Você está na página 1de 3

O barquinho de papel

Olhem só o que temos agora… O que será? Um chapéu de soldado! (Canção do marcha soldado cabeça de papel). Um dia os seus amigos apostarem com ele que. A tempestade ficou mais forte ainda e as ondas do mar fizeram com que o barquinho partisse a popa (rasgar a parte da traz). O Guilherme não concordou e apostou que demorava menos tempo. então o Guilherme teve uma ideia (dobrar os cantinhos para finalizar o chapéu). então ele resolveu dobrá-lo de novo (dobrar o chapéu a meio). e para cá e para lá! (som da tempestade) A força das ondas fez com que o barquinho batesse contra um rochedo e a proa partiu-se (rasgar a parte da frente). o chapéu era muito grande para a cabeça do Guilherme. se chegava numa hora indo a pé. Enquanto o Guilherme estava a refrescar-se ao sabor do vento. Tirou a camisola. Cansado e cheio de calor. Só que agora ficou pequeno demais… O Guilherme ficou muito aborrecido e tentou voltar a traz mas não conseguiu… (abrir o chapéu mais pequeno) Ahhh um barquinho! Ele ficou todo contente e decidiu correr logo até à praia que ficava ali perto. A minha mãe vai ralhar comigo! Mas agora também não a vou procurar… Vou apanhar um ralhete de qualquer forma. decidiu sentar-se à sombra de uma árvore para descansar. No caminho começou a chover e o Guilherme teve que se abrigar num telheiro de uma paragem do autocarro. andou. pois estava com muito calor e escutou …(som do vento). Mal deixou de chover retomou o caminho até à praia. O barquinho . de casa até a cidade Leiria. andou… Já estava a caminho à duas horas e ainda não avistava a cidade. No dia seguinte acordou cedo. Quando chegou à praia deu por falta da sua camisola e pensou: . Enquanto esperava que a chuva parasse aproveitou para se sentar no banco e enxugar o barquinho com a camisola que se tinha molhado com a chuva. Vou mas é brincar um pouco com o barquinho aqui na praia e depois vou para casa! Usando a imaginação o Guilherme embarcou no frágil barquinho que rapidamente navegou para o mar a dentro! (musica do barquinho) Já estava bem em alto mar quando se formou uma grande tempestade que empurrava o barquinho para lá e para cá.Epá! A minha camisola!? Onde é que a deixei? Com esta correria toda devo a ter perdido pelo caminho. surgiu uma borboleta a voar em torno da sua cabeça (musica da borboletinha e fazer com a folha de papel dobrada de conta que é uma borboleta)… A borboleta afastou-se e foi pousar em cima de uma casa (dobrar a folha de papel com os triângulos). Ohhh. Andou. Mas aquela casa era muito desajeitada (dobrar as abas para fora) e mesmo assim parecia que se ia desmontar.O Guilherme era um menino muito esperto e teimoso.

acabou de virar e bateu com a parte de cima da vela no fundo do mar que se acabou por partir também. Onde está? Onde? (desdobara o barquinho rasgado). . (desligar o som) E sabem o que aconteceu??? O Guilherme devido ao cansaço e ao calor abrigou-se de baixo de uma árvore perto da praia e acabou por adormecer sonhando que andava de barquinho de papel! Quando acordou a sua camisola estava ao seu lado.

Interesses relacionados