P. 1
Estratégias Eleitorais, por Sérgio Boechat

Estratégias Eleitorais, por Sérgio Boechat

|Views: 5.136|Likes:
Publicado porgiovanimiguez
Palestra realizada em 12 de Dezembro de 2009 aos pré-candidatos pelo Partidp Humanista da Solidariedade - PHS, no Rio de Janeiro
Palestra realizada em 12 de Dezembro de 2009 aos pré-candidatos pelo Partidp Humanista da Solidariedade - PHS, no Rio de Janeiro

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: giovanimiguez on Dec 13, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/21/2012

pdf

text

original

ESTRATÉGIAS ELEITORAIS

SÉRGIO BOECHAT

1

INTRODUÇÃO

2

ELEIÇÃO É GUERRA! Semelhanças entre Eleição e Guerra! 01. 02. 03. 04. 05. 06. 07. 08. Conhecimento do terreno! Comando Estratégia Organização Artilharia e Infantaria. Disciplina Armas Modernas Objetivos: Conquistar espaço.
3

LEIS QUE REGEM AS CAMPANHAS ELEITORAIS

4

LEI DA INDIFERENÇA
Estão inseridos aqui os indecisos e os indiferentes. Não notam ou fazem força para não notar o que se passa ao seu redor.

LEI DA PROCRASTINAÇÃO
Estão inseridos aqui os que deixam tudo para a última hora. Decidem em quem vão notar no último momento.

LEI DA EFEMERIDADE
Estão inseridos aqui os que mudam a intenção de voto o tempo todo.
5

A DECISÃO DE CONCORRER

6

“Não se faz campanha sem emoção, mas não se ganha sem planejamento”.
Responda 10 perguntas:
01. Será que eu quero mesmo o cargo? 02. Será que eu sei, com clareza, o que eu quero fazer no cargo? 03. Vou dispor do tempo necessário para a função? 04. Será que este é o momento certo? 05. Será que posso ganhar ou ter um bom desempenho? 06. Será que vou aguentar agressões, acusações e boatos? 07. Posso dar-me ao luxo de perder a eleição? 08. Posso dar-me ao luxo de ganhar a eleição? 09. Posso levantar fundos suficientes para a campanha? 10. Posso fazer isso para a minha família?
7

QUANDO COMEÇAR A CAMPANHA?

8

O que fazer nesta fase de précampanha?
01. Preparar um plano de trabalho; 02. Preparar listas de apoio; 03. Começar a organização da equipe de trabalho; 04. Levantamento de Informações.

9

AS FASES DA CAMPANHA

10

Lançamento da Candidatura 07 dias – É um ato político. Tornar conhecida a candidatura. Início da Campanha 07 dias – Anunciar os principais apoios. Consolidação da Candidatura 20 dias – Levar a candidatura para a rua e fixar junto ao eleitorado. Desenvolvimento da Campanha 55 dias: Agenda do Candidato; Programação de Rádio e TV; Trabalho de Campo; Produção de Mídia. Final de campanha 10 dias - Conquistar os eleitores indecisos; voto útil; dar visibilidade à candidatura.
11

PLATAFORMA DO CANDIDATO

12

Foco, imagem e propostas. Ideia Central. Mensagem.
OBJETIVOS: A preocupação do candidato deve ser conseguir que o eleitor o conheça, o identifique, o compare com outros candidatos e vote nele!
13

A IMPORTÂNCIA DO CONTATO COM O ELEITOR – CORPO A CORPO

14

Conhecer tudo o que é importante sobre o evento. Conhecer, antecipadamente, o trajeto até o evento. Cuidado para não fazer pequenas desconsiderações. Adotar o grau de informalidade que a situação permite. Cumprimentar a todos. Tenha horário para chegar e para sair. Usando a família no corpo a corpo.
15

LEGISLAÇÃO ELEITORAL - O QUE PODE E O QUE NÃO PODE FAZER?

16

LEI ELEITORAL 9504/97 LEI FEDERAL 12034/09

17

01. A propaganda eleitoral somente é permitida após o dia 5 de julho do ano da eleição. 02. Não será considerada propaganda eleitoral antecipada:  I - a participação de filiados a partidos políticos ou de précandidatos em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos, desde que não haja pedido de votos, observado pelas emissoras de rádio e de televisão o dever de conferir tratamento isonômico;  II - a realização de encontros, seminários ou congressos, em ambiente fechado e a expensas dos partidos políticos, para tratar da organização dos processos eleitorais, planos de governos ou alianças partidárias visando às eleições; 

18

03. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do Poder Público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados.
A veiculação de propaganda em desacordo com o disposto no caput deste artigo sujeita o responsável, após a notificação e comprovação, à restauração do bem e, caso não cumprida no prazo, a multa no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) a R$ 8.000,00 (oito mil reais).
19

04. Em bens particulares, independe de obtenção de licença municipal e de autorização da Justiça Eleitoral a veiculação de propaganda eleitoral por meio da fixação de faixas, placas, cartazes, pinturas ou inscrições, desde que não excedam a 4m² (quatro metros quadrados) e que não contrariem a legislação eleitoral, sujeitandose o infrator às penalidades previstas no § 1o.  05. Nas árvores e nos jardins localizados em áreas públicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisórios, não é permitida a colocação de propaganda eleitoral de qualquer natureza, mesmo que não lhes cause dano. 
20

06. É permitida a colocação de cavaletes, bonecos, cartazes, mesas para distribuição de material de campanha e bandeiras ao longo das vias públicas, desde que móveis e que não dificultem o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos.  A mobilidade referida no § 6o estará caracterizada com a colocação e a retirada dos meios de propaganda entre as seis horas e as vinte e duas horas.  07. A veiculação de propaganda eleitoral em bens particulares deve ser espontânea e gratuita, sendo vedado qualquer tipo de pagamento em troca de espaço para esta finalidade. 08. Independe da obtenção de licença municipal e de autorização da Justiça Eleitoral a veiculação de propaganda eleitoral pela distribuição de folhetos, volantes e outros impressos, os quais devem ser editados sob a responsabilidade do partido, coligação ou candidato.

