno estagiário do curso de Serviço Social. A atuação nas ONGs permite a construção de novas
experiências de respostas às demandas sociais. Faz-se necessário atuar pautado nos princípios
de liberdade, equidade, igualdade e justiça social, refletindo e discutindo sobre a realidade social
86
Supervisão de Intervenção Profissional

concreta, para que o trabalho nas organizações governamentais seja um campo de extrema
aprendizagem para o aluno estagiário.

Outro espaço sócio-ocupacional contemporâneo em que se inserem os assistentes sociais são os


projetos socioambientais desenvolvidos pelo Estado ou por instituições não governamentais. Esse
espaço de trabalho configura-se em razão da questão ambiental ser alvo de discussões e preocupação
na contemporaneidade. Os profissionais de Serviço Social inseridos em programas socioambientais
trabalham voltados para a recuperação dos ambientes degradados que ameaçam diversos aspectos nas
sociedades: saúde, sustentabilidade e preservação dos recursos naturais.

O Serviço Social em seu exercício profissional desenvolve ações de educação ambiental que visam
à preservação dos recursos naturais que podem ser utilizados pelas comunidades, bem como auxiliam
na melhoria da saúde das pessoas que apresentam problemas nas áreas urbanas em consequência da
desinformação, por exemplo, sobre o tratamento do lixo. Américo, Lima e Lopes Júnior (2007, p. 137)
consideram que

os problemas ambientais estão atrelados aos condicionantes econômicos


e culturais, de modo que já não se concebe vislumbrar qualidade de vida
e desenvolvimento econômico e tecnológico dissociados de um ambiente
ecologicamente sustentável.

Dessa forma, os projetos socioambientais são espaços de apreensão de uma atuação contemporânea
dos assistentes sociais, que responde a demandas complexas apresentadas pelo mundo moderno e pode
representar um avanço para a categoria, uma vez que envolvem o trabalho de socializar informações e
buscar uma melhor qualidade de vida para as classes minoritárias.

Para os alunos estagiários, esses espaços sócio-ocupacionais em que também se insere


a profissão representa uma ótima oportunidade de leitura da realidade atual, uma excelente
aprendizagem. Os trabalhos encaminham-se para discussões de associação do surgimento
de doenças, da degradação e o esgotamento dos recursos naturais (águas, plantas medicinais,
enfraquecimento do solo de plantio, peixes, entre outros) ao modo de vida das comunidades,
como elas se apropriam do ambiente em que vivem. O trabalho do assistente social consiste em
discutir e fazer as comunidades refletirem sobre o seu cotidiano, encontrando, junto com os
usuários, alternativas possíveis para a solução dos problemas apresentados. O que representa um
excelente campo como oportunidade de aprendizado.

5.4 Os espaços sócio-ocupacionais como lócus de apreensão da prática


profissional

Os espaços de trabalho nos quais se inserem os assistentes sociais são lócus de construção de estratégias
para uma atuação pautada na defesa dos direitos e proteção social da população. Os assistentes sociais
são desafiados permanentemente, na atualidade, a uma qualificação em busca de subsídios que possam
auxiliar no domínio de conhecimentos especializados e atualizados para decodificar as realidades e
formular respostas para as diferentes demandas sociais apresentadas à categoria.
87
Unidade II

O local de trabalho dos assistentes sociais é, então, espaço privilegiado para que o estagiário possa
apreender as habilidades necessárias para o exercício profissional. A prática desenvolve-se na dinâmica
das relações sociais sempre levando em conta as contradições existentes na conjuntura da sociedade
e também as relações construídas entre usuário, profissional e instituição. Portanto, como campo de
estágio, é primordial para um aprendizado sobre como essas relações se desenvolvem e como atuar com
competência alicerçada no projeto ético-político do Serviço Social.

Sendo o campo de estágio um local para se compreender o significado da prática do Serviço


Social, reforçamos que o aluno estagiário deve refletir sobre o que os espaços sócio-ocupacionais
representam para sua formação profissional. Esse exercício deve ser alicerçado em uma vertente crítica
e compromissada.

5.5 O papel dos sujeitos envolvidos no estágio supervisionado do Serviço


Social

A relação entre os envolvidos no estágio é importante para que essa etapa de formação do aluno
seja efetiva, de acordo com sua proposta de um espaço de aprendizado, reflexão e de discussão da
prática profissional.

O estágio deve ser compreendido pelos envolvidos baseando-se na superação do desafio que ele lhes
acarreta. Os alunos estagiários devem superar o estigma de serem confundidos com um empregado de
meio período. Os assistentes sociais supervisores de campo, da mesma forma, devem superar o estigma
de que os alunos fazem parte do quadro funcional da instituição. Esse engano acaba direcionando os
estagiários a funções administrativas ou burocráticas, e até mesmo atividades que não são relacionadas
com o Serviço Social.

O supervisor de campo recebe, então, um desafio quando lhe é conferida a tarefa de repassar ao
aluno o ensino da prática. Deve-se atentar para o risco de não sistematizar esse trabalho, o que implica
uma supervisão aleatória e descompromissada, conforme constata Oliveira (2004, p. 69):

quanto ao profissional – supervisor de campo, é conferida a ele a


responsabilidade pelo “ensino da prática”, sendo a supervisão, na maioria
das vezes, exercida sem sistematização, de forma intuitiva, agravada pela
falta de capacidade continuada dos profissionais.

Os professores orientadores de estágio ou professores supervisores de estágio, também como parte


desse processo, são responsáveis por conduzirem o aluno à reflexão acerca dos conhecimentos teóricos
repassados no curso, são a ponte entre a teoria e o exercício profissional do campo de estágio que o
aluno está inserido.

Dessa forma, podemos asseverar que é necessária a construção de uma comunicação entre as partes
envolvidas no estágio, uma capacitação conjunta de orientações que possam nortear o aluno para a
apreensão do exercício profissional de forma articulada, ou seja, não perdendo de vista a relação entre
a teoria e a prática da profissão.
88
Supervisão de Intervenção Profissional

Essa interação entre os sujeitos envolvidos no estágio (professor orientador, supervisor de campo
e aluno) contribui para uma formação integrada, para que o aluno supere a dicotomia entre a teoria
e a prática, ou seja, permite-lhe o embasamento acerca da realidade social expressa na conjuntura
contemporânea, por meio das teorias e conteúdos transmitidos pelos professores na universidade,
subsidiando o seu preparo como profissional na construção de estratégias saneadoras dos problemas
sociais apresentados pelos usuários do Serviço Social.

Lembrete

A relação entre os envolvidos no estágio (professor, orientador supervisor


de campo e aluno) deve possibilitar a reflexão, a discussão necessária e
privilegiar a intrínseca relação da teoria com a prática.

Nessa perspectiva, o estágio integra o processo de educação do aluno de Serviço Social, pois lhe
propicia experimentar inúmeros elementos da dimensão pedagógica da formação profissional, dentre
elas a pesquisa, considerando que o aluno conhece a realidade, analisa criticamente o exercício
profissional e, mediante a efetiva interação com demais envolvidos no estágio, vivencia as discussões
que ativam a reflexão teórica sobre as alternativas para o Serviço Social.

Buriolla (2003, p. 16) chama atenção para o fato de que

assim, a formação profissional em Serviço Social pode ser entendida como


um conjunto de experiências que incluem a transmissão de conhecimentos,
a possibilidade de oferecer ao aluno um campo de ação – vivência de
situação concreta, relacionada à revisão e ao questionamento de seus
conhecimentos, habilidades, valores etc.

Podemos considerar o estágio, portanto, um campo privilegiado, revolucionário, de liberdade,


diálogo, crescimento e de transgressão da atuação profissional conservadora. Ele permite ao aluno uma
aproximação com os usuários para direcionamento da defesa dos direitos sociais.

6 A ELABORAÇÃO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO APLICADO À POLÍTICA


SOCIAL EXECUTADA NOS CAMPOS DE ESTÁGIO

6.1 O Serviço Social na política social de atenção à criança e ao adolescente

A área da criança e do adolescente conta com profissionais de diversas categorias. Tem movimentado
lutas na busca pela efetivação da defesa e dos direitos sociais, em que a atuação da categoria dos
assistentes sociais também se constitui um dos mais ricos campos de estágio para a apreensão do fazer
profissional.

Após conquista da militância para a criação de uma legislação que tivesse como âmago a
proteção às crianças e aos adolescentes, foi sancionada a Lei n. 8.069 de 13 de julho 1990, que
89
Unidade II

dispõe sobre a criação do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), fundamentada na Constituição


Federal de 1988.

