Você está na página 1de 132

VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA DOMÉSTICA:

VOZES DA JUVENTUDE

Responsáveis:

Drª Maria Amélia Azevedo

Professora Titular do IPUSP Coordenadora do LACRI/PSA-IPUSP

Drª Viviane Nogueira de Azevedo Guerra

Pesquisadora do LACRI/PSA-IPUSP

LACRI LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA CRIANÇA

PSA/IPUSP

2001

VOZES DA JUVENTUDE

V OZES DA J UVENTUDE Óleo sobre tela de Julian Trigo , 1998. A juventude está

Óleo sobre tela de Julian Trigo, 1998.

A juventude está naquele centro onde nasce o novo, escrevia Walter Benjamin, em 1914. E logo acrescentava: Há novamente uma geração que deseja superar a encruzilhada, mas a encruzilhada não está em nenhum lugar. [Metafísica della

gioventu. Scritti 1910-1918. Turim: Einaudi, 1982]

FONTE: LEVI, G. & SCHMITT, J.C. (1996). História dos jovens. São Paulo: Cia. das Letras. Vols. 1/2.

No entanto, cada um mata a coisa que ama Que isso seja ouvido de todos Uns fazem-no com olhar amargo, Outros com uma palavra de lisonja, O covarde o faz com um beijo, O homem valente com uma espada.

(Oscar Wilde)

2

VOZES DA JUVENTUDE

PARTICIPANTES DA PESQUISA

I. EQUIPE DE COLETA DE DADOS

1. Ana Maria Gonzales Takahashi

2. Celso Aparecido Florêncio

3. Cristiano da Silveira Longo

4. Daniela Schwartzmann

5. Izilda Mari

6. Marisa Feffermann

II. PROCESSAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS

Myrian Bizzocchi

Estatística da Fundação Carlos Chagas

3

SUMÁRIO

VOZES DA JUVENTUDE

S UMÁRIO V OZES DA J UVENTUDE

Página

I. APRESENTAÇÃO

05

II. INFÂNCIA E JUVENTUDE: CONSIDERAÇÕES HISTÓRICAS

07

A. Breve incursão pela História da Infância

07

B. Breve incursão pela História da Juventude

14

III. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES:

CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS

21

IV. VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA DOMÉSTICA: UM CONCEITO POLÊMICO

25

V. VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA DOMÉSTICA VOZES DA JUVENTUDE:

CENÁRIO DE PESQUISA

40

A. Considerações preliminares: VOZES RESGATADAS

40

B. Marco referencial: VOZES RESIGNIFICADAS

42

C. Notas metodológicas: VOZES ESQUECIDAS

47

D. Sujeitos: VOZES RECUPERADAS

51

E. Resultados: VOZES REVELADORAS

56

VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

115

VII. ANEXOS

INSTRUMENTO

126

RELAÇÃO DE TABELAS

129

RELAÇÃO DE QUADROS

131

RELAÇÃO DE FIGURAS

132

4

I

VOZES DA JUVENTUDE

I V OZES DA J UVENTUDE

APRESENTAÇÃO

A presente investigação se insere no Programa Plurianual Integrado de Pesquisa para o período 2000-2005, cuja consecução está a cargo do LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA CRIANÇA Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo 1 .

A

Figura 1 a seguir ilustra a estrutura desse Programa.

O

objetivo fundamental do Programa é o de responder à seguinte PERGUNTA-

CHAVE:

QUAL

BRASILEIRA?

O

ESTADO

DO

CONHECIMENTO

SOBRE

INFÂNCIA

MENORIZADA 2

Passar-se-á agora à discussão específica da Pesquisa VOZES DA JUVENTUDE E VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA DOMÉSTICA, tanto do ponto de vista de suas considerações históricas e teóricas quanto daquelas que se referem à metodologia específica adotada e aos resultados obtidos.

1 Caso se deseje consultar a versão completa deste Programa, o mesmo está nos arquivos do LACRI, CNPq e FAPESP.

2 É importante salientar que, por Infância Menorizada vamos entender com Adorno (1991:78), aquela que se vê desprovida de seus direitos fundamentais. Esses direitos são expressos pelo artigo 227, do Capítulo VII do Título VIII da Constituição do Brasil, promulgada no dia 5 de outubro de 1988. Esse artigo afirma ser dever da sociedade, da família e do Estado assegurar à criança e ao adolescente o direito à vida, à alimentação, à educação, à profissionalização, à cultura, à dignidade, à liberdade, ao lazer e ao respeito, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação,

Pode-se constatar que, a criança menorizada é justamente a quem estes

(é) aquela que vê negligenciados seus direitos fundamentais. Essa

negação ocorre seja porque há direitos que deixam de ser promovidos para todas as crianças permanecendo privilégio de classe (direito à educação, à saúde, ao lazer etc.), seja porque há direitos que deixam de ser defendidos sistematicamente

para algumas (direito à integridade física, psicológica, sexual etc.). Por isso mesmo, no bojo da compreensão do que seja “infância menorizada” está também a compreensão de que essa deletéria condição resulta tanto da VIOLÊNCIA entre

CLASSES SOCIAIS quanto da VIOLÊNCIA intra CLASSES SOCIAIS. No primeiro caso, temos a “INFÂNCIA POBRE” com suas

variantes de etnia e gênero (infância indígena, infância negra, infância prostituída etc.). No segundo caso, temos a INFÂNCIA VITIMIZADA NO LAR (ou em outras instituições ditas de proteção).

5

exploração, violência, crueldade e opressão

direitos são negados de uma forma ou de outra

FIGURA 1

VOZES DA JUVENTUDE

Estrutura do Programa Plurianual de Pesquisa LACRI

(2000-2005)

INFÂNCIA E VIOLÊNCIA NO BRASIL: ESTADO DO CONHECIMENTO Pergunta Chave QUAL O ESTADO DO CONHECIMENTO
INFÂNCIA E VIOLÊNCIA NO BRASIL: ESTADO DO CONHECIMENTO
Pergunta Chave
QUAL O ESTADO DO CONHECIMENTO SOBRE INFÂNCIA MENORIZADA BRASILEIRA?
B
A
A infância vítima de violência intra CLASSES SOCIAIS
Infância Vitimizada NO LAR
Infância vítima de violência entre CLASSES SOCIAIS
(“Infância Pobre”)
Módulos
Módulos
Projeto I
++++
− Infância e Violência Fatal em Família: Primeiras
aproximações ao nível de Brasil
Projeto 1 − O Abandono de Crianças no Brasil
+
Projeto II
++
− Lembranças do Passado: A infância e a adolescência na
vida de escritores brasileiros

Projeto III Relação entre Violência Familiar e o Processo de

+++

Socialização das Crianças

Projeto IV Vozes da Infância: O que crianças e adolescentes falam

+++++

acerca do disciplinamento corporal doméstico

Projeto V Violência Psicológica Doméstica: Vozes da Juventude

LEGENDA:

+

Tese de Doutorado defendida em junho de 1998 no IPUSP (aprovada com 10,0 - Distinção).

++

Tese de Doutorado defendida em agosto de 1998, no IPUSP (aprovada com 10,0 – Distinção), a ser

+++

publicada em livro OLIVEIRA, M.H. Lembranças do passado: a infância na vida dos escritores brasileiros. Bragança Paulista, SP: USF, 2001. Relatório totalmente concluído.

++++

Relatório totalmente concluído. Publicado através do Projeto Multimídia integrado por:

 

a. AZEVEDO, M.A. & GUERRA, V.N.A. (1998). Infância e Violência Fatal em Família: primeiras aproximações ao nível de Brasil. São Paulo: Iglu.

b. AZEVEDO, M. A. & GUERRA, V.N.A. (1998). Réquiem para as pequenas vítimas PEQUENAS. São Paulo: LACRI/IPUSP. (cd-rom)

c. AZEVEDO, M.A. & GUERRA, V.N.A. (1998). Crônicas de morte anunciada. São Paulo:

LACRI/IPUSP. (vídeo)

+++++

Relatório totalmente concluído. Publicado através do Projeto Multimídia que compreende:

1. AZEVEDO, M.A. & GUERRA, V.N.A. (2001). Mania de bater: a punição corporal doméstica de crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: Iglu. [livro]

2. AZEVEDO, M.A. & GUERRA, V.N.A. (2001). Vozes da Infância: a palmada deseduca. São Paulo:

LACRI/IPUSP e Núcleo de Cinema de Animação de Campinas. [vídeo]

6

II

VOZES DA JUVENTUDE

II V OZES DA J UVENTUDE

INFÂNCIA E JUVENTUDE: CONSIDERAÇÕES HISTÓRICAS

Do ponto de vista científico, tem-se observado, especialmente na última década do século XX, a introdução de uma abordagem emergente e ainda em processo de construção em termos do estudo da infância e juventude. O que, na verdade, este tipo de abordagem traz de inovador?

a. Que infância e juventude devem ser entendidas como construções sociais: a prematuridade de crianças e jovens é um fato biológico no transcurso das idades da vida mas a forma pela qual esta prematuridade é compreendida e toma significado é um fato cultural, que pode variar de uma sociedade a outra, tornando, portanto, infância e juventude instituições sociais;

b. que infância e juventude não são fenômenos universais e únicos, mas existe uma variedade de infâncias e juventudes que devem ser compreendidas, por exemplo, em relação a classe, gênero, etnia etc.;

c. que o relacionamento da infância e juventude com a Cultura e a Sociedade deve ser estudado à luz da própria perspectiva da infância e juventude e não a partir da visão dos adultos;

d. que as crianças e os jovens devem ser vistos como sujeitos da construção e da determinação de suas próprias vidas. Não são apenas objetos dentro da estrutura social.

