Você está na página 1de 2

VASSOURAS E VARINHAS DE CONDÃO

( Às Mulheres ‘ Brabas’ )

Pensem nas crianças mudas, telepáticas...


Pensem nas meninas cegas, inexatas...
Mas não esqueçam, não esqueçam, não esqueçam...
Que quem nos olhos fundos guarda toda a dor,
a dor de todo este mundo
não é a Carolina, ou a Luísa, Ou a Amélia, ou a Lígia
ou até a "garota papo firme que o Roberto falou!"

Mirando-se no exemplo daquelas ‘mulheres de Atenas’


diga pro ‘Pedro Pedreiro Penseiro esperando o trem’,
que ‘chega de tentar dissimular, e disfarçar e entender..’.
que não adianta mais o ‘mustang cor de sangue’,
ou ‘a questão social industrial’.

‘Não corro por dinheiro


até jogar no chão meu corpo inteiro !!’

Mesmo que o Papa tenha feito a tal missa em Roma


dizendo ser feminista (será lobby futurista?)
Mesmo que na China ainda matem meninas ao nascer
esta China do Taoísmo, incoerências mil,
pensei que coisas esquisitas fossem 'made in Brazil' ,,,

Maria é e exige ‘um dom, uma certa magia’


de sonhar "The (IM?) Possible Dream",
na feminina New York, dountown
ou numa casinha de sapê
- ou seja –
que o homem e a mulher não sejam o sol e a lua
nem precisem da ‘lanterna dos afogados’ prá se
encontrarem
- na fala de Pessoa –
"como uma mão direita e uma esquerda".
E na de Cecília Meirelles, que a mulher se pergunte mais:
"Em que espelho ficou perdida a minha face?".
E é tarde, já vou indo preciso ir embora,
até amanhã...Mamãe quando eu saí disse:
"NÔ, não demora em Jaçanã..."
(ou foi em Rio Claro?)

NÔ/1999
Original em www.tesseract.psc.br