Você está na página 1de 2

Minha lista infantil de traumas - Parte 1/359, ou Como certas coisas são um pé no sa

co e destroem nossa personalidade


Respondia pelo nome de Nazaré, a nojenta.
Não sei porque minha mãe ao invés de me colocar em colégios chiques com nomes respeitáveis
só me punha em escolinhas de fundo de quintal com nomes "Abelinha Encantada" "Sor
risinho infantil" "O Sabidinho" "O mundo encantado da criança", esse último só faria j
us ao nome se lembrássemos das criaturas horrorosas que nos contos sempre querem d
errubar as boas fadas e princesas lindas de cintura 36 e halito de romã - Tá eu não se
i como cheira uma romã, aliás nunca vi uma romã e nem sei se quando comemos o cheiro s
e impregna de forma a virar hálito, mas que comer romã e ultra-mega-super-plus-advan
ced-gold elegante é!
Um dia comerei romãs ! (pausa para olhar para o infinito com cara de Scarlett Ohar
a dizendo que jamais passara fome novamente...)
Pausa 2 - Minha consultora para assunto de frutas de ponta me falou que romã não é xic
e que ela come sentada no chão....ai amiga Carla Hoof pode ir me desculpando, mas
nós aqui no Norte nunca vimos uma romã, elas pra gente nascem em países frios e são col
hidas por pequeninos e doces duendes montados em unicórnios anões, e quanto a dizer
que a fruta é sem graça...poxa amiga, não se acaba assim com os sonhos de uma pessoa,
chuinf.
No Mundo Encantado da criança, mais precisamente da 1ª a 3ª série a minha "tia" era a Na
zaré.
Eu sempre tive restriçoes com pessoas de bigodes, mulheres de bigode pra mim eram
seres de outro mundo, e adivinha...Tia Nazaré tinha um bigode, e pior, um bigode e
sbranquiçado já que quando eu tinha 6 anos ela já era velha.
Ela me perseguia, acho que as coisas que aquela pedagoga me fazia nunca deixarão e
u ser uma pessoa normal.
É, parte de minha insanidade vem daquele tempo.
Ela me colocava pra ler lá na frente, mas só me dava textos com palavras difíceis como
"decisão" "exceção"...como explicar pra quem acabou de aprender a ler que ç tem som de
ss, e s de z? Com jeito né? Não, ela gritava, ela me fazia passar vergonha.
Hoje em dia eu não falo em público, eu suo, eu tremo, eu gaguejo e fico fanha. Traum
a
Lembro de uma vez que eu fui fazer prova e o lápis quebrou, ao invés de apontar meu
lápis ela mandou eu ficar colocando a pontinha no buraco do lapis, e assim eu fiz
o meu ditado, lógico que perdi palavras importantes e meu texto ficou meio sem noção,
e ela me deu nota baixa...e eu peguei carão em casa.
Até a faculdade eu levava 3 lapiseiras em dia de prova. Trauma.
Em outra ocasião eu derramei groselha na minha carteira escolar, coisa que poderia
acontecer a qualquer criança, bom, gasp, gasp, a qualquer criança que estivesse se
equilibrando nos pés traseiros da cadeira e pé na mesa, mas mesmo assim, a louca me
deu uma reguada, e me fez limpar o chão durante a aula inteira, na frente de todo
mundo, sei não, mas eu acho que o que mamis pagava dava pra cobrir gastos com esse
pequenos acidentes.
Até hoje odeio limpar o chão. Trauma.
Momento vexame foi quando não me deixou ir ao banheiro, e fiz xixi nas calças, ela m
e colocou como troféu pras crianças abestadas que nem eu não repetissem o feito, e fiq
uei mijada até o fim da aula.
Numa aula de redação ela leu a minha lá na frente, o tema era...conte uma estoria engr
açada.
" Era uma vez uma menina, ela estava sentada e a formiga veio e mordeu seu pe"
A chata não viu graça na minha redação, leu lá na frente e até hoje risadas ecoam na minha
abeça enquando mini-bocas banguelas se abriam rindo de mim em "isloumoucham".
Ah! Era engraçadinha né? E a subjetividade do texto? Poxa!
Até hoje acho que tudo que escrevo tem que ser engraçado. Trauma.
Eu não sei se ela fazia isso com todos, não sei se todos odiavam essa mulher e fazia
m orações como "abençoa papai, mamae, minha boneca amiguinha e faça com que tia nazaré tro
pece no banheiro bata a cabeça no vaso e morra, e no lugar dela surja a Branca de
Neve pra dar aula amanhã. Amém"
Mas no outro dia a velha sempre tava lá, com o bigode reluzente esperando na porta
da sala.
Minha mãe nunca acreditou nas minhas historias, uma vez eu a vi dando dois beijinh
os na bruxa depois de uma reunião em que a velha falou que meu rendimento era baix
o, traidora, passei anos sem beijar minha mãe. Trauma.
Até que minha mãe casou...e ele fez a gente mudar, pra bem longe da Nazaré Tedesco dos
pré escolares, a Cuca das cartilhas, a bruxa Queca dos giz de cera.
E eu entrei pro mundo das escolas decentes, onde cada matéria era ministrada por u
ma tia diferente.
Nem preciso dizer qual será minha primeira pergunta quando for matricular o Lorenz
o né?
"Tem alguma Nazaré ai?"
Tá, a velha já deve ter morrido (espero), mas uma conferida nos bigodes das tias nun
ca será demais, é a certeza que no mundo encantado das crianças, as bruxas se fantasia
m de fadas.