Evidentemente, esta nova perspectiva de análise da infância e juventude não nasceu espontaneamente. Para ela contribuíram diversas áreas do conhecimento. A História foi uma delas. Vejamos alguns apontamentos sobre a HISTÓRIA SOCIAL DA

INFÂNCIA E DA JUVENTUDE.

A. Breve incursão pela História da Infância

Embora existam obstáculos concretos para se recuperar a trajetória da infância desde a Antigüidade até nossos dias devido à falta de documentação específica, alguns autores, apesar das dificuldades enfrentadas, propuseram-se a esta tarefa. Daremos destaque a dois deles, sendo que o seu trabalho científico tenta oferecer também contribuições relevantes para a compreensão do fenômeno da violência doméstica contra crianças e adolescentes.

O primeiro é Philippe Ariès, com sua obra seminal História Social da Criança e da Família (1978), na qual sustenta a tese de que a sociedade medieval não percebeu a infância. Diz-nos ele:

7

VOZES DA JUVENTUDE

Na Idade Média, no início dos tempos modernos e por muito tempo ainda nas classes populares, as crianças misturavam-se com os adultos assim que eram capazes de dispensar a ajuda das mães ou das amas poucos anos depois de um desmame tardio ou seja, aproximadamente aos 7 anos de idade. A partir desse momento ingressavam imediatamente na grande comunidade dos homens, participando com seus amigos jovens ou velhos dos trabalhos e dos jogos de todos os dias. O movimento da vida coletiva arrastava em uma mesma torrente as idades e as condições sociais, sem deixar a ninguém o tempo da solidão e da intimidade. Nessas existências densas e coletivas, não havia lugar para um setor privado.

Ariès coloca que, nessa época, a socialização da criança não era assegurada nem controlada pela família. Ela se afastava logo dos pais e ao conviver com outros adultos, aprendia as coisas que deveria saber, ajudando estes mesmos adultos a fazê-

las. Ariès registra ainda a existência de um sentimento superficial pela criança a que chama de paparicação reservado à criancinha em seus primeiros anos de vida enquanto ela ainda era uma coisinha engraçadinha. As pessoas se divertiam com a criança pequena como um animalzinho, um macaquinho

impudico. Se ela viesse a falecer o que não era raro outra criança a substituiria. Aos 7 anos, a criança passava a viver em outra casa.

Ariès diz-nos que, nesse período, o sentimento entre pais e filhos, entre cônjuges não era necessário à existência e ao equilíbrio da família: se houvesse, tanto

melhor. Na verdade, as trocas afetivas e as comunicações sociais eram realizadas, portanto, fora da família num momento denso e quente, composto de vizinhos, amigos, amos e criados, crianças e velhos,

mulheres e homens. (

)

As famílias conjugais se diluíam nesse meio. O espaço comunitário tinha

supremacia sobre a família. Entretanto, Ariès nota a partir do fim do século XVII uma brutal modificação nesse estado de coisas. Outorgar à infância um estado separado coincide com a transição do feudalismo para o capitalismo, sendo que a burguesia nascente desejava que seus filhos se educassem de uma forma especial para se prepararem em termos das atividades que deveriam exercer quando adultos, bem como poderem enfrentar adequadamente o poder da aristocracia. Tudo isto conduziu a um sistema escolar e ao conceito moderno de infância. A criança deixou de ser misturada aos adultos e de aprender a vida através de contatos com eles. Inicia-se o processo de escolarização pelo qual elas eram mantidas à distância, enclausuradas nos colégios uma espécie de quarentena, como o diz Ariès. A ida das crianças para colégios uma das faces do grande movimento de moralização promovido por reformadores católicos e protestantes não poderia se dar sem o aval das famílias. Como Ariès nos mostra, esta família se transformou, tornou-se o lugar de uma

afeição necessária entre os cônjuges e entre pais e filhos, algo que ela não era antes. Essa afeição se exprimia sobretudo através da importância que se passou a atribuir à educação. Mas, um outro problema surge

decorrente desse processo de educação diferenciado do período anterior: tanto a família

como a escola arrancaram a criança da sociedade adulta. As atenções da família, da Igreja e dos moralistas e administradores arrebataram a liberdade que a criança desfrutara até então entre os adultos. Fizeram-na

conhecer a vara (

baixos estratos da sociedade. A partir destas colocações, Ariès não sustenta que a tese da percepção crescente da natureza especial da infância levou por força à criação de um mundo melhor para as crianças; em realidade argumenta o contrário: de que o desenvolvimento do conceito de infância se apresentou acompanhado dos mais severos métodos de educação (Pollock, 1990).

em uma palavra os castigos reservados geralmente a convictos provenientes dos mais

),

Outros autores reforçam o pensamento de Ariès nesse sentido, dizendo que o

conceito de infância veiculou uma idéia de subordinação, de dependência e que, no transcurso do

século XVII, os castigos contra as crianças se tornaram ainda mais bárbaros. Este

8

VOZES DA JUVENTUDE

aumento se deveu aos primeiros resultados de uma maior atenção prestada às crianças, um produto secundário de um interesse maior na capacitação moral e acadêmica das crianças e também da doutrina do Pecado

Original (Pollock, 1990) 3 . No século XVII, havia uma atenção aos dizeres bíblicos,

especialmente por parte dos puritanos 4 : aquele que poupa a vara, quer mal ao seu filho, mas o que o ama, corrige-o continuamente (Provérbios 13:24); não poupes ao menino a correção: se tu o castigares com a vara, ele não morrerá (Provérbios 23:13); castigando-o com a vara, salvarás sua vida da morada

dos mortos (Provérbios 23:14). Ao lado do apoio encontrado nas citações bíblicas quanto à punição corporal das crianças, ao nível doméstico, figurava um outro adágio: corrige

teu filho enquanto há esperanças, mas não te enfureças até faze-lo perecer (Provérbios 19:18). Na

verdade, se por um lado havia uma assunção tácita da punição corporal enquanto método disciplinar, por outro lado, ela não poderia levar ao desperdício da vida infantil. Alguns desses historiadores mostram uma série de provas no sentido de que

no século XVII era comum se lutar para quebrantar a vontade da criança, sendo o castigo corporal o melhor meio para tanto (Pollock, 1990).

Finalmente importa ressaltar que o desenvolvimento e a aceitação institucionais da educação formal nas escolas com o conseqüente isolamento das crianças frente à sociedade adulta foi um pré-requisito para o surgimento dos conceitos sociológicos e psicológicos de infância (Pollock, 1990). Ariès afirma

ainda que a evolução da família da forma aberta ao mundo exterior, de amigos etc., que se relacionavam com ela para a forma nuclear atual teve conseqüências importantes para o desenvolvimento do conceito de infância, o qual por sua vez não

não é mais do que uma forma, uma expressão

particular deste sentimento mais geral, o sentimento de família (Pollock, 1990).

Na verdade, a tese sobre a qual Ariès avança é a de que na maioria das sociedades as crianças integraram-se muito cedo à sociedade adulta e que o seu processo de segregação (que ele considera essencialmente indesejável) é um traço particular da sociedade burguesa.

se separa do de família: o interesse pela infância (

)

O segundo autor do qual gostaríamos de destacar algumas idéias é Lloyd deMause (1975). Ele nos diz na abertura do livro no qual figura como organizador: a

história da infância é um pesadelo do qual recentemente começamos a despertar. Quanto mais atrás regressamos na história, mais reduzido o nível de cuidado com as crianças, maior a probabilidade de que houvessem sido assassinadas, abandonadas, espancadas, aterrorizadas e abusadas sexualmente.

Lloyd deMause é considerado um psico-historiador 5 sendo que, em seu trabalho, visto como a história da infância ou mais exatamente a história da puericultura no Ocidente, desde a Antiguidade, ele vai mostrando uma suavização nas relações pais-

3 A Igreja, por um lado, considerava as crianças como seres inocentes, mas por outro, carregando sobre si o peso do Pecado Original. Este conceito de Pecado Original autorizava tratar com dureza as crianças para "cura" de sua iniqüidade inerente.

4 Greven (1992) diz-nos: Jesus nunca advogou a punição corporal. Em nenhum lugar do Novo Testamento Ele aprova o se infligir dor a uma criança através do açoite ou de qualquer outro tipo de instrumento, nem tampouco jamais recomendou qualquer forma de punição corporal de crianças por seus pais. Portanto, para este autor o texto-chave no Novo Testamento que é favorável ao duro disciplinamento corporal de crianças é Hebreus, que muitos assumiram ter sido escrito pelo apóstolo Paulo, afirmação atualmente contestada por especialistas no assunto que definem esta autoria como anônima. Os católicos e muitos outros grupos religiosos igualmente sustentaram a tradição de uso da punição corporal de crianças tanto pelas famílias quanto pelas escolas. Mas muito pouco se escreveu sobre os católicos ou por eles mesmos em termos de

suas atitudes relativas a tal problemática. Portanto, este é um tema a ser mais explorado entre católicos e judeus.

mais, nem menos

dizem

O porque histórico começa onde terminam as explicações dos interessados

5 Para o psico-historiador o porque da história se refere forçosamente a um porque psicológico. Deste ponto de vista, a história é feita pelos homens; para saber porque os homens fizeram o que fizeram há que se aprofundar nos motivos nem

Há que se interrogar as pessoas, escutá-las atentamente, porém sem tomar ao pé da letra o que

O terreno onde se coloca o psico-

historiador é o terreno da determinação psíquica inconsciente de todas as ações e omissões humanas que constituem a história (Binion, 1986).