Para os atuantes na defesa e proteção da criança e do adolescente, o ECA representou uma mudança
no reconhecimento das crianças e dos adolescentes como sujeitos de direitos, não importando raça, cor
ou condição social, reconhecendo que todas as crianças são consideradas pessoa em desenvolvimento
a que se deve prioridade absoluta, seja na elaboração de políticas públicas ou na destinação de recursos
das diversas instâncias públicas do país. Conforme Art. 4º dele,

É dever da família, comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público


assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos diretos referentes à vida,
à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização,
à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e
comunitária (CRESS, 2007).

A profissão do assistente social, consolidada na sociedade brasileira, pautada em um código de


ética, deve primar pelo o que esse artigo pontua. Esse compromisso corrobora a primazia do Serviço
Social pelo fortalecimento e efetivação dos direitos sociais, pela defesa intransigente da liberdade e
direito dos cidadãos, no protagonismo crescente no campo da prestação de serviços, planejamento,
gestão e execução de políticas públicas, programas e projetos sociais, entre outras atividades.

O Serviço Social inserido também nos trabalhos ligados à área da criança e do adolescente, objetivando
atuar voltado ao cumprimento do que dispõe o ECA, atua em diversas esferas: tanto governamentais
quanto não governamentais, ligadas a políticas de atendimento, combate à violência contra criança e
adolescente, combate ao trabalho infantil, abrigo, adoção, entre outros.

Todas as questões pertinentes à criança e ao adolescente têm então grande relevância e preocupam
o segmento dos assistentes sociais. Uma delas é o trabalho infantil. Iamamoto (2001, p. 38) assevera que

A OIT calcula hoje que trabalhem 200 milhões de crianças em todo


o mundo. Segundo o IBGE, 7,5 milhões de brasileiros entre 10 a 17
anos trabalham. Representam 11,6% da força de trabalho do país e 3,5
milhões deles têm menos de 14 anos. Trata-se de uma mão de obra
menos organizada, mais dócil e mais barata; 70% dos casos recebem
menos que meio salário mínimo.

Mediante o apontamento da autora, constatamos que o trabalho infantil, apesar de proibido


por uma legislação avançada de proteção integral à criança e ao adolescente, ainda é uma realidade
no país, com a qual muitas famílias convivem. A criança que trabalha acaba por desvincular-se
da escola, prejudicando sua formação, o que possivelmente determina sua condição desfavorável
de posicionamento no mercado, devido à sua baixa qualificação. Consequentemente, perpetuam-
se os trabalhos em funções subalternas e de baixos rendimentos, gerando um ciclo repetitivo, na
medida em que gerações de pais colocam à disposição do mercado de trabalho a mão de obra de
seus filhos.
90
Supervisão de Intervenção Profissional

Outra problemática preocupante é a questão da violência doméstica contra crianças e adolescentes.


Principal causa de morte da população infantojuvenil, ocorre, sobretudo, no seio família: é praticada
pelos pais ou pessoas próximas que se valem da violência como uma forma de “educação”.

Saiba mais

É importante ao aluno estagiário do Serviço Social, inserido nas


instituições que atuam com essa área, conhecer sobre a legislação de defesa
da criança e do adolescente. Por isso recomendamos a leitura, na íntegra
da Lei n. 8.069, disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/
L8069.htm>. Acesso em: 14 maio de 2012.

Diante de alguns problemas apresentados aqui, que desafiam os profissionais que trabalham na
área da criança e do adolescente, os assistentes sociais e alunos estagiários devem estar atentos às
leis que protegem os menores, estar preparados profissionalmente, embasados de conhecimento
teórico e técnico-operativo para a defesa intransigente dos direitos desses cidadãos.

Portanto, você deve conhecer a fundo essa política, especialmente se seu objetivo é desenvolver
uma prática profissional que se proponha a desenvolver programas ou projetos que ofereçam
oportunidades de desenvolvimento pessoal e social da criança e do adolescente para que possam
exercer sua cidadania.

6.3 O Serviço Social e a política de atenção ao idoso

A população de idosos atualmente representa um aumento considerável em todos os países. Esse


fato pode ser atribuído ao avanço da ciência e da tecnologia, que permitiram o controle de doenças e a
descoberta de novas medicações.

Nesse contexto, devemos levar em consideração as políticas de saúde, como as campanhas de


vacinação e tratamentos que superaram a propagação de muitas doenças infectocontagiosas e
potencialmente fatais.

Outros fatores que podemos apontar como fundamentais para o aumento dos idosos na nossa
sociedade é a própria evolução da cultura com relação à preocupação com a saúde, alimentação e
bem-estar, assim como o processo acelerado de urbanização que acabou por ampliar as redes de
abastecimento de água e esgoto.

Contudo, apesar de uma melhoria considerável na qualidade de vida e no controle das doenças,
os idosos enfrentam muitos problemas na sociedade contemporânea. Essa realidade toca também
as atribuições da categoria dos assistentes sociais, que atuam na luta de defesa pela efetivação
dos direitos do idoso conquistados a partir do movimento para a criação de uma lei de proteção
a esses cidadãos.
91
Unidade II

Como na luta pela criação e aplicação do ECA, os idosos e militantes de sua causa conseguiram, em
1º de outubro de 2003, a aprovação da Lei n.10.741, que dispõe sobre o Estatuto dos Idosos. O art. 2º
dessa lei assevera que

o idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana,


sem prejuízo de proteção integral de que trata essa Lei, assegurando-se-
lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, para
preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral,
intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade
(CRESS, 2007).

De acordo com essa lei, é obrigação da família e do Estado respeitar e garantir ao idoso uma vida
satisfatória: a participação no convívio social; a proteção; a saúde, não sendo tolerado nenhum tipo de
discriminação, crueldade ou opressão à pessoa idosa.

Apesar desse avanço em nossa legislação, sabemos que os idosos ainda enfrentam muitos problemas.
É considerada idosa e portadora de direitos assegurados, pela lei brasileira, a pessoa que tenha idade
igual ou superior a sessenta anos. Entretanto, para beneficiar-se do direito recebimento de um salário
por aposentadoria, mediante os termos da Lei Orgânica da Assistência Social, Loas, é estabelecida ao
idoso a idade de sessenta e cinco (65) anos completos.

Mesmo com esse benefício da aposentadoria previsto na lei, o idoso enfrenta inúmeras dificuldades.
Do ponto de vista econômico, a quantia de um salário mínimo não permite o atendimento satisfatório
das necessidades de sua sobrevivência, principalmente quando vive em situação vulnerável e com
famílias numerosas, tendo esse salário como único recurso financeiro para o sustento familiar.

Os idosos mais carentes requerem mais demandas de recursos do sistema de apoio formal: Estado;
sociedade civil; família. Quando a família não consegue prover esse sustento, o idoso acaba entrando
em um processo de exclusão, que representa perdas nas relações sociais.

O Estado brasileiro apresenta uma lei consistente em relação aos direitos dos idosos, mas conta
com um vasto contingente de pobres, uma política de saúde precária e uma política de valores que
geralmente apresenta preconceitos e benefícios ínfimos. Isso expõe os idosos ao enfrentamento de
problemas sociais e financeiros, e ainda ao abandono por parte da família, obrigando-os a ficar à mercê
de políticas sociais de abrigamento em casas-lares.

A Lei n. 10.741 prevê, em seu art. 37, que

o idoso tem direito a moradia digna, no seio da família natural ou substituta,


ou desacompanhado de seus familiares, quando assim o desejar, ou, ainda,
em instituição pública ou privada (CRESS, 2007).

Apesar de a lei instituir o direito de moradia digna, muitos idosos sofrem em abrigos com
instalações insatisfatórias e atendimento negligente. Por isso é preciso que os profissionais que
92
Supervisão de Intervenção Profissional

atuam na área da efetivação dos direitos, como os assistentes sociais, estejam atentos para a
construção de projetos e programas voltados à socialização, à integração dos idosos com seu meio
social e à efetivação de seus diretos na área da saúde, habitação digna, transporte, assistência
social, previdência, entre outras, de acordo a Lei n. 10.741, de 24 de outubro de 1989, que dispõe
sobre o Estatuto dos Idosos.

Saiba mais

O conhecimento da Lei n. 10.741, que dispõe sobre Estatuto do Idoso é


imprescindível ao profissional de Serviço Social. Recomendamos, portanto,
que a leia na íntegra. Pode ser acessada por meio do endereço: <http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.741.htm>. Acesso em 16 maio
de 2012.

6.4 O Serviço Social e a pessoa com deficiência

O Serviço Social também atua na efetivação dos direitos das pessoas com deficiência. Como
toda classe considerada minoria, os portadores de deficiência também travaram um luta para
conquistarem maior apoio à sua integração social mediante a aprovação da Lei n. 7.853, que
assevera em seu 1º artigo que “ficam estabelecidas normas gerais que assegurem o pleno exercício
dos direitos individuais e sociais das pessoas com deficiência, e sua efetiva integração social [...]”
(CRESS, 2007).