21

09. Todo material impresso de campanha eleitoral deverá conter o número de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica CNPJ ou o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF do responsável pela confecção, bem como de quem a contratou, e a respectiva tiragem.  10. Quando o material impresso veicular propaganda conjunta de diversos candidatos, os gastos relativos a cada um deles deverão constar na respectiva prestação de contas, ou apenas naquela relativa ao que houver arcado com os custos. 11. A realização de qualquer ato de propaganda partidária ou eleitoral, em recinto aberto ou fechado, não depende de licença da polícia.
22

12. O funcionamento de alto-falantes ou amplificadores de som, ressalvada a hipótese contemplada no parágrafo seguinte, somente é permitido entre as oito e as vinte e duas horas, sendo vedados a instalação e o uso daqueles equipamentos em distância inferior a duzentos metros: I - das sedes dos Poderes Executivo e Legislativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, das sedes dos Tribunais Judiciais, e dos quartéis e outros estabelecimentos militares; II - dos hospitais e casas de saúde; III - das escolas, bibliotecas públicas, igrejas e teatros, quando em funcionamento.
23

13. Constituem crimes, no dia da eleição, puníveis com detenção, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa no valor de cinco mil a quinze mil UFIR: I - o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata; II - a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna; III - a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos. 
24

14. É vedada na campanha eleitoral a confecção, utilização, distribuição por comitê, candidato, ou com a sua autorização, de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor. 15. É proibida a realização de showmício e de evento assemelhado para promoção de candidatos, bem como a apresentação, remunerada ou não, de artistas com a finalidade de animar comício e reunião eleitoral. 16. É vedada a propaganda eleitoral mediante outdoors, sujeitando-se a empresa responsável, os partidos, coligações e candidatos à imediata retirada da propaganda irregular e ao pagamento de multa no valor de 5.000 (cinco mil) a 15.000 (quinze mil) UFIRs.
25

17. Até as vinte e duas horas do dia que antecede a eleição, serão permitidos distribuição de material gráfico, caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos.  18. Fica vedada a utilização de trios elétricos em campanhas eleitorais, exceto para a sonorização de comícios.  19. É permitida, no dia das eleições, a manifestação individual e silenciosa da preferência do eleitor por partido político, coligação ou candidato, revelada exclusivamente pelo uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivos. 
26

20. É vedada, no dia do pleito, até o término do horário de votação, a aglomeração de pessoas portando vestuário padronizado, bem como os instrumentos de propaganda referidos no caput, de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem utilização de veículos.  21. São permitidas, até a antevéspera das eleições, a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na internet do jornal impresso, de até 10 (dez) anúncios de propaganda eleitoral, por veículo, em datas diversas, para cada candidato, no espaço máximo, por edição, de 1/8 (um oitavo) de página de jornal padrão e de 1/4 (um quarto) de página de revista ou tabloide. 
Deverá constar do anúncio, de forma visível, o valor pago pela inserção. A inobservância do disposto neste artigo sujeita os responsáveis pelos veículos de divulgação e os partidos, coligações ou candidatos beneficiados a multa no valor de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 10.000,00 (dez mil reais) ou equivalente ao da divulgação da propaganda paga, se este for maior.

27

CAMPANHA NA INTERNET

28

O Congresso aprovou a reforma eleitoral sem restrições à internet no período de campanhas eleitorais. Os parlamentares aprovaram emenda que libera a atuação de sites jornalísticos, blogs e sites de relacionamentos durante as campanhas. Há apenas a proibição do anonimato aos jornalistas e a garantia de direito de resposta aos candidatos que se sentirem ofendidos. Os sites também podem realizar debates entre os candidatos sem as regras aplicadas às rádios e televisões. Foi liberada a veiculação de propaganda política na internet desde 48 horas antes do pleito até 24 horas depois da eleição. Os candidatos podem fazer propaganda em seus sites oficiais, ou dos partidos, mesmo no dia da eleição.
29

Doações – Mecanismo disponível em sítio do candidato, partido ou coligação na internet, permite, inclusive o uso de cartão de crédito e deverá atender aos seguintes requisitos:  a) identificação do doador;  b) emissão obrigatória de recibo eleitoral para cada doação realizada.

Na hipótese de doações realizadas por meio da internet, as fraudes ou erros cometidos pelo doador sem conhecimento dos candidatos, partidos ou coligações não ensejarão a responsabilidade destes nem a rejeição de suas contas eleitorais. 
30

OBRIGADO!
Esta apresentação estará disponível para download em:
www.sergioboechat.blog.br

31

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->