9

VOZES DA JUVENTUDE

filhos, vindo desde épocas em que se abandonava, se expunha, se maltratava e se descuidava das crianças até chegar às idéias contemporâneas em que os pais se sacrificam pelos filhos. Ele tenta recuperar através do que chama teoria psicogênica da história como estas transformações no relacionamento adulto-criança se deram,

dizendo que no fundo os pais revivem sua própria infância através dos filhos e em conseqüência se vem impulsionados tanto a reproduzi-la fielmente quanto a diminuir os seus rigores. As mudanças observadas resultariam desta dialética de reprodução-melhoramento, de uma geração a outra, independentemente de toda a influência exterior (1975).

Em um artigo bem recente, este autor (1995) coloca que:

Através do meu estudo psico-histórico da infância e da sociedade concluo que a história da humanidade se fundou numa prática de violência contra as crianças. Da mesma forma que os terapeutas familiares hoje descobriram que a violência doméstica contra as crianças tem como objetivo manter as famílias unidas enquanto um meio de solução de seus problemas emocionais, também a rotina da violência contra a criança tem sido a forma mais efetiva encontrada pela sociedade em termos de manter a sua homeostase emocional coletiva. Muitas famílias no transcurso da história praticaram o infanticídio, os espancamentos, o incesto. Muitos Estados sacrificaram e mutilaram suas crianças para aliviar a culpa dos adultos. Mesmo atualmente continuamos matando, mutilando, submetendo à fome as crianças através de nossas atividades sociais, militares e econômicas 6 .

O trabalho de deMause é bastante polêmico na medida em que se poderia interrogar sobre o valor de uma construção psico-histórica que sustenta uma interação pais-filhos que se modifica por sua própria natureza, sem tomar em consideração aspectos exteriores, ou seja, sócio-econômico-políticos. Por outro lado, foi construindo sua teoria a partir de informações esparsas que podem ou não ser tão fidedignas ou não permitirem conclusões a que ele próprio chegou. Acreditamos, entretanto, que este autor, já em 1995, com as críticas recebidas, venha tentando incorporar algumas discussões de cunho sócio-econômico que corrijam certos problemas em sua construção teórica. Ele apresenta outras fragilidades: trata de forma conjunta, fenômenos como violência sexual e física doméstica, sem atentar para suas especificidades, além de trabalhar com diversos problemas relativos à infância e adolescência como infanticídio, ida para guerras etc., sem separá-los de forma mais coerente, como se toda a violência dirigida à infância pudesse ser misturada num único conjunto.

Fazendo-se um paralelo entre as teses de Ariès e de deMause, observamos que o primeiro autor sustenta que a criança tradicional era feliz, misturava-se aos adultos. A partir do momento em que uma condição especial a infância foi inventada, resultando num conceito tirânico de família que destruiu a sociabilidade e privou a criança da liberdade, infligiu a ela um confinamento e os castigos severos. Já deMause parte de uma tese oposta na medida em que mostra que a situação das crianças foi melhorando sensivelmente através dos séculos. No que tange à disciplina doméstica imposta ao nível corporal, ele diz que há um decréscimo evidente desta prática a

partir do século XVIII, tornando-se antiquada na Europa e na América no século XIX, continuando apenas na Alemanha na qual 80% dos pais ainda admitiam, nesta época, utilizar a punição corporal em seus

6 Aqui o autor faz uma crítica contundente à política internacional norte-americana que levou inúmeros jovens à Guerra do Golfo, bem como através de seus mecanismos de exploração deixa inúmeras crianças em vários continentes passarem fome e toda sorte de privações. Portanto, uma política exploradora e belicista ao extremo.

10

VOZES DA JUVENTUDE

filhos, 35% deles com varas (1975). deMause adverte, porém, que à medida que as punições corporais foram decrescendo, outros substitutos educativos começaram a ser encontrados como,por exemplo, encerrar-se a criança em quartos escuros, prática por ele encontrada na bibliografia dos séculos XVIII e XIX. Relata-nos sobre as pequenas Bastilhas existentes nas casas, onde as crianças eram encerradas por horas, por dias, com direito a pão e água, objetivando-se a correção de comportamento delas considerados inadequados pelos pais 7 . Procede a uma periodização das formas de relacionamento entre pais e filhos, começando desde a Antiguidade até o século XX,

a qual passa pela forma do infanticídio, do abandono, da ambivalência, da intrusão,

da socialização até chegar à forma de ajuda que pertence ao nosso século e na qual

os pais estão muito envolvidos no processo de criação e de educação dos filhos.

Entretanto, o que deMause não pode responder é porque se apresentou a violência de pais contra filhos e hoje há tantos casos desta natureza mesmo com uma forma de relacionamento entre pais e filhos tida por ele como satisfatória e envolvente. Na verdade, deMause diz ainda que quanto mais se retorna ao princípio da história da humanidade mais pais encontramos pouco envolvidos com o cuidado de seus filhos e que se hoje nos espantamos com a quantidade de crianças vítimas de violência, imagine-se que um número muito mais amplo desta categoria poderia ser encontrado quanto mais se regredisse na história. É por isso que ele diz o seguinte: a

evidência que coletei em termos de métodos disciplinares infantis me leva a crer que uma larga porcentagem de crianças antes do século XVIII era o que hoje se convencionaria chamar de crianças espancadas (1975).

deMause informa ainda que em mais de 200 (duzentos) documentos relativos à

orientação do processo educacional de filhos que ele consultou, e de períodos anteriores ao século XVIII, muitos aprovavam a disciplina violenta, permitindo-a sob as mais variadas circunstâncias, excetuando-se os documentos de Plutarco, Palmieri

e Sadoleto. Os instrumentos usados nestes espancamentos incluíam chicotes, pedaços de bambu, de ferro, bastões, paus etc.

Segundo ele, século após século, a disciplina violenta era permitida, sendo o protesto público raro. Mesmo humanistas e professores, com reputação de grande brandura, como Petrarca,Ascham,Comenius e Pestalozzi aprovavam o espancamento de crianças. A esposa de Milton queixava-se de que odiava ouvir os gritos dos sobrinhos quando apanhavam dele. Mesmo a realeza não estava isenta de espancamento, como o confirma a infância de Luís XIII. Um chicote ficava ao lado do pai dele na mesa, sendo que aos 25 meses o delfim começou a apanhar com freqüência e sempre despido. Ele tinha pesadelos regulares sobre seus espancamentos, que eram realizados pela manhã quando despertava. Depois que se tornou rei, costumava acordar à noite, aterrorizado, na expectativa de seu espancamento matinal. Inclusive no dia da sua coroação foi espancado 8 .

7 Interessante notar as muitas práticas de aterrorizar crianças resgatadas por deMause: Lamia e Striga que segundo os

várias estórias

Quando a religião deixou de ser o foco

feiticeiras e demônios nos tempos medievais

antigos comiam as crianças vivas

Depois da Reforma,

infantis relatavam as torturas que Deus havia guardado para crianças no inferno

da campanha terrorista, figuras mais familiares foram usadas: lobisomem que engole criancinhas; o Barba Azul que faz

picadinho das pessoas

o limpador de chaminé que rouba crianças à noite

(1975).

8 Luís XIII, filho de Henrique IV (que foi assassinado em 1610), com a idade de 9 anos se tornou rei. Em 1624, Luís XIII confiou a direção do reino ao Cardeal Richelieu, que se tornou presidente do Conselho Real. A política estabelecida por Richelieu foi: internamente quebrar o poder da aristocracia feudal, estabelecendo a monarquia absoluta e externamente

combater os Habsburgos para dar à França a hegemonia da Europa. Quando Richelieu faleceu em 1642, o caminho estava quase todo aplainado para o despotismo.

11

VOZES DA JUVENTUDE

Cumpre lembrar, enquanto parênteses, que Perrot (1993) nos mostra que, na sociedade francesa do século XIX, o chamado costume de bater nas crianças estava presente em todas as classes sociais, embora assumisse características e funções diferentes de acordo com estas mesmas classes: nos meios burgueses, mais do que nos

aristocráticos, as crianças já não apanham muito em casa. Aqui e ali subsistem algumas varas e açoites de

corda, mas cada vez mais reprovados. (

burgueses chove (sic) pancadas. Sovas e vergastadas são plenamente admitidas, desde que não ultrapassem

certos limites (

As teses de Ariès e de deMause opostas, principalmente no sentido de que uma aponta que o pesadelo das crianças começou a partir do conceito de infância e a outra de que este pesadelo está ficando muito para trás na história da humanidade, mostram-nos que a verdadeira história da infância tem sérios obstáculos a transpor do ponto de vista da sua reconstrução, uma vez que as divergências teóricas sobre ela são acentuadas. De qualquer forma, estas divergências servem para nos mostrar o quão longe estamos em termos da possibilidade de afirmarmos se este ou aquele período da história trouxe mais ou menos violência no relacionamento pais-filhos. As dúvidas persistem e a única certeza que temos é a de que ao chegarmos ao novo milênio ainda nos defrontamos com este fenômeno e em números assustadores.

No campo e entre as classes populares urbanas e entre os pequenos

)

Concretamente pode-se dizer que o trabalho de Philippe Ariès causou um grande impacto, na medida em que colocou em questão a idéia de universalidade da infância. Já Lloyd deMause manteve a noção desta universalidade, dizendo que a

Prout, 1990). O debate entre os

historiadores continua e o que se pode reter dele é que a forma particular da infância

moderna é, sem sombra de dúvida, historicamente específica.

Um outro apoio para a idéia da construção social da infância vem dos trabalhos dos antropólogos sociais envolvidos em estudos sobre cultura e personalidade. Embora discutindo a variabilidade do conceito de infância em diferentes culturas, estes trabalhos ainda são eivados de uma perspectiva convencional a partir do momento em que colocam que a socialização é um processo moldado pelos adultos, prestando pouca atenção ao fato de a infância ser um fenômeno em si mesmo e que as crianças podem ser participantes ativos do seu próprio processo educacional.