Os assistentes sociais devem estar atentos para o cumprimento dessa lei e de todas as formas jurídicas
legais que efetivem os direitos das pessoas com deficiência. É certo que os problemas a enfrentar são
muitos, em todos os sentidos, mas a questão da acessibilidade é uma luta diária que a pessoa com
deficiência tem de enfrentar, pois é uma barreira que impede sua locomoção, o acesso a inúmeros locais,
consequentemente, sua socialização.

Casos há em que, por exemplo, o cadeirante (usuário de cadeira de rodas) enfrenta situações, tais como
subir em edifício sem rampa ou elevador, ou entrar em um transporte público que não esteja adaptado
à condução para pessoas com deficiência. Outra grave questão a ser enfrentada pelos portadores de
deficiência é o ingresso ao mercado de trabalho. Mesmo que a lei n. 10.741 prime por igualdade de
tratamento, justiça social, respeito à dignidade humana, igualdade no tratamento e oportunidades e
repúdio à discriminação, nem sempre as pessoas com deficiência têm acesso ou inclusão ao mercado de
trabalho, principalmente quando se trata de atendimento ou vendas.

Dessa forma, pontuamos aos futuros assistentes sociais a necessidade de um trabalho competente,
fundamentado nas leis de proteção às classes minoritárias. Os profissionais devem conhecer a fundo as
leis para criar estratégias que viabilizem o cumprimento dos direitos, elaborando projetos que busquem a
inclusão das minorias nas relações sociais, combatendo a exclusão e discriminação sofrida pelas crianças
e adolescentes, idosos e pessoas com deficiência.
93
Unidade II

O conhecimento da realidade e conjuntura social, ou seja, desvelar as necessidades reais dos


usuários são desveladas é imprescindível para a criação das redes de trabalhos especializados.
Outro elemento que embasa os assistentes sociais para a construção de ações que possam ser
executadas é o conhecimento das leis ou estatutos pertinentes à legislação defensora dos direitos
sociais dos segmentos minoritários da sociedade.

Fator também necessário para o cumprimento de políticas públicas que materializem os direitos
sociais é o compromisso e o grau de comprometimento dos profissionais, fundamental para ações
competentes e elaboração de programas e projetos que atendam as demandas concretas dos usuários
do Serviço Social.

Saiba mais

Indicamos a leitura da Lei n. 7.853, que dispõe sobre o apoio às


pessoas portadoras de deficiência, sua integração social e sobre a
Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de
Deficiência, Corde. Para o assistente social, essa leitura é tão importante
quanto aquelas anteriormente recomendadas, referentes aos direitos
da criança e do adolescente, e do idoso. Pode ser acessada por meio
do endereço: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7853.htm>.
Acesso em 16 maio de 2012.

6.5 O Serviço Social e o trabalho de geração de renda

Outro desafio para a profissão é atuar na política de geração de emprego e renda, elaborando e
desenvolvendo políticas alternativas de capacitação, com vistas a criar mecanismos que gerem renda
para os usuários do Serviço Social. Carneiro (2007, p. 77) assevera que “o enfrentamento da pobreza
crônica exige políticas intensas e prolongadas no tempo, envolvendo um conjunto amplo de ações e
setores”.

É certo que vários fatores contribuem para o crescimento da pobreza, mas a permanência da
exclusão do mercado de trabalho faz com que o ciclo de manutenção da pobreza perpetue-se em
diversas famílias. Segundo Castel, Wanderley e Belfiore-Wanderley (2000), o desemprego constitui a
“nova questão social”, ou seja, sua solução impõe um grande desafio, dado o contingente daqueles
socialmente excluídos.

As políticas de geração de renda são importantes para novas estratégias que conduzam à
sustentabilidade das famílias na contemporaneidade. Nos últimos anos, o combate ao desemprego e
à pobreza ganhou centralidade nas ações de programas e projetos elaborados e desenvolvidos pelas
políticas dos governos federais, estaduais e municipais.

94
Supervisão de Intervenção Profissional

Dessa forma, os assistentes sociais têm um compromisso de muita importância no trabalho


de geração de renda, uma vez que, por meio de cursos e capacitações, podem capacitar os
usuários, subsidiar, fortalecer e emancipar as famílias, de modo que elas trilhem o caminho de
ruptura com a dependência financeira em relação às políticas assistencialistas dos estados e
municípios.

Contudo, devemos salientar que só isso não garante a emancipação financeira dos menos favorecidos
socialmente. Os assistentes sociais dedicados às políticas de geração de renda têm de trabalhar um
conjunto de elementos para que, realmente, essas políticas efetivem a melhoria da qualidade de vida da
população ou comunidade em que atua.

É preciso ainda uma investigação concreta da realidade econômica destes, saber qual produto
o mercado consumidor pede, capacitando as famílias para a gestão (cuidado com a aparência do
produto, valores de mercadoria, possibilidades de financiamento), para a criação de associações e
cooperativas de forma que criem redes locais de fortalecimento, ampliando as possibilidades de
inserção produtiva.

Carneiro (2007, p. 93) afirma que “existe no desenho da intervenção uma preocupação central
com a dimensão de ativos e da criação de capacidade e de fortalecimento de dimensões psicossociais
mais positivas para o enfrentamento da exclusão”. Indica-nos que os processos de fortalecimento e
empoderamento dos usuários e famílias devem acompanhar as capacitações, cursos e alternativas
de geração de renda viabilizadas pelos profissionais. Assim, o combate ao desemprego, à pobreza e
à exclusão caminhará na construção de novas possibilidades humanas e aumentará as chances de
respostas de uma vida digna e de direitos efetivados.

6.6 O Serviço Social e o trabalho na área rural

É sabido que a população rural sempre esteve em desvantagem em relação à população urbana,
quanto à implementação de políticas públicas ou sociais. As conquistas para a população agrária sempre
vieram após movimentos sociais organizados, reivindicações e conflitos sociais no campo.

A constituição Federal de 1988 promulgou, em seu artigo 94, parágrafo 2º, “uniformidade e
equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais” igualando os direitos da população
rural aos mesmos direitos da população urbana, sem distinção. Apesar das mudanças, a luta pelo acesso
aos direitos sociais, aos bens e serviços, é grande e movimenta categorias de diversos profissionais que
atuam na área rural, inclusive o segmento dos assistentes sociais.

Os assistentes sociais que atuam nesse contexto devem estar atentos para a essa condição precária
de acesso às políticas públicas e sociais a que as famílias de agricultores são submetidas. Os incentivos
financeiros e políticas de infraestrutura são destinados aos grandes produtores ou pecuaristas, que
recebem o apoio das políticas estatais destinadas ao campo. Conforme constata Iamamoto (2001, p.
156),
acelerou-se não só a industrialização de produtos, equipamentos e
insumos para a agricultura, mas a industrialização da agricultura, isto é,
95
Unidade II

o processamento industrial dos produtos dela derivados. O apoio estatal à


grande agricultura de exportação foi também estimulado, em detrimento da
pequena produção de alimentos.

Essa política de incentivo aos grandes produtores foi responsável pela grande migração da população
rural para as áreas urbanas, causando o êxodo rural. Iamamoto (2001, p. 37) informa esse é um “processo
que ocorreu nos últimos vinte anos; somente nos anos 1970, mais de dezesseis milhões de pessoas
migraram do campo para os centros urbanos”. Esse fato foi gradativamente acontecendo no Brasil, em
virtude de ineficazes políticas de apoio, financiamento e incentivo à população de pequenos lavradores
da área rural.

Aliadas a esses fatores, podemos acrescentar as inovações tecnológicas, a mecanização e,


consequentemente, as novas formas organizacionais de produção, que alteraram profundamente
o mercado na área rural, expondo o trabalhador assalariado do campo ao desemprego. Toda essa
mudança intensificou o processo de pauperização do pequeno produtor rural, que passou a submeter-
se a transformações em seu modo de viver.

Outro fator que podemos apontar como estimulador do processo de expulsão da população
rural para os grandes centros foi a mercantilização das propriedades rurais. O preço das terras
subiu, desencadeando um processo de compra de terras para especulação. Assim, muitos
adquiriram terras como reserva para um mercado de valor, e não para produzir e gerar empregos
na área rural.

Conforme Iamamoto (2001, p. 106), “essa gradualmente moderniza a grande propriedade que
assume a face racional de empresa capitalista, convivendo com as vantagens da apropriação de
renda fundiária”.

Esse processo ocorrido na área rural alterou profundamente as relações sociais vividas pelo
pequeno produtor, intensificou a violência no campo, desencadeando lutas pela posse das terras,
conflitos entre grandes proprietários rurais e posseiros ou sem terras, e o trabalho escravo.