Na Psicologia, a área voltada à criança desenvolveu-se, sobretudo, a partir das contribuições de teóricos do desenvolvimento humano.

No contexto da Psicologia, mais recentemente, embora o foco tenha permanecido no indivíduo, o reconhecimento da idéia de que a infância é socialmente construída conduziu à consciência da importância do contexto social dentro do qual os processos psicológicos tomam lugar.

infância

é

a

mesma,

os

pais

é

que

mudaram

(James

e

Na Inglaterra, o trabalho de Martin Richards (1974) e nos Estados Unidos, a contribuição

) a crítica

de Kessel e Siegel (1983) podem ser considerados marcos desta idéia inovadora: (

a

uma psicologia baseada em leis universais que se supõem aplicáveis a todas as sociedades

e

a todas as épocas. Está sendo questionado que termos como mãe e criança não apenas

dão uma idéia de generalidade sem significado, mas também não representam adequadamente o relacionamento entre o indivíduo e o meio social e retratam vínculos sociais

como se eles fossem fixados por leis da natureza. (James e Prout, 1990)

12

VOZES DA JUVENTUDE

As diferentes contribuições oriundas também de diferentes disciplinas tornaram possível a discussão do conceito de construção social da infância. Mas não podemos nos esquecer que inúmeros movimentos sociais para isso contribuíram, tais como os das mulheres, da anti-psiquiatria, os relativos aos direitos humanos etc.

Entretanto, a emergência de um novo paradigma para o estudo da infância enquanto construção social tem encontrado uma série de obstáculos provenientes de diversas áreas do conhecimento.

Em primeiro lugar, tem que se reconhecer que os conceitos ainda dominantes de

) A

discussão sobre a necessidade de que a psicologia cognitiva e do desenvolvimento se insira num contexto social e cultural ainda é uma possibilidade discutida e publicada recentemente

Na área da sociologia, o conceito de

socialização 9 continua a dominar a teoria e a pesquisa sobre a infância. A falta de mudança aqui se revela de forma mais aguda, por exemplo, na sociologia da família. Embora o pensamento sobre mulheres e família tenha sido revolucionado pela crítica das feministas, o

pensamento sobre a infância ainda permanece relativamente estático.(James e Prout,1990)

em poucos trabalhos de pesquisa empíricos. (

desenvolvimento e socialização são extraordinariamente resistentes a qualquer crítica. (

)

Estes autores lembram também a contribuição de algumas sociólogas americanas que imputam estes obstáculos na área da sociologia, por exemplo, ao fato de que ainda esta é produzida majoritariamente por homens e que,conseqüentemente, eles não valorizam o cuidado com as crianças, muito menos as atividades por elas produzidas.

James e Prout (1990) chamam a atenção também para o fato de que noções como a socialização por exemplo, estão inscritas na prática de assistentes sociais e de professores e que isso enseja determinadas dificuldades para sua crítica mais consistente, fazendo com que tal atitude não seja vista apenas como uma questão de hábito, de conveniência, de falsa consciência, mas muito ligada ao que Foucault

chama de regime da verdade: ele sugere que isto opera quase como uma profecia auto-realizadora:

formas de pensar a criança que se fundem com as práticas institucionalizadas para produzir sujeitos auto- conscientes (professores, pais e crianças) que pensam (e sentem) sobre si mesmos através das regras daquelas formas de pensamento. A verdade sobre si mesmos e sua situação é então auto-corroboradora. Quebrar isto para a conquista de uma nova verdade (produzida por outra forma de pensar a infância) pode ser difícil (James

e Prout, 1990).

E, finalmente, esta nova forma de pensar a infância ao embasar a construção de novos estudos permite que os mesmos iluminem os caminhos de uma política voltada à infância e se constituam em tentativas de dar voz às crianças e adolescentes, que até agora assistem à tomada de medidas em nome do seu melhor interesse e para as quais não são consultados.

9

A sociologia, particularmente a de cunho funcionalista, também privilegiou uma visão que subestima o valor da criança em

comparação ao valor atribuído ao adulto.As palavras de Davis são eloqüentes: As funções mais importantes realizadas pelo indivíduo para a sociedade são as que desempenha como adulto, não quando é imaturo. Sendo assim o tratamento

Qualquer doutrina que considere as necessidades

que a sociedade oferece à criança é fundamentalmente preparatório

das crianças como prioritárias e as da sociedade organizada como secundárias é uma anomalia sociológica (Davis, 1949).

A partir dessa perspectiva, grande parte da teoria e pesquisa sobre infância decorrente desta orientação centraliza sua

atenção na instituição família, assim como nos processos educativos e de socialização, enfoques nos quais a infância não

é nem a unidade de observação, nem uma categoria de análise independente (Pilotti e Rizzini, 1995).

13

VOZES DA JUVENTUDE

B. Breve incursão pela História da Juventude

Tal como no caso da infância, a HISTÓRIA DA JUVENTUDE ainda está longe de ser conhecida e, segundo alguns teóricos, até mesmo de poder ser conhecida. Isso porque há vários obstáculos a enfrentar. O primeiro deles está na falta de homogeneidade vocabular.

Assim, segundo Levi e Schmitt (1996):

A palavra menino pode chegar numa chanson de geste a designar um jovem guerreiro (pensemos na Infanzie del Cid), ao passo que a noção romana ou medieval de juventus desloca notavelmente para baixo, o limite dentro do qual enquadramos hoje a juventude. Ao contrário, quando os termos permanecem aparentemente imutáveis, seus conteúdos semânticos não cessam de renovar-se. Assim, se compararmos as subdivisões conceituais da Antigüidade com nossas representações, podemos também obter correspondências aproximativas (no fundo, adotamos sempre os mesmos termos: infância, adolescência, juventude), mas temos de reconhecer que essas palavras não têm mais o mesmo sentido.

Daí porque é preciso recusar uma outra tentação que costuma provocar os historiadores, dificultando também seu trabalho. Trata-se de uma simplificação

denunciada por Levi e Schmitt (1996) também: a ilusão (

de uma história linear que se

desenvolve segundo módulos contínuos e num ritmo regular desde um hipotético início até uma conclusão completamente inscrita em suas premissas. Sobre essa pauta poder-se-ia imaginar um processo regular de evolução que, da juventude das sociedades tradicionais, definida por seus papéis rituais e por costumes, vai até uma juventude “moderna”, liberada de qualquer constrangimento, isenta de todos os tabus, que tenha abolido, nos comportamentos, no modo de vestir (pensemos, por exemplo, nos jeans unissex), nas possibilidades de

opção profissional, todas as diferenças entre os dois sexos. Muito pelo contrário, a História da

Juventude não se caracteriza nem por uma continuidade de desenvolvimento nem por uma homogeneidade de conteúdos. A razão está em que tal como a infância, a juventude para além de ser uma idade da vida é também uma construção social.

Como as demais épocas da vida e, talvez, um pouco mais acentuadamente, a juventude é uma construção social e cultural. Caracteriza-se por seu marcado caráter de limite.

Com efeito, ela se situa no interior das margens móveis entre a dependência infantil e a autonomia de idade adulta, naquele período de pura mudança e de inquietude em que se realizam as promessas da adolescência, entre a imaturidade sexual e a maturidade, entre a formação e o pleno florescimento das faculdades mentais, entre a falta e aquisição de autoridade e de poder.

Nesse sentido, nenhum limite fisiológico basta para identificar analiticamente uma fase da vida que se pode explicar melhor pela determinação cultural das sociedades humanas, segundo o modo pelo qual tratam de identificar, de atribuir ordem e sentido a algo que parece tipicamente transitório, vale dizer caótico e desordenado. Essa época da vida não pode ser delimitada com clareza por quantificações demográficas, nem por definições de tipo jurídico, e é por isso que nos parece substancialmente inútil tentar identificar e estabelecer, como fizeram outros, limites muito nítidos.

Ao contrário, o que nos interessa é justamente o caráter marginal ou limítrofe da juventude, o fato de ser algo irredutível a uma definição estável e concreta. De resto, é precisamente sua natureza fugidia que carrega de significados simbólicos, de

14

)

VOZES DA JUVENTUDE

promessas e de ameaças, de potencialidade e de fragilidade essa construção cultural,

a qual, em todas as sociedades, é objeto de uma atenção ambígua, ao mesmo tempo

cautelosa e plena de expectativas. Com esse olhar cruzado e ambivalente, no qual se misturam atração e desconfiança, as sociedades sempre construíram a juventude como um fato social intrinsecamente instável, irredutível à rigidez dos dados

demográficos ou jurídicos, ou melhor ainda , como uma realidade cultural carregada de uma imensidão de valores e de usos simbólicos, e não só como um fato social simples, analisável de imediato.

Além disso, é preciso dizer que, dentre os princípios que servem de base para classificar as pessoas, a idade tem uma característica específica e evidente: por definição, do ponto de vista dos indivíduos, é uma condição transitória. Ao contrário do enquadramento em uma classe social (da qual os indivíduos têm dificuldades para sair, a menos que consigam realizar, em certos casos, suas esperanças de mobilidade social); à diferença da definição sexual (que é unívoca, fixada de uma vez por todas), pertencer a determinada faixa etária e à juventude de modo particular representa para cada indivíduo uma condição provisória. Mais apropriadamente, os indivíduos não pertencem a grupos etários, eles os atravessam. É justamente o caráter essencial de liminaridade, típico da juventude, conjugado com a maior ou menor brevidade da passagem pela condição de jovem, que caracteriza, em última análise (porém de maneira diversa nas diferentes sociedades), a juventude, determinando tanto as atitudes sociais, a atitude dos outros no seu confronto, quanto

a visão que os jovens têm de si mesmos.

Em tudo isso, convém lembrar, não há nada de imutável ou de universal. Numa sociedade fria ou estruturalmente estática, determinados processos jurídicos e simbólicos tenderão a sublinhar predominantemente os elementos de continuidade e de reprodução dos papéis atribuídos à juventude. Por outro lado, uma sociedade mais quente, mais predisposta a reconhecer o valor da mudança, será levada a admitir com maior facilidade o caráter necessariamente conflitante da transição de uma idade para outra e da transmissão do conjunto de prescrições entre as gerações.

Portanto, não há HISTÓRIA DA JUVENTUDE, mas HISTÓRIAS que concernem a JUVENTUDES e, sobretudo, a JOVENS inseridos no emaranhado de relações sociais específicas, ligadas a contextos e a momentos históricos distintos.

Tal como a infância,a juventude também é uma condição concreta de existência. Assim como não se pode falar em natureza infantil 10 , também não se pode falar em

10 A condição infantil A idéia de natureza infantil remete a características tendo um valor absoluto e universal: a criança, em si, é selvagem, submissa à sua sensibilidade, inocente, espontânea, indisciplinada etc. A idéia de condição infantil faz referência a uma situação específica da infância sem definir, porém, qualidades ou comportamentos que se encontrariam inevitavelmente em toda criança. A criança é um ser em crescimento, sua personalidade está em vias de formação, ela vive em um meio social adulto e ao qual não está imediatamente adaptada: estas observações são válidas para toda criança em qualquer civilização; independente da classe social a que pertença, elas definem o que se pode chamar de condição infantil. Mas o crescimento, a formação da personalidade e adaptação social se desenrolam em um meio social que não é o mesmo para todas as crianças. Eles se traduzem, portanto, por comportamentos socialmente variáveis. Toda criança cresce, mas cada uma vive seu crescimento de um modo psicológica e socialmente diverso. Crescer não tem o mesmo sentido para a criança que aspira escapar de um ambiente familiar opressivo e para aquela outra que se assemelha cada vez mais aos pais que admira; da mesma maneira, o primogênito de uma família numerosa, investido de responsabilidades freqüentemente muito pesadas para ele, e a criança superprotegida pelos pais, não vivem o crescimento de maneira idêntica. É necessário compreender psicologicamente a criança em função de suas condições de vida, isto é, tanto de sua condição de criança, quanto de sua condição social real. (Charlot, 1977).

15

VOZES DA JUVENTUDE

natureza jovem. Há muitas maneiras de ser criança e muitas também de ser jovem, dependendo do contexto histórico e das condições sócio-econômicas, políticas, culturais e psicológicas. Uma breve incursão pela História da Juventude permite-nos identificar que os jovens têm sido tratados diferentemente conforme a imagem que as sociedades construam deles e conforme os papéis sociais que lhes reservem.

Assim, ao longo dos tempos, os jovens (bem como as crianças) têm sido vistos tanto com hostilidade quando considerados como fonte de desordem e desvio como com benevolência quando exaltados como salvadores da Pátria ou da Humanidade. Daí porque tal como no caso da infância, a HISTÓRIA DA JUVENTUDE traz inúmeros CENÁRIOS DE VIOLÊNCIA, alguns dos quais vão reproduzidos a seguir, apenas a título exemplificativo,e sob a forma de fragmentos históricos devidamente contextualizados porque, afinal, uma história dos jovens só existe se embebida numa história da política, da religião, da família, do direito e até mesmo das festas e esportes 11 .

JUVENTUDE GREGA

INICIAÇÃO SEXUAL CRETENSE

No que se refere às relações amorosas, os cretenses têm um costume muito particular. Com efeito, não é pela persuasão que os amantes conseguem o que buscam com afinco, mas pelo rapto. O amante anuncia a seus amigos, com três dias de antecedência, que tem a intenção de proceder ao rapto. Ocultar o adolescente cobiçado,

ou não deixa-lo seguir o caminho previsto para o rapto seria, da parte amante, o cúmulo do insulto, pois significa, aos olhos de todos, que o adolescente não é digno de pertencer

a um amante de tão elevada classe. Assim, os amigos se reúnem e, se constatam que o

raptor é igual ou superior ao adolescente em todos os aspectos e, sobretudo, pela classe, perseguem-no e retiram-lhe o jovem, mas com doçura, e apenas para seguir o costume, comprazendo-se a seguir em devolvê-lo para ser levado definitivamente. Se, ao contrário, o raptor não lhes parece ter classe suficiente, o jovem é retirado a sério e não mais devolvido. Seja como for, a perseguição cessa assim que este for levado até a andria de seu raptor. É julgado digno de ser amado não o rapaz mais belo, mas o que se distingue pela coragem e correção. Após desejar-lhe boas-vindas e dar-lhe presentes, o amante deixa com ele a cidade e o conduz ao lugar que lhe agrada. Todos os que assistiram ao rapto o acompanham, e festejam e caçam com ele durante dois meses a lei não permite reter o adolescente por mais tempo , retornando a seguir à cidade. Deixa-se, então, partir o adolescente, que recebe um equipamento militar, um boi, uma taça são os presentes prescritos por lei , além de muitos outros presentes de valor, de tal forma que os amigos do amante costumam se cotizar para ajuda-lo a enfrentar essas grandes despesas.

Quanto ao rapaz, ele oferece sacrifícios a Zeus e um banquete aos que o trouxeram de volta. Depois, faz uma declaração pública sobre a relação que manteve com o amante, na qual diz se tem algo a reclamar ou não, a lei estipulando que, se foi vítima de violências durante o rapto, pode pedir reparação nesse momento e ser subtraído a seu poder. Por outro lado, é sinal de infâmia para um adolescente bem-educado e de ilustre ascendência não conseguir arranjar amante, pois lhe atribuiriam algum defeito. Ao contrário, honras aguardam os parastátal, nome dado aos que foram objeto de um rapto:

a

eles são reservados os principais lugares nas reuniões públicas e nos estádios, e têm

o

direito de se distinguir dos demais, enfeitando-se com as vestimentas dadas pelo

amante. Esse direito não se restringe ao período de sua adolescência, pois, chegando à idade adulta, continuam a usar uma vestimenta particular a fim de que saibam que outrora foi um kleimós, termo que designa, entre os cretenses, o eròmenos, enquanto o

amante é chamado philétor.

11 É o que certos historiadores entendem por “fato social total”, lição central da obra de M. Mauss, o grande mestre de Dumézil.

16

VOZES DA JUVENTUDE

Tanto no modelo espartano, quanto no cretense, a educação dos jovens implica em alguma forma de pederastia.

JUVENTUDE JUDAICA NA EUROPA

No final do século XV, em Nuremberg, 24% dos homens judeus realizavam alguma espécie de serviço (como criados ou professores) na casa dos outros, e catorze, dentre quinze lares, abrigavam pelo menos uma dessas pessoas. Na comunidade de Alessandria, o número de criados (inclusive empregados de escritório e aprendizes) que viviam na casa dos outros permaneceu, entre 1734 e 1761, de forma constante em 7%, e o de lares judaicos com pelo menos um criado variava de 20% a 30%. Em Trieste, em 1769, os empregados domésticos compreendiam cerca de 10% de toda a população judia, e quase um quarto de todos os lares judaicos possuíam pelo menos um criado, homem ou mulher.

Em alguns casos, como na pequena comunidade piemontesa de Ivrea, cujos dez lares eram chefiados, em 1791, sobretudo por mercadores e banqueiros, 70% tinham criadas ou empregados, os quais formavam 14% da população judaica local. No caso dos judeus poloneses, os números eram evidentemente mais baixos. Na região de Lublin, segundo o censo de 1764, cerca de 7% das famílias judias, tanto no campo quanto na cidade, dispunham de criadas judias que viviam sob o mesmo teto. Na comunidade judaica relativamente pequena de Opatow, o índice de lares com criados de um ou outro sexo foi, durante a década de 1760, pouco superior a 8%

Nenhuma discussão da vida dos criados, em sua maioria não apenas jovens mas também solteiros, pode ignorar o elemento sexual que, muitas vezes, modelou as relações com seus patrões, entre si e com outros membros da comunidade. Na comunidade polonesa de Opatow, sobreviveu uma documentação bastante completa de dois casos, no período entre 1759 e 1778, envolvendo a exploração sexual de criadas domésticas por homens que não eram seus empregadores. A exploração pelos próprios empregadores era bem mais corriqueira e, exceto nos casos que resultavam em gravidez, em geral passava despercebida.

Em Casale, uma das três comunidades piemontesas mencionadas anteriormente, um chefe de família chamado Yedidiah Luzzatto, membro de uma irmandade devota, foi acusado por sua criada, Rachel Foa, de ser o pai do filho dela, após tê-la seduzido em diversas ocasiões durante a primavera e o início do verão de 1715, inclusive na primeira noite da Páscoa!