Com isso temos o seguinte panorama: a expulsão do homem do campo para as cidades faz crescer o
contingente de populações nos grandes centros. Esse inchaço traz consequências diretas para o serviços
sociais públicos, uma vez que há uma crescente demanda por parte da população subalternizada e
pauperizada. Outro problema apresentado na realidade contemporânea para o Serviço Social é que o
processo de migração contribui para o aumento do contingente de excluídos do mercado de trabalho
das áreas urbanas. O mercado de trabalho exige cada vez mais qualificação, e a população rural que
migra para as cidades não tem acesso a uma formação profissional mais especializada. Segundo nos
aponta Iamamoto (2001), a massa de trabalhadores desempregados vai acrescendo sob o estigma de
não corresponderem às necessidades médias do capital.

Sendo assim, os profissionais do Serviço Social que atuam na área rural convivem com a realidade
de usuários que contam com poucas políticas de incentivo para a permanência no campo, tendo de
trabalhar políticas alternativas de organização dessa população para geração de renda, como: economia
96
Supervisão de Intervenção Profissional

solidária, criação de associações e cooperativas que viabilizem o fortalecimento dos trabalhadores rurais
e a melhoria na qualidade dos produtos produzidos por eles, e inclusão no mercado consumidor.

Cortizo e Oliveira (2004, p. 88) afirmam que

a contribuição da economia solidária para a politização do espaço mundial


centra-se nas redes de troca, nos projetos de cooperação internacional e
no desenvolvimento do comércio justo, em que os produtos da economia
solidária são valorizados por serem resultado de um trabalho coletivo, sem
exploração da mão de obra.

Observação

É possível ainda ao assistente social trabalhar, conforme


consideramos em seção anterior, o desenvolvimento sustentável,
instruindo essa população a cuidar do ambiente de onde tiram os
recursos, a utilizar a natureza para gerar recursos sem agredi-la ou
depredá-la. Um exemplo real desse processo é a capacitação das
famílias por meio de oficinas de artesanato com: sementes, capins,
palhas ou outros elementos da natureza.

O trabalho com as famílias na área rural também deve se estender para a capacitação sobre
mecanismos de: vendas, finanças e gestão, conforme também já mencionamos.

Outro fator importante é a organização e a politização dos indivíduos, instruindo-os para


buscar junto ao poder público local de melhorias em sua região que venham ao encontro da
inserção no mercado de vendas local, como: boa manutenção das estradas de acesso para
escoar a produção, auxílio dos transportes públicos para o escoamento, criação de feiras
locais para a inserção das próprias produções locais, implementação de políticas específicas
de financiamento para produção, melhoria nas áreas da saúde e da educação. Dessa forma,
o Governo propicia melhoria na qualidade de vida do trabalhador rural e condições de sua
permanência no campo.

Diante do trabalho do assistente social nessas áreas, podemos concluir que um elemento
fundamental de sua atuação é o envolvimento e a organização dos indivíduos e famílias. Esse processo
compreende uma trajetória de emancipação e crescimento dos trabalhadores em diversas áreas em
que atua o Serviço Social; mediante a socialização de informações e capacitações, acaba por construir
nova lógica para o trabalho, tecendo redes de apoio, novas relações, conscientizando-os do seu poder
e das transformações e melhorias possíveis em suas realidades sociais. Portanto, é fundamental que a
mobilização e envolvimento dos usuários, na política em que o aluno atua, sejam levados em conta
quando da elaboração e execução do projeto de intervenção. Isso é primordial para um projeto de
execução competente.

97
Unidade II

6.6.1 As necessidades do setor rural e o assistente social

Conforme discutimos na seção anterior a questão agrária no Brasil e sua relação com o problema
social da terra, ou seja, a luta dos trabalhadores em defesa por essa posse vem de muito tempo. Vale
dizer que se apresenta desde o período colonial, passando por outras fases na história agrária brasileira
até os dias atuais.

Então, um fato importante a ser ressaltado em relação à população rural é que esta sempre esteve
em desvantagem em relação à população urbana no tocante à implementação de políticas públicas ou
sociais. Isso ocorre em virtude das demandas do setor urbano serem mais tendentes às determinações
e implementações das políticas públicas e programas elaboradas pelo Governo. Os trabalhadores
rurais, por sua vez, pelo fato de viverem no meio rural, estão mais propensos às investidas dos grandes
proprietários de terras ou da inserção do desenvolvimento capitalista no campo. Assim, ficam à mercê
da própria “sorte”, distante dos investimentos governamentais.

A luta dos trabalhadores rurais, quando ocorreu, sempre se deu pela organização da categoria e,
ao longo dos séculos e nas últimas décadas, conseguiu muitas conquistas, fruto da mobilização de
movimentos sociais.

A situação de adversidades pela qual passa a população rural alia-se às demandas existentes, tais
como a saúde, a educação, a violência no campo, as péssimas condições de trabalho, a ineficácia de
políticas de apoio, de financiamento e incentivo para a população de pequenos lavradores rurais. Estas
são algumas para as quais o assistente social pode ser chamado a atuar com competência teórica e
metodológica tanto no campo quanto na via urbana.

Aqui cabe relacionar a prática profissional do assistente social à prática da sociedade, em específico
a prática desse profissional e o meio rural. Conforme assinala Iamamoto (2001, p. 59), “a análise da
‘prática’ do assistente social como trabalho integrado em um processo de trabalho permite mediatizar
a interconexão entre o Serviço Social e a prática da sociedade”. Essa específica prática da sociedade
deve ser relacionada à prática do assistente social e à sua inserção no meio rural como agente de
transformação.

6.7 Habitação, um problema social contemporâneo

A busca por uma moradia sempre fez parte da condição de sobrevivência do homem. Com a criação
das sociedades e da propriedade privada, a luta pela moradia, na contemporaneidade, acabou por se
tornar um dos assuntos da questão social.

É certo que, fazendo uma retrospectiva histórica, podemos considerar que a Revolução
Industrial foi um acontecimento que desencadeou a migração das populações rurais para as
áreas urbanas, o que gerou um processo de evolução dos problemas sociais vinculados à questão
habitacional. Dessa forma, foram surgindo reivindicações das populações urbanas subalternas
que, junto às lutas por melhores condições de trabalho durante esse período, também lutavam
por melhores condições de vida, saúde e moradia digna. Segundo Gonçalves (s/d), “as cidades,
98
Supervisão de Intervenção Profissional

na trajetória histórica, têm sido palco de várias formas de lutas envolvendo questões relativas à
terra, à habitação e aos bens de consumo coletivo”. Desse modo, a moradia tornou-se uma política
de intervenção estatal, reconhecida pelos Estados e Municípios como uma demanda a ser sanada, em
que também atuam os assistentes sociais.

As políticas habitacionais desenvolvidas pelos governos são respostas aos movimentos sociais, para
mediar os conflitos entre os donos de terrenos que utilizam dos espaços urbanos para a valorização no
mercado de especulações e os participantes das lutas por movimentos que reivindicam moradias. Essa
dialética faz parte das conjunturas contemporâneas entre sociedade capitalista, populações subalternas
e estados.

As lutas implementadas pelos movimentos sociais em favor da moradia foram ganhando espaços a
partir dos anos 80. O processo de mudança no cenário político, com a abertura democrática da política
brasileira, possibilitou a organização da sociedade civil. Assim, a moradia, como uma demanda coletiva
que permeia a classe trabalhadora, acabou ganhando força de forma universal, uma vez que é um bem
de consumo de interesse coletivo.

Souza (2004, p. 13) afirma que

de forma mais ou menos profunda, as populações se identificam com


seus espaços de moradia. Essa identidade, por meio de elementos
comuns aí presentes, produzem condições propícias aos mais diversos
processos sociais. Entre eles, encontram-se as ações comunitárias, cuja
força ou significação maior está no que se produz como organização
social da população.

Concordando com o pensamento de Souza, podemos pontuar que as necessidades coletivas são as
que mais têm poder de mobilização da sociedade civil em relação às reivindicações.

A Constituição Federal de 1988 garante, em seu art. 194, que a seguridade social compreende um
conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinado a assegurar os
direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social. Em seu parágrafo único, diz que

compete ao poder público, nos termos da lei, organizar a seguridade


social, com base nos seguintes objetivos: VI – diversidade da base
de financiamento. Dentro dessa perspectiva de garantias de direitos
assegurada por lei, é que estão as políticas de financiamento que
subsidiam as políticas habitacionais.

A Lei Orgânica da Assistência Social, Lei n. 8.742/93, na sessão II, das diretrizes, art. 5º, assevera que
a organização da assistência tem como base a:

II. participação da população, por meio de organizações representativas, na


formulação das políticas e no controle das ações em cada esfera de governo.
99
Unidade II

Fazendo uma reflexão acerca disso, com relação à atuação do Serviço Social na política de habitação,
é imprescindível que haja um trabalho de organização das comunidades na perspectiva de busca coletiva
por movimentos que socializem as informações pertinentes aos direitos sociais e às reivindicações
organizadas, objetivando respostas por parte dos governos relacionadas à política de habitação.