A FLOR DO MAL: ITÁLIA MEDIEVAL

A LUTA ENTRE JOVENS E CRIANÇAS

Sobretudo, mesmo fora dessa relação mecânica, os giovani tomam a palavra e invadem quando podem a cena pública da qual em geral são afastados.É o que acontece em Veneza, à noite, por intermédio das manifestações descritas. É o que acontece em Florença, na época de Savonarola. Quando o pregador afirma que a reforma da sociedade repousa sobre a das crianças, desencadeia-se a luta entre fanciulli e giovani. Às crianças é dada a tarefa de extirpar da cidade todos os pecados, de purgar Florença de todos os seus devassos. Através da cidade e do campo, elas cumprem a tarefa com tamanho zelo que ninguém consegue resistir-lhes. Tavernas são fechadas, jogos de cartas e de dados são proibidos, todas as pompas, vaidades e luxúrias tanto os penteados das mulheres como livros e quadros são combatidos por esses ferozes agentes da ordem de Deus. Começa o tempo do arrependimento, prelúdio ao reino de uma nova Jerusalém. Os jogadores fogem, as mulheres se enfeitam com decência, todos evitam o pecado e, sobretudo, o vício abominável. Essas companhias de crianças, preparadas para agir com violência, põem todas as suas armas habituais a serviço de Deus, batalhas de

17

VOZES DA JUVENTUDE

pedras ou coletas forçadas durante o Carnaval, praticadas aqui em benefício dos pobres. Agrupados por bairro em quatro associações, os fanciulli del frate fazem reinar o terror na sua circunscrição e, nos dias estabelecidos por Savonarola, saem em procissão vestidos de branco, com um ramo de oliveira na mão, imagem pública da inocência. As crianças cantam e acredita-se ouvir a voz do Senhor. Contra elas levantam-se os giovani, scelerati, giovanastri dissolutissimi et di ribalda vita, persone da fare ogni male Em torno de alguns jovens nobres, grupos se organizam. E esses compagnacci, esses arrabiati [possessos] fazem uma outra música. Gritos, injúrias e sinos à noite, gritaria e sinos também durante a prédica. Pele de asno em putrefação, benção dos fiéis com uma cebola espetada na espada, outros tantos meios de introduzir o mau cheiro nos recintos sagrados, de perverter os ritos e de fazer afundar o reino de Cristo na derrisão.

Todos esses fragmentos históricos mostram-nos que ao contrário da infância vítima de violência a juventude costuma ser mais reivindicativa e, por isso mesmo, não raro encarada como potencialmente mais perigosa: as crianças ao contrário dos

Talvez por isso a COR

jovens seriam mais facilmente colonizadas, domesticadas VERDE tenha sido considerada a COR JOVEM por excelência.

A COR JOVEM

Nos romances de cavalaria, um cavaleiro verde, isto é, cujos brasões, bandeira e xairei são de cor verde, é sempre uma personagem jovem e impetuosa, cuja irrupção em determinado episódio será inevitavelmente causa de desordem. O verde pode assumir um significado positivo ou negativo, pois, como toda cor, é ambivalente. As enciclopédias, a literatura alegórica e os tratados de heráldica fazem dele não apenas a cor da juventude, mas também a da esperança, do amor (em geral, do amor infiel) e da sorte. Em sentido negativo, o verde evoca a licenciosidade, a desordem, o infortúnio, a doença, o veneno, às vezes o diabo. Associado ao amarelo, simboliza a loucura ou a hipocrisia.

É evidentemente a idéia de selva, de natureza em pleno crescimento, que faz da cor verde,a cor da juventude. E, por ser a da juventude, ela é também a da esperança, do amor, da desordem e da inconstância. No entanto, sejam quais forem as técnicas, os pigmentos ou os suportes utilizados, a pintura e a tintura medievais sempre tiveram dificuldade de dominar os tons verdes. Estes são os mais instáveis, os que penetram com maior dificuldade nas fibras do tecido, no corpo do pergaminho, na pasta do vidro ou na massa do metal. Foi difícil fixá-los, adensá-los, torná-los claros, límpidos, luminosos. Daí, também, uma ligação possível entre a química e a ideologia: à instabilidade pigmentária poderia corresponder uma instabilidade simbólica. Como os tons verdes, os jovens são volúveis, instáveis, às vezes perigosos.

Se a cor verde é rara na imagem ocidental, nem por isso está ausente, e sua própria raridade pode favorecer empregos carregados de sentido. Na Iluminura, do século XII ao XIV, o verde é assim freqüentemente utilizado como uma cor periférica, uma cor de margem, contrariamente ao vermelho e ao azul, cores centrais. Donde seu emprego para sublinhar a condição subalterna ou o caráter desvalorizado das personagens vestidas com ele. Donde, igualmente, uma aproximação espacial entre essa cor e os jovens, também periféricos ou marginais. A codificação da imagem e a simbologia das cores juntam-se aqui para associar o verde e a juventude. Color minor juventuti inferior!

18

VOZES DA JUVENTUDE

V OZES DA J UVENTUDE 19

19

VOZES DA JUVENTUDE

O que é VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Contra Crianças e Adolescentes?
O que é VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Contra Crianças e Adolescentes?

20

III

VOZES DA JUVENTUDE

III V OZES DA J UVENTUDE

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES:

CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS

Como nos diz Adorno (1988):

A violência é uma forma de relação social; está inexoravelmente atada ao modo pelo qual os homens produzem e reproduzem suas condições sociais de existência. Sob esta ótica, a violência expressa padrões de sociabilidade, modos de vida, modelos atualizados de comportamento vigentes em uma sociedade em um momento determinado de seu processo histórico. A compreensão de sua fenomenologia não pode prescindir, por conseguinte, da

referência às estruturas sociais; igualmente não pode prescindir da referência aos sujeitos que

a fomentam enquanto experiência social. (

está presente nas relações

Ao mesmo tempo em que ela expressa relações

entre classes sociais, expressa também relações interpessoais (

intersubjetivas que se verificam entre homens e mulheres, entre adultos e crianças, entre profissionais de categorias distintas. Seu resultado mais visível é a conversão de sujeitos em

objeto, sua coisificação. (

A violência é simultaneamente a negação de valores

considerados universais: a liberdade, a igualdade, a vida. Se entendermos como o fez a filosofia política clássica que a liberdade é fundamentalmente capacidade, vontade,

determinação e direito natural do homem, a violência enquanto manifestação de sujeição e de coisificação só pode atentar contra a possibilidade de construção de uma sociedade de

a violência não é necessariamente condenação à morte, ou, ao menos, esta

homens livres (

não preenche seu exclusivo significado. Ela tem por referência a vida, porém a vida reduzida, esquadrinhada, alienada; não a vida em toda a sua plenitude, em sua manifestação prenhe de liberdade. A violência é uma permanente ameaça à vida pela constante alusão à morte, ao fim, à supressão, à anulação.

)

)

)

)

A violência doméstica apresenta uma relação com a violência estrutural

(violência entre classes sociais, inerente ao modo de produção das sociedades desiguais). No entanto, tem outros determinantes que não apenas os estruturais. É um tipo de violência que permeia todas as classes sociais enquanto violência de natureza interpessoal.

Enquanto violência intersubjetiva, a violência doméstica consiste também:

a. numa transgressão do poder disciplinador do adulto, convertendo a diferença de idade adulto-criança/adolescente, numa desigualdade de poder intergeracional;

b. numa negação do valor liberdade: ela exige que a criança ou adolescente sejam cúmplices do adulto, num pacto de silêncio;

c. num processo de vitimização enquanto forma de aprisionar a vontade e o desejo

da

criança ou do adolescente, de submetê-los ao poder do adulto a fim de coagi-

los

a satisfazer os interesses, as expectativas e as paixões deste.

21

VOZES DA JUVENTUDE

Por isso mesmo, o abuso-vitimização consiste, pois, num processo de completa objetalização da criança ou adolescente, isto é, de sua redução à condição de objeto

de VIOLÊNCIA.

Em síntese, a violência doméstica contra crianças e adolescentes:

é uma violência interpessoal;

é um abuso do poder disciplinador e coercitivo dos pais ou responsáveis;

é um processo de vitimização que às vezes se prolonga por vários meses e até anos;

é um processo de completa objetalização e sujeição da vítima;

é uma forma de violação dos direitos essenciais da criança e adolescente enquanto pessoas e, portanto, uma negação de valores humanos fundamentais como a vida, a liberdade, a segurança;

tem na família sua ecologia privilegiada. Como esta pertence à esfera do privado, a violência doméstica acaba se revestindo da tradicional característica de sigilo.

Portanto, a violência doméstica contra crianças e adolescentes representa todo ato ou omissão praticado por pais, parentes ou responsáveis contra crianças e/ou adolescentes que - sendo capaz de causar dor e/ou dano físico, sexual e/ou psicológico à vítima implica, de um lado, numa transgressão do poder/dever de proteção do adulto e, de outro, numa coisificação da infância, isto é, numa negação do direito que crianças e adolescentes têm de ser tratados como sujeitos e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento.

Existem

cinco

tipos

de

violência

doméstica

reconhecidos:

violência

física,

negligência, violência sexual, violência psicológica, violência fatal 12 .

Focalizaremos a violência psicológica com exclusividade.

RELATO DE VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA

FREUDIANA

Éramos quatro as filhas de minha mãe. Entre elas ocupei sempre o pior lugar. Duas me precederam eram lindas, mimadas. Devia ser a última, no entanto, veio outra que ficou sendo a caçula. Quando nasci, meu velho Pai agonizava, logo após, morria. Cresci, filha sem pai, secundária na turma das irmãs. Eu era triste, nervosa e feia. Amarela, de rosto empalamado. De pernas moles, caindo à toa. Os que assim me viam diziam:

12 Para um estudo mais aprofundado de negligência e violência familiar fatal, consulte-se Azevedo, M.A. & Guerra, V.N.A. (1998). Infância e Violência Fatal em Família - Primeiras Aproximações ao nível de Brasil. São Paulo: Iglu. Para uma abordagem em profundidade da problemática da violência sexual doméstica, consulte-se Azevedo, M.A. (1991). Infância e Violência Sexual Doméstica: um tabu menor de um Brasil menor. São Paulo: IPUSP. [Tese de Livre Docência]. Para conhecer com maior profundidade a violência física doméstica, consulte-se Azevedo, M.A. & Guerra, V.N.A. (2001). Mania de bater: a punição corporal doméstica de crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: Iglu.

22

Essa menina é o retrato vivo do velho pai doente.

Tinha medo das estórias que ouvia, então, contar:

assombração, lobisomem, mula-sem-cabeça. Almas penadas do outro mundo e do capeta. Tinha as pernas moles

e os joelhos sempre machucados, feridos, esfolados. De tanto que caía. Caía à toa. Caía nos degraus. Caía no lajeado do terreiro. Chorava, importunava. De dentro a casa comandava

Levanta, moleirona.

Minhas pernas moles desajudavam. Gritava, gemia. De dentro a casa respondia:

Levanta, pandorga.

Caía à toa nos degraus da escada, no lajeado do terreiro.

Chorava. Chamava. Reclamava. De dentro a casa se impacientava:

Levanta, perna-mole

E

a moleirona, pandorga, perna-mole

se levantava com seu próprio esforço.

Meus brinquedos Coquilhos de palmeira. Bonecas de pano. Caquinhos de louça. Cavalinhos de forquilha. Viagens infindáveis Meu mundo imaginário mesclado à realidade.

E a casa me cortava: menina inzoneira!

Companhia indesejável sempre pronta

a sair com minhas irmãs, era de ver as arrelias

e as tramas que faziam

para saírem juntas

e me deixarem sozinha,

sempre em casa.

A rua

(Atração lúdica, anseio vivo de criança,

mundo sugestivo de maravilhosas descobertas)

proibida às meninas do meu tempo. Rígidos preconceitos familiares, normas abusivas de educação

a rua!

emparedavam.

A

rua. A ponte. Gente que passava,

o

rio mesmo, correndo debaixo da janela,

eu via por um vidro quebrado, da vidraça empanada.

Na quietude sepulcral da casa,

era proibida, incomodava, a fala alta,

a risada franca, o grito espontâneo,

a turbulência ativa das crianças.

Contenção

limitando, estreitando exuberâncias, pisando sensibilidades.

motivação

Comportamento estreito,

23

VOZES DA JUVENTUDE

FONTE:

A gesta dentro de mim

Um mundo heróico, sublimado, superposto, insuspeitado, misturado à realidade.

E a casa alheada, sem pressentir a gestação, acrimoniosa repisava:

Menina inzoneira!

o sinapismo do ablativo queimava.

Intimidada, diminuída. Incompreendida. Atitudes impostas, falsas, contrafeitas. Repreensões ferinas, humilhantes.

E

o medo de falar

E

a certeza de estar sempre errando

Aprender a ficar calada. Menina abobada, ouvindo sem responder. Daí, no fim da minha vida,

esta cinza que me cobre

Este desejo obscuro, amargo, anárquico de me esconder, mudar o ser, não ser, sumir, desaparecer,

e reaparecer

numa anônima criatura sem compromisso de classe, de família.

Eu era triste, nervosa e feia. Chorona. Amarela de rosto empalamado, de pernas moles, caindo à toa. Um velho tio que assim me via

dizia:

Esta filha de minha sobrinha é idiota. Melhor fora não ter nascido!

Melhor fora não ter nascido Feia, medrosa e triste. Criada à moda antiga,

ralhos e castigos.

Espezinhada, domada. Que trabalho imenso dei à casa para me torcer, retorcer, medir e desmedir.

E me fazer tão outra,

diferente,

do que eu deveria ser. Triste, nervosa e feia. Amarela de rosto empapuçado. De pernas moles, caindo à toa. Retrato vivo de um velho doente. Indesejável entre as irmãs.

Sem carinho de Mãe. Sem proteção de Pai

melhor fora não ter nascido.

E

nunca realizei nada na vida.

Sempre a inferioridade me tolheu.

E foi assim, sem luta, que me acomodei na mediocridade de meu destino.

VOZES DA JUVENTUDE

CORALINA, Cora (1985). Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. São Paulo: Global.

IV

VOZES DA JUVENTUDE

IV V OZES DA J UVENTUDE

VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA DOMÉSTICA: UM CONCEITO POLÊMICO

A

conceituação

de

VIOLÊNCIA

PSICOLÓGICA

DOMÉSTICA

contra

Adolescentes é polêmica sob vários aspectos.

Crianças

e

A. Do conceito

Historicamente, o constructo 13 VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA DOMÉSTICA foi cunhado no seio da literatura feminista como parte da luta das mulheres para tornar pública a violência cotidianamente sofrida por elas na vida familiar privada. O movimento político-social que, pela primeira vez, chamou a atenção para o fenômeno da violência contra a mulher praticada por seu parceiro, iniciou-se em 1971, na Inglaterra, tendo sido seu marco fundamental a criação da primeira “CASA ABRIGOpara mulheres espancadas, iniciativa essa que se espalhou por toda a Europa e Estados Unidos (meados da década de 70), alcançando o Brasil na década de 80.

Foi em 1985 que Azevedo realiza pesquisa pioneira mapeando a natureza da violência doméstica contra mulheres no município de São Paulo. Segundo a pesquisadora, dos 2.316 boletins de ocorrência lavrados em 1981 naquele município e relativos a crimes praticados contra a mulher, 1.082 (46,72%) registravam lesão corporal dolosa e 937 (40,46%), lesão corporal. Analisando os temas que teriam culminado nos inúmeros meios e modos de violência física doméstica denunciados, a autora descobre que nos bastidores do espancamento da mulher estavam condutas portadoras de um outro tipo de violência: a de natureza psicológica, do tipo:

crueldade mental cerceamento de liberdade, desconfiança, mau gênio, ciúme, demandas excessivas etc.

ofensas verbais difamação, agressão verbal etc.

relações extraconjugais companheiro arranja amantes ostensivamente.

Embora o foco de seu trabalho tenha sido a violência doméstica de natureza física, Azevedo (1985) entende a violência psicológica como outra importante modalidade da violência familiar. Segundo ela,

violência contra a mulher [é] forma específica de violência interpessoal, perpetrada pelo homem e dirigida à mulher. A violência pode ser perpetrada como um fim em si (violência expressiva) ou como mecanismo para forçar a mulher a submeter-se às imposições do homem (violência instrumental). A violência expressiva geralmente constitui o que

13 Por constructo entende-se conceito deliberada e conscientemente inventado ou adotado, para uma finalidade científica específica. [Bastos, Lilia da Rocha et alii (1979). Manual para a elaboração de projetos e relatórios de pesquisa, teses e dissertações. Rio de Janeiro: Zahar. Glossário de termos básicos em pesquisa científica]

25

VOZES DA JUVENTUDE

denominamos abuso sexual. A violência instrumental costuma abranger o que conhecemos como abuso físico ou espancamento de mulheres e abuso psicológico ou perversa doçura, embora estes também possam ser exercidos como um fim em si.

Sinclair (1985), uma autora canadense, entende que a violência psicológica seria diferente de abuso emocional ou verbal, na medida em que teria um poder maior de induzir medo na vítima porque as ameaças de violência vêm acompanhadas de pelo menos um episódio de abuso físico.

De qualquer forma, a principal diferença entre violência doméstica física e a psicológica reside no fato de que a primeira envolve atos de agressão corporal à vítima enquanto no segundo caso, a agressão decorre de palavras, gestos, olhares a ela dirigidos, sem contato físico necessário.

Partindo dos estudos de vitimologia 14 , Marie France Hirigoyen (2000) (psiquiatra, psicanalista e psicoterapeuta familiar em França) conceitua a violência psicológica

como um processo real de destruição moral (

toda a individualidade (

)

[cujo ataque é dirigido] à identidade do outro e a dela extrair

)

e que pode levar à doença mental ou ao suicídio.Ela denomina esse processo

de assédio moral e/ou violência perversa, reconhecendo ser possível destruir alguém apenas com palavras, olhares, subentendidos: um verdadeiro assassinato psíquico. Recorre à qualificação perversa entendendo com isso tratar-se de um abuso

e não de uma patologia. A perversidade não provém de uma perturbação psiquiátrica e sim de uma fria racionalidade, combinada a uma incapacidade de considerar os outros seres humanos. O abuso

característico dessa violência, segundo a autora, começa com um abuso de poder, prossegue

com um abuso narcísico no sentido de que o outro perde totalmente a auto-estima e pode chegar, por

vezes, a um abuso sexual. Ainda segundo essa psiquiatra, a partir de sua experiência clínica, foi-lhe possível identificar algumas características da Violência Psicológica:

a mais assustadora é que se trata de uma violência INDIZÍVEL por excelência: a

vítima, mesmo reconhecendo seu sofrimento, não ousa verdadeiramente imaginar que tenha havido

violência (

)

Não raro persiste a dúvida: Será que não sou eu que estou inventando tudo isso, como

alguns já me disseram?

 

2ª

o agressor tende a reproduzir seu comportamento destruidor em todas as circunstâncias de sua vida:

em seu lugar de trabalho, com o cônjuge, com os filhos ( caminho juncado de cadáveres ou mortos-vivos;

)

Surgem assim indivíduos que deixam seu

é difícil de

detectar

porque

as agressões são sutis, não há vestígios tangíveis (

)

[e

freqüentemente] a vítima é considerada cúmplice ou até mesmo responsável pela relação perversa ( ) Isto é negar a dimensão de domínio que paralisa a vítima e a impede de defender-se.

Essa natureza polimorfa da Violência Psicológica explica porque ela pode permear o contexto de muitas instituições (família, escola, empresa etc.) e porque suas vítimas são sempre os fracos de poder em cada um desses contextos (mulheres, crianças e velhos na família; alunos na escola; empregadas nas empresas etc.).