Esse trabalho é necessário, pois há, na contemporaneidade, em função de políticas neoliberais


adotadas pelo governo brasileiro, um empobrecimento crescente dos segmentos sociais. Isso impede o
acesso da população ao poder de compra em um mercado imobiliário cada vez mais inacessível para as
classes subalternas.

Os problemas em decorrência da falta de moradia trazem um aglomerado de consequências para a


população, tal como o surgimento de favelas (hoje denominados núcleos residenciais). Nessas construções,
há barracos de lona de plástico ou de papelão. Essas alternativas precárias de abrigo desencadeiam
problemas relacionados à saúde, entre outros. Essa vulnerabilidade na habitação compromete até mesmo
a própria vida da população, uma vez que o material utilizado, às vezes inflamável, é muito suscetível a
incêndios, e os terrenos utilizados para as construções são periféricos, situados em morros e encostas,
onde mais ocorrem deslizamentos.

Mediante esses problemas enfrentados pelas classes empobrecidas, faz-se necessário uma
intervenção Estatal para sanar os problemas decorrentes da questão habitacional. No Brasil, o
primeiro programa voltado para a política de habitação na perspectiva da coletividade surgiu
em 1964: o Sistema financeiro da Habitação, que criou o Banco Nacional de Habitação, BNH,
encarregado de promover a construção de casas para famílias de baixa renda. Entre 1995 a 2002,
o governo federal criou a Secretaria de Política Urbana, vinculada ao Ministério de Planejamento,
que instituiu vários programas baseados em diretrizes democráticas de participação popular na
discussão de implementação de políticas habitacionais, como: Pró-moradia, Habitar Brasil, Apoio à
Produção, Carta de Crédito Individual e Associativo, todos com integração entre gestão municipal
e população carente.

Essas políticas são respostas ao processo de luta pela moradia e organização popular. Portanto, a
expressão das comunidades em reivindicações é imprescindível para a resolução dessa questão central
da implementação de políticas habitacionais que respondam às demandas da coletividade para se
chegar a uma qualidade de vida digna, com saúde e desenvolvimento global do país.

6.8 A atuação do assistente social na área da saúde

A área da saúde é um dos maiores campos de trabalho que emprega assistentes sociais e que absorve
os alunos estagiários do Serviço Social. Portanto, conheçamos essa política que foi efetivada como
direito de todos a partir da Constituição Federal de 1988.

De acordo o texto da Constituição, em seu artigo 196, está declarado que

A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas


sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e de outros
100
Supervisão de Intervenção Profissional

agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua


promoção, proteção e recuperação (CRESS, 2007).

A Constituição Federal de 1988 também instituiu o plano de saúde que cobre todos os brasileiros
sem distinção, o Sistema Único de Saúde, consagrando a dimensão de amplitude atribuída à
saúde. Dessa forma, cabe ao Estado a responsabilidade pela gestão da saúde pública brasileira
como um todo.

O Sistema Único de Saúde, SUS, instituído por lei na Constituição Brasileira que descreve, em seus
artigos 196 e 200, as diretrizes da política de saúde do Governo brasileiro, é considerado um dos planos
de saúde mais bem elaborados do mundo e prevê uma política de inserção social em dimensão ampliada,
além de cobertura universal e qualidade de atendimento.

O sistema de saúde implementado pela política brasileira também é regido por princípios
organizacionais de hierarquização, regionalização, que apontam para o reconhecimento das
especificidades dos aspectos da realidade local dos municípios. Prevê ainda a construção de redes
para efetivar o controle social, considerando que a sociedade civil organizada deve ter como missão a
fiscalização dos gastos, o exercício da transparência e a coparticipação na gestão da política de saúde
no país.

Olivar e Vidal (2007, p. 141) afirmam que

A rede de serviços, organizada de forma hierarquizada e regionalizada,


permite um conhecimento maior da situação da saúde da população da
área delimitada, favorecendo ações de vigilância epidemiológica, sanitária,
controle de vetores, educação em saúde, além das ações de atenção
ambulatorial e hospitalar em todos os níveis de complexidade.

O que os autores nos apontam é que o trabalho em rede permite compreender os serviços de saúde
de forma totalitária, o que favorece as atuações e o conhecimento de todos os aspectos e os problemas
da área.

Em uma breve retrospectiva do histórico da política de saúde do Brasil, vemos que as primeiras
políticas de saúde instituídas não tinham a abrangência como princípio no seu atendimento. A política
de saúde não era prevista por lei, o que favorecia uma prática de atendimento clientelista e paternalista,
de caráter de privilégios e favores, perpetuando uma cultura de política de tutelamento.

A desigualdade no caráter de atendimentos provocou a organização dos movimentos sociais para


fazer frente à política de saúde. A partir dos anos 70 e 80, com o aparecimento dos primeiros indícios
de finalização da ditadura militar, foram possíveis críticas ao modelo de saúde implementado pelo
Estado brasileiro. A junção de diversas categorias de profissionais, como intelectuais, sociedade civil e
profissionais da saúde, permitiu o debate acerca de propostas que culminaram na agenda reformista do
setor de saúde.

101
Unidade II

Por meio dessa militância de categorias pela reforma na saúde brasileira, em 1990, o Congresso
Nacional aprovou a Lei Orgânica da Saúde, Lei Federal n.º 8080, de 19 de setembro de 1990, que detalha
o funcionamento do Sistema Único de Saúde.

A saúde, com a aprovação do SUS, passa a ser assegurada mediante uma ação integrada, por meio
da formulação e execução de políticas econômicas e sociais que objetivem a redução no aparecimento
de doenças e ainda viabilize o acesso dos usuários de forma universal. Dessa forma, a Lei Orgânica da
Saúde n. 8080, em seu art. 5º, capítulo III, estabelece “[...] a assistência às pessoas por intermédio de
ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com realização integrada das ações assistenciais
de atividades preventivas (CRESS, 2007)”.

O trabalho do assistente social na área da saúde é, então, mediado por políticas públicas
implementadas pelo Estado. Podemos pontuá-lo como uma missão complexa, de particularidades das
quais apontaremos algumas a seguir.

O assistente atua nesse segmento desenvolvendo ações tanto prolongadas quanto imediatas,
chamadas de pontuais. No atendimento hospitalar, a ação profissional é exercida com acolhimentos,
entrevistas, preenchimento de fichas, encaminhamentos, procedimentos relativos a internamentos, à
viabilização de serviços a pacientes e suas famílias.

Podemos então asseverar que o assistente social, nos serviços de saúde, tem o papel de assegurar a
integralidade e o cumprimento das ações previstas na Lei Orgânica de Saúde n.º 8.080, que descreve os
princípios e o funcionamento do Sistema Único de Saúde.

Apesar do trabalho imediato do assistente social na área hospitalar, faz-se fundamental a elaboração
de ações prolongadas, como cursos voltados para adolescentes, idosos, entre outros usuários da saúde.
Mesmo diante da ação profissional imediata, esse profissional não pode perder de vista a ponte de
reflexão teoria/prática.

Olivar e Vidal (2007, p. 150) acrescentam que

Todavia, o que encontramos nas produções teóricas são referências a ser


exploradas que possibilitam a apreensão da dinâmica da realidade-objeto,
de ação e que necessitam de criatividades somadas às mediações para
repercutir na prática.

Diante disso, a atuação do assistente social em espaços de saúde deve articular-se com mecanismos
que incentivem a participação dos usuários nos serviços e um atendimento que exercite a constante
pesquisa sobre a realidade. A pesquisa torna mais fácil compreender as transformações na sociedade, os
entraves e as facilidades apresentadas e, dessa forma, permite buscarem-se alternativas de enfrentamento
e solução das problemáticas desse campo de trabalho, de acordo com as atribuições profissionais do
assistente social na efetivação dos direitos sociais.

102
Supervisão de Intervenção Profissional

As pontuações a seguir, acerca das políticas desenvolvidas nas áreas da saúde, assistência
social e da previdência, somados às características das instituições estaduais e municipais em que
estagia o aluno, e em que se desenvolvem os programas e projetos, normatizados e financiados pelo
governo federal, são de suma importância para que os alunos estagiários de Serviço Social possam
participar ativamente das atividades executadas pelos supervisores de campo, apreendendo os
problemas socais e a possíveis resoluções que são engendradas de acordo a com a realidade social
e com os contextos institucionais.

6.9 O Serviço Social, a assistência social e a previdência social

Os espaços sócio-ocupacionais em que se inserem os assistentes sociais são campos de estágio


em que normalmente são desenvolvidos políticas, programas e projetos na área social. Dessa forma,
apresentaremos a você a legislação específica sobre a assistência a previdência social. Conhecer essas
políticas é muito importante para que entenda como poderão ser efetivados os direitos da população
usuária dos serviços da instituição e também quais as estratégias podem ser utilizadas para responder
às demandas apresentadas no campo de estágio.

A Lei n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, sancionada pelo Presidente da República, dispõe sobre a
política de assistência social, como esta deve ser organizada, implementada e quais princípios regem
seu cumprimento. Trata-se da Lei Orgânica da Assistência Social, Loas, que prevê a política de assistência
como dever do Estado e direito do cidadão. Essa assistência disponibiliza a cobertura de assistência para
todos, de forma não contributiva, garantindo mínimos sociais e políticas intersetoriais de enfrentamento
e combate à pobreza.

A Loas traz em seu art. 5º, na seção II, diretrizes e princípios de: descentralização na
administração dos programas e projeto para os estados, municípios, o que leva em consideração
as demanda locais e a autonomia na implementação das ações; a participação popular, o que
efetiva a organização dos conselhos e contribui para a transparência da gestão dos recursos, bem
como para a participação na formulação das políticas que primam pela garantia de respostas às
demandas do usuário.

Campos (2006, p. 102) ensina-nos que

A grande inovação nessa área é, portanto, sua inscrição como direito do


cidadão e dever do Estado, sepultando assim, pelo menos do ponto de vista
legal, a tradição assistencialista que a vincula à benesse, à caridade e ao
favor.

O autor aponta que a atribuição ao Estado da responsabilidade pela efetivação da política como
dever e direitos foi um grande passo para a redução das políticas paliativas realizadas por meio da
caridade.

O objetivo dos assistentes sociais, profissão guiada por um código de ética e defesa da classe
que vive do trabalho, é superar a herança de políticas paternalistas, assistencialistas, de benesse e
103
Unidade II

caridade, tendo em vista que a combinação caridade e assistencialismo é uma fórmula ideal para
perpetuar a subalternidade e a reprodução da miséria.

Para tanto, os profissionais de Serviço Social devem articular estratégias para socializar os direitos
do usuário, trabalhar a política de assistência combinada com à socialização de informações pertinentes
aos direitos sociais e definir como fazer esse trabalho com o estagiário. O fortalecimento da população
possibilita a superação dos procedimentos tradicionais na política e desencadeia o monitoramento e a
avaliação da execução das políticas sociais.

Atualmente, a política de assistência social executada pelo Governo Federal trabalha a


transferência de renda, tais como: Benefício de Prestação Continuada, BPC, que garante um
salário mínimo ao idoso ou deficiente que não tem como prover a si ou sua família; Programa
Bolsa Família, que teve início em 2003 e representa a junção dos programas Bolsa Escola, Bolsa
Alimentação, Cartão Alimentação e Auxílio-Gás. Outros programas de transferência de renda são:
Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e Agente Jovem.

Contudo, podemos constatar o caráter fragmentado que há no cumprimento da política de garantia


aos mínimos direitos sociais expressos na Lei. Por exemplo, os programas para crianças em situação de
trabalho são diferenciados do programa de renda para idosos ou deficientes. Essa fragmentação dificulta
o fortalecimento da família como um todo, bem como a ruptura com essa política de atendimento. Se
as políticas fossem direcionadas para todos os membros da família: jovens, idosos, crianças, chefes
de famílias e mulheres, as relações familiares seriam mais fortalecidas. Entendemos que resolver os
problemas parcialmente não sana as demandas, e as famílias acabam por necessitar das políticas sociais,
o que causa dependência, e não ruptura.

Torres (2007, p. 49) assevera que

nesse sentido, estudos da Cepal já indicavam que, a alta vulnerabilidade


social não está associada ao atraso tecnológico, à pobreza ou à densa
concentração de renda, mas à ausência de políticas universais.

Defendendo esse caráter coletivo é que salientamos a ideia de que a maiorias das demandas
apresentadas são coletivas, permeiam as famílias atendidas pela política social e são passíveis de serem
sanadas quando se impulsionam ações estáveis de caráter coletivo.

A porta de entrada das demandas nos municípios, respeitando o princípio da territorialização, são os
Centros de Referência da Assistência Social, Cras, que, segundo afirma Muniz (2006), são o “equipamento
físico que centraliza meios e recursos humanos e técnicos operando sobre localidade”. Eles têm a função
de atender demandas, articular rede de serviços socioassistenciais e atender políticas de proteção social
básica, PSB.

Essa ação tem o intuito de prevenir situações de risco, fortalecer vínculos familiares e comunitários e
trabalhar por meio do Programa de Apoio Integral à Família, PAIF, que atende as demandas das famílias.
Isso reforça a necessidade de políticas integrais de caráter coletivo.
104
Supervisão de Intervenção Profissional

Nessa perspectiva, as ações dos Cras deveriam romper com a implementação de políticas sociais
fragmentadas. Esses centros de referências atendem, conforme o Sistema Único de Assistência
Social, Suas, de 2.500 a 5.000 pessoas, dependendo do porte do município, com programas de
proteção básica. Ao aluno de estágio é fundamental entender o funcionamento dos Cras por ser
este um dos locais que mais concedem estágios aos cursos de Serviço Social.

Quanto ao atendimento por meio das políticas de proteção social especial, PSE, como violência sexual
contra criança e adolescentes, é realizado pelos Centros de Referências Especializados de Assistência
Social, Creas.

Tratemos agora da previdência social. Instituída por lei na seção III, da Constituição Federal da
Ordem Social de 1988, e dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998. De acordo com o Art. 201, é
organizada sob forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados os
critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atende nos termos da lei da Constituição
Federal de 1988.

A constituição, em seu Art. 201, capítulos I, II, III, IV, V: dá cobertura dos eventos de doença,
invalidez, morte e idade avançada; proteção à maternidade, proteção ao trabalhador em situação
de desemprego involuntário, salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados
de baixa renda, pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e
dependentes.

O art. 201, em seu §7º, assegura a aposentadoria no regime geral da previdência social:
podendo o homem aposentar-se após contribuição de trinta e cinco anos e a mulher após
trinta anos de contribuição. No caso do não contribuinte, sessenta e cinco anos de idade para
o homem e sessenta anos para a mulher. Os trabalhadores rurais reduzem esse limite para
ambos os sexos.

Essas pontuações acerca das políticas desenvolvidas nas áreas da saúde, assistência social e
previdência, somados às características das instituições estaduais e municipais que desenvolvem
programas e projetos normatizados e financiados pelo Governo Federal, são de suma importância para
o projeto de execução do estagiário de Serviço Social, de acordo a com realidade social e demandas
impostas pelos usuários dessas políticas.

6.10 Os assistentes sociais e o Terceiro Setor

As organizações do terceiro setor ocupam o lugar privilegiado de mediadoras entre o Estado e a


sociedade civil na universalização valores éticos, essência mesma dos propósitos do Serviço Social.
Segundo Siqueira e Spers (2003), as ONGs “têm a finalidade de instrumentalização da luta política da
população e de socialização de conhecimentos”.

As mudanças na conjuntura brasileira não ocorreram em relação à abertura democrática, tampouco


o firmamento das organizações não governamentais; tais mudanças ocorridas aconteceram após o
movimento de reconceituação, inclusive na profissão do Serviço Social, foram amparadas pela influência
105
Unidade II

de uma sociedade democrática. Após essas mudanças foi sancionada uma nova Lei de Regulamentação
da Profissão em 1993, que dispõe sobre as atribuições do assistente social.

De acordo essa lei, o profissional está apto para: implementar e gerir ações, projetos,
programas e políticas, capacitar e organizar grupos, além de prestar atendimento individual e
coletivo à população usuária do Serviço Social. Essas atribuições, em grande perspectiva, foram
também responsáveis pela implementação no país de novos cursos de Serviço Social. De acordo
Santos (2007), “até julho de 2006 havia no Brasil 227 Cursos de Serviço Social, a maioria em
funcionamento a partir da década de 1990”.

Junto a esse crescimento e amadurecimento da profissão, estão as mudanças ocorridas


na economia brasileira, que volta suas ações para uma política neoliberal. Nesse momento, as
intervenções estatais têm um caráter de redução das políticas públicas e cortes nas políticas
sociais. Com isso, o Terceiro Setor passa a ser, por excelência, um campo contemporâneo de
atuação e inserção de profissionais assistentes sociais, tendo caráter propositivo de valorização
da ética e da busca por equacionar problemas sociais coletivos, objetivos que condizem com os
propósitos da profissão.

Apesar desse setor ser um novo campo de trabalho, é importante compreender o papel do Estado em
nossa sociedade, que, embora reduzido, não pode jamais ser substituído por organizações de quaisquer
espécies. As ações desenvolvidas pelo Terceiro Setor devem ser de complementação e ampliação das
políticas sociais, conjugando com o Estado o cumprimento dos direitos sociais regulamentados por lei,
na intenção de nunca compactuar pelo retrocesso nas conquistas sociais brasileira.