Daí porque, já em 1979 e 1980, vamos encontrar na obra de Alice Miller 15 , a denúncia da crueldade em relação à infância, disfarçada sempre de educação para o

14 Vitimologia é a disciplina, oriunda da criminologia, que se dedica ao estudo das razões que levam um indivíduo a tornar-se

vítima, bem como dos processos de vitimização, suas conseqüências e direitos que o indivíduo pode reivindicar.

15 Alice Miller é especialista de renome internacional em temas ligados à psicologia da infância e autora de inúmeras obras dedicadas à educação, bastante divulgadas na Alemanha, França e Estados Unidos.

26

VOZES DA JUVENTUDE

próprio bem da criança. Num pequeno livro publicado na Alemanha, em 1979, e traduzido no Brasil como O drama da criança bem dotada (1986), Alice Miller demonstra como os pais podem deformar a vida emocional dos filhos, apropriando-se e manipulando sua vida psíquica como se a criança fosse uma catexis narcísica do pai ou da mãe. Nesse ruinoso processo, a criança é amada ao preço de deixar de ser ela própria. Recorrendo a exemplos vários, extraídos quase sempre do mundo das Artes, mostra como esse processo é mais agudo em crianças bem dotadas, que, sendo mais sensíveis, captam melhor as expectativas dos pais, às quais procuram amoldar-se, sacrificando seu próprio EU.

No livro publicado na Alemanha, em 1980, e editado na Espanha, em 1985, com

o sugestivo título de POR TU PRÓPIO BIEN, a autora parte da afirmação de que há muitas

formas de crueldade que até hoje não se conhecem porque o dano que causam nas crianças e suas conseqüências continuam sendo muito pouco estudadas. Nessa obra, a autora mostra como, ao

longo de mais de duzentos anos, a Educação Tradicional foi plasmando uma pedagogia despótica 16 misto de punição corporal e humilhação destinada a quebrantar a vontade da criança, a fim de domesticá-la e transformá-la em um ser dócil e obediente aos desígnios dos adultos.

Recorrendo a três retratos de crianças educadas através dessas práticas (Cristiane F., prostituída e drogada; Jurgen Bartsch, jovem homicida alemão e Adolf Hitler), Alice Miller mostra quais as táticas e as conseqüências do que seria uma verdadeira guerra de extermínio contra o próprio EU.

Trata-se, sem dúvida, da Violência Psicológica Doméstica, embora a autora não

a nomeie dessa forma. Não é de estranhar que um pouco mais tarde, a literatura

sobre Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes incorpore a discussão sobre o conceito de Violência Psicológica. Ao longo da mesma, vamos ver surgir termos como abuso e maus tratos 17 ,adjetivados seja de emocional,seja de psicológico. Assim, alguns autores fizeram distinção entre abuso emocional e psicológico

(O’Hagan, 1993), considerando o primeiro como todo e qualquer comportamento dos pais ou responsáveis abertamente hostil ou omisso em relação aos filhos e capaz de danificar sua auto-estima e auto-afirmação. O segundo envolveria condutas mais sutis (tipo perversa doçura), mas igualmente danosas à personalidade infantil.

Garbarino, Guttmann e Seeley (1986), bem como McGee e Wolfe (1991)

consideram mais adequado falar em maus tratos psicológicos para cobrir os dois tipos de abuso. Segundo os primeiros autores, trata-se de um ataque bem articulado

praticado por um adulto e dirigido ao desenvolvimento do eu e à competência social de uma criança.

Em 1995, a American Professional Society on the Abuse of Children assim definiu a Violência Psicológica:

Um padrão repetido de interações responsávelcriança ou incidentes extremos entre ambos, que comunicam à criança a idéia de que ela é inútil, imperfeita, mal amada, não desejada, em perigo ou de que só serve para satisfazer as necessidades de outrem.

16 A autora denomina-a Pedagogia Negra. Para evitar interpretações equivocadas, optamos por adotar a expressão Pedagogia Despótica. Para maiores informações, consulte-se Azevedo, M.A. (1995). A pedagogia despótica e a violência doméstica contra crianças e adolescentes: onde psicologia e política se encontram. In: Azevedo, M.A. & Menin, M.S. dos S.

(orgs.). Psicologia e Política / Reflexões sobre possibilidades e dificuldades deste encontro. São Paulo: Cortez.

17 Conscientemente rejeitamos ambas as expressões. Para maiores aprofundamentos, consulte-se Azevedo, M.A. & Guerra, V.N.A. (1995). Violência doméstica na infância e na adolescência. São Paulo: Robe.

27

VOZES DA JUVENTUDE

No Brasil, desde 1989, Azevedo e Guerra vêm discutindo a questão da Violência

Psicológica Doméstica, entendida como AbusoVitimização Psicológica de Crianças e Adolescentes. Sinteticamente, as autoras reiteram a mesma conceituação em obra publicada em 1998:

Também designada como tortura psicológica, ocorre quando pais ou responsáveis constantemente depreciam a criança, bloqueiam seus esforços de auto-aceitação, causando- lhe grande sofrimento mental.

O quadro a seguir permite uma visão panorâmica e comparativa das principais conceituações levantadas na literatura especializada.

A discussão conceitual, porém, está longe de terminar, embora o

reconhecimento da Violência Doméstica Psicológica já tenha ocorrido em diversos documentos concernentes à proteção dos Direitos da Criança: na Inglaterra e País de Gales, foi incorporada pela legislação em 1980; nos Estados Unidos, desde 1977, foi incorporada aos Estatutos de várias Unidades Federadas.

No plano internacional, A Declaração Universal dos Direitos da Criança (20.11.59), em seu Princípio 9, assegura proteção à criança contra quaisquer formas de negligência, crueldade e exploração. Também a Convenção sobre os Direitos da Criança

(20.11.89), ratificada pelo Brasil a 26.01.90, protege a criança contra todas as formas de

violência física ou mental (

No Brasil, o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº

8.069, de 13 de julho de 1990) estatui em seu art. 5º, que nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade

e opressão (

Na prática, porém, as conceituações se mostraram de pouca utilidade, dada a

amplitude e nebulosidade das condutas passíveis de enquadramento como Violência

Psicológica Doméstica.

Os especialistas passaram, então, a empenhar-se em definir a Violência

Psicológica Doméstica de uma forma menos genérica e mais operacional. Teoricamente válido, tal esforço revelou-se, porém, igualmente polêmico.

).

)

[os grifos são nossos].

28

VOZES DA JUVENTUDE

QUADRO 1 Mapeamento das principais conceituações de Violência Psicológica Doméstica [VPD] / (1976-2001)

Nº de Ordem da

 

TERMINOLOGIA EMPREGADA

   

FACETAS CONCEITUAIS

 
               

Relação com outras Modalidades [V. Física / V. Sexual]

REFERÊNCIA

Conseqüências

BIBLIOGRÁFICA

Abuso

Maltrato

Negligência

Violência

Outra

 

Autoria

 

Conduta Parental

para Vítima

emocional

psicológico

emocional

Psicológica

Adulto

Pais ou

Irmãos

Genérica

Ativa

Passiva

Tipologia

Sofrimento

Dano

 

Responsáveis

1

X

 

X

     

X

 

X

X

X

       

2

 

X

       

X

           

X

 

3

X

         

X

 

X

       

X

 

4

       

X

 

X

 

X

       

X

X

5

X

         

X

       

X

X

   

6

       

X

 

X

       

X

     

7

 

X

       

X

       

X

 

X

 

8

 

X

       

X

 

X

   

X

     

9

 

X

       

X

 

X

           

10

 

X

       

X

       

X

     

11

 

X

       

X

 

X

       

X

 

12

 

X

       

X

       

X

     

13

     

X

   

X

         

X

   

14

X

         

X

 

X

       

X

 

15

 

X

       

X

 

X

       

X

 

16

 

X

       

X

 

X

       

X

 

17

 

X

       

X

 

X

         

X

18

 

X

       

X

 

X

           

19

 

X

       

X

 

X

         

X

20

       

X

 

X

 

X

       

X

 

21

 

X

       

X

 

X

       

X

 

22

 

X

       

X

 

X

   

X

 

X

 

23

 

X

     

X

   

X

   

X

     

24

 

X

       

X

 

X

           

25

 

X

       

X

 

X

       

X

 

26

 

X

       

X

 

X

           

27

 

X

       

X

 

X

           

28

 

X

       

X

       

X

     

29

 

X

       

X

             

X

29

VOZES DA JUVENTUDE

Nº de Ordem da

 

TERMINOLOGIA EMPREGADA

   

FACETAS CONCEITUAIS

 
               

Relação com outras Modalidades [V. Física / V. Sexual]

REFERÊNCIA

Conseqüências

BIBLIOGRÁFICA

Abuso

Maltrato

Negligência

Violência

Outra

 

Autoria

 

Conduta Parental

para Vítima

emocional

psicológico

emocional

Psicológica

Adulto

Pais ou

Irmãos

Genérica

Ativa

Passiva

Tipologia

Sofrimento

Dano

 

Responsáveis

30

X

         

X

 

X

       

X

 

31

 

X

       

X

             

X

32

 

X

       

X

       

X

     

33

X

X

       

X

 

X

           

34

X

X

       

X

 

X

           

35

 

X

   

X

 

X

       

X

     

36

 

X

       

X

       

X

     

37

 

X

       

X

       

X

     

38

 

X

 

X

X

 

X

 

X

           

39

X

 

X

     

X

 

X

X

X

   

X

X

40

X

X

     

X

X

 

X

           

41

 

X

         

X

             

42

X

X

       

X

       

X

     

43

       

X

 

X

       

X

     

44

 

X

       

X

 

X

           

45

       

X

 

X

       

X

     

46

     

X

 

X

X

       

X