O assistente social, atuando no Terceiro Setor, tem uma maior aproximação com as comunidades e a
oportunidade de trabalhar a organização e fortalecimento da população, a oportunidade de cumprir um
projeto ético-político que tem como premissa a defesa de uma sociedade justa, igualitária e democrática,
que pressupõe uma prática de apreensão das mudanças na sociedade e o compromisso histórico na luta
e consolidação dos direitos sociais.

Mediante tais posicionamentos, a profissão não pode alimentar a atuação do Terceiro Setor como
negação do papel do Estado, atribuindo à sociedade civil a resolução dos problemas sociais. Também
não deve incentivar a refilantropização, mas sim a emancipação, a efetiva cidadania. Os profissionais do
Serviço Social devem, sim, analisar e discutir o papel e a atuação das ONGs. Para tanto, não podem deixar
de compreender as relações sociais e econômicas que o Estado neoliberal desempenha na sociedade
brasileira, para não incentivar essas organizações não governamentais a fazerem o papel de supridoras
das obrigações do Estado estabelecidas por lei.

Santos (2007, p. 133) afirma que devemos compreender as ONGs

[...] como legítimas representantes da sociedade na defesa dos cidadãos


e possível parceiro (sim, parceiro!) do Estado na consecução de direitos
historicamente conquistados, inclusive, pela participação política dessas
entidades.
106
Supervisão de Intervenção Profissional

O Serviço Social tem então o desafio de tornar esse espaço de trabalho em lugar de ações
que privilegiem o acesso aos direitos sociais conquistados e o cumprimento dos princípios de
equidade e justiça social consoantes à construção de um modelo democrático e fortalecido de
sociedade brasileira. Deve atuar nessas instituições de modo a considerar a organização das
comunidades, defendendo uma politização dos usuários e rompendo com posturas inocentes e
alienadas.

Dessa forma, o acadêmico de Serviço Social, quando inserido nesse campo de estágio, deve estar
atento para analisar e detectar o funcionamento e posicionamento dessas instituições quanto à
cobrança no cumprimento dos direito sociais estabelecidos por lei. O estagiário evitar ações que venham
a privilegiar a filantropia, a caridade, em detrimento de ações que fortaleçam os usuários e que atribuam
ao Estado na efetivação da legislação de direitos sociais.

O posicionamento do assistente social nas instituições não governamentais abre caminho para a
elaboração de um projeto de intervenção que não privilegie apenas ações caridosas, mas a organização
popular e a socialização acerca da real conjuntura social e econômica do país, objetivando o fortalecimento
da população usuária do Serviço Social.

É notadamente importante que você tenha apreendido o que abordamos sobre as legislações aqui
apresentadas e como o Serviço Social pode utilizá-las na implementação dos direitos da classe usuária
de seus serviços. É fundamental que as conheça, tanto para se envolver, discutir e opinar nas atividades
realizadas no estágio, quanto em sua atuação futura como assistente social, não perdendo de vista as
diferentes formas em que se desenvolvem as políticas pontuadas em cada uma das áreas do Serviço
Social.

6.11 O trabalho do assistente social nas empresas

A atuação dos assistentes sociais nas empresas ampliou-se a partir da década de 1960, em função da
política de desenvolvimentismo adotada pelo governo brasileiro, por meio da implantação de grandes
indústrias no país. Esse trabalho revelou-se contraditório para o Serviço Social por vincular-se à classe
burguesa e, segundo Freire (2003), implementar projetos assistencialistas, normativos e comportamentais
vinculados ao patronato, ao passo que a profissão, historicamente, tem uma trajetória de mudanças
ideológicas na categoria, com vistas à ruptura de ações assistencialistas, à defesa da classe trabalhadora
e à luta por conquistas e efetivação de direitos sociais.

O assistente social trabalha inserido nas empresas veiculado à sua capacidade técnica de mediar os
interesses de classe, e sabemos que os interesses do capital permearam as intenções e ações do Serviço
Social até a década de 1970. Mota (1985, p. 24) afirma: “visto que o objetivo do capitalista é acumular
e reproduzir capital mediante apropriação de trabalho excedente, incorporado à mercadoria, é lícito
destacar que a organização do trabalho se faz para responder a tal finalidade”.

Embora o assistente social inserido nas empresas tenha uma postura normativa e de controle, que
determina as raízes desse processo de trabalho, na contemporaneidade o trabalho nas empresas não
pode significar apenas o favorecimento da classe patronal. É preciso levar em conta as habilidades
107
Unidade II

de criar estratégias. Mesmo com autonomia relativa, há meios de articular ações que favoreçam a
organização política da população atendida pelo Serviço Social.

Freire (2003, p. 63) assevera que

as necessidades ultrapassam aquelas materiais (econômicas e biológicas),


compreendendo também as dimensões psicológicas relacionais, de
desenvolvimento do saber técnico e também político sobre as relações
sociais internas e externas, de crescimento funcional e sociopolítico.

Com essa afirmação da autora, podemos apreender a possibilidade de desenvolvimento de ações


reflexivas que culminem em um exercício de educação sociopolítica e discussão participativa por meio
de ações coletivas dentro do Serviço Social na empresa.

O primeiro passo para trabalhar ações que representem o coletivo nas empresas é, sem dúvida,
inteirar-se dos processos de reestruturação produtiva, que têm consequências para o mundo do trabalho
quando provocam perdas sociais e afetam a saúde mental e física, as condições e espaço de trabalho.
Essas alterações são facilitadas pelo avanço da tecnologia, pela globalização e pelo enfoque neoliberal
das políticas econômicas que orienta as ações das empresas para a flexibilização dos direitos trabalhistas
e a substituição do trabalhador pelo setor informatizado.

Nesse cenário novo do mercado, os trabalhadores são submetidos à aceitação das condições
de trabalho impostas e da redução dos salários, uma vez que em nome das inovações tecnológicas
o trabalhador é substituído pelas máquinas. Segundo Freire (2003), o mundo do trabalho passa
por novas formas de formatação das relações, privilegiando formas estruturais de alcance global.
Isso estabelece condições difíceis para os operários, que acabam exercendo um posicionamento
submisso ao capital.

Ciente dessas reestruturações a que a classe do trabalho está sujeita, o profissional, inclusive os
assistentes sociais, deve articular ações com a perspectiva de fortalecer os grupos, de lutar por políticas
que favoreçam os trabalhadores. Contudo, para encadear esse processo de conquistas na qualidade
de vida e trabalho dos usuários do Serviço Social na empresa, o profissional deve estar embasado e
fundamentado nas leis que protegem o trabalhador, utilizando desse conhecimento de forma inteligente
para criar espaços que forcem a ruptura com a concepção conservadora da atuação profissional.
Conforme Freire (2003, p. 253),

nesse caso, o perfil desse profissional, quando qualificado e atualizado,


apresenta vantagem de uma bagagem teórica sólida em relação às expressões
da questão social e suas políticas, além de um acúmulo técnico-operativo
no trato direto com o trabalhador.

O trabalho nas empresas, apesar de impor limitações à autonomia do assistente social,


possibilita a esse profissional o desafio de descortinar um horizonte de possibilidades de trabalhar
com grupos.
108
Supervisão de Intervenção Profissional

Para a construção de projetos que favoreçam os trabalhadores, compete ao assistente social uma
bagagem teórico-metodológica e os instrumentais técnico-operativos, mesclados ao compromisso e
capacitação contínua, não perdendo de vista o projeto ético-político da profissão. A junção desses
elementos traz luz a reflexões que se traduzirão em projetos que mediarão os interesses da empresa, os
benefícios e a qualidade de vida e trabalho para os funcionários.

Aos alunos estagiários do curso de Serviço Social, uma formação profissional sólida, alicerçada nos
conteúdos teóricos aprendidos, e uma análise refletida do campo de estágio na empresa possibilitam a
elaboração de projetos que primam por uma conscientização da empresa de sua responsabilidade social
para com a sociedade, os trabalhadores e suas famílias, culminando em uma transformação na relação
capital/trabalho.

Resumo

Nesta unidade discutimos sobre o papel do aluno no campo de


estágio, apontando a importância dessa atividade em sua formação
profissional. Destacamos esse espaço como uma oportunidade ímpar
de desvelar a prática da ação profissional em sua demanda cotidiana.
Demonstramos que esse conhecimento do campo de trabalho permite
a formação de um perfil profissional voltado para a percepção das
mudanças contemporâneas na conjuntura histórica do país, para a
reflexão sobre a complexidade das demandas sociais apresentadas,
bem como hábil em apresentar uma solução para elas. Isso reforça mais
uma vez a necessidade da troca de experiências e conhecimentos entre
aluno e supervisor de campo, aliado aos conhecimentos transmitidos
pelo professor durante o curso.

Vimos como se ampliaram os campos de atuação do Serviço Social, ou


seja, como as mudanças ocorridas na conjuntura histórica da sociedade
brasileira impulsionaram as mudanças na categoria e na profissão do
assistente social. Pontuamos a importância desses diversos espaços
sociocupacionais como lugares de aprendizado para o aluno de estágio
do Serviço Social, demonstrando-os como campos de trabalho onde são
criadas as estratégias que subsidiam a atuação profissional. Apontamos o
papel de cada um dos envolvidos no estágio, salientando como a integração
entre eles pode propiciar a reflexão sobre a realidade concreta, a análise dos
instrumentais técnico-operativos com vistas a subsidiar o futuro assistente
social na superação das demandas sociais apresentadas no cotidiano do
exercício profissional.

Discutimos sobre as diferentes realidades que devem ser levadas


em conta na elaboração de um projeto de intervenção no estágio
supervisionado. Você conheceu, então, algumas leis sancionadas que
109
Unidade II

protegem os direitos das crianças e dos adolescentes, os idosos e


pessoas com deficiência, o direito à habitação, o direito à saúde, entre
outros segmentos que demandam a atuação do Serviço Social, tais
como, a geração de renda na área rural. Destacamos algumas demandas
apresentadas pelos usuários do campo: o desemprego e a falta de
qualificação para o trabalho urbano, indicando algumas alternativas
de ações passíveis de desenvolvimento pelos assistentes sociais, como
cursos de capacitações, a criação de associações e cooperativas e o
trabalho voltado para a economia solidária. Essas iniciativas têm
como objetivo fortalecer a produção e a comercialização dos produtos
produzidos pelos trabalhadores urbanos e rurais, sempre reforçando
a perspectiva do compromisso e a organização dos trabalhadores por
meio da socialização dos direitos sociais.

Sendo assim, você pôde compreender que o conhecimento da


legislação dos direitos sociais dos diversos segmentos da sociedade
permite a elaboração de estratégias e ações competentes pelos
profissionais do Serviço Social para o bem-estar e a inclusão social das
classes minoritárias. Para tanto, demonstramos como é importante a
sensibilização e a mobilização dos grupos sociais para o fortalecimento
e o despertar da criticidade, incentivando a participação social.
Compete ao assistente social, antes disso, detectar, analisar e sanar
os problemas coletivos apresentados pelas comunidades. Deve primar
pelo trabalho em grupo para socializar as informações capazes de
incentivar a organização dos movimentos sociais para a luta e as
conquistas voltadas ao plano dos direitos sociais e à ampliação das
políticas públicas. Sendo assim, vimos que um projeto de intervenção
voltado para a busca de solução dos problemas coletivos, sem a
participação da comunidade, em sua grande maioria, não é efetivo.

Exercícios

Questão 01. Os espaços sócio-ocupacionais são lugares privilegiados de aprendizado do aluno


estagiário de Serviço Social. De acordo com essa afirmativa, apresente respostas de cinco linhas para as
questões a seguir.

A) O Serviço Social implementou mudanças ao longo dos anos e de sua institucionalização como
profissão. Dessa forma, os espaços sócio-ocupacionais em que se inserem os profissionais da
categoria também se modificaram e ampliaram-se. Comente sobre essas mudanças.

110
Supervisão de Intervenção Profissional

B) Qual a relevância dos campos sócio-ocupacionais para a contribuição na formação profissional


aluno de Serviço Social?

Comentário:

Na questão A, você deve se reportar ao conteúdo em que discorremos sobre as mudanças que
ocorreram na profissão: como ocorreu a institucionalização do Serviço Social, qual era o espaço sócio-
ocupacional que os assistentes sociais ocupavam. Você deve referir-se ainda às mudanças que o
movimento de reconceituação provocou na categoria; como estas refletiram na ampliação dos espaços
sócio-ocupacionais do Serviço Social.

Para responder a questão B, você deve se voltar à parte do conteúdo que destaca o que apreender
nos espaços de trabalho dos assistentes sociais, qual a relevância de compreender a realidade social e
também o que se pode construir e o que levar em conta para um exercício profissional que responda às
demandas sociais.

Questão 02. Elabore um texto dissertativo de dez linhas sobre o porquê de o estagiário aprender a
conhecer as instituições em que o assistente social está inserido.

111
Unidade II

Comentário:

Você deve se reportar à importância de o estagiário conhecer o espaço de trabalho dos assistentes
sociais, de entender como estes profissionais atuam e sua relação com os usuários. Deve ainda salientar
ser fundamental ao estagiário se posicionar no estágio.

Essa análise das instituições é extremamente necessária para entender seu funcionamento, uma vez
que elas têm uma dinâmica que se modifica de acordo os acontecimentos que ocorrem na conjuntura
social. Desvendar o que propõe a instituição onde está inserido representa compreender qual política
essa instituição implementa, quais usuários atende, quais facilidades e obstáculos você encontrará no
exercício de sua função.

Entender o funcionamento das instituições e apreender o que a instituição representa na estrutura


social e quais os princípios e valores ela segue subsidia o profissional para criar as estratégias necessárias
ao seu o fazer profissional. Conhecendo qual o terreno onde seu trabalho é desenvolvido, este articula as
ações e cria as habilidades que permitem o uso dos instrumentais técnico-operativos de forma refletida,
construindo uma ponte entre teoria e prática.

Questão 03. Em uma síntese de 15 linhas, tente abordar as principais demandas que permeiam os
trabalhadores das áreas rurais e como desenvolver ações para contornar esses problemas.

112
Supervisão de Intervenção Profissional

Comentário:

A sua resposta deve abranger a dificuldade das famílias rurais no acesso às políticas públicas e
sociais, as condições às quais têm de se submeter: uma política de incentivo financeiro, a mecanização
do campo, a modernização tecnológica e novas formas organizacionais de produção. Estes são fatores
que alteraram profundamente o mercado na área rural, expondo o trabalhador assalariado do campo
ao desemprego e intensificando o processo de pauperização do pequeno produtor rural, que passa a
se submeter a transformações em seu modo de viver. As soluções apontadas no conteúdo da aula são
voltadas para alternativas, como a criação de associações, cooperativas, o trabalho com a economia
solidária, que visam ao fortalecimento dos trabalhadores rurais e à melhoria na qualidade e inclusão dos
produtos produzidos por eles no mercado consumidor.

Questão 04 (concurso realizado pelo CespE/UNB, em 2008, para o cargo de assistente social da
Prefeitura Municipal de Vitória, ES). Julgue os itens a seguir, relacionados à avaliação de programas e
projetos sociais no cotidiano da ação profissional do assistente social e marque (V) para verdadeiro e (F)
para falso.

I. O compromisso principal da avaliação consiste em coletar e gerar novas informações que


possibilitem a realização das correções necessárias durante o desenvolvimento do processo e
auxiliar na tomada de decisões.
II. Um erro comum nos processos de avaliação relaciona-se ao fato de esta ser confundida com
a auditoria financeira, ou seja, priorizam-se os dados qualitativos sociais e ignoram os dados
contábeis do projeto.
III. As principais fontes para construção de indicadores de um projeto pressupõem a definição prévia
de seus objetivos, bem como das perguntas orientadoras de sua avaliação.
IV. Na condução de um processo de avaliação, devem-se levar em consideração os aspectos éticos e
de relações humanas, ignorando-se, entretanto, os elementos de ordem política.
V. Uma das tendências atuais que vêm influenciando o futuro da avaliação de programas/projetos
diz respeito às modificações nas relações entre o Estado e a sociedade quanto à descentralização
político-administrativa.

As afirmativas verdadeiras são apenas

A) I, II, IV.
B) II, III, V.
C) I, III, V.
D) II, III, IV.
E) I, IV, V

Resposta: alternativa C.
113
Unidade II

Comentário:

A partir das suas análises, você deve apontar como correta a alternativa C, pois as afirmativas
I, III e V são verdadeiras, ou seja, a avaliação serve realmente para coletar e gerar informações que
permitam corrigir os rumos das ações. Para tal, necessita de indicadores com base em cada objetivo
proposto, para daí formular os instrumentais de coleta de dados. Portanto, a avaliação, mais que um
instrumento técnico, é exigida, na relação Estado e sociedade, como mecanismo de descentralização
político-administrativa.

A afirmativa II é falsa, porque afirma que a avaliação prioriza os “dados qualitativos sociais” e “ignora
os dados contábeis do projeto”. A avaliação, na verdade, prioriza os dados quantitativos e contábeis do
projeto.

A afirmativa IV é falsa, porque afirma que se ignoram os elementos de ordem política na avaliação